Bíblia

1 João 3

Mensagem importante
Olá visitante! Vou direto ao ponto: ajude o Apologeta hoje. Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade, o que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Por isso, se este projeto tem sido útil para você, faça uma doação e nos ajude a continuar crescendo. Obrigado.

1 Vede quão grande amor o Pai tem nos dado, que fôssemos chamados filhos de Deus. E nós somos. Por isso o mundo não nos conhece, pois não conhece a ele.

Este versículo está relacionado com 1 João 2:29. Todo o nosso ato de retidão é um mero sinal de que Deus, por Seu amor incomparável, nos adotou como filhos: por isso, não nos salva, mas indica que somos salvos de Sua graça.

pois não conhece a ele. Contraste com 1 João 5:1. O percurso de todo o mundo é um grande ato de não-reconhecimento de Deus. [JFU, 1871]

2 Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não está manifesto o que seremos. Porém sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como ele é.

Amados – pelo pai, e portanto, por mim.

agora – em contraste com ainda não. Já somos filhos, embora ainda não reconhecidos pelo mundo como tais, e (como consequência) procuramos pela manifestação da nossa filiação, que ainda não se realizou.

ainda não está manifesto o que seremos. O “que” sugere algo inconcebivelmente glorioso.

pois. A contemplação contínua gera semelhança (2Co 3:18); como a face da lua que está sempre voltada para o sol, reflete sua luz e glória.

o veremos como ele é – não em Sua Divindade mais íntima, mas como manifestado em Cristo. Ninguém, a não ser o puro, pode ver o infinitamente puro (Mt 5:8; Hb 12:14; Ap 1:7; 22:4). Daqui em diante, nossos corpos espirituais irão apreciar e reconhecer os seres espirituais, assim como nossos corpos naturais agora fazem com objetos naturais. [JFU, 1871]

3 E todo aquele que tem nele essa esperança purifica a si mesmo, como também ele é puro.

essa esperança – de ser daqui em diante “semelhante a Ele”. Fé e amor, assim como a esperança, convergem em 1 João 3:11,23.

purifica a si mesmo. Pelo Espírito de Cristo que está em si (Jo 15:5, fim). A justificação através da fé é pressuposta (At 15:9).

como também ele é puro. A Segunda Pessoa da Trindade, Jesus Cristo, por quem tanto a Lei como o Evangelho foram dados. [JFU, 1871]

4 Todo aquele que pratica o pecado também transgride a Lei, pois o pecado é a transgressão da Lei.

O pecado é incompatível com o nascer de Deus (1Jo 3:1-3). João frequentemente apresenta a mesma verdade negativamente, a qual ele antes expunha positivamente. Ele mostrara que o nascimento de Deus envolve auto-purificação; agora ele mostra que onde o pecado está – isto é, ausência de auto-purificação – não há nascimento de Deus.

Todo aquele que pratica o pecado – em contraste com 1Jo 3:3: “todo aquele que tem nele essa esperança purifica a si mesmo”; e 1Jo 3:7: “Quem pratica a justiça”.

transgride a Lei. A lei de pureza de Deus; e assim mostra que ele não tem essa esperança de ser a partir de agora puro como Deus é puro e, portanto, que ele não é nascido de Deus.

o pecado é a transgressão da Lei – definição de pecado. O grego de “pecado” (hamartia) é literalmente “errar alvo”. Deus é este alvo a ser visado. “Vem pela lei o conhecimento do pecado” (Rm 3:20). A tortuosidade de uma linha é revelada ao ser colocada em justaposição com uma régua reta. [JFU, 1871]

5 E sabeis que ele apareceu para tirar os pecados; e nele não há pecado.

Uma prova adicional da incompatibilidade entre pecado e filiação: o próprio objetivo da manifestação de Cristo na carne era tirar (por um ato) completamente (aoristo, aree) todos os pecados, como o bode expiatório fazia tipicamente.

e (outra prova) nele não há pecado – como em 1 João 3:7, “ele é justo” e 1 João 3:3 “ele é puro”. Portanto, nós devemos ser assim. [JFU, 1871]

6 Todo aquele que nele permanece não pratica o pecado; todo aquele que costuma pecar não o viu nem o conheceu.

Toda a separação de Cristo do pecado implica que aqueles que estão Nele também devem estar separados dele.

que nele permanece, como o ramo na videira, pela união vital, vivendo pela Sua vida.

não pratica o pecado. Na medida em que permanece em Cristo, está livre de todo pecado. O ideal do cristão. A vida do pecado e a vida de Deus excluem-se mutuamente, assim como a escuridão e a luz. Na verdade, os crentes caem em pecados (1Jo 1:8-102:1-2); mas todos esses pecados são alheios à vida de Deus, e precisam do sangue purificador de Cristo, sem aplicação do qual a vida de Deus não poderia ser mantida. Aquele que cai no pecado é um homem: aquele que se vangloria do pecado é um diabo: aquele que se entristece com o pecado é um santo (Fuller). [JFU, 1871]

7 Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica a justiça é justo, assim como ele é justo.

ninguém vos engane. Como antinomianos tentam enganar os homens.

