Deuteronômio 9

Moisés lembra aos israelitas as suas murmurações e suas infidelidades

1 Ouve, Israel: tu estás hoje para passar o Jordão, para entrar a possuir nações mais numerosas e mais fortes que tu, cidades grandes e fortificadas até o céu,

Comentário de Robert Jamieson

estás hoje – significa que desta vez. Os israelitas haviam chegado aos confins da terra prometida, mas foram obrigados, para sua grande mortificação, a retornar. Mas agora eles certamente deveriam entrar. Nenhum obstáculo poderia impedir sua posse; nem as defesas fortificadas das cidades, nem a resistência dos habitantes gigantescos de quem eles tinham recebido dos espiões uma descrição tão formidável.

cidades grandes e fortificadas até o céu – as cidades orientais geralmente cobrem um espaço muito maior do que as da Europa; pois as casas frequentemente se destacam, com jardins e campos intervindo. Eles estão quase todos cercados por paredes feitas de tijolos queimados ou secos ao sol, com cerca de quarenta metros de altura. Todas as classes no Oriente, mas especialmente as tribos nômades, em sua ignorância de engenharia e artilharia, teriam abandonado em desespero a ideia de um ataque a uma cidade murada, que hoje seria demolida em poucas horas. [JFB, aguardando revisão]

2 Um povo grande e alto, filhos de gigantes, dos quais tens tu conhecimento, e ouviste dizer: Quem resistirá diante dos filhos do gigante?

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) Advertência contra uma concepção de retidão, com a ocasião para a advertência. Como os israelitas estavam prestes a atravessar o Jordão (“hoje”, para indicar que o tempo estava próximo), para tomar posse de nações que eram superiores a eles em tamanho e força (as tribos de Canaã mencionadas em Deuteronômio 7:1), e grandes cidades fortificadas alcançando os céus (compare com Deuteronômio 1: 28), ou seja, a grande e alta nação dos Enakites (Deuteronômio 1:28), diante da qual, como era bem sabido, ninguém podia resistir (התיצּב, como em Deuteronômio 7: 24); e como eles também sabiam que Jeová, seu Deus, ia diante deles para destruir e humilhar estas nações, não deveriam dizer em seu coração, quando isso fosse feito, pois minha justiça Jeová me trouxe para possuir esta terra. Em Deuteronômio 9:3, היּום וידעתּ não deve ser tomado num sentido imperativo, mas como expressivo do fato real, e correspondente a Deuteronômio 9:1, “tu estás para passar”. Israel agora sabia com certeza – isto é, pelo fato, que falava tão poderosamente, de ter tido sucesso contra inimigos que nunca poderia ter conquistado por si mesmo, especialmente contra Sihon e Og – que o Senhor estava indo antes dele, como líder e capitão de Seu povo (Schultz: ver Deuteronômio 1:30). A tríplice repetição de הוּא em Deuteronômio 9:3 é particularmente enfática. “Um fogo consumidor”: como em Deuteronômio 4:24. ישׁמידם הוּא é mais particularmente definido por וגו יכניעם והוּא, que se segue: não, porém, como implicando que השׁמיד não significa destruição completa nesta passagem, mas sim como explicando como a destruição ocorreria. Jeová destruiria os cananeus, derrubando-os, humilhando-os diante de Israel, para que pudessem expulsá-los e destruí-los rapidamente “מהר, depressa, não se opõe mais a Deuteronômio 7:22, “não podes destruí-los depressa”, do que Deus não demora em exigir (Deuteronômio 7:10) se opõe a Sua longanimidade” (Schultz). No que diz respeito à todo-poderosa assistência de Deus, os israelitas rapidamente derrubariam os cananeus; mas para o bem estar de Israel, a destruição só ocorreria gradualmente. “Como Jeová te disse”: em outras palavras, Êxodo 23:23, Êxodo 23:27, e no início do conflito, Deuteronômio 2:24. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 Sabe, pois, hoje que o SENHOR teu Deus é o que passa diante de ti, fogo consumidor, que os destruirá e humilhará diante de ti: e tu os expulsarás, e os destruirás logo, como o SENHOR te disse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) Advertência contra uma concepção de retidão, com a ocasião para a advertência. Como os israelitas estavam prestes a atravessar o Jordão (“hoje”, para indicar que o tempo estava próximo), para tomar posse de nações que eram superiores a eles em tamanho e força (as tribos de Canaã mencionadas em Deuteronômio 7:1), e grandes cidades fortificadas alcançando os céus (compare com Deuteronômio 1: 28), ou seja, a grande e alta nação dos Enakites (Deuteronômio 1:28), diante da qual, como era bem sabido, ninguém podia resistir (התיצּב, como em Deuteronômio 7: 24); e como eles também sabiam que Jeová, seu Deus, ia diante deles para destruir e humilhar estas nações, não deveriam dizer em seu coração, quando isso fosse feito, pois minha justiça Jeová me trouxe para possuir esta terra. Em Deuteronômio 9:3, היּום וידעתּ não deve ser tomado num sentido imperativo, mas como expressivo do fato real, e correspondente a Deuteronômio 9:1, “tu estás para passar”. Israel agora sabia com certeza – isto é, pelo fato, que falava tão poderosamente, de ter tido sucesso contra inimigos que nunca poderia ter conquistado por si mesmo, especialmente contra Sihon e Og – que o Senhor estava indo antes dele, como líder e capitão de Seu povo (Schultz: ver Deuteronômio 1:30). A tríplice repetição de הוּא em Deuteronômio 9:3 é particularmente enfática. “Um fogo consumidor”: como em Deuteronômio 4:24. ישׁמידם הוּא é mais particularmente definido por וגו יכניעם והוּא, que se segue: não, porém, como implicando que השׁמיד não significa destruição completa nesta passagem, mas sim como explicando como a destruição ocorreria. Jeová destruiria os cananeus, derrubando-os, humilhando-os diante de Israel, para que pudessem expulsá-los e destruí-los rapidamente “מהר, depressa, não se opõe mais a Deuteronômio 7:22, “não podes destruí-los depressa”, do que Deus não demora em exigir (Deuteronômio 7:10) se opõe a Sua longanimidade” (Schultz). No que diz respeito à todo-poderosa assistência de Deus, os israelitas rapidamente derrubariam os cananeus; mas para o bem estar de Israel, a destruição só ocorreria gradualmente. “Como Jeová te disse”: em outras palavras, Êxodo 23:23, Êxodo 23:27, e no início do conflito, Deuteronômio 2:24. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Não digas em teu coração quando o SENHOR teu Deus os haverá expulsado de diante de ti, dizendo: Por minha justiça me pôs o SENHOR a possuir esta terra; pois pela impiedade destas nações o SENHOR as expulsa de diante de ti.

