1 Samuel 10

Samuel unge como rei de Israel

1 Tomando então Samuel um frasco de azeite, derramou-o sobre sua cabeça, e beijou-o, e disse-lhe: Não foi o SENHOR que te ungiu para que sejas líder sobre sua propriedade?

Comentário de Robert Jamieson

Então Samuel apanhou um jarro de óleo – Esta foi a antiga cerimónia de investidura com o ofício real entre os hebreus e outras nações orientais (Juízes 9:8). Mas havia duas unções no escritório real; aquele em particular, por um profeta (1Samuel 16:13), que foi concebido para ser apenas uma indicação profética da pessoa que atinge essa alta dignidade – a inauguração mais pública e formal (2Samuel 2:4; 5:3) foi realizada pelo sumo sacerdote, e talvez com o óleo sagrado, mas isso não é certo. O primeiro de uma dinastia foi assim ungido, mas não seus herdeiros, a menos que a sucessão fosse disputada (1Reis 1:39; 2Reis 11:12; 23:30; 2Crônicas 23:11).

beijou – Esta saudação, como explicado pelas palavras que o acompanhavam, foi um ato de homenagem respeitosa, um sinal de felicitação ao novo rei (Salmo 2:12).  [JFB, aguardando revisão]

2 Hoje, depois que te tenhas apartado de mim, acharás dois homens junto ao sepulcro de Raquel, no termo de Benjamim, em Zelza, os quais te dirão: As asnas que havias ido a buscar, se acharam; teu pai pois há deixado já o negócio das asnas, porém está preocupado convosco, dizendo: Que farei acerca de meu filho?

Comentário de Robert Jamieson

Hoje, quando você partir – O desígnio dessas predições específicas do que deveria ser encontrado no caminho, e o número e a minúcia de que prenderiam a atenção, era confirmar a confiança de Saul no caráter profético de Samuel e levá-lo a dar crédito ao que lhe havia sido revelado como palavra de Deus.

túmulo de Raquel – perto de Belém (veja Gênesis 35:16).

Zelza – ou Zelah, agora Bet-jalah, no bairro daquela cidade. [JFB, aguardando revisão]

3 E quando dali te fores mais adiante, e chegares à campina de Tabor, te sairão ao encontro três homens que sobem a Deus em Betel, levando o um três cabritos, e o outro três tortas de pão, e o terceiro uma vasilha de vinho:

Comentário de Robert Jamieson

Três homens virão subindo ao santuário de Deus em Betel – aparentemente para oferecer sacrifícios lá no tempo em que a arca e o tabernáculo não estavam em uma residência estabelecida, e Deus ainda não havia declarado o lugar permanente que Ele deveria escolher. Os cabritos eram para o sacrifício, os pães para a oferenda e o vinho para as libações. [JFB, aguardando revisão]

4 Os quais, logo que te tenham saudado, te darão dois pães, os quais tomarás das mãos deles.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) O segundo sinal (1Samuel 10:3, 1Samuel 10:4): “Dali seguirás adiante, e chegarás ao terebinto de Tabor, e ali te encontrarão três homens subindo a Deus a Betel, levando um três tipos, um três pães e um uma garrafa de vinho. Eles te pedirão o teu bem-estar e te darão dois pães; recebe-os de suas mãos”. O terebinto do Tabor não é mencionado em nenhum outro lugar, e nada mais pode ser determinado a respeito dele, além de estar na estrada que leva do túmulo de Raquel a Gibeá.

(Nota: A opinião expressa por Ewald e Thenius, que o carvalho de luto de Deborah (Gênesis 35:8) é pretendido, e que Tabor é uma forma diferente de Deborah, ou que Tabor deve ser alterado para Deborah, não tem fundamento para se apoiar. ; pois o fato de que o carvalho mencionado estava abaixo (ou seja, ao sul de) Betel, e os três homens que Saul deveria encontrar no terebinto de Tabor estavam indo para Betel, de modo algum estabelece a identidade dos dois, como a sua subida a Betel não prova que eles já estavam na vizinhança de Betel. Além disso, o carvalho de Débora estava ao norte de Gibeá, enquanto Saul encontrou os três homens entre o túmulo de Raquel e Gibeá, ou seja, ao sul de Gibeá .)

