Deuteronômio 10

A misericórdia de Deus em restaurar as duas tábuas

1 Naquele tempo o SENHOR me disse: Lavra para ti duas tábuas de pedra como as primeiras, e sobe a mim ao monte, e faze para ti uma arca de madeira:

Comentário de Robert Jamieson

Foi quando Deus foi pacificado pelas intercessões de Moisés com o povo que tão grandemente O ofendeu pela adoração do bezerro de ouro. O líder obediente executou as ordens que recebera quanto à preparação tanto das pedras cortadas quanto da arca ou do baú em que esses arquivos sagrados deviam ser depositados. [JFB, aguardando revisão]

2 E escreverei naquelas tábuas palavras que estavam nas tábuas primeiras que quebraste; e as porás na arca.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-5) Em Deuteronomio 10:1-5, Moisés relata brevemente o sucesso de sua sincera intercessão. “Naquele tempo”, de sua intercessão, Deus lhe ordenou que lavrasse novas mesas e preparasse uma arca na qual as guardasse (compare com Êxodo 34:1.). Também aqui, Moisés une as coisas que estavam substancialmente ligadas, sem limitar-se estritamente à ordem cronológica, que já era bem conhecida do relato histórico, na medida em que isso não era exigido pelo objeto geral de seu endereço. Deus já havia dado instruções para a preparação da arca do pacto, antes da apostasia da nação (Êxodo 25:10.); mas ela só foi feita depois que o tabernáculo foi construído, e as tábuas só foram depositadas na arca quando o tabernáculo foi consagrado (Êxodo 40:20). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E fiz uma arca de madeira de acácia, e lavrei duas tábuas de pedra como as primeiras, e subi ao monte com as duas tábuas em minha mão.

Comentário de Robert Jamieson

fiz uma arca de madeira de acácia – Parece, no entanto, a partir de Êxodo 37:1, que a arca não foi enquadrada até o seu retorno do monte, ou muito provavelmente, ele deu instruções para Bezaleel, o artista empregado no trabalho, antes que subisse ao monte – que, em sua descida, pudesse estar terminado e pronto para receber o precioso depósito. [JFB, aguardando revisão]

4 E escreveu nas tábuas conforme a primeira escritura, os dez mandamentos que o SENHOR vos havia falado no monte do meio do fogo, no dia da assembleia; e as deu a mim o SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

E escreveu nas tábuas conforme a primeira escritura – isto é, não Moisés, que sob a direção divina agiu como amanuense, mas o próprio Deus que fez esta inscrição uma segunda vez com suas próprias mãos, para testemunhar a importância que Ele atribuiu à dez Mandamentos. Diferente de outros monumentos de pedra da antiguidade, que eram feitos para ficarem eretos e ao ar livre, aqueles sobre os quais a lei divina era gravada eram portáteis, e projetados para serem guardados como um tesouro. Josefo diz que cada uma das tabelas continha cinco preceitos. Mas a tradição geralmente aceita, tanto entre escritores judeus como cristãos, é que uma tabela continha quatro preceitos, e os outros seis. [JFB, aguardando revisão]

5 E voltei e desci do monte, e pus as tábuas na arca que havia feito; e ali estão, como o SENHOR me mandou.

Comentário de Robert Jamieson

ali estão, como o SENHOR me mandou – Aqui está outro detalhe, porém importante, cuja menção pública naquela ocasião atesta a veracidade do historiador sagrado. [JFU]

6 (Depois partiram os filhos de Israel de Beerote-Bene-Jacacã a Moserá: ali morreu Arão, e ali foi sepultado; e em lugar seu teve o sacerdócio seu filho Eleazar.