Comentário de Robert Jamieson

Moisés toma cuidado especial para guardar os seus compatriotas contra a vaidade de supor que os seus próprios méritos lhes haviam garantido o distinto privilégio. Os cananeus eram uma raça irremediavelmente corrupta e mereciam ser exterminados; mas a história relaciona muitos exemplos notáveis ​​em que Deus puniu as nações corruptas e culpadas pela instrumentalidade de outras pessoas tão ruins quanto elas mesmas. Não foi por causa dos israelitas, mas por amor a si mesmo, pela promessa feita a seus piedosos antepassados ​​e em favor de propósitos elevados e abrangentes de bem para o mundo, que Deus estava prestes a conceder-lhes uma concessão de Canaã. . [JFB, aguardando revisão]

5 Não por tua justiça, nem pela retidão de teu coração entras a possuir a terra deles; mas pela impiedade destas nações o SENHOR teu Deus as expulsa de diante de ti, e para confirmar a palavra que o SENHOR jurou a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-6) Quando, portanto, Jeová expulsou estas nações diante delas (הדף, como em Deuteronômio 6:19), os israelitas não deveriam dizer dentro de si mesmos: “Por (pois, por causa de) minha justiça Jeová me trouxe (me conduziu até aqui) para possuir esta terra”. A seguinte palavra, וּברשׁעת, é adversa: “mas por causa da maldade destas nações”, etc. – Para impressionar profundamente esta verdade sobre o povo, Moisés repete o pensamento mais uma vez em Deuteronômio 9:5. Ao mesmo tempo, ele menciona, além da retidão, retidão ou retidão de coração, para indicar brevemente que as obras externas não constituem verdadeira retidão, mas que um estado de coração reto é indispensável, e então entra mais plenamente nas razões positivas. A maldade dos cananeus foi sem dúvida uma razão suficiente para destruí-los, mas não para dar sua terra ao povo de Israel, uma vez que eles não podiam reivindicar por causa de sua própria retidão. A razão para dar Canaã aos israelitas era simplesmente a promessa de Deus, a palavra que o Senhor tinha falado aos patriarcas sob juramento (compare com Deuteronômio 7:8), e portanto nada mais que a graça gratuita de Deus, – não qualquer mérito por parte dos israelitas que então viviam, pois eles eram um povo “de pescoço duro”, ou seja, uma geração teimosa e impraticável. Com estas palavras, que o próprio Senhor havia aplicado a Israel em Êxodo 32:9; Êxodo 33:3, Êxodo 33:5, Moisés prepara o caminho para passar às razões de sua advertência contra o orgulho egoísta, a saber, os pecados gravíssimos dos israelitas contra o Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Portanto, sabe que não por tua justiça o SENHOR teu Deus te dá esta boa terra para possuí-la; que povo duro de cerviz és tu.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-6) Quando, portanto, Jeová expulsou estas nações diante delas (הדף, como em Deuteronômio 6:19), os israelitas não deveriam dizer dentro de si mesmos: “Por (pois, por causa de) minha justiça Jeová me trouxe (me conduziu até aqui) para possuir esta terra”. A seguinte palavra, וּברשׁעת, é adversa: “mas por causa da maldade destas nações”, etc. – Para impressionar profundamente esta verdade sobre o povo, Moisés repete o pensamento mais uma vez em Deuteronômio 9:5. Ao mesmo tempo, ele menciona, além da retidão, retidão ou retidão de coração, para indicar brevemente que as obras externas não constituem verdadeira retidão, mas que um estado de coração reto é indispensável, e então entra mais plenamente nas razões positivas. A maldade dos cananeus foi sem dúvida uma razão suficiente para destruí-los, mas não para dar sua terra ao povo de Israel, uma vez que eles não podiam reivindicar por causa de sua própria retidão. A razão para dar Canaã aos israelitas era simplesmente a promessa de Deus, a palavra que o Senhor tinha falado aos patriarcas sob juramento (compare com Deuteronômio 7:8), e portanto nada mais que a graça gratuita de Deus, – não qualquer mérito por parte dos israelitas que então viviam, pois eles eram um povo “de pescoço duro”, ou seja, uma geração teimosa e impraticável. Com estas palavras, que o próprio Senhor havia aplicado a Israel em Êxodo 32:9; Êxodo 33:3, Êxodo 33:5, Moisés prepara o caminho para passar às razões de sua advertência contra o orgulho egoísta, a saber, os pecados gravíssimos dos israelitas contra o Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Lembra-te, não te esqueças que provocaste a ira ao SENHOR teu Deus no deserto: desde o dia que saíste da terra do Egito, até que entrastes neste lugar, fostes rebeldes ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

Lembra-te, não te esqueças que provocaste a ira ao SENHOR – Desviar de suas mentes qualquer ideia presunçosa de sua própria justiça, Moisés ensaia seus atos de desobediência e rebelião cometidos tão frequentemente, e em circunstâncias da mais terrível e impressionante solenidade, que eles tinha perdido todas as reivindicações ao favor de Deus. A franqueza e ousadia com que ele deu, e a submissão paciente com a qual o povo suportou, sua recitação de acusações tão desacreditáveis ​​a seu caráter nacional, tem sido frequentemente apelada como entre as muitas evidências da verdade desta história. [JFB, aguardando revisão]

8 E em Horebe provocastes à ira ao SENHOR, e irou-se o SENHOR contra vós para destruir-vos.

Comentário de Keil e Delitzsch

“E mesmo em Horebe provocastes a ira de Jeová”. Pelo vav explic. este pecado é trazido à tona, como tendo sido um pecado especialmente grave. Foi assim por causa das circunstâncias sob as quais foi cometido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Quando eu subi ao monte para receber as tábuas de pedra, as tábuas do pacto que o SENHOR fez convosco, estive então no monte quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber água:

