1 Samuel 9

Saul, desesperado para encontrar as jumentas de seu pai, vai a Samuel

1 E havia um homem de Benjamim, homem valente, o qual se chamava Quis, filho de Abiel, filho de Zeror, filho de Becorate, filho de Afia, filho de um homem de Benjamim.

Comentário de Robert Jamieson

Havia um homem de Benjamim, rico e influente – isto é, de grande riqueza e substância. A família era de alta consideração na tribo de Benjamin, e, portanto, as palavras de Saul devem ser estabelecidas entre as formas comuns de humildade afetada, que as pessoas orientais costumam usar. [JFB, aguardando revisão]

2 E tinha ele um filho que se chamava Saul, rapaz e belo, que entre os filhos de Israel não havia outro mais belo que ele; do ombro acima sobrepujava a qualquer um do povo.

Comentário de Robert Jamieson

Saul, jovem de boa aparência – Ele tinha uma boa aparência; pois é evidente que ele deve ter apenas um pouco menos de dois metros de altura. Uma estatura gigantesca e uma armação atlética devem ter sido uma recomendação popular naquele tempo naquele país. [JFB, aguardando revisão]

3 E haviam-se perdido as asnas de Quis, pai de Saul; pelo que disse Quis a Saul seu filho: Toma agora contigo algum dos criados, e levanta-te, e vai a buscar as asnas.

Comentário de Robert Jamieson

A probabilidade é que a família de Quis, de acordo com o uso imemorial dos pastores orientais nas regiões puramente pastorais, tenha deixado os animais vagarem durante a estação de pasto, perto de quais mensageiros foram despachados em busca deles. Essas buscas itinerantes são comuns; e, como cada proprietário tem seu próprio selo marcado em seu gado, a menção dele aos pastores que ele encontra gradualmente leva à descoberta dos animais perdidos. Essa perambulação de Saul não tinha nada de extraordinário, exceto suas direções e questões superiores, que transformavam sua incerteza em certeza. [JFB, aguardando revisão]

4 E ele passou ao monte de Efraim, e dali à terra de Salisa, e não as acharam. Passaram logo pela terra de Saalim, e tampouco. Depois passaram pela terra de Benjamim, e não as encontraram.

Comentário de Robert Jamieson

Eles atravessaram os montes de Efraim – Este estado situado ao norte de Benjamim, indica a direção da jornada de Saul. O distrito explorado significa toda a região montanhosa, com seus vales e desfiladeiros, que pertenciam a Efraim. Virando-se aparentemente para o sul – provavelmente através das colinas verdejantes entre Siló e os vales do Jordão (Shalisha e Shalim) – ele se aproximou novamente das fronteiras de Benjamin, vasculhou a terra de Zuph e propôs voltar, quando seu servo se lembrou de que eles estavam em a vizinhança imediata do homem de Deus, que lhes daria conselho. [JFB, aguardando revisão]

5 E quando vieram à terra de Zufe, Saul disse a seu criado que tinha consigo: Vem, voltemo-nos; porque talvez meu pai, deixado o cuidado das asnas, estará aflito por nós.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-5) Tendo sido enviado por seu pai para procurar seus jumentos que haviam se desviado, Saul foi com seu servo através das montanhas de Efraim, que correram para o sul em direção ao território da tribo de Benjamin (ver em 1Samuel 1: 1), depois pela terra de Shalishah e pela terra de Shaalim, e depois pela terra de Benjamim, sem encontrar os jumentos; e, longamente, quando chegou à terra de Zuph, resolveu voltar, pois temia que seu pai pudesse desviar sua mente dos jumentos e se incomodar com eles (o filho e o servo). מן חדל, desistir de uma coisa, desistir dela ou renunciar a ela.

