Deuteronômio 7

As nações idólatras serão expulsas

1 Quando o SENHOR teu Deus te houver introduzido na terra na qual tu hás de entrar para possuí-la, e houver expulsado de diante de ti muitas nações, aos heteus, aos gergeseus, e aos amorreus, e aos cananeus, e aos perizeus, e aos heveus, e aos jebuseus, sete nações maiores e mais fortes que tu;

Comentário de Robert Jamieson

aos heteus – Este povo era descendente de Hete, o segundo filho de Canaã (Gênesis 10:15), e ocupou a região montanhosa de Hebrom, no sul da Palestina.

aos gergeseus – supostos por alguns como sendo os gergesenos (Mateus 8:28), que ficavam a leste do lago Gennesareth; mas eles são colocados a oeste do Jordão (Josué 24:11), e outros os tomam por um ramo da grande família dos heveus, como eles são omitidos em nove entre dez lugares onde as tribos de Canaã são enumeradas; no décimo são mencionados, enquanto os heveus não são.

aos amorreus – descendiam do quarto filho de Canaã. Eles ocuparam, além de sua conquista no território moabita, extensos assentamentos a oeste do Mar Morto, nas montanhas.

aos cananeus – localizados na Fenícia, particularmente em Tiro e Sidom, e sendo originários do ramo mais antigo da família de Canaã, levavam seu nome.

aos perizeus – isto é, aldeões, uma tribo que se dispersou por todo o país e viveu em cidades sem muros.

aos heveus – que habitavam sobre Ebal e Gerizim, estendendo-se em direção a Hermon. Eles deveriam ser o mesmo que o Avims.

aos jebuseus – residiam em Jerusalém e no país adjacente.

sete nações maiores e mais fortes que tu – Dez foram mencionadas anteriormente (Gênesis 15:19-21). Mas no lapso de quase quinhentos anos, não é de surpreender que alguns deles tivessem sido extintos nos muitos feudos intestinos que prevaleciam entre aquelas tribos guerreiras. É mais do que provável que alguns, estacionados a leste do Jordão, tivessem caído sob os braços vitoriosos dos israelitas. [JFB, aguardando revisão]

2 E o SENHOR teu Deus as houver entregue diante de ti, e as ferires, por completo as destruirás: não farás com eles aliança, nem as pouparás.

Comentário de Robert Jamieson

as ferires, por completo as destruirás: não farás com eles aliança – Esta desgraça implacável de exterminação que Deus denunciou contra aquelas tribos de Canaã não pode ser reconciliada com os atributos do caráter divino, exceto no pressuposto de que sua idolatria grosseira e enorme maldade não deixaram nenhuma esperança razoável de seu arrependimento e alteração. Se fossem varridos como os antediluvianos ou o povo de Sodoma e Gomorra, como pecadores incorrigíveis que haviam preenchido a medida de suas iniquidades, não importava para eles de que modo o julgamento fora infligido; e Deus, como o Sovereign Disposer, tinha o direito de empregar quaisquer instrumentos que o satisfizessem para executar Seus julgamentos. Alguns pensam que deviam ser exterminados como usurpadores sem princípios de um país que Deus designara para a posteridade de Eber e que havia sido ocupado séculos antes por pastores errantes daquela raça, até que, na migração da família de Jacó para o Egito através de a pressão da fome, os cananeus se espalharam por toda a terra, embora não tivessem direito legítimo a ela, e se esforçaram para retê-la pela força. Nesta visão, a expulsão deles foi justa e apropriada. A proibição estrita contra a contratação de quaisquer alianças com tais idólatras infames era uma regra prudencial, fundada na experiência de que “más comunicações corrompem boas maneiras” [1Coríntios 15:33], e sua importância ou necessidade foi atestada pelos exemplos infelizes de Salomão e outros na história subsequente de Israel. [JFB, aguardando revisão]

