Josué 9

A astúcia dos gibeonitas: o acordo com Josué

1 E aconteceu que quando ouviram estas coisas todos os reis que estavam desta parte do Jordão, tanto nas montanhas como nas planícies, e em toda a costa do grande mar diante do Líbano, os heteus, amorreus, cananeus, perizeus, heveus, e jebuseus;

Comentário de Robert Jamieson

quando ouviram estas coisas  – isto é, do saque de Jericó e Ai, bem como o rápido avanço dos israelitas para o interior do país.

todos os reis que estavam desta parte – isto é, o lado ocidental da Jordânia.

tanto nas montanhas como nas planícies, e em toda a costa do grande mar – Esta tríplice distinção evidencia claramente uma grande porção de Canaã. A primeira designa a região montanhosa, que pertenceu depois às tribos de Judá e Efraim; a segunda, toda a região baixa de Carmelo a Gaza; e a terceira, as margens do Mediterrâneo, desde o istmo de Tiro até a planície de Jope. (Quanto às tribos mencionadas, veja em Números 13:29). [JFB, aguardando revisão]

2 Juntaram-se em unidade, de um acordo, para lutar contra Josué e Israel.

Comentário de Robert Jamieson

– Embora divididos por interesses separados e muitas vezes em guerra um com o outro, uma sensação de perigo comum levou-os a suspender suas animosidades mútuas, que por suas forças unidas poderiam impedir que a terra caia nas mãos de mestres estrangeiros. [JFB, aguardando revisão]

3 Mas os moradores de Gibeão, quando ouviram o que Josué havia feito a Jericó e a Ai,

Comentário de Robert Jamieson

moradores de Gibeão – Essa cidade, como o nome importa, estava situada em uma eminência rochosa, a cerca de dez quilômetros a noroeste de Jerusalém, onde hoje se encontra a moderna vila de El Jib. Era a capital dos heveus e uma grande cidade importante (Josué 10:2). Parece ter formado, em união com algumas outras cidades na vizinhança, um estado independente livre (Josué 9:17) e ter desfrutado de um governo republicano (Josué 9:11). [JFB, aguardando revisão]

4 Eles usaram também de astúcia; pois foram e fingiram-se embaixadores, e tomaram sacos anciãos sobre seus asnos, e odres anciãos de vinho, rasgados e remendados,

Comentário de Robert Jamieson

Eles usaram também de astúcia – Eles agiram com uma política hábil, buscando os meios de autopreservação, não pela força, o que eles estavam convencidos de que seria inútil, mas pela engenhosa diplomacia.

tomaram sacos velhos sobre seus asnos – Viajantes no Oriente transportam suas bagagens em bestas de carga; os mais pobres armazenam todas as suas necessidades, comida, roupas, utensílios juntos, em um saco de lã ou de pano de cabelo, colocados sobre os ombros da fera que cavalgam.

odres velhos de vinho, rasgados e remendados – peles de cabra, que são mais bem adaptadas para transportar bebidas frescas e boas do que as de barro, que é poroso, ou vasos metálicos, que logo são aquecidos pelo sol. Essas garrafas de pele podem ser alugadas quando velhas e muito usadas; e há várias maneiras de consertá-las – inserindo uma nova peça de couro, ou juntando as bordas do aluguel e costurando-as na forma de uma bolsa, ou colocando uma lasca redonda e plana de madeira no buraco. [JFB, aguardando revisão]

5 E sapatos velhos e remendados em seus pés, com roupas velhas sobre si; e todo aquele pão que traziam para o caminho, seco e mofado.

