Jeremias 52

1 Zedequias era de idade de vinte e um anos quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Hamutal, filha de Jeremias, de Libna.

Comentário de A. R. Fausset

(Veja em Jeremias 51:64). Jeremias, tendo já (trigésimo nono e quadragésimo capítulos) dado a história no devido lugar, não era provável que a repetisse aqui. Sua autoridade canônica, conforme inspirada, é mostrada por estar na versão da Septuaginta. Ele contém a captura e a queima de Jerusalém, etc., o castigo de Zedequias e o melhor tratamento de Joaquim, sob o Mal-Merodaque, até a sua morte. Estes últimos eventos foram provavelmente subsequentes ao tempo de Jeremiah. Escrito por outros que não Jeremias (provavelmente Esdras) como um complemento histórico para as profecias anteriores. [Fausset, aguardando revisão]

2 E ele fez o que era mal aos olhos do SENHOR, conforme tudo o que Jeoaquim fizera.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-11) Destino do rei Zedequias na tomada de Jerusalém; compare com 2Rs 24:18; 2 Reis 25:7 e Jeremias 39:1-7. As declarações sobre a ascensão de Zedequias e seu governo, Jeremias 52:1-3, concordam palavra por palavra com 2Reis 24:18-20, até a variação השׁליכו, Jeremias 52:3, para השׁליכו (Reis). A duração do cerco de Jerusalém, Jeremias 52:4-7, e a fuga, captura e condenação do rei Zedequias e dos príncipes de Judá, Jeremias 52:7-11, não apenas concorda com mas também com Jeremias 39:1-7, onde é meramente a entrada forçada na cidade pelos caldeus que recebe detalhes especiais; veja em Jeremias 39: 3 . A variação ויּחנוּ, Jeremias 52:4, em vez de ויּחן (2 Reis 25:1), não afeta o sentido. Quanto ao relato da fuga, captura e condenação do rei, tanto Jeremias 39 quanto 2 Reis citam os avisos dados em Jeremias 52:10 “e também todos os príncipes de Judá ele fez com que fossem mortos (ou seja, executados) em Ribla” e em Jeremias 52:11 “, e ele o colocou na prisão até o dia de sua morte”. בּית־הפּקדּות foi traduzido como οἰκία μυλῶνος pela lxx; neste fato Hitzig baseia a opinião de que as palavras hebraicas significam “a casa de castigo”, ou “a casa de correção”, em que Zedequias foi obrigado a girar o moinho como outros culpados, e como Sansão foi obrigado a fazer (Juízes 16:21). Mas esse significado das palavras não pode ser comprovado. פּקדּה significa “supervisão, reunião ou visitação (Heimsuchung), ou vingança”, por exemplo, Isaías 10:3, mas não punição (Strafe), e o plural, “vigias” (Ezequiel 9:1) e “custódia”, Ezequiel 54:11; daí a expressão usada aqui significa “a casa de custódia”, ou “a casa dos relógios”. A tradução do lxx não pode decidir nada contra isso, porque sua interpretação é baseada em tradições que são infundadas. A respeito disso, Ewald bem observa (History of the People of Israel, iii. p. 748 of 2nd:ed.): “Que Zedequias deve ter trabalhado no moinho, como é mencionado em crônicas posteriores (ver Aug. Mai, Scriptorum veterum nova collectio, t. i. P. 2, p. 6; compare com Chr. Sam. Ch. xlv.), é provavelmente uma mera inferência de Lamentações 5:13“. [Delitzsch, aguardando revisão]

3 E por isso a ira do SENHOR foi contra Jerusalém e Judá, até que ele os expulsou de sua presença; assim Zedequias se rebelou contra o rei da Babilônia.

Comentário de A. R. Fausset

ira do SENHORZedequias se rebelou – Sua “ira” contra Jerusalém, determinando-O a “expulsar” Seu povo “da Sua presença” manifestada até então, levou-o a permitir que Zedequias se rebelasse (2Reis 23:26-27; compare Êxodo 9:12; 10:1; Romanos 9:18). Essa rebelião, estando em violação do seu juramento “por Deus”, certamente traria a vingança de Deus (2Crônicas 36:13; Ezequiel 17:15-16,18). [Fausset, aguardando revisão]

4 E aconteceu no nono ano de seu reinado, no decimo mês, aos dez dias do mês, que veio Nabucodonosor rei da Babilônia, ele e todo seu exército, contra Jerusalém, e contra ela montaram um acampamento, e ao redor por todos os lados levantaram cercos contra ela.

Comentário de A. R. Fausset

fortes – sim, torres de madeira [Kimchi], para observar os movimentos dos sitiados da altura e aborrecê-los com mísseis. [Fausset, aguardando revisão]

5 Assim a cidade esteve cercada até o décimo primeiro ano do rei Zedequias.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-11) Destino do rei Zedequias na tomada de Jerusalém; compare com 2Rs 24:18; 2 Reis 25:7 e Jeremias 39:1-7. As declarações sobre a ascensão de Zedequias e seu governo, Jeremias 52:1-3, concordam palavra por palavra com 2Reis 24:18-20, até a variação השׁליכו, Jeremias 52:3, para השׁליכו (Reis). A duração do cerco de Jerusalém, Jeremias 52:4-7, e a fuga, captura e condenação do rei Zedequias e dos príncipes de Judá, Jeremias 52:7-11, não apenas concorda com mas também com Jeremias 39:1-7, onde é meramente a entrada forçada na cidade pelos caldeus que recebe detalhes especiais; veja em Jeremias 39: 3 . A variação ויּחנוּ, Jeremias 52:4, em vez de ויּחן (2 Reis 25:1), não afeta o sentido. Quanto ao relato da fuga, captura e condenação do rei, tanto Jeremias 39 quanto 2 Reis citam os avisos dados em Jeremias 52:10 “e também todos os príncipes de Judá ele fez com que fossem mortos (ou seja, executados) em Ribla” e em Jeremias 52:11 “, e ele o colocou na prisão até o dia de sua morte”. בּית־הפּקדּות foi traduzido como οἰκία μυλῶνος pela lxx; neste fato Hitzig baseia a opinião de que as palavras hebraicas significam “a casa de castigo”, ou “a casa de correção”, em que Zedequias foi obrigado a girar o moinho como outros culpados, e como Sansão foi obrigado a fazer (Juízes 16:21). Mas esse significado das palavras não pode ser comprovado. פּקדּה significa “supervisão, reunião ou visitação (Heimsuchung), ou vingança”, por exemplo, Isaías 10:3, mas não punição (Strafe), e o plural, “vigias” (Ezequiel 9:1) e “custódia”, Ezequiel 54:11; daí a expressão usada aqui significa “a casa de custódia”, ou “a casa dos relógios”. A tradução do lxx não pode decidir nada contra isso, porque sua interpretação é baseada em tradições que são infundadas. A respeito disso, Ewald bem observa (History of the People of Israel, iii. p. 748 of 2nd:ed.): “Que Zedequias deve ter trabalhado no moinho, como é mencionado em crônicas posteriores (ver Aug. Mai, Scriptorum veterum nova collectio, t. i. P. 2, p. 6; compare com Chr. Sam. Ch. xlv.), é provavelmente uma mera inferência de Lamentações 5:13“. [Delitzsch, aguardando revisão]

