João 4

A mulher samaritana

1 Quando, pois, o Senhor entendeu que os fariseus ouviram que Jesus fazia e batizava mais discípulos que João

Comentário de David Brown

o Senhor entendeu – não por relato, mas no sentido de João 2:25, razão pela qual Ele é aqui denominado “o Senhor”. [JFB, aguardando revisão]

2 (ainda que Jesus mesmo não batizava, mas sim seus discípulos),

Comentário de David Brown

Jesus mesmo não batizava – João, sendo apenas um servo, batizou com suas próprias mãos: Jesus, como Mestre, cuja prerrogativa exclusiva era batizar com o Espírito Santo, parece ter julgado conveniente que Ele administrasse o símbolo exterior somente através de Seus discípulos. Além disso, se fosse de outra forma, uma importância indevida poderia ter sido atribuída ao batizado por Cristo. [JFU]

3 Ele deixou a Judeia, e foi outra vez para a Galileia.

Comentário de David Brown

deixou a Judeia – para evitar a perseguição, que naquela fase inicial teria prejudicado o Seu trabalho.

foi outra vez para a Galileia – quando João foi lançado na prisão (Marcos 1:14). [JFB]

4 E foi necessário passar por Samaria.

Comentário de David Brown

Por uma razão geográfica, sem dúvida, como se estivesse em seu caminho, mas certamente não sem um plano mais elevado. [JFB, aguardando revisão]

5 Veio pois a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, junto à propriedade que Jacó deu a seu filho José.

Comentário de David Brown

cometh… para – isto é, até onde: para Ele permaneceu a alguma distância disto.

Sicar – a “Shechem” do Antigo Testamento, a cerca de trinta e quatro milhas de Jerusalém, depois chamado de “Neapolis” e agora “Nablous”. [JFB, aguardando revisão]

6 E ali estava a fonte de Jacó. Então Jesus, cansado do caminho, sentou-se assim junto à fonte; era isto quase à hora sexta.

Comentário de David Brown

sentou-se assim – isto é, “como você pode imaginar um homem cansado faria”; uma instância do estilo gráfico de St. John (Webster e Wilkinson). De fato, esta é talvez a mais humana de todas as cenas da história terrena de nosso Senhor. Parece que estamos ao lado Dele, ouvindo tudo o que está registrado aqui, e nenhuma pintura da cena sobre tela, por mais perfeita que seja, pode abaixar a concepção que essa narrativa primorosa transmite ao leitor devoto e inteligente. Mas com tudo o que é humano, quanto também do divino temos aqui, ambos misturados em uma gloriosa manifestação da majestade, graça, piedade, paciência com a qual “o Senhor” dá luz e vida a esse mais improvável de estranhos, em pé no meio do caminho entre judeus e pagãos.

a sexta hora – meio-dia, a contar das seis da manhã. Deuteronômio Cânticos 1:7 sabemos, como de outras fontes, que os próprios rebanhos “descansavam ao meio-dia”. Mas Jesus, cuja máxima era: “devo trabalhar as obras Dele”. que Me enviou enquanto é dia ”(Jo 9:4), parece ter negado a Si mesmo que repousasse, pelo menos nesta ocasião, provavelmente para que Ele pudesse alcançar este poço quando soubesse que a mulher estaria lá. Uma vez lá, no entanto, Ele aceita … a facilidade de um assento na pedra patriarcal. Mas que música é aquela que ouço de seus lábios: “Vinde a mim, todos os que trabalham e estão sobrecarregados, e eu vos darei descanso” (Mateus 11:28). [JFB, aguardando revisão]

7 Veio uma mulher de Samaria para tirar água; Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.

Comentário de David Brown

Dá-me de beber – porque o calor de um sol do meio-dia tinha ressecado seus lábios. Mas “no último grande dia da festa”, Jesus levantou-se e exclamou: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (Jo 7:37). [JFB, aguardando revisão]

8 (Porque seus discípulos haviam ido à cidade para a comprar de comer).

Comentário de David Brown

Isto foi sabiamente ordenado, para que Jesus ficasse a sós com a mulher; os discípulos não voltaram até que o diálogo estivesse concluído, e o objetivo de Nosso Senhor concluído. [JFU]

9 Disse-lhe pois a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber, que sou mulher samaritana? (Porque os judeus não se comunicam com o samaritanos.)

Comentário de David Brown

Como, sendo tu – não recusando totalmente, mas se perguntando sobre um pedido tão incomum de um judeu, uma vez que Suas vestes e dialeto revelariam que Ele era, de uma vez por todas, para um samaritano?

Porque… – É essa antipatia nacional que dá sentido à parábola do bom samaritano (Lucas 10:30-37), e a gratidão do leproso samaritano (Lucas 17:16,18). [JFB]

10 Respondeu Jesus, e disse-lhe: Se tu conhecesses o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.

Comentário de David Brown

Se tu conhecesses… – isto é, “Em Mim tu vês apenas um peticionário para ti, mas se tu sabias quem é aquele Peticionário, e o Dom que Deus está dando aos homens, tu mudaste lugares com Ele, alegremente processando Ele água viva – e você não deveria ter processado em vão ”(gentilmente refletindo sobre ela por não atender imediatamente ao seu pedido). [JFB, aguardando revisão]

11 Disse a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; de onde pois tens a água viva?

Comentário de David Brown

Esta é a linguagem de quem, embora assustado com o que lhe foi dito, viu que deveria ter algum significado e procurou por essa pergunta chegar ao fundo.[Brown, aguardando revisão]

12 És tu maior que nosso pai Jacó, que nos deu o poço? E ele mesmo dele bebeu, e seus filhos, e seu gado?