Comentário de Robert Jamieson

sapatos velhos e remendados em seus pés – Aqueles que têm apenas uma jumenta ou mula para si e para a bagagem frequentemente desmontam e andam – uma circunstância que pode explicar os sapatos gastos dos pretensos viajantes.

pão … seco e mofado – deve ter sido aquele comumente usado pelos viajantes – uma espécie de biscoito feito na forma de anéis grandes, com cerca de uma polegada de espessura e quatro ou cinco polegadas de diâmetro. Não sendo tão bem cozido como nossos biscoitos, torna-se duro e bolorento da umidade deixada na massa. Geralmente é embebido em água antes de ser usado. [JFB, aguardando revisão]

6 Assim vieram a Josué ao acampamento em Gilgal, e disseram-lhe a ele e aos de Israel: Nós viemos da terra muito distante: fazei, pois, agora conosco aliança.

Comentário de Robert Jamieson

vieram a Josué ao acampamento em Gilgal – Chegaram ao quartel-general israelita, os estrangeiros obtiveram uma entrevista com Josué e os anciãos, a quem abriram seus negócios. [JFB, aguardando revisão]

7 E os de Israel responderam aos heveus: Talvez vós habiteis em meio de nós: como pois poderemos nós fazer aliança convosco?

Comentário de Robert Jamieson

– A resposta dos israelitas implicava que eles não tinham discrição, que suas ordens eram imperativas, e que, se os estrangeiros pertenciam a alguma das tribos nativas, a ideia de um aliança com eles era ilegal desde que Deus havia proibido (Êxodo 23:32; 34:12; Deuteronômio 7:2). [JFB, aguardando revisão]

8 E eles responderam a Josué: Nós somos teus servos. E Josué lhes disse: Quem sois vós e de onde vindes?

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) À pergunta adicional feita por Josué, de onde eles vieram, os gibeonitas responderam: “De uma terra muito distante vieram teus servos, por causa do nome de Jeová teu Deus”, ou como eles mesmos procedem imediatamente para explicar: “pois ouvimos a fama (fama) Dele, e tudo o que Ele fez no Egito, e a Sihon e Og, os dois reis dos amorreus”. Eles muito sabiamente não dizem nada sobre os milagres ligados à travessia do Jordão e à tomada de Jericó, pois, “como habitantes de uma região muito distante, eles não poderiam ter ouvido nada sobre as coisas que tinham ocorrido tão ultimamente, mesmo por relato” (Masius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E eles responderam: Teus servos vieram de muito distantes terras, pela fama do SENHOR teu Deus; porque ouvimos sua fama, e todas as coisas que fez em Egito,

Comentário de Robert Jamieson

Teus servos vieram de terras muito distantes, pela fama do SENHOR teu Deus – Eles fingiram ser movidos por motivos religiosos em procurar ser aliados com o Seu povo. Mas seu discurso estudado é digno de nota ao apelar para exemplos de ações miraculosas de Deus à distância, enquanto eles passam por aqueles feitos em Canaã, como se o relato deles ainda não tivesse chegado aos ouvidos deles. [JFB, aguardando revisão]

10 E tudo o que fez aos dois reis dos amorreus que estavam da outra parte do Jordão; a Seom rei de Hesbom, e a Ogue rei de Basã, que estava em Astarote.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) À pergunta adicional feita por Josué, de onde eles vieram, os gibeonitas responderam: “De uma terra muito distante vieram teus servos, por causa do nome de Jeová teu Deus”, ou como eles mesmos procedem imediatamente para explicar: “pois ouvimos a fama (fama) Dele, e tudo o que Ele fez no Egito, e a Sihon e Og, os dois reis dos amorreus”. Eles muito sabiamente não dizem nada sobre os milagres ligados à travessia do Jordão e à tomada de Jericó, pois, “como habitantes de uma região muito distante, eles não poderiam ter ouvido nada sobre as coisas que tinham ocorrido tão ultimamente, mesmo por relato” (Masius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Pelo qual nossos anciãos e todos os moradores de nossa terra nos disseram: Tomai em vossas mãos provisão para o caminho, e ide ao encontro deles, e dizei-lhes: Nós somos vossos servos, e fazei agora conosco aliança.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Quando estas notícias chegaram até eles, eles foram enviados pelos anciãos (os líderes da república) e os habitantes da terra para se encontrarem com os israelitas, para que lhes oferecessem seus serviços e formassem uma aliança com eles. Em confirmação disto, eles apontam para suas provisões secas, e suas peles e roupas rasgadas e remendadas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Este nosso pão tomamos quente de nossas casas para o caminho o dia que saímos para vir a vós; e ei-lo aqui agora que está seco e mofado:

