Atos 1

1 Eu fiz o primeiro livro, ó Teófilo, sobre todas as coisas que Jesus começou, tanto a fazer como a ensinar;

Comentário de David Brown

antigo tratado – Evangelho de Lucas.

Teófilo – (Veja em Lucas 1:3).

começou, tanto a fazer como a ensinar – uma afirmação muito importante, dividindo a obra de Cristo em dois grandes ramos: aquele que abraça Sua obra na terra, o outro Sua obra subsequente do céu; o um em sua própria pessoa, o outro por seu espírito; o um o “começo”, o outro a continuação do mesmo trabalho; o completo quando Ele sentou-se à direita da Majestade no alto, o outro continuou até o Seu segundo aparecimento; aquela registrada em “Os Evangelhos”, o começo apenas do outro relacionado neste livro de “Os Atos”. “Portanto, a grande história do que Jesus fez e ensinou não conclui com Sua partida ao Pai; mas agora Lucas começa em uma tensão maior; pois todos os trabalhos subsequentes dos apóstolos são apenas uma exibição do ministério do próprio Redentor glorificado, porque eles estavam agindo sob Sua autoridade, e Ele era o princípio que operava neles todos ”(Olshausen). [JFB, aguardando revisão]

2 Até o dia em que ele foi recebido acima, depois de pelo Espírito Santo ter dado mandamentos aos apóstolos que tinha escolhido;

Comentário de David Brown

depois de pelo Espírito Santo ter dado mandamentos… – referindo-se à acusação registrada em Mateus 28:18-20; Marcos 16:15-18; Lucas 24:44-49. É digno de nota que em nenhum outro lugar tais comunicações do Redentor ressuscitado dizem ter sido dadas “através do Espírito Santo”. Em geral, isso poderia ter sido dito de tudo o que Ele pronunciou e tudo o que Ele fez em Seu caráter oficial; pois foi para esse fim que Deus “não deu o Espírito por medida a Ele” (Jo 3:34). Mas depois de Sua ressurreição, como para significar a nova relação na qual Ele estava agora junto à Igreja, Ele sinalizou Seu primeiro encontro com os discípulos reunidos, respirando sobre eles (imediatamente depois de lhes dispensar Sua paz) e dizendo: “Recebei o Espírito Santo ”(Jo 20:22) antecipando assim a doação do Espírito de Suas mãos (ver em Jo 20:21-22); e no mesmo princípio Suas acusações de despedida foram ditas “por meio do Espírito Santo”, como que para assinalar que Ele agora estava todo absorto com o Espírito; que o que fora manejado, durante Seu trabalho de sofrimento, para Seus próprios usos necessários, havia sido libertado agora, já estava transbordando de Si mesmo para Seus discípulos, e precisava de Sua ascensão e glorificação para fluir por toda parte. (Veja em Jo 7:39.) [JFB, aguardando revisão]

3 Aos quais também, depois de ter sofrido, apresentou-se vivo com muitas evidências; sendo visto por eles durante quarenta dias, e falando-lhes das coisas relativas ao reino de Deus.

Comentário de David Brown

apresentou-se vivo – Como o autor está prestes a nos dizer que “a ressurreição do Senhor Jesus” foi o grande fardo da pregação apostólica, então o assunto é aqui originalmente introduzido por uma alusão à evidência primária sobre a qual esse grande fato repousa, as manifestações repetidas e inegáveis ​​de Si mesmo no corpo para os discípulos reunidos, que, em vez de estarem predispostos a acreditar, tinham que ser dominados pela evidência irresistível de seus próprios sentidos, e demoravam a ceder até mesmo a isso (Marcos 16:14).

depois de ter sofrido – ou sofrimento. Este sentido primário da palavra “paixão” caiu em desuso; mas é nobremente consagrado na fraseologia da Igreja expressar os finais finais do Redentor.

visto deles quarenta dias – Esta importante especificação do tempo ocorre aqui apenas.

falando de “falar”.

das coisas relativas ao reino de Deus – até agora só no germe, mas logo para tomar forma visível; o mais antigo e mais recente fardo de Seu ensino na terra. [JFB, aguardando revisão]

4 E, reunindo-os, mandou-lhes que não saíssem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai que (disse ele) de mim ouvistes.

Comentário de David Brown

não saíssem de Jerusalém – porque o Espírito deveria glorificar a economia existente, descendo sobre os discípulos em sua sede metropolitana, e no próximo de seus grandes festivais após a ascensão da Cabeça da Igreja; a fim de que “de Sião possa sair a lei, e a palavra do Senhor de Jerusalém” (Isaías 2:3; e compare com Lucas 24:49). [JFB, aguardando revisão]

5 Porque João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muitos dias depois destes.

Comentário Ellicott

João batizou com água (Mateus 3:11) As palavras lançaram os discípulos de volta à lembrança de sua primeira admissão ao Reino. Alguns deles, pelo menos, devem ter se lembrado também do ensino que lhes falou sobre o novo nascimento da água e do Espírito (João 3:3-5). Agora eles são informados de que seus espíritos deveriam ser totalmente batizados, ou seja, mergulhados no poder do Espírito Divino, como seus corpos haviam sido mergulhados nas águas do Jordão. E isso aconteceria “não muitos dias depois destes”. O tempo ficou indefinido, como disciplina para sua fé e paciência. Disseram-lhes que não demoraria muito, para que a fé e a paciência não falhassem. [Ellicott]

Comentário Whedon

batizados com o Espírito Santo. Sob a antiga dispensação, era a lei, o tipo, o ritual e a sombra que eram proeminentes, e o Espírito estava em segundo plano; soba nova, inversamente, todos esses se retraem para o segundo plano, e o Espírito é predominante. Esta é a dispensação não do ritual, mas do Espírito. Portanto, deve ser inaugurado por uma manifestação plena e avassaladora do Espírito, como a antiga foi inaugurada pelo esplendor físico do Sinai.

não muitos dias depois destes. Embora os dias de atraso no cumprimento da promessa não fossem muitos, por que tantos? Por que não o carisma imediato? As razões podem ser várias:1. Seus corações devem ser treinados por ainda mais experiências antes que eles estejam preparados para se tornarem recipientes de tão maravilhoso derramamento do Espírito. Erros (como sua pergunta no Atos 1:6) devem ser corrigidos; provações como a última partida de seu Senhor devem ser suportadas; horas de súplica fervorosa (Atos 1:14) devem ser passadas antes que seus próprios corações, mentes e vontades estejam prontos para cooperar livre, plena e energeticamente com o Espírito Divino. 2. Como logo ilustraremos, a partida final do Filho era uma condição necessária antes do advento do Espírito. 3. Como era na Páscoa que a crucificação deveria acontecer, então a fundação da nova Igreja deve ser colocada na ordem divina no Pentecostes. Um evento de época deve ter seu dia de época. [Whedon]

6 Então aqueles que tinham se reunido lhe perguntaram, dizendo: Senhor, tu restaurarás neste tempo o Reino a Israel?

Comentário de David Brown

tu restaurarás neste tempo o Reino a Israel? – Sem dúvida, suas visões carnais do reino de Messias haviam sido modificadas a essa altura, embora até onde seja impossível dizer. Mas, como eles claramente procuraram alguma restauração do reino para Israel, também não foram repreendidos nem contraditos neste ponto. [JFB, aguardando revisão]

7 E ele lhes disse: Não pertence a vós saber os tempos ou estações que o Pai pôs em sua própria autoridade.

Comentário de David Brown

Não pertence a vós saber os tempos… – implicando não apenas que este não era o momento, mas que a questão era irrelevante para seus negócios atuais e trabalhos futuros. [JFB, aguardando revisão]

8 Mas vós recebereis poder do Espírito Santo, que virá sobre vós; e vós sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia, e Samaria, e até ao último lugar da terra.

Comentário Barnes

Jesus disse isso a eles para consolá-los. Embora eles não pudessem saber os tempos que Deus reservou em sua própria designação, eles deveriam receber o prometido Guia e Consolador. A palavra “poder” aqui se refere à ajuda ou auxílio que o Espírito Santo concederia; o poder de falar em novas línguas; de pregar o evangelho com grande efeito; de suportar grandes provações, etc. Ver Marcos 16:17-18. Os apóstolos impacientemente lhe perguntaram se ele estava prestes a restaurar o reino a Israel. Jesus, com esta resposta, repreendeu sua impaciência, ensinou-os a reprimir seu entusiasmo inoportuno; e assegurou-lhes novamente da vinda do Espírito Santo.