Comentário de David Brown

És tu maior… – já percebendo neste estranho uma reivindicação de alguma grandeza misteriosa.

nosso pai Jacó – pois quando tudo ia bem com os judeus, eles alegavam pertencer a eles, como descendentes de José; mas quando desgraças aconteceram aos judeus, eles negaram toda conexão com eles (Josefo, Antiguidades, 9.14,3). [JFB]

13 Jesus respondeu, e disse-lhe: Todo aquele que beber desta água voltará a ter sede;

Comentário de David Brown

nunca sede, etc. – O contraste aqui é fundamental e abrangente. “Esta água” claramente significa “esta água natural e todas as satisfações de uma natureza terrena e perecível”. Vindo de nós para fora, e alcançando apenas as partes superficiais de nossa natureza, elas logo são gastas e precisam ser novamente fornecidas como como se nunca tivéssemos experimentado antes, enquanto as necessidades mais profundas de nosso ser não são atingidas por elas; Considerando que a “água” que Cristo dá – a vida espiritual – é arrancada das profundezas do nosso ser, tornando a alma não uma cisterna, para reter a água derramada de fora, mas uma fonte (a palavra tinha sido melhor , para distingui-la da palavra traduzida “bem” em Jo 4:11), pulando, jorrando, borbulhando e fluindo para dentro de nós, sempre fresca, sempre viva. A habitação do Espírito Santo como o Espírito de Cristo é o segredo desta vida com todas as suas duradouras energias e satisfações, como é expressamente dito (Jo 7:37-39). “Nunca ter sede”, significa simplesmente que tais almas têm os suprimentos em casa.

para a vida eterna – levando os pensamentos do eterno frescor e vitalidade dessas águas para o grande oceano em que eles têm sua confluência. “Eu posso chegar!” (Bengel). [JFB, aguardando revisão]

14 Porém aquele que beber da água que eu lhe der, para sempre não terá sede, mas a água que eu lhe der se fará nele fonte de água, que salte para vida eterna.

Comentário de David Brown

O contraste aqui é fundamental e abrangente. “Esta água” significa claramente ‘esta água natural e todas as satisfações de natureza terrena e perecível’. Vindo até nós de fora e atingindo apenas as partes superficiais de nossa natureza, elas logo se esgotam e precisam ser novamente supridas, como se nunca as tivéssemos antes, enquanto as necessidades mais profundas de nosso ser não são alcançadas por elas. em absoluto; Considerando que a “água” que Cristo dá – a vida espiritual – é tirada das profundezas do nosso ser, tornando a alma não uma cisterna, pois retém a água derramada nela de fora, mas uma fonte – a palavra foi melhor traduzida , para distingui-lo da palavra traduzida como “bem” em João 4:11 – brotando, jorrando, borbulhando e fluindo de dentro de nós, sempre fresco, sempre vivo. A habitação do Espírito Santo como o Espírito de Cristo é o segredo desta vida, com todas as suas energias e satisfações duradouras, como é expressamente dito (João 7:37-39). “Nunca com sede”, então, significa apenas que essas almas têm os suprimentos em casa. É um poço interno, “brotando para a vida eterna” – por meio das quais nossas palavras nosso Senhor leva os pensamentos do eterno frescor e vitalidade dessas águas em nós para o grande oceano em que elas têm sua confluência. ‘Aí,’ diz o devoto Bengel, ‘posso chegar!’ [Brown, aguardando revisão]

15 Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me desta água, para que eu não tenha mais sede, nem venha aqui para tirar.

Comentário de David Brown

dá-me desta água… – Isto não é obtusidade – isto é ceder – expressa um desejo surpreendente depois que ela escassamente soube o que deste Estranho misterioso. [JFB, aguardando revisão]

16 Disse-lhe Jesus: Vai, chama a teu marido, e vem cá.

Comentário de David Brown

chama a teu marido – agora procedendo para despertar sua consciência adormecida desnudando a vida culpada que ela estava levando, e pelos detalhes minuciosos que aquela vida forneceu, não apenas trazendo seu pecado vividamente diante dela, mas preparando-a para receber em Seu verdadeiro caráter aquele maravilhoso Estranho a quem toda a sua vida, em seus mínimos detalhes, evidentemente se encontrava aberta. [JFB, aguardando revisão]

17 A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Bem disseste: Marido não tenho.

Comentário Schaff

A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido. O efeito é produzido. As palavras da mulher são uma confissão genuína – um reconhecimento, talvez de miséria, certamente de culpa.

Disse-lhe Jesus: Bem disseste: Marido não tenho. Ele aceita a veracidade de sua declaração, mas mostra a ela quão plenamente sua vida é conhecida por Ele. Nesta resposta a ênfase está no “marido” as palavras da mulher são repetidas com sua ordem alterada. ‘Eu não tenho marido:’ “Bem dito, marido eu não tenho”. [Schaff, aguardando revisão]

18 Porque cinco maridos tiveste, e o que agora tens não é teu marido; isto com verdade disseste.

Comentário Schaff

Porque cinco maridos tiveste. Oséias ‘cinco’ eram sem dúvida maridos legítimos, dos quais ela havia sido separada por morte ou por divórcio.

e o que agora tens não é teu marido; isto com verdade disseste. Em contraste com os casamentos lícitos é posta a presente união ilícita com aquele que não era marido. Sua vida foi pecaminosa: até que ponto não podemos aprender com esta breve declaração. Uma época em que o divórcio era livremente permitido não pode ser julgada pelas mesmas regras que uma de princípios mais rígidos. O que quer que a tenha levado a uma vida má, é claro que seu coração ainda não estava endurecido. [Schaff, aguardando revisão]

19 Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta.