Como Saul começou em qualquer caso de Gibeah de Benjamin, sua própria casa (1Samuel 10:10, 1Samuel 10:26, 1Samuel 11:4; 1Samuel 15:34; 1Samuel 23:19; 1Samuel 26:1), ou seja o atual Tuleil el Phul, que estava uma hora ou uma hora e meia ao norte de Jerusalém (ver em Josué 18:28), e foi dali para as montanhas de Efraim, sem dúvida tomou uma direção noroeste, de modo que cruzou a fronteira de Benjamim em algum lugar entre Bireh e Atarah, e passando pela crista das montanhas de Efraim, a oeste de Gophnah (Jifna), saiu para a terra de Shalishah. Shalishah é inquestionavelmente o país redondo (ou de) Baal-shalishah (2 Reis 4:42), que estava situado, de acordo com Eusébio (Onom. s.v. Βαιθσαρισάθ: Beth-sarisa ou Beth-salisa), na região Thamnitica, a quinze milhas romanas ao norte de Diospolis (Lydda), e era portanto provavelmente o país a oeste de Jiljilia, onde três uádis diferentes se cruzam com uma grande senhora, chamada Kurawa; e de acordo com a provável conjectura de Thenius, foi a partir deste fato que o distrito recebeu o nome de Shalishah, ou Three-land. Prosseguiram então em sua busca até a terra de Shaalim: de acordo com o Onom. (s.v.), “uma aldeia a sete milhas de distância, em finibus Eleutheropoleos contra occidentem”. Mas isto dificilmente é correto e muito provavelmente está ligado ao erro cometido na transposição da cidade de Samuel para o bairro de Diospolis (veja em 1Samuel 1:1). Pois desde que eles passaram de Shaalim para a terra de Benjamin, e depois ainda mais para a terra de Zuph, no sudoeste de Benjamin, eles provavelmente viraram para o leste de Shalishah, para o país onde encontramos Beni Mussah e Beni Salem marcados nos mapas de Robinson e v. de Velde, e onde devemos, portanto, procurar a terra de Shaalim, para que eles possam prosseguir a partir daí para explorar a terra de Benjamin do nordeste para o sudoeste. Se, ao contrário, tivessem ido de Shaalim em direção ao sul ou sudoeste, ao distrito de Eleutheropolis, teriam entrado apenas na terra de Benjamin, no canto sudoeste, e teriam que percorrer todo o caminho de volta para ir dali para a terra de Zuph. Pois podemos inferir com certeza que a terra de Zuph estava no sudoeste da tribo-território de Benjamin, do fato de que, segundo 1Samuel 10:2, Saul e seu companheiro passaram pela tumba de Raquel ao retornarem dali para sua própria casa, e depois chegaram à fronteira de Benjamin. Sobre o nome Zuph, ver em 1Samuel 1:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E ele lhe respondeu: Eis que agora há nesta cidade um homem de Deus, que é homem ilustre: todas as coisas que ele disser, sem dúvida virão a suceder. Vamos pois ali; talvez nos ensinará nosso caminho por onde havemos de ir.

Comentário de Robert Jamieson

Nesta cidade mora um homem de Deus – Ramah era a residência habitual de Samuel, mas várias circunstâncias, especialmente a menção do sepulcro de Raquel, que estava no caminho de Saul para casa [1Samuel 10:2], levaram à conclusão de que “esta cidade” não era o Ramah onde Samuel morava.

Talvez ele nos aponte o caminho a seguir – Parece estranho que um profeta digno seja consultado em tal caso. Mas é provável que, na introdução do ofício profético, os videntes tivessem descoberto coisas perdidas ou roubadas e, assim, seu poder para revelações mais elevadas foi gradualmente estabelecido. [JFB, aguardando revisão]

7 E Saul respondeu a seu criado: Vamos agora: mas que levaremos ao homem? Porque o pão de nossos alforjes se acabou, e não temos que presentear ao homem de Deus: que temos?

Comentário de Robert Jamieson

Saul disse a seu servo: “Se formos, o que poderemos lhe dar? – De acordo com as noções orientais, seria considerado falta de respeito a qualquer pessoa entrar na presença de um homem superior de patente ou de posto oficial sem algum tipo de presente em sua mão, por mais insignificante que fosse em valor.

Não temos nenhum presente para levar ao homem de Deus – Pastores, indo em busca de seu gado, colocam em uma bolsa tanto de farinha para fazer pão como às vezes dura trinta dias. Parece que Saul pensou em dar ao homem de Deus um bolo de sua mala de viagem, e isso teria sido suficiente para tornar o ato indispensável de civilidade – a homenagem costumeira à dignidade oficial. [JFB, aguardando revisão]

8 Então voltou o criado a responder a Saul, dizendo: Eis que se acha em minha mão a quarta parte de um siclo de prata: isto darei ao homem de Deus, porque nos declare nosso caminho.

Comentário de Robert Jamieson

Tenho três gramas de prata – mais do que seis pence. Contrariamente às nossas noções ocidentais, o dinheiro é, no Oriente, a forma mais aceitável em que um presente pode ser feito a um homem de patente. [JFB, aguardando revisão]

9 (Antigamente em Israel qualquer um que ia a consultar a Deus, dizia assim: Vinde e vamos até o vidente: porque o que agora se chama profeta, antigamente era chamado vidente).