O fato de os três homens estarem subindo a Deus em Betel, mostra que ainda havia um lugar de sacrifício consagrado ao Senhor em Betel, onde Abraão e Jacó haviam erguido altares ao Senhor que ali lhes havia aparecido (Gênesis 12: 8; Gênesis 13:3-4; Gênesis 28:18-19; Gênesis 35:7); para as crianças e pães e vinho eram presentes de sacrifício que eles estavam prestes a oferecer. לשׁלום שׁאל, pedir pelo bem-estar de alguém, ou seja, cumprimentar de maneira amigável (compare com Juízes 18:15; Gênesis 43:27). O significado deste duplo sinal consistia no fato de que esses homens deram a Saul dois pães de suas ofertas de sacrifício. Nisto ele deveria discernir uma homenagem prestada ao ungido do Senhor; e ele deveria, portanto, aceitar o presente nesse sentido nas mãos deles. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 De ali virás ao morro de Deus de onde está a guarnição dos filisteus; e quando entrares ali na cidade encontrarás uma companhia de profetas que descem do alto, e diante deles saltério, e adufe, e flauta, e harpa, e eles profetizando:

Comentário de Robert Jamieson

a Gibeá de Deus – provavelmente Geba (1Samuel 13:3), assim chamada de uma escola dos profetas que está sendo estabelecida lá. A companhia dos profetas era, sem dúvida, os alunos deste seminário, que provavelmente haviam sido instituídos por Samuel, e em que os principais ramos da educação ensinados eram o conhecimento da lei, e da salmodia com música instrumental, que é chamada de “profetizar”. ”(Aqui e em 1Crônicas 25:1,7). [JFB, aguardando revisão]

6 E o espírito do SENHOR te arrebatará, e profetizarás com eles, e serás transformado em outro homem.

Comentário de Robert Jamieson

O Espírito do Senhor se apossará de você – literalmente, “apresse-se sobre ti”, repentinamente dotando-te de uma capacidade e disposição para agir de maneira muito superior ao teu caráter e hábitos anteriores; e, em vez da simplicidade, ignorância e timidez de um camponês, mostrarás uma energia, sabedoria e magnanimidade dignas de um príncipe. [JFB, aguardando revisão]

7 E quando te houverem sobrevindo estas sinais, faze o que te vier à mão, porque Deus é contigo.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Quando estes sinais chegarem a ti (o Kethibh תבאינה deve ser lido תּבאינה, como no Salmo 45:16 e Ester 4:4; e o Keri תּבאנה é uma emenda desnecessária), faça a ti o que tua mão encontrar, ou seja, agir de acordo com as circunstâncias (para esta fórmula, veja Juízes 9:33); porque Deus estará contigo”. A ocorrência dos sinais mencionados era para assegurar-lhe a certeza de que Deus o ajudaria em tudo o que empreendesse como rei. A primeira oportunidade de ação lhe foi dada pelo amonita Naás, que sitiou Jabes-Gileade (1Samuel 11:1-15). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E descerás antes de mim a Gilgal; e logo descerei eu a ti para sacrificar holocaustos, e imolar sacrifícios pacíficos. Espera sete dias, até que eu venha a ti, e te ensine o que hás de fazer.

Comentário de Robert Jamieson

Vá na minha frente até Gilgal – Isto, de acordo com Josefo, deveria ser uma regra permanente para a observância de Saul enquanto o profeta e ele vivessem; que em toda grande crise, como uma incursão hostil no país, ele deveria consertar a Gilgal, onde permaneceria por sete dias, para dar tempo para as tribos de ambos os lados do Jordão se reunirem, e Samuel para alcançá-lo. [JFB, aguardando revisão]

9 E foi que assim quando virou ele seu ombro para partir-se de Samuel, mudou-lhe Deus seu coração; e todas estes sinais aconteceram naquele dia.

Comentário de Robert Jamieson

Influenciada pelas palavras de Samuel, bem como pela realização desses sinais, a relutância de Saul em assumir o cargo oneroso foi superada. O cumprimento dos dois primeiros sinais [1Samuel 10:7-8] é passado, mas o terceiro é especialmente descrito. O espetáculo de um homem, embora mais apto a cuidar do gado de seu pai do que a participar dos sagrados exercícios dos jovens profetas – um homem sem instrução prévia, ou qualquer gosto conhecido, entrando com ardor no espírito, e acompanhando habilmente as melodias da banda sagrada, foi um fenómeno tão extraordinário, que deu origem ao provérbio: “É também Saul entre os profetas?” (ver 1Samuel 19:24). O espírito profético veio sobre ele; e para Saul era tão pessoal e experimental uma evidência da verdade da palavra de Deus que lhe fora falada, como os convertidos ao cristianismo têm em si mesmos do poder santificador do Evangelho. [JFB, aguardando revisão]

10 E quando chegaram ali ao morro, eis que a companhia dos profetas que vinha a encontrar-se com ele, e o Espírito de Deus o arrebatou, e profetizou entre eles.

Comentário de Keil e Delitzsch

O terceiro sinal é o único que é descrito minuciosamente, porque isto causou uma grande sensação em Gibeah, a casa de Saul. “E eles (Saul e seu acompanhante) chegaram lá a Gibeah”. “Ali” aponta para “ali para a cidade” em 1Samuel 10:5, e é definido pela expressão adicional “para Gibeá” (versão inglesa, “para a colina:” Tr.). A versão ἔκειθεν (lxx) não nos garante a mudança de שׁם para משּׁם; pois este último seria bastante supérfluo, pois era evidente que eles vieram a Gibeah do lugar onde haviam estado na companhia de Samuel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E aconteceu que, quando todos os que o conheciam de antes viram como profetizava com os profetas, o povo dizia o um ao outro: Que sucedeu ao filho de Quis? Saul também entre os profetas?

Comentário de Keil e Delitzsch

Quando os que conheceram Saul da antiguidade viram que ele profetizava com os profetas, o povo dizia uns aos outros: “O que aconteceu com o filho de Quis? Saul também está entre os profetas?” Esta expressão pressupõe que a vida anterior de Saulo foi totalmente diferente da dos discípulos dos profetas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E algum dali respondeu, e disse: E quem é o pai deles? Por esta causa se tornou em provérbio: Também Saul entre os profetas?

Comentário de Keil e Delitzsch

E um de lá (ou seja, de Gibeá, ou da multidão que estava reunida ao redor dos profetas) respondeu: “E quem é o pai deles?” ou seja, não “quem é o presidente deles?” o que seria uma pergunta muito gratuita; mas, “o pai deles é um profeta então?” isto é, de acordo com a explicação dada por Oehler (Herzog’s Real. Enc. xii. p. 216), “eles têm o espírito profético em virtude de seu nascimento?” Compreendida dessa maneira, a réplica constitui uma “resposta” muito apropriada à expressão de surpresa e à indagação, como aconteceu que Saul estava entre os profetas. Se aqueles profetas não tivessem obtido o dom de profecia por herança, mas como um dom gratuito do Senhor, era igualmente possível ao Senhor comunicar o mesmo dom a Saul. Por outro lado, a alteração do texto de אביהם (seu pai) para אביהוּ (seu pai), de acordo com o lxx, Vulgata, Syr. e Arab., que é favorecido por Ewald, Thenius e outros, deve ser rejeitado, pela simples razão de que a pergunta: Quem é seu pai? na boca de um dos habitantes de Gibeá, a quem o pai de Saul era tão conhecido que imediatamente chamaram Saul de filho de Quis, não teria nenhum sentido. Disso surgiu o provérbio: “Também Saul está entre os profetas?” – um provérbio que era usado para expressar espanto com a aparência de qualquer homem em uma esfera da vida que até então lhe era totalmente estranha. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E cessou de profetizar, e chegou ao alto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Quando Saul parou de profetizar e chegou a Bama, seu tio perguntou a ele e a seu ajudante onde haviam estado; e Saul lhe disse que, como não haviam encontrado as jumentas em lugar algum, tinham ido a Samuel, e souberam dele que as jumentas foram encontradas. Mas ele não relatou as palavras que foram ditas por Samuel sobre a monarquia, por humildade sem ambição (compare com 1Samuel 10:22, 1Samuel 10:23) e não porque ele tinha medo de incredulidade e inveja, como Thénio segue Josefo ao supor . A partir da expressão “ele veio a Bamah” (Eng. verso “ao alto”), devemos concluir que não apenas o tio de Saul, mas também seu pai, morava em Bamah, pois encontramos Saul imediatamente depois em sua própria família círculo (veja 1Samuel 10:14.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E um tio de Saul disse a ele e a seu criado: Aonde fostes? E ele respondeu: A buscar as asnas; e quando vimos que não apareciam, fomos a Samuel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Quando Saul parou de profetizar e chegou a Bama, seu tio perguntou a ele e a seu ajudante onde haviam estado; e Saul lhe disse que, como não haviam encontrado as jumentas em lugar algum, tinham ido a Samuel, e souberam dele que as jumentas foram encontradas. Mas ele não relatou as palavras que foram ditas por Samuel sobre a monarquia, por humildade sem ambição (compare com 1Samuel 10:22, 1Samuel 10:23) e não porque ele tinha medo de incredulidade e inveja, como Thénio segue Josefo ao supor . A partir da expressão “ele veio a Bamah” (Eng. verso “ao alto”), devemos concluir que não apenas o tio de Saul, mas também seu pai, morava em Bamah, pois encontramos Saul imediatamente depois em sua própria família círculo (veja 1Samuel 10:14.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E disse o tio de Saul: Eu te rogo me declares que vos disse Samuel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Quando Saul parou de profetizar e chegou a Bama, seu tio perguntou a ele e a seu ajudante onde haviam estado; e Saul lhe disse que, como não haviam encontrado as jumentas em lugar algum, tinham ido a Samuel, e souberam dele que as jumentas foram encontradas. Mas ele não relatou as palavras que foram ditas por Samuel sobre a monarquia, por humildade sem ambição (compare com 1Samuel 10:22, 1Samuel 10:23) e não porque ele tinha medo de incredulidade e inveja, como Thénio segue Josefo ao supor . A partir da expressão “ele veio a Bamah” (Eng. verso “ao alto”), devemos concluir que não apenas o tio de Saul, mas também seu pai, morava em Bamah, pois encontramos Saul imediatamente depois em sua própria família círculo (veja 1Samuel 10:14.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E Saul respondeu a seu tio: Declarou-nos expressamente que as asnas haviam aparecido. Mas do negócio do reino, de que Samuel lhe havia falado, não lhe revelou nada.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Quando Saul parou de profetizar e chegou a Bama, seu tio perguntou a ele e a seu ajudante onde haviam estado; e Saul lhe disse que, como não haviam encontrado as jumentas em lugar algum, tinham ido a Samuel, e souberam dele que as jumentas foram encontradas. Mas ele não relatou as palavras que foram ditas por Samuel sobre a monarquia, por humildade sem ambição (compare com 1Samuel 10:22, 1Samuel 10:23) e não porque ele tinha medo de incredulidade e inveja, como Thénio segue Josefo ao supor . A partir da expressão “ele veio a Bamah” (Eng. verso “ao alto”), devemos concluir que não apenas o tio de Saul, mas também seu pai, morava em Bamah, pois encontramos Saul imediatamente depois em sua própria família círculo (veja 1Samuel 10:14.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

O povo escolhe Saul para seu rei

17 E Samuel convocou o povo ao SENHOR em Mispá;

Comentário de Robert Jamieson

Uma colina semelhante a um poço perto de Hebrom, a cento e cinquenta metros de altura. As assembléias nacionais dos israelitas foram realizadas lá. Tendo sido designado um dia para a eleição de um rei, Samuel, após ter acusado o povo de rejeitar a instituição de Deus e substituí-lo por um deles, procedeu à nomeação do novo monarca. Como era de suma importância que a nomeação fosse sob a direção e controle divinos, a determinação foi feita pelo lote miraculoso, tribos, famílias e indivíduos sendo sucessivamente passados ​​até que Saul fosse encontrado. Sua ocultação de si mesmo deve ter sido o resultado de uma modéstia inata ou de uma excitação repentina e nervosa sob as circunstâncias. Quando arrastado em vista, ele foi visto para possuir todas as vantagens corporais que um povo rude desiderar em seus soberanos; e a exposição da qual ganhou para o príncipe a opinião favorável de Samuel também. No meio do entusiasmo nacional, no entanto, a profunda piedade e genuíno patriotismo do profeta teve o cuidado de explicar “o estilo do reino”, isto é, os direitos e privilégios reais, juntamente com as limitações a que eles deviam estar. submetido; e para que a constituição pudesse ser ratificada com toda a devida solenidade, a carta desta monarquia constitucional foi registrada e colocada “diante do Senhor”, isto é, depositada sob a custódia dos sacerdotes, junto com os arquivos mais sagrados da Igreja. nação. [JFB, aguardando revisão]

18 E disse aos filhos de Israel: Assim disse o SENHOR o Deus de Israel: Eu tirei a Israel do Egito, e vos livre da mão dos egípcios, e da mão de todos os reinos que vos afligiram:

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) “Mas antes de proceder à eleição propriamente dita, Samuel mais uma vez acusou o povo de seu pecado em rejeitar a Deus, que os havia tirado do Egito, e os libertou das mãos de todos os seus opressores, por sua exigência de um rei, que ele poderia mostrar-lhes quão perigoso era o caminho que eles estavam tomando agora, e quão amargamente eles talvez se arrependessem do que eles agora desejavam” (O. v. Gerlach; veja o comentário em 1Samuel 8). O masculino הלּחצים é interpretado ad sensum com המּמלכות. Em לו ותּאמרוּ os primeiros tradutores tomaram לו por לא, que é a leitura real em alguns dos Códices. Mas embora esta leitura seja decididamente favorecida pelas passagens paralelas, 1Samuel 8:19; 1Samuel 12:12, não é necessário; já que כּי é usado para introduzir uma declaração direta, mesmo em uma declaração oposta, no sentido de nosso “não mas” (por exemplo, em Rute 1:10, onde להּ precede). Não há, portanto, razão para trocar לו por לא. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Mas vós rejeitastes hoje a vosso Deus, que vos guarda de todas as vossas aflições e angústias, e dissestes: Não, mas sim põe rei sobre nós. Agora pois, ponde-vos diante do SENHOR por vossas tribos e por vossos milhares.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) “Mas antes de proceder à eleição propriamente dita, Samuel mais uma vez acusou o povo de seu pecado em rejeitar a Deus, que os havia tirado do Egito, e os libertou das mãos de todos os seus opressores, por sua exigência de um rei, que ele poderia mostrar-lhes quão perigoso era o caminho que eles estavam tomando agora, e quão amargamente eles talvez se arrependessem do que eles agora desejavam” (O. v. Gerlach; veja o comentário em 1Samuel 8). O masculino הלּחצים é interpretado ad sensum com המּמלכות. Em לו ותּאמרוּ os primeiros tradutores tomaram לו por לא, que é a leitura real em alguns dos Códices. Mas embora esta leitura seja decididamente favorecida pelas passagens paralelas, 1Samuel 8:19; 1Samuel 12:12, não é necessário; já que כּי é usado para introduzir uma declaração direta, mesmo em uma declaração oposta, no sentido de nosso “não mas” (por exemplo, em Rute 1:10, onde להּ precede). Não há, portanto, razão para trocar לו por לא. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E fazendo achegar Samuel todas as tribos de Israel, foi tomada a tribo de Benjamim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) Após este aviso, Samuel orientou os israelitas reunidos a comparecerem diante de Jeová (isto é, diante do altar de Jeová que estava em Mizpá, de acordo com 1Samuel 7:9) de acordo com suas tribos e famílias (alafim: veja em Números 1:16); “e foi tomada (por sorteio) a tribo de Benjamim”. הלּכד, literalmente para ser arrebatado por Jeová, ou seja, através do sorteio (veja Josué 7:14, Josué 7:16). Ele então orientou a tribo de Benjamim a se aproximar de acordo com suas famílias, ou seja, ele orientou os chefes das famílias desta tribo a virem diante do altar do Senhor e sortearem; e a família de Matri foi tomada. Por fim, quando os chefes das famílias desta família chegaram, e depois disso os diferentes indivíduos da casa que haviam sido tomados, a sorte caiu sobre Saul, filho de Quis. Nas palavras, “Saul, filho de Kish foi levado”, o historiador procede imediatamente ao resultado final do lançamento da sorte, sem descrever mais os passos intermediários.

