João 21

1 Depois disto Jesus se manifestou outra vez aos discípulos, junto ao mar de Tibérias; e manifestou-se assim:

Comentário de David Brown

(Que este capítulo foi adicionado por outra mão foi afirmado, contra evidências claras em contrário, por alguns críticos tardios, principalmente porque o evangelista havia concluído sua parte do trabalho com Jo 20:30-31. Epístolas do Novo Testamento, nem em outros bons autores, é incomum inserir matéria suplementar e, portanto, ter mais de uma conclusão).

Jesus se mostrou novamente – se manifestou novamente.

e manifestou-se assim – Este modo de falar mostra que depois da ressurreição dele Ele apareceu a eles mas ocasionalmente, inesperadamente, e de certo modo bastante sobrenatural, entretanto ainda realmente e corporematicamente. [JFB, aguardando revisão]

2 Estavam juntos Simão Pedro, e Tomé (chamado o Dídimo), e Natanael (o de Caná de Galileia), e os filhos de Zebedeu, e outros dois de seus discípulos.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Todos os nomes mencionados aqui são introduzidos com uma razão definida. No caso de Simão, seu sobrenome Pedro insinuou esse motivo. O primeiro dos Apóstolos não poderia faltar; e é de acordo com isso que em toda a narrativa ele tem o primeiro lugar. Portanto, ele necessariamente abre a lista. Por que Tomé foi associado com ele, é mostrado pela cláusula “chamado Dídimo”: comp. no cap. João 11:16. A chave para a menção de Natanael é fornecida pela cláusula “de Caná da Galiléia”. Isso não poderia ter a intenção de tornar Natanael mais conhecido; para no cap. 1 não foi dito que Natanael nasceu em Caná, embora logo após a narrativa do encontro entre Cristo e ele lemos sobre o casamento em Caná. Natanael de Caná foi importante para o evangelista, como representante do primeiro milagre pelo qual Jesus manifestou Sua glória em Caná: comp. CH. João 2:11. Nossa presente manifestação forma a contrapartida daquele primeiro milagre galileu. Este fim é mantido em vista pela cláusula adicional, “da Galiléia”. Se tivesse sido pretendido apenas observar a origem de Natanael, isso teria sido inadequado ou desnecessário. vezes mencionado como Caná da Galiléia, cap. João 2:1; João 2:11, João 4:46. Considerando o quão econômico de repetições o Evangelista é, não podemos considerar isso apenas como uma declaração repetida do país de Natanael. A cláusula foi quase equivalente a uma referência expressa às passagens anteriores. Por que a presença de João e seu irmão é expressamente mencionada, é explicado por sua designação como “filhos de Zebedeu”. Zebedeu nunca é mencionado em nenhum outro lugar no Evangelho de João. Com a mesma denominação de filhos de Zebedeu (a expressão indefinida, οἱ τοῦ Ζεβεδαίου, é aqui propositadamente usada para indicar que uma definição mais exata de sua relação é encontrada em outro lugar), esses dois irmãos aparecem em conexão com a primeira pesca no início do ministério de nosso Senhor, cuja contrapartida é a pesca neste capítulo, derivando sua interpretação do anterior, e tendo em comum “Eu vos farei pescadores de homens”: comp. Mateus 4:21-22; Marcos 1:19-20; Lucas 5:10. Os dois irmãos sem nome devem, de qualquer forma, ter sido apóstolos; pois μαθηταί está antes e depois, versículo 14, dos discípulos em um sentido mais restrito, os Apóstolos; e Apóstolos estavam especialmente preocupados com esta pesca, que simbolizava o seu futuro trabalho apostólico. As razões discerníveis para a menção dos cinco nomes levam-nos a supor que o silêncio que se manteve quanto aos nomes dos outros dois não foi um silêncio depreciativo. Eles não foram nomeados, apenas porque não havia nenhuma razão específica para isso; e nomeá-los seria obscurecer o design na nomeação dos cinco. Quanto ao resto, eles são tão bons quanto nomeados; e o evangelista pode contar com a detecção deles. Quando Peter ia pescar, seu irmão Andrew precisava acompanhá-lo: comp. Mateus 4:18; Marcos 1:29; Lucas 6:14; João 6:8. E onde Andrew estava, devemos esperar Philip: comp. CH. João 1:45 , João 12:22 ; Marcos 3:18. Este último podemos esperar com mais confiança, pois ele estava conectado também com Natanael ou Bartolomeu por um vínculo muito próximo: comp. João 1:46; Mateus 10:3; Lucas 6:14.

