João 17

A oração intercessória

1 Jesus falou estas coisas, levantou seus olhos ao céu, e disse: Pai, chegada é a hora; glorifica a teu Filho, para que também teu Filho glorifique a ti.

Comentário Dummelow

chegada é a hora – ou seja, ma Minha glorificação pela morte.

glorifica a teu Filho. Cristo pede ao Pai que O glorifique aceitando o sacrifício de Sua morte, e ressuscitando-O dentre os mortos. Quando isso for feito, o Filho glorificará o Pai convertendo o mundo. [Dummelow, 1909]

2 Assim como lhe deste poder sobre toda carne, para que a todos quantos lhe deste, lhes dê a vida eterna.

Comentário de David Brown

poder sobre toda carne. Compare com João 3:35: “O Pai ama ao Filho, e todas as coisas lhe deu em sua mão”; Mateus 11:27: “Todas as coisas me foram entregues pelo meu Pai”; Mateus 28:18: “Todo o poder me é dado no céu e na terra”.

para que a todos quantos lhe deste, lhes dê a vida eterna. A fraseologia aqui é muito especial: “Para que tudo o que Tu lhe deste, Ele lhes dê a vida eterna”. Sobre a importância dessa linguagem e de todo o sentimento expresso por ela, veja as notas em João 6:37-40. [JFU]

3 E esta é a vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem tens enviado.

Comentário de David Brown

conheçam… – Esta vida eterna, portanto, não é mera existência consciente e interminável, mas uma vida de conhecimento com Deus em Cristo (Jó 22:21).

a ti, o único Deus verdadeiro – o único Deus vivo e pessoal; em glorioso contraste igualmente com o politeísmo pagão, o naturalismo filosófico e o panteísmo místico.

e a Jesus Cristo, a quem tens enviado – Este é o único lugar onde nosso Senhor se dá este nome composto, depois tão presente na pregação e escrita apostólica. Aqui os termos são usados ​​em seu significado estrito – “JESUS”, porque Ele “salva o seu povo dos seus pecados”; “Cristo”, como ungido com a plenitude incomensurável do Espírito Santo para o exercício de Seus ofícios salvíficos (ver em Mateus 1:16); “QUEM FOI ENVIADO”, na plenitude da Autoridade e Poder Divino, para salvar. “A própria justaposição aqui de Jesus Cristo com o Pai é uma prova, por implicação, da Divindade do nosso Senhor. O conhecimento de Deus e de uma criatura não poderia ser a vida eterna, e tal associação de um com o outro seria inconcebível” (Alford). [JFB]

4 Eu já te glorifiquei na terra; consumado tenho a obra que me deste para eu fazer.

Comentário de David Brown

consumado – terminada.

a obra que me deste para eu fazer – É muito importante preservar na tradução o tempo passado, usado no original, caso contrário pode-se pensar que o trabalho já “terminado” era apenas o que Ele havia feito antes de proferir aquela oração; enquanto que será observado que o nosso Senhor fala por toda parte como já além desta cena presente (Jo 17:12, etc.), e assim deve ser suposto incluir em Sua obra “terminada” a “morte que Ele deveria realizar em Jerusalém”. [JFB]

5 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que eu tinha junto de ti, antes que o mundo existisse.

Comentário Dummelow

A memória de Jesus se estende além de Seu nascimento, e além da criação do mundo, de volta à eternidade, quando Ele estava “em forma de Deus” e “igual a Deus” (Filipenses 2:6); compare com Jo 17:24.

que eu tinha junto de ti – isto é, ao Teu lado. [Dummelow, 1909]

6 Manifestei teu nome aos seres humanos que me deste do mundo. Eles eram teus, e tu os deste a mim; e eles guardaram tua palavra.

Comentário de David Brown

Da oração por Ele mesmo Ele agora vem orar por Seus discípulos.

teu nome – todo o seu caráter para com a humanidade.

aos seres humanos que me deste do mundo (ver Jo 6:37-40). [JFB]

7 Agora eles sabem que tudo quanto me deste vem de ti.

Comentário Barnes

Agora eles sabem. Eles aprenderam isso e acreditaram nisso.

quanto me deste. Isto se refere, sem dúvida, à doutrina de Cristo, João 17:8. Eles estão certos de que todas as minhas instruções são de Deus. [Barnes]

8 Porque as palavras que tu me deste eu lhes dei; e eles as receberam, e verdadeiramente reconheceram que eu saí de ti, e creram que tu me enviaste.

Comentário de David Brown

as palavras. As doutrinas. Cristo frequentemente se representava como ordenado e enviado para ensinar certas grandes verdades aos homens. Àqueles que ele ensinou e nenhum outro.

verdadeiramente reconheceram que eu saí de ti (veja em Jo 16:29,31). [JFB, aguardando revisão]

9 Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas sim por aqueles que tu me deste, porque são teus.