(Nota: É verdade que a Septuagint apresenta as palavras καὶ προσάγουσι τὴν φυλὴν ματταρὶ εἰς ἄνδρας Antes de ויּלּכּכ, e esta cláusula também é encontrada em um MS hebraico muito recente (em outras palavras, 451 na dissertação de Kennicott. Gener. P. 491). Mas é muito evidente que essas palavras não faziam parte integrante do texto original, como Thénio supõe, mas nada mais eram do que uma interpolação dos tradutores de setembro, pelo simples fato de não preencherem a suposta lacuna em tudo completamente, mas apenas de uma maneira muito parcial e de fato muito equivocada; pois a família de Matri não poderia vir ao lote εἰς ἄνδρας (homem por homem), mas apenas κατ ̓ οἴκους (por famílias: Josué 7:14) Antes que a casa (beth-aboth, casa do pai) de Saul pudesse ser tomada, era necessário que o גּברים (ἄνδρες), ou seja, os diferentes chefes de família, fossem trazidos; seu filho Saul, poderia ser apontado como o designado do Senhor. r da glosa na lxx, nem o defensor moderno da glosa, pensou nisso.)

Quando a sorte caiu sobre Saul, eles o procuraram, e ele não foi encontrado. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E fez chegar a tribo de Benjamim por suas linhagens, e foi tomada a família de Matri; e dela foi tomado Saul filho de Quis. E lhe buscaram, mas não foi achado.

Comentário de A. F. Kirkpatrick

a família de Matri] A família dos Matrites não é mencionada em nenhum outro lugar. Por isso, foi conjeturado que devemos ler Bikrites, ou descendentes de Becher, o filho de Benjamin (1 Crônicas 7:6).

dela foi tomado Saul filho de Quis] A descrição do processo de lançar sortes é resumida. A família tomada seria trazida por casas, e a casa tomada seria trazida por pessoas. O setembro insere “e eles trazem a família de Mattari homem por homem”, o que deve ser entendido, como em Josué 7:17, como significando apenas os chefes de casas, não todos os indivíduos da família, o que seria muito um longo processo.Dessa forma, Quis seria levado e, finalmente, quando ele trouxe sua casa para a frente homem por homem, Saul foi levado.

mas não foi achado] Sentimentos naturais de modéstia e humildade levaram Saulo a se esconder. Ele já sabia que ele era o objeto da escolha de Deus, mas ele não apareceria para cortejar o avanço, ou de qualquer forma se apresentar para a dignidade real. [Kirkpatrick, aguardando revisão]

