Bíblia, Revisar

Lucas 14

1 E aconteceu que, entrando ele num sábado para comer pão na casa de um dos chefes dos fariseus, eles estavam o observando.

Lc 14: 1-24. Cura de um homem dropsical e múltiplos ensinamentos em uma festa do sábado.

2 E eis que um certo homem com o corpo inchado estava ali diante dele.

homem diante dele – não da companhia, já que isso era aparentemente antes de os convidados se sentarem, e provavelmente o homem veio na esperança de uma cura, embora não a solicitando expressamente [Deuteronômio Wette].

3 E respondendo Jesus, falou aos estudiosos da Lei, e aos fariseus, dizendo: É lícito curar no sábado?

(Veja em Mt 12:11-12).

4 Porém eles ficaram calados; e ele, tomando -o ,o curou, e o despediu.
5 E ele, respondendo-lhes, disse: De qual que vós cairá o jumento, ou o boi em algum poço que, mesmo no sábado, não o tire logo?
6 E nada podiam lhe responder a estas coisas.
7 E vendo como os convidados escolhiam os primeiros assentos, disse-lhes uma parábola:

uma parábola – mostrando que o Seu desígnio não era tanto para inculcar meras polidez ou boas maneiras, como abaixo disso ensinar algo mais profundo (Lc 14:11).

primeiros assentos – os assentos principais, na parte central do sofá em que se reclinavam durante as refeições, eram os mais honrados.

8 Quando fores convidados para o casamento de alguém, não te sentes no primeiro assento, para que não aconteça de se outro convidado mais digno que tu estiver,

casamento – e sentar-se no banquete de casamento. Nosso Senhor evita a aparência de personalidade por esta delicada alusão a um tipo diferente de entretenimento que este de seu anfitrião (Bengel).

9 E venha o que convidou a ti e a ele, e te diga: Dá lugar a este; E então, com vergonha, tenhas que tomar o último lugar.

o mais baixo – não um menor meramente (Bengel).

com vergonha – “Ser inferior é apenas ignominioso para aquele que afeta o mais alto” (Bengel).

10 Mas quando fores convidado, vai, e senta-te no último lugar; para que quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe para este assento melhor. Então terás honra diante dos que estiverem sentados contigo à mesa.

Amigo – disse ao modesto convidado apenas, não o orgulhoso (Lc 14:9) (Bengel).

adoração – honra. Tudo isso é apenas uma reprodução de Pv 25:6-7. Mas foi reservado para o incomparável Professor expressar de forma articulada, e aplicar ao regulamento das características mínimas da vida social, tais grandes leis do Reino de Deus, como a de Lc 14:11.

11 Porque qualquer que exaltar a si mesmo, e aquele que humilhar a si mesmo, será exaltado.

qualquer que… – colocando-os em uma simplicidade casta e terseness proverbial do estilo que os faz “maçãs de ouro em um cenário de prata.” (Veja em Lc 18:14).

12 E dizia também ao que tinha lhe convidado: Quando fizeres um jantar, ou uma ceia, não chames a teus amigos, nem a teus irmãos, nem a teus parentes, nem a teus vizinhos ricos, para que eles também em algum tempo não te convidem de volta, e tu sejas recompensado.

não chames a teus amigos – Jesus certamente não quis dizer que dispensemos os deveres da comunhão comum, mas, remetendo-os para o devido lugar, inculca o que é melhor (Bengel).

para que … uma recompensa seja dada a você – um medo de que o mundo não esteja aflito com (Bengel). O significado, entretanto, é que nenhum exercício de princípio está envolvido nele, pois o próprio egoísmo será suficiente para levá-lo a isso (Mt 5:46-47).

13 Mas quando fizeres convite, chama aos pobres, aleijados, mancos e cegos.

chame os pobres – “Tal Deus chama a si mesmo” (Lc 14:21) (Bengel).

14 E serás bem-aventurado, porque não eles não têm como te recompensar; pois tu serás recompensado na ressurreição dos justos.

abençoado – agindo de uma compaixão desinteressada e divina pelos miseráveis.

