João 14

Discurso de Jesus na mesa, depois da ceia

1 Não se perturbe vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.

Comentário de David Brown

crede também em mim – isto é, tenha a mesma confiança em mim. O que menos e o que mais essas palavras podem significar? E se assim for, que pedido fazer por alguém que esteja familiarizado com eles na mesa do jantar! Compare o que foi dito em Jo 5:17, para o qual os judeus pegaram pedras para apedrejá-lo, como “fazendo-se igual a Deus” (Jo 14:18). Mas não é transferência de nossa confiança de seu objeto apropriado; é apenas a concentração da nossa confiança no Filho Invisível e Impalpável sobre o Seu próprio Filho Encarnado, pelo qual essa confiança, em vez da coisa real distante, instável e muitas vezes fria e escassa que é, adquire uma realidade consciente, o calor e poder, que faz todas as coisas novas. Este é o cristianismo em resumo. [JFB, aguardando revisão]

2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; senão, eu vos diria; vou para vos preparar lugar.

Comentário de David Brown

Na casa de meu Pai há muitas moradas – e, portanto, espaço para todos e um lugar para cada um.

senão, eu vos diria – isto é, eu diria a você imediatamente; Eu não te enganaria.

vou para vos preparar lugar – obter para você o direito de estar lá e de possuir seu “lugar”. [JFB, aguardando revisão]

3 E quando eu for, e vos preparar lugar, outra vez virei, e vos tomarei comigo, para que vós também estejais onde eu estiver.

Comentário de David Brown

Estritamente, em Sua aparição Pessoal; mas num sentido secundário e consolador, para cada um individualmente. Marque novamente a afirmação feita: —para vir novamente para receber Seu povo a Si mesmo, para que, onde Ele estiver, eles também possam estar. Ele acha que deve ser o suficiente para ter certeza de que eles estarão onde Ele está e em Seu cuidado. [JFB, aguardando revisão]

4 E já sabeis para onde vou, e sabeis o caminho.

Comentário Barnes

E já sabeis para onde vou. Ele tinha-lhes dito tantas vezes que devia morrer, e ressuscitar, e subir ao céu, que não podiam deixar de compreendê-lo (Mateus 16:21; Lucas 9:22; 18:31-32).

e sabeis o caminho. Isto é, o caminho que conduz à morada para onde ele estava indo. O caminho que deviam seguir era obedecer aos seus ensinamentos, imitar o seu exemplo e segui-lo (Jo 14:6). [Barnes]

5 Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?

Comentário de E. W. Hengstenberg

Não é sem significado que as palavras “chamado Dídimo” não são adicionadas, como em João 11:16, João 20:24, João 21:2. Mostra-nos que Tomé não exibe aqui seu próprio caráter espiritual peculiar, mas apenas expressa o que era comum a todos. Assim, ele não fala em seu próprio nome, mas em nome de todos; e Jesus, no versículo 7, pressupõe que foi o espírito geral que falou nele. As circunstâncias já estavam começando a ser tais, que as diferenças entre o homem de pedra e o homem da dúvida foram eliminadas. “Todos vós vos escandalizareis por causa de mim esta noite”, disse Jesus, Mateus 26:31, e esta ofensa começou a ser desenvolvida agora mesmo. “Não sabemos para onde vais” deve ser interpretado mais cuidadosamente do que tem sido pela maioria Cristo deve ter falado em vão a Seus discípulos, se eles não tivessem entendido que Ele estava indo para o céu, para a glória do Pai. Ele havia, de fato, em tantas palavras, dito a eles que Ele estava indo para o A casa do Pai, e que a casa desse Pai era o céu, todos os filhos de Israel sabiam muito bem. “Aquele que habita no céu” era, com base em Salmos 2, uma das designações mais comuns de Deus. Mas o entendimento dos discípulos era apenas exterior. Eles estavam completamente afundados em tristeza pela partida de seu Mestre, e em ansiosa solicitude por causa do abandono e perigo que os cercavam. O céu se tornou para eles uma terra desconhecida; eles não podiam acompanhar espiritualmente seu Mestre em o caminho que estava diante Dele. Por isso, eles poderiam, de maneira consciente, apreender por si mesmos o caminho para o céu. Se o caminho de Cristo fosse obscuro, o deles também seria obscuro. Somente quando com um olhar claro eles puderam acompanhar seu Senhor nas regiões de luz além, eles estavam em posição de discernir nEle o caminho claro para o céu. Quando a glória celestial de Cristo foi obscurecida para eles, seus olhos foram necessariamente mantidos para que eles não pudessem discernir o caminho brilhante, o caminho da santidade, Isaías 35:8, que os guiaria deste mundo para o próximo. Este caminho não é outro senão o próprio Cristo; e aquele que não penetrou em uma percepção clara da glória celestial de Cristo, também deve perder Seu rastro na terra. Berlim. Bíblia: “A clareza do conhecimento pode, na hora escura, ser muito obscurecida. Cristo o sol, porém, está lá, embora atrás das nuvens”. [Hengstenberg, aguardando revisão]