sereis minhas testemunhas. Foram nomeados para este propósito; e para prepará-los para isso, estiveram com ele por mais de três anos. Eles tinham visto seu estilo de vida, seus milagres, sua mansidão, seus sofrimentos; eles ouviram suas instruções, conversaram e comeram com ele como um amigo; eles o tinham visto depois que ele ressuscitou, e estavam prestes a vê-lo subir ao céu; e assim foram qualificados para dar testemunho dessas coisas em todas as partes da Terra. Eles eram em tão grande número que não se podia fingir que foram enganados; eles tinham sido tão íntimos dele e de seus planos que estavam qualificados para declarar quais eram suas doutrinas e propósitos; e não havia motivo, a não ser a convicção da verdade, que pudesse induzi-los a fazer os sacrifícios que seriam obrigados a fazer para comunicar essas coisas ao mundo. Em todos os aspectos, portanto, eles foram qualificados para serem testemunhas imparciais e competentes. A palavra original aqui é μάρτυρες martures. Desta palavra, o nome de mártires foi dado àqueles que sofreram em tempos de perseguição. A razão pela qual este nome foi dado a eles foi que eles prestaram testemunho da vida, instruções, morte e ressurreição do Senhor Jesus, mesmo em meio à perseguição e morte. É comumente suposto que quase todos os apóstolos deram testemunho como mártires neste sentido das verdades da religião cristã, mas disso não há prova clara. Ainda assim, a palavra aqui não significa necessariamente que aqueles a quem esta foi dirigida seriam mártires, ou seriam mortos ao darem testemunho do Senhor Jesus; mas que eles estavam em toda parte para testemunhar o que sabiam dele. O fato de que este foi o propósito de sua nomeação, e que eles realmente prestaram tal testemunho, é abundantemente confirmado nos Atos dos Apóstolos, Atos 1:22; Atos 5:32; Atos 10:3942; Atos 22:15.

em Jerusalém – na capital da nação. Veja Atos 2. A grande obra do Espírito no dia de Pentecostes ocorreu lá. A maioria dos discípulos permaneceu em Jerusalém até a perseguição que surgiu com a morte de Estêvão (Atos 8:14). Os apóstolos permaneceram lá até que Herodes matou Tiago. Compare Atos 8:1 com o Atos 12:1-2. Isso foi cerca de oito anos. Durante este tempo, entretanto, Paulo foi chamado para o apostolado, e Pedro pregou o evangelho a Cornélio, Filipe ao eunuco, etc.

em toda a Judéia – a Judéia era a parte sul da Terra Santa e incluía Jerusalém como capital.

e Samaria – esta era a parte do meio da Terra Santa. Isso foi cumprido pelos discípulos. Veja Atos 8:1, “E todos se espalharam pelas regiões da Judéia e Samaria”; compare isso com Atos 1:4-5: “Os que estavam espalhados iam por toda parte pregando a palavra. Então Filipe desceu à cidade de Samaria e pregou Cristo a eles”. Veja também Atos 1:14; Atos 9:31.

e até ao último lugar da terra. A palavra “terra” às vezes é interpretada como significando apenas a terra da Palestina. Mas aqui não parece haver necessidade de limitá-la dessa forma. Se Cristo tivesse pretendido isso, ele teria mencionado a Galiléia, como sendo a única divisão restante do país. Mas como ele os havia expressamente orientado a pregar o evangelho a todas as nações, a expressão aqui deve ser claramente considerada incluindo as terras gentias, bem como os judeus. A evidência de que eles fizeram isso é encontrada nas partes subsequentes deste livro e na história da igreja. Foi assim que Jesus respondeu à pergunta deles. Embora ele não lhes dissesse o tempo em que isso deveria ser feito, nem afirmasse que restauraria o reino a Israel, ainda assim, deu-lhes uma resposta que implicava que a obra deveria avançar – deveria avançar muito mais do que a terra de Israel; e que eles teriam muito a fazer para promovê-lo. Todos os mandamentos de Deus e todas as suas palavras são de molde a despertar nossa energia e nos ensinar que temos muito a fazer. Os confins da terra foram dados ao Salvador (Salmos 2:8), e a igreja não deve descansar até que aquele a quem ela pertence venha e reine (Ezequiel 21:27). [Barnes]

