Josué 18

A divisão do restante da terra

1 E toda a congregação dos filhos de Israel se juntou em Siló, e assentaram ali o tabernáculo do testemunho, depois que a terra lhes foi sujeita.

Comentário de Robert Jamieson

toda a congregação dos filhos de Israel se juntou em Siló – O corpo principal dos israelitas havia sido diminuído pela separação das três tribos, Judá, Efraim e Manassés, em suas respectivas parcelas; e tendo o país sido em grande medida subjugado, o acampamento foi removido para Siló (agora Seilun). Era vinte ou vinte e cinco milhas ao norte de Jerusalém, doze ao norte de Betel e dez ao sul de Siquém, e emboscadas em um vale acidentado e romântico. Este local confiscado no coração do país pode ter sido recomendado pelos ditames da conveniência. Ali, a distribuição do território poderia ser mais convenientemente feita, norte, sul, leste e oeste, para as diferentes tribos. Mas “o tabernáculo da congregação também foi estabelecido lá”, e sua remoção deve ter sido feita ou sancionada por intimação divina (Deuteronômio 12:11). Permaneceu em Siló por mais de trezentos anos (1Samuel 4:1-11). [JFB, aguardando revisão]

2 Mas haviam restado nos filhos de Israel sete tribos, às quais ainda não haviam repartido sua possessão.

Comentário de Robert Jamieson

– A escolha de Siló para a sede da adoração, juntamente com a consequente remoção do campo para lá, necessariamente interromperam a fundição de lotes, que foi iniciada fixando localidades para o tribos de Judá e José. Várias causas levaram a um longo atraso na sua retomada. A satisfação das pessoas com a mudança para um distrito tão agradável e fértil, a preferência de uma vida nômade, o amor à facilidade e a relutância em renovar a guerra parecem tê-los deixado indiferentes à posse de uma herança estabelecida. Mas Josué estava vivo demais para o dever imposto a ele pelo Senhor de deixar as coisas continuarem nesse estado; e consequentemente, desde que uma conquista geral da terra foi feita, ele resolveu prosseguir imediatamente com o lote, acreditando que quando cada tribo deveria receber sua herança, surgiria um novo motivo para levá-los a se esforçarem em assegurar a posse plena. [JFB, aguardando revisão]

3 E Josué disse aos filhos de Israel: Até quando sereis negligentes para vir a possuir a terra que vos deu o SENHOR o Deus de vossos pais?

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) Mas, pelas razões explicadas em Josué 14:1, estas tribos se mostraram “frouxas para ir possuir a terra que o Senhor lhes havia dado”, ou seja, não apenas para conquistá-la, mas para tê-la dividida por sorteio, e para entrar e tomar posse. Josué encarregou-os disso e os orientou a nomear três homens para cada uma das sete tribos, para que fossem enviados a percorrer a terra e descrevê-la de acordo com a medida de sua herança. “De acordo com sua herança”, ou seja, com especial referência ao fato de que sete tribos deveriam recebê-la por sua herança. A descrição não era uma medida formal, embora a arte da topografia fosse bem conhecida no Egito nos tempos antigos, e era realizada regularmente após as inundações anuais do Nilo (Herodes. ii. 109; Strabo, xvii. 787; Diod. Sic. i. 69); para que os israelitas pudessem tê-la aprendido lá. Mas כּתב não significa medir; e não era uma medida formal que era necessária, com o propósito de dividir a terra que ainda permanecia em sete distritos, já que as tribos diferiam em força numérica e, portanto, os limites do território que lhes foi atribuído não podiam ser estabelecidos até depois que os lotes tivessem sido lançados. O significado da palavra é para descrever; e de acordo com Josué 18:9, foi principalmente para as cidades que se fez referência: de modo que a descrição exigida por Josué, com toda probabilidade, consistia simplesmente na elaboração de listas das cidades nas diferentes partes do terreno, com um relato de seu tamanho e caráter; também com “avisos da qualidade e condição do solo; que terras eram férteis, e o que produziam; onde o país era montanhoso, e onde era nivelado; que terras eram bem regadas, e quais eram secas; e quaisquer outras coisas que indicassem o caráter do solo, e facilitassem uma comparação entre as diferentes partes do terreno” (Rosenmller). As razões que levaram Josué a tomar medidas pela primeira vez agora para garantir um levantamento da terra, são apresentadas em Josué 14:1. Os homens escolhidos para esse fim foram capazes de realizar sua tarefa sem receber nenhum impedimento dos cananeus. Pois enquanto estes últimos foram esmagados, se não exterminados, pelas vitórias conquistadas pelos israelitas, não foi necessário que os 21 israelitas penetrassem em cada canto da terra, e em cada cidade ainda habitada pelos cananeus, a fim de alcançar seu fim. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Assinalai três homens de cada tribo, para que eu os envie, e que eles se levantem, e percorram a terra, e a descrevam conforme suas propriedades, e se voltem a mim.