Comentário de Robert Jamieson

Depois partiram os filhos de Israel de Beerote-Bene-Jacacã a Moserá – Então uma mudança repentina de um discurso falado para uma narrativa histórica tem intrigado muito os mais eminentes estudiosos da Bíblia, alguns dos quais rejeitam os parênteses como uma interpolação manifesta. Mas ela é encontrada nos manuscritos hebraicos mais antigos e, acreditando que tudo contido neste livro foi dado por inspiração e tem direito a um profundo respeito, devemos recebê-lo como está, embora reconhecendo nossa incapacidade de explicar a inserção desses acampamentos. detalhes neste lugar. Há outra dificuldade na narrativa em si. As estações que os israelitas dizem que ocuparam sucessivamente são enumeradas aqui em uma ordem diferente de Números 33:31. Que os nomes das estações nas duas passagens sejam os mesmos, não pode haver dúvida; mas, em Números, eles provavelmente são mencionados em referência à primeira visita dos hebreus durante a longa viagem ao sul, antes de seu retorno a Cades pela segunda vez; enquanto aqui eles têm uma referência à segunda passagem dos israelitas, quando eles novamente marcharam para o sul, a fim de balizar a terra de Edom. É fácil conceber que Mosera (Hor) e os poços de Jaakan possam estar em tal direção que uma horda nômade poderia, em anos diferentes, ao mesmo tempo levar o primeiro primeiro em seu caminho, e em outro tempo o último [Robinson ]. [JFB, aguardando revisão]

7 De ali partiram a Gudgodá, e de Gudgodá a Jotbatá, terra de ribeiros de águas.

Comentário Whedon

a Gudgodá. Em Números 33:32, esta parada é chamada Hor-Gigdade.

Jotbatá. Pensa-se que esteja hoje localizado em ampla planície a sudoeste do Golfo de Aqaba, contendo muitas palmeiras, e bem abastecido com água. [Whedon]

Da vocação da tribo de Levi

8 Naquele tempo separou o SENHOR a tribo de Levi, para que levasse a arca do pacto do SENHOR, para que estivesse diante do SENHOR para servir-lhe, e para abençoar em seu nome, até hoje.

Comentário de Robert Jamieson

Naquele tempo separou o SENHOR a tribo de Levi. “Naquele tempo” é uma frase usada em um sentido amplo (veja a nota em Gênesis 37:1, etc.), e aplicada a um evento que aconteceu 38 anos antes – pois a separação da tribo de Levi ocorreu no segundo mês do segundo ano (Números 1:49), enquanto Arão morreu no primeiro dia do quinto mês do ano 40 (Números 33:38). Essa explicação é sugerida pelo escritor judeu Ibn Ezra. [JFU]

9 Pelo qual Levi não teve parte nem herança com seus irmãos: o SENHOR é sua herança, como o SENHOR teu Deus lhe disse.)

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-11) Em Deuteronômio 10:8, Moisés retorna à forma de um discurso e se refere à separação da tribo de Levi para o serviço santo, como uma manifestação de misericórdia por parte do Senhor para com Israel. A expressão “naquela época” não deve ser entendida como relacionada com a época da morte de Arão no quadragésimo ano da marcha, na qual Knobel encontra uma contradição com os outros livros. Refere-se em geral, como em Deuteronômio 9:20 e Deuteronômio 10:1, à época da qual Moisés está falando aqui, em outras palavras, a época em que o pacto foi restaurado no Sinai. A nomeação da tribo de Levi para o serviço no santuário ocorreu em conexão com a eleição de Aarão e seus filhos para o sacerdócio (Êxodo 28 e 29), embora seu chamado para esse serviço, ao invés do primogênito de Israel, não tenha sido realizado até a numeração e reunião do povo (Números 1:49, Deuteronômio 4:17, Deuteronômio 8:6). Moisés fala aqui da eleição de toda a tribo de Levi, incluindo os sacerdotes (Aarão e seus filhos), como é muito evidente no relato de seu serviço. É verdade que o carregamento da arca na marcha pelo deserto era assunto dos levitas (não sacerdotes), em outras palavras, dos coatitas (Números 4:4.); mas em ocasiões solenes os sacerdotes tinham que carregá-la (compare com Josué 3:3, Josué 3:6, Josué 3:8; Josué 6:6; 1 Reis 8:3.) “Estar diante do Senhor, para servi-Lo e abençoar em Seu nome”, era exclusivamente assunto dos sacerdotes (compare com Deuteronômio 18:5; Deuteronômio 21:5, e Números 6:23.), enquanto os levitas eram apenas assistentes dos sacerdotes em seu serviço (veja em Deuteronômio 18:7). Esta tribo, portanto, não recebeu nenhuma participação e posse com as outras tribos, como já estava estabelecido em Números 18:20 com referência aos sacerdotes, e em Números 18:24 com relação a todos os levitas; ao qual se referem as palavras “como o Senhor teu Deus lhe prometeu”. – Finalmente, em Deuteronômio 10:10, Deuteronômio 10:11, Moisés resume o resultado de sua intercessão nas palavras: “E eu estive no monte como os primeiros dias, quarenta dias (uma retomada de Deuteronômio 9:18 e Deuteronômio 9:25); e o Senhor me ouviu também desta vez (palavra por palavra, como em Deuteronômio 9:19). “Jeová não te destruiria (Israel)”. Portanto Ele ordenou a Moisés que se levantasse para partir diante do povo, ou seja, como líder do povo para comandar e superintender sua remoção e marcha. Na forma, esta ordem está ligada ao Êxodo 34:1; mas Moisés se refere aqui não apenas àquela palavra do Senhor com a limitação ali acrescentada em Êxodo 34:2, mas à garantia final, plena e incondicional de Deus, na qual o próprio Senhor prometeu ir com Seu povo e trazê-los a Canaã (Êxodo 34:14). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E eu estive no monte como os primeiros dias, quarenta dias e quarenta noites; e o SENHOR me ouviu também esta vez, e não quis o SENHOR destruir-te.