Comentário de David Brown

Eu rogo por eles – não como indivíduos meramente, mas como representantes de todos esses em todas as épocas que se sucedem (ver em Jo 17:20).

não rogo pelo mundo – pois eles foram dados a Ele “do mundo” (Jo 17:6), e já haviam sido transformados no exato oposto dele. [JFB]

10 E todas as minhas coisas são tuas; e as tuas coisas são minhas; e nelas sou glorificado.

Comentário de David Brown

E todas as minhas coisas são tuas; e as tuas coisas são minhas – literalmente, “Todas as minhas coisas são tuas e as tuas coisas são minhas.” (Sobre este uso do gênero neutro, ver em Jo 6:37-40). Absoluta COMUNIDADE DE PROPRIEDADE entre o Pai e o Filho é aqui expressa tão claramente quanto as palavras podem fazê-lo (Veja em Jo 17:5). [JFB]

11 E eu já não estou no mundo; porém estes ainda estão no mundo, e eu venho a ti. Pai Santo, guarda-os em teu nome, a aqueles que tens me dado, para que sejam um, como nós somos.

Comentário Whedon

E eu já não estou no mundo. Seu ponto de vista é depois de sua ascensão.

Pai Santo. A primeira petição pelos seus apóstolos. O discurso de abertura, o primeiro, é simplesmente ao Pai; aqui, onde se pede a santa preservação, o endereçamento é ao Pai Santo; em João 17:25, onde a retribuição no mundo é indicada, é o Pai Justo. Stier argumenta elaboradamente que a santidade de Deus é idêntica ao seu amor absoluto. Pode ser, de fato, admitido que do amor primário de Deus, a retidão pura e absoluta, a misericórdia e a pureza são as formas perfeitas. No entanto, esse amor é mais santo do que a própria santidade. Esse amor é santo porque é absolutamente correto; e a santidade consiste na retidão, com toda a intensidade da emoção infinita, e toda a firmeza de uma vontade infinita eternamente determinante. [Whedon]

Leia também um estudo sobre a santidade de Deus.

12 Quando eu com eles estava no mundo, em teu nome eu os guardava. A aqueles que tu me deste eu os tenho guardado; e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, para que a Escritura se cumpra.

Comentário Dummelow

o filho da perdição – isto é, aquele que está destinado à perdição (ou destruição): Judas Iscariotes. Em 2Tessalonicenses 2:3, a expressão é usada para o Anticristo.

para que a Escritura se cumpra. Salmo 41:9, de acordo com Jo 13:18. [Dummelow, 1909]

13 Mas agora venho a ti, e falo isto no mundo, para que em si mesmos tenham minha alegria completa.

Comentário de David Brown

Ou seja, tal tensão se enquadra mais no santuário superior do que na cena de conflito; mas eu falo tão “no mundo”, que Minha alegria, a alegria que experimento ao saber que tais intercessões devem ser feitas para eles pelo seu Senhor ausente, pode ser provada por aqueles que agora os ouvem, e por todos aqueles que lerão o registro deles. [JFB]

14 Tua palavra lhes dei, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.

Comentário Cambridge

Tua palavra. A revelação de Deus como um todo (ver em Jo 17:16 e Jo 5:47).

lhes dei. “Eu” em oposição enfática ao mundo.

os odiou. Em vez disso, “odeia”; o aoristo expressa o único ato de ódio em contraste com o perfeito “lhes dei” um dom que eles continuam a possuir. Estes são os dois resultados do discipulado; de um lado, a proteção de Cristo (Jo 17:12) e o dom da palavra de Deus; do outro, o ódio do mundo. [Cambridge]

15 Não suplico que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno.

Comentário de David Brown

Não suplico que os tires do mundo – pois isso, embora garantisse sua própria segurança, deixaria o mundo sem bênçãos com seu testemunho.

mas que os guardes do maligno – todo o mal no mundo e do mundo. [JFB]

16 Eles não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.

Comentário de David Brown

(veja Jo 15:18-19). Isto é reiterado aqui, para preparar o caminho para a oração que se segue. [JFB]

17 Santifica-os em tua verdade; tua palavra é a verdade.

Comentário de David Brown

Santifica-os – Como a oração anterior, “Guardai-os”, era “negativa”, pedindo proteção para eles do elemento tóxico que cercava e pressionava sobre sua natureza renovada, assim esta oração, “Santificai-os”, é positiva, pedindo o avanço e a conclusão de sua santificação iniciada.

em – dentro

tua verdade – A verdade revelada por Deus, como meio ou elemento da santificação; uma afirmação de imensa importância.

tua palavra é a verdade – (Veja Jo 15:3; Colossenses 1:5; Efésios 1:13). [JFB]

18 Assim como tu me enviaste, eu os enviei ao mundo.

Comentário de David Brown

ao mundo – Como sua missão era levar a efeito os propósitos da missão de seu Mestre, assim nosso Senhor fala da autoridade em ambos os casos como coordenada. [JFB]