Comentário de Robert Jamieson

Assinalai três homens de cada tribo – Embora o lote determinasse a parte do país onde cada tribo seria localizada, ele não poderia determinar a extensão do território que poderia ser requerido; e a insatisfação dos filhos de José com a alegada pequenez de sua posse deu motivos para temer que as reclamações pudessem surgir de outros locais, a menos que precauções fossem tomadas para fazer uma distribuição adequada da terra. Para este propósito, uma comissão foi dada a vinte e uma pessoas – três escolhidas de cada uma das sete tribos que ainda não haviam recebido sua herança, para fazer uma pesquisa precisa do país. [JFB, aguardando revisão]

5 E a dividirão em sete partes: e Judá estará em seu termo ao sul, e os da casa de José estarão no seu ao norte.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) “E dividi-lo em sete partes”, em outras palavras, com a finalidade de fundir lotes. Judá, no entanto, ainda deveria permanecer em sua terra ao sul, e Efraim em seu território ao norte. As sete porções assim obtidas deveriam trazer a Josué, para que ele pudesse então lançar a sorte para as sete tribos “diante do Senhor”, ou seja, diante do tabernáculo (Josué 19:51). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Vós, pois, demarcareis a terra em sete partes, e me trareis a descrição aqui, e eu vos lançarei as sortes aqui diante do SENHOR nosso Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) “E dividi-lo em sete partes”, em outras palavras, com a finalidade de fundir lotes. Judá, no entanto, ainda deveria permanecer em sua terra ao sul, e Efraim em seu território ao norte. As sete porções assim obtidas deveriam trazer a Josué, para que ele pudesse então lançar a sorte para as sete tribos “diante do Senhor”, ou seja, diante do tabernáculo (Josué 19:51). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Porém os levitas nenhuma parte têm entre vós; porque o sacerdócio do SENHOR é a herança deles: Gade também e Rúben, e a meia tribo de Manassés, já receberam sua herança da outra parte do Jordão ao oriente, a qual lhes deu Moisés servo do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

Havia apenas sete tribos que ainda tinham que receber suas porções; pois a tribo de Levi não receberia nenhuma porção da terra (vid., Josué 13-14), e Gad, Reuben e metade de Manasseh já haviam recebido sua herança do outro lado do Jordão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Então aqueles homens se levantaram e se foram; e Josué deu ordem aos que iam demarcar a terra, dizendo-lhes: Ide, percorrei a terra, e demarcai-a, e voltai a mim, para que eu vos lance as sortes aqui diante do SENHOR em Siló.

Comentário de J. J. Lias

Siló. A sede do tabernáculo tornou-se, pelo menos por enquanto, a sede dos israelitas. [Lias, aguardando revisão]

9 Foram, pois, aqueles homens e passaram pela terra, demarcando-a por cidades em sete partes em um livro, e voltaram a Josué ao acampamento em Siló.

Comentário de Robert Jamieson

– dividindo a terra de acordo com seu valor, e o valor das cidades que ela continha, em sete porções iguais. Esta não foi uma tarefa fácil de realizar. Requeria aprendizado e inteligência que eles ou seus instrutores, com toda probabilidade, haviam trazido do Egito. Assim, Josephus diz que a pesquisa foi realizada por homens especialistas em geometria. E, de fato, o relato circunstancial que é dado sobre os limites de cada tribo e sua situação, prova que foi o trabalho de mãos nada más ou incompetentes. [JFB, aguardando revisão]

10 E Josué lhes lançou as sortes diante do SENHOR em Siló; e ali repartiu Josué a terra aos filhos de Israel por suas porções.