3 E não aparentarás com eles: não darás tua filha a seu filho, nem tomarás a sua filha para teu filho.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) Como os israelitas foram advertidos contra a idolatria em Deuteronômio 6:14, aqui estão eles exortados a ter cuidado com a falsa tolerância de poupar os cananeus e suportar sua idolatria. – Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 7:5. Quando o Senhor expulsou as tribos de Canaã diante dos israelitas e as entregou a eles e os feriu, eles deveriam colocá-los sob a proibição (ver em Levítico 27:28), não fazer nenhum tratado com eles, e não contrair nenhum casamento com eles. נשׁל, para tirar, para jogar fora, por exemplo, as sandálias (Êxodo 3:5); aqui e Deuteronômio 7:22 significa tirar, ou expulsar uma nação de seu país e possessões: ocorre neste sentido no Piel em 2 Reis 16:6. Sobre as tribos cananéias, ver em Gênesis 10:15. e Deuteronômio 15:20-21. Há sete deles mencionados aqui, como em Josué 3,10 e Josué 24,11; por outro lado, há apenas seis em Deuteronômio 20,17, como em Êxodo 3,8, Êxodo 3,17; Êxodo 23,23, e Êxodo 33,2, omitindo-se os Girgashitas. A proibição de fazer um pacto, como em Êxodo 23:32 e Êxodo 34:12, e a proibição de se casar, como em Êxodo 34:16, onde o perigo de os israelitas serem levados à idolatria é mencionado como mais uma razão para estas ordens. יסיר כּי, “pois ele (o cananeu) fará com que teu filho se afaste de mim”, ou seja, o tentará a não me seguir, “para servir a outros deuses”. Moisés diz “de me seguir”, porque ele está falando em nome de Jeová. As conseqüências da idolatria, como em Deuteronômio 6:15; Deuteronômio 4:26, etc. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Porque desviará a teu filho de me seguir, e servirão a deuses alheios; e o furor do SENHOR se acenderá sobre vós, e te destruirá logo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) Como os israelitas foram advertidos contra a idolatria em Deuteronômio 6:14, aqui estão eles exortados a ter cuidado com a falsa tolerância de poupar os cananeus e suportar sua idolatria. – Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 7:5. Quando o Senhor expulsou as tribos de Canaã diante dos israelitas e as entregou a eles e os feriu, eles deveriam colocá-los sob a proibição (ver em Levítico 27:28), não fazer nenhum tratado com eles, e não contrair nenhum casamento com eles. נשׁל, para tirar, para jogar fora, por exemplo, as sandálias (Êxodo 3:5); aqui e Deuteronômio 7:22 significa tirar, ou expulsar uma nação de seu país e possessões: ocorre neste sentido no Piel em 2 Reis 16:6. Sobre as tribos cananéias, ver em Gênesis 10:15. e Deuteronômio 15:20-21. Há sete deles mencionados aqui, como em Josué 3,10 e Josué 24,11; por outro lado, há apenas seis em Deuteronômio 20,17, como em Êxodo 3,8, Êxodo 3,17; Êxodo 23,23, e Êxodo 33,2, omitindo-se os Girgashitas. A proibição de fazer um pacto, como em Êxodo 23:32 e Êxodo 34:12, e a proibição de se casar, como em Êxodo 34:16, onde o perigo de os israelitas serem levados à idolatria é mencionado como mais uma razão para estas ordens. יסיר כּי, “pois ele (o cananeu) fará com que teu filho se afaste de mim”, ou seja, o tentará a não me seguir, “para servir a outros deuses”. Moisés diz “de me seguir”, porque ele está falando em nome de Jeová. As conseqüências da idolatria, como em Deuteronômio 6:15; Deuteronômio 4:26, etc. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 Mas assim haveis de fazer com eles: destruireis seus altares, e quebrareis suas colunas sagradas, cortareis seus mastros de idolatria, e queimareis suas esculturas a fogo.