Comentário Ellicott

sereis minhas testemunhas. As palavras, que aparentemente são idênticas às de Lucas 24:48, marcam o ponto chave de todo o livro. As que se seguem correspondem às grandes divisões dos Atos – Jerusalém, Atos 1-7; Judéia, Atos 9:32, Atos 12:19; Samaria, Atos 8; e o resto do livro sendo o registro mais amplo do testemunho dado “aos confins da terra”. E esse testemunho foi duplo: (1) das obras, dos ensinamentos e, sobretudo, da Ressurreição de Jesus; (2) do propósito do Pai conforme revelado no Filho. O testemunho deveria ser, numa linguagem que, embora técnica, é a expressão mais verdadeira do fato, ao mesmo tempo histórica e dogmática. [Ellicott]

9 E tendo ele dito estas coisas, enquanto eles o viam, ele foi levantado acima, e uma nuvem o tirou dos olhos deles.

Comentário de David Brown

enquanto eles o viam, ele foi levantado acima – Veja em Lucas 24:50-53. Para que não se pense que Ele havia desaparecido quando eles estavam olhando em alguma outra direção, e assim foi concluído que subiu ao céu, é aqui expressamente dito que “enquanto eles estavam olhando Ele foi levado para cima, e uma nuvem O recebeu fora dos olhos deles. ”Então Elias,“ se me vires quando for tomado de ti ”(2Reis 2:10); “E Eliseu viu” (Atos 1:12). (Veja em Lucas 9:32) [JFB, aguardando revisão]

10 E enquanto eles estavam com os olhos fixos ao céu, depois dele ter ido, eis que dois homens de roupas brancas se puseram junto a eles;

Comentário de David Brown

enquanto eles olhavam firmemente para o céu – seguindo-o com seus olhos ansiosos, em extasiados espanto. Não, no entanto, como um simples fato é registrado, mas como uma parte dessa evidência irresistível de seus sentidos, sobre a qual todo o seu testemunho subsequente deveria ser suportado.

dois homens de vestes brancas – anjos em forma humana, como em Lucas 24:4. [JFB, aguardando revisão]

11 Os quais também disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Este Jesus, que foi tomado de vós acima ao céu, assim virá, da maneira como o vistes ir ao céu.

Comentário de David Brown

Homens galileus, por que estais olhando para o céu?… – como se a tua agora glorificada Cabeça tivesse desaparecido de ti para nunca mais voltar; não outro, mas ‹este mesmo Jesus ‘; e, como o vistes indo, do mesmo modo ele virá – como pessoalmente, visivelmente e gloriosamente; e que a alegre expectativa desta vinda engula a tristeza dessa partida ”. [JFB, aguardando revisão]

12 Então voltaram para Jerusalém do monte que se chama das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém à distância de um caminho de sábado.

um caminho de sábado – cerca de um quilômetro.

13 E ao entrarem, subiram ao cômodo superior, onde habitavam Pedro, Tiago, João, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago filho de Alfeu, Simão Zelote e Judas filho de Tiago.

Comentário Dummelow

cômodo superior – provavelmente aquele em que a última ceia tinha sido realizada; não, como alguns argumentaram, a partir de Lucas 24:53, um cômodo no Templo. Pode ter sido na casa de Maria, a mãe de Marcos (veja Atos 12:12). [Dummelow, 1909]

Simão Zelote – muito provavelmente chamado assim porque antes do seu apostolado ele havia sido membro da seita fanática dos zelotes. [Easton, 1896]

Judas filho de Tiago – conforme as traduções mais recentes (NVI, NVT).

14 Todos estes perseveravam unanimamente em oração e súplicas, com as mulheres, com Maria a mãe de Jesus, e com os irmãos dele.

Comentário Barnes

perseveravam unanimamente em oração (“se reuniam em oração com um só propósito”, NVT). A palavra (homothumadon) indica a total harmonia dos seus pontos de vista e sentimentos. Não havia cismas, interesses divididos, propósitos discordantes. Esta é uma ilustração do Salmo 133:1-3, e uma amostra do que deveria ser agora a adoração social. Os apóstolos sentiram que tinham um grande objetivo; e sua profunda tristeza pela perda de seu mestre, e suas dúvidas e perplexidades, os levaram, como todas as aflições devem nos levar, ao trono da graça. [Barnes, 1870]