6 No quarto mês, aos nove do mês, quando a fome havia dominado a cidade, até não haver pão para o povo da terra;

Comentário de A. W. Streane

No quarto mês. Em memória desta data também, foi designado um jejum (Zacarias 8:19). O numeral, que foi retirado do Kgs. narrativa, aqui sobrevive.

fome – descrita em detalhes em Lamentações (Jeremias 2:19 f, Jeremias 4:3 e segs, Jeremias 5:10). compare com Ezequiel 4:16 f, Jeremias 5:16 f.

o povo da terra – as classes mais pobres, que se refugiaram em Jerusalém ou que moravam lá. [Streane, aguardando revisão]

7 Então a cidade foi arrombada, e todos os homens de guerra fugiram, e saíram da cidade de noite, pelo caminho de porta de entre os dois muros, que era perto do jardim do rei, e foram-se pelo caminho de Arabá, enquanto os caldeus estavam ao redor da cidade.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-11) Destino do rei Zedequias na tomada de Jerusalém; compare com 2Rs 24:18; 2 Reis 25:7 e Jeremias 39:1-7. As declarações sobre a ascensão de Zedequias e seu governo, Jeremias 52:1-3, concordam palavra por palavra com 2Reis 24:18-20, até a variação השׁליכו, Jeremias 52:3, para השׁליכו (Reis). A duração do cerco de Jerusalém, Jeremias 52:4-7, e a fuga, captura e condenação do rei Zedequias e dos príncipes de Judá, Jeremias 52:7-11, não apenas concorda com mas também com Jeremias 39:1-7, onde é meramente a entrada forçada na cidade pelos caldeus que recebe detalhes especiais; veja em Jeremias 39: 3 . A variação ויּחנוּ, Jeremias 52:4, em vez de ויּחן (2 Reis 25:1), não afeta o sentido. Quanto ao relato da fuga, captura e condenação do rei, tanto Jeremias 39 quanto 2 Reis citam os avisos dados em Jeremias 52:10 “e também todos os príncipes de Judá ele fez com que fossem mortos (ou seja, executados) em Ribla” e em Jeremias 52:11 “, e ele o colocou na prisão até o dia de sua morte”. בּית־הפּקדּות foi traduzido como οἰκία μυλῶνος pela lxx; neste fato Hitzig baseia a opinião de que as palavras hebraicas significam “a casa de castigo”, ou “a casa de correção”, em que Zedequias foi obrigado a girar o moinho como outros culpados, e como Sansão foi obrigado a fazer (Juízes 16:21). Mas esse significado das palavras não pode ser comprovado. פּקדּה significa “supervisão, reunião ou visitação (Heimsuchung), ou vingança”, por exemplo, Isaías 10:3, mas não punição (Strafe), e o plural, “vigias” (Ezequiel 9:1) e “custódia”, Ezequiel 54:11; daí a expressão usada aqui significa “a casa de custódia”, ou “a casa dos relógios”. A tradução do lxx não pode decidir nada contra isso, porque sua interpretação é baseada em tradições que são infundadas. A respeito disso, Ewald bem observa (History of the People of Israel, iii. p. 748 of 2nd:ed.): “Que Zedequias deve ter trabalhado no moinho, como é mencionado em crônicas posteriores (ver Aug. Mai, Scriptorum veterum nova collectio, t. i. P. 2, p. 6; compare com Chr. Sam. Ch. xlv.), é provavelmente uma mera inferência de Lamentações 5:13“. [Delitzsch, aguardando revisão]

8 Porém o exército dos caldeus perseguiu o rei, e alcançaram a Zedequias nas planícies de Jericó; e todo o seu exército se dispersou dele.

Comentário de A. W. Streane

Lamentações 4:19 f. talvez possa se referir a isso, caso em que as circunstâncias provavelmente eram essas, que um corpo de caldeus seguiu e outro esperou na planície. Compare com Ezequiel 12:13. [Streane, aguardando revisão]

9 Então prenderam ao rei, e fizeram-lhe vir ao rei de Babilônia, a Ribla na terra de Hamate, onde pronunciou sentença contra ele.

Comentário de A. R. Fausset

pronunciou sentença contra ele – como culpado de rebelião e perjúrio (Jeremias 52:3; compare Ezequiel 23:24). [Fausset, aguardando revisão]

10 E o rei da Babilônia degolou os filhos de Zedequias diante de seus olhos; e também degolou a todos os príncipes de Judá em Ribla.

Comentário de E. H. Plumptre

e também degolou a todos os príncipes de Judá em Ribla. O fato não é declarado em 2 Reis 25, mas é encontrado em Jeremias 39:6. [Plumptre, aguardando revisão]

11 Mas Zedequias porém cegou os olhos, e o acorrentou com grilhões de bronze; e o rei da Babilônia o levou à Babilônia, e o pôs na casa do cárcere até o dia de sua morte.