Comentário de Robert Jamieson

Aqui, Moisés retoma seu discurso, e tendo feito uma alusão passageira aos principais acontecimentos de sua história, conclui exortando-os a temer o Senhor e a servi-lo fielmente. [JFB, aguardando revisão]

11 E disse-me o SENHOR: Levanta-te, anda, para que partas diante do povo, para que entrem e possuam a terra que jurei a seus pais lhes havia de dar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-11) Em Deuteronômio 10:8, Moisés retorna à forma de um discurso e se refere à separação da tribo de Levi para o serviço santo, como uma manifestação de misericórdia por parte do Senhor para com Israel. A expressão “naquela época” não deve ser entendida como relacionada com a época da morte de Arão no quadragésimo ano da marcha, na qual Knobel encontra uma contradição com os outros livros. Refere-se em geral, como em Deuteronômio 9:20 e Deuteronômio 10:1, à época da qual Moisés está falando aqui, em outras palavras, a época em que o pacto foi restaurado no Sinai. A nomeação da tribo de Levi para o serviço no santuário ocorreu em conexão com a eleição de Aarão e seus filhos para o sacerdócio (Êxodo 28 e 29), embora seu chamado para esse serviço, ao invés do primogênito de Israel, não tenha sido realizado até a numeração e reunião do povo (Números 1:49, Deuteronômio 4:17, Deuteronômio 8:6). Moisés fala aqui da eleição de toda a tribo de Levi, incluindo os sacerdotes (Aarão e seus filhos), como é muito evidente no relato de seu serviço. É verdade que o carregamento da arca na marcha pelo deserto era assunto dos levitas (não sacerdotes), em outras palavras, dos coatitas (Números 4:4.); mas em ocasiões solenes os sacerdotes tinham que carregá-la (compare com Josué 3:3, Josué 3:6, Josué 3:8; Josué 6:6; 1 Reis 8:3.) “Estar diante do Senhor, para servi-Lo e abençoar em Seu nome”, era exclusivamente assunto dos sacerdotes (compare com Deuteronômio 18:5; Deuteronômio 21:5, e Números 6:23.), enquanto os levitas eram apenas assistentes dos sacerdotes em seu serviço (veja em Deuteronômio 18:7). Esta tribo, portanto, não recebeu nenhuma participação e posse com as outras tribos, como já estava estabelecido em Números 18:20 com referência aos sacerdotes, e em Números 18:24 com relação a todos os levitas; ao qual se referem as palavras “como o Senhor teu Deus lhe prometeu”. – Finalmente, em Deuteronômio 10:10, Deuteronômio 10:11, Moisés resume o resultado de sua intercessão nas palavras: “E eu estive no monte como os primeiros dias, quarenta dias (uma retomada de Deuteronômio 9:18 e Deuteronômio 9:25); e o Senhor me ouviu também desta vez (palavra por palavra, como em Deuteronômio 9:19). “Jeová não te destruiria (Israel)”. Portanto Ele ordenou a Moisés que se levantasse para partir diante do povo, ou seja, como líder do povo para comandar e superintender sua remoção e marcha. Na forma, esta ordem está ligada ao Êxodo 34:1; mas Moisés se refere aqui não apenas àquela palavra do Senhor com a limitação ali acrescentada em Êxodo 34:2, mas à garantia final, plena e incondicional de Deus, na qual o próprio Senhor prometeu ir com Seu povo e trazê-los a Canaã (Êxodo 34:14). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Exortação ao temor do SENHOR