15 E em algum daqueles dias, havendo uma multidão reunida de cerca de cento e vinte pessoas, Pedro se levantou no meio dos discípulos e disse:

Comentário de David Brown

em algum daqueles dias – de oração expectante, e provavelmente até o fim deles, quando a natureza de seu futuro trabalho começou mais claramente a despontar sobre eles, e o Espírito Santo, já “respirou” sobre os Onze (Jo 20:22), estava mexendo em Pedro, que deveria ser o principal espírito da comunidade infantil (Mateus 16:19).

o número … cerca de cento e vinte – Muitos, portanto, dos “quinhentos irmãos” que viram seu Senhor ressurreto “imediatamente” (1Coríntios 15:6), devem ter permanecido na Galileia. [JFB, aguardando revisão]

16 Homens irmãos, era necessário que se cumprisse a Escritura, que o Espírito Santo, por meio da boca de Davi, predisse quanto a Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus.

Comentário de Albert Barnes

Homens irmãos. Este é um modo costumeiro de tratamento, implicando afeto e respeito, Atos 13:26. O siríaco o torna mais apropriado do que pela introdução da conjunção “e” – “Homens, nossos irmãos”.

era necessário que se cumprisse. Certamente seria cumprido. Não que houvesse alguma necessidade física ou qualquer compulsão; mas não poderia deixar de ocorrer que uma predição de Deus seria cumprida. Isso não faz nenhuma afirmação sobre a liberdade de Judas em fazê-lo. Um homem será tão livre em maldade se for predito que ele será perverso, como se nunca tivesse sido conhecido por nenhum outro ser além dele mesmo.

a Escritura. Esta previsão contida nos escritos do Antigo Testamento. Compare as notas em João 5:39. A passagem a que Pedro se refere é comumente suposta ser aquela registrada no Salmo 41:9: “Sim, meu próprio amigo familiar … levantou o calcanhar contra mim”. Isso é expressamente aplicado a Judas por nosso Salvador, em João 13:18. Mas parece claro que a referência não é ao Salmo 41, mas à passagem do Salmo 69 que Pedro passa a citar em Atos 1:20.

o Espírito Santo… Esta é uma forte atestação da inspiração de Davi, e está de acordo com o testemunho uniforme do Novo Testamento, de que os escritores sagrados falaram movidos pelo Espírito Santo, 2Pedro 1:21.

que foi o guiaMateus 26:47; João 18:3. [Barnes, aguardando revisão]

17 Porque ele foi contado conosco, e obteve uma porção neste ministério.

Comentário de Albert Barnes

Ele foi contado conosco. Ele foi escolhido como apóstolo pelo Senhor Jesus, Lucas 6:13-16. Isso não significa que ele era um verdadeiro cristão, mas que era considerado entre os apóstolos. Muito antes de traí-lo, Jesus declarou que ele era um diabo, João 6:70. Ele conhecia todo o seu caráter quando o escolheu, João 2:25. Se for perguntado por que ele escolheu tal homem para ser um apóstolo; por que ele foi feito tesoureiro dos apóstolos e foi admitido na mais plena confiança; podemos responder que um objetivo muito importante foi obtido em ter um homem assim – um espião – entre eles. Pode-se fingir, quando os apóstolos deram testemunho da pureza da vida, da doutrina e do propósito do Senhor Jesus, que eles eram amigos interessados ​​e parciais; que eles possam estar dispostos a suprimir alguns de seus sentimentos reais e representá-lo sob uma luz mais favorável do que a verdade. Portanto, o testemunho de um homem como Judas, se for favorável, deve ser inestimável.

Estaria livre da acusação de parcialidade. Se Judas soubesse algo desfavorável ao caráter de Jesus, ele o teria comunicado ao Sinédrio. Se ele sabia de alguma conspiração secreta contra o governo, ou propósito sedicioso, ele tinha todo o incentivo para declará-lo. Ele teve todas as oportunidades para saber disso; ele estava com ele; ouvi-o conversar; era um membro de sua família, e admitiu termos de familiaridade. No entanto, nem mesmo Judas pôde ser comprado ou subornado, para testemunhar contra o caráter moral do Salvador. Se ele tivesse feito isso, ou pudesse tê-lo feito, isso o teria preservado da acusação de traição; teria lhe dado a reputação de benfeitor público ao descobrir sedição secreta; e o teria salvado das dores do remorso e do auto-assassinato. Judas teria feito isso se pudesse. Mas ele não alegou tal acusação; ele nem mesmo ousou balbuciar uma palavra contra os puros desígnios do Senhor Jesus; e suas próprias reprovações de consciência Mateus 27:4 , e sua morte voluntária Mateus 27:5, fornecem a mais alta prova que pode ser desejada de sua convicção de que o Redentor traído era inocente.