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Quando estas notícias chegaram até eles, eles foram enviados pelos anciãos (os líderes da república) e os habitantes da terra para se encontrarem com os israelitas, para que lhes oferecessem seus serviços e formassem uma aliança com eles. Em confirmação disto, eles apontam para suas provisões secas, e suas peles e roupas rasgadas e remendadas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Estes odres de vinho também os enchemos novos; ei-los aqui já rasgados: também estes nossas roupas e nossos sapatos estão já velhos por causa do muito longo caminho.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Quando estas notícias chegaram até eles, eles foram enviados pelos anciãos (os líderes da república) e os habitantes da terra para se encontrarem com os israelitas, para que lhes oferecessem seus serviços e formassem uma aliança com eles. Em confirmação disto, eles apontam para suas provisões secas, e suas peles e roupas rasgadas e remendadas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E os homens de Israel tomaram de sua provisão do caminho, e não perguntaram à boca do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

– A aparência mofada de seu pão foi, após exame, aceita como garantia da verdade da história. Nesta conclusão precipitada, os israelitas eram culpados de credulidade excessiva e negligência culposa, ao não pedirem por Urim e Tumim do sumo sacerdote a mente de Deus, antes de entrarem na aliança. Não está claro, entretanto, que se eles tivessem pedido orientação divina, eles teriam sido proibidos de poupar e se conectar com qualquer uma das tribos cananéias que renunciaram à idolatria e abraçaram e adoraram o verdadeiro Deus. Pelo menos, nenhuma falha foi encontrada com eles por fazer um pacto com os gibeonitas; enquanto, por outro lado, a violação foi severamente punida (2Samuel 21:1; e Josué 11:19-20). [JFB, aguardando revisão]

15 E Josué fez paz com eles, e estabeleceu com eles que lhes deixaria a vida: também os príncipes da congregação lhes juraram.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então Josué lhes fez (concedeu) a paz (vid., Isaías 27:5), e concluiu um pacto com eles (להם, a seu favor), para deixá-los viver; e os príncipes da congregação lhes prestaram juramento. Deixá-los viver é o único artigo da liga que é mencionado, tanto porque este era o ponto principal, como também com especial referência ao fato de que os gibeonitas, sendo cananeus, deveriam ter sido devidamente destruídos. É verdade que Josué e os príncipes da congregação não tinham violado nenhuma ordem expressa de Deus ao fazer isto; pois a única coisa proibida na lei era fazer tratados com os cananeus, o que eles não supunham que os gibeonitas fossem, enquanto em Deuteronômio 20:11, onde as guerras com nações estrangeiras (não cananeus) são referidas, é dada permissão para fazer a paz com eles, de modo que todos os tratados com nações estrangeiras não sejam proibidos. Mas eles tinham falhado neste aspecto, que, confiando nas palavras astutas dos gibeonitas, e apenas nas aparências externas, tinham esquecido sua atitude para com o Senhor seu Deus que havia prometido a Sua congregação, em todos os assuntos importantes, uma revelação direta de Sua própria vontade. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Passados três dias depois que fizeram com eles o concerto, ouviram como eram seus vizinhos, e que habitavam em meio deles.