6 Jesus lhe disse: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.

Comentário de David Brown

Cristo é o caminho para o Pai – ninguém vem ao Pai senão por mim; Ele é a verdade de tudo o que encontramos no Pai quando chegamos a Ele: “Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Colossenses 2:9), e Ele é toda a vida que sempre flui para nós e nos abençoa a partir da Divindade aproximada e manifestada Nele – “Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1João 5:20). [JFB]

7 Se vós conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e desde agora já o conheceis, e o tendes visto.

Comentário de David Brown

Se vós conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e desde agora – ‘de agora em diante’ que eu vos expliquei, já o conheceis, e o tendes visto – Aqui também nosso Senhor, com o que Ele diz, pretende antes ganhar seus ouvidos para mais explicações, do que dizer-lhes o quanto eles já sabiam. [JFU]

8 Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos ao Pai, e basta-nos.

Comentário Barnes

Senhor, mostra-nos ao Pai – Filipe aqui se referiu a alguma manifestação exterior e visível de Deus. Deus havia se manifestado de várias maneiras aos profetas e santos da antiguidade, e Filipe afirmou que, se alguma manifestação deveria ser feita a eles, eles ficariam satisfeitos. Era certo desejar evidências de que Jesus era o Messias, mas tal evidência “tinha sido” abundantemente concedida nos milagres e ensinamentos de Jesus, e que “deveria” ter bastado deles. [Barnes]

9 Jesus lhe disse: Tanto tempo há que estou convosco, e ainda não me tens conhecido, Filipe? Quem a mim tem visto, já tem visto ao Pai; e como dizes tu: Mostra-nos ao Pai?

Comentário Whedon

Quem a mim tem visto, já tem visto ao Pai – Pelas razões acima mencionadas, que o Pai reside na plenitude dos Seus atributos de poder, sabedoria e bondade, concentrados na pessoa humana, e tornados tão plenamente visíveis para o homem quanto o sentido do homem pode captar. [Whedon]

10 Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos falo, não as falo de mim mesmo, mas o Pai que está em mim, ele é o que faz as obras.

Comentário de David Brown

A substância desta passagem é que o Filho é a ordenada e perfeita manifestação do Pai, que Sua própria palavra para isto deve aos Seus discípulos ser suficiente; que se alguma dúvida permanecesse, Suas obras deveriam removê-las (veja em Jo 10:37); mas ainda que estas obras dEle foram projetadas meramente para ajudar a fé fraca, e seriam repetidas, ou melhor, excedidas, pelos Seus discípulos, em virtude do poder que Ele lhes conferiria após a sua partida. Os milagres que os apóstolos fizeram, embora totalmente em Seu nome e pelo Seu poder, e as obras “maiores” – não em grau, mas em espécie – foram a conversão de milhares em um dia, pelo Seu Espírito que os acompanhou. [JFB, aguardando revisão]

11 Crede em mim que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim; e quando não, crede em mim por causa das próprias obras.