22 Perguntaram pois outra vez ao SENHOR, se havia ainda de vir ali aquele homem. E respondeu o SENHOR: Eis que ele está escondido entre a bagagem.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então eles perguntaram a Jeová: “Alguém mais veio aqui?” e Jeová respondeu: “Eis que aquele (a quem procurais) está escondido entre as coisas”. A indagação era feita através do sumo sacerdote, por meio do Urim e Tumim, para o qual בּיהוה שׁאל era a expressão técnica, conforme Números 27:21 (ver Juízes 20:27-28; Juízes 1:1, etc.). Não há dúvida de que em uma reunião do povo para um propósito tão importante como a eleição de um rei, o sumo sacerdote também estaria presente, ainda que isso não seja expressamente declarado. Samuel presidiu a reunião como profeta do Senhor. A resposta dada por Deus, “Eis que ele está escondido”, etc., parece não ter relação com a pergunta: “Vem mais alguém?” O Setembro e a Vulgata, portanto, alteraram a questão para ει ̓ ἔτι ἔρχεται ὁ ἀνήρ, utrumnam venturus esset; e Thenius adotaria isso como uma emenda. Mas ele está errado ao fazê-lo; pois não havia necessidade de perguntar se Saul ainda viria: eles poderiam imediatamente ter enviado para buscá-lo. O que eles perguntaram foi se alguém mais havia vindo além daqueles que estavam presentes, já que Saul não estava entre eles, para que eles soubessem onde deveriam procurar por Saul, se em casa ou em qualquer outro lugar. E a esta pergunta Deus deu a resposta: “Ele está presente, apenas oculto entre as coisas”. Por כּלים (as coisas ou embarcações, verso em inglês as coisas) devemos entender a bagagem de viagem das pessoas que se reuniram em Mizpá. Saul não poderia ter desejado evitar aceitar a monarquia, nem ter imaginado que a sorte não cairia sobre ele se ele se escondesse. Pois ele sabia que Deus o havia escolhido; e Samuel já o havia ungido. Ele o fez, portanto, simplesmente por humildade e modéstia. “Para que ele não parecesse ter esperança ou desejo de qualquer coisa do tipo, ele preferiu estar ausente quando a sorte foi lançada” (Seb. Schmidt). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Então correram, e tomaram-no dali, e posto em meio do povo, desde o ombro acima era mais alto que todo o povo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-25) Ele foi rapidamente buscado e levado para o meio do povo (reunido); e quando chegou, ele era uma cabeça mais alta que todo o povo (ver 1Samuel 9:2). E Samuel disse a todo o povo: “Vede vós a quem o Senhor escolheu! pois não há ninguém como ele em toda a nação”. Então todo o povo gritou em voz alta, e gritou: “Deixai viver o rei”! A estatura corporal de Saul ganhou o favor do povo (ver as observações em 1Samuel 9:2).

Samuel então comunicou ao povo o direito da monarquia, e o colocou diante de Jeová. “O direito da monarquia” (melucha) não deve ser identificado com o direito do rei (melech), que é descrito em 1Samuel 8:11 e estabelece o direito ou prerrogativa que um rei despótico assumiria sobre o povo; mas é o direito que regulamentou a atitude da monarquia terrestre na teocracia, e determinou os deveres e direitos do rei humano em relação a Jeová, o rei divino, por um lado, e à nação, por outro. Este direito só poderia ser estabelecido por um profeta como Samuel, para levantar uma barreira saudável logo no início contra todos os excessos por parte do rei. Portanto, Samuel o escreveu em um documento que foi estabelecido perante Jeová, ou seja, no santuário de Jeová; embora certamente não no santuário de Bamah em Gibeah, como supõe Thenius, pois nada se sabe a respeito de tal santuário. Foi sem dúvida colocado no tabernáculo, onde a lei de Moisés também foi depositada, ao lado da lei fundamental do estado divino em Israel. Quando o negócio foi concluído, Samuel mandou o povo embora para sua própria casa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E Samuel disse a todo o povo: Vistes ao que o SENHOR escolheu, que não há semelhante a ele em todo o povo? Então o povo clamou com alegria, dizendo: Viva o rei!

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-25) Ele foi rapidamente buscado e levado para o meio do povo (reunido); e quando chegou, ele era uma cabeça mais alta que todo o povo (ver 1Samuel 9:2). E Samuel disse a todo o povo: “Vede vós a quem o Senhor escolheu! pois não há ninguém como ele em toda a nação”. Então todo o povo gritou em voz alta, e gritou: “Deixai viver o rei”! A estatura corporal de Saul ganhou o favor do povo (ver as observações em 1Samuel 9:2).