Comentário de Robert Jamieson

videnteprofeta – A distinção reconhecida nos últimos tempos foi que um vidente era alguém que era favorecido com visões de Deus – uma visão das coisas invisíveis à visão mortal; e um profeta previu eventos futuros. [JFB, aguardando revisão]

10 Disse então Saul a seu criado: Bem dizes; eia, pois, vamos. E foram à cidade de onde estava o homem de Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) Antes de prosseguir com o andamento do caso, o historiador introduz um aviso, que era necessário para lançar luz sobre o que se segue; isto é, que antes do tempo, se alguém quisesse perguntar a Deus, isto é, pedir conselho a um profeta de Deus sobre qualquer assunto, era costume em Israel dizer: “Iremos ao vidente, porque “aquele que agora é chamado de profeta, antes do tempo era chamado de vidente”. Após esta observação parentérica, o relato continua em 1Samuel 9:10. Saul declarou-se satisfeito com a resposta do servo; e ambos foram à cidade, para perguntar ao homem de Deus sobre os cus que se perderam. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E quando subiam pela encosta da cidade, acharam umas moças que saíam por água, às quais disseram: Está neste lugar o vidente?

Comentário de Robert Jamieson

Ao subirem a colina para chegar à cidade – A aldeia moderna, Er-Rameh, encontra-se em uma eminência; e no caminho encontraram um bando de jovens donzelas saindo para o poço, que, como todos os lugares semelhantes na Palestina, estava além do recinto da cidade. Destas donzelas souberam que o dia era dedicado a uma festa, em honra da qual Samuel chegara à cidade; que um sacrifício foi oferecido, o que foi feito por profetas em circunstâncias extraordinárias a uma distância do tabernáculo, e que uma festa deveria ser seguida – implicando que havia sido uma oferta de paz; e que, de acordo com a venerável prática dos israelitas, esperava-se que o homem de Deus pedisse uma bênção especial sobre a comida, de modo a tornar-se a grande ocasião. [JFB, aguardando revisão]

12 E elas respondendo-lhes, disseram: Sim; ei-lo aqui diante de ti: apressa-te, pois, porque hoje veio à cidade porque o povo tem hoje sacrifício no alto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-12) Quando iam para o alto da cidade, encontraram donzelas que saíam da cidade para tirar água; e ao perguntar-lhes se a vidente estava lá, receberam esta resposta: “Sim; eis que ele está diante de ti: apressa-te, agora, pois ele veio à cidade hoje; pois o povo tem um sacrifício hoje sobre o alto”. Bamah (no singular) não significa a altura ou colina em geral; mas ao longo dela significa o lugar alto, como um lugar de sacrifício ou de oração. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E quando entrardes na cidade, vós o encontrareis logo, antes que suba ao alto a comer; pois o povo não comerá até que ele tenha vindo, porquanto ele deve abençoar o sacrifício, e depois comerão os convidados. Subi, pois agora, porque agora o achareis.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Quando entrardes na cidade, logo o encontrareis antes que suba ao alto para comer”. כּן não apenas introduz a apodosis, mas corresponde a כּ, como, então: aqui, no entanto, é usado com referência ao tempo, no sentido de nosso “imediatamente”. “Pois as pessoas não estão acostumadas a comer até que ele venha, pois ele abençoa o sacrifício”, etc. בּרך, como εὐλογεῖν, refere-se à oração de ação de graças oferecida antes da refeição sacrificial. “Ide agora para ele; ainda vai encontrá-lo ainda hoje”. O primeiro אתו é colocado no início para dar ênfase, e então repetido no final. כּהיּום: “Até hoje.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Eles então subiram à cidade; e quando em meio da cidade estiveram, eis que Samuel que diante deles saía para subir ao alto.