15 E um dos que juntamente estavam sentados à mesa , ouvindo isto, disse-lhe: Bem-aventurado aquele que comer pão no Reino de Deus.

ouviu … ele disse, abençoado, etc. – Como as palavras de nosso Senhor pareciam reter a futura “recompensa” sob a ideia de uma grande festa, o pensamento passa pela mente desse homem, quão abençoados eles seriam quem deveria seja honrado em sentar-se. A resposta do nosso Senhor é em substância a seguinte: “A grande festa já está preparada; os convites são emitidos, mas recusados; a festa, não obstante, não desejará a abundância de convidados; mas nenhum de seus atuais desprezadores – que ainda virão a requerer a admissão – terá o direito de prová-lo ”. Isso mostra o que faltava na aparente e piedosa exclamação desse homem. Foi Balaão: “Deixe-me morrer a morte dos justos, e que meu fim seja como o dele” (Nm 23:10), sem qualquer ansiedade em viver sua vida; Desejando afeiçoadamente que todos estivessem finalmente com ele, enquanto todos negligenciavam o precioso presente.

16 Porém ele lhe disse: Um certo homem fez um grande jantar, e convidou a muitos.

uma grande ceia – (compare com Is 25:6).

muitos disseram – historicamente, os judeus (ver em Mt 22:3); geralmente, aqueles dentro do âmbito do discipulado professo.

17 E na hora do jantar, mandou seu servo para dizer aos convidados: Vinde, que tudo já está preparado.

tudo pronto agora – apontando, sem dúvida, para os preparativos agora amadurecimento para o grande chamado do Evangelho. (Veja em Mt 22:4)

18 E cada um deles todos começou a dar desculpas. O primeiro lhe disse: Comprei um campo, e tenho que ir vê-lo; peço-te desculpas.

cada um deles todos começou a dar desculpas – (compare com Mt 22:5). Três desculpas, dadas como espécimes dos demais, respondem aos “cuidados deste mundo” (Lc 14:18), “o engano das riquezas” (Lc 14:19) e “os prazeres desta vida” (Lc 14:20), que “sufocam a palavra” (Mt 13:22 e Lc 8:14). Cada um difere do outro, e cada um tem sua própria plausibilidade, mas todos chegam ao mesmo resultado: “Temos outras coisas para atender, mais urgentes agora.” Ninguém é representado como dizendo, eu não irei; ou melhor, todas as respostas implicam que, para certas coisas, elas viriam, e quando estas estiverem fora do caminho, elas virão. Por isso, certamente é no caso pretendido, pois as últimas palavras implicam claramente que os que se recusarem um dia se tornarão peticionários.

19 E outro disse: Comprei cinco pares de bois, e vou testá-los; peço-te desculpas.
20 E outro disse: Casei-me com uma mulher, e portanto não posso vir.
21 E aquele servo, ao voltar, anunciou estas coisas a seu senhor. Então o chefe da casa, irritado, disse a seu servo: Sai depressa pelas ruas e praças da cidade, e traze aqui aos pobres, e aleijados, e mancos e cegos.

ao voltar, anunciou… – dizendo como em Is 53:1. “É a parte dos ministros que relatam ao Senhor em suas orações o cumprimento ou recusa de seus ouvintes” (Bengel).

irritado – em certo sentido, uma palavra graciosa, mostrando quão sincero ele era em emitir seus convites (Ez 33:11). Mas é a insignificância colocada sobre ele, cujo sentido pretende ser marcado por essa palavra.

ruas e praças – historicamente, aqueles dentro do mesmo pálido “da cidade” de Deus como a antiga classe, mas os desprezados e marginalizados da nação, os “publicanos e pecadores” (Trench); geralmente, todas as classes similares, geralmente negligenciadas na primeira provisão para fornecer os meios de graça a uma comunidade, metade pagãs em meio a luz revelada e em todos os sentidos miseráveis.

22 E o servo disse: Senhor, está feito como mandaste, e ainda há lugar.

ainda há lugar – implicando que essas classes haviam abraçado o convite (Mt 21:32; Mc 12:37, última cláusula; Jo 7:48-49); e expressando belamente o anseio que deveria preencher os corações dos ministros para ver a mesa do seu Mestre cheia.

23 E o senhor disse ao servo: Sai pelos caminhos, e trilhas, e força-os a entrar, para que minha casa se encha.

caminhos, e trilhas – fora da cidade completamente; historicamente, os pagãos, afundados nas profundezas mais baixas da miséria espiritual, como estando além do limite de tudo o que é revelado e salvando, “sem Cristo, estrangeiros da aliança da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo” ( Ef 2:12); geralmente, tudo isso ainda. Assim, essa parábola contempla profeticamente a extensão do reino de Deus ao mundo inteiro; e espiritualmente, direciona os convites do Evangelho para serem levados para os estratos mais baixos, e ser colocado em contato com os círculos externos da sociedade humana.

força-os a entrar – não como se fizessem as “desculpas” da primeira aula, mas porque seria difícil fazer com que eles superassem duas dificuldades: (1) “Não estamos em boa forma para tal festa.” ( 2) “Não temos vestimenta adequada e estamos doentes para tal presença.” Quão apropriadamente isso representa as dificuldades e os medos dos sinceros! Como isso é encontrado? “Não tenha desculpa – faça-os vir como são – traga-os junto com você.” Que diretório para os ministros de Cristo!

que minha casa pode ser preenchida – “A graça não mais do que a natureza suportará um vácuo” (Bengel).