Comentário de A. R. Fausset

todavia não a verá.

cárcere – literalmente, “a casa das visitas”, ou “punições”, isto é, onde havia trabalho penal aplicado aos prisioneiros, como a moagem. Por isso, a Septuaginta torna-a “a casa do moinho”. Assim, Sansão, depois de ter posto os olhos, “moeu” na prisão dos filisteus (Juízes 16:21). [Fausset, aguardando revisão]

12 E no quinto mês, aos dez do mês (que era o décimo nono ano do reinado de Nabucodonosor, rei de Babilônia), Nebuzaradã, capitão da guarda, que servia diante do rei de Babilônia, veio a Jerusalém;

Comentário de A. R. Fausset

dez do mês – Mas em 2Reis 25:8, é dito “o sétimo dia”. Nebuzara-dan começou de Riblah no “sétimo dia” e chegou a Jerusalém no “décimo dia”. Discrepâncias aparentes, quando esclarecidas, confirmam a genuinidade das Escrituras; porque eles mostram que não houve conluio entre os escritores; como em todas as obras de Deus, há harmonia latente sob variedades externas. [Fausset, aguardando revisão]

13 E queimou a casa do SENHOR, a casa do rei, e todas as casas de Jerusalém; e queimou com fogo todo grande edifício.

Comentário de A. R. Fausset

todas as casastodo grande edifício – o “e” define o que as casas especialmente se destinam, ou seja, as casas dos grandes homens. [Fausset, aguardando revisão]

14 E todo o exército dos caldeus que estava com o capitão da guarda derrubou todos os muros que estavam ao redor de Jerusalém.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) A destruição de Jerusalém e do templo, e a expulsão do povo, que são apenas resumidamente declaradas em Jeremias 39:8-10, estão aqui relatadas em completa concordância com o relato dado em 2Reis 25:8-17. Os desvios, em sua maioria, se originaram pela liberdade exercida pelo epitomizador em sua obra, ou apenas quando os erros foram cometidos por copistas posteriores. O texto diante de nós tem algumas ampliações (especialmente os avisos sobre os ornamentos das colunas de bronze, Jeremias 52:23) que não são encontrados em nenhum outro lugar do Antigo Testamento. A diferença de data entre Jeremias 52:12 (“no décimo do mês”) e a passagem em Reis (“no sétimo do mês”) surgiu porque um número foi confundido com outro na cópia; não se pode decidir agora qual é o correto; ver em 2 Reis 25:18. Quanto a Nebuzaradã, veja em Jeremias 39:13. Em vez de עמד, encontra-se עבד em 2Reis 25:8, que certamente é uma leitura mais simples, mas que tem menos aparência de ser a original. O único ponto estranho é a falta do relativo אשׁר em prosa simples antes de עמד, que provavelmente deve ser apontado עמד. בּירוּשׁלים, em vez de ירוּשׁלים (Reis), é uma expressão grávida para “ele entrou em Jerusalém”. – Jeremias 52:14. Da expressão את־כּל־חומות, como dada em Jeremias 52:14, “tudo” é omitido em Reis, como não sendo indispensável para o significado. [Delitzsch, aguardando revisão]

15 E Nebuzaradã, capitão da guarda, levou presos os pobres do povo, e ao demais do povo, que restaram na cidade, e os rebeldes que se haviam se rendido ao rei de Babilônia, e todo o resto dos artesãos.

Comentário de A. R. Fausset

people – adicionado à conta em 2Reis 25:11. “Os pobres do povo” são da cidade, distintos dos “pobres da terra”, isto é, do país. [Fausset, aguardando revisão]

16 Mas Nebuzaradã, capitão da guarda, deixou dos mais pobres daquela terra para serem cultivadores de vinhas e lavradores.

Comentário Barnes

lavradores. Homens que lavravam pequenos terrenos com a enxada. [Barnes, aguardando revisão]

17 E os caldeus quebraram as colunas de bronze que estavam na casa do SENHOR, as bases, e o mar de bronze que estavam na casa do SENHOR, e levaram todo o bronze à Babilônia.

Comentário de A. R. Fausset

freio – que eles podem ser mais portáteis. Cumprindo a profecia (Jeremias 27:19). Veja 1Reis 7:15,23,27,50. Nada é tão particularmente relacionado aqui como o porte dos artigos no templo. A lembrança de sua beleza e preciosidade aumenta a amargura de sua perda e o mal do pecado que a causou.

bronze… descarado – sim “cobre… de cobre” [Fausset, aguardando revisão]

18 Tomaram também os caldeirões, as pás, os cortadores de pavios, as bacias, os pratos, e todos os vasos de bronze com que faziam o serviço no templo ;

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-23) A retirada dos vasos do templo é mais detalhada do que em 2 Reis 25:13-17. Os grandes artigos de bronze, as duas colunas no pórtico (compare com 1Rs 7:15.), as bases (1Rs 7:27.) e o mar de bronze (1Rs 7:23.), Que eram muito vastos em suas proporções para serem facilmente levados para a Babilônia, foram despedaçados pelos caldeus, que levaram o bronze de que foram feitos. אשׁר לבּית é mais correto do que אשׁר (Reis), e “todo o bronze deles” é mais preciso do que simplesmente “seu bronze” (Reis). Na enumeração dos vasos de bronze menores usados ​​para o serviço do templo, Jeremias 52:18, é omitido, em 2 Reis, ואת־המּזרקות, “e as taças” (usadas em sacrifício); essa omissão talvez se deva apenas a um erro de transcrição. A enumeração dos vasos de ouro e prata em Jeremias 52:19 foi muito mais abreviada em 2 Reis 25:15, onde apenas são mencionados “os braseiros e as taças”, enquanto no texto aqui, além destes, são nomeados ” os vasilhames”, depois “os potes (Eng. vers. caldeirões), e os castiçais, e as panelas (Eng. vers. colheres), e os copos”. Para detalhes sobre esses diferentes vasos, veja em 1Reis 7:40, 1Reis 7:45, 1Reis 7:50. Em Jeremias 52:20, é feita referência ao fato de que a massa de metal nos vasos que foram levados não tinha peso. O mesmo é afirmado em 2 Reis 25:16, onde, porém, não há menção aos doze touros de bronze; enquanto no texto de Jeremias, אשׁר תּחת המּכנות é defeituoso, e devemos ler em vez disso, אשׁר תּחתּיו והמּכנות. A afirmação de Graf, em seu comentário sobre este versículo, e de Thenius em 2 Reis 25:16, – que o aviso sobre os doze touros de bronze é incorreto, porque estes não estavam mais em Jerusalém (27:19), mas antes foi removido por Acaz de debaixo do mar de bronze para Tiglate-Pileser, – já temos, sob 2 Reis 16:17, mostrado ser errôneo. A aposição de כּל־הכּלים a לנחשׁתּם explica a referência do sufixo. Em Jeremias 52:21-23, o narrador, para chamar a atenção para a quantidade de arte exposta nos vasos destruídos pelos caldeus, faz uma breve descrição das colunas de bronze com seus capitéis. Esta descrição é muito abreviada em 2 Reis 25:17, e contém avisos que completam o que é dado dessas obras de arte em 1 Reis 7. Para detalhes, ver a passagem referida. [Delitzsch, aguardando revisão]