A elevada importância deste evento é indicada no agrupamento artístico dos que nele se interessam. O número sete é dividido, como comumente no Apocalipse, em três e quatro. À frente dos três está Pedro; Thomas, o dividido, no meio; de um lado dele o homem de pedra, do outro Natanael, o verdadeiro israelita sem dolo, cap. João 1:48. À frente dos quatro estão os filhos de Zebedeu, com Pedro, os Apóstolos do círculo mais íntimo. Além disso, os sete são divididos novamente: Pedro à frente, depois três pares. O número sete é fixo; mas que não era um número fortuito, fica claro pelos detalhes desse agrupamento. Similarmente exato é o agrupamento em Apocalipse 6:15. Outros exemplos do significado do número no Evangelho de João foram coletados em meu Comentário sobre o Apocalipse.

Oséias sete representavam o círculo apostólico coletivo (comp. versículo 14), com Paulo incluído, na medida em que mais tarde foi recebido com plenos direitos neste círculo. Eles eram a maioria; apenas quatro dos Apóstolos estavam em falta; e o círculo mais íntimo estava completo. É notável que no catálogo dos Apóstolos, Mateus 10:2-4, os sete aqui numerados como presentes tenham precedência sobre os ausentes. discípulos”, cap. João 1:35. [Hengstenberg, aguardando revisão]

3 Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Dizem-lhe eles: Também nós vamos contigo. Foram, e subiram logo no barco; e aquela noite nada pescaram.

Comentário de David Brown

Pedro disse-lhes: Eu vou pescar – (Veja em Lucas 5:11).

naquela noite … não pegou nada – como no primeiro esboço milagroso (ver em Lucas 5:5); sem dúvida, ordenou que o milagre lhes desse mais contraste. O mesmo princípio é visto em operação em grande parte do ministério de Cristo, e é de fato uma grande lei do procedimento espiritual de Deus com o Seu povo. [JFB, aguardando revisão]

4 E fazendo-se já manhã, Jesus se pôs na praia; porém os discípulos não sabiam que era Jesus.

Comentário de David Brown

Jesus estava de pé – (Veja Jo 20:19, 26).

porém os discípulos não sabiam que era Jesus – Talvez houvesse um intervalo considerável desde a última manifestação, e tendo concordado em se entregar ao seu emprego secular, eles não estariam preparados para esperá-Lo. [JFB, aguardando revisão]

5 Então Jesus lhes disse: Filhinhos, tendes algo para comer? Responderam-lhe: Não.

Comentário de David Brown

Filhinhos – Este termo não o identificaria necessariamente, não sendo incomum de nenhum superior; mas quando eles O reconheceram, eles se sentiriam docemente como Ele mesmo.

Tem alguma carne? – provisões, provisões, significando peixe.

Responderam-lhe: Não – Isso estava em seu estilo habitual, fazendo com que eles contassem seu caso, e assim, melhor prepará-los para o que estava por vir. [JFB, aguardando revisão]

6 E ele lhes disse: Lançai a rede do lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na pois, e já não a podiam tirar pela multidão dos peixes.

Comentário de David Brown

E ele lhes disse: Lançai a rede do lado direito do barco – sem dúvida, nesta direção tão específica, com a intenção de revelar-lhes seu conhecimento do profundo e poder sobre ela. [JFB, aguardando revisão]

7 Disse pois aquele discípulo, a quem Jesus amava, a Pedro: É o Senhor! Ouvindo pois Simão Pedro que era o Senhor, vestiu-se com a roupa, (porque estava nu), e lançou-se ao mar.