Quem pratica a justiça (de Cristo ou Deus) é justo. Não é o que faz dele justo, mas o fato de ser justo (justificado pela justiça de Deus em Cristo, Rm 10:3-10) o faz praticar a justiça: uma inversão comum na linguagem cotidiana, lógica em realidade, embora não em forma, como em Lucas 7:47; 8:47. As obras não justificam, mas o homem justificado as pratica. Concluímos, por ele praticar a justiça, que ele já é justo (isto é, tem o verdadeiro e único princípio de fazer justiça, a saber, fé), e é, portanto, nascido de Deus (1Jo 3:9); assim como diríamos: A árvore que dá bom fruto é uma boa árvore e tem uma raiz viva; não que a fruta faça a árvore e sua raiz serem boas, mas mostra que são assim.

assim como ele (Cristo) é justo. [JFU, 1871]

8 Quem pratica o pecado é do diabo, pois o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou, para desfazer as obras do diabo.

Quem pratica o pecado é do diabo. Em contraste com “aquele que pratica a justiça” (1Jo 3:7). Ele é filho do diabo (1Jo 3:108:44). João, no entanto, não diz “nascido do diabo”, como ele diz “nascido de Deus”, pois “o diabo não cria nem gera; mas quem imita o diabo torna-se seu filho por imitação, não por nascimento próprio” (Agostinho). A partir do diabo não há geração, mas sim corrupção (Bengel).

peca desde o princípio. Desde o momento em que o pecado começou; que ele se tornou o que ele é, o Diabo. Ele manteve seu primeiro estado apenas pouco tempo depois de sua criação (Bengel). Desde a queda do homem (no início do nosso mundo) o diabo é (sempre) pecador (ele pecou desde o início, é a causa de todos os pecados, e ainda continua pecando). Como autor do pecado, e príncipe deste mundo, ele nunca deixou de seduzir o homem ao pecado (Lucas).

para desfazer. Ferindo e esmagando a cabeça da serpente.

as obras do diabo. O pecado e todas as suas terríveis consequências. Os cristãos não podem praticar aquilo que Cristo veio para destruir. [JFU, 1871]

9 Todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, pois a sua semente reside nele; e não pode praticar o pecado, porque é nascido de Deus.

Todo aquele que é nascido de Deus. Literalmente, “todo aquele que é gerado por Deus”.

não pratica o pecado. Sua natureza superior, como nascida ou gerada por Deus, não peca. Ser gerado de Deus e pecar são estados que se excluem mutuamente. Na medida em que alguém peca, ele torna duvidoso se nasceu de Deus.

sua semente. A palavra viva de Deus.

reside nele – permanece nele (compare com comentário de 1Jo 3:65:38). Isso não contradiz 1Jo 1:8-9; os regenerados mostram a total incompatibilidade do pecado com a regeneração, limpando todo pecado no qual possam ser traídos pela velha natureza, imediatamente no sangue de Cristo. [JFU, 1871]

10 Nisto são reconhecíveis os filhos de Deus, e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica a justiça, e não ama o seu irmão, não é de Deus.

filhos do diabo (veja 1Jo 3:8; At 13:10). Não há classe intermediária entre os filhos de Deus e os filhos do diabo.

não faz justiça . Contraste 1João 2:29.

não ama o seu irmão (1Jo 4:8). Um exemplo particular desse amor que é a soma e o cumprimento de toda justiça, e o sinal (não palavras bonitas, ou mesmo obras aparentemente boas) que distingue os filhos de Deus dos do diabo. [JFU, 1871]

11 Pois esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.

a mensagemdesde o princípio. A proclamação original de Cristo era a lei do amor.

12 Não sejamos como Caim, que era do maligno, e matou o seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más, e as do seu irmão justas.

do maligno. Compare 1João 3:8, “do diabo”, em contraste com “de Deus”, 1João 3:10.

