Salmo 145

1 (Cântico de Davi:) Eu te exaltarei, meu Deus e Rei; e bendirei teu nome para todo o sempre.

Comentário Barnes

Eu te exaltarei, meu Deus e Rei – Eu te levantarei; Eu elevarei o teu nome e louvor, para que possa ser ouvido de longe.

e bendirei teu nome para todo o sempre – abençoarei ou louvarei a ti. Eu vou fazer isso agora; Eu farei isso no futuro. Eu farei isso a tempo; Eu farei isso na eternidade. Veja as notas no Salmo 30:1. [Barnes, aguardando revisão]

2 Todo dia eu te bendirei, e louvarei teu nome para todo o sempre.

Comentário Barnes

Todo dia eu te bendirei…Compare com Sl 92:2; 55:17. Ao recebermos bênçãos de Deus todos os dias (compare Lm 3:23), é apropriado que lhe concedamos diariamente graças; como Deus é sempre o mesmo – “ontem, hoje e para sempre” – é apropriado que ele receba dia a dia o tributo do louvor; como dependemos diariamente dele – um dia tanto quanto outro – nosso reconhecimento dessa dependência deve ser diário; e como ele sempre será imutável o mesmo, será apropriado que ele seja louvado para todo o sempre. Duas coisas são aparentes deste verso:

(1) que um homem verdadeiramente religioso “adorará” a Deus todos os dias;

(2) que é o propósito fixo de um homem verdadeiramente religioso continuar isto para sempre. [Barnes]

3 O SENHOR é grande e muito louvável; sua grandeza é incompreensível.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR é grande e muito louvável. Salmo 48:1 é extraído daqui pelos filhos de Corá. Este verso começa com a descrição detalhada do que é compreendido no “nome do Senhor” (Sl 145:2).

sua grandeza é incompreensível (Jó 5:9; 11:7; Rm 11:33). Sua grandeza insondável só é igualada por Sua bondade insondável, como se manifesta sob o Evangelho nas “riquezas insondáveis de Cristo” (Ef 3:8). [JFU]

4 Geração após geração louvará tuas obras, e anunciarão tuas proezas.

Comentário de A. R. Fausset

As “obras” de Deus são Suas gloriosas manifestações de misericórdia e justiça. [JFU]

5 Eu falarei da honra gloriosa de tua majestade, e de teus feitos maravilhosos.

Comentário Barnes

Eu falarei – isto é, em meus atos de louvor. Não terei vergonha de ser conhecido como seu adorador; Vou declarar publicamente minha crença em sua existência, sua grandeza, sua bondade.

da honra gloriosa de tua majestade – A glória da honra da tua majestade. Esse acúmulo de epítetos mostra que o coração do salmista estava cheio do assunto e que ele se esforçava para encontrar uma linguagem que expressasse suas emoções. É beleza; é glória; é majestade:é tudo o que é grande, sublime, maravilhoso – tudo combinado – tudo concentrado – em um ser.

e de teus feitos maravilhosos. A referência é para feitos ou atos maravilhosos considerados como assunto de discurso ou elogio. [Barnes, aguardando revisão]

6 E falarão do poder de teus assombrosos feitos; e eu contarei tua grandeza.

Comentário Barnes

E falarão do poder de teus assombrosos feitos – A força, o poder daquelas coisas feitas por ti que são adequadas para inspirar medo ou reverência. O grande poder demonstrado nesses atos deve ser uma base ou razão para celebrar teu louvor. As manifestações desse poder impressionarão tão profundamente a mente das pessoas, que serão levadas a falar delas.

e eu contarei tua grandeza – hebraico, “E a tua grandeza, eu o declararei.” Com respeito a isso, vou narrá-lo, ou vou dar a conhecer a outros. [Barnes, aguardando revisão]

7 Declararão a lembrança de tua grande bondade; e anunciarão tua justiça alegremente.

Comentário de A. R. Fausset

lembrança. (Sl 6:5) Ou o que faz com que sejas lembrado.

justiça. Como no Salmo 143:1, bondade de acordo com o compromisso da aliança. [JFB]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

8 Piedoso e misericordioso é o SENHOR; ele demora para se irar, e tem grande bondade.

Comentário Barnes

Piedosoé o SENHOR – veja Salmos 86:5 , nota; Salmo 86:15.

e misericordioso – Tipo; compassivo; pronto para fazer o bem. Veja as notas no Salmo 103:8 .