Comentário de David Brown

Senhor, vejo… – Vendo a si mesma toda revelada, ela agora desmorona e pergunta que esperanças pode haver para alguém tão culpado? Não, suas convicções ainda não chegaram a esse ponto. Ela engenhosamente muda o assunto de uma questão pessoal para uma pergunta pública. Não é, “Ai, que vida malvada estou levando!”, Mas “Eis que maravilhoso profeta com quem conversei! Ele será capaz de resolver essa disputa interminável entre nós e os judeus. Senhor, você deve saber tudo sobre tais assuntos – nossos pais se apegam a esta montanha aqui ”, apontando para Gerizim em Samaria,“ como o lugar de culto divinamente consagrado, mas os judeus dizem que Jerusalém é o lugar apropriado – qual de nós está certo ? ”Quão lentamente o coração humano se submete a completa humilhação! (Compare o pródigo; veja em Lucas 15:15). Sem dúvida nosso Senhor viu através da busca; mas Ele diz: “Essa questão não é a questão agora, mas você tem vivido da maneira descrita, sim ou não? Até que isso seja eliminado, não posso ser atraído a controvérsias teológicas. ”O Príncipe dos pregadores usa outro método: Ele humilha a pobre mulher, deixando-a seguir seu próprio caminho, permitindo que ela conduza enquanto Ele segue – mas, assim, Seu objeto Ele responde a sua pergunta, derrama luz em sua mente sobre a espiritualidade de toda adoração verdadeira, como de seu Objeto glorioso, e assim a leva insensivelmente ao ponto em que Ele poderia revelar à sua mente intrigada com quem ela estava falando o tempo todo. [JFB, aguardando revisão]

20 Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar.

Comentário de David Brown

Nossos pais adoraram neste monte – isto é, monte Gerizim (Deuteronômio 11:29; Deuteronômio 27:12; Josué 8:33; Juízes 9:7). No Pentateuco Samaritano, em vez de “Ebal” (Deuteronômio 27:4) – sobre o qual Moisés ordenou que o altar fosse erguido, com os Dez Mandamentos escritos nas pedras do mesmo (ver Deuteronômio 27:1-8) – a palavra ” Gerizim” fica; e os samaritanos são tenazes com essa leitura como garantia para manter Gerizim como o local de culto público divinamente ordenado, no qual eles agiram de era em era, e fazem até hoje. ‘Não há’, diz Stanley, ‘provavelmente nenhuma outra localidade em que o mesmo culto tenha sido mantido com tão pouca mudança ou interrupção por uma série de anos tão grande quanto a desta montanha, de Abraão até os dias atuais. Em sua humilde sinagoga, no sopé da montanha, os samaritanos ainda adoram, a mais antiga e a menor seita do mundo. Robinson descobriu que seu número total mal ultrapassava cento e cinquenta almas. ‘Os montes Gerizim e Ebal’, diz este último viajante distinto, ‘elevam-se em escarpados precipícios rochosos do vale de cada lado, aparentemente com cerca de 240 metros de altura. Os lados de ambas as montanhas, como visto aqui, eram aos nossos olhos igualmente nus e estéreis.’

e vós dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. Essa pergunta foi feita – como Stier, Alford e outros pensam – apenas para obter informações sobre uma importante questão religiosa? Nesse caso, parece uma maneira estranha de atender ao impulso de nosso Senhor. Mas se a encararmos como a questão de alguém que ficou atordoado por uma revelação tão inesperada de sua vida pecaminosa, feita a ela por alguém que ela não havia começado a considerar sob uma luz comum, tudo parece bastante claro. Embora ela se visse toda revelada, ela ainda não está preparada para quebrar e perguntar que esperanças podem existir para alguém tão culpado. Suas convicções vieram sobre ela muito repentinamente para isso. Ela muda a questão, portanto, de uma questão pessoal para uma pública, embora a sequência mostre como essa revelação de sua vida passada a afetou. Assim, sua resposta não é: ‘Ai, que vida perversa eu tenho levado!’ mas, ‘Veja, com que profeta maravilhoso eu conversei! Ele será capaz de resolver essa disputa interminável entre nós e os judeus.

Senhor, nossos pais consideram esta montanha’, apontando para Gerizim, ‘como o local de adoração divinamente consagrado, mas vocês judeus dizem que Jerusalém é o lugar apropriado: diga, qual de nós está certo, tu para quem todas essas coisas são sem dúvida conhecido.’ Quão lentamente o coração humano se submete à completa humilhação! Compare o pródigo (veja a nota em Lucas 15:15). Sem dúvida, nosso Senhor viu através dela e percebeu o objetivo mais imediato de sua pergunta. Mas como Ele a encontra? Ele diz ‘Esse não é o ponto agora; mas como fica isso com teu coração e vida? Até que isso seja resolvido, as controvérsias teológicas devem ser deixadas em paz?’ O Príncipe dos pregadores adota outro método: Ele anima a pobre mulher, deixando-a seguir seu próprio caminho, permitindo que ela lidere enquanto Ele a segue – mas assim apenas alcançando Seu propósito de maneira mais eficaz. Ele responde à pergunta dela, derrama luz em sua mente sobre a espiritualidade de toda adoração verdadeira, mesmo como de seu glorioso Objeto, e assim a leva insensivelmente ao ponto em que Ele poderia revelar à sua mente maravilhada com quem ela estava falando o tempo todo. . [Brown, aguardando revisão]

21 Disse-lhe Jesus: Mulher, crê em mim, que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis ao Pai.

Comentário de David Brown

Mulher… – Aqui estão três pesadas informações: (1) O ponto levantado em breve deixará de ser de qualquer momento, pois uma mudança total de dispensação está prestes a vir sobre a Igreja. (2) Os samaritanos estão errados, não apenas quanto ao lugar, mas a toda a base e natureza de sua adoração, enquanto em todos esses aspectos a verdade está com os judeus. (3) Como Deus é um Espírito, Ele convida e exige um culto espiritual, e já tudo está em preparação para uma economia espiritual, mais em harmonia com a verdadeira natureza do serviço aceitável do que o culto cerimonial por pessoas consagradas, lugar, e tempos, que Deus por algum tempo viu se encontrarem para manter a plenitude do tempo.

nem nesta montanha nem ainda em Jerusalém – isto é, exclusivamente (Malaquias 1:11; 1Timóteo 2:8).

adorareis ao Pai – Ela falou simplesmente de “adoração”; Nosso Senhor traz diante dela o grande OBJETO de toda adoração aceitável – “O PAI”. [JFB, aguardando revisão]

22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos, porque a salvação vem dos judeus.