Comentário de David Brown

Disse pois aquele discípulo, a quem Jesus amava, a Pedro: É o Senhor – tendo novamente a vantagem de seu irmão com rapidez de reconhecimento (ver em Jo 20:8), a ser seguido por uma alucinação em Pedro por si mesmo.

ele estava nu – o colete dele só em, usado próximo o corpo.

lançou-se ao mar – a parte rasa, a não mais de cem metros da beira da água (Jo 21:8), não significando, portanto, nadar, mas chegar mais cedo a Jesus do que no barco cheio, que dificilmente poderiam desenhar para a praia. [JFB, aguardando revisão]

8 E os outros discípulos vieram com o barquinho (porque não estavam longe da terra, mas sim a cerca de duzentos côvados) trazendo a rede de peixes.

Comentário de Thomas Croskery

E os outros discípulos vieram com o barquinho. Ou o que foi descrito pela primeira vez como τὸ πλοῖον é agora mais minuciosamente descrito como πλοιάριον, “o (mesmo) barquinho”, ou então eles se transferiram do barco de pesca mais pesado para a embarcação menor que estava amarrada à maior. A razão pela qual os outros discípulos vieram no barco é dada entre parênteses: (porque não estavam longe da terra, mas sim a cerca de duzentos côvados); ou seja, cerca de trezentos pés, meio estádio, cem jardas. Ἀπὸ para denotar distância de, é usado neste Evangelho (veja nota, João 11:18) e no Apocalipse (Apocalipse 14:20). Os discípulos vieram no barco por esta distância, trazendo a rede de peixes. A rede não estava quebrada, embora cheia. Eles não tentaram mais levantá-lo; eles o arrastaram para a praia como estava. Strauss, que tenta mostrar que temos um mito glorificador moldado a partir de um amálgama das narrativas do primeiro gole milagroso e de Pedro andando sobre as águas, é singularmente infeliz; pois há menos do sobrenatural na história do que em qualquer uma das duas narrativas a que ele se refere. [Croskery, aguardando revisão]

9 Quando pois desceram à terra, viram já as brasas postas, e um peixe posto nelas, e mais pão.

Comentário de David Brown

viram já as brasas postas, e um peixe posto nelas, e mais pão – Comparando isto com 1Reis 19:6, e passagens similares, a agência invisível pela qual Jesus fez esta provisão parecerá evidente. [JFB, aguardando revisão]

10 Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que pescastes agora.

Comentário de David Brown

Observa a provisão dupla assim proporcionada – a dele e a deles. O significado disso talvez apareça no momento. [JFB, aguardando revisão]

11 Simão Pedro subiu, e puxou a rede para a terra, cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e sendo tantos, a rede não se rompeu.

Comentário de David Brown

A referência manifesta aqui para o primeiro esboço milagroso (Lucas 5:1-11) fornece a chave para esta cena. Lá o esboço era simbólico do sucesso de seu futuro ministério: Enquanto “Pedro e todos os que estavam com ele ficaram espantados com o recrutamento dos peixes que haviam tomado, Jesus disse-lhe: Não temais, de agora em diante alcançarás homens. Não, quando chamados pela primeira vez, no ato de “lançar sua rede no mar, pois eram pescadores”, a mesma referência simbólica foi feita à sua ocupação secular: “Segue-me, e eu farei de vós pescadores de homens” (Mateus 4:18-19). Aqui, então, se apenas a mesma referência simbólica for mantida em vista, o design de toda a cena será, pensamos, claro. A multidão e o tamanho dos peixes que eles capturaram simbolicamente prenunciaram o vasto sucesso de seu ministério agora se aproximando, e isto apenas como um começo de sucessivos esboços, através da ação de um ministério cristão, até que “como as águas cobrem o mar, a terra deve estar cheia do conhecimento do Senhor. ”E considerando que, no primeiro rascunho milagroso, a rede“ estava quebrando ”pelo peso do que continha – expressivo da dificuldade com a qual, depois de terem pego os homens, ‘Eles seriam capazes de retê-los, ou impedi-los de fugir de volta ao mundo – enquanto aqui,’ por todos eles eram tantos, ainda assim não foram a rede quebrada ‘, não somos lembrados de tais ditos como esses? 28): “Eu dou às minhas ovelhas a vida eterna, e elas nunca perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” [Luthardt]? Mas não é através da agência de um ministério cristão que todos os verdadeiros discípulos são reunidos. O próprio Jesus, por métodos invisíveis, reúne alguns que depois são reconhecidos pelos pescadores constituídos dos homens e se misturam ao fruto de seus trabalhos. E não são estes simbolizados por aquela parte de nossa refeição galileana que os pescadores encontraram, de alguma forma invisível, preparados para a sua mão? [JFB, aguardando revisão]

12 Disse-lhes Jesus: Vinde, jantai. E nenhum dos discípulos ousava lhe perguntar: Tu quem és? sabendo que era o Senhor.

Comentário de David Brown

ninguém … pergunte a ele, Quem és tu, sabendo que era o Senhor – querendo dizer que eles gostariam que Ele apenas dissesse: “Sou eu”; mas tendo tais evidências convincentes, eles estavam com medo de serem “censurados por sua incredulidade e dureza de coração” se eles se aventurassem a colocar a questão. [JFB, aguardando revisão]

13 Então Jesus veio, e tomou o pão, e deu-o a eles; e da mesma maneira o peixe.

Comentário de David Brown

toma pão – o pão.

e dá-lhes, e os peixes da mesma forma – (Veja em Lucas 24:30). [JFB, aguardando revisão]

14 E esta era já a terceira vez que Jesus se manifestou a seus discípulos, depois de haver ressuscitado dos mortos.

Comentário de David Brown

Esta é a terceira vez que Jesus se mostrou – foi manifestado.

a seus discípulos – Seus discípulos reunidos; porque, se considerarmos suas aparições a discípulos individuais, eles eram mais. [JFB, aguardando revisão]

15 Havendo eles pois já jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão filho de João, tu me amas mais do que estes outros? Disse-lhes ele: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Alimenta meus cordeiros.

Comentário de David Brown

Havendo eles pois já jantado, disse Jesus – O silêncio parece ter reinado durante a refeição; Ininterrupto de sua parte, que por sua observação muda de que eles poderiam ter sua garantia de sua identidade mais confirmada; e na deles, desde o reverencial encolhimento até o falar, até que Ele o fizesse.

Simão Pedro: Simão filho de João, tu me amas mais do que estes outros – referindo-se amorosamente àquelas tristes palavras de Pedro, pouco antes de negar ao seu Senhor: “Ainda que todos os homens sejam ofendidos por Ti, todavia nunca me ofenderei” (Mateus 26:33), e com essa alusão trarei o todo. cena vividamente diante de sua mente e colocá-lo para vergonha.

Sim, Senhor, tu sabes que te amo – Ele não acrescenta, “mais do que isso”, mas preenche um apelo tocante à própria onisciência do Salvador para a verdade de seu protesto, o que torna um tipo totalmente diferente de discurso de seu primeiro.

Disse-lhe: Alimenta meus cordeiros – É certamente errado considerar este termo como um mero diminutivo de afeição, e como significando o mesmo que “as ovelhas” (Webster e Wilkinson). É muito mais de acordo com o uso para entender pelos “cordeiros”, jovens e ternos discípulos, sejam em idade ou posição cristã (Isaías 40:11; 1João 2:12-13), e pelas “ovelhas”. “O mais maduro. Devemos dizer (com muitos) que Pedro estava aqui reintegrado no cargo? Não exatamente, já que ele não estava realmente excluído. Mas depois de tal conduta como a dele, a ferida profunda que a honra de Cristo havia recebido, a mancha trazida em seu ofício, o dano causado à sua alta posição entre seus irmãos, e até seu próprio conforto, na perspectiva da grande obra diante dele , requereu alguma tal renovação de seu chamado e restabelecimento de sua posição como esta. [JFB, aguardando revisão]

16 Voltou a lhe a dizer a segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta minhas ovelhas.

Comentário de David Brown

Ele disse a ele … a segunda vez … me ame, etc. – Nesta repetição da questão, embora a ferida devesse ser reaberta, as palavras “mais do que isso” não são repetidas; porque Cristo é um médico terno e hábil, e o silêncio de Pedro nesse ponto era confissão suficiente de seu pecado e loucura. Em Pedro repetindo seu protesto nas mesmas palavras, nosso Senhor se ergue mais alto na manifestação de Sua graça restauradora.

Feed – manter.

minhas ovelhas – Foi observado que a palavra aqui está cuidadosamente mudada, de uma significando simplesmente para alimentar, para uma significando tender como pastor, denotando o exercício duradouro daquela vocação, e em suas funções mais elevadas. [JFB, aguardando revisão]

17 Disse-lhe a terceira vez: Simão, filho de João, tu me amas? Entristeceu-se Pedro de que já pela terceira vez lhe dissesse: Tu me amas? E disse-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Disse-lhe Jesus: Alimenta minhas ovelhas.

Comentário de David Brown

Disse-lhe a terceira vez: Simão, filho de João, tu me amas? Entristeceu-se Pedro de que já pela terceira vez lhe dissesse… – Essa foi a mais profunda incisão do médico na ferida, enquanto ainda sofria com as duas primeiras sondagens. Até agora, Pedro não discerniria o objeto dessa sucessão de impulsos. A terceira vez revela tudo, trazendo uma enxurrada de lembranças terríveis antes de sua visão, de seu “três vezes negando que ele o conhecia”, que ele sente isso rápido. Era apropriado que ele deveria; significava que ele deveria. Mas isso realizado, o diálogo doloroso conclui com um delicioso “Feed My sheep”; como se dissesse: “Agora, Simão, o último ponto da nuvem que te reverbera desde aquela noite é dissipado: de agora em diante tu és para Mim e para o Meu trabalho como se nenhuma dessas cenas tivesse acontecido”. [JFB, aguardando revisão]

18 Em verdade, em verdade te digo, que quando eras mais jovem, tu mesmo te vestias, e andava por onde querias; mas quando fores já velho, estenderás tuas mãos, e outro te vestirá, e te levará para onde tu não queres.

Comentário de David Brown

Quando você era jovem – abraçando todo o período da vida à beira da velhice.

tu cinges-te a ti mesmo e passas para onde queres: és o teu próprio senhor.

quando fores já velho, estenderás tuas mãos – para ser obrigado à execução, embora não necessariamente signifique em uma cruz. Não há razão, no entanto, para duvidar da antiga tradição de que a morte de Pedro foi por crucificação. [JFB, aguardando revisão]

19 E disse isto, fazendo entender que Pedro glorificaria a Deus com sua morte. E tendo dito isto, Jesus lhe disse: Segue-me.

Comentário de David Brown

E disse isto, fazendo entender que Pedro glorificaria a Deus com sua morte – não, portanto, uma mera predição da maneira de sua morte, mas da honra a ser conferida a ele pela morte por seu Mestre. E, certamente, sem dúvida, esta previsão tinha a intenção de seguir sua tríplice restauração: – “Sim, Simão, tu não só alimentarás Meus cordeiros, e alimentarás minhas ovelhas, mas depois de uma longa carreira de tal serviço, serás considerado digno. morrer pelo nome do Senhor Jesus. ”

E tendo dito isto, Jesus lhe disse: Segue-me – Ao ligar assim a expressão desta previsão com o convite para segui-lo, o evangelista indicaria o sentido mais profundo em que a chamada foi entendida, não apenas para ir junto com Naquele momento, mas para vir após ele, “tomando a sua cruz”. [JFB, aguardando revisão]

20 E virando-se Pedro, viu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, o que também na ceia se recostara a seu peito, e dissera: Senhor, quem é o que te trairá?

Comentário de David Brown

Peter, virando-se – mostrando que ele seguiu imediatamente como indicado.

iu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, o que também na ceia se recostara a seu peito, e dissera: Senhor, quem é o que te trairá? – O evangelista faz essas alusões à familiaridade peculiar à qual ele havia sido admitido nas mais memoráveis ​​de todas as ocasiões, talvez com amor para explicar a questão um pouco adiantada de Pedro sobre ele a Jesus; o que é bastante provável, como foi por sugestão de Pedro que ele colocou a questão sobre o traidor que ele lembra aqui (Jo 13:24-25). [JFB, aguardando revisão]

21 Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e este, que lhe acontecerá?

Comentário de Alfred Plummer

Vendo Pedro a este. Mais uma vez vemos a intimidade entre esses dois Apóstolos. Quando Pedro é instruído a seguir, João o faz também espontaneamente; e Pedro, tendo recebido sua própria comissão, pergunta sobre a de seu amigo. Comp. João 18:15; 20:1 .

Senhor, e este, que lhe acontecerá? Literalmente, mas este homem, o quê? Não tanto ‘o que ele deve fazer?’ como ‘e ele?’ O que está reservado para ele. A pergunta indica o desejo natural de saber o futuro de um amigo, ainda mais natural depois de ter ouvido algo sobre seu próprio futuro. Daí o “portanto” no início do versículo. Como de costume, Peter age no primeiro impulso. [Plummer, aguardando revisão]

22 Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa? Segue-me tu.

Comentário de David Brown

Do fato de que somente João dos Doze sobreviveu à destruição de Jerusalém, e assim testemunhou o início daquela série de eventos que pertence aos “últimos dias”, muitos bons intérpretes pensam que isso é uma previsão virtual de fato. e não uma mera suposição. Mas isto é muito duvidoso, e parece mais natural considerar nosso Senhor como pretendendo não dar nenhuma indicação positiva do destino de João, mas para significar que este era um assunto que pertencia ao Mestre de ambos, que revelaria ou escondê-lo como ele achava adequado, e que a parte de Pedro era para cuidar de seus próprios assuntos. Assim, em “segue-me,” a palavra “tu” é enfática. Observe a disposição absoluta da vida humana que Cristo afirma: “Se eu quiser que ele fique até eu chegar”, etc. [JFB, aguardando revisão]

23 Saiu, pois, esta conversa entre os irmãos, que aquele discípulo não morreria. Contudo Jesus não lhe disse que não morreria, mas sim: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa?

Comentário de David Brown

esta conversa entre os irmãos, que aquele discípulo não morreria – no qual eles mais facilmente caíram da expectativa predominante de que a segunda vinda de Cristo estava próxima.

Contudo Jesus não lhe disse que não morreria – O evangelista está com inveja da honra de seu Mestre, que sua morte pode ser pensada para comprometer se tal mal-entendido não deve ser corrigido. [JFB, aguardando revisão]

24 Este é o discípulo que testemunha destas coisas, e estas coisas escreveu; e sabemos que seu testemunho é verdadeiro.

Comentário de David Brown

Este é o discípulo que testifica estas coisas, e escreveu estas coisas – identificando assim o autor deste livro com tudo o que diz deste discípulo.

sabemos que seu testemunho é verdadeiro – (compare com Jo 19:35). [JFB, aguardando revisão]

25 Ainda há, porém, muitas outras coisas que Jesus fez, que se sobre cada uma delas se escrevessem, penso que nem mesmo o mundo poderia caber os livros escritos. Amém.

Comentário de David Brown

E há muitas outras coisas que Jesus fez – (Veja Jo 20:30-31).

se … escrito cada um, suponho – uma expressão usada para mostrar que o que se segue não deve ser pressionado demais.

penso que nem mesmo o mundo poderia caber os livros escritos… – não uma mera expressão hiperbólica, ao contrário da sublime simplicidade desse escritor, mas destinada a mostrar ao seu leitor que, mesmo agora que ele havia feito, ele sentia seus materiais tão distantes estando exausto, ele ainda estava atropelando, e poderia multiplicar “Evangelhos” em quase qualquer grau dentro dos limites estritos do que “Jesus fez”. Mas, na limitação dessas histórias inigualáveis, em número, há tanto quanto aquela sabedoria divina que presidiu e permeou os oráculos vivos, como em sua variedade e plenitude. [JFB, aguardando revisão]

<João 20 Atos 1>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.