ele demora para se irar – Veja Salmos 103:8 , onde ocorre a mesma expressão.

e tem grande bondade. Sua grandeza é demonstrada em sua misericórdia; e a manifestação dessa misericórdia é grande:grande, como em grande escala; grande, como manifestado para com grandes pecadores; grande, no sacrifício feito para que possa ser exibido; grande, na perfeição com que o pecado é perdoado – perdoado para não ser mais lembrado. [Barnes, aguardando revisão]

9 O SENHOR é bom para com todos; e suas misericórdias estão sobre todas as obras que ele fez.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR é bom para com todos. Muito mais para o seu próprio povo, que apreciam e sempre louvam a sua bondade.

e suas misericórdias estão sobre todas as obras que ele fez. Quão mais sobre seus filhos? Se Ele tem uma consideração compassiva pelas Suas criaturas, pelas obras das Suas mãos no reino da natureza, e ‘alimenta os jovens corvos que clamam’ (Sl 147:9), Ele certamente ‘não abandonará as obras das Suas próprias mãos’ (Sl 138:8) no reino da graça, do qual a eterna semente de Davi, o Messias, é a cabeça. [JFU]

10 Todas as tuas obras louvarão a ti, SENHOR; e teus santos te bendirão.

Comentário de A. R. Fausset

Todas as tuas obras louvarão a ti, SENHOR. Conscientemente com a voz, ou em silenciosa eloquência pelo seu próprio ser (Sl 19:1-3; 103:22). [JFU]

11 Contarão a glória de teu reino, e falarão de teu poder.

Comentário de A. R. Fausset

Contarão a glória de teu reino. Manifestado apenas em parte agora na terra, mas que depois será plenamente revelado quando o Messias assumir Seu grande poder e reinado (Sl 103:19; Ap 11:15,17). [JFU]

12 Para anunciarem aos filhos dos homens suas proezas, e a honra gloriosa de seu reino.

Comentário de A. R. Fausset

Para anunciarem aos filhos dos homens suas proezas. Do discurso a Deus na segunda pessoa, “teu” (Sl 145:11), o salmista passa para a terceira pessoa, “suas”, enquanto aqui se dirige ao mundo para encorajar seus habitantes a celebrá-Lo. [JFU]

13 Teu reino é um reino eterno, e teu domínio dura geração após geração.

Comentário de A. R. Fausset

Teu reino é um reino eterno. Literalmente, ‘um reino de todas as eternidades’ (ou eras). Quando os reinos agora arrogantes deste mundo tiverem passado, o Reino do Messias, o Filho de Davi, perdurará. Dn 2:44; 4:34. [JFU]

14 O SENHOR segura todos os que caem, e levanta todos os abatidos.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR segura todos os que caem. Isto é, os piedosos quando caem (Salmo 37:17,24).

e levanta todos os abatidos. Salmo 146:8 toma emprestado este versículo. [JFU]

15 Os olhos de todos esperam por ti, e tu lhes dás seu alimento ao seu tempo.

Comentário de A. R. Fausset

O Salmo 104:27 toma este verso emprestado.

Aquele que alimenta todas as Suas criaturas pela Sua providência nunca permitirá que os Seus escolhidos O esperem em vão para sustentar o corpo e a alma. [JFU]

16 Tu abres tua mão, e sacias o desejo de todo ser vivo.

Comentário de A. R. Fausset

(Sl 104:28) – Literalmente, ‘Tu satisfizeste todos os seres vivos com os seus desejos’:compare com Sl 145:19. A passagem original é Deuteronômio 33:23. A bênção, em sua especial plenitude, pertence apenas ao povo de Deus:em um sentido mais amplo, todos agora em algum grau desfrutam das dispersões da Sua bondade, onde ‘Ele nos dá chuva do céu e estações frutíferas, enchendo nossos corações de alimento e alegria’ (At 14:17). [JFU]

17 O SENHOR é justo em todos os seus caminhos, e bondoso em todas as suas obras.

Comentário de A. R. Fausset

O hebraico para “santo”, chaciyd, não é o que expressa a santidade sagrada e inacessível de Deus, qadowsh. Chaciyd, aplicado a Deus, expressa bondade, e clemente benignidade, em dar e perdoar. Aplica-se ao “Santo do Pai” (Sl 16:10). Aplicado ao homem, significa piedoso, incluindo também um espírito de amor para com o homem. A justiça e a bondade amorosa são muitas vezes combinadas em descrições do Senhor em Suas relações com os homens. [JFU]