Comentário de Robert Jamieson

Mas assim haveis de fazer com eles: destruireis seus altares – A remoção dos templos, dos altares e de tudo o que se havia alistado no serviço, ou talvez tendesse a perpetuar a lembrança da idolatria cananéia, era também altamente conveniente para preservar os israelitas de todo risco. de contaminação. Foi imitado pelos Reformistas Escoceses, e embora muitos ardentes amantes da arquitetura e das belas artes tenham anatematizado seus procedimentos como vandalismo, ainda assim havia profunda sabedoria na máxima favorita de Knox – “derrubar os ninhos e as gralhas desaparecerão. “ [JFB, aguardando revisão]

6 Porque tu és povo santo ao SENHOR teu Deus: o SENHOR teu Deus te escolheu para ser-lhe um povo especial, mais que todos os povos que estão sobre a face da terra.

Comentário de Robert Jamieson

Porque tu és povo santo ao SENHOR teu Deus – isto é, separado para o serviço de Deus, ou escolhido para executar os importantes propósitos de Sua providência. Sua escolha para esse alto destino não foi nem por conta de seu valor numérico (pois, até depois da morte de José, eles eram apenas um punhado de pessoas); nem por causa de seus méritos extraordinários (pois eles haviam frequentemente perseguido uma conduta muito perversa e indigna); mas foi em consequência do pacto ou promessa feita com seus antepassados ​​piedosos; e os motivos que levaram a esse ato especial foram tais que tenderam não apenas a reivindicar a sabedoria de Deus, mas a ilustrar Sua glória ao difundir as melhores e mais preciosas bênçãos para toda a humanidade. [JFB, aguardando revisão]

7 Não por ser vós mais que todos os povos vos quis o SENHOR, e vos escolheu; porque vós éreis os menores de todos os povos:

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-8) Eles estavam obrigados a fazer isso em virtude de sua eleição como uma nação santa, a nação da possessão, que Jeová havia destacado de todas as outras nações, e tirado da escravidão do Egito, não por causa de sua grandeza, mas por amor a eles, e por causa do juramento feito aos pais. Esta exaltada honra de Israel não era para ser jogada fora pela apostasia do Senhor. Ela foi fundada sobre a palavra do Senhor em Exodo 19:5-6, que Moisés trouxe à lembrança do povo, e desenvolvida expressa e enfaticamente. “Não por causa de vossa multidão diante de todas as nações (porque éreis mais numerosos do que todas as outras nações) Jeová se voltou para vós em amor (חשׁק, para se ligar, para se pendurar em uma pessoa, por amor), pois sois a pequenez de todas as nações” (a menos numerosa). Moisés poderia dizer isto a Israel com referência a sua descendência de Abraão, que Deus escolheu como o único homem de todo o mundo, enquanto nações, estados e reinos já haviam sido formados ao redor (Baumgarten). “Mas porque Jeová te amou e guardou o juramento que fez aos pais, Ele te trouxe para fora”, etc. Em vez de dizer, Ele vos escolheu por amor a vossos pais, como em Deuteronômio 4:37, Moisés traz à tona neste lugar o amor ao povo de Israel como motivo divino, não para escolher Israel, mas para conduzi-lo e libertá-lo da escravidão do Egito, pela qual Deus praticamente havia realizado a eleição do povo, para assim atrair os israelitas a uma reciprocidade de amor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Mas sim porque o SENHOR vos amou, e quis guardar o juramento que jurou a vossos pais, vos tirou o SENHOR com mão forte, e vos resgatou de casa de servos, da mão de Faraó, rei do Egito.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-8) Eles estavam obrigados a fazer isso em virtude de sua eleição como uma nação santa, a nação da possessão, que Jeová havia destacado de todas as outras nações, e tirado da escravidão do Egito, não por causa de sua grandeza, mas por amor a eles, e por causa do juramento feito aos pais. Esta exaltada honra de Israel não era para ser jogada fora pela apostasia do Senhor. Ela foi fundada sobre a palavra do Senhor em Exodo 19:5-6, que Moisés trouxe à lembrança do povo, e desenvolvida expressa e enfaticamente. “Não por causa de vossa multidão diante de todas as nações (porque éreis mais numerosos do que todas as outras nações) Jeová se voltou para vós em amor (חשׁק, para se ligar, para se pendurar em uma pessoa, por amor), pois sois a pequenez de todas as nações” (a menos numerosa). Moisés poderia dizer isto a Israel com referência a sua descendência de Abraão, que Deus escolheu como o único homem de todo o mundo, enquanto nações, estados e reinos já haviam sido formados ao redor (Baumgarten). “Mas porque Jeová te amou e guardou o juramento que fez aos pais, Ele te trouxe para fora”, etc. Em vez de dizer, Ele vos escolheu por amor a vossos pais, como em Deuteronômio 4:37, Moisés traz à tona neste lugar o amor ao povo de Israel como motivo divino, não para escolher Israel, mas para conduzi-lo e libertá-lo da escravidão do Egito, pela qual Deus praticamente havia realizado a eleição do povo, para assim atrair os israelitas a uma reciprocidade de amor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Conhece, pois, que o SENHOR teu Deus é Deus, Deus fiel, que guarda o pacto e a misericórdia aos que lhe amam e guardam seus mandamentos, até as mil gerações;