Comentário de Robert Jamieson

E Josué lhes lançou as sortes diante do SENHOR em Siló – diante do tabernáculo, onde a presença divina se manifestava, e que associava com a sorte a ideia da sanção divina. [JFB, aguardando revisão]

As terras da tribo de Benjamim

11 E tirou-se a sorte da tribo dos filhos de Benjamim por suas famílias: e saiu o termo de sua porção entre os filhos de Judá e os filhos de José.

Comentário de Robert Jamieson

tirou-se a sorte – Supunha-se que havia duas urnas ou vasos, dos quais os lotes eram sorteados: um contendo os nomes das tribos, o outro contendo os das sete porções; e que os dois foram retirados simultaneamente.

saiu o termo de sua porção entre os filhos de Judá e os filhos de José – Assim, a profecia de Moisés a respeito da herança de Benjamim foi notavelmente realizada. (Veja Deuteronômio 33:12). [JFB, aguardando revisão]

12 E foi o termo deles ao lado do norte desde o Jordão: e sobe aquele termo ao lado de Jericó ao norte; sobe depois ao monte até o ocidente, e vem a sair ao deserto de Bete-Áven:

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) O limite norte (“o limite para o lado norte”) coincidiu, portanto, com o limite sul de Efraim até o Baixo Beth-horon, e já foi comentado na exposição de Josué 16:1-3. A fronteira ocidental segue em Josué 18:14. Em Beth-horon, a fronteira curvava ao redor e virava para o sul no lado ocidental, ou seja, da montanha antes (em frente de) Beth-horon para o sul; e “a saída dela era em Kirjath-baal, que é Kirjath-jearim”, a cidade dos judaicos mencionada em Josué 15:60, o atual Kureyet el Enab (ver em Josué 9:17). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E dali passa aquele termo a Luz, pelo lado de Luz (esta é Betel) até o sul. E desce este termo de Atarote-Adar ao monte que está ao sul de Bete-Horom a de abaixo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) O limite norte (“o limite para o lado norte”) coincidiu, portanto, com o limite sul de Efraim até o Baixo Beth-horon, e já foi comentado na exposição de Josué 16:1-3. A fronteira ocidental segue em Josué 18:14. Em Beth-horon, a fronteira curvava ao redor e virava para o sul no lado ocidental, ou seja, da montanha antes (em frente de) Beth-horon para o sul; e “a saída dela era em Kirjath-baal, que é Kirjath-jearim”, a cidade dos judaicos mencionada em Josué 15:60, o atual Kureyet el Enab (ver em Josué 9:17). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E torna este termo, e dá volta ao lado do mar, ao sul até o monte que está diante de Bete-Horom ao sul; e vem a sair a Quriate-Baal, que é Quriate-Jearim, cidade dos filhos de Judá. Este é o lado do ocidente.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) O limite norte (“o limite para o lado norte”) coincidiu, portanto, com o limite sul de Efraim até o Baixo Beth-horon, e já foi comentado na exposição de Josué 16:1-3. A fronteira ocidental segue em Josué 18:14. Em Beth-horon, a fronteira curvava ao redor e virava para o sul no lado ocidental, ou seja, da montanha antes (em frente de) Beth-horon para o sul; e “a saída dela era em Kirjath-baal, que é Kirjath-jearim”, a cidade dos judaicos mencionada em Josué 15:60, o atual Kureyet el Enab (ver em Josué 9:17). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E o lado do sul é desde a extremidade de Quriate-Jearim, e sai o termo ao ocidente, e sai à fonte das águas de Neftoa:

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-19) “Quanto à fronteira sul a partir do final de Kirjath-jearim, a fronteira (sul) saiu para o oeste (isto é, começou do oeste), e saiu (terminou) na fonte da água de Nephtoah”. Consequentemente, coincidiu com o limite norte de Judá, como descrito em Josue 15:5-9, exceto que é dado ali de leste a oeste, e aqui de oeste a leste (ver em Josué 15:5-9). Na construção haגּבוּל תּוצאותיו, o substantivo הגּבוּל está em posição de anexação ao sufixo: as despesas, ou seja, da fronteira (ver Ewald, 291, b.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E desce este termo ao fim do monte que está diante do vale do filho de Hinom, que está na campina dos gigantes até o norte: desce logo ao vale de Hinom, ao lado dos jebuseus ao sul, e dali desce à fonte de Rogel;