Comentário de Robert Jamieson

Samuel vinha na direção deles a caminho do altar no monte – Tais eram os modos simples dos tempos em que este profeta, o homem chefe em Israel, era visto indo presidir a um festival elevado, indistinto seja por sua vestimenta ou equipamento de qualquer cidadão comum. [JFB, aguardando revisão]

15 E um dia antes que Saul viesse, o SENHOR havia revelado ao ouvido de Samuel, dizendo:

Comentário de Robert Jamieson

A descrição de Saul, o tempo de sua chegada e o alto cargo para o qual ele estava destinado, haviam sido secretamente intimados a Samuel do céu. O futuro rei de Israel deveria lutar as batalhas do Senhor e proteger Seu povo. Parece que eles estavam sofrendo grande molestamento dos filisteus, e que essa era uma razão adicional de suas exigências urgentes para a nomeação de um rei (ver 1Samuel 10:5; 13:3). [JFB, aguardando revisão]

16 Amanhã a esta mesma hora eu enviarei a ti um homem da terra de Benjamim, ao qual ungirás por príncipe sobre meu povo Israel, e salvará meu povo da mão dos filisteus: pois eu olhei a meu povo, porque seu clamor há chegado até mim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-16) Quando eles entraram na cidade, Samuel os encontrou na saída para ir ao alto do sacrifício. Antes que a reunião em si seja descrita, a declaração é introduzida em 1Samuel 9:15-17, que no dia anterior Jeová havia predito a Samuel que o homem viria a quem ele deveria ungir como capitão sobre seu povo. אזן גּלה, para abrir o ouvido de alguém, equivalente a revelar algo a ele (1Samuel 20:12; 2Samuel 7:27, etc.). אשׁלח, eu te enviarei, ou seja, “Eu dirigirei seu caminho na minha providência dominante, que ele virá a ti” (J. H. Mich.). As palavras “para que ele possa salvar o meu povo das mãos dos filisteus; porque olhei para o meu povo, porque o seu clamor chegou a mim”, não estão em desacordo com 1Samuel 7:13. Nessa passagem, há simplesmente a afirmação de que não havia mais opressão permanente por parte dos filisteus nos dias de Samuel, como havia ocorrido antes; mas uma tentativa de recuperar sua supremacia sobre Israel não só não é impedida, mas é até mesmo indiretamente afirmada (veja a comunicação em 1Samuel 7:13). As palavras diante de nós simplesmente mostram que os filisteus começaram então a fazer uma nova tentativa de lutar pelo domínio sobre os israelitas. “Eu olhei para o meu povo”: isso deve ser explicado como a passagem semelhante em Êxodo 2:25, “Deus olhou para os filhos de Israel”, e Êxodo 3:7, “Eu olhei para a miséria do meu povo “. O olhar de Deus não era um olhar quieto e inativo, mas um olhar enérgico, que trazia ajuda nos problemas. “O seu clamor chegou a mim”: isto é palavra por palavra, o mesmo que em Êxodo 3:9. Como os filisteus queriam seguir os passos dos egípcios, era necessário que Jeová também enviasse ao Seu povo um libertador desses novos opressores, dando-lhes um rei. A razão aqui atribuída para o estabelecimento de uma monarquia não está em desacordo com o desagrado que Deus havia expressado a Samuel pelo desejo do povo por um rei (1Samuel 8:7.); já que esse desagrado se referia ao estado de coração do qual o desejo havia nascido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E logo que Samuel viu a Saul, o SENHOR lhe disse: Eis que este é o homem do qual te falei; este dominará a meu povo.

Comentário de Keil e Delitzsch

Quando Samuel viu Saul, o Senhor lhe respondeu, isto é, em resposta à pergunta tácita: ‘É este ele?’ “Eis que este é o homem de quem te falei”. עצר, coercere imperio. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E chegando Saul a Samuel em meio da porta, disse-lhe: Rogo-te que me ensines onde está a casa do vidente.

Comentário de Robert Jamieson

Por favor, pode me dizer onde é a casa do vidente? – Satisfazendo a pergunta do estranho, Samuel o convidou para a festa, bem como para peregrinar até o dia seguinte; e, para reconciliá-lo com o atraso, assegurou-lhe que as jumentas perdidas haviam sido recuperadas. [JFB, aguardando revisão]