12 Agora, pois, Israel, que pede o SENHOR teu Deus de ti, a não ser que temas ao SENHOR teu Deus, que andes em todos os seus caminhos, e que o ames, e sirvas ao SENHOR teu Deus contudo teu coração, e com toda tua alma;

Comentário de R. Jamie

que pede o SENHOR teu Deus de ti…Uma exigência notável. Deus tem na lei mosaica ordenado positivamente muitas coisas. No entanto, estas se relacionam com observâncias externas, que se necessário, podem ser impostas. Mas o amor e a adoração não podem ser impostos, nem mesmo pelo próprio Deus. Eles devem ser espontâneos. Portanto, mesmo debaixo da lei de ordenanças onde tanto foi perpetuamente estabelecido, e a onipotência estava pronta para compelir a obediência, aqueles sentimentos, que são o espírito e a vida do todo, têm que ser, como aqui são, convidados e solicitados. [JFU]

13 Que guardes os mandamentos do SENHOR e seus estatutos, que eu te prescrevo hoje, para que tenhas bem?

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) A prova de que Israel não tinha justiça diante de Deus é seguida no lado positivo por uma expansão da lei principal estabelecida em Deuteronômio 6:4, de amar a Deus com todo o coração, que é introduzida pelas palavras “e agora Israel”, sc., agora que você tem tudo sem deserto ou merecimento, puramente de perdoar a graça. “O que o Senhor teu Deus exige de ti”? Nada mais do que temê-lo, “para andar em todos os seus caminhos, amá-lo e servi-lo de todo o coração e de toda a alma”. אם כּי, a menos que, ou exceto isso, pressuponha uma cláusula negativa (compare com Gênesis 39:9), que está implícita aqui na pergunta anterior, ou então a ser fornecida como a resposta. A exigência de medo, amor e reverência para com o Senhor é sem dúvida muito difícil de ser cumprida pelo homem natural, e tanto mais difícil quanto mais profundo for o coração; mas depois de tais manifestações do amor e da graça de Deus, ela só segue como uma questão de curso. “O medo, o amor e a obediência teriam naturalmente se enraizado dentro do coração, se o homem não tivesse corrompido seu próprio coração”. O amor, que é a única coisa exigida em Deuteronômio 6:5, é aqui precedido pelo medo, que é a única coisa mencionada em Deuteronômio 5:26 e Deuteronômio 6:24.

(Nota: O temor de Deus é estar unido ao amor de Deus; pois o amor sem medo torna os homens negligentes, e o medo sem amor os torna servil e desesperados (J. Gerhard).

O temor do Senhor, que brota do conhecimento da própria infelicidade na presença do Deus santo, deve formar a única emoção que conduz o coração, levando-o a caminhar em todos os caminhos do Senhor, e a manter a moralidade de conduta em sua forma mais estrita. Este medo, que primeiro nos permite compreender a misericórdia de Deus, desperta o amor, cujo fruto se manifesta no serviço a Deus com todo o coração e toda a alma (ver Deuteronômio 6:5). “Para o teu bem”, como em Deuteronômio 5:30 e Deuteronômio 6:24. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Eis que, do SENHOR teu Deus são os céus, e os céus dos céus: a terra, e todas as coisas que há nela.

Comentário Whedon

os céus dos céus. Esta expressão, em conexão com a terra, e todas as coisas que há nela, compreende o universo. Todos pertencem a Jeová teu Deus. Ele é aquele que escolheu Israel como seu próprio povo. [Whedon]

15 Somente de teus pais se agradou o SENHOR para amá-los, e escolheu sua descendência depois deles, a vós, dentre todos os povos, como neste dia.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15)  Esta obrigação que o Senhor havia imposto a Israel pelo amor com que Ele, a quem todos os céus e a terra, com tudo o que há sobre ela, pertenciam, havia escolhido os patriarcas e sua semente de todas as nações. Por “os céus dos céus”, a idéia do céu está perfeitamente esgotada. Este Deus, que poderia ter escolhido qualquer outra nação, assim como Israel, ou de fato todas as nações juntas, tinha dirigido Seu amor especial somente a Israel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Circuncidai pois o prepúcio de vosso coração, e não endureçais mais vossa cerviz.