19 E o capitão da guarda tomou os copos, os incensários, as bacias, as panelas, os castiçais, os pratos, e vasos de ofertas de líquidos: tudo o que era de ouro ou de prata.

Comentário de A. R. Fausset

o que era de ouro – implicando que os artigos eram de ouro maciço e prata, respectivamente, não de um metal diferente dentro, ou de liga (Grotius). Todo: não quebrá-los como foi feito para o “bronze” (Jeremias 52:17). [Fausset, aguardando revisão]

20 As duas colunas, o mar, e os doze bois de bronze que estavam debaixo das bases, que o rei Salomão tinha feito na casa do SENHOR. não se podia pesar o bronze de todos estes vasos.

Comentário de A. R. Fausset

debaixo das bases – Mas os touros não estavam “debaixo das bases”, mas debaixo do mar (1Reis 7:25,27,38); as dez bases não estavam debaixo do mar, mas debaixo das dez pias. Na versão inglesa, “bases”, portanto, deve significar as partes inferiores do mar sob as quais os touros estavam. Em vez disso, traduza, “os touros estavam no lugar de (isto é, ‘por meio de’; assim o hebraico, 1Samuel 14:9), bases”, ou suportes para o mar [Buxtorf]. Então a Septuaginta. 2Reis 25:16 omite os “touros” e tem “e as bases”; então Grotius aqui lê “os touros (que estavam) abaixo (o mar) e as bases”. [Fausset, aguardando revisão]

21 Quanto às colunas, a altura de cada coluna era de dezoito côvados, e um fio de doze côvados a rodeava; e sua espessura era de quatro dedos, e era oca.

Comentário de A. R. Fausset

dezoito côvados – mas em 2Crônicas 3:15, é “trinta e cinco côvados”. A discrepância é assim removida. Cada pilar tinha dezoito côvados comuns. Os dois juntos, deduzindo a base, eram trinta e cinco, conforme declarado em 2Crônicas 3:15 (Grotius). Outros caminhos (por exemplo, com referência à diferença entre o côvado comum e o sagrado) são propostos: embora não possamos decidir positivamente agora qual é o caminho verdadeiro, pelo menos os propostos mostram que as discrepâncias não são irreconciliáveis. [Fausset, aguardando revisão]

22 E tinha sobre si um capitel de bronze, e a altura do capitel era de cinco côvados, com uma rede e romãs ao redor do capitel, tudo de bronze; e semelhante a esta era o da segunda coluna, com suas romãs.

Comentário de A. R. Fausset

cinco côvados – assim 1Reis 7:16. Mas 2Reis 25:17 tem “três côvados”. Havia duas partes no capitel: a mais baixa e plana, de dois côvados; o outro, mais alto e curiosamente esculpido, de três côvados. O primeiro é omitido em 2Reis 25:17, como pertencente ao eixo do pilar; o último sozinho é mencionado aqui. Aqui todo o capitulo de cinco côvados é referido. [Fausset, aguardando revisão]

23 E havia noventa e seis romãs em cada lado; ao todo elas eram cem sobre a rede ao redor.

Comentário de A. R. Fausset

ao todo – literalmente, (de lado) em direção ao ar ou ao vento, isto é, do lado de fora das capitais dos pilares conspícuos ao olho, opostos às quatro romãs restantes que não eram vistas de fora. As romãs aqui são noventa e seis; mas em 1Reis 7:20 eles são duzentos em cada capitão e quatrocentos nos dois (2Crônicas 4:13). Parece que havia duas filas delas, uma acima da outra, e em cada fila uma centena. Aqui dizem que são noventa e seis, mas imediatamente depois de cem, e assim em 1Reis 7:20. Quatro parecem não ter sido vistos por alguém que olha de um ponto; e os noventa e seis são apenas aqueles que podem ser vistos [Vatablus]; ou, os quatro omitidos aqui são aqueles que separam os quatro lados, uma romã em cada ponto de separação (ou nos quatro cantos) entre os quatro lados (Grotius). [Fausset, aguardando revisão]

24 O capitão da guarda também tomou a Seraías o sacerdote principal, e a Sofonias o segundo sacerdote, e três guardas da porta.

Comentário de A. R. Fausset

Seraías – diferente do Seraiah (Jeremias 51:59), filho de Neriah; Provavelmente filho de Azarias (1Crônicas 6:14).

Sofonias – filho de Maaséias (ver Jeremias 21:1; ver em Jeremias 29:25). [Fausset, aguardando revisão]

25 E da cidade tomou a um eunuco que era comandante sobre os homens de guerra, e a sete homens que serviam na presença do rei, que se acharam na cidade; e também ao principal escrivão do exército, que registrava o povo da terra para a guerra; e a sessenta homens do povo da terra, que se acharam no meio da cidade.