Comentário de Robert Jamieson

ouviram como eram seus vizinhos, e que habitavam em meio deles – Esta informação foi obtida em seu progresso pelo país; porque assim como Josué 9:17 deveria ser traduzido, “quando os filhos de Israel partiram, chegaram às suas cidades”. Gibeão estava a cerca de dezoito ou vinte milhas de Gilgal. [JFB, aguardando revisão]

17 E partiram-se os filhos de Israel, e ao terceiro dia chegaram a suas cidades: e suas cidades eram Gibeão, Quefira, Beerote, e Quiriate-Jearim.

Comentário de Robert Jamieson

Quefira – (Josué 18:26; Esdras 2:25; Neemias 7:29).

Beerote – (2Samuel 4:2), agora El Berich, a cerca de vinte minutos de distância de El Jib (Gibeon).

Quiriate-Jearim – “a cidade das florestas”, agora Kuryet-el-Enab [Robinson]. [JFB, aguardando revisão]

18 E não os feriram os filhos de Israel, porquanto os príncipes da congregação lhes haviam jurado pelo SENHOR o Deus de Israel. E toda a congregação murmurava contra os príncipes.

Comentário de Robert Jamieson

não os feriram os filhos de Israel – O caráter moral do estratagema dos gibeonitas era ruim. Os príncipes da congregação não justificaram nem a conveniência nem a legalidade da conexão que haviam formado; mas eles sentiram as obrigações solenes de seu juramento; e, embora o clamor popular fosse alto contra eles, causado pelo desapontamento em perder os espólios de Gibeão, ou pelo desagrado com a aparente violação do mandamento divino, eles decidiram aderir ao seu juramento, “porque haviam jurado pelo Senhor Deus de Israel. ”Os príncipes israelitas agiram conscientemente; eles se sentiam obrigados pela promessa solene; mas para evitar as consequências desastrosas de sua pressa imprudente, eles resolveram degradar os gibeonitas a uma condição servil como um meio de evitar que seu povo fosse preso à idolatria, e assim agiram, como pensavam, ao verdadeiro espírito e fim de a lei. [JFB, aguardando revisão]

19 Mas todos os príncipes responderam a toda a congregação: Nós lhes juramos pelo SENHOR Deus de Israel; portanto, agora não lhes podemos tocar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) “Os israelitas não os feriram”, isto é, com o fio da espada, “porque os príncipes da congregação lhes juraram”, isto é, deixá-los viver (Josué 9:15); mas, não obstante o murmúrio da congregação, eles declararam que não poderiam tocá-los por causa de seu juramento. “Isto (isto é, o que juramos) faremos a eles, e os deixaremos viver (החיה, inf. abs. com ênfase especial em vez do verbo finito), para que a ira não venha sobre nós por causa do juramento”. Ira (isto é, de Deus), um julgamento como o que caiu sobre Israel no tempo de Davi, porque Saul desconsiderou este juramento e procurou destruir os gibeonitas (2Samuel 21:1.).

Mas como poderiam os anciãos de Israel considerar-se obrigados por seu juramento de conceder aos gibeonitas a preservação da vida que lhes havia sido assegurada pelo tratado que haviam feito, quando a própria suposição sobre a qual o tratado foi feito, em outras palavras, que os gibeonitas não pertenciam às tribos de Canaã, provou-se ser falsa, e os gibeonitas os haviam enganado estudiosamente, fingindo que tinham vindo de uma terra muito distante? Como tinham sido absolutamente proibidos de fazer qualquer tratado com os cananeus, poderia ser suposto que, após a descoberta do engano que tinha sido praticado sobre eles, os governantes israelitas não teriam nenhuma obrigação de observar o tratado que tinham feito com os gibeonitas em plena fé na verdade de sua palavra. E sem dúvida, do ponto de vista da justiça rigorosa, este ponto de vista parece ser um ponto de vista correto. Mas os príncipes de Israel se abstiveram de quebrar o juramento que, como é enfaticamente afirmado em Josué 9: 19, eles juraram por Jeová o Deus de Israel, não porque assumissem, como Hauff supõe, “que um juramento simplesmente considerado como uma transação exterior e santa tinha uma força absolutamente vinculante”, mas porque tinham medo de trazer o nome do Deus de Israel ao desprezo entre os cananeus, o que teriam feito se tivessem quebrado o juramento que fizeram por esse Deus, e destruído os gibeonitas. Eles eram obrigados a observar o juramento que uma vez fizeram, nem que fosse para evitar que a sinceridade do Deus por quem juraram fosse posta em dúvida aos olhos dos gibeonitas; mas eles não tinham justificativa para fazer o juramento. Eles tinham feito isso sem pedir à boca de Jeová (Josué 9:14), e assim tinham pecado contra o Senhor seu Deus. Mas eles não podiam reparar esta falha quebrando o juramento que tinham assim imprudentemente feito, ou seja, cometendo um novo pecado; pois a violação de um juramento é sempre pecado, mesmo quando o juramento foi feito sem consideração, e é depois descoberto que o que foi jurado não estava de acordo com a vontade de Deus, e que a observância do juramento certamente será prejudicial (vid., Salmo 15:4).

(Nota: “O poder vinculante de um juramento deve ser mantido tão sagrado entre nós, que não devemos nos desviar de nosso vínculo sob qualquer pretensão de erro, mesmo tendo sido enganados: já que o nome sagrado de Deus é de maior valor do que todas as riquezas do mundo. Mesmo que uma pessoa devesse ter jurado, portanto, sem consideração suficiente, nenhum dano ou perda a libertará de seu juramento”. Esta é a opinião expressa por Calvino com referência ao Salmo 15,4; contudo, por tudo que ele considera a observância de seu juramento por parte dos príncipes de Israel como um pecado, porque ele limita esta regra de ouro da maneira mais arbitrária apenas aos assuntos privados, e conclui, portanto, que os israelitas não eram obrigados a observar este “tratado astuto”).

Ao fazer um juramento aos embaixadores de que deixariam viver os gibeonitas, os príncipes de Israel haviam agido inconscientemente, violando a ordem de Deus de que iriam destruir os cananeus. Assim que descobriram seu erro ou seu descuido, eles estavam obrigados a fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para afastar da congregação o perigo que poderia surgir de serem atraídos para a idolatria – exatamente o que o Senhor tinha a intenção de evitar ao dar essa ordem. Se isso pudesse ser feito sem violar seu juramento, eles estavam obrigados a fazê-lo por causa do nome do Senhor pelo qual juraram; ou seja, enquanto deixavam os gibeonitas viver, era seu dever colocá-los em tal posição, que não podiam possivelmente seduzir os israelitas à idolatria. E isto os príncipes de Israel se propuseram a fazer, concedendo aos gibeonitas, por um lado, a preservação de suas vidas de acordo com o juramento que haviam feito e, por outro lado, tornando-os escravos do santuário. Que eles agiram corretamente a este respeito, é evidente pelo fato de que sua conduta nunca é culpada nem pelo historiador nem pela história, na medida em que não se afirma em nenhum lugar que os gibeonitas, depois de terem sido transformados em escravos do templo, tenham induzido os israelitas a aderir ao culto idólatra, e ainda mais pelo fato de que, em um período futuro, o próprio Deus considerou a tentativa de Saul de destruir os gibeonitas, em seu falso zelo pelos filhos de Israel, como um ato de sangue de culpa por parte da nação de Israel para a qual a expiação deve ser feita (2Samuel 21: 1. ), e consequentemente aprovou a observância do juramento que lhes havia sido feito, embora sem assim sancionar o próprio tratado. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Isto faremos com eles: lhes deixaremos viver, para que não venha ira sobre nós por causa do juramento que lhes fizemos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) “Os israelitas não os feriram”, isto é, com o fio da espada, “porque os príncipes da congregação lhes juraram”, isto é, deixá-los viver (Josué 9:15); mas, não obstante o murmúrio da congregação, eles declararam que não poderiam tocá-los por causa de seu juramento. “Isto (isto é, o que juramos) faremos a eles, e os deixaremos viver (החיה, inf. abs. com ênfase especial em vez do verbo finito), para que a ira não venha sobre nós por causa do juramento”. Ira (isto é, de Deus), um julgamento como o que caiu sobre Israel no tempo de Davi, porque Saul desconsiderou este juramento e procurou destruir os gibeonitas (2Samuel 21:1.).

Mas como poderiam os anciãos de Israel considerar-se obrigados por seu juramento de conceder aos gibeonitas a preservação da vida que lhes havia sido assegurada pelo tratado que haviam feito, quando a própria suposição sobre a qual o tratado foi feito, em outras palavras, que os gibeonitas não pertenciam às tribos de Canaã, provou-se ser falsa, e os gibeonitas os haviam enganado estudiosamente, fingindo que tinham vindo de uma terra muito distante? Como tinham sido absolutamente proibidos de fazer qualquer tratado com os cananeus, poderia ser suposto que, após a descoberta do engano que tinha sido praticado sobre eles, os governantes israelitas não teriam nenhuma obrigação de observar o tratado que tinham feito com os gibeonitas em plena fé na verdade de sua palavra. E sem dúvida, do ponto de vista da justiça rigorosa, este ponto de vista parece ser um ponto de vista correto. Mas os príncipes de Israel se abstiveram de quebrar o juramento que, como é enfaticamente afirmado em Josué 9: 19, eles juraram por Jeová o Deus de Israel, não porque assumissem, como Hauff supõe, “que um juramento simplesmente considerado como uma transação exterior e santa tinha uma força absolutamente vinculante”, mas porque tinham medo de trazer o nome do Deus de Israel ao desprezo entre os cananeus, o que teriam feito se tivessem quebrado o juramento que fizeram por esse Deus, e destruído os gibeonitas. Eles eram obrigados a observar o juramento que uma vez fizeram, nem que fosse para evitar que a sinceridade do Deus por quem juraram fosse posta em dúvida aos olhos dos gibeonitas; mas eles não tinham justificativa para fazer o juramento. Eles tinham feito isso sem pedir à boca de Jeová (Josué 9:14), e assim tinham pecado contra o Senhor seu Deus. Mas eles não podiam reparar esta falha quebrando o juramento que tinham assim imprudentemente feito, ou seja, cometendo um novo pecado; pois a violação de um juramento é sempre pecado, mesmo quando o juramento foi feito sem consideração, e é depois descoberto que o que foi jurado não estava de acordo com a vontade de Deus, e que a observância do juramento certamente será prejudicial (vid., Salmo 15:4).

(Nota: “O poder vinculante de um juramento deve ser mantido tão sagrado entre nós, que não devemos nos desviar de nosso vínculo sob qualquer pretensão de erro, mesmo tendo sido enganados: já que o nome sagrado de Deus é de maior valor do que todas as riquezas do mundo. Mesmo que uma pessoa devesse ter jurado, portanto, sem consideração suficiente, nenhum dano ou perda a libertará de seu juramento”. Esta é a opinião expressa por Calvino com referência ao Salmo 15,4; contudo, por tudo que ele considera a observância de seu juramento por parte dos príncipes de Israel como um pecado, porque ele limita esta regra de ouro da maneira mais arbitrária apenas aos assuntos privados, e conclui, portanto, que os israelitas não eram obrigados a observar este “tratado astuto”).