Comentário do Púlpito

até as mil gerações. Deus é fiel à sua aliança, e demonstrará misericórdia e fará bem àqueles que o amam, enquanto àqueles que o odeiam trará uma terrível retribuição; por isso o povo é advertido a tomar cuidado com a rebelião e apostasia dEle (comp. Êxodo 20:5). [Pulpit, 1897]

10 e que retribui diretamente aos que o odeiam, destruindo-os. Não retardará o pago ao que o odeia, retribuir-lhe-á diretamente.

Não retardará o pago ao que o odeia, retribuir-lhe-á diretamente – ou então, “Ele não demorará para retribuir diretamente a quem o rejeita” (A21).

11 Guarda portanto os mandamentos, e estatutos, e regulamentos que eu te mando hoje que cumpras.

Comentário de Robert Jamieson

No convênio em que Deus entrou com Israel, prometeu conceder-lhes uma variedade de bênçãos, desde que continuassem obedientes a ele. como seu rei celestial. Ele prometeu Sua veracidade de que Suas infinitas perfeições seriam exercidas para este propósito, assim como para livrá-las de todo mal ao qual, como povo, elas seriam expostas. Que as pessoas, consequentemente, eram verdadeiramente felizes como uma nação, e encontravam todas as promessas que o fiel Deus fez a elas amplamente satisfeitas, desde que elas aderissem à obediência que lhes era exigida. Veja uma bela ilustração disso no Salmo 144:12-15. [JFB, aguardando revisão]

As bênçãos da obediência

12 E será que, por haver ouvido estes regulamentos, e guardado e os praticado, o SENHOR teu Deus guardará contigo o pacto e a misericórdia que jurou a teus pais;