18 O SENHOR está perto de todos os que o chamam; de todos os que clamam a ele sinceramente.

Comentário de A. R. Fausset

(Dt 4:7; Sl 24:6,18; Tg 4:8).

de todos os que clamam a ele sinceramente. Não em hipocrisia e formalismo. Uma antecipação da espiritualidade evangélica (Jo 4:24). [JFU]

19 Ele faz a vontade dos que o temem; e ouve o clamor deles, e os salva.

Comentário de A. R. Fausset

Ele faz a vontade dos que o temem (Sl 145:16; 34:15) – quando for apropriado para eles, e conforme a vontade e a Palavra de Deus. Deus ouve o Seu povo tão verdadeiramente quando Ele retém o que é para o seu mal como quando Ele concede o que é para o seu bem. O médico sabe melhor do que o paciente o que é para o bem do doente. [JFU]

20 O SENHOR protege a todos os que o amam; porém destrói a todos os perversos.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR protege a todos os que o amam. Em Salmo 145:19 foram “os que o temem”; por isso o temor não é de servos, mas de filhos, que ao mesmo tempo amam a Deus. [JFU]

21 Minha boca anunciará louvores ao SENHOR; e todo ser feito de carne louvará seu santo nome para todo o sempre.

Comentário Barnes

Minha boca anunciará louvores ao SENHOR – isto é, eu proferirei o seu louvor. Em vista de todas essas coisas, em vista de seu caráter e ações, eu o louvarei. Serei encontrado entre aqueles que o honram; que o reconhecem como o verdadeiro Deus; que prestam homenagem pelo que ele é e agradecem pelo que ele fez.

e todo ser feito de carne louvará seu santo nome para todo o sempre – Todas as pessoas; todos os que habitam sobre a terra. Que seu louvor seja universal e eterno. Esta é a linguagem da verdadeira piedade; todos em cujo seio houver alguma religião verdadeira dirão amém de todo o coração. Nenhum desejo de um coração piedoso é mais constante e forte do que Deus seja louvado, adorado e honrado por todas as criaturas inteligentes; que ele deveria ser conhecido e reconhecido em toda a terra como o verdadeiro Deus; que seu louvor deve ascender de todas as partes do universo para sempre. Veja as notas no Salmo 100:1-5. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 144 Salmo 146>

Introdução ao Salmo 145

Este também é um Salmo de Davi e o último da série nesta parte da coleção. É intitulado simplesmente “De Louvor” ou, em hebraico, “Louvor de Davi” ou “Louvor de Davi”; isto é, uma das canções de louvor de Davi. É um salmo “alfabético”; ou seja, cada versículo começa com uma letra do alfabeto hebraico. O arranjo a esse respeito é completo, exceto que a letra hebraica nun (נ n, “n”) é omitida, para a qual nenhuma razão pode ser atribuída, a menos que fosse do desejo de que o salmo pudesse consistir em três partes iguais de sete versos cada. Nas versões Septuaginta, Siríaca, Árabe, Vulgata Latina e Etíope, esta omissão é tentada ser suprida inserindo-se entre Salmos 145:13-14um versículo que em hebraico começaria com a letra hebraica nun (נ n, “n”), – נאמן, etc .:- “Fiel é o Senhor em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras.” Isso é retirado do Salmo 145:17do salmo pela mudança de uma palavra no início – “fiel” por “justo”, נאמן por צדיק. Não há autoridade para isso, no entanto, no MSS., E é evidentemente uma tentativa de fornecer o que parecia ser uma omissão ou defeito na composição do salmo. O versículo não está na Paráfrase Caldeu, ou na versão de Áquila e Teodoção; e é certo que já na época de Orígenes e Jerônimo não estava no texto hebraico. Os massoretas e os comentaristas judeus o rejeitam. O sentido não é afetado de forma alguma pela inserção ou omissão disso, uma vez que os versos do salmo não têm conexão necessária no significado – a composição, como na maioria dos salmos alfabéticos, é composta de sentimentos independentes sugeridos em parte, pelo menos pela necessidade de começar cada versículo com uma letra particular.

O salmo não admite nenhuma análise particular, e agora é impossível determinar a ocasião em que foi escrito. [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.