Comentário de David Brown

Vós adorais o que não sabeis – sem qualquer autoridade revelada, e muito no escuro. Nesse sentido, os judeus sabiam o que estavam fazendo. Mas a coisa mais gloriosa aqui é a razão atribuída,

porque a salvação vem dos judeus – insinuando para ela que a salvação não era uma coisa deixada para ser alcançada por qualquer um que a desejasse vagamente de um Deus de misericórdia, mas algo que havia sido revelado, preparado, depositado em um povo em particular, e deve ser procurado em conexão com, e como emitindo deles; e esse povo, “os judeus”. [JFB, aguardando revisão]

23 Porém a hora vem, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade; porque também o Pai busca a tais que o adorem.

Comentário de David Brown

Porém a hora vem, e agora é – evidentemente, querendo que ela entendesse que essa nova dispensação estava em algum sentido sendo montada enquanto Ele estava falando com ela, um sentido que em poucos minutos até agora apareceria, quando Ele disse a ela claramente que Ele era o Cristo. [JFB]

24 Deus é Espírito, e os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade.

Comentário de David Brown

“Como Deus é um Espírito, assim Ele convida e demanda um culto espiritual, e já tudo está em preparação para uma dispensação espiritual, mais em harmonia com a verdadeira natureza do serviço aceitável do que o culto cerimonial por pessoas consagradas, lugares e tempos, que Deus por um tempo considerou necessário guardar até a plenitude do tempo chegar.” [JFU]

25 Disse-lhe a mulher: Eu sei que o Messias vem (que se chama o Cristo); quando ele vier, todas as coisas nos anunciará.

Comentário de David Brown

quando ele vier… – Se tomarmos a revelação imediata de Deus por parte do Senhor, em resposta a isto, como a chave apropriada para o seu significado ao Seu ouvido, dificilmente podemos duvidar que a mulher já estava preparada para o mesmo este anúncio surpreendente, que de fato ela parece (de Jo 4:29) para já ter começado a suspeitar por Sua revelação a si mesma. Assim, rapidamente, sob um professor tão incomparável, ela foi trazida de sua condição afundada para um estado de espírito e coração capaz das mais nobres revelações.

conte-nos todas as coisas – uma expectativa fundada provavelmente em Deuteronômio 18:15. [JFB, aguardando revisão]

26 Disse-lhe Jesus: Eu sou o que contigo falo.

Comentário de David Brown

Eu que falo … sou ele – Ele raramente disse algo assim ao Seu próprio povo, os judeus. Ele os ampliara para a mulher, e para si mesmo Ele é até o último muito mais reservado do que para ela – provando ao invés de claramente dizer-lhes que Ele era o Cristo. Mas o que não teria sido seguro entre eles era seguro o suficiente com ela, cuja simplicidade neste estágio da conversa aparece da sequência para se tornar perfeita. O que agora a mulher vai dizer? Ouvimos, a cena mudou, chega uma nova festa, os discípulos foram à Sychar, a certa distância, para comprar pão e, ao voltar, ficam espantados com a companhia que o seu Senhor tem realizado na ausência deles. [JFB, aguardando revisão]

27 E nisto vieram seus discípulos; e maravilharam-se de que falasse com uma mulher; mas ninguém lhe disse: Que perguntas? ou, O que falas com ela?

Comentário de David Brown

maravilharam-se de que falasse com uma mulher – Provavelmente não lhes ocorreu maravilhar-se com o fato de que Ele falava com eles mesmos. Quão pobres, se não falsos, são muitos dos nossos juízos mais plausíveis!

mas ninguém lhe disse: Que perguntas? ou, O que falas com ela? – assombrados pelo espetáculo, e pensando que deveria haver algo por baixo dele. [JFB, aguardando revisão]

28 Deixou, pois, a mulher seu vaso de água, e foi à cidade, e disse ao povo:

Comentário de David Brown

Deixou seu pote de água – Que requintadamente natural! A presença de estranhos a fez sentir que era hora de se retirar, e Ele que sabia o que estava em seu coração, e o que ela estava indo fazer na cidade, deixou-a ir sem trocar uma palavra com ela ao ouvir outras. Sua entrevista foi sagrada demais, e o efeito sobre a mulher excessivamente forte (para não falar de Sua própria emoção profunda) para permitir que ela continuasse. Mas esse toque desinteressado – que ela “deixou o pote de água” – fala muito. A água viva já começava a surgir dentro dela; ela descobriu que o homem não vive só de pão, nem de água, e que havia uma água de maravilhosa virtude que elevava as pessoas acima da carne e da bebida, e os vasos que as prendiam, e todas as coisas humanas. Em suma, ela foi transportada, esqueceu de tudo, menos de Um, e seu coração transbordou com a história que tinha para contar, ela se apressou para casa e a despejou. [JFB, aguardando revisão]

29 Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito; por acaso não é este o Cristo?