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-19) “Quanto à fronteira sul a partir do final de Kirjath-jearim, a fronteira (sul) saiu para o oeste (isto é, começou do oeste), e saiu (terminou) na fonte da água de Nephtoah”. Consequentemente, coincidiu com o limite norte de Judá, como descrito em Josue 15:5-9, exceto que é dado ali de leste a oeste, e aqui de oeste a leste (ver em Josué 15:5-9). Na construção haגּבוּל תּוצאותיו, o substantivo הגּבוּל está em posição de anexação ao sufixo: as despesas, ou seja, da fronteira (ver Ewald, 291, b.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E do norte torna e sai a En-Semes, e dali sai a Gelilote, que está diante da subida de Adumim, e descia à pedra de Boã, filho de Rúben:

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-19) “Quanto à fronteira sul a partir do final de Kirjath-jearim, a fronteira (sul) saiu para o oeste (isto é, começou do oeste), e saiu (terminou) na fonte da água de Nephtoah”. Consequentemente, coincidiu com o limite norte de Judá, como descrito em Josue 15:5-9, exceto que é dado ali de leste a oeste, e aqui de oeste a leste (ver em Josué 15:5-9). Na construção haגּבוּל תּוצאותיו, o substantivo הגּבוּל está em posição de anexação ao sufixo: as despesas, ou seja, da fronteira (ver Ewald, 291, b.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E passa ao lado que está diante da campina do norte, e desce às planícies:

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-19) “Quanto à fronteira sul a partir do final de Kirjath-jearim, a fronteira (sul) saiu para o oeste (isto é, começou do oeste), e saiu (terminou) na fonte da água de Nephtoah”. Consequentemente, coincidiu com o limite norte de Judá, como descrito em Josue 15:5-9, exceto que é dado ali de leste a oeste, e aqui de oeste a leste (ver em Josué 15:5-9). Na construção haגּבוּל תּוצאותיו, o substantivo הגּבוּל está em posição de anexação ao sufixo: as despesas, ou seja, da fronteira (ver Ewald, 291, b.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E torna a passar este termo pelo lado de Bete-Hogla até o norte, e vem a sair o termo à baía do mar Salgado ao norte, ao fim do Jordão ao sul. Este é o termo do sul.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-19) “Quanto à fronteira sul a partir do final de Kirjath-jearim, a fronteira (sul) saiu para o oeste (isto é, começou do oeste), e saiu (terminou) na fonte da água de Nephtoah”. Consequentemente, coincidiu com o limite norte de Judá, como descrito em Josue 15:5-9, exceto que é dado ali de leste a oeste, e aqui de oeste a leste (ver em Josué 15:5-9). Na construção haגּבוּל תּוצאותיו, o substantivo הגּבוּל está em posição de anexação ao sufixo: as despesas, ou seja, da fronteira (ver Ewald, 291, b.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E o Jordão acaba este termo ao lado do oriente. Esta é a herança dos filhos de Benjamim por seus termos ao redor, conforme suas famílias.

Comentário de Daniel Steele

o Jordão acaba este termo ao lado do oriente. Mas somente do Mar Morto até a foz do uádi Kelt, ou o uádi Nuwaimeh, em frente a Jericó, (Josué 16:1, nota), a uma distância de sete ou oito milhas. Os benjamitas pouco se importavam com a planície. Eles preferiam alturas rochosas e ravinas profundas, onde naturalmente se tornaram habilidosos no uso da funda. [Steele, aguardando revisão]

21 As cidades da tribo dos filhos de Benjamim, por suas famílias, foram Jericó, Bete-Hogla, e Emeque-Queziz,

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-28) As cidades de Benjamin estão divididas em dois grupos. O primeiro grupo (Joshua 18:21-24) contém doze cidades na porção oriental do território. Jericó: a atual Riha (ver em Josué 2:1). Beth-hoglah, agora Ain Hajla (ver Joshua 15:6). Emek-keziz: o nome foi preservado no uádi el Kaziz, na estrada de Jerusalém a Jericó, no sudeste do poço do Apóstolo (ver Van de Velde, Mem. p. 328). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Bete-Arabá, Zemaraim, e Betel;