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-19) Quando Moisés subiu a montanha, e ali ficou por quarenta dias, inteiramente ocupado com as coisas mais sagradas, para que não comesse nem bebesse, tendo subido para receber as mesas da lei, sobre as quais estavam escritas as palavras com o dedo de Deus, assim como o Senhor as tinha falado diretamente ao povo, fora do meio do fogo, – numa época, portanto, em que os israelitas também deveriam ter meditado profundamente nas palavras do Senhor que tinham acabado de ouvir, – eles agiram de forma tão corrupta, que se afastaram imediatamente da maneira que havia sido apontada, e se fizeram uma imagem derretida (comp. Exodo 31:18-32:6, com chs. Deuteronômio 24:12-31:17). “O dia da assembléia”, ou seja, o dia em que Moisés reuniu o povo diante de Deus (Deuteronômio 4,10), chamando-os para fora do campo, e levando-os ao Senhor aos pés do Sinai (Êxodo 19,17). A construção da frase é esta: a apodose a “quando eu subi” começa com “o Senhor me entregou”, em Deuteronômio 9:10; e a cláusula “então eu moro”, etc., em Deuteronômio 9:9, é um parêntese. – As palavras de Deus em Deuteronômio 9:12-14 são tomadas quase palavra por palavra do Êxodo 32:7-10. הרף (Deuteronômio 9:14), o Hifil imperativo de רפה, desista de mim, para que eu possa destruí-las, por לּי הנּיחה, em Êxodo 32:10. Mas não obstante a apostasia do povo, o Senhor deu a Moisés as tabelas do pacto, não só para que fossem um testemunho de Sua santidade diante da nação infiel, mas ainda mais como um testemunho de que, apesar de Sua resolução de destruir a nação rebelde, sem deixar um rastro, Ele ainda manteria Seu pacto, e faria de Moisés um povo maior. Não há nada a favor da opinião, que a entrega das mesas (Deuteronômio 9:11) foi o primeiro início das manifestações da ira divina (Schultz); e isto também está em desacordo com o pretérito, נתן, em Deuteronômio 9: 11, do qual é muito evidente que o Senhor já havia dado as mesas a Moisés, quando Ele o mandou descer rapidamente, não apenas para declarar ao povo a santidade de Deus, mas para deter a apostasia, e por sua intervenção mediadora para afastar do povo a execução do propósito divino. É verdade, que quando Moisés desceu e viu a conduta idólatra do povo, ele jogou as duas mesas de suas mãos e as quebrou em pedaços diante dos olhos do povo (Deuteronômio 9:15-17; comp. com Êxodo 32:15-19), como uma declaração prática de que o pacto do Senhor foi quebrado por sua apostasia. Mas este ato de Moisés não fornece nenhuma prova de que o Senhor lhe havia dado as mesas para declarar Sua santa ira aos olhos do povo. E mesmo que as tábuas da aliança fossem “em certo sentido as acusações nas mãos de Moisés, acusando-os de um crime capital” (Schultz), este não era o propósito para o qual Deus tinha dado a ele. Pois se tivesse sido, Moisés não os teria quebrado em pedaços, destruindo, por assim dizer, as próprias acusações, antes que o povo tivesse sido julgado. Moisés passou por cima do fato de que, mesmo antes de descer da montanha, esforçou-se para mitigar a ira do Senhor por sua intercessão (Êxodo 32:11-14), e simplesmente mencionou (em Deuteronômio 9:15-17) como, assim que desceu, acusou o povo de seu grande pecado; e então, em Deuteronômio 9: 18, Deuteronômio 9:19, como ele passou mais quarenta dias na montanha jejuando diante de Deus, por causa deste pecado, até ter evitado a ira destrutiva do Senhor de Israel, por sua sincera intercessão. Os quarenta dias que Moisés passou na montanha, “como no primeiro”, em oração diante do Senhor, são os dias mencionados em Êxodo 34:28 como tendo sido passados ao Sinai para a perfeita restauração do pacto, e com o propósito de obter as segundas tabelas (compare com Deuteronômio 10:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E deu-me o SENHOR as duas tábuas de pedra escritas com o dedo de Deus; e nelas estava escrito conforme todas as palavras que vos falou o SENHOR no monte do meio do fogo, no dia da assembleia.

Comentário de C. H. Waller

duas tábuas de pedra. Dessas tábuas é dito em Êxodo 32:16, “as tábuas eram obra de Deus, e a escrita era a escrita de Deus, esculpida nas tábuas”. [Ellicott, aguardando revisão]

11 E foi ao fim dos quarenta dias e quarenta noites, que o SENHOR me deu as duas tábuas de pedra, as tábuas do pacto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-19) Quando Moisés subiu a montanha, e ali ficou por quarenta dias, inteiramente ocupado com as coisas mais sagradas, para que não comesse nem bebesse, tendo subido para receber as mesas da lei, sobre as quais estavam escritas as palavras com o dedo de Deus, assim como o Senhor as tinha falado diretamente ao povo, fora do meio do fogo, – numa época, portanto, em que os israelitas também deveriam ter meditado profundamente nas palavras do Senhor que tinham acabado de ouvir, – eles agiram de forma tão corrupta, que se afastaram imediatamente da maneira que havia sido apontada, e se fizeram uma imagem derretida (comp. Exodo 31:18-32:6, com chs. Deuteronômio 24:12-31:17). “O dia da assembléia”, ou seja, o dia em que Moisés reuniu o povo diante de Deus (Deuteronômio 4,10), chamando-os para fora do campo, e levando-os ao Senhor aos pés do Sinai (Êxodo 19,17). A construção da frase é esta: a apodose a “quando eu subi” começa com “o Senhor me entregou”, em Deuteronômio 9:10; e a cláusula “então eu moro”, etc., em Deuteronômio 9:9, é um parêntese. – As palavras de Deus em Deuteronômio 9:12-14 são tomadas quase palavra por palavra do Êxodo 32:7-10. הרף (Deuteronômio 9:14), o Hifil imperativo de רפה, desista de mim, para que eu possa destruí-las, por לּי הנּיחה, em Êxodo 32:10. Mas não obstante a apostasia do povo, o Senhor deu a Moisés as tabelas do pacto, não só para que fossem um testemunho de Sua santidade diante da nação infiel, mas ainda mais como um testemunho de que, apesar de Sua resolução de destruir a nação rebelde, sem deixar um rastro, Ele ainda manteria Seu pacto, e faria de Moisés um povo maior. Não há nada a favor da opinião, que a entrega das mesas (Deuteronômio 9:11) foi o primeiro início das manifestações da ira divina (Schultz); e isto também está em desacordo com o pretérito, נתן, em Deuteronômio 9: 11, do qual é muito evidente que o Senhor já havia dado as mesas a Moisés, quando Ele o mandou descer rapidamente, não apenas para declarar ao povo a santidade de Deus, mas para deter a apostasia, e por sua intervenção mediadora para afastar do povo a execução do propósito divino. É verdade, que quando Moisés desceu e viu a conduta idólatra do povo, ele jogou as duas mesas de suas mãos e as quebrou em pedaços diante dos olhos do povo (Deuteronômio 9:15-17; comp. com Êxodo 32:15-19), como uma declaração prática de que o pacto do Senhor foi quebrado por sua apostasia. Mas este ato de Moisés não fornece nenhuma prova de que o Senhor lhe havia dado as mesas para declarar Sua santa ira aos olhos do povo. E mesmo que as tábuas da aliança fossem “em certo sentido as acusações nas mãos de Moisés, acusando-os de um crime capital” (Schultz), este não era o propósito para o qual Deus tinha dado a ele. Pois se tivesse sido, Moisés não os teria quebrado em pedaços, destruindo, por assim dizer, as próprias acusações, antes que o povo tivesse sido julgado. Moisés passou por cima do fato de que, mesmo antes de descer da montanha, esforçou-se para mitigar a ira do Senhor por sua intercessão (Êxodo 32:11-14), e simplesmente mencionou (em Deuteronômio 9:15-17) como, assim que desceu, acusou o povo de seu grande pecado; e então, em Deuteronômio 9: 18, Deuteronômio 9:19, como ele passou mais quarenta dias na montanha jejuando diante de Deus, por causa deste pecado, até ter evitado a ira destrutiva do Senhor de Israel, por sua sincera intercessão. Os quarenta dias que Moisés passou na montanha, “como no primeiro”, em oração diante do Senhor, são os dias mencionados em Êxodo 34:28 como tendo sido passados ao Sinai para a perfeita restauração do pacto, e com o propósito de obter as segundas tábuas (compare com Deuteronômio 10:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E disse-me o SENHOR: Levanta-te, desce logo daqui; que teu povo que tiraste do Egito se corrompeu: logo se apartaram do caminho que eu lhes mandei: fizeram para si uma efígie de fundição.

Comentário de Robert Jamieson

Levanta-te, desce logo daqui; que teu povose corrompeu – Com o objetivo de humilhá-los efetivamente, Moisés procede a particularizar algumas das instâncias mais atrozes de sua infidelidade. Ele começa com a impiedade do bezerro de ouro – uma impiedade que, enquanto sua emancipação milagrosa do Egito, as demonstrações mais estupendas da Divina Majestade que foram exibidas no monte ao lado, e a recente ratificação da aliança pela qual eles se comprometeram a agir como o povo de Deus estava fresco na memória, indicava um grau de inconstância ou degradação quase inacreditável. [JFB, aguardando revisão]

13 E falou-me o SENHOR, dizendo: Vi esse povo, e eis que ele é povo duro de cerviz:

Comentário de John W. Lindsay

(12-14) As palavras de Jeová são tiradas quase literalmente de Êxodo 33:7-10. [Lindsay, aguardando revisão]

14 Deixa-me que os destrua, e apague seu nome de debaixo do céu; que eu te porei sobre gente forte e muito mais que eles.

Comentário de John W. Lindsay

(12-14) As palavras de Jeová são tiradas quase literalmente de Êxodo 33:7-10. [Lindsay, aguardando revisão]

15 E voltei e desci do monte, o qual ardia em fogo, com as tábuas do pacto em minhas duas mãos.

Compare com Êxodo 32:15.

16 E olhei, e eis que havíeis pecado contra o SENHOR vosso Deus: Havíeis feito para vós um bezerro de fundição, desviando-vos logo do caminho que o SENHOR vos havia mandado.

Comentário de C. H. Waller

desviando-vos logo. As palavras de Jeová em Deuteronômio 9:16, repetidas aqui, e também registradas em Êxodo 32:8. Não há nada mais triste na experiência humana do que a rapidez com que as boas resoluções e impressões desaparecem do coração natural do homem. [Ellicott, aguardando revisão]

17 Então tomei as duas tábuas, e lancei-as de minhas duas mãos, e quebrei-as diante vossos olhos.

Comentário de Robert Jamieson

Não no calor da paixão intempestiva, mas em justa indignação, do zelo para reivindicar a honra imaculada de Deus, e pela sugestão de Seu Espírito para intimar que a aliança tivesse foi quebrado, e as pessoas excluídas do favor divino. [JFB, aguardando revisão]

18 E prostrei-me diante do SENHOR, como antes, quarenta dias e quarenta noites: não comi pão nem bebi água, por causa de todo vosso pecado que havíeis cometido fazendo mal aos olhos do SENHOR para irá-lo.

Comentário de Robert Jamieson

E prostrei-me diante do SENHOR – A reação repentina e dolorosa que esta cena de folia pagã produziu na mente do líder piedoso e patriótico pode ser mais facilmente imaginada do que descrita. Grandes e pecados públicos pedem temporadas de extraordinária humilhação, e em sua profunda aflição pela terrível apostasia, ele parece ter realizado um jejum milagroso tanto quanto antes. [JFB, aguardando revisão]

19 Porque temi por causa do furor e da ira com que o SENHOR estava irritado contra vós para destruir-vos. Porém o SENHOR me ouviu ainda esta vez.

Comentário de John Gill

Porque temi por causa do furor e da ira com que o SENHOR estava irritado contra vós. O que foi extremamente veemente, como apareceu em suas palavras a Moisés, proibindo interceder por eles, para que os consumisse e fizesse dele uma nação maior.

Porém o SENHOR me ouviu ainda esta vez. Como em outros tempos, quando este povo tinha pecado, e ele implorou por eles; no qual ele era um tipo de Cristo, o Mediador e Advogado, que o Pai sempre ouve.  [Gill, aguardando revisão]

20 Contra Arão também se irou o SENHOR em grande maneira para destruí-lo: e também orei por Arão então.

Comentário de Robert Jamieson

Ao permitir-se ser dominado pela corrente do clamor popular, Arão tornou-se participante da culpa da idolatria e teria sofrido a penalidade de seu cumprimento pecaminoso, não tinha a sincera intercessão. de Moisés em seu nome prevaleceu. [JFB, aguardando revisão]

21 E tomei vosso pecado, o bezerro que havíeis feito, e queimei no fogo, e o esmigalhei moendo-o muito bem, até que foi reduzido a pó: e lancei o pó dele no ribeiro que descia do monte.

Comentário de Robert Jamieson

lancei o pó dele no ribeiro que descia do monte – isto é, “a pedra ferida” (El Leja), que provavelmente era contígua a, ou uma parte do Sinai. É muito raro lembrar que, embora os israelitas recebessem água dessa rocha quando estavam em Rephidim (Wady Feiran), não há nada na narrativa bíblica que nos leve a supor que a rocha estava na vizinhança imediata. daquele lugar (ver Êxodo 17:5). A água nesta rocha ferida era provavelmente o riacho que descia do monte. A água pode ter fluído a uma distância de muitos quilômetros da rocha, como as torrentes de inverno fazem agora através das pradarias da Arábia-Petraea (Salmo 78:15-16). E a rocha pode ter sido ferida em tal altura, e em um ponto que tenha tal relação com os vales Sinaíticos, a fim de fornecer provisões de água para os israelitas durante a jornada de Horebe pelo caminho do monte Seir e Cades-Barnéia (Deuteronômio 1:1-2). Nesta suposição, uma nova luz é, talvez, lançada na linguagem figurada do apóstolo, quando ele fala da “rocha que segue” os israelitas (1Coríntios 10:4) [Wilson, Terra da Bíblia]. diante do Senhor quarenta dias e quarenta noites, ao cair ao primeiro – Depois da enumeração de vários atos de rebeldia, ele mencionou o surto em Cades-Barnéia, que, numa leitura superficial desse verso, parecia levaram Moisés a uma terceira e prolongada temporada de humilhação. Mas em uma comparação desta passagem com Números 14:5, o assunto e linguagem desta oração mostram que somente o segundo ato de intercessão (Deuteronômio 9:18) é agora descrito em mais detalhes. [JFB, aguardando revisão]

22 Também em Taberá, e em Massá, e em Quibrote-Hataavá, irritastes ao SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) E não foi somente nesta ocasião, em outras palavras, em Horeb, que Israel despertou a ira do Senhor seu Deus por seu pecado, mas o fez repetidamente em outros lugares: em Tabeerah, por descontentamento com a orientação de Deus (Números 11:1-3); em Massah, por murmuração por causa da falta de água (Êxodo 17:1). ); nos túmulos da luxúria, por desejo de carne (Números 11:4.); e em Cades-Barneia, por descrença, da qual já haviam sido lembrados em Deuteronômio 1:26. A lista não está disposta cronologicamente, mas avança gradualmente das formas menores para as mais graves de culpa. Pois Moisés procurava aguçar as consciências do povo, e impressionar sobre eles o fato de que tinham sido rebeldes contra o Senhor (ver em Deuteronômio 9:7) desde o início, “desde o dia em que eu vos conheci”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E quando o SENHOR vos enviou desde Cades-Barneia, dizendo: Subi e possuí a terra que eu vos dei; também fostes rebeldes ao dito do SENHOR vosso Deus, e não o crestes, nem obedecestes à sua voz.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) E não foi somente nesta ocasião, em outras palavras, em Horeb, que Israel despertou a ira do Senhor seu Deus por seu pecado, mas o fez repetidamente em outros lugares: em Tabeerah, por descontentamento com a orientação de Deus (Números 11:1-3); em Massah, por murmuração por causa da falta de água (Êxodo 17:1). ); nos túmulos da luxúria, por desejo de carne (Números 11:4.); e em Cades-Barneia, por descrença, da qual já haviam sido lembrados em Deuteronômio 1:26. A lista não está disposta cronologicamente, mas avança gradualmente das formas menores para as mais graves de culpa. Pois Moisés procurava aguçar as consciências do povo, e impressionar sobre eles o fato de que tinham sido rebeldes contra o Senhor (ver em Deuteronômio 9:7) desde o início, “desde o dia em que eu vos conheci”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Rebeldes fostes ao SENHOR desde o dia que eu vos conheço.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) E não foi somente nesta ocasião, em outras palavras, em Horeb, que Israel despertou a ira do Senhor seu Deus por seu pecado, mas o fez repetidamente em outros lugares: em Tabeerah, por descontentamento com a orientação de Deus (Números 11:1-3); em Massah, por murmuração por causa da falta de água (Êxodo 17:1). ); nos túmulos da luxúria, por desejo de carne (Números 11:4.); e em Cades-Barneia, por descrença, da qual já haviam sido lembrados em Deuteronômio 1:26. A lista não está disposta cronologicamente, mas avança gradualmente das formas menores para as mais graves de culpa. Pois Moisés procurava aguçar as consciências do povo, e impressionar sobre eles o fato de que tinham sido rebeldes contra o Senhor (ver em Deuteronômio 9:7) desde o início, “desde o dia em que eu vos conheci”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Prostrei-me, pois, diante do SENHOR quarenta dias e quarenta noites que estive prostrado; porque o SENHOR disse que vos havia de destruir.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-29) Depois de vindicar desta forma o pensamento expresso em Deuteronômio 9:7, enumerando as principais rebeliões do povo contra seu Deus, Moisés retorna em Deuteronômio 9:25. à apostasia no Sinai, com o propósito de mostrar ainda mais como Israel não tinha nenhuma justiça ou terreno para se vangloriar diante de Deus, e devia sua preservação, com todas as bênçãos salvadoras do pacto, unicamente à misericórdia de Deus e sua fidelidade ao pacto. Para isso, ele repete em Deuteronômio 9:26-29 os pontos essenciais de sua intercessão pelo povo após seu pecado no Sinai, e depois continua a explicar ainda mais, em Deuteronomio 10:1-11, como o Senhor não só renovou as tabelas do pacto em conseqüência desta intercessão (Deuteronômio 10:1-5), mas também tinha estabelecido a graciosa instituição do sacerdócio para o futuro, nomeando Eleazar no lugar de Arão assim que seu pai morreu, e separando a tribo de Levi para carregar a arca do pacto e assistir ao serviço sagrado, e tinha ordenado que continuassem sua marcha para Canaã, e tomassem posse da terra prometida aos pais (Deuteronômio 10:6-11). Com as palavras “assim caí”, em Deuteronômio 9:25, Moisés retorna à intercessão já brevemente mencionada em Deuteronômio 9:18, e relembra à lembrança do povo os traços essenciais de sua súplica na época. Para as palavras “os quarenta dias e noites em que caí”, ver em Deuteronômio 1:46. A substância da intercessão em Deuteronômio 9,26-29 é essencialmente a mesma que em Êxodo 32,11-13; mas dada com tal liberdade como qualquer outra que não Moisés dificilmente teria se permitido (Schultz), e de forma a trazê-la para a relação mais óbvia com as palavras de Deus em Deuteronômio 9,12, Deuteronômio 9,13. אל-תּשׁחת, “Não destruas o Teu povo e a Tua herança”, diz Moisés, com referência às palavras do Senhor para ele: “Teu povo se corrompeu” (Deuteronômio 9:12). Israel não era a nação de Moisés, mas a nação e a herança de Jeová; não foi Moisés, mas Jeová, que o tirou do Egito. É verdade, o povo era de dura cerviz (compare com Deuteronômio 9:13); mas que o Senhor se lembre dos pais, do juramento feito a Abraão, que é expressamente mencionado no Êxodo 32: 13 (ver em Deuteronômio 7:8), e não se voltar para a rigidez do povo (קשׁי equivalente a ערף קשׁה, Deuteronômio 9:13 e Deuteronômio 9:6), e para sua maldade e pecado (i. e., não os considerar e puni-los). A honra do Senhor perante as nações estava preocupada nisto (Deuteronômio 9:28). A terra de onde Israel saiu (“a terra” é igual ao povo da terra, como em Gênesis 10:25, etc., em outras palavras, os egípcios: a palavra é interpretada como um coletivo com um verbo plural) não deve ter ocasião de dizer, que Jeová não tinha conduzido Seu povo à terra prometida por incapacidade ou ódio. יכלת מבּלי recorda os números 14:16. Assim como a “incapacidade” seria oposta à natureza do Deus absoluto, também o “ódio” seria oposto à escolha de Israel como herança de Jeová, que Ele havia trazido do Egito por Seu divino e onipotente poder (compare com Êxodo 6:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E orei ao SENHOR, dizendo: Ó Senhor DEUS, não destruas teu povo e tua herança que resgataste com tua grandeza, ao qual tiraste do Egito com mão forte.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-29) Depois de vindicar desta forma o pensamento expresso em Deuteronômio 9:7, enumerando as principais rebeliões do povo contra seu Deus, Moisés retorna em Deuteronômio 9:25. à apostasia no Sinai, com o propósito de mostrar ainda mais como Israel não tinha nenhuma justiça ou terreno para se vangloriar diante de Deus, e devia sua preservação, com todas as bênçãos salvadoras do pacto, unicamente à misericórdia de Deus e sua fidelidade ao pacto. Para isso, ele repete em Deuteronômio 9:26-29 os pontos essenciais de sua intercessão pelo povo após seu pecado no Sinai, e depois continua a explicar ainda mais, em Deuteronomio 10:1-11, como o Senhor não só renovou as tabelas do pacto em conseqüência desta intercessão (Deuteronômio 10:1-5), mas também tinha estabelecido a graciosa instituição do sacerdócio para o futuro, nomeando Eleazar no lugar de Arão assim que seu pai morreu, e separando a tribo de Levi para carregar a arca do pacto e assistir ao serviço sagrado, e tinha ordenado que continuassem sua marcha para Canaã, e tomassem posse da terra prometida aos pais (Deuteronômio 10:6-11). Com as palavras “assim caí”, em Deuteronômio 9:25, Moisés retorna à intercessão já brevemente mencionada em Deuteronômio 9:18, e relembra à lembrança do povo os traços essenciais de sua súplica na época. Para as palavras “os quarenta dias e noites em que caí”, ver em Deuteronômio 1:46. A substância da intercessão em Deuteronômio 9,26-29 é essencialmente a mesma que em Êxodo 32,11-13; mas dada com tal liberdade como qualquer outra que não Moisés dificilmente teria se permitido (Schultz), e de forma a trazê-la para a relação mais óbvia com as palavras de Deus em Deuteronômio 9,12, Deuteronômio 9,13. אל-תּשׁחת, “Não destruas o Teu povo e a Tua herança”, diz Moisés, com referência às palavras do Senhor para ele: “Teu povo se corrompeu” (Deuteronômio 9:12). Israel não era a nação de Moisés, mas a nação e a herança de Jeová; não foi Moisés, mas Jeová, que o tirou do Egito. É verdade, o povo era de dura cerviz (compare com Deuteronômio 9:13); mas que o Senhor se lembre dos pais, do juramento feito a Abraão, que é expressamente mencionado no Êxodo 32: 13 (ver em Deuteronômio 7:8), e não se voltar para a rigidez do povo (קשׁי equivalente a ערף קשׁה, Deuteronômio 9:13 e Deuteronômio 9:6), e para sua maldade e pecado (i. e., não os considerar e puni-los). A honra do Senhor perante as nações estava preocupada nisto (Deuteronômio 9:28). A terra de onde Israel saiu (“a terra” é igual ao povo da terra, como em Gênesis 10:25, etc., em outras palavras, os egípcios: a palavra é interpretada como um coletivo com um verbo plural) não deve ter ocasião de dizer, que Jeová não tinha conduzido Seu povo à terra prometida por incapacidade ou ódio. יכלת מבּלי recorda os números 14:16. Assim como a “incapacidade” seria oposta à natureza do Deus absoluto, também o “ódio” seria oposto à escolha de Israel como herança de Jeová, que Ele havia trazido do Egito por Seu divino e onipotente poder (compare com Êxodo 6:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 Lembra-te de teus servos Abraão, Isaque, e Jacó; não olhes à dureza deste povo, nem a sua impiedade, nem a seu pecado:

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-29) Depois de vindicar desta forma o pensamento expresso em Deuteronômio 9:7, enumerando as principais rebeliões do povo contra seu Deus, Moisés retorna em Deuteronômio 9:25. à apostasia no Sinai, com o propósito de mostrar ainda mais como Israel não tinha nenhuma justiça ou terreno para se vangloriar diante de Deus, e devia sua preservação, com todas as bênçãos salvadoras do pacto, unicamente à misericórdia de Deus e sua fidelidade ao pacto. Para isso, ele repete em Deuteronômio 9:26-29 os pontos essenciais de sua intercessão pelo povo após seu pecado no Sinai, e depois continua a explicar ainda mais, em Deuteronomio 10:1-11, como o Senhor não só renovou as tabelas do pacto em conseqüência desta intercessão (Deuteronômio 10:1-5), mas também tinha estabelecido a graciosa instituição do sacerdócio para o futuro, nomeando Eleazar no lugar de Arão assim que seu pai morreu, e separando a tribo de Levi para carregar a arca do pacto e assistir ao serviço sagrado, e tinha ordenado que continuassem sua marcha para Canaã, e tomassem posse da terra prometida aos pais (Deuteronômio 10:6-11). Com as palavras “assim caí”, em Deuteronômio 9:25, Moisés retorna à intercessão já brevemente mencionada em Deuteronômio 9:18, e relembra à lembrança do povo os traços essenciais de sua súplica na época. Para as palavras “os quarenta dias e noites em que caí”, ver em Deuteronômio 1:46. A substância da intercessão em Deuteronômio 9,26-29 é essencialmente a mesma que em Êxodo 32,11-13; mas dada com tal liberdade como qualquer outra que não Moisés dificilmente teria se permitido (Schultz), e de forma a trazê-la para a relação mais óbvia com as palavras de Deus em Deuteronômio 9,12, Deuteronômio 9,13. אל-תּשׁחת, “Não destruas o Teu povo e a Tua herança”, diz Moisés, com referência às palavras do Senhor para ele: “Teu povo se corrompeu” (Deuteronômio 9:12). Israel não era a nação de Moisés, mas a nação e a herança de Jeová; não foi Moisés, mas Jeová, que o tirou do Egito. É verdade, o povo era de dura cerviz (compare com Deuteronômio 9:13); mas que o Senhor se lembre dos pais, do juramento feito a Abraão, que é expressamente mencionado no Êxodo 32: 13 (ver em Deuteronômio 7:8), e não se voltar para a rigidez do povo (קשׁי equivalente a ערף קשׁה, Deuteronômio 9:13 e Deuteronômio 9:6), e para sua maldade e pecado (i. e., não os considerar e puni-los). A honra do Senhor perante as nações estava preocupada nisto (Deuteronômio 9:28). A terra de onde Israel saiu (“a terra” é igual ao povo da terra, como em Gênesis 10:25, etc., em outras palavras, os egípcios: a palavra é interpretada como um coletivo com um verbo plural) não deve ter ocasião de dizer, que Jeová não tinha conduzido Seu povo à terra prometida por incapacidade ou ódio. יכלת מבּלי recorda os números 14:16. Assim como a “incapacidade” seria oposta à natureza do Deus absoluto, também o “ódio” seria oposto à escolha de Israel como herança de Jeová, que Ele havia trazido do Egito por Seu divino e onipotente poder (compare com Êxodo 6:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 Porque não digam os da terra de onde nos tiraste: Porquanto não pôde o SENHOR introduzi-los na terra que lhes havia dito, ou porque os aborrecia, os tirou para matá-los no deserto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-29) Depois de vindicar desta forma o pensamento expresso em Deuteronômio 9:7, enumerando as principais rebeliões do povo contra seu Deus, Moisés retorna em Deuteronômio 9:25. à apostasia no Sinai, com o propósito de mostrar ainda mais como Israel não tinha nenhuma justiça ou terreno para se vangloriar diante de Deus, e devia sua preservação, com todas as bênçãos salvadoras do pacto, unicamente à misericórdia de Deus e sua fidelidade ao pacto. Para isso, ele repete em Deuteronômio 9:26-29 os pontos essenciais de sua intercessão pelo povo após seu pecado no Sinai, e depois continua a explicar ainda mais, em Deuteronomio 10:1-11, como o Senhor não só renovou as tabelas do pacto em conseqüência desta intercessão (Deuteronômio 10:1-5), mas também tinha estabelecido a graciosa instituição do sacerdócio para o futuro, nomeando Eleazar no lugar de Arão assim que seu pai morreu, e separando a tribo de Levi para carregar a arca do pacto e assistir ao serviço sagrado, e tinha ordenado que continuassem sua marcha para Canaã, e tomassem posse da terra prometida aos pais (Deuteronômio 10:6-11). Com as palavras “assim caí”, em Deuteronômio 9:25, Moisés retorna à intercessão já brevemente mencionada em Deuteronômio 9:18, e relembra à lembrança do povo os traços essenciais de sua súplica na época. Para as palavras “os quarenta dias e noites em que caí”, ver em Deuteronômio 1:46. A substância da intercessão em Deuteronômio 9,26-29 é essencialmente a mesma que em Êxodo 32,11-13; mas dada com tal liberdade como qualquer outra que não Moisés dificilmente teria se permitido (Schultz), e de forma a trazê-la para a relação mais óbvia com as palavras de Deus em Deuteronômio 9,12, Deuteronômio 9,13. אל-תּשׁחת, “Não destruas o Teu povo e a Tua herança”, diz Moisés, com referência às palavras do Senhor para ele: “Teu povo se corrompeu” (Deuteronômio 9:12). Israel não era a nação de Moisés, mas a nação e a herança de Jeová; não foi Moisés, mas Jeová, que o tirou do Egito. É verdade, o povo era de dura cerviz (compare com Deuteronômio 9:13); mas que o Senhor se lembre dos pais, do juramento