Comentário de David Brown

não é este o Cristo? A forma da questão (em grego) é um modo distante e modesto de apenas insinuar metade do que dificilmente lhe caberia afirmar; nem se refere ao que Ele disse de Si mesmo, mas unicamente à Sua revelação a ela dos detalhes de sua própria vida. [JFB]

30 Saíram, pois, da cidade, e vieram a ele.

Comentário de Thomas Croskery

A vivacidade da imagem é notável, e torna-se ainda mais observando o tempo de ἤρχοντο. Os homens já estavam atravessando os campos verdes que ficavam entre Sicar e o poço de Jacó. Este toque notável explica a conversa que se segue imediatamente. Temos a dupla cena retratada: de um lado, os discípulos ansiosos por sua refeição, e absortos no momento com pensamentos de “proveniência terrena”, inconscientes dos vastos anseios de seu Senhor, e sua paixão pela regeneração e salvação de homens; e, por outro lado, o efeito imediato, produzido nem por sinais nem maravilhas, mas apenas por sua palavra, sobre algumas almas suscetíveis, que lhe apareceram representantes vivos e primícias de uma humanidade redimida. [Croskery, aguardando revisão]

31 E enquanto isso, os discípulos lhe pediam, dizendo: Rabi, come.

Comentário de David Brown

E enquanto isso – isto é, enquanto isso a mulher estava fora.

Rabi, coma – A fadiga e a sede que vimos que Ele sentiu; aqui se revela outra das nossas fraquezas comuns às quais o Senhor estava sujeito – a fome. [JFB]

32 Porém ele lhes disse: Uma comida tenho que comer, que vós não sabeis.

Comentário de David Brown

Uma comida tenho que comer, que vós não sabeis – Que espiritualidade da mente! “Eu tenho comido o tempo todo, e comidas como você não sonha.” O que pode ser isso? eles perguntam um ao outro; algum suprimento lhe foi trazido em nossa ausência? Ele sabe o que está dizendo, embora não o ouça. [JFB, aguardando revisão]

33 Diziam, pois, os discípulos uns aos outros: Por acaso alguém lhe trouxe de comer?

Comentário de Thomas Croskery

Diziam, pois, os discípulos (quase tão obtusos quanto Nicodemos, ou a samaritana, ou como os judeus geralmente eram, ao penetrar no significado oculto das palavras do Senhor) ilustram sem querer o método parabólico, o tecido de frase simbólica e metafórica que Jesus adotou ao longo de sua ministério; eles não se atreveram a interrogá-lo mais, mas disseram uns aos outros: Por acaso alguém lhe trouxe de comer? Aquela mulher samaritana ou qualquer outra? Eles não podiam, ou não subiram para o espiritual ou invisível, nem no momento eles foram além das necessidades prementes da carne. Ainda assim, na forma de sua pergunta, eles deixam margem para dúvidas, se ele não foi capaz de satisfazer o desejo da carne, de transformar pedras em pão ou água em vinho. Certamente não? (O μήτις sugere uma resposta negativa). [Croskery, aguardando revisão]

34 Disse-lhes Jesus: Minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e cumprir sua obra.

Comentário de David Brown

Minha comida é… – “Um servo aqui para cumprir um trabalho prescrito, para fazer e terminar, isto é, carne para mim; e disto, enquanto estavas fora, tive o Meu preenchimento ”. E do que Ele fala assim? Da condescendência, piedade, paciência, sabedoria que Ele tinha colocado sobre uma alma – uma mulher muito humilde, e em alguns aspectos repulsiva também! Mas Ele a conquistou e, através dela, ganharia mais e talvez estabelecesse os alicerces de uma grande obra no país de Samaria; e isto encheu toda a sua alma e elevou-o acima do sentimento de fome natural (Mateus 4:4). [JFB, aguardando revisão]

35 Não dizeis vós, que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que vos digo: Levantai vossos olhos, e vede as terras; porque já estão brancas para a ceifa.

Comentário de David Brown

ainda há quatro meses até que venha a ceifa – isto é, Mas levante os olhos e olhe para aqueles campos à luz de outra criação, pois eis! nesse sentido, eles são para agora brancos para uma colheita, prontos para a foice. A beleza da linguagem é apenas superada pelo brilho da emoção sagrada na redação que ela expressa. Refere-se à maturidade destes Sycharites para a adesão a Ele, e a alegria deste grande Senhor dos ceifadores sobre a reunião antecipada. Oh, poderíamos nós assim, “erguer nossos olhos e olhar” em muitos campos no exterior e em casa, que para parecerem sombrios parecem pouco promissores, como Ele viu os de Samaria, que movimentos, ainda escassos em embrião, e acessos a Cristo? ainda aparentemente distante, poderíamos não discernir como estando bem perto, e assim, em meio a dificuldades e desencorajamentos demais para a natureza sustentar, ser aplaudido – como nosso próprio Senhor estava em circunstâncias muito mais impressionantes – com “canções no noite!” [JFB, aguardando revisão]

36 E o que ceifa, recebe recompensa, e junta fruto para vida eterna; para que ambos se alegrem, tanto o que semeia, quanto o que ceifa.