Comentário de David Brown

“Por toda a vossa fé em Mim, crede na Minha palavra simples: mas se uma afirmação tão elevada é mais do que a vossa fraca fé ainda pode alcançar, que as obras que fiz contem a sua própria história, e ela não precisará de mais”. Pode alguma coisa mostrar mais claramente que Cristo reivindicou para Seus milagres um caráter mais elevado do que os dos profetas ou apóstolos? E, contudo, esse caráter superior não estava nas obras em si, mas na Sua maneira de fazê-los. [JFU]

12 Em verdade, em verdade vos digo, que aquele que crê em mim, as obras que eu faço também ele as fará; e fará maiores que estas. Porque eu vou a meu Pai.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Essa vigorosa certeza mostra desde o início quão além do horizonte dos discípulos estava a promessa que se seguiu. O Senhor havia, em João 5:20, descrito as obras que Ele realizou durante Sua vida terrena como mero prelúdio de obras maiores. Os maiores feitos que, no Antigo Testamento, foram atribuídos ao Messias, mal foram inaugurados neste momento. Ele deveria ser a luz dos gentios, Isaías 42:6; e governar de mar a mar, e desde o rio até os confins da terra, Salmo 72:8 ; Zacarias 9:10; todos os reis deveriam adorá-lo, todos os pagãos o serviam, Salmo 72:11. A raiz de Jessé, que era um estandarte para as nações, os gentios deveriam buscar, Isaías 11:10 . De tudo isso ainda havia apenas uma tênue antecipação. E a grande obra messiânica de graça e julgamento sobre o povo judeu, conforme anunciado pelos profetas, ainda estava longe de ser realizada. Em vez das centenas de crentes dentre os judeus que foram reunidos durante a vida do Senhor, 1Coríntios 15:6, muitas miríades foram conquistadas pela pregação dos Apóstolos após a ressurreição do Senhor, Atos 21:20. E no que diz respeito ao julgamento sobre eles, o murchamento da figueira do povo judeu ocorreu apenas em símbolo pouco antes da partida de Cristo; e o verdadeiro desenraizamento daquelas plantas que o Pai celestial não havia plantado foi deixado para o futuro, para ser obra do exaltado Redentor, e para aquelas orações dos crentes que deveriam evocar Sua obra; pois, segundo Mateus 21:21, o murchar da figueira aparece como obra, nesse sentido, dos próprios crentes.

A antítese, de fato, não é entre Cristo e Seus discípulos, mas entre o Cristo humilde e o Cristo exaltado. Seus discípulos realizam suas obras apenas como órgãos do Senhor ascendido e por Sua assistência. Todo o poder do desempenho é aqui expressamente colocado na fé dos discípulos em Cristo; nas palavras “porque vou para o Pai” baseia-se na glorificação de Cristo e na onipotência ligada a ela; no versículo 13, cujo ποιήσω se refere ao ποιήσει do versículo 12, somente Cristo é exibido como agindo, enquanto a cooperação dos discípulos é referida à sua oração. Sem Mim, disse o Senhor em João 15:5, nada podeis fazer.

Os apóstolos não são especificamente mencionados, mas geralmente todos os que crêem em Cristo. Estamos, portanto, justificados para buscar o cumprimento dessas palavras em todo o curso da história da Igreja cristã.