Judas teria sido apenas a testemunha que os judeus desejavam dos propósitos de traição de Jesus. Mas isso não poderia ser obtido, nem mesmo com ouro; e eles foram obrigados a subornar outros homens a testemunhar contra o Filho de Deus, Mateus 26:60 . Podemos acrescentar aqui que a introdução de um personagem como o de Judas Iscariotes no número dos apóstolos e o uso a ser feito de seu testemunho nunca ocorreriam ao autor de um livro forjado. Ele teria dito que eles eram todos os verdadeiros amigos do Senhor Jesus. Ter inventado um personagem como o de Judas, e fazê-lo desempenhar um papel no plano como os escritores sagrados fazem, teria exigido muita arte e astúcia – era um dispositivo muito refinado e sutil, para ter sido pensado a menos que realmente tenha ocorrido. [Barnes, aguardando revisão]

18 Este pois, adquiriu um campo por meio do pagamento da maldade, e tendo caído de cabeça para baixo, partiu-se ao meio, e todos os seus órgãos internos caíram para fora.

Comentário de David Brown

caído de cabeça… – Esta informação complementa, mas não contradiz, o que é dito em Mateus 27:5. [JFB, aguardando revisão]

19 E isso foi conhecido por todos os que habitam em Jerusalém, de maneira que aquele campo se chama em sua própria língua Aceldama, isto é, campo de sangue.

Comentário de J. R. Lumby

foi conhecido. O destino de Judas, caso ali morresse, e a forma como o dinheiro da compra foi obtido, fez com que o nome fosse alterado de “Campo do Oleiro” para “Campo de Sangue”, todos reconhecendo a adequação do novo nome.

se chama. O uso de expressões como essa no tempo presente mostra que estamos lidando com documentos escritos antes da destruição de Jerusalém.

em sua própria língua – ou seja, na língua falada pelos judeus em Jerusalém, que era aramaico. O acréscimo dessas palavras e a explicação do nome Akeldama apontam para esta passagem como uma inserção feita por Lucas para a informação de Teófilo, que, como seu nome indica, provavelmente era de origem grega e, talvez, desconhecia o língua vernácula da Palestina. Não poderia haver necessidade de Peter dar tal explicação aos cento e vinte que ouviram seu discurso. Nem, de fato, é provável que o nome “Campo de Sangue” tenha se tornado de uso tão comum no período entre a Crucificação e a eleição de Matias, a ponto de permitir que Pedro tenha usado as palavras.

Para uma inserção semelhante de um nome significativo introduzido em uma narrativa compilada antes do momento em que o nome foi realmente dado, compare com 1Samuel 4:1, onde se fala de Eben-ezer, embora as circunstâncias nas quais o nome teve origem não sejam mencionadas até 1Samuel 7:12. [Lumby, aguardando revisão]

20 Porque está escrito no livro dos Salmos: Sua habitação se faça deserta, e não haja quem nela habite; e outro tome seu trabalho de supervisão.

Comentário de David Brown

seu trabalho de supervisão – ou “carga”. As palavras são uma combinação do Salmo 69:25 e Salmo 109:8; em que o apóstolo discerne maior que Davi e pior do que Aitofel e seus companheiros conspiradores contra Davi. [JFB, aguardando revisão]

21 Portanto é necessário, que dos homens que nos acompanharam todo o tempo em que o Senhor Jesus entrava e saía conosco,

Comentário de David Brown

todo o tempo em que o Senhor Jesus entrava e saía conosco – nas estreitas intimidades de uma “vida pública” de três anos. [JFB, aguardando revisão]

22 Começando desde o batismo de João, até o dia em que diante de nós ele foi recebido acima, se faça um destes testemunha conosco de sua ressurreição.