Comentário de David Brown

aquele que colhe, etc. – Como nosso Senhor não podia querer dizer que o ceifeiro só, e não o semeador, recebia “salários”, no sentido de recompensa pessoal por seu trabalho, os “salários” aqui não podem ser senão a alegria. de ter essa colheita para reunir – a alegria de “colher frutos para a vida eterna”.

que ambos se alegrem – A questão abençoada de toda a colheita é o interesse tanto do semeador como do ceifeiro; não é mais fruto da última operação do que da primeira; e assim como não pode haver colheita sem semeadura prévia, assim também os servos de Cristo, a quem é atribuída a tarefa prazerosa de meramente colher a colheita espiritual, não há trabalho a fazer e não há alegria a provar, que não tenha sido preparado para sua mão pelo trabalho penoso e muitas vezes ingrato de seus antecessores no campo. A alegria, portanto, da grande festa da colheita será a alegria comum de todos os que tomaram parte na obra desde a primeira operação até a última. (Veja Deuteronômio 16:11, 14; Salmo 126:6; Isaías 9:3). Que encorajamento está aqui para aqueles “pescadores de homens” que “trabalharam a noite toda” de sua vida oficial e, para a aparência humana, “não tomaram nada!” [JFB, aguardando revisão]

37 Porque nisto é verdadeiro o ditado, que: Um é o que semeia, e outro o que ceifa.

Comentário de David Brown

Como nosso Senhor não poderia querer dizer que apenas o ceifeiro, e não o que semeia, recebeu “salário”, no sentido de recompensa pessoal por seu trabalho, o “salário” aqui não pode ser outro senão a alegria de ter tal colheita para colher na alegria de “colher frutos para a vida eterna.” O resultado abençoado de toda a colheita é o interesse tanto do semeador quanto do ceifeiro; não é mais fruto da última operação do que da primeira; e assim como não pode haver colheita sem semeadura prévia, assim também aqueles servos de Cristo, a quem é atribuída a agradável tarefa de simplesmente colher a colheita espiritual, nenhum trabalho a fazer e nenhuma alegria a saborear, que não foi preparado para sua mão pelo trabalho penoso e muitas vezes ingrato de seus predecessores no campo. A alegria, portanto, da grande festa da colheita será a alegria comum de todos os que tomaram parte na obra desde a primeira operação até a última. (Veja Deuteronômio 16:1114; Salmo 126:6; Isaías 9:3). [Brown, aguardando revisão]

38 Eu vos enviei para ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no trabalho deles.

Comentário de David Brown

Eu vos enviei… – OI é enfático – Eu, o Senhor de toda a colheita: “enviei-te”, aponta para a sua nomeação passada para o apostolado, embora tenha referência apenas ao seu futuro cumprimento, pois eles tinham nada a ver com o presente ajuntamento dos Sycharites.

você não concedeu nenhum trabalho – o que significa que muito do seu sucesso futuro surgiria da preparação já feita para eles. (Veja em Jo 4:42).

outros trabalharam – Referindo-se aos trabalhadores do Antigo Testamento, o Batista e, por implicação, Ele mesmo, embora Ele cuidadosamente mantenha isso em segundo plano, que a linha de distinção entre Ele mesmo e todos os Seus servos não pode ser perdida de vista. “Cristo representa a si mesmo como o lavrador [antes o Senhor dos operários], que tem a direção tanto da semeadura como da colheita, que comissiona todos os agentes – tanto os do Antigo Testamento como os do Novo – e, portanto, não fique no mesmo nível nem com os semeadores nem com os ceifeiros ”(Olshausen). [JFB, aguardando revisão]

39 E muitos dos samaritanos daquela cidade creram nele pela palavra da mulher, que testemunhava, dizendo: Ele me disse tudo quanto eu tenho feito.

Comentário de David Brown

creram… – A verdade de Jo 4:35 começa a aparecer. Esses samaritanos foram a fundação da Igreja depois construída lá. Nenhum milagre parece ter sido feito lá (mas o conhecimento sobrenatural incomparável exibido): “nós mesmos o ouvimos” (Jo 4:42) bastou para elevar sua fé a um ponto nunca alcançado pelos judeus, e dificilmente até agora pelos discípulos – que Ele era “o Salvador do mundo” (Alford). “Este incidente é ainda mais notável como um exemplo raro do ministério do Senhor, produzindo um despertar em larga escala” (Olshausen). [JFB, aguardando revisão]

40 Vindo pois os samaritanos a ele, suplicaram-lhe que ficasse com eles; e ele ficou ali dois dias.

Comentário de David Brown

ficou ali dois dias – Dois dias preciosos, certamente, para o próprio Redentor! Desprezado, Ele veio para os Seus, todavia os Seus não O receberam; agora aqueles que não eram Seus, vieram a Ele, foram ganhos por Ele e O convidaram para sua cidade, que outros poderiam compartilhar com eles em benefício de Sua ministério maravilhoso. Aqui, então, Ele iria consolar Seu espírito já ferido e ter nesta vila outfield triunfo de Sua graça, uma antecipação sublime da criação de todo o mundo gentio na Igreja. [JFB, aguardando revisão]

41 E creram ainda muitos mais pela palavra dele.

Comentário de F. L. Godet

O versículo marca um duplo avanço, um no número de crentes, outro na natureza de sua fé. Este último avanço é expresso nas palavras: Por causa de Sua palavra, em contraste com as palavras: Por causa da história da mulher (João 4:39); é formulado reflexivamente na declaração de João 4:42. Os samaritanos reservam o termo mais grave λόγος para a palavra de Jesus; eles aplicam à fala da mulher o termo λαλία, que não tem, sem dúvida, nada de desprezo (João 8:43, onde Jesus o aplica aos seus próprios discursos), mas que denota algo mais externo, um mero relato, um pedaço de notícias. O verbo ἀκηκόαμεν, ouvimos, não tem objeto no grego; a ideia está concentrada no sujeito αὐτοί : “Nós mesmos nos tornamos ouvintes”; daí segue: “E como tal conhecemos”. A leitura do Manuscrito Sinaítico: “Ouvimos dele (de sua boca) e sabemos que…”, daria à profissão seguinte o caráter de uma repetição externa e servil, oposta ao espírito da narrativa. A expressão: O Salvador do mundo parece indicar um avanço na noção do Messias nesses samaritanos. A questão é de salvação, e não mais meramente de ensino como em João 4:25. Esta expressão está, talvez, ligada à palavra de Jesus à mulher (João 4:22), que Jesus deve ter desenvolvido para eles: “A salvação vem dos judeus”.