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-26) A observância destes mandamentos também traria grandes bênçãos (Deuteronômio 7:12-16). “Se ouvirdes estas exigências de direito” (mishpatim) do Senhor do pacto sobre Seu povo do pacto, e as guardardes e as cumprirdes, “Jeová guardará para vós o pacto e a misericórdia que Ele jurou a vossos pais”. Em עקב, para אשׁר עקב (Gênesis 22:18), está envolvida não apenas a idéia de reciprocidade, mas em toda parte também uma alusão à recompensa ou punição (compare com Deuteronômio 8:20; Números 14:24). חסד foi o favor manifestado nas promessas feitas aos patriarcas sob juramento (Gênesis 22:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E te amará, e te abençoará, e te multiplicará, e abençoará o fruto de teu ventre, e o fruto de tua terra, e teu grão, e teu mosto, e teu azeite, a cria de tuas vacas, e os rebanhos de tuas ovelhas, na terra que jurou a teus pais que te daria.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Esta misericórdia fluiu do amor de Deus para Israel, e o amor se manifestou na bênção e na multiplicação do povo. A bênção é então particularizada, por uma nova expansão do Exodo 23:25-27, como uma bênção sobre o fruto do corpo, os frutos do campo e do solo, e a criação de gado. שׁגר, ver Êxodo 13:12. צאן עשׁתּרת só ocorre novamente em Deuteronômio 28:4, Deuteronômio 28:18, Deuteronômio 28:51, e certamente significa o aumento dos rebanhos jovens. É provavelmente uma palavra cananéia, derivada de Ashtoreth (Astharte), a divindade feminina dos cananeus, que era considerada como o princípio de concepção e nascimento da natureza, literalmente Veneres, ou seja, amores gregis, daí soboles (Ges.); assim como os poetas latinos empregam o nome Ceres para significar o milho, Venus para o amor e as relações sexuais, e Lucina para o nascimento. Em Deuteronômio 7:14 e Deuteronômio 7:15, ver Êxodo 23:26. Em Deuteronômio 7:15, a promessa da preservação de Israel de todas as doenças (Êxodo 15:26, e Êxodo 23:25) é reforçada pela adição da cláusula, “todas as doenças malignas do Egito”, pela qual, de acordo com Deuteronômio 28:27, provavelmente devemos entender principalmente as espécies malignas de lepra chamadas elefantíase, e possivelmente também a peste e outras formas malignas de doença. No Egito, as doenças, em sua maioria, assumem prontamente um caráter muito perigoso. Plínio (h. n. xxvi. 1) chama o Egito de genitrix da peste contagiosa, e os naturalistas modernos confirmaram isso (ver Hengstenberg, Egito e os Livros de Moisés, p. 215; e Pruner, Krankheiten des Orients, pp. 460ff.). Doenças deste tipo o Senhor preferiria trazer sobre os inimigos de Israel. Os israelitas, por outro lado, deveriam ser tão fortes e vigorosos, que devorariam, isto é, exterminariam, todas as nações que seu Deus entregaria em suas mãos (compare com Números 14:9). Com este pensamento Moisés volta com ênfase à ordem de erradicar os cananeus sem reservas, e não servir a seus deuses, porque eles se tornariam um laço para eles (ver Êxodo 10:7); e então em Deuteronômio 7:17-26 ele cumpre ainda mais a promessa em Êxodo 23:27-30 da subjugação bem sucedida dos cananeus através da assistência do Senhor, e varre todas as objeções que uma fé fraca poderia levantar para a execução da ordem divina. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Bendito serás mais que todos os povos: não haverá em ti homem nem mulher estéril, nem em teus animais.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Esta misericórdia fluiu do amor de Deus para Israel, e o amor se manifestou na bênção e na multiplicação do povo. A bênção é então particularizada, por uma nova expansão do Exodo 23:25-27, como uma bênção sobre o fruto do corpo, os frutos do campo e do solo, e a criação de gado. שׁגר, ver Êxodo 13:12. צאן עשׁתּרת só ocorre novamente em Deuteronômio 28:4, Deuteronômio 28:18, Deuteronômio 28:51, e certamente significa o aumento dos rebanhos jovens. É provavelmente uma palavra cananéia, derivada de Ashtoreth (Astharte), a divindade feminina dos cananeus, que era considerada como o princípio de concepção e nascimento da natureza, literalmente Veneres, ou seja, amores gregis, daí soboles (Ges.); assim como os poetas latinos empregam o nome Ceres para significar o milho, Venus para o amor e as relações sexuais, e Lucina para o nascimento. Em Deuteronômio 7:14 e Deuteronômio 7:15, ver Êxodo 23:26. Em Deuteronômio 7:15, a promessa da preservação de Israel de todas as doenças (Êxodo 15:26, e Êxodo 23:25) é reforçada pela adição da cláusula, “todas as doenças malignas do Egito”, pela qual, de acordo com Deuteronômio 28:27, provavelmente devemos entender principalmente as espécies malignas de lepra chamadas elefantíase, e possivelmente também a peste e outras formas malignas de doença. No Egito, as doenças, em sua maioria, assumem prontamente um caráter muito perigoso. Plínio (h. n. xxvi. 1) chama o Egito de genitrix da peste contagiosa, e os naturalistas modernos confirmaram isso (ver Hengstenberg, Egito e os Livros de Moisés, p. 215; e Pruner, Krankheiten des Orients, pp. 460ff.). Doenças deste tipo o Senhor preferiria trazer sobre os inimigos de Israel. Os israelitas, por outro lado, deveriam ser tão fortes e vigorosos, que devorariam, isto é, exterminariam, todas as nações que seu Deus entregaria em suas mãos (compare com Números 14:9). Com este pensamento Moisés volta com ênfase à ordem de erradicar os cananeus sem reservas, e não servir a seus deuses, porque eles se tornariam um laço para eles (ver Êxodo 10:7); e então em Deuteronômio 7:17-26 ele cumpre ainda mais a promessa em Êxodo 23:27-30 da subjugação bem sucedida dos cananeus através da assistência do Senhor, e varre todas as objeções que uma fé fraca poderia levantar para a execução da ordem divina. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E tirará o SENHOR de ti toda enfermidade; e todas as más pragas do Egito, que tu sabes, não as porá sobre ti, antes as porá sobre todos os que te odiarem.

Comentário de Robert Jamieson

e todas as más pragas do Egito – (Ver Êxodo 15:26). Além daqueles com os quais o faraó e seus súditos foram visitados, o Egito sempre foi terrivelmente açoitado com doenças. O testemunho de Moisés é confirmado pelos relatos de muitos escritores modernos, que nos dizem que, apesar de sua igual temperatura e serenidade, esse país tem alguns males indígenas que são muito malignos, como oftalmia, disenteria, varíola e a peste. [JFB, aguardando revisão]

16 E consumirás a todos os povos que te dá o SENHOR teu Deus: não os perdoará teu olho; nem servirás a seus deuses, que te será tropeço.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) Esta misericórdia fluiu do amor de Deus para Israel, e o amor se manifestou na bênção e na multiplicação do povo. A bênção é então particularizada, por uma nova expansão do Exodo 23:25-27, como uma bênção sobre o fruto do corpo, os frutos do campo e do solo, e a criação de gado. שׁגר, ver Êxodo 13:12. צאן עשׁתּרת só ocorre novamente em Deuteronômio 28:4, Deuteronômio 28:18, Deuteronômio 28:51, e certamente significa o aumento dos rebanhos jovens. É provavelmente uma palavra cananéia, derivada de Ashtoreth (Astharte), a divindade feminina dos cananeus, que era considerada como o princípio de concepção e nascimento da natureza, literalmente Veneres, ou seja, amores gregis, daí soboles (Ges.); assim como os poetas latinos empregam o nome Ceres para significar o milho, Venus para o amor e as relações sexuais, e Lucina para o nascimento. Em Deuteronômio 7:14 e Deuteronômio 7:15, ver Êxodo 23:26. Em Deuteronômio 7:15, a promessa da preservação de Israel de todas as doenças (Êxodo 15:26, e Êxodo 23:25) é reforçada pela adição da cláusula, “todas as doenças malignas do Egito”, pela qual, de acordo com Deuteronômio 28:27, provavelmente devemos entender principalmente as espécies malignas de lepra chamadas elefantíase, e possivelmente também a peste e outras formas malignas de doença. No Egito, as doenças, em sua maioria, assumem prontamente um caráter muito perigoso. Plínio (h. n. xxvi. 1) chama o Egito de genitrix da peste contagiosa, e os naturalistas modernos confirmaram isso (ver Hengstenberg, Egito e os Livros de Moisés, p. 215; e Pruner, Krankheiten des Orients, pp. 460ff.). Doenças deste tipo o Senhor preferiria trazer sobre os inimigos de Israel. Os israelitas, por outro lado, deveriam ser tão fortes e vigorosos, que devorariam, isto é, exterminariam, todas as nações que seu Deus entregaria em suas mãos (compare com Números 14:9). Com este pensamento Moisés volta com ênfase à ordem de erradicar os cananeus sem reservas, e não servir a seus deuses, porque eles se tornariam um laço para eles (ver Êxodo 10:7); e então em Deuteronômio 7:17-26 ele cumpre ainda mais a promessa em Êxodo 23:27-30 da subjugação bem sucedida dos cananeus através da assistência do Senhor, e varre todas as objeções que uma fé fraca poderia levantar para a execução da ordem divina. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Quando disseres em teu coração: Estas nações são muitas mais que eu, como as poderei desarraigar?;