Comentário de David Brown

desde o batismo de João – por quem nosso Senhor não foi apenas Ele mesmo batizado, mas primeiro oficialmente anunciado e apresentado aos seus próprios discípulos.

até o dia em que diante de nós ele foi recebido acima, se faça um destes testemunha conosco de sua ressurreição – Quão claramente é o escritório primário dos apóstolos aqui expresso: (1) para testemunhar, desde a observação pessoal, até a um grande fato da “ressurreição do Senhor Jesus”; (2) para mostrar como isso glorificou toda a sua vida anterior, da qual eles eram observadores constantes, e estabeleceu Suas reivindicações divinas. [JFB, aguardando revisão]

23 E apresentaram dois: a José, chamado Barsabás, que tinha por sobrenome o Justo; e a Matias.

Comentário de David Brown

E apresentaram – “colocaram” na nomeação; significando não o Onze, mas toda a empresa, de quem Pedro era o porta-voz.

dois – A escolha ficaria entre muito poucos. [JFB, aguardando revisão]

24 E orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra a qual destes dois tu tens escolhido.

Comentário de David Brown

E orando, disseram: Tu, Senhor… – “A palavra ‘Senhor’, colocada absolutamente, denota quase universalmente no Novo Testamento O FILHO; e as palavras ‘Mostre quem Tu escolheste’ são decisivas. Os apóstolos são apenas mensageiros de Cristo: é Ele quem os envia, e dEle eles testemunham. Aqui, portanto, temos o primeiro exemplo de uma oração oferecida ao exaltado Redentor; fornecendo indiretamente a mais forte prova de Sua divindade ”(Olshausen).

que conhece o coração de todos os homens – Veja Jo 2:24-25; Jo 21:15-17; Apocalipse 2:23. [JFB, aguardando revisão]

25 Para que ele tome parte deste ministério e apostolado, do qual Judas se desviou para ir a seu próprio lugar.

Comentário de David Brown

Para que ele tome parte deste ministério – Uma expressão eufemística ou suavizada do terrível futuro do traidor, implicando não apenas a habitação destinada, mas também o elemento congenial. [JFB, aguardando revisão]

26 E lançaram-lhes as sortes; e caiu a sorte sobre Matias. E ele passou a ser contado junto com os onze apóstolos.

Comentário de Albert Barnes

E lançaram-lhes as sortes. Alguns supuseram que isso significa que eles votaram. Mas a esta interpretação há objeções insuperáveis:

  1. A palavra “sortes”, κλήρους klērous, não é usada para expressar votos ou sufrágio.
  2. A expressão “caiu a sorte” não é consistente com a noção de votação. É comumente expressivo de lançar sortes.
  3. Lançar sortes era comum entre os judeus em ocasiões importantes e difíceis, e era natural que os apóstolos recorressem a isso.

Assim, Davi dividiu os sacerdotes por sorteio, 1Crônicas 24:5 . A terra de Canaã foi dividida por sorteio, Números 26:55; Josué 15; Josué 16:1-10; Josué 17; etc. Jônatas, filho de Saul, foi detectado como tendo violado a ordem de seu pai. e como trazendo calamidade sobre os israelitas por sorteio, 1Samuel 14:41-42. Acã foi detectado por sorteio, Josué 7:16-18. Nesses casos, o uso da sorte era considerado um apelo solene a Deus por sua interferência direta em casos que eles mesmos não podiam decidir. Provérbios 16:33, “a sorte é lançada no regaço, mas toda a sua disposição é do Senhor”. A escolha de um apóstolo era um evento do mesmo tipo, e era considerado um apelo solene a Deus por sua direção e orientação em um caso que os apóstolos não podiam determinar. A maneira pela qual isso foi feito não é certamente conhecida. O modo comum de lançar sortes era escrever os nomes das pessoas em pedaços de pedra, madeira, etc., e colocá-los em uma urna, e o nome do ofício, porção, etc., em outras.

Estes foram então colocados em uma urna com outros pedaços de pedra, etc., que estavam em branco. Os nomes foram então sorteados ao acaso, e também as outras peças, e isso resolveu o caso. A sorte é determinada por leis da natureza tão regularmente quanto qualquer outra coisa. Não há propriamente nenhuma chance nisso. Não sabemos como um dado pode aparecer; mas isso não implica que ele vai aparecer sem qualquer respeito à regra, ou ao acaso. Não podemos rastrear as influências que podem determinar que este ou aquele lado surja; mas é feito por leis regulares e próprias, e de acordo com as circunstâncias de posição, força, etc., em que é lançado. Ainda assim, embora não implique nenhuma interposição especial ou milagrosa da Providência; embora possa não ser absolutamente errado, em casos que não podem ser determinados de outra forma, usar o lote, ainda assim não se segue que seja apropriado fazer esse apelo com frequência.

Quase todos os casos de dúvida podem ser determinados mais satisfatoriamente de alguma outra maneira do que pelo lote. O hábito de apelar para ela engendra o amor aos azares e aos jogos; leva ao coração ardente, ao ciúme, à inveja, à contenda e à desonestidade. Ainda menos o exemplo dos apóstolos autoriza jogos de azar, ou loterias, que são positivamente maus e acompanhados de consequências desastrosas, além de qualquer investigação sobre a legalidade da sorte. Eles se originam ou promovem a cobiça, a negligência da indústria regular, a inveja, o ciúme, o desapontamento, a dissipação, a falência, a falsidade e o desespero. O que é ganho por um é perdido por outro, e tanto o ganho quanto a perda promovem algumas das piores paixões do homem, vanglória, triunfo, autoconfiança, indolência, dissipação, por um lado; e inveja, desapontamento, mau humor, desejo de vingança, remorso e ruína do outro. Deus pretendia que o homem vivesse de labuta sóbria. Todos os desvios desta grande lei de nossa existência social levam à ruína.

as sortes. As sortes que deveriam decidir seu caso. Eles são chamados deles, porque eles deveriam determinar qual deles deveria ser chamado para o ofício apostólico.

e caiu a sorte. Esta é uma expressão aplicável ao sorteio, não ao voto.

ele passou a ser contado. Pelo lançamento da sorte, συγκατεψηφίζη sugkatepsēphisthē. Esta palavra é de ψῆφος psēphos – um cálculo, ou seixo, pelo qual os votos foram dados ou sorteados. Isso significa que, pelo resultado do sorteio, ele foi considerado um apóstolo. Nada mais é relatado de Matias no Novo Testamento. Onde ele trabalhou, e quando e onde morreu, é desconhecido; nem há qualquer tradição na qual se deva confiar. A eleição de Matias, no entanto, lança alguma luz sobre a organização da igreja.

  1. Ele foi escolhido para ocupar o lugar vago por Judas, e com um propósito específico, ser testemunha da ressurreição de Cristo. Não há menção a qualquer outro design. Não era para ordenar exclusivamente homens, nem para governar as igrejas, mas para ser testemunha de um fato importante.
  2. Não há indicação de que foi planejado que houvesse sucessores dos apóstolos nos deveres especiais do ofício apostólico. A eleição foi para um objetivo definido e, portanto, foi temporária. Era para preencher o número originalmente designado por Cristo. Quando o propósito para o qual ele foi designado foi cumprido, a parte especial do trabalho apostólico cessou, é claro.
  3. Não poderia haver sucessão em épocas futuras ao ofício apostólico especial. Eles deveriam ser testemunhas da obra de Cristo, e quando o efeito desejado resultante de tal testemunho fosse alcançado, o próprio ofício cessaria. Portanto, não há registro de que depois disso a igreja tenha pretendido nomear sucessores para os apóstolos e, portanto, nenhum ministro do evangelho pode agora pretender ser seus sucessores no design único e original da nomeação dos apóstolos.
  4. O único outro apóstolo mencionado no Novo Testamento é o apóstolo Paulo, não designado como sucessor dos outros, não com nenhum desígnio especial, exceto para ser um apóstolo para os gentios, como os outros foram para os judeus, e designado para o mesmo fim, para testemunhar que Jesus Cristo estava vivo e que ele o havia visto depois que ele ressuscitou, 1Coríntios 15:8; 1Coríntios 9:1, 1Coríntios 9:15; Atos 22:8-9, Atos 22:14-15; Atos 26:17-18. Os ministros da religião, portanto, são sucessores dos apóstolos, não em seu ofício especial como testemunhas, mas como pregadores da Palavra, e como designados para estabelecer, organizar, edificar e governar as igrejas. A obra singular do apostolado cessou com a morte deles. O trabalho ordinário do ministério, que eles tinham em comum com todos os outros que pregam o evangelho, continuará até o fim dos tempos. [Barnes, aguardando revisão]
<João 21 Atos 2>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.