Comentário de A. R. Fausset

sete homens – mas em 2Reis 25:19 são “cinco”. Talvez dois fossem pessoas menos ilustres e, portanto, omitidos.

ao principal escrivão do exército – (Isaías 33:18). Seu escritório deveria presidir a arrecadação e recrutar recrutas. Rawlinson observa que os registros assírios estão livres das expressões exageradas encontradas no egípcio. Uma conta minuciosa foi tomada do entulho. Dois “escribas do exército” são vistos em cada baixo-relevo, anotando os vários objetos trazidos a eles: os chefes dos mortos, os prisioneiros, gado, ovelhas, etc. [Fausset, aguardando revisão]

26 Então Nebuzaradã, capitão da guarda, os tomou, e os levou ao rei de Babilônia, a Ribla.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-30) O relato dado a respeito da prisão dos chefes do templo e da cidade, e a respeito de seu transporte para Riblah, onde Nabucodonosor fez com que fossem executados, concorda com 2Reis 25:18-21, exceto em algumas variações sem importância, que, no entanto, não alteram o sentido; a explicação já foi dada no comentário a essa passagem. Em 2Reis, o relato da nomeação de Gedalias como governador de Judá, juntamente com o de seu assassinato por Ismael, que segue a narrativa que acaba de ser citada, é aqui omitido, porque o assunto já foi mais completamente declarado na passagem Jeremias 40:7 sobre Jeremias 43:7, e não tinha nenhuma ligação próxima com o objeto do presente capítulo. Em vez disso, segue aqui, em Jeremias 52,28-30 (como continuação da observação feita, Jeremias 52,27, “Assim Judá foi levado cativo para fora de sua própria terra”), um cálculo do número de judeus levados para Babilônia nas três deportações: no sétimo ano de Nabucodonosor, 3023 judeus; no décimo oitavo ano, 832 almas de Jerusalém; e no vigésimo terceiro ano, 745 almas, – no total, 4600 pessoas. A exatidão destes dados é garantida pela exatidão dos números separados e pela concordância da soma com os itens individuais. Em outros aspectos, no entanto, eles apresentam várias dificuldades. Há, em primeiro lugar, a discrepância cronológica de que a segunda deportação é aqui colocada no décimo oitavo ano de Nabucodonosor, em contradição com Jeremias 52:12, segundo o qual, a deportação após a tomada de Jerusalém ocorreu no décimo nono ano de Nabucodonosor; e 832 almas não puderam muito bem ser levadas a cabo de Jerusalém durante o cerco. Esta diferença só pode ser resolvida assumindo que esta lista de deportações foi derivada de outra fonte que não a notificação anterior relativa à destruição de Jerusalém, na qual os anos do reinado de Nabucodonosor foram contados de alguma outra forma que em outros lugares em Jeremias e nos livros dos Reis, provavelmente a partir da data do início efetivo de seu reinado, que se seguiu um ano após sua primeira aparição em Judá, do qual seu reinado é datado em outro lugar; ver comentário sobre Daniel em Daniel 1:1. De acordo com este modo de cálculo, o sétimo ano corresponderia ao oitavo da contagem comum, e seria o ano em que Jehoiachin foi levado para a Babilônia, junto com um grande número do povo. Mas isto não concorda com 3023, que é dado como o número daqueles que foram levados; pois, naquela época, de acordo com 2Reis 24:14, 2Reis 24:16, até 10.000 judeus, ou, de acordo com outra visão destes versículos, até 18.000, foram levados para a Babilônia. Esta diferença não permite ser explicada de forma alguma. Ewald (History of the People of Israel, iii. p. 738) assume assim que em Jeremias 52:28, depois de שׁבע, a palavra עשׂרה foi omitida, como em 2Crônicas 36:9, onde é dada a idade de Joaquim; por isso ele pensa que, ao invés de “no sétimo”, devemos ler “no décimo sétimo ano de Nabucodonosor”. Sobre tal ponto de vista, a referência seria a uma deportação que ocorreu sob Zedequias, um ano antes da captura, ou durante o tempo do cerco de Jerusalém, e que também fora dos distritos do país de Judá, em contraste com Jerusalém, Jeremias 52:29. Esta suposição é favorecida não apenas pelo pequeno número daqueles que se diz terem sido levados, mas também pelo contexto da narrativa, na medida em que, no que precede, é apenas a captura de Jerusalém e a deportação do povo no tempo de Zedequias que é tratado. Ngelsbach se opôs a esta suposição, de que não era provável que a grande massa do povo fosse levada durante a guerra, em um momento em que a aproximação do exército egípcio (compare com Jeremias 37:5) era um objeto de pavor. Mas a objeção não enfraquece a suposição, já que a primeira repousa sobre dois pressupostos que são bastante errôneos: em outras palavras, primeiro, que a deportação ocorreu antes da derrota do exército auxiliar do Egito, onde como pode ter acontecido depois desse evento; e segundo, que os caldeus, mantendo os judeus hostis no país, poderiam ter conseguido alguma ajuda contra o exército egípcio, enquanto que, ao remover a população hostil de Judá, eles apenas diminuiriam o número de inimigos com os quais tinham que lutar. Portanto, consideramos esta conjectura como altamente provável, porque é o meio de resolver todas as dificuldades, e porque assim podemos dar conta do pequeno número daqueles que foram levados nas deportações durante e após a destruição de Jerusalém.