feito a Abraão, que é expressamente mencionado no Êxodo 32: 13 (ver em Deuteronômio 7:8), e não se voltar para a rigidez do povo (קשׁי equivalente a ערף קשׁה, Deuteronômio 9:13 e Deuteronômio 9:6), e para sua maldade e pecado (i. e., não os considerar e puni-los). A honra do Senhor perante as nações estava preocupada nisto (Deuteronômio 9:28). A terra de onde Israel saiu (“a terra” é igual ao povo da terra, como em Gênesis 10:25, etc., em outras palavras, os egípcios: a palavra é interpretada como um coletivo com um verbo plural) não deve ter ocasião de dizer, que Jeová não tinha conduzido Seu povo à terra prometida por incapacidade ou ódio. יכלת מבּלי recorda os números 14:16. Assim como a “incapacidade” seria oposta à natureza do Deus absoluto, também o “ódio” seria oposto à escolha de Israel como herança de Jeová, que Ele havia trazido do Egito por Seu divino e onipotente poder (compare com Êxodo 6:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 E eles são teu povo e tua herança, que tiraste com tua grande força e com teu braço estendido.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-29) Depois de vindicar desta forma o pensamento expresso em Deuteronômio 9:7, enumerando as principais rebeliões do povo contra seu Deus, Moisés retorna em Deuteronômio 9:25. à apostasia no Sinai, com o propósito de mostrar ainda mais como Israel não tinha nenhuma justiça ou terreno para se vangloriar diante de Deus, e devia sua preservação, com todas as bênçãos salvadoras do pacto, unicamente à misericórdia de Deus e sua fidelidade ao pacto. Para isso, ele repete em Deuteronômio 9:26-29 os pontos essenciais de sua intercessão pelo povo após seu pecado no Sinai, e depois continua a explicar ainda mais, em Deuteronomio 10:1-11, como o Senhor não só renovou as tabelas do pacto em conseqüência desta intercessão (Deuteronômio 10:1-5), mas também tinha estabelecido a graciosa instituição do sacerdócio para o futuro, nomeando Eleazar no lugar de Arão assim que seu pai morreu, e separando a tribo de Levi para carregar a arca do pacto e assistir ao serviço sagrado, e tinha ordenado que continuassem sua marcha para Canaã, e tomassem posse da terra prometida aos pais (Deuteronômio 10:6-11). Com as palavras “assim caí”, em Deuteronômio 9:25, Moisés retorna à intercessão já brevemente mencionada em Deuteronômio 9:18, e relembra à lembrança do povo os traços essenciais de sua súplica na época. Para as palavras “os quarenta dias e noites em que caí”, ver em Deuteronômio 1:46. A substância da intercessão em Deuteronômio 9,26-29 é essencialmente a mesma que em Êxodo 32,11-13; mas dada com tal liberdade como qualquer outra que não Moisés dificilmente teria se permitido (Schultz), e de forma a trazê-la para a relação mais óbvia com as palavras de Deus em Deuteronômio 9,12, Deuteronômio 9,13. אל-תּשׁחת, “Não destruas o Teu povo e a Tua herança”, diz Moisés, com referência às palavras do Senhor para ele: “Teu povo se corrompeu” (Deuteronômio 9:12). Israel não era a nação de Moisés, mas a nação e a herança de Jeová; não foi Moisés, mas Jeová, que o tirou do Egito. É verdade, o povo era de dura cerviz (compare com Deuteronômio 9:13); mas que o Senhor se lembre dos pais, do juramento feito a Abraão, que é expressamente mencionado no Êxodo 32: 13 (ver em Deuteronômio 7:8), e não se voltar para a rigidez do povo (קשׁי equivalente a ערף קשׁה, Deuteronômio 9:13 e Deuteronômio 9:6), e para sua maldade e pecado (i. e., não os considerar e puni-los). A honra do Senhor perante as nações estava preocupada nisto (Deuteronômio 9:28). A terra de onde Israel saiu (“a terra” é igual ao povo da terra, como em Gênesis 10:25, etc., em outras palavras, os egípcios: a palavra é interpretada como um coletivo com um verbo plural) não deve ter ocasião de dizer, que Jeová não tinha conduzido Seu povo à terra prometida por incapacidade ou ódio. יכלת מבּלי recorda os números 14:16. Assim como a “incapacidade” seria oposta à natureza do Deus absoluto, também o “ódio” seria oposto à escolha de Israel como herança de Jeová, que Ele havia trazido do Egito por Seu divino e onipotente poder (compare com Êxodo 6:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 8 Deuteronômio 10>

Introdução à Deuteronômio 9

Além do orgulho mais vulgar que esquece completamente Deus e atribui o sucesso e a prosperidade a seu próprio poder e esforço, há um de caráter mais refinado, que se espalha muito facilmente – o orgulho que reconhece as bênçãos de Deus; mas em vez de recebê-las com gratidão, como dons imerecidos da graça do Senhor, não vê nelas nada além de provas de sua própria retidão e virtude. Moisés, portanto, advertiu os israelitas mais particularmente sobre este perigoso inimigo da alma, declarando antes de tudo, sem reservas, que o Senhor não estava prestes a dar-lhes Canaã por causa de sua própria justiça, mas que Ele exterminaria os cananeus por sua própria maldade (Deuteronômio 9: 1-6); e depois mostrando-lhes por sua humilhação, por provas tiradas do passado imediato, como tinham trazido sobre si a ira do Senhor, por sua apostasia e rebelião contra seu Deus, logo após a conclusão da aliança no Sinai; e que, de tal forma, foi somente por sua sincera intercessão que ele conseguiu impedir a destruição do povo (Deuteronômio 9: “O Senhor não se deu ao luxo de destruir o povo”): 7-24), e assegurar uma nova renovação das promessas do pacto (Deuteronômio 9:25-10:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.