Comentário de Keil e Delitzsch

Bete-Arabá: ver em Joshua 15:6. Zemaraim, provavelmente as ruínas de es Sumrah, na estrada de Jerusalém para Jericó, ao leste de Khan Hadhur, no mapa de Van de Velde. Bethel: agora Beitin (ver Josué 7:2). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E Avim, e Pará, e Ofra,

Comentário de Keil e Delitzsch

Avvim (isto é, ruínas) é desconhecido. Phara foi preservado nas ruínas de Fara, em uádi Fara, três horas ao nordeste de Jerusalém, e a mesma distância ao oeste de Jericó. Ofra é mencionada novamente em 1Samuel 13:17, mas é um lugar diferente da Ofra de Gideão em Manasseh (Juízes 6:11, Juízes 6:24; Juízes 8:27). De acordo com o Onom. (s. v. Aphra), era um κώμη Ἀφρήλ no tempo de Eusébio (Jeremias vicus Effrem), a cinco milhas romanas a leste de Betel; e de acordo com Van de Velde, v. Raumer, e outros, é provavelmente o mesmo lugar que Efron ou Ephrain, que Abias tomou de Jeroboão junto com Jesana e Betel (2 Crônicas 13:19), também o mesmo que Efraim, a cidade para onde Cristo foi quando se retirou para o deserto (João 11:54), como o Onom. (s. v. Efron) fala de uma villa praegrandis Ephraea nomine (Ἐφρα̈́́ι em Euseb.), embora a distância lá dada, em outras palavras, vinte milhas romanas ao norte de Jerusalém, alcance muito além dos limites de Benjamim. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E Quefar-Amonai, Ofni, e Geba; doze cidades com suas aldeias:

Comentário de Keil e Delitzsch

Quefar-Amonai e Ofni são apenas mencionadas aqui, e ainda são desconhecidas. Gaba, ou Geba de Benjamin (1 Samuel 13:16; 1 Reis 15:22) que foi entregue aos levitas (Josué 21:17; 1 Crônicas 6:45), estava no bairro de Ramá (1 Reis 15:22; 2 Crônicas 16:6). É mencionado em 2 Reis 23:8; Zacarias 14:10, como limite norte do reino de Judá, e ainda era habitado após o cativeiro (Neemias 7:30). É um lugar diferente de Gibea, e não pode ser encontrado, como eu supunha anteriormente, na aldeia muçulmana de Jibia, pelo uádi el Jib, entre Beitin e Sinjil (Rob. iii. p. 80), mas na pequena aldeia de Jeba, que está meio em ruínas, e onde há relíquias da antiguidade, três quartos de hora ao nordeste de er-Rm (Ramah), e cerca de três horas ao norte de Jerusalém, sobre uma altura a partir da qual há uma perspectiva extensa (vid.., Rob. ii. pp. 113ff.). Este grupo oriental também incluiu as duas outras cidades Anathoth e Almon (Josué 21:18), que foram entregues por Benjamim aos levitas. Anathoth, a casa do profeta Jeremias (Jeremias 1:1; Jeremias 11:21.), que ainda era habitada pelos benjaminitas após o cativeiro (Neemias 11:32), é a atual vila de Anta, onde há ruínas de grande antiguidade, uma hora e um quarto ao norte de Jerusalém (Rob. ii. pp. 109ss.). Almon, chamado Allemeth em 1 Crônicas 6:45, foi preservado nas ruínas de Almt (Rob. Bibl. Res. pp. 287ff.), ou el-Mid (Tobler, Denkbl. p. 631), no sudeste de Anta. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Gibeão, Ramá, Beerote,

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-28) O segundo grupo de catorze cidades na porção ocidental de Benjamin. – Josué 18:25. Gibeon, o atual Jib: veja em Josué 9:3. Ramá, nos arredores de Gibeá e Geba (Juízes 19:13; Isaías 10:29; 1Reis 15:17; Esdras 2:26), muito provavelmente o Ramá de Samuel (1Samuel 1:19; 1Samuel 2:11; 1Samuel 25:1; 1Samuel 28:3), é a atual vila de er-Rm, sobre uma montanha com ruínas entre Gibeão e Geba, meia hora a oeste desta última, duas horas ao norte de Jerusalém (ver Rob. ii. p. 315). Beeroth, o atual Bireh: ver em Josué 9:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E Mispá, Quefira, e Moza,