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Para suprimir o pensamento que se elevava em seu coração, como poderia ser possível para eles destruir essas nações que eram mais numerosas do que eles, os israelitas deveriam lembrar o que o Senhor tinha feito no Egito e ao Faraó, ou seja, as grandes tentações, sinais e maravilhas ligadas à sua libertação do Egito (compare com Deuteronômio 4:34 e Deuteronômio 6:22). Ele faria exatamente o mesmo com os cananeus. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Não tenhas medo deles: lembra-te bem do que fez o SENHOR teu Deus com Faraó e com todo o Egito;

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Para suprimir o pensamento que se elevava em seu coração, como poderia ser possível para eles destruir essas nações que eram mais numerosas do que eles, os israelitas deveriam lembrar o que o Senhor tinha feito no Egito e ao Faraó, ou seja, as grandes tentações, sinais e maravilhas ligadas à sua libertação do Egito (compare com Deuteronômio 4:34 e Deuteronômio 6:22). Ele faria exatamente o mesmo com os cananeus. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Das grandes provas que viram teus olhos, e dos sinais e milagres, e da mão forte e braço estendido com que o SENHOR teu Deus te tirou: assim fará o SENHOR teu Deus com todos os povos de cuja presença tu temerdes.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Para suprimir o pensamento que se elevava em seu coração, como poderia ser possível para eles destruir essas nações que eram mais numerosas do que eles, os israelitas deveriam lembrar o que o Senhor tinha feito no Egito e ao Faraó, ou seja, as grandes tentações, sinais e maravilhas ligadas à sua libertação do Egito (compare com Deuteronômio 4:34 e Deuteronômio 6:22). Ele faria exatamente o mesmo com os cananeus. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E também enviará o SENHOR teu Deus sobre eles vespas, até que pereçam os que restarem, e os que se houverem escondido de diante de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

Ele também enviaria vespões contra eles, como Ele já havia prometido em Êxodo 23:28 (veja a passagem), até que todos os que restaram e se esconderam deveriam ter perecido completamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Não desmaies diante deles, que o SENHOR teu Deus está em meio de ti, Deus grande e terrível.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-23) Israel não precisava ter medo deles, pois Jeová era, no meio deles, um Deus poderoso e terrível. Ele expulsaria as nações, mas apenas gradualmente, como Ele já havia declarado a Moisés em Exodo 23:30-31, e as feria com grande confusão, até serem destruídas, como foi o caso, por exemplo, em Gibeon (Josué 10:10; compare com Êxodo 23: 27, onde é usado o formulário המם em vez de הוּם), e também entregariam seus reis nas mãos de Israel, para que seus nomes desaparecessem sob o céu (compare com Deuteronômio 9:14; Deuteronômio 25:19; e para o cumprimento, Josué 10:22. Deuteronômio 11:12; Deuteronômio 12:7-24). Ninguém seria capaz de se apresentar diante de Israel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E o SENHOR teu Deus expulsará a estas nações de diante de ti pouco a pouco: não as poderás acabar logo, para que os animais do campo não se aumentem contra ti.