Quanto à terceira deportação, que foi realizada por Nebuzaradan (Jeremias 52:30) no vigésimo terceiro, ou, segundo outro cálculo, no vigésimo quarto ano de Nabucodonosor, ou seja, no quinto ano após a destruição de Jerusalém, não temos outras informações; para a declaração de Josefo, Antt. x. 9. 7, que Nabucodonosor fez guerra aos amonitas e moabitas naquele ano, não foi posta em dúvida, e é provavelmente uma mera inferência deste versículo, tomada em conexão com as profecias de Jeremias 48 e 49. No entanto, não há nada de improvável na declaração, vista por si só. Pois é preciso ter em mente que, após a nomeação de Gedaliah como governador e a partida dos anfitriões caldeus, muitos judeus, que haviam fugido durante a guerra, retornaram ao país. Assim, apesar do fato de que, após o assassinato de Gedaliah, uma multidão de judeus, temendo a vingança dos caldeus, fugiu para o Egito, muitos ainda podem ter permanecido no país; e muitos outros fugitivos podem não ter retornado até depois, e deram ocasião aos caldeus de remover outros 745 perturbadores da paz para a Babilônia, quatro ou cinco anos após Jerusalém ter sido colocada em cinzas. Essa deportação pode ter ocorrido por ocasião da subjugação dos moabitas, amonitas e idumenses, ou durante a guerra com os fenícios, possivelmente porque eles haviam prestado assistência a essas nações contra os caldeus. Estes versos, portanto, não contêm nada que justifique a suposição de M. von Niebuhr (Gesch. Assyr. und Babels, 58, nota) e Ngelsbach, de que eles são um gloss. A escassez daqueles que foram levados não deve ser atribuída a um desejo do escritor desta porção inserida de representar a calamidade como afinal não tão terrível; nem é devido à substituição do número dos Levitas pelo de todo o povo, – duas suposições totalmente arbitrárias: é completamente explicada por uma consideração das circunstâncias históricas. O melhor da população de Judá já havia sido levado, e Zedequias e seus conselheiros devem ter dito a si mesmos, quando se rebelaram contra Nabucodonosor, que este último não pouparia este tempo; assim, eles devem ter se defendido ao máximo, como demonstra o próprio fato de que o cerco de Jerusalém durou dezoito meses. Desta forma, a guerra, a peste e a fome levaram um grande número da população de Jerusalém; de modo que, de homens que eram capazes e aptos para a guerra, e que podiam ser levados ao exílio, não mais de 4600 caíram nas mãos dos caldeus. Durante a guerra, também, muitos se haviam escondido em lugares inacessíveis, enquanto os mais baixos do povo ficaram para trás no país para cultivar os campos. Mais estranho ainda pode parecer a circunstância de que a soma total dos que foram levados para a Babilônia, em outras palavras, 10.000 com Joaquim, e 4600 com Zedequias, – 14.600 no total – é evidentemente desproporcional ao número daqueles que retornaram a Jerusalém e Judá com Zorobabel, cujo número é dado em Esdras 2:64 a 42, 360, exclusivo de homens e servos. Por esta razão, Graf é de opinião que ainda podem ter ocorrido deportações posteriores, das quais nenhuma menção é feita em nenhum lugar. Esta suposição, no entanto, tem pouca probabilidade. Por outro lado, devemos considerar estes pontos: (1.) Nos relatos dados por aqueles que foram transportados, apenas pessoas adultas e independentes do sexo masculino são consideradas, enquanto, junto com os pais, tanto suas esposas quanto seus filhos foram para o exílio. (2.) Mesmo tão cedo quanto a primeira captura de Jerusalém no quarto ano de Jeoiaquim, um número de prisioneiros de guerra, talvez não desprezível, chegou à Babilônia; estes poderiam se unir aos milhares de seus irmãos que foram transportados para lá em um período posterior. (3.) Quando os exilados se estabeleceram na Babilônia, e lá encontraram não apenas um meio de subsistência, mas mesmo em muitos casos, como fica claro em várias intimações, atingidos à opulência como cidadãos, muitos, mesmo daqueles que haviam sido deixados no país, podem ter ido para a Babilônia, na esperança de encontrar ali maior prosperidade do que em Judá, agora devastados e despovoados pela guerra. (4.) Desde o tempo em que os 10.000 foram levados com Jehoiachin, no ano 599 a.c., até o retorno sob Zerubbabel, 536 a.c., 63 anos, ou seja, quase duas gerações, tinham passado, durante as quais os exilados poderiam em grande parte aumentar em número. Se levarmos todos estes elementos em consideração, então, no simples fato de que o número daqueles que retornaram é quase três vezes o número daqueles que foram levados sob Jehoiachin e Zedekiah, não podemos encontrar tal dificuldade que nos dê direito a duvidar da correção dos números que nos foram entregues. [Delitzsch, aguardando revisão]

27 E o rei de Babilônia os feriu e os matou em Ribla na terra de Hamate. Assim Judá foi levado cativo de sua terra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-30) O relato dado a respeito da prisão dos chefes do templo e da cidade, e a respeito de seu transporte para Riblah, onde Nabucodonosor fez com que fossem executados, concorda com 2Reis 25:18-21, exceto em algumas variações sem importância, que, no entanto, não alteram o sentido; a explicação já foi dada no comentário a essa passagem. Em 2Reis, o relato da nomeação de Gedalias como governador de Judá, juntamente com o de seu assassinato por Ismael, que segue a narrativa que acaba de ser citada, é aqui omitido, porque o assunto já foi mais completamente declarado na passagem Jeremias 40:7 sobre Jeremias 43:7, e não tinha nenhuma ligação próxima com o objeto do presente capítulo. Em vez disso, segue aqui, em Jeremias 52,28-30 (como continuação da observação feita, Jeremias 52,27, “Assim Judá foi levado cativo para fora de sua própria terra”), um cálculo do número de judeus levados para Babilônia nas três deportações: no sétimo ano de Nabucodonosor, 3023 judeus; no décimo oitavo ano, 832 almas de Jerusalém; e no vigésimo terceiro ano, 745 almas, – no total, 4600 pessoas. A exatidão destes dados é garantida pela exatidão dos números separados e pela concordância da soma com os itens individuais. Em outros aspectos, no entanto, eles apresentam várias dificuldades. Há, em primeiro lugar, a discrepância cronológica de que a segunda deportação é aqui colocada no décimo oitavo ano de Nabucodonosor, em contradição com Jeremias 52:12, segundo o qual, a deportação após a tomada de Jerusalém ocorreu no décimo nono ano de Nabucodonosor; e 832 almas não puderam muito bem ser levadas a cabo de Jerusalém durante o cerco. Esta diferença só pode ser resolvida assumindo que esta lista de deportações foi derivada de outra fonte que não a notificação anterior relativa à destruição de Jerusalém, na qual os anos do reinado de Nabucodonosor foram contados de alguma outra forma que em outros lugares em Jeremias e nos livros dos Reis, provavelmente a partir da data do início efetivo de seu reinado, que se seguiu um ano após sua primeira aparição em Judá, do qual seu reinado é datado em outro lugar; ver comentário sobre Daniel em Daniel 1:1. De acordo com este modo de cálculo, o sétimo ano corresponderia ao oitavo da contagem comum, e seria o ano em que Jehoiachin foi levado para a Babilônia, junto com um grande número do povo. Mas isto não concorda com 3023, que é dado como o número daqueles que foram levados; pois, naquela época, de acordo com 2Reis 24:14, 2Reis 24:16, até 10.000 judeus, ou, de acordo com outra visão destes versículos, até 18.000, foram levados para a Babilônia. Esta diferença não permite ser explicada de forma alguma. Ewald (History of the People of Israel, iii. p. 738) assume assim que em Jeremias 52:28, depois de שׁבע, a palavra עשׂרה foi omitida, como em 2Crônicas 36:9, onde é dada a idade de Joaquim; por isso ele pensa que, ao invés de “no sétimo”, devemos ler “no décimo sétimo ano de Nabucodonosor”. Sobre tal ponto de vista, a referência seria a uma deportação que ocorreu sob Zedequias, um ano antes da captura, ou durante o tempo do cerco de Jerusalém, e que também fora dos distritos do país de Judá, em contraste com Jerusalém, Jeremias 52:29. Esta suposição é favorecida não apenas pelo pequeno número daqueles que se diz terem sido levados, mas também pelo contexto da narrativa, na medida em que, no que precede, é apenas a captura de Jerusalém e a deportação do povo no tempo de Zedequias que é tratado. Ngelsbach se opôs a esta suposição, de que não era provável que a grande massa do povo fosse levada durante a guerra, em um momento em que a aproximação do exército egípcio (compare com Jeremias 37:5) era um objeto de pavor. Mas a objeção não enfraquece a suposição, já que a primeira repousa sobre dois pressupostos que são bastante errôneos: em outras palavras, primeiro, que a deportação ocorreu antes da derrota do exército auxiliar do Egito, onde como pode ter acontecido depois desse evento; e segundo, que os caldeus, mantendo os judeus hostis no país, poderiam ter conseguido alguma ajuda contra o exército egípcio, enquanto que, ao remover a população hostil de Judá, eles apenas diminuiriam o número de inimigos com os quais tinham que lutar. Portanto, consideramos esta conjectura como altamente provável, porque é o meio de resolver todas as dificuldades, e porque assim podemos dar conta do pequeno número daqueles que foram levados nas deportações durante e após a destruição de Jerusalém.