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) Mispá, onde a guerra com Benjamim foi decidida (Juízes 20-21), e onde Samuel julgou o povo, e escolheu Saul como rei (1 Samuel 7:5, Josué 10:17), foi depois a sede do governador babilônico Gedalias (2 Reis 25:23; Jeremias 40:6). De acordo com o Onom. (s. v. Massepha), era perto de Kirjath-jearim, e Robinson (ii. p. 139) é sem dúvida correto ao supor que fosse o atual Neby Samvil (i.e, profeta Samuel), uma hora e um quarto ao leste de Kureyet Enab (Kirjath-jearim), duas horas ao noroeste de Jerusalém, meia hora ao sul de Gibeon, um lugar que fica como uma torre de vigia no ponto mais alto de toda a região, e com uma mesquita, outrora uma igreja latina, que é acreditada igualmente por judeus, cristãos e mahometanos para cobrir o túmulo do profeta Samuel (ver Rob. ii. pp. 135ff.). Chephirah, ou seja, Kefir: ver em Josué 9:17. Mozah é apenas mencionado aqui, e ainda é desconhecido. Josué 18:27. Isto também se aplica à Rekem, Irpeel, e Taralah. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 Requém, Irpeel e Tarala,

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) Mispá, onde a guerra com Benjamim foi decidida (Juízes 20-21), e onde Samuel julgou o povo, e escolheu Saul como rei (1 Samuel 7:5, Josué 10:17), foi depois a sede do governador babilônico Gedalias (2 Reis 25:23; Jeremias 40:6). De acordo com o Onom. (s. v. Massepha), era perto de Kirjath-jearim, e Robinson (ii. p. 139) é sem dúvida correto ao supor que fosse o atual Neby Samvil (i.e, profeta Samuel), uma hora e um quarto ao leste de Kureyet Enab (Kirjath-jearim), duas horas ao noroeste de Jerusalém, meia hora ao sul de Gibeon, um lugar que fica como uma torre de vigia no ponto mais alto de toda a região, e com uma mesquita, outrora uma igreja latina, que é acreditada igualmente por judeus, cristãos e mahometanos para cobrir o túmulo do profeta Samuel (ver Rob. ii. pp. 135ff.). Chephirah, ou seja, Kefir: ver em Josué 9:17. Mozah é apenas mencionado aqui, e ainda é desconhecido. Josué 18:27. Isto também se aplica à Rekem, Irpeel, e Taralah. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 E Zela, Elefe, Jebus, que é Jerusalém, Gibeá, e Quiriate; catorze cidades com suas aldeias. Esta é a herança dos filhos de Benjamim, conforme suas famílias.

Comentário de Keil e Delitzsch

Zela, o lugar do enterro de Saul e sua família (2Samuel 21:14), é desconhecido de outra forma. Gibeath ou Gibeah, ou seja, Gibeath ou Gibeah, Gibeá de Benjamim, que foi destruído pelas outras tribos de Israel no tempo dos juízes, por causa do crime flagrante que havia sido cometido ali (Juízes 19-20), também é chamado Gibeá de Saul, como sendo a casa e capital de Saul (1Samuel 10:26; 1Samuel 11:4, etc.). ), e estava situado, segundo os Juízes 19:13 e Isaías 10:29, entre Jerusalém e Ramá, segundo Josefo (Sino. Jud. v. 2, 1, 8) cerca de vinte ou trinta estádios de Jerusalém. Estas declarações apontam para o Tell ou Tuleil el Phul, ou seja, a fonte do feijão, um pico cônico a cerca de uma hora de Jerusalém, na estrada para er-Rm, com um grande monte de pedras no topo, provavelmente as ruínas de uma cidade que foi construída de pedras não cultivadas, da qual há uma perspectiva muito extensa em todas as direções (Rob. ii. p. 317). Consequentemente, os escritores modernos concordaram muito naturalmente na conclusão, que o antigo Gibeah de Benjamin ou Saul estava situado ao lado ou sobre este Tell (ver Rob. Bibl. Res. p. 286; Strauss, Sinai, etc., p. 331, ed. 6; v. Raumer, Pal. p. 196). Kirjath ainda não foi descoberto, e não deve ser confundido com Kirjath-jearim, que pertencia à tribo de Judá (Josué 18:14; compare com Josué 15:60). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Josué 17 Josué 19>

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.