Marcos 9

1 E disse-lhes também:Em verdade vos digo, que há alguns dos que aqui estão, que não experimentarão a morte, até que vejam o reino de Deus vindo com poder.

Comentário do Púlpito

até que vejam o reino de Deus vindo com poder. Em Mateus 16:28, as palavras correm assim:”Até que vejam o Filho do homem vindo em seu reino.” Em Lucas 9:27, “Até que vejam o reino de Deus.” Todos esses evangelistas conectam seu registro da Transfiguração com essas palavras preditivas – uma circunstância que não deve ser perdida de vista em sua interpretação. A questão, portanto, é se ou até que ponto a Transfiguração deve ser considerada como um cumprimento dessas palavras. Uma coisa parece clara, que a Transfiguração, se é que foi um cumprimento, não foi um cumprimento exaustivo das palavras. A solenidade de sua introdução nos proíbe de limitá-los a um evento que aconteceria dentro de oito dias de sua declaração. Mas havia um evento iminente, a saber, a destruição de Jerusalém, envolvendo a derrubada da política judaica, que, como aconteceu dentro de quarenta ou cinquenta anos a partir do momento em que nosso Senhor pronunciou essas palavras, poderia razoavelmente esperar-se que ocorresse lugar durante a vida de alguns daqueles que estavam lá. E essa grande catástrofe foi freqüentemente mencionada por nosso Senhor como um tipo e garantia do grande julgamento no fim do mundo. Que relação, então, a Transfiguração manteve com esses dois eventos e com a predição contida neste versículo? Foi certamente um prelúdio e promessa do que deveria ser depois, especialmente concebido para preparar e fortalecer os apóstolos para a visão dos sofrimentos de seu Mestre, e para animá-los a suportar o trabalho e as provações da vida cristã. De modo que a Transfiguração foi um acontecimento, por assim dizer, um parênteses a esta predição – uma manifestação preliminar, para especial proveito de quem a presenciou; embora também seja dado “para nossa admoestação, sobre quem são chegados os fins do mundo”. Essas eram as opiniões de Santo Hilário, Santo Crisóstomo, Santo Ambrósio e outros. “Quando nosso Senhor foi transfigurado”, diz São Jerônimo, “ele não perdeu sua forma e aspecto, mas ele apareceu aos seus apóstolos como aparecerá no dia do julgamento”. E em outro lugar, ele diz:“Sai um pouco fora da vossa prisão e põe diante dos vossos olhos a recompensa do vosso trabalho atual, que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem penetrou no coração do homem. ‘” [Pulpit, aguardando revisão]

A transfiguração

2 Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago, e João, e os levou à parte, sozinhos, para um alto monte; e transfigurou-se diante deles.

Comentário do Púlpito

Seis dias depois. Lucas 9:28 diz:”Cerca de oito dias depois dessas palavras.” Não há discrepância real aqui. Foram seis dias inteiros que se interpuseram entre as palavras de nosso Senhor e a própria Transfiguração.

Jesus tomou consigo Pedro, Tiago, e João. Ele escolheu esses três, como líderes entre os discípulos, e mostrou-lhes sua glória, porque também pretendia mostrar-lhes depois sua amarga agonia no jardim. Esse esplendor magnífico – essa “glória excelente”, como 2Pe 1:17 a descreve – isso, junto com a voz do Pai, “Este é meu Filho amado”, asseguraria a eles que Cristo era verdadeiramente Deus, mas que sua divindade essencial foi escondido pelo véu da carne; e que, embora ele estivesse para ser crucificado e morto, sua Divindade não poderia sofrer ou morrer. Foi uma evidência de antemão, uma evidência prospectiva, de que ele sofreu a morte, mesmo a morte de cruz, não constrangido pela enfermidade ou necessidade, mas por sua própria vontade, para a redenção do homem. Era claro que, visto que ele poderia assim revestir seu corpo com a glória divina, ele poderia ter se salvado da morte se assim o quisesse. Ele leva consigo Pedro, Tiago e João. A referência de Pedro à transfiguração (a que acabamos de aludir) mostra a impressão profunda e duradoura que isso causou em sua mente. Tiago também estava lá, como um dos primeiros a morrer por sua causa. João também estava com eles, que, tendo visto a glória do Filho de Deus, que não está sujeita a limites de tempo, pode ousar enviar seu grande testemunho:”No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e a Palavra era Deus. “

e os levou à parte, sozinhos, para um alto monte. “É necessário para todos”, diz Remigius, “que desejam contemplar a Deus, que não se rastejem em meio a pensamentos e desejos baixos, mas sempre sejam elevados às coisas celestiais. E assim, nosso Senhor estava ensinando seus discípulos que não deveriam procure o brilho da glória divina nas profundezas deste mundo, mas no reino da bem-aventurança celestial. E ele os conduz à parte, porque os homens santos estão na intenção e no desejo separados do mal, pois estarão totalmente separados dele em o mundo vindouro. Pois os que buscam as glórias da ressurreição, devem agora em coração e mente habitar nas alturas e buscar essas glórias pela oração contínua. ” Para uma montanha alta. Uma tradição da época de Jerônimo identifica esta montanha com o Tabor, na Galiléia. Mas há duas objeções de peso a esta visão:(1) que nosso Senhor estava neste momento nas vizinhanças de Cesaréia de Filipe, a uma distância considerável de Tabor, e (2) que há fortes razões para acreditar que Tabor tinha neste momento uma fortaleza em seu cume. Deve ser lembrado que Cesaréia de Filipe estava aos pés do Líbano; e as esporas do Líbano apresentariam várias eminências correspondendo à descrição, “uma alta montanha (ὄρος ὑψηλὸν)”. O Monte da Transfiguração era com toda probabilidade Hermon, uma posição de extrema grandeza e beleza, seus picos nevados dominando toda a extensão da Palestina. “No alto”, diz Dean Stanley, “em suas encostas ao sul deve haver muitos pontos onde os discípulos poderiam ser ‘separados por eles mesmos’. Mesmo a comparação transitória