19 E Samuel respondeu a Saul, e disse: Eu sou o vidente: sobe diante de mim ao alto, e comei hoje comigo, e pela manhã te despacharei, e te revelarei tudo o que está em teu coração.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-21) Samuel respondeu: “Eu sou o vidente: sobe diante de mim ao alto, e come comigo hoje; Deixar uma pessoa ir na frente era um sinal de grande estima. A mudança do singular עלה para o plural אכלתּם pode ser explicada com base no fato de que, embora Samuel tenha falado apenas com Saul, ele pretendia expressamente convidar seu servo para a refeição, assim como a si mesmo. “Tudo o que está em seu coração” não significa “tudo o que você tem em seu coração”, ou seja, tudo o que o incomoda, pois Samuel o aliviou de toda a ansiedade sobre os jumentos de uma só vez, dizendo-lhe que eles foram encontrados; mas simplesmente os pensamentos do teu coração em geral. Samuel faria isso conhecido a ele, para provar a ele que ele era um profeta. Ele então, antes de tudo, o satisfez com respeito aos jumentos (1Samuel 9:20): “Quanto aos jumentos que foram perdidos para você hoje, três dias (três dias atrás), não coloque seu coração neles (ou seja, não incomode-se com eles), pois eles são encontrados”. Após este anúncio tranquilizador, pelo qual ele convenceu Saul do seu dom de vidente, Samuel dirigiu os pensamentos de Saul para aquela coisa mais elevada que Jeová havia designado para ele: “E a quem pertence tudo o que vale a pena desejar de Israel? , e a toda a casa de teu pai?” “O desejo de Israel” (optima quaeque Israel, Vulgata; “o melhor em Israel”, Lutero) não é tudo o que Israel deseja, mas tudo o que Israel possui do que é precioso ou digno de desejo (ver Ageu 2:7). “A antítese aqui é entre os burros e todas as coisas desejáveis” (Seb. Schmidt). Não obstante o caráter indefinido das palavras, eles apresentaram coisas tão gloriosas como a perspectiva de Saul, que ele respondeu com espanto (1Samuel 9:21): “Não sou eu benjaminita, da menor das tribos de Israel? família é a menor de todas as famílias da tribo de Benjamim (בן שׁבטי é inquestionavelmente um erro de copista para בן שׁבת); e como você fala tal palavra para mim?” Samuel não respondeu a isso, pois ele simplesmente queria, antes de tudo, despertar na mente de Saul a expectativa de coisas com as quais ele nunca havia sonhado antes. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E das asnas que se te perderam hoje há três dias, deixa de se preocupar com elas, porque se acharam. Mas a quem é todo o desejo de Israel, se não a ti e a toda a casa de teu pai?

Comentário de Robert Jamieson

E a quem pertencerá tudo o que é precioso em Israel, senão a você e toda a família de seu pai? – Esta foi uma premonição secreta e indireta da dignidade real que o aguardava; e, embora a resposta de Saul mostre que ele a compreendeu completamente, ele se atreveu a duvidar de que o profeta fosse sincero. [JFB, aguardando revisão]

21 E Saul respondeu, e disse: Não sou eu filho de Benjamim, das menores tribos de Israel? e minha família não é a mais pequena de todas as famílias da tribo de Benjamim? por que pois me disseste coisa semelhante?

Comentário de Robert Jamieson

Ao escolher um rei desta tribo menos e quase extinta (Juízes 20:46-48), a sabedoria divina projetada para remover todos motivos de ciúmes entre as outras tribos. [JFB, aguardando revisão]

22 E tomando Samuel a Saul e a seu criado, meteu-os na sala, e deu-lhes lugar à cabeceira dos convidados, que eram como uns trinta homens.

Comentário de Robert Jamieson

O viajante cansado, mas de aparência nobre, viu-se de repente sentado entre os principais homens do lugar e tratado como o hóspede mais ilustre. [JFB, aguardando revisão]

23 E disse Samuel ao cozinheiro: Traze aqui a porção que te dei, a qual te disse que guardasses à parte.

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-24) Ele então ordenou ao cozinheiro que trouxesse a peça que ele havia mandado colocar de lado, e que a colocasse diante de Saul, ou seja, a perna e העליה (o artigo no lugar do parente; ver Ewald, 331, b.); ou seja, não o que estava sobre ela, em outras palavras, o caldo derramado sobre ela (Dathe e Maurer), mas o que estava preso a ela (Luther). A referência, entretanto, não é ao rim como a porção mais escolhida (Thenius), pois os rins foram queimados sobre o altar no caso de todos os sacrifícios mortos (Levítico 3:4), e somente a carne dos animais oferecidos em sacrifício foi aplicada à refeição sacrificial. O que estava preso à perna, portanto, só pode ter sido tal da gordura sobre a carne como não era destinado ao altar. Se a perna direita ou esquerda, não é declarada: os comentadores anteriores decidem a favor da esquerda, porque a perna direita caiu para a parte dos sacerdotes (Levítico 7:32.). Mas como Samuel conduziu toda a cerimônia de sacrifício, ele também pode ter oferecido o sacrifício em virtude de seu chamado profético, para que a perna direita caísse para sua parte, e ele poderia tê-lo reservado para seu convidado. Em qualquer caso, porém, a perna, como a maior e melhor porção, seria uma peça de honra para Saul (ver Gênesis 43:34). Não há motivo para procurar mais nenhum significado simbólico nela. O fato de que era intenção de Samuel distinguir e honrar Saul acima de todos os seus outros convidados, é evidente o suficiente do que ele disse a Saul quando o cozinheiro trouxe a perna: “Eis que o que está reservado está posto diante de ti (שׂים é o particípio passivo, como em Números 24:21); pois até agora tem sido guardado para ti, como eu disse, convidei o povo”. למּועד é ou “para a hora marcada da tua vinda”, ou possivelmente “para a (esta) reunião em conjunto”. Samuel menciona isto para dar a Saul seu convidado a entender que ele tinha previsto sua vinda de uma forma sobrenatural. לאמר, dizendo, isto é, como eu disse (ao cozinheiro). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Então levantou o cozinheiro uma coxa, com o que estava sobre ela, e a pôs diante de Saul. E Samuel disse: Eis que o que estava reservado: põe-o diante de ti, e come; porque foi intencionalmente guardado para ti, quando disse: Eu convidei ao povo. E Saul comeu aquele dia com Samuel.