Tholuck e Lucke suspeitam da verdade histórica desse termo Salvador do mundo, como universalista demais na boca desses samaritanos. Com que direito? Essas pessoas não possuíam em seu Pentateuco a promessa de Deus a Abraão: “Todas as famílias da terra serão abençoadas em tua semente”, para a qual Jesus poderia ter chamado sua atenção? E eles não estavam apenas, durante esses dois dias, em contato direto com o amor do verdadeiro Cristo, tão oposto à arrogância particularista do farisaísmo judaico? As autoridades alexandrinas rejeitam as palavras ὁ χριστός, o Cristo. Sem dúvida, pode-se ver neles o selo da união anunciada por Jesus (João 4:23-24) entre os samaritanos (o Salvador do mundo) e os judeus (o Cristo). Mas é mais fácil entender como esse termo pode ter sido acrescentado, do que como poderia ter sido rejeitado.

A acolhida ansiosa que Jesus encontrou entre os samaritanos é um exemplo do efeito que a vinda de Cristo deveria ter produzido entre os Seus. A fé desses estrangeiros foi a condenação da incredulidade de Israel. Foi, sem dúvida, sob essa impressão que Jesus, após aqueles dois dias excepcionais de sua existência terrena, retomou sua viagem à Galiléia. [Godet, aguardando revisão]

42 E diziam à mulher: Já não cremos por teu dito; porque nós mesmos temos o ouvido, e sabemos que verdadeiramente este é o Cristo, o Salvador do mundo.

Comentário de David Brown

porque nós mesmos temos o ouvido, e sabemos que verdadeiramente este é o Cristo, o Salvador do mundo – ou, de acordo com a ordem no original, “que este é realmente o Salvador do mundo, o Cristo”. Que maravilhosa simplicidade e docilidade mostram esses samaritanos! Eles primeiro creditam o testemunho simples da mulher, e a deixam levá-los a Jesus; então eles ficam satisfeitos por uma breve entrevista com Ele mesmo que Ele é o Cristo, e O convidam a visitá-los; e quando Ele condescende em fazê-lo, Sua estada de dois dias não apenas traz muitos mais para a mesma fé Nele, mas eleva essa fé a uma convicção nunca alcançada pelos judeus, e ainda pouco alcançada por Seus próprios discípulos, que como o Cristo Ele era “o Salvador do mundo”. E, no entanto, além do conhecimento sobrenatural que Ele demonstrou em Sua entrevista com a mulher, Ele não parece ter realizado nenhum milagre diante desses samaritanos. Existe algo na História do Evangelho mais notável do que isso? aqueles foram dois dias preciosos, certamente, para o próprio Redentor! Sem ser procurado, Ele veio para os Seus, mas os Seus não O receberam; agora, aqueles que não eram seus vieram a Ele, foram conquistados por Ele, e O convidaram para sua cidade para que outros pudessem compartilhar com eles o benefício de Seu maravilhoso ministério. Aqui, então, Ele consolaria Seu espírito já ferido, e teria nesta aldeia o triunfo de Sua graça em um sublime antegozo da introdução de todo o mundo gentio na Igreja. Olshausen observa corretamente isso como “um exemplo raro do ministério do Senhor produzindo um despertar em grande escala”. [Brown, aguardando revisão]

43 E depois de dois dias partiu dali, e foi-se para a Galileia.

Comentário de David Brown

depois de dois dias – literalmente, os dois dias de sua estada em Sicar. [JFB, aguardando revisão]

44 Porque o mesmo Jesus testemunhou que não tem o Profeta honra em sua própria terra.

Comentário de David Brown

Para Jesus testificou, etc. – Este verso ocasionou muita discussão. Pois parece estranho, se “Seu próprio país” aqui significa Nazaré, que estava na Galileia, que deveria ser dito que Ele veio para a Galileia porque em uma de suas cidades Ele não esperava uma boa recepção. Mas tudo será simples e natural se enchermos a declaração assim: “Ele foi para a região da Galileia, mas não, como era de se esperar, para aquela parte dela chamada ‘Seu próprio país’, Nazaré (ver Marcos 6:4; Lucas 4:24), pois Ele agiu na máxima que Ele repetiu, que ‘um profeta’ ”etc. [JFB, aguardando revisão]

45 Vindo pois para a Galileia, os Galileus o receberam, havendo visto todas as coisas que fizera em Jerusalém no dia da festa, porque também eles foram ao dia da festa.

Comentário de David Brown

recebido – acolheu-o.

tendo visto … na festa – orgulhoso, talvez, das maravilhosas obras de seu compatriota em Jerusalém, e possivelmente vencido por essa circunstância em considerar suas afirmações como pelo menos dignas de uma investigação respeitosa. Mesmo isso nosso Senhor não desprezou, pois a conversão salvífica geralmente começa em menos que isso (assim Zaqueu, Lucas 19:3-10).

porque eles também foram – isto é, era prática deles ir até a festa. [JFB, aguardando revisão]

46 Veio pois Jesus outra vez a Caná da Galileia, onde da água fizera vinho. E estava ali um nobre, cujo filho estava enfermo em Cafarnaum.

Comentário de David Brown

nobre – cortesão, servo do rei ou ligado a uma casa real; como Cuza (Lucas 8:3) ou Manaem (Atos 13:1). [JFB, aguardando revisão]

47 Ouvindo este que Jesus vinha da Judeia para a Galileia, foi ter com ele, e suplicava-lhe que descesse, e curasse a seu filho, porque já estava à morte.