13 Irmãos, não vos surpreendeis se o mundo vos odeia.

o mundo. De quem Caim é o representante (1Jo 3:12).

vos odeia. Assim como Caim odiara seu próprio irmão, e isso ao ponto de o assassinar. O mundo percebe suas más obras silenciosamente repreendidas por boas obras. [JFU, 1871]

14 Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, pois amamos os irmãos. Quem não ama permanece na morte.

Nós (enfáticos: odiados pelo mundo como somos) sabemos (como um fato garantido) o que ele não sabe.

passamos – mudou o nosso estado. Cl 1:13, “do domínio das trevas…para o reino do seu amado Filho”.

da morte para a vida – literalmente, “da morte (que escraviza os não regenerados) para a vida (do regenerado)”. A discípulo amado adota as palavras de seu Senhor (Jo 5:24).

pois amamos os irmãos – a base, não de nossa passagem da morte para a vida, mas do nosso conhecimento de que temos isso. O amor é a evidência da nossa justificação e regeneração, não a causa. “Que cada um vá ao seu coração; se encontrar amor aos irmãos, que se sinta seguro de ter passado da morte para a vida. Não se importe que sua glória esteja oculta; quando o Senhor vier, ele aparecerá em glória. Ele tem energia vital, mas ainda é inverno; a raiz tem vigor, mas os ramos estão secos; dentro há medula vigorosa, dentro há folhas, há frutos; mas eles devem esperar pelo verão” (Agostinho).

na morte. “na morte (espiritual)” (que termina em morte eterna), que é o estado de todos por natureza. Sua falta de amor evidencia que nenhuma mudança salvadora passou por ele. [JFU, 1871]

15 Todo aquele que odeia o seu irmão é homicida. E sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna habitando nele.

odeia. Equivalente a “não ama” (1Jo 3:14); não há intermediário entre os dois. “O amor e o ódio, como a luz e as trevas, a vida e a morte, necessariamente se substituem, e necessariamente mutuamente se excluem” (Alford).

é homicida – porque se se entregasse a esse sentimento, que, se seguido de suas consequências naturais, o faria um. Deus considera a disposição interior como equivalente ao ato exterior que fluiria dela. Deus considera que a disposição interior equivale ao ato exterior que dela resultaria. A quem quer que se odeie, quer-se morto.

nenhum homicida tem a vida eterna habitando nele. Tal “permanece na morte”. Aquele que odeia (isto é, não ama) seu irmão (1Jo 3:14), não pode nesta condição presente ter a vida eterna em si. [JFU, 1871]

16 Nisto conhecemos o amor: ele deu a sua vida por nós. E nós devemos dar as nossas vidas pelos irmãos.

O que é o verdadeiro amor aos irmãos, é representado pelo de Cristo por nós.

Nisto conhecemos o amor. “Chegamos ao conhecimento do amor”; nós apreendemos o que é o amor verdadeiro.

ele – Cristo.

vidas. Cristo deu a sua vida por todos nós: devemos dar a nossa vida pela dos nossos irmãos: se não de fato, pelo menos de outras formas, dando o nosso tempo, cuidados, orações, bens: ‘Non nobis, sed omnibus’. Nossa vida não deve ser mais valiosa para nós do que a do próprio Filho de Deus para ele. Os apóstolos e mártires agiram com base neste princípio. [JFU, 1871]

17 Se alguém tiver bens do mundo, e ver o seu irmão em necessidade, e não se compadecer dele, como pode o amor de Deus estar nele?

bens do mundo. Se devemos dar a vida pelos irmãos (1Jo 3:16), quanto mais nossos bens?

como pode o amor de Deus estar nele? Nossas superfluidades devem ceder às necessidades; nossos confortos e até nossas necessidades, em certa medida, devem ceder às necessidades extremas de nossos irmãos. “A fé me dá Cristo; o amor que brota da fé me dá ao meu próximo”. [JFU, 1871]

18 Filhinhos, amemos não de palavra, nem de língua, mas sim com ação e verdade.

Segundo a tradição, quando o apóstolo João já não podia caminhar para as reuniões da Igreja, mas era levado lá pelos seus discípulos, ele proferia sempre o mesmo discurso; aquele único mandamento que recebeu de Cristo, que abrange todo o resto, o traço distintivo da nova aliança, “Meus filhinhos, amai-vos uns aos outros”. Quando os irmãos perguntaram por que ele repetia sempre a mesma coisa, ele respondeu: “Porque é o mandamento do Senhor, e se este for alcançado, é suficiente” (Jerônimo). [JFU, 1871]