Comentário de Robert Jamieson

para que os animais do campo não se aumentem contra ti – (ver Êxodo 23:29). A onipotência de seu Governante Todo-Poderoso poderia ter-lhes dado a posse da terra prometida de uma só vez. Mas, os cadáveres insepultos do inimigo e as partes do país que poderiam ter ficado desoladas por um tempo, teriam atraído um influxo de feras perigosas. Esse mal seria impedido por uma conquista progressiva e pelo uso de meios comuns, que Deus abençoaria. [JFB, aguardando revisão]

23 Mas o SENHOR teu Deus as entregará diante de ti, e ele as quebrantará com grande destroço, até que sejam destruídos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-23) Israel não precisava ter medo deles, pois Jeová era, no meio deles, um Deus poderoso e terrível. Ele expulsaria as nações, mas apenas gradualmente, como Ele já havia declarado a Moisés em Exodo 23:30-31, e as feria com grande confusão, até serem destruídas, como foi o caso, por exemplo, em Gibeon (Josué 10:10; compare com Êxodo 23: 27, onde é usado o formulário המם em vez de הוּם), e também entregariam seus reis nas mãos de Israel, para que seus nomes desaparecessem sob o céu (compare com Deuteronômio 9:14; Deuteronômio 25:19; e para o cumprimento, Josué 10:22. Deuteronômio 11:12; Deuteronômio 12:7-24). Ninguém seria capaz de se apresentar diante de Israel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E ele entregará seus reis em tua mão, e tu destruirás o nome deles de debaixo do céu: ninguém te fará testa até que os destruas.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Estar diante de ti”: literalmente, colocar-se no rosto de uma pessoa, de modo a resistir a ela. השׁמיד para השׁמיד, como em Levítico 14:43, etc. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 As esculturas de seus deuses queimarás no fogo: não cobiçarás prata nem ouro de sobre elas para tomá-lo para ti, para que não tropeces nisso, pois é abominação ao SENHOR teu Deus;

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-26) Confiando nesta promessa, os israelitas deveriam queimar os ídolos dos cananeus, e não desejar a prata e o ouro sobre eles (com os quais as estátuas foram revestidas), ou levá-lo para si mesmos, para que não sejam enganados nela, ou seja, para que a prata e o ouro não se tornem uma armadilha para eles. Isso se tornaria assim, não de qualquer perigo para que não praticassem a idolatria com ela, mas porque a prata e o ouro que tinham sido usados em conexão com o culto idólatra era uma abominação a Jeová, que os israelitas não deveriam trazer para suas casas, para que eles mesmos não caíssem sob a proibição, à qual todos os objetos ligados à idolatria eram dedicados, como a história de Acã em Josué 7 prova claramente. Por esta razão, qualquer abominação deste tipo era para ser abominada, e destruída pela queima ou trituração em pó (compare com Êxodo 32:20; 2 Reis 23:4-5; 2 Crônicas 15:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E não meterás abominação em tua casa, para que não sejas anátema como isso; por completo o aborrecerás e o abominarás; porque é anátema.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-26) Confiando nesta promessa, os israelitas deveriam queimar os ídolos dos cananeus, e não desejar a prata e o ouro sobre eles (com os quais as estátuas foram revestidas), ou levá-lo para si mesmos, para que não sejam enganados nela, ou seja, para que a prata e o ouro não se tornem uma armadilha para eles. Isso se tornaria assim, não de qualquer perigo para que não praticassem a idolatria com ela, mas porque a prata e o ouro que tinham sido usados em conexão com o culto idólatra era uma abominação a Jeová, que os israelitas não deveriam trazer para suas casas, para que eles mesmos não caíssem sob a proibição, à qual todos os objetos ligados à idolatria eram dedicados, como a história de Acã em Josué 7 prova claramente. Por esta razão, qualquer abominação deste tipo era para ser abominada, e destruída pela queima ou trituração em pó (compare com Êxodo 32:20; 2 Reis 23:4-5; 2 Crônicas 15:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 6 Deuteronômio 8>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.