Quanto à terceira deportação, que foi realizada por Nebuzaradan (Jeremias 52:30) no vigésimo terceiro, ou, segundo outro cálculo, no vigésimo quarto ano de Nabucodonosor, ou seja, no quinto ano após a destruição de Jerusalém, não temos outras informações; para a declaração de Josefo, Antt. x. 9. 7, que Nabucodonosor fez guerra aos amonitas e moabitas naquele ano, não foi posta em dúvida, e é provavelmente uma mera inferência deste versículo, tomada em conexão com as profecias de Jeremias 48 e 49. No entanto, não há nada de improvável na declaração, vista por si só. Pois é preciso ter em mente que, após a nomeação de Gedaliah como governador e a partida dos anfitriões caldeus, muitos judeus, que haviam fugido durante a guerra, retornaram ao país. Assim, apesar do fato de que, após o assassinato de Gedaliah, uma multidão de judeus, temendo a vingança dos caldeus, fugiu para o Egito, muitos ainda podem ter permanecido no país; e muitos outros fugitivos podem não ter retornado até depois, e deram ocasião aos caldeus de remover outros 745 perturbadores da paz para a Babilônia, quatro ou cinco anos após Jerusalém ter sido colocada em cinzas. Essa deportação pode ter ocorrido por ocasião da subjugação dos moabitas, amonitas e idumenses, ou durante a guerra com os fenícios, possivelmente porque eles haviam prestado assistência a essas nações contra os caldeus. Estes versos, portanto, não contêm nada que justifique a suposição de M. von Niebuhr (Gesch. Assyr. und Babels, 58, nota) e Ngelsbach, de que eles são um gloss. A escassez daqueles que foram levados não deve ser atribuída a um desejo do escritor desta porção inserida de representar a calamidade como afinal não tão terrível; nem é devido à substituição do número dos Levitas pelo de todo o povo, – duas suposições totalmente arbitrárias: é completamente explicada por uma consideração das circunstâncias históricas. O melhor da população de Judá já havia sido levado, e Zedequias e seus conselheiros devem ter dito a si mesmos, quando se rebelaram contra Nabucodonosor, que este último não pouparia este tempo; assim, eles devem ter se defendido ao máximo, como demonstra o próprio fato de que o cerco de Jerusalém durou dezoito meses. Desta forma, a guerra, a peste e a fome levaram um grande número da população de Jerusalém; de modo que, de homens que eram capazes e aptos para a guerra, e que podiam ser levados ao exílio, não mais de 4600 caíram nas mãos dos caldeus. Durante a guerra, também, muitos se haviam escondido em lugares inacessíveis, enquanto os mais baixos do povo ficaram para trás no país para cultivar os campos. Mais estranho ainda pode parecer a circunstância de que a soma total dos que foram levados para a Babilônia, em outras palavras, 10.000 com Joaquim, e 4600 com Zedequias, – 14.600 no total – é evidentemente desproporcional ao número daqueles que retornaram a Jerusalém e Judá com Zorobabel, cujo número é dado em Esdras 2:64 a 42, 360, exclusivo de homens e servos. Por esta razão, Graf é de opinião que ainda podem ter ocorrido deportações posteriores, das quais nenhuma menção é feita em nenhum lugar. Esta suposição, no entanto, tem pouca probabilidade. Por outro lado, devemos considerar estes pontos: (1.) Nos relatos dados por aqueles que foram transportados, apenas pessoas adultas e independentes do sexo masculino são consideradas, enquanto, junto com os pais, tanto suas esposas quanto seus filhos foram para o exílio. (2.) Mesmo tão cedo quanto a primeira captura de Jerusalém no quarto ano de Jeoiaquim, um número de prisioneiros de guerra, talvez não desprezível, chegou à Babilônia; estes poderiam se unir aos milhares de seus irmãos que foram transportados para lá em um período posterior. (3.) Quando os exilados se estabeleceram na Babilônia, e lá encontraram não apenas um meio de subsistência, mas mesmo em muitos casos, como fica claro em várias intimações, atingidos à opulência como cidadãos, muitos, mesmo daqueles que haviam sido deixados no país, podem ter ido para a Babilônia, na esperança de encontrar ali maior prosperidade do que em Judá, agora devastados e despovoados pela guerra. (4.) Desde o tempo em que os 10.000 foram levados com Jehoiachin, no ano 599 a.c., até o retorno sob Zerubbabel, 536 a.c., 63 anos, ou seja, quase duas gerações, tinham passado, durante as quais os exilados poderiam em grande parte aumentar em número. Se levarmos todos estes elementos em consideração, então, no simples fato de que o número daqueles que retornaram é quase três vezes o número daqueles que foram levados sob Jehoiachin e Zedekiah, não podemos encontrar tal dificuldade que nos dê direito a duvidar da correção dos números que nos foram entregues. [Delitzsch, aguardando revisão]