19 E nisto saberemos que somos da verdade, e teremos segurança no nosso coração diante dele.

nisto – em nosso amor em ação e em verdade (1Jo 3:18).

teremos segurança. “estaremos persuadidos”, de modo a deixar de nos condenar; dissipar as dúvidas das nossas consciências quanto a sermos ou não aceites diante de Deus (compare com Mt 28:14; Atos 12:20, “e persuadindo Basto”). O “coração”, a sede dos sentimentos, é nosso juiz interior; a consciência, como testemunha, ou age como nossa advogada, ou como nossa acusadora. João 8:9, tem “consciência”, mas a passagem é omitida na maioria dos manuscritos antigos. Em nenhum outro lugar João usa o termo “consciência”. Somente Pedro e Paulo o usam. [JFU, 1871]

20 Pois, se o nosso coração nos condena, maior é Deus que o nosso coração, e conhece tudo.

se o nosso coração nos condena. Como não amar o nosso irmão em ação e na ajuda ativa às suas necessidades. Se estamos conscientes de erros ou pequenas faltas.

maior é Deus que o nosso coração, e sua condenação é mais terrível, assim como mais segura, pois ele conhece todas as coisas, e nenhuma culpa pode escapar de sua inspeção. [Whedon]

21 Amados, se nosso coração não condena, temos confiança diante de Deus.

Amados. Não há “mas” contrastando os dois casos, 1Jo 3:20-21, porque “Amado” marca suficientemente a transição para o caso dos irmãos caminhando na plena confiança do amor (1Jo 3:18). Os dois resultados de poder “ter segurança nossos corações diante d’Ele” (1Jo 3:19), e de “nosso coração não nos condenar” (de insinceridade quanto à verdade em geral, e quanto ao AMOR em particular), são:

  • (1) a confiança para com Deus;
  • (2) uma resposta segura à oração.

João não quer dizer que todos aqueles cujo coração não os condena estejam, portanto, seguros diante de Deus; pois uns têm a consciência cauterizada, outros ignoram a verdade: não é a sinceridade, mas a sinceridade na verdade, que salva os homens. Cristãos são chamados: a conhecer os preceitos de Cristo e a testar a si mesmos por eles. [JFU, 1871]

22 E qualquer coisa que pedirmos, dele receberemos; porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que lhe agrada.

receberemos – de acordo com a Sua promessa (Mt 7:8). Os crentes, como tais, perguntam o que está de acordo com a vontade de Deus; ou se perguntarem o que Deus não quer, submetem a sua vontade à de Deus; assim Deus lhes concede ou o seu pedido ou algo melhor.

porque guardamos os seus mandamentos. Compare com Salmo 66:18; 34:15; 145:18-19. Não que os nossos méritos sejam ouvidos, mas as nossas obras de fé sendo fruto do Seu Espírito em nós, são agradáveis aos olhos de Deus; e as nossas orações, sendo a voz do mesmo Espírito em nós (Rm 8:26), são respondidas por Ele. [JFU, 1871]

23 E este é o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, como ele nos mandou.

Os mandamentos de Deus são resumidos no único mandamento do Evangelho.

E este é o seu mandamento – singular: porque fé e amor não são mandamentos separados, mas estão indissoluvelmente unidos. Não podemos amar verdadeiramente uns aos outros sem fé em Cristo, nem crer verdadeiramente nEle sem amor.

creiamos – uma vez por todas (aoristo).

no nome do seu Filho. Em tudo o que é revelado no Evangelho a respeito dele, na Sua pessoa, nos Seus ministérios e na Sua obra expiatória. [JFU, 1871]

24 E a pessoa que guarda os seus mandamentos está nele, e ele nela. E nisto sabemos que ele está em nós: pelo Espírito que ele nos deu.

está nele. O crente habita em Cristo.

e ele nela. Cristo no crente. Reciprocidade. “Assim ele retorna ao tema chave da Epístola, permanecer Nele, com a qual a primeira parte concluiu” (1Jo 2:28).

E nisto sabemos que ele está em nós: pelo Espírito que ele nos deu. Assim ele prepara, pela menção do Espírito verdadeiro, para a transição para o falso “espírito”, 1Jo 4:1-6; depois do qual ele retorna novamente ao assunto do amor. [JFU, 1871]

<1 João 2 1 João 4>

Leia também uma introdução à Primeira Epístola de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados