Bíblia, Revisar

Atos 1

1 Eu fiz o primeiro livro, ó Teófilo, sobre todas as coisas que Jesus começou, tanto a fazer como a ensinar;

antigo tratado – Evangelho de Lucas.

Teófilo – (Veja em Lc 1:3).

começou, tanto a fazer como a ensinar – uma afirmação muito importante, dividindo a obra de Cristo em dois grandes ramos: aquele que abraça Sua obra na terra, o outro Sua obra subsequente do céu; o um em sua própria pessoa, o outro por seu espírito; o um o “começo”, o outro a continuação do mesmo trabalho; o completo quando Ele sentou-se à direita da Majestade no alto, o outro continuou até o Seu segundo aparecimento; aquela registrada em “Os Evangelhos”, o começo apenas do outro relacionado neste livro de “Os Atos”. “Portanto, a grande história do que Jesus fez e ensinou não conclui com Sua partida ao Pai; mas agora Lucas começa em uma tensão maior; pois todos os trabalhos subsequentes dos apóstolos são apenas uma exibição do ministério do próprio Redentor glorificado, porque eles estavam agindo sob Sua autoridade, e Ele era o princípio que operava neles todos ”(Olshausen).

2 Até o dia em que ele foi recebido acima, depois de pelo Espírito Santo ter dado mandamentos aos apóstolos que tinha escolhido;

depois de pelo Espírito Santo ter dado mandamentos… – referindo-se à acusação registrada em Mt 28:18-20; Mc 16:15-18; Lc 24:44-49. É digno de nota que em nenhum outro lugar tais comunicações do Redentor ressuscitado dizem ter sido dadas “através do Espírito Santo”. Em geral, isso poderia ter sido dito de tudo o que Ele pronunciou e tudo o que Ele fez em Seu caráter oficial; pois foi para esse fim que Deus “não deu o Espírito por medida a Ele” (Jo 3:34). Mas depois de Sua ressurreição, como para significar a nova relação na qual Ele estava agora junto à Igreja, Ele sinalizou Seu primeiro encontro com os discípulos reunidos, respirando sobre eles (imediatamente depois de lhes dispensar Sua paz) e dizendo: “Recebei o Espírito Santo ”(Jo 20:22) antecipando assim a doação do Espírito de Suas mãos (ver em Jo 20:21-22); e no mesmo princípio Suas acusações de despedida foram ditas “por meio do Espírito Santo”, como que para assinalar que Ele agora estava todo absorto com o Espírito; que o que fora manejado, durante Seu trabalho de sofrimento, para Seus próprios usos necessários, havia sido libertado agora, já estava transbordando de Si mesmo para Seus discípulos, e precisava de Sua ascensão e glorificação para fluir por toda parte. (Veja em Jo 7:39.)

3 Aos quais também, depois de ter sofrido, apresentou-se vivo com muitas evidências; sendo visto por eles durante quarenta dias, e falando-lhes das coisas relativas ao reino de Deus.

apresentou-se vivo – Como o autor está prestes a nos dizer que “a ressurreição do Senhor Jesus” foi o grande fardo da pregação apostólica, então o assunto é aqui originalmente introduzido por uma alusão à evidência primária sobre a qual esse grande fato repousa, as manifestações repetidas e inegáveis ​​de Si mesmo no corpo para os discípulos reunidos, que, em vez de estarem predispostos a acreditar, tinham que ser dominados pela evidência irresistível de seus próprios sentidos, e demoravam a ceder até mesmo a isso (Mc 16:14).

depois de ter sofrido – ou sofrimento. Este sentido primário da palavra “paixão” caiu em desuso; mas é nobremente consagrado na fraseologia da Igreja expressar os finais finais do Redentor.

visto deles quarenta dias – Esta importante especificação do tempo ocorre aqui apenas.

falando de “falar”.

das coisas relativas ao reino de Deus – até agora só no germe, mas logo para tomar forma visível; o mais antigo e mais recente fardo de Seu ensino na terra.

4 E, reunindo-os, mandou-lhes que não saíssem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai que (disse ele) de mim ouvistes.

não saíssem de Jerusalém – porque o Espírito deveria glorificar a economia existente, descendo sobre os discípulos em sua sede metropolitana, e no próximo de seus grandes festivais após a ascensão da Cabeça da Igreja; a fim de que “de Sião possa sair a lei, e a palavra do Senhor de Jerusalém” (Is 2:3; e compare com Lc 24:49).

5 Porque João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muitos dias depois destes.

mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muitos dias depois destes – daqui a dez dias, como aparece em Lv 23:15-16; mas foi expresso indefinidamente para exercer sua fé.

6 Então aqueles que tinham se reunido lhe perguntaram, dizendo: Senhor, tu restaurarás neste tempo o Reino a Israel?

tu restaurarás neste tempo o Reino a Israel? – Sem dúvida, suas visões carnais do reino de Messias haviam sido modificadas a essa altura, embora até onde seja impossível dizer. Mas, como eles claramente procuraram alguma restauração do reino para Israel, também não foram repreendidos nem contraditos neste ponto.

7 E ele lhes disse: Não pertence a vós saber os tempos ou estações que o Pai pôs em sua própria autoridade.

Não pertence a vós saber os tempos… – implicando não apenas que este não era o momento, mas que a questão era irrelevante para seus negócios atuais e trabalhos futuros.

8 Mas vós recebereis poder do Espírito Santo, que virá sobre vós; e vós sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia, e Samaria, e até ao último lugar da terra.

receba poder – veja Lc 24:49.

e sereis testemunhas para mim … em Jerusalém … em toda a Judeia … e até os confins da terra – Esta ordem de pregação apostólica e sucesso fornece a chave apropriada para o plano de Atos, que relaciona primeiro o progresso do Evangelho “Em Jerusalém, e toda a Judéia e Samaria” (do primeiro ao nono capítulo), e depois “até os confins da terra” (os décimos ao vigésimo oitavo capítulos).

9 E tendo ele dito estas coisas, enquanto eles o viam, ele foi levantado acima, e uma nuvem o tirou dos olhos deles.

enquanto eles o viam, ele foi levantado acima – Veja em Lc 24:50-53. Para que não se pense que Ele havia desaparecido quando eles estavam olhando em alguma outra direção, e assim foi concluído que subiu ao céu, é aqui expressamente dito que “enquanto eles estavam olhando Ele foi levado para cima, e uma nuvem O recebeu fora dos olhos deles. ”Então Elias,“ se me vires quando for tomado de ti ”(2Rs 2:10); “E Eliseu viu” (At 1:12). (Veja em Lc 9:32)

10 E enquanto eles estavam com os olhos fixos ao céu, depois dele ter ido, eis que dois homens de roupas brancas se puseram junto a eles;

enquanto eles olhavam firmemente para o céu – seguindo-o com seus olhos ansiosos, em extasiados espanto. Não, no entanto, como um simples fato é registrado, mas como uma parte dessa evidência irresistível de seus sentidos, sobre a qual todo o seu testemunho subsequente deveria ser suportado.

dois homens de vestes brancas – anjos em forma humana, como em Lc 24:4.

11 Os quais também disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Este Jesus, que foi tomado de vós acima ao céu, assim virá, da maneira como o vistes ir ao céu.

Homens galileus, por que estais olhando para o céu?… – como se a tua agora glorificada Cabeça tivesse desaparecido de ti para nunca mais voltar; não outro, mas ‹este mesmo Jesus ‘; e, como o vistes indo, do mesmo modo ele virá – como pessoalmente, visivelmente e gloriosamente; e que a alegre expectativa desta vinda engula a tristeza dessa partida ”.

12 Então eles voltaram a Jerusalém do monte que se chama das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém à distância de um caminho de sábado.

At 1: 12-26. Retorno dos onze a Jerusalém – Anais no Cenáculo até o Pentecostes.

a jornada de um dia de sábado – cerca de dois mil côvados.

13 E ao entrarem, subiram ao cômodo superior, onde ficaram Pedro, Tiago, João, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago filho de Alfeu, Simão Zelote e Judas irmão de Tiago.

subiram ao cômodo superior – talvez o mesmo “grande quarto superior”, onde com o seu Senhor celebravam a última Páscoa e a primeira Ceia (Lc 22:12).

onde morada – não apresentado, mas tinha para o seu local de encontro.

Pedro, etc. – (Veja em Mt 10:2-4).

14 Todos estes perseveravam concordando em orações, e petições, com as mulheres, com Maria a mãe de Jesus, e com os irmãos dele.

continuou com um acordo – unidos por um laço mais forte que a morte.

em orações, e petições – pelo batismo prometido, cuja necessidade em seu estado órfão seria cada vez mais sentida.

com Maria a mãe de Jesus – distinta das outras “mulheres”, mas “de modo a excluir a ideia de ela ter qualquer preeminência sobre os discípulos. Nós a encontramos com o restante em oração ao seu Filho glorificado ”(Webster e Wilkinson). Esta é a última menção dela no Novo Testamento. A fábula da Assunção da Virgem não tem fundamento nem na tradição (Alford).

com seus irmãos – (Veja em Jo 7: 3).

15 E em algum daqueles dias, havendo uma multidão reunida de cerca de cento e vinte pessoas, Pedro se levantou no meio dos discípulos e disse:

em algum daqueles dias – de oração expectante, e provavelmente até o fim deles, quando a natureza de seu futuro trabalho começou mais claramente a despontar sobre eles, e o Espírito Santo, já “respirou” sobre os Onze (Jo 20:22), estava mexendo em Pedro, que deveria ser o principal espírito da comunidade infantil (Mt 16:19).

o número … cerca de cento e vinte – Muitos, portanto, dos “quinhentos irmãos” que viram seu Senhor ressurreto “imediatamente” (1Co 15:6), devem ter permanecido na Galileia.

16 Homens irmãos, era necessário que se cumprisse a Escritura, que o Espírito Santo, por meio da boca de Davi, predisse quanto a Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus.
17 Porque ele foi contado conosco, e obteve uma porção neste ministério.
18 Este pois, adquiriu um campo por meio do pagamento da maldade, e tendo caído de cabeça para baixo, partiu-se ao meio, e todos os seus órgãos internos caíram para fora.

caído de cabeça… – Esta informação complementa, mas não contradiz, o que é dito em Mt 27:5.

19 E isso foi conhecido por todos os que habitam em Jerusalém, de maneira que aquele campo se chama em sua própria língua Aceldama, isto é, campo de sangue.
20 Porque está escrito no livro dos Salmos: Sua habitação se faça deserta, e não haja quem nela habite; e outro tome seu trabalho de supervisão.

seu trabalho de supervisão – ou “carga”. As palavras são uma combinação do Sl 69:25 e Sl 109:8; em que o apóstolo discerne maior que Davi e pior do que Aitofel e seus companheiros conspiradores contra Davi.

21 Portanto é necessário, que dos homens que nos acompanharam todo o tempo em que o Senhor Jesus entrava e saía conosco,

todo o tempo em que o Senhor Jesus entrava e saía conosco – nas estreitas intimidades de uma “vida pública” de três anos.

22 Começando desde o batismo de João, até o dia em que diante de nós ele foi recebido acima, se faça um destes testemunha conosco de sua ressurreição.

desde o batismo de João – por quem nosso Senhor não foi apenas Ele mesmo batizado, mas primeiro oficialmente anunciado e apresentado aos seus próprios discípulos.

até o dia em que diante de nós ele foi recebido acima, se faça um destes testemunha conosco de sua ressurreição – Quão claramente é o escritório primário dos apóstolos aqui expresso: (1) para testemunhar, desde a observação pessoal, até a um grande fato da “ressurreição do Senhor Jesus”; (2) para mostrar como isso glorificou toda a sua vida anterior, da qual eles eram observadores constantes, e estabeleceu Suas reivindicações divinas.

23 E apresentaram dois: a José, chamado Barsabás, que tinha por sobrenome o Justo; e a Matias.

E apresentaram – “colocaram” na nomeação; significando não o Onze, mas toda a empresa, de quem Pedro era o porta-voz.

dois – A escolha ficaria entre muito poucos.

24 E orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra a qual destes dois tu tens escolhido.

E orando, disseram: Tu, Senhor… – “A palavra ‘Senhor’, colocada absolutamente, denota quase universalmente no Novo Testamento O FILHO; e as palavras ‘Mostre quem Tu escolheste’ são decisivas. Os apóstolos são apenas mensageiros de Cristo: é Ele quem os envia, e dEle eles testemunham. Aqui, portanto, temos o primeiro exemplo de uma oração oferecida ao exaltado Redentor; fornecendo indiretamente a mais forte prova de Sua divindade ”(Olshausen).

que conhece o coração de todos os homens – Veja Jo 2:24-25; Jo 21:15-17; Ap 2:23.

25 Para que ele tome parte deste ministério e apostolado, do qual Judas se desviou para ir a seu próprio lugar.

Para que ele tome parte deste ministério – Uma expressão eufemística ou suavizada do terrível futuro do traidor, implicando não apenas a habitação destinada, mas também o elemento congenial.

26 E lançaram-lhes as sortes; e caiu a sorte sobre Matias. E ele passou a ser contado junto com os onze apóstolos.

foi numerado – “votado” pelo sufrágio geral.

com os onze apóstolos – completando os Doze quebrados.

<João 21 Atos 2>

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.