Ao fazer um juramento aos embaixadores de que deixariam viver os gibeonitas, os príncipes de Israel haviam agido inconscientemente, violando a ordem de Deus de que iriam destruir os cananeus. Assim que descobriram seu erro ou seu descuido, eles estavam obrigados a fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para afastar da congregação o perigo que poderia surgir de serem atraídos para a idolatria – exatamente o que o Senhor tinha a intenção de evitar ao dar essa ordem. Se isso pudesse ser feito sem violar seu juramento, eles estavam obrigados a fazê-lo por causa do nome do Senhor pelo qual juraram; ou seja, enquanto deixavam os gibeonitas viver, era seu dever colocá-los em tal posição, que não podiam possivelmente seduzir os israelitas à idolatria. E isto os príncipes de Israel se propuseram a fazer, concedendo aos gibeonitas, por um lado, a preservação de suas vidas de acordo com o juramento que haviam feito e, por outro lado, tornando-os escravos do santuário. Que eles agiram corretamente a este respeito, é evidente pelo fato de que sua conduta nunca é culpada nem pelo historiador nem pela história, na medida em que não se afirma em nenhum lugar que os gibeonitas, depois de terem sido transformados em escravos do templo, tenham induzido os israelitas a aderir ao culto idólatra, e ainda mais pelo fato de que, em um período futuro, o próprio Deus considerou a tentativa de Saul de destruir os gibeonitas, em seu falso zelo pelos filhos de Israel, como um ato de sangue de culpa por parte da nação de Israel para a qual a expiação deve ser feita (2Samuel 21: 1. ), e consequentemente aprovou a observância do juramento que lhes havia sido feito, embora sem assim sancionar o próprio tratado. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E os príncipes lhes disseram: Vivam; mas sejam lenhadores e carregadores de água para toda a congregação, como os príncipes lhes disseram.

Comentário de Keil e Delitzsch

Os príncipes declararam novamente de forma muito enfática: “Eles viverão”. Assim, os gibeonitas tornaram-se torres de madeira e gavetas de água para a congregação, como os príncipes lhes haviam dito, ou seja, tinham resolvido a respeito deles. Esta resolução eles comunicaram à congregação na época, usando a expressão יחיוּ (deixe-os viver); mas o historiador passou isso para Josué 9:21, e em vez de mencionar a resolução prossegue imediatamente para descrever sua execução. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E chamando-os Josué, lhes falou dizendo: Por que nos enganastes, dizendo, Habitamos muito longe de vós; uma vez que morais em meio de nós?