Comentário de Robert Jamieson

Circuncidai pois o prepúcio de vosso coração – Aqui ele lhes ensina o significado verdadeiro e espiritual desse rito, como foi depois mais fortemente instado por Paulo (Romanos 2:25-26), e deveria ser aplicado por nós ao nosso batismo. , que é “não a destruição da imundícia da carne, mas a resposta de uma boa consciência para com Deus” [1Pedro 3:21]. [JFB, aguardando revisão]

17 Porque o SENHOR vosso Deus é Deus de deuses, e Senhor de senhores, Deus grande, poderoso, e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem toma suborno;

Comentário de Robert Jamieson

Porque o SENHOR vosso Deus…Ou seja, Ele não é meramente uma divindade local, como os pagãos consideram suas divindades protetoras; e ainda que, para altos e importantes propósitos, Ele está tendo um interesse especial na nação judaica, no entanto Ele é o Deus de toda a terra, que, no exercício de Seu governo moral, não conhece distinções nacionais, e não será desviado do caminho da retidão imutável por qualquer manifestação de liberalidade ou esplendor, mesmo nas oferendas ou rituais que Ele mesmo tenha estabelecido. [JFU]

18 Que faz justiça ao órfão e à viúva; que ama também ao estrangeiro dando-lhe pão e roupa.

Comentário de Robert Jamieson

Que faz justiça ao órfão e à viúva. Dois motivos poderosos são aqui invocados para cultivar um espírito de benevolência e generosa simpatia para com o estrangeiro e o desamparado – aquele retirado das lições de sua própria experiência na escola da disciplina egípcia, e do fato de Deus exercer um cuidado paternal e atento sobre os indefesos, para preservá-los de injúrias e garantir-lhes os direitos de hospitalidade e justiça. [JFU]

19 Amareis pois ao estrangeiro: porque estrangeiros fostes vós em terra do Egito.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Como tal, Jeová faz justiça aos indefesos (órfãos e viúvos) e exerce um cuidado amoroso para com o estranho em sua opressão. Por esta razão, os israelitas não deveriam fechar seus corações egoisticamente contra o estrangeiro (compare com Êxodo 22:20). Isto mostraria se eles possuíam algum amor a Deus, e tinham circuncidado seus corações (compare com 1João 3:10, 1João 3:17). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Ao SENHOR teu Deus temerás, a ele servirás, a ele te achegarás, e por seu nome jurarás.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) Depois de estabelecer a condição fundamental de uma relação adequada com Deus, Moisés descreve o temor de Deus, ou seja, a verdadeira reverência a Deus, em sua tríplice manifestação, na ação (servir a Deus), no coração (clivando a Ele; comparar com Deuteronômio 4:4), e com a boca (jurando por Seu nome; comparar com Deuteronômio 6:13). Tal reverência como este Israel devia a seu Deus; pois “Ele é teu louvor, e Ele é teu Deus” (Deuteronômio 10:21). Ele te deu fortes incentivos para o louvor. Pelas grandes e terríveis coisas que os teus olhos viram, Ele se manifestou como Deus para ti. “Coisas terríveis” são aqueles atos de onipotência divina, que enchem os homens de medo e tremor diante da majestade do Todo-Poderoso (compare com Êxodo 15:11). אתּך עשׂה, “feito contigo”, ou seja, mostrado a ti (את, no sentido de ajuda prática). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Ele é teu louvor, e o teu Deus; que fez em teu favor estas grandes e terríveis coisas que teus olhos viram.

Ele é teu louvor – ou seja, “o motivo do seu louvor” (NVI), ou então, “o único digno de seu louvor” (NVT).

22 Com setenta almas desceram teus pais ao Egito; e agora o SENHOR te fez como as estrelas do céu em multidão.

Comentário Whedon

Uma breve declaração da história da nação. Jeová seu Deus os multiplicou. Seus pais desceram ao Egito da terra para onde agora estão viajando em um pequeno grupo, e se tornaram como as estrelas do céu em uma múltidão. [Whedon]

<Deuteronômio 9 Deuteronômio 11>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.