Comentário de David Brown

Ouvindo este que Jesus vinha da Judeia – “onde ele, sem dúvida, viu ou ouviu o que Jesus havia feito em Jerusalém” (Jo 4:45) (Bengel).

descesse – Cafarnaum estava na costa noroeste do mar da Galileia. [JFB]

48 Disse-lhe pois Jesus: Se não virdes sinais e milagres não crereis.

Comentário de David Brown

Ele acreditou, tanto como sua vinda e seu pedido urgente mostram; mas quão imperfeitamente veremos; e nosso Senhor aprofundaria sua fé com uma resposta tão direta e aparentemente rude como fez a Nicodemos. [JFB]

49 O nobre lhe disse: Senhor, desce, antes que meu filho morra.

Comentário de David Brown

desce, antes que meu filho morra – “Enquanto conversamos, o caso está em crise e, se não chegar instantaneamente, tudo estará terminado”. Isso era fé, mas parcial, e nosso Senhor a aperfeiçoaria. O homem não pode acreditar que a cura poderia ser feita sem o médico chegar ao paciente – o pensamento de tal coisa evidentemente nunca lhe ocorreu. Mas Jesus vai levá-lo a isso em um momento. [JFB]

50 Disse-lhe Jesus: Vai, teu filho vive. E o homem creu na palavra que Jesus lhe disse, e se foi.

Comentário de David Brown

Ontem, à sétima hora, a febre o deixou ”- na mesma hora em que foi pronunciada aquela grande palavra:“ Teu filho vive! ”Assim,“ ele mesmo creu e toda a sua casa ”. Anteriormente, ele havia acreditado antes disso; então com confiança assegurada da palavra de Cristo; mas agora com uma fé coroada pela “visão”. E a onda rolou da cabeça para os membros de sua casa. “Hoje é a salvação que vem a esta casa” (Lucas 19:9); e não significa casa isso!

segundo milagre que Jesus fez – isto é, em Caná; feito “depois que ele saiu da Judéia”, como o anterior. [JFB, aguardando revisão]

51 E estando ele já descendo, seus servos lhe saíram ao encontro, e lhe anunciaram, dizendo: Teu filho vive.

Comentário de Thomas Croskery

E estando ele já descendo – para Cafarnaum (se tomarmos alguma das determinações mais recentes do local de Caná (veja João 2:1-2), isso significa que ele havia percorrido uma distância entre vinte e vinte e cinco milhas, para que não haja motivo para ridicularizar ou considerar inexplicável o tempo gasto na viagem de volta, ou que uma noite tenha sido passada no trânsito de Caná), seus servos lhe saíram ao encontro, e lhe anunciaram, dizendo: Teu filho vive. A forma oblíqua é certamente muito mais razoável, menos mecânica e mais provável de ter sido alterada para a forma direta por um copista incauto do versículo anterior, do que ter constituído o texto original. Observe que Jesus usou o título mais digno, “filho” (υἱός); o pai emprega o diminutivo terno (παιδίον); enquanto os servos usam o termo doméstico (παῖς). [Croskery, aguardando revisão]

52 Perguntou-lhes pois, a que hora se achara melhor; e disseram-lhe: Ontem às sete horas a febre o deixou.

Comentário de H. W. Watkins

Perguntou-lhes pois. Mas esses dois fatos – a certeza em Caná e os poderes reais de cura em Cafarnaum – estavam na verdade relacionados um com o outro? Ele se lembra da hora em que se falou; ele pergunta a hora em que o outro foi realizado. Ele nem mesmo agora compreende o significado completo das palavras, e pensa na diminuição gradual da febre e na lenta convalescença, e pergunta quando a criança “começou a se emendar”. Eles viram a mudança repentina como de um novo poder passando para o corpo à beira da morte. Eles falaram disso como uma nova vida e agora pensam que a febre o deixou completamente.

Ontem às sete horas. Vimos (João 1:39) que não há razão suficiente para pensar que João usa o método ocidental de contar as horas do dia. Ainda menos é provável que os servos galileus, que aqui são os oradores, o fizessem. Além disso, acreditar que eram sete horas da manhã ou da noite aumenta, e não elimina, a dificuldade da duração do tempo implícita em “ontem”. que “o crente não se apressa” é perverter tanto o espírito quanto as palavras do texto. Ele claramente foi de uma vez (João 4:50), e sua ansiedade naturalmente acelerou sua velocidade. A distância não era superior a vinte – cinco milhas inglesas, e ele não havia percorrido todo o trajeto, pois os servos foram encontrá-lo. A suposta explicação não pode, portanto, ser explicada. Mas as palavras, se tomadas em seu significado simples, não envolvem tal dificuldade. Esses judeus , como todos os judeus, significava a “sétima hora” a sétima do nascer do sol, o que deveríamos chamar de uma hora. Após o pôr do sol da mesma noite eles teriam começado um novo dia, e esta sétima hora seria para eles como uma hora ‘relógio do dia anterior, ou a sétima hora de ontem. Temos, portanto, um intervalo de cinco ou seis horas entre as palavras ditas por nosso Senhor e sua confirmação pelos servos. [Watkins, aguardando revisão]

53 Entendeu pois o pai, que aquela era a mesma hora em que Jesus lhe disse: Teu filho vive. E creu nele, e toda sua casa.

Comentário de David Brown

E creu nele – primeiro muito imperfeitamente, depois com confiança segura na palavra de Cristo; mas agora com uma fé coroada pela “visão”. E a onda rolou da cabeça para os membros de sua casa. “Hoje a salvação veio a esta casa” (Lucas 19:9); e não significa casa isso. [Brown, aguardando revisão]

54 Este segundo sinal Jesus voltou a fazer, quando ele veio d a Judeia a Galileia.

Comentário de David Brown

Isto é, não Seu segundo milagre depois de sair da Judéia para a Galiléia; mas ‘Seu segundo milagre galileu, e foi realizado após seu retorno da Judéia’ – como o primeiro foi antes de ir para lá. [Brown, aguardando revisão]

<João 3 João 5>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.