Com “Os trabalhos que eu faço, ele fará” devemos comparar Marcos 16:17-18. Aí as obras são numeradas individualmente. Mas devemos considerar essa enumeração como apenas uma individualização. Por trás destes sinais palpáveis estão outros, mais escondidos e menos óbvios, mas na realidade muito maiores: o poder milagroso que Cristo assegurará a Seu povo para a conversão dos indivíduos e das nações, para o efeito da regeneração em um mundo corrompido até o centro, para sua vitória sobre toda a força hostil do mundo, e sobre seu príncipe que exerce essa força. O que devemos pensar, especialmente, é claro a partir de “coisas maiores que ele fará”. Em referência aos milagres, comumente chamados, Cristo não foi superado por Seus discípulos; pelo contrário, eles eram consideravelmente inferiores a Ele. Mas em que domínio estamos principalmente para buscar as obras aqui faladas, João 12:32 nos ensina: “E eu, se eu for levantado da terra” (isto corresponde ao “ir para o Pai” aqui), “atrairei todos os homens para Mim”. Daí a grande obra que deveria ser realizada após a exaltação de Cristo, e no poder dessa exaltação, foi a conversão do mundo, especialmente das nações pagãs. Além disso, em João 10:16, onde nosso Senhor assim exibe o resultado de Sua morte expiatória, e a grande tarefa a ser cumprida depois dela: “E outras ovelhas que tenho, que não são deste aprisco: estas também devo trazer, e elas ouvirão Minha voz; e haverá um só aprisco, e um só pastor”. Assim também podemos comparar Mateus 28:18-20. Ali o Senhor se baseia no “poder” que lhe foi dado no céu e na terra como resultado de Sua paixão expiatória, a injunção: “Ide e discipulai todas as nações”, e promete que Ele estaria com elas até o fim do mundo para a realização de uma obra imensamente superior a todo o poder humano. Temos também uma ilustração das “obras maiores do que estas que Ele fará” no Apocalipse, que retrata a maravilhosa vitória de Cristo e Seus membros sobre o mundo gentio e seu príncipe; compare particularmente, João 17:14: “Estes farão guerra com o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois Ele é Senhor dos senhores, e do Kino; dos reis; e os que estão com Ele são chamados, e escolhidos, e fiéis”. Mas o comentário adequado ao nosso texto é fornecido por uma palavra dita alguns dias antes aos discípulos. Mateus 21:21-22: “Em verdade vos digo: Se tiverdes fé e não duvidardes, não só fareis o que se faz à figueira, mas também, se disserdes a esta montanha: Sede removidos, e sede lançados ao mar; isso será feito”. E tudo, tudo o que pedirdes em oração, crendo, recebereis”. Esta passagem está intimamente ligada com o que estamos considerando. O versículo 22 coincide absolutamente com o versículo 13. Eles têm em comum também a introdução por “Verdadeiramente”, e a ênfase colocada em acreditar. Vemos daí que as obras maiores deveriam consistir na vitória sobre Jerusalém, e sobre o poder secular gentio então concentrado em Roma. Não é necessário provar que a figueira significava o povo judeu; e, é claro, o que eles deveriam fazer deve ter se referido a uma ação antitípica em outra coisa, já que a figueira natural já estava destruída. “Isto que é feito à figueira” deve ter se referido a algo ainda a ser feito à sua contraparte. Assim também, em conexão com a figueira, a montanha deve ter tido um significado simbólico: nem isto pode ser obviado pela sugestão de que se fale desta montanha; pois também se falou de uma figueira específica. Esta figueira, esta montanha, foi santificada em símbolos de poderes hostis. A montanha, em contradição com a figueira, só pode ser um símbolo do poder temporal dos gentios. No Antigo Testamento, as montanhas são usadas como os símbolos comuns dos reinos. Em Zacarias 4:7, a grande montanha é o império persa, que estava em uma atitude de oposição à construção do Templo. Em Jeremias 51:25, a montanha que põe em perigo toda a terra é o império caldeu. Portanto, a montanha aqui é o império universal que era então, o de Roma. O mar é, segundo o simbolismo comum das Escrituras, o mar das nações: comp. sobre João 6:14-21; Apocalipse 8:8-9, do qual o império universal tinha surgido poderosamente no tempo de sua prosperidade, mas no qual agora se afunda novamente através da fé dos discípulos e do poder de Cristo. Apocalipse 18:21 é paralelo, onde lemos, com referência ao império romano, e em alusão a Jeremias 51:63-64: “E um poderoso anjo pegou uma pedra como uma grande pedra de moinho, e a lançou ao mar, dizendo: Assim, com violência será lançada ao chão a grande cidade Babilônia, e não será mais encontrada”. No chão da mesma passagem em Jeremias, nosso Senhor, referindo-se ao poder então vigente, já havia falado, Mateus 18:6, daqueles que ofendiam seus pequenos sendo lançados ao mar com mós.