19 E por eles a mim mesmo me santifico, para que também eles sejam santificados em verdade.

Comentário de Genebra

a mim mesmo me santifico. Uma vez que Jesus é absolutamente santo, não precisa ser santificado no sentido de se tornar mais puro. Antes, a sua santificação consiste no fato de ser “separado” para fins sagrados. Como sumo sacerdote, ele consagrou-se Êxodo 28:41) para esta tarefa sagrada, que incluiu o seu sacrifício supremo. Assim, aqueles que lhe pertencem devem ser santos e dedicados ao seu serviço. [Genebra, 2009]

20 E não suplico somente por estes, mas também por aqueles que crerão em mim, por sua palavra;

Comentário de David Brown

E não suplico somente por estes – Esta explicação muito importante, proferida em condescendência aos ouvintes e leitores desta oração em todos os tempos, não se destina apenas ao que se segue, mas a toda a oração.

mas também por aqueles que crerão em mim – A maioria dos melhores manuscritos traz “que creem”, todo o tempo futuro sendo visto como presente, enquanto o presente é visto como passado. [JFB]

21 para que todos sejam um; como tu, Pai, em mim, e eu em ti, que também eles em nós sejam um; para que o mundo creia que tu tens me enviado.

Comentário Dummelow

para que todos sejam um. Uma passagem importante sobre a unidade da Igreja. O centro da unidade não está na terra, mas no céu. Os cristãos são “um”, porque estão espiritualmente unidos ao Pai e ao Filho, cuja vida divina e união abençoada compartilham através da fé que dá a vida eterna (Jo 3:16, etc.), e pela participação crente nos sacramentos (Jo 3:5; 6:56; 1Coríntios 10:16-17; 12:13). Nesse sentido mais profundo, a unidade da Igreja não pode ser rompida por divisões externas. Mas a unidade interior também deve se mostrar na unidade externa visível, “para que o mundo creia que tu tens me enviado”. Portanto, todo cristão é obrigado a orar e trabalhar pela reunificação da cristandade. [Dummelow, 1909]

22 E eu tenho lhes dado a glória que tu me deste, para que sejam um, tal como nós somos um.

Comentário de David Brown

A última sentença mostra o significado da primeira. Não é a futura glória do estado celestial, mas o segredo dessa unidade presente logo antes mencionada; a glória, portanto, do Espírito interior de Cristo; a glória de um estado aceito, de um caráter sagrado, de toda graça. [JFB]

23 Eu neles, e tu em mim; para que sejam completos em unidade; e para que o mundo conheça que tu me enviaste, e que tu os amaste, assim como me amaste.

Comentário de Genebra

para que o mundo conheça que tu me enviaste. Essa oração pede não apenas a unidade espiritual (invisível), mas também unidade que seja visível no mundo, “para que o mundo conheça que tu me enviaste”. [Genebra, 2009]

24 Pai, aqueles que tens me dado, quero que onde eu estiver, eles também estejam comigo; para que vejam minha glória, que tens me dado, pois tu me amaste desde antes da fundação do mundo.

Comentário Whedon

para que vejam minha glória – e dela participem, e a possuam, da mesma forma como ver o reino de Deus é fazer parte dele (Jo 3:3). Assim, vendo sua glória, todos somos transformados na mesma imagem de glória em glória (2Coríntios 3:18). [Whedon, 1874]

25 Pai justo, o mundo também não tem te conhecido, e estes têm conhecido que tu me enviaste.

Comentário Cambridge

Pai justo. O epíteto (Jo 17:11) harmoniza-se com o apelo à justiça de Deus que se segue, que é baseado em uma simples declaração dos fatos. O mundo não conhecia a Deus; Cristo o conhecia; os discípulos sabiam que Cristo foi enviado por Ele. “O juiz de toda a terra, não há de fazer o que é justo?”. [Cambridge]

26 E eu fiz teu nome ser conhecido por eles, e eu farei com que seja conhecido mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles.

eu fiz teu nome ser conhecido por eles. Por nome de Deus, deve ser entendido o próprio Deus, e tudo o que Deus se fez conhecido por sua palavra e evangelho, seus atributos e perfeições (Poole, 1685). Não se refere ao nome literal de Deus (Yahweh) como alguns afirmam, visto que este nome, os discípulos, sendo judeus, já conheciam perfeitamente.

<João 16 João 18>

Introdução à João 17

Em João 17 temos a grande intercessão de Cristo por si, pelos apóstolos e pelo mundo. Essa oração é frequentemente, e adequadamente chamada de “Oração Sacerdotal” de Cristo, porque nela Ele se consagra solenemente a ser sacerdote e vítima no sacrifício que se aproxima. O véu é retirado por um momento do santuário interior de Sua mente, e somos habilitados a contemplar com temor e reverência a natureza daquela comunhão íntima que Ele habitualmente mantinha com Seu Pai celestial. [Dummelow, 1909]

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – março de 2020.