24 Porque eu vos digo, que nenhum daqueles homens que foram convidados experimentará da minha ceia.

Porque eu vos digo, que nenhum – Nosso Senhor aqui parece jogar fora o véu da parábola, e proclamar a Ceia à Sua, insinuando que quando transferido e transformado em sua forma gloriosa final, e os próprios recusadores dariam tudo por outra oportunidade Ele não permitirá que um deles prove. (Nota. Esta parábola não deve ser confundida com a de Pv 1:24-33; A Ceia das Bodas, Mt 22:2-14).

25 E muitas multidões iam com ele; e virando-se, disse-lhes:

Lc 14: 25-35. Discurso para grandes multidões viajando com ele.

E muitas multidões iam com ele – em sua jornada final para Jerusalém. As “grandes multidões” foram, sem dúvida, pessoas indo para a Páscoa, que se moviam em grupos (Lc 2:44), e que nessa ocasião, entrando com nosso Senhor, haviam se formado em uma massa sobre ele.

26 Se alguém vier a mim, e não odiar a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também sua própria vida, não pode ser meu discípulo.

Se algum homem, etc. – (Veja em Mt 10:34-36, e Mc 8:34-35).

27 E qualquer que não levar sua cruz, e vier após mim, não pode ser meu discípulo.
28 Porque qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro para fazer as contas dos gastos, para ver se tem o suficiente para a completar?

qual de vós… – O senso comum ensina os homens a não começarem nenhum trabalho caro sem primeiro ver que eles têm meios para terminar. E aquele que de outra maneira se expõe ao ridículo geral. Tampouco qualquer potentado sábio entrará em guerra com qualquer poder hostil sem antes ter certeza de que, apesar das probabilidades formidáveis ​​(dois contra um), ele seja capaz de se manter firme; e se ele não tem esperança disso, ele sentirá que nada resta para ele a não ser fazer os melhores termos que puder. Mesmo assim, diz o nosso Senhor, “na batalha cada um terá que travar como Meus discípulos, não despreze a força do seu inimigo, pois todas as probabilidades estão contra você; e é melhor que, apesar de todas as desvantagens, você ainda tenha recursos para resistir e ganhar o dia, ou então não começar de maneira alguma, e fazer o melhor que puder em circunstâncias tão terríveis ”. Parábola (Stier, Alford, etc, ir longe da marca aqui em fazer o inimigo para ser Deus, por causa das “condições de paz”, Lc 14:32), duas coisas são ensinadas: (1) Melhor não começar ( Ap 3:15), do que começar e não terminar. (2) Embora a disputa pela salvação seja da nossa parte muito desigual, a vontade humana, no exercício daquela “fé que vence o mundo” (1Jo 5:4), e nervosa pelo poder de cima, que “ por causa da fraqueza, torna-se forte ”(Hb 11:34; 1Pe 1:5), torna-se heróico e sairá“ mais do que conquistador ”. Mas sem a entrega absoluta do eu, a competição é inútil (Lc 14:33).

29 Para que não aconteça que, depois de ter posto seu fundamento, e não podendo a completar, comecem a escarnecer dele todos os que o virem,
30 Dizendo: Este homem começou a construir, e não pôde terminar.
31 Ou qual rei, indo a guerra para lutar contra outro rei, não se senta primeiro para consultar, se pode ir ao encontro com dez mil soldados , vindo contra ele vinte mil?
32 Se não puder , estando o outro ainda longe, manda -lhe representantes diplomáticos, e roga pela paz.
33 Assim, portanto, qualquer de vós que não renuncia a tudo, não pode ser meu discípulo.
34 Bom é o sal; porém se o sal perder o sabor, com o que ele será temperado?

Sal, etc. – (Veja em Mt 5:13-16; e Mc 9:50).

35 Nem para a terra, nem para adubo serve; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.
<Lucas 13 Lucas 15>

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.