O fundamento das obras como as de Cristo, e obras ainda maiores, está no “ir para o Pai”. O que se segue é apenas o desenvolvimento posterior da idéia, de que a obra de Cristo não cessaria com Sua morte; de que os discípulos não precisam temer que se afundariam novamente nas trevas quando a luz de Suas obras, que durante Sua vida terrena os havia irradiado, fosse retirada; e de que não seriam deixados às conseqüências de sua própria impotência. A independência da cláusula é confirmada por uma comparação com o versículo 28, onde o “Eu vou para o Pai” está em uma posição independente semelhante, e onde o “Meu Pai é maior que eu” desenvolve o significado consolador que está nessas palavras. A independência da cláusula no versículo 13, “E tudo o que pedirdes”, etc., é clara de Mateus 21:22, o que corresponde exatamente a este ditado atual. Assim também, da repetição no versículo 14, Jesus ia para o Pai, para a glória que Ele tinha com Ele antes que o mundo fosse, João 17:5; e Ele, portanto, podia ajudar mais poderosamente seus discípulos na realização de obras maiores do que Ele mesmo, nos dias de sua forma de servo, podia realizar. Ir ao Pai era entrar em Sua glória, Lucas 24:26; e esta glória não podia deixar de ter uma influência mais abrangente sobre Seu povo abaixo. Quando Jesus foi para o Pai, a dor dos discípulos deve ser transformada em alegria, e seu desânimo em confiança. A partida de seu Senhor, que parecia torná-los indefesos e abandoná-los como presa fácil para os lobos, foi a própria condição e o fundamento de seu poder e de sua vitória. Ela tornou a onipotência de seu Mestre disponível para eles. “Como não devemos esperar algo mais glorioso dos exaltados do que do Cristo humilde?” Lutero: “Cristo indo para o Pai significa, que Ele é exaltado ao Senhor acima, e colocado em um trono real à direita do Pai, sendo todo o poder e autoridade submetidos a Seu domínio no céu e na terra”. E, portanto, tereis o poder de fazer tais obras, porque sois Meus membros e credes em Mim, para que estejais em Mim e Eu estarei em vós”.

Agora estou fraco, porque ainda ando aqui embaixo nesta carne; e faço obras mais leves e menos consideráveis, levantando apenas alguns dos mortos e curando um punhado de judeus; e devo me submeter a ser crucificado e morto. Mas depois, quando tiver sido crucificado, enterrado e ressuscitado, darei meu grande salto da morte para a vida, da cruz e do sepulcro para a glória eterna, e majestade e poder divinos; e então, como já disse, atrairei tudo para Mim, de modo que todas as criaturas devem ser submetidas a Mim, e posso dizer-vos. Apóstolos e cristãos: Tu, Pedro e Paulo, ide e derrubai o império romano, se ele não receber Minha palavra e Me obedecer; pois ele deve receber o Evangelho, ou tropeçar nele para arruiná-lo”.

Este presente ditado de Nosso Senhor não é meramente rico em consolo; ele também dá ocasião para um rígido auto-exame por parte da Igreja e de cada cristão individualmente. Cristo aqui deu uma asseveração solene, de que todo aquele que acreditar nEle fará obras como as que Ele fez enquanto esteve na Terra, e obras ainda maiores. Portanto, quando estas obras são encontradas em falta, deve haver falta de fé: como diz Augustin. Si ergo qui credit faciet, non credit utique qui non faciet. A queixa, que agora é tão comum, sobre a corrupção do mundo, o fraco lamento de desânimo sobre a incredulidade da época, deve ser humilhada diante desta afirmação de nosso Senhor. Cristo está sentado para sempre à direita do Pai, equipado com braços irresistíveis contra todos os Seus inimigos. Mas “a fé cai sobre a terra”. Há, de fato, uma diferença de estações no reino de Deus; há tempos em que o poder é dado às trevas; e, sem dúvida, tal tempo é aquele em que vivemos. Mas nosso ditado vale até mesmo para tempos como estes. Quanto maior é a oposição, mais claramente é a tarefa da fé fazer “obras maiores”, e quanto mais rica é a ajuda que é dada do alto para a realização desta tarefa. [Hengstenberg, aguardando revisão]

13 E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei; para que o Pai seja glorificado no Filho.

Comentário de David Brown

E tudo quanto pedirdes em meu nome – como mediador.

eu o farei – como Cabeça e Senhor do reino de Deus. Esta promessa abrangente é enfaticamente repetida em Jo 14:14. [JFB, aguardando revisão]

14 Se alguma coisa me pedirdes em meu nome, eu a farei.

Comentário de David Brown

Observe aqui, que enquanto eles deveriam perguntar o que querem, não Dele, mas do Pai em Seu nome, Jesus diz que é Ele mesmo que vai “fazer isso” por eles. Que reivindicação é essa de não apenas ser perfeitamente conhecedor de tudo o que é derramado no ouvido do Pai por Seus discípulos amorosos na terra, e de todos os conselhos e planos do Pai quanto às respostas a serem dadas a eles, a natureza precisa e medida da graça a ser dada a eles, e o tempo apropriado para isso – mas ser o Distribuidor autorizado de tudo o que essas orações atraem, e, nesse sentido, o Ouvinte da oração! Que alguém tente conceber esta afirmação sem ser a igualdade essencial de Cristo com o Pai, e a considerará impossível. A repetição enfática disto, que se eles pedirem algo em Seu nome, Ele o fará, falará tanto da prevalência ilimitada de Seu nome com o Pai, como de Sua autoridade ilimitada para dispensar a resposta. Mas veja mais adiante em João 15:7.