Comentário de Robert Jamieson

e colocou tudo diante de Saul. E disse Samuel: “Aqui está o que lhe foi reservado. Coma – isto é, reservado (ver Gênesis 18:7; veja Gênesis 43:34). Este era, provavelmente, o ombro direito; que, como a recompensa do sacrifício, pertencia a Samuel, e que ele reservou para seu convidado esperado. Nas esculturas da charneca egípcia, também, o primeiro baseado retirado era sempre o ombro direito do padre. O significado dessas atenções distintas deve ter sido entendido pelos outros convidados. [JFB, aguardando revisão]

25 E quando houveram descido do alto à cidade, ele falou com Saul no terraço.

Comentário de Robert Jamieson

Samuel conversou com Saul no terraço de sua casa – Saul foi levado para se hospedar com o profeta naquela noite. Antes de descansar, eles comungaram no telhado plano da casa, o leito sendo colocado lá (Josué 2:6), quando, sem dúvida, Samuel revelou o segredo e descreveu os deveres peculiares de um monarca em uma nação tão relacionada com o Rei divino como Israel. Na manhã seguinte, cedo, Samuel despertou seu convidado e, ao levá-lo a caminho das saias da cidade, procurou, antes de partir, uma entrevista particular – cujo objeto é narrado no próximo capítulo. [JFB, aguardando revisão]

26 E ao outro dia madrugaram: e quando ao raiar da alva, Samuel chamou a Saul, que estava no terraço; e disse: Levanta-te, para que te despache. Levantou-se logo Saul, e saíram fora ambos, ele e Samuel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) “E eles se levantaram de manhã cedo: ou seja, quando a aurora da manhã surgiu, Samuel chamou Saul no telhado (ou seja, ele chamou de baixo de dentro da casa até o telhado, onde Saul provavelmente estava dormindo na varanda; compare com 2 Reis 4:10), levanta-te, eu te conduzirei”. Assim que Saul se levantou, “ambos (tanto Samuel como Saul) saíram (para a rua)”. E quando eles desceram para a extremidade da cidade, Samuel disse a Saul: “Deixa o servo passar adiante de nós (e ele fez isso), e ficas aqui por enquanto; eu te mostrarei uma palavra de Deus”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 E descendo eles ao fim da cidade, disse Samuel a Saul: Dize ao jovem que vá diante, (e adiantou-se o jovem); mas espera tu um pouco para que te declare palavra de Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) “E eles se levantaram de manhã cedo: ou seja, quando a aurora da manhã surgiu, Samuel chamou Saul no telhado (ou seja, ele chamou de baixo de dentro da casa até o telhado, onde Saul provavelmente estava dormindo na varanda; compare com 2 Reis 4:10), levanta-te, eu te conduzirei”. Assim que Saul se levantou, “ambos (tanto Samuel como Saul) saíram (para a rua)”. E quando eles desceram para a extremidade da cidade, Samuel disse a Saul: “Deixa o servo passar adiante de nós (e ele fez isso), e ficas aqui por enquanto; eu te mostrarei uma palavra de Deus”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<1 Samuel 8 1 Samuel 10>

Visão geral de 1Samuel

Em 1 Samuel, “Deus relutantemente levanta reis para governar os israelitas. O primeiro é um fracasso e o segundo, Davi, é um substituto fiel”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.