Samuel então comunicou ao povo o direito da monarquia, e o colocou diante de Jeová. “O direito da monarquia” (melucha) não deve ser identificado com o direito do rei (melech), que é descrito em 1Samuel 8:11 e estabelece o direito ou prerrogativa que um rei despótico assumiria sobre o povo; mas é o direito que regulamentou a atitude da monarquia terrestre na teocracia, e determinou os deveres e direitos do rei humano em relação a Jeová, o rei divino, por um lado, e à nação, por outro. Este direito só poderia ser estabelecido por um profeta como Samuel, para levantar uma barreira saudável logo no início contra todos os excessos por parte do rei. Portanto, Samuel o escreveu em um documento que foi estabelecido perante Jeová, ou seja, no santuário de Jeová; embora certamente não no santuário de Bamah em Gibeah, como supõe Thenius, pois nada se sabe a respeito de tal santuário. Foi sem dúvida colocado no tabernáculo, onde a lei de Moisés também foi depositada, ao lado da lei fundamental do estado divino em Israel. Quando o negócio foi concluído, Samuel mandou o povo embora para sua própria casa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Então Samuel recitou ao povo o direito do reino, e escreveu-o em um livro, o qual guardou diante do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-25) Ele foi rapidamente buscado e levado para o meio do povo (reunido); e quando chegou, ele era uma cabeça mais alta que todo o povo (ver 1Samuel 9:2). E Samuel disse a todo o povo: “Vede vós a quem o Senhor escolheu! pois não há ninguém como ele em toda a nação”. Então todo o povo gritou em voz alta, e gritou: “Deixai viver o rei”! A estatura corporal de Saul ganhou o favor do povo (ver as observações em 1Samuel 9:2).

Samuel então comunicou ao povo o direito da monarquia, e o colocou diante de Jeová. “O direito da monarquia” (melucha) não deve ser identificado com o direito do rei (melech), que é descrito em 1Samuel 8:11 e estabelece o direito ou prerrogativa que um rei despótico assumiria sobre o povo; mas é o direito que regulamentou a atitude da monarquia terrestre na teocracia, e determinou os deveres e direitos do rei humano em relação a Jeová, o rei divino, por um lado, e à nação, por outro. Este direito só poderia ser estabelecido por um profeta como Samuel, para levantar uma barreira saudável logo no início contra todos os excessos por parte do rei. Portanto, Samuel o escreveu em um documento que foi estabelecido perante Jeová, ou seja, no santuário de Jeová; embora certamente não no santuário de Bamah em Gibeah, como supõe Thenius, pois nada se sabe a respeito de tal santuário. Foi sem dúvida colocado no tabernáculo, onde a lei de Moisés também foi depositada, ao lado da lei fundamental do estado divino em Israel. Quando o negócio foi concluído, Samuel mandou o povo embora para sua própria casa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E enviou Samuel a todo o povo cada um a sua casa. E Saul também se foi a sua casa em Gibeá, e foram com ele o exército, o coração dos quais Deus havia tocado.

Comentário de Robert Jamieson

Saul também foi para sua casa em Gibeá – perto de Geba. Este era seu local de residência (ver Juízes 20:20), cerca de cinco milhas ao norte de Jerusalém.

acompanhado por guerreiros, cujos corações Deus tinha tocado – que temiam a Deus e consideravam a lealdade ao seu rei como um dever de consciência. Eles se opõem aos “filhos de Belial”. [JFB, aguardando revisão]

27 Porém os ímpios disseram: Como nos há de salvar este? E tiveram-lhe em pouco, e não lhe trouxeram presente: mas ele dissimulou.

Comentário de Robert Jamieson

Nos países do Oriente, a honra do soberano e o esplendor da casa real são mantidos, não por uma taxa fixa de impostos, mas por presentes trazidos em certas épocas por oficiais e homens de riqueza, de todas as partes do reino, de acordo com os meios do indivíduo, e de um valor registrado habitual. Tal foi o tributo que os oponentes de Saul retiveram, e por falta disso ele foi incapaz de estabelecer um estabelecimento real por um tempo. Mas “ganhando tempo”, ele suportou o insulto com uma prudência e magnanimidade que foram de grande utilidade no início de seu governo. [JFB, aguardando revisão]

<1 Samuel 9 1 Samuel 11>

Visão geral de 1Samuel

Em 1 Samuel, “Deus relutantemente levanta reis para governar os israelitas. O primeiro é um fracasso e o segundo, Davi, é um substituto fiel”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.