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) Josué então convocou os gibeonitas, acusou-os de seu engano e pronunciou sobre eles a maldição da servidão eterna: “Não vos será cortado um servo”, ou seja, nunca deixareis de ser servos, permanecereis servos para sempre (vid., 2Samuel 3:29; 1Reis 2:4), “e que como rachadores de madeira e gavetas de águas para a casa de nosso Deus”. Esta é uma definição mais completa da expressão “para toda a congregação” em Josué 9:21. Os gibeonitas deveriam realizar para a congregação o trabalho dos escravos de cortar madeira e tirar água para a adoração do santuário – um dever que era realizado, de acordo com Deuteronômio 29:10, pelas classes mais baixas de pessoas. Desta forma, a maldição de Noé sobre Canaã (Gênesis 9:25) foi literalmente cumprida sobre os Hivitas da república Gibeonita. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Vós pois agora sois malditos, e não faltará de vós servo, e quem corte a lenha e tire a água para a casa de meu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) Josué então convocou os gibeonitas, acusou-os de seu engano e pronunciou sobre eles a maldição da servidão eterna: “Não vos será cortado um servo”, ou seja, nunca deixareis de ser servos, permanecereis servos para sempre (vid., 2Samuel 3:29; 1Reis 2:4), “e que como rachadores de madeira e gavetas de águas para a casa de nosso Deus”. Esta é uma definição mais completa da expressão “para toda a congregação” em Josué 9:21. Os gibeonitas deveriam realizar para a congregação o trabalho dos escravos de cortar madeira e tirar água para a adoração do santuário – um dever que era realizado, de acordo com Deuteronômio 29:10, pelas classes mais baixas de pessoas. Desta forma, a maldição de Noé sobre Canaã (Gênesis 9:25) foi literalmente cumprida sobre os Hivitas da república Gibeonita. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E eles responderam a Josué, e disseram: Quando foi dado a entender a teus servos, que o SENHOR teu Deus havia mandado a Moisés seu servo que vos havia de dar toda a terra, e que havia de destruir todos os moradores da terra diante de vós, por isto temos muito medo de vós por nossas vidas, e fizemos isto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Os gibeonitas ofereceram esta desculpa para sua conduta, que tendo ouvido falar da ordem de Deus que havia sido emitida através de Moisés, que todos os cananeus seriam destruídos (Deuteronômio 7:1; Deuteronômio 20:16-17), eles temeram muito por suas vidas, e prontamente se submeteram à resolução que Josué lhes deu a conhecer.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Agora pois, eis-nos aqui em tua mão; o que te parecer bom e correto fazer de nós, faze-o.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Os gibeonitas ofereceram esta desculpa para sua conduta, que tendo ouvido falar da ordem de Deus que havia sido emitida através de Moisés, que todos os cananeus seriam destruídos (Deuteronômio 7:1; Deuteronômio 20:16-17), eles temeram muito por suas vidas, e prontamente se submeteram à resolução que Josué lhes deu a conhecer.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E ele o fez assim; que os livrou da mão dos filhos de Israel, para que não os matassem.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) “E assim fez com eles, e os livrou das mãos dos filhos de Israel, para que eles não os matassem. Ele os fez talhar madeira e tirar água para a congregação, e de fato para o altar do Senhor”, (designando-os) “para o lugar que Deus escolheria”, em outras palavras, para o altar. אלהמּקום (para o lugar) depende gramaticalmente de ויּתּנם (ele “os deu”). De modo algum se segue, porém, que Josué os enviou para lá naquele mesmo momento, mas simplesmente que os condenou ao serviço do altar no local que seria escolhido para o santuário. Das palavras “até hoje”, sem dúvida segue-se, por um lado, que o relato foi escrito após o fato ter ocorrido; mas, por outro lado, segue-se também do futuro יבחר (deve, ou deve escolher), que foi escrito antes que o lugar fosse definitivamente fixado, e portanto antes da construção do templo de Salomão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 E constituiu-os Josué aquele dia por lenhadores e carregadores de água para a congregação e para o altar do SENHOR, no lugar que ele escolhesse: o que são até hoje.

Comentário de Robert Jamieson

lenhadores e carregadores de água– Os servos que executavam os mais baixos ofícios e penoso no santuário; donde eles foram chamados Nethinims (1Crônicas 9:2; Esdras 2:43; 8:20); isto é, dado, apropriado. Seu castigo os trouxe, portanto, à posse de grandes privilégios religiosos (Salmo 84:10). [JFB, aguardando revisão]

<Josué 8 Josué 10>

Introdução à Josué 9

O avanço vitorioso dos israelitas na terra induziu os reis de Canaã a formar uma aliança comum com o propósito de resistir a eles. Mas, como acontece freqüentemente, os muitos reis e senhores das cidades e províncias de Canaã não estavam todos unidos, a fim de fazer um ataque comum e vigoroso. Antes da entrada na liga, os habitantes de Gibeão, uma das maiores cidades da parte central de Canaã, junto com as menores cidades vizinhas que dela dependiam, tentaram antecipar o perigo que os ameaçava por meio de um estratagema, e entrar em uma aliança amigável com os israelitas. E conseguiram, já que Josué e os anciãos da congregação de Israel caíram na armadilha que lhes foi lançada pelos embaixadores dos Gibeonitas, que vieram ao acampamento em Gilgal, e fizeram o desejado tratado com eles, sem perguntar ao Senhor. “Este relato”, como diz O. v. Gerlach, “é um aviso à Igreja de Deus de todas as idades contra a astúcia e dissimulação do mundo, que muitas vezes busca um reconhecimento pacífico por parte do Reino de Deus, e até mesmo uma recepção no mesmo, sempre que possa ser sua vantagem”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.