28 Este é o povo que Nabucodonosor levou cativo; no sétimo ano, três mil e vinte e três judeus:

Comentário de A. R. Fausset

sétimo ano – em 2Reis 24:12,14,16, é dito “o oitavo ano” de Nabucodonosor. Sem dúvida, foi em parte sobre o final do sétimo ano, em parte sobre o início do oitavo. Também em 2Reis 24:1-20, dez mil (Jeremias 52:14), e sete mil homens de força e mil artesãos (Jeremias 52:16), dizem que foram levados embora, mas aqui três mil e vinte -três. Provavelmente os últimos três mil e vinte e três eram da tribo de Judá, os restantes sete mil dos dez mil eram das outras tribos, dos quais muitos israelitas ainda haviam sido deixados na terra. Os mil “artífices” eram exclusivos dos dez mil, como aparece, comparando 2Reis 24:14 com Jeremias 52:16. Provavelmente os três mil e vinte e três de Judá foram removidos pela primeira vez no final do “sétimo ano”; os sete mil e mil artesãos no “oitavo ano”. Este foi o primeiro cativeiro sob Joaquim. [Fausset, aguardando revisão]

29 No décimo oitavo ano Nabucodonosor, levou cativas de Jerusalém oitocentas e trinta e duas pessoas;

Comentário de A. R. Fausset

décimo oitavo ano – quando Jerusalém foi tomada. Mas em Jeremias 52:15 e 2Reis 25:8, “o décimo nono ano”. Provavelmente foi no final do século XVIII e no começo do décimo nono [Lyra].

oitocentas e trinta e duas – As pessoas mais ilustres são aquelas que, sem dúvida, foram levadas primeiro, no final do décimo oitavo ano. [Fausset, aguardando revisão]

30 No vigésimo terceiro ano de Nabucodonosor, Nebuzaradã capitão da guarda levou cativas setecentas e quarenta e cinco pessoas dos judeus; no total foram quatro mil e seiscentas pessoas.

Comentário de A. R. Fausset

Não registrado em Reis ou Crônicas. Provavelmente ocorreu durante as comoções que se seguiram à morte de Gedalias (Jeremias 41:18; 2Reis 25:26).

quatro mil e seiscentas – A soma exata dos números especificados aqui, ou seja, três mil vinte e três, oitocentos e trinta e dois, setecentos e quarenta e cinco, não incluindo a multidão geral e as mulheres e crianças (Jeremias 52:15; 39:9; 2Reis 25:11). [Fausset, aguardando revisão]

31 Sucedeu, pois, no trigésimo sétimo ano de cativeiro de Joaquim rei de Judá, no décimo segundo mês, aos vinte e cinco do mês, que Evil-Merodaque, rei da Babilônia, no primeiro ano de seu reinado, concedeu perdão a Joaquim rei de Judá, e o tirou da casa de prisão;

Comentário de A. R. Fausset

(2Reis 25:27-30).

vinte e cinco do mês – mas em 2Reis 25:27, é “o vigésimo sétimo dia.” Provavelmente no vigésimo quinto o decreto para a sua elevação foi dado, e os preparativos para o fazer, libertando-o da prisão; e no vigésimo sétimo dia entrou em vigor.

Evil-Merodaque – filho e sucessor de Nabucodonosor [Lira]; e os escritores hebreus dizem que durante a exclusão de Nabucodonosor dos homens entre os animais, Evil-Merodaque administrou o governo. Quando Nabucodonosor no final de sete anos foi restaurado, ouvindo falar da má conduta de seu filho e que ele havia exultado na calamidade de seu pai, ele o lançou na prisão, onde o último encontrou Jeconia e contraiu uma amizade com ele, de onde surgiu o favor que posteriormente ele mostrou a ele. Deus, em sua elevação, recompensou sua rendição a Nabucodonosor (compare Jeremias 38:17 com 2Reis 24:12).

levantado… cabeça – (compare Gênesis 40:13,20; Salmo 3:3; 27:6). [Fausset, aguardando revisão]

32 E falou com ele benignamente; e pôs sua cadeira com mais honra do que as cadeiras dos reis que estavam com ele em Babilônia.

Comentário de A. R. Fausset

colocou seu trono acima – uma marca de respeito.

os reis – O texto hebraico lê (o outro) “reis”. “Os reis” é uma correção massorética. [Fausset, aguardando revisão]

33 E mudou-lhe também as roupas de sua prisão, e continuamente comeu pão diante dele, todos os dias de sua vida.

Comentário de A. R. Fausset

vestes – deu vestes adequadas a um rei.

comeu pão diante dele – (2Samuel 9:13). [Fausset, aguardando revisão]

34 E continuamente foi-lhe dada provisão pelo rei da Babilônia, uma porção diária, até o dia de sua morte, por todos os dias de sua vida.

Comentário de Keil e Delitzsch

(31-34) A parte final deste capítulo, em outras palavras, o aviso sobre a libertação de Joaquim da prisão, e sua elevação às honras reais por Evil-Merodaque após a morte de Nabucodonosor, concorda substancialmente com o relato dado disso mesmo em 2 Reis 25:27– 30. A diferença de data, “no dia vinte e cinco do mês” (Jeremias 52:31), e “no vigésimo sétimo do mês” em 2 Reis, surgiu através da entrada de um erro clerical em um texto ou no outro. As poucas variações restantes dos dois textos não têm influência sobre o significado. Quanto ao fato em si, e sua importância para o povo que definha no exílio, podemos nos referir à explicação dada em 2 Reis 25:27. [Delitzsch, aguardando revisão]

<Jeremias 51 Lamentações 1>

Visão geral de Jeremias

No livro de Jeremias, o profeta “anuncia que Deus irá julgar os pecados de Israel com um exílio para a Babilônia. E então, ele vive os horrores das suas previsões. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Jeremias.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.