Esta parte do discurso é notável, pois contém o primeiro anúncio do Espírito, para suprir ausência da presença pessoal do Salvador.  [JFU]

15 Se me amais, guardai meus mandamentos.

guardai meus mandamentos – ou seja, “obedeçam-me” (VIVA).

16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique sempre convosco;

Comentário de David Brown

ele vos dará outro Consolador. Consolador é uma palavra usada somente por João em seu Evangelho com referência ao Espírito Santo; em sua Primeira Epístola (1João 2:1), com referência ao próprio Cristo. Em seu sentido próprio é “advogado”, “auxiliar”, “ajudador”. Neste sentido trata-se claramente de Cristo (1João 2:1) e, nesse sentido, compreende todo o consolo, bem como a ajuda da obra do Espírito. O Espírito está aqui prometido como Aquele que suprirá o próprio lugar de Cristo na Sua ausência.

para que fique sempre convosco.  Nunca vá embora, como Jesus faria no corpo. [JFB]

17 Ao Espírito de verdade, a quem o mundo não pode receber; porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.

Comentário de David Brown

a quem o mundo não pode receber (Veja 1Coríntios 2:14).

porque habita convosco, e estará em vós. Embora a plenitude de ambos fosse ainda futura, nosso Senhor, usando tanto o presente como o futuro, parece claramente dizer que eles já tinham a semente dessa grande bênção. [JFB]

18 Não vos deixarei órfãos; eu virei a vós.

Comentário de David Brown

Não vos deixarei órfãos. Em estado de luto e desolação.

eu virei a vós. Isto é, pelo Espírito, porque foi a Sua presença que fez com que a partida pessoal de Cristo não fosse um sofrimento a eles. [JFU]

19 Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais; mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis.

Comentário Dummelow

mas vós me vereis – literalmente, durante os quarenta dias, espiritualmente após o Pentecostes, quando vocês desfrutarão de uma comunhão comigo tão profunda e prazerosa, que será melhor do que ver.

porque eu vivo [para sempre] e vós vivereis – espiritualmente em Mim. [Dummelow, 1909]

20 Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós.

Comentário Barnes

Naquele dia. No tempo em que a minha vida vos será plenamente manifestada, e recebereis a certeza de que eu vivo. Isto se refere ao tempo depois de sua ressurreição, e às manifestações que de várias maneiras ele faria que ele estava vivo.

conhecereis que estou em meu Pai…Que estamos muito intimamente e indissoluvelmente unidos”.

vós em mim. Que há uma união entre nós que nunca poderá ser rompida. [Barnes]

21 Quem tem meus mandamentos, e os guarda, esse é o que me ama; e quem a mim me ama, será amado de meu Pai, e eu o amarei, e a ele me manifestarei.

Comentário de David Brown

Quem tem meus mandamentos, e os guarda (Veja, Jo 18:15).

será amado de meu Pai, e eu o amarei – Marque a linha nítida de distinção aqui, não apenas entre as Pessoas Divinas, mas as atuações de amor em cada um, respectivamente, em direção aos verdadeiros discípulos. [JFB, aguardando revisão]

22 Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, que há, porque a nós te manifestarás, e não ao mundo?

Comentário de David Brown

Judas (não o Iscariotes) – Parêntese bonito esso! Como o traidor não estava mais presente, não precisávamos saber que essa pergunta não vinha dele. Mas é como se o evangelista tivesse dito: “Um Judas muito diferente do traidor, e uma pergunta muito diferente de qualquer outra que ele teria colocado. De fato [como diz um em Stier], nunca lemos de Iscariotes que ele entrou em qualquer caminho para as palavras de seu Mestre, ou até mesmo colocar uma questão de curiosidade (embora possa ser que ele tenha feito, mas que nada dele foi considerado apto para a imortalidade nos Evangelhos, mas, seu nome e traição). “

porque a nós te manifestarás, e não ao mundo? – uma questão natural e apropriada, fundada em Jo 14:19, embora os intérpretes falem contra ela como sendo judaica. [JFB, aguardando revisão]

23 Respondeu Jesus, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos morada com ele.

Comentário de David Brown

e viremos a ele, e faremos morada com ele – uma declaração surpreendente! Naum “vinda” do Pai, Ele “refere-se à revelação dEle como um Pai para a alma, que não ocorre até que o Espírito venha ao coração, ensinando-o a clamar , Abb, Pai” (Olshausen). A “morada” significa uma permanência permanente e eterna! (Veja Levítico 26:11-12; Ezequiel 37:26-27; 2Coríntios 6:16 e contraste Jeremias 14:8). [JFB, aguardando revisão]

24 Quem não me ama, não guarda minhas palavras. E a palavra que ouvis não é minha, mas sim do Pai que me enviou.

Comentário de David Brown

Quem não me ama, não guarda minhas palavras. Portanto, toda a obediência que não brota do amor a Cristo não é, aos seus olhos, nenhuma obediência.

E a palavra que ouvis não é minha, mas sim do Pai que me enviou. (Veja a nota em Mateus 10:40) Será observado que quando Cristo se refere à autoridade de Seu Pai, não se trata de falar dos que O amam e guardam Suas palavras – no caso deles era supérfluo – mas de falar dos que não O amam e não guardam Suas palavras, a quem Ele considera responsável pela dupla culpa de desonrar o eterno Remetente e o Enviado. [JFU]

25 Estas coisas tenho dito a vós, estando ainda convosco.

Comentário Barnes

tenho dito. Para vossa consolação e orientação. Mas, ainda que ele tivesse dito tantas coisas para consolá-los, o Espírito seria dado também como seu Consolador e Guia. [Barnes]

26 Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, ao qual o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará tudo, e tudo quanto tenho dito vós, ele vos fará lembrar.

Comentário de David Brown

esse vos ensinará tudo, e tudo quanto tenho dito vós, ele vos fará lembrar (ver em Jo 14:15,17). Como o Filho veio em nome do Pai, assim o Pai enviará o Espírito em meu nome, diz Jesus, isto é, com poder e autoridade divina para reproduzir em suas almas o que Cristo lhes ensinou, “trazendo à consciência viva o que eram sementes adormecidas em suas mentes” (Olshausen). Sobre isto repousa a credibilidade e a suprema autoridade divina da história do Evangelho. O todo do que aqui está dito do Espírito é decisivo de Sua personalidade divina. [JFB]

27 A paz vos deixo, minha paz vos dou; vou dá- la a vós, não como o mundo a dá. Não se perturbe vosso coração, nem se atemorize.

Comentário de David Brown

A paz vos deixo, minha paz vos dou – Se Jo 14:25-26 soou como uma nota de preparação para o encerramento do discurso, isto soaria como uma despedida. Mas, quão diferente do comum! É uma palavra de despedida, mas de grande importância, a costumeira “paz” de um amigo de despedida sublimada e transfigurada. Como “o Príncipe da paz” (Isaías 9:6) Ele trouxe-a em carne, levou-a em sua própria pessoa (“minha paz”) morreu para torná-la nossa, deixou-a como a herança de seus discípulos sobre a terra, implanta e mantém por Seu Espírito em seus corações. Muitos legados são “deixados” que nunca são “dados” ao legatário, muitos são um presente destinado que nunca atinge seu objeto adequado. Mas Cristo é o executor do seu próprio testamento; a paz que Ele “deixa” Ele “dá”; assim, tudo é seguro.

não como o mundo a dá – em contraste com o mundo, Ele dá sinceramente, substancialmente, eternamente. [JFB, aguardando revisão]

28 Já ouvistes que vos tenho dito: Vou, e venho a vós. Se me amásseis, verdadeiramente vos alegraríeis, porque tenho dito: Vou ao Pai; pois meu Pai maior é que eu.

Comentário de David Brown

Se me amásseis, verdadeiramente vos alegraríeis, porque tenho dito: Vou ao Pai; pois meu Pai maior é que eu – Estas palavras, que os arianos e socinianos continuamente citam como evidência triunfante contra a própria Divindade de Cristo, realmente produzem nenhum sentido inteligível em seus princípios. Era um homem santo em seu leito de morte, vendo seus amigos em lágrimas diante da perspectiva de perdê-lo, dizendo: “Vocês devem preferir a alegria de chorar por mim e fariam se realmente me amassem”, o discurso seria bastante natural. Mas se perguntassem a ele, por que a alegria de sua partida era mais adequada do que tristeza, não voltariam com espanto, se não horror, se ele respondesse: “Porque meu pai é maior do que eu?” Este estranho discurso dos lábios de Cristo, então, não pressupõe tal ensinamento de Sua parte, pois tornaria extremamente difícil para eles pensarem que Ele poderia ganhar qualquer coisa, partindo para o Pai, e tornando necessário que Ele dissesse expressamente que havia um sentido em que Ele poderia fazer isso? Assim, esta surpreendente explicação parece claramente destinada a corrigir tais equívocos que possam surgir do enfático e reiterado ensinamento de Sua própria igualdade com o Pai – como se Exaltando um Pessoa fosse incapaz de qualquer ascensão por transição desta cena sombria para um céu sem nuvens e o próprio seio do Pai – e assegurando-lhes que não era esse o caso, para fazê-los esquecer sua própria tristeza em Sua alegria que se aproximava. [JFB, aguardando revisão]

29 E já agora o disse a vós antes que aconteça, para que quando acontecer, o creiais.

Comentário de David Brown

E já agora o disse a vós antes que aconteça. Falando da sua partida para o Pai, e do dom do Espírito Santo.

para que quando acontecer, o creiais. Ou tenhais a vossa fé imutavelmente estabelecida. [JFU]

30 Já não falarei muito convosco; pois o príncipe deste mundo já vem, e ele nada tem em mim.

Comentário de David Brown

Já não falarei muito convosco – “Tenho um pouco mais a dizer, mas minha obra se apressa e a abordagem do adversário será logo.”

pois o príncipe deste mundo já vem – (veja em Jo 12:31).

vem – com intenção hostil, para um último grande ataque, tendo falhado em sua primeira investida (Lucas 4:1-13), do qual ele “partiu [somente] por um tempo” (Jo 14:13). [JFB, aguardando revisão]

31 Mas para que o mundo saiba que eu amo ao Pai, e assim faço como o Pai me mandou; levantai-vos, vamos embora daqui.

Comentário de David Brown

Mas para que o mundo saiba que eu amo ao Pai – O sentido deve ser completado assim: “Mas para o Príncipe do mundo, embora ele não tenha nada em Mim, eu Me entregarei até a morte, que o mundo pode saber que eu amo e obedeço ao Pai, cujo mandamento é que dê a Minha vida em resgate por muitos “.

levantai-vos, vamos embora daqui – Então, nesse estágio do discurso, eles deixam a sala de jantar, como alguns intérpretes capazes concluem? Se assim for, achamos que o nosso evangelista teria mencionado: veja Jo 18:1, o que parece claramente intimar que eles só saíram do cenáculo. Mas o que significam as palavras, se não isso? Achamos que foi o ditado daquela declaração da data anterior: “Eu tenho um batismo para ser batizado, e como vou me esforçar até que seja cumprido!” – uma expressão espontânea e irreprimível da profunda ânsia de Seu espírito de entrar o conflito, e se, como é provável, foi respondido literalmente demais pelos convidados que se penduraram em Seus lábios, no caminho de um movimento para partir, um aceno de Sua mão, seria suficiente para mostrar que Ele tinha ainda mais a dizer antes de se separarem; e aquele discípulo, cuja pena foi imersa em um amor ao seu Mestre que fez seus movimentos de pequena consequência, exceto quando essencial à ilustração de Suas palavras, registraria esta pequena explosão do Cordeiro se apressando para o matadouro, bem no meio de Seu sublime discurso; enquanto o efeito disto, se algum, sobre os Seus ouvintes, como de nenhuma consequência, naturalmente seria passado por cima. [JFB, aguardando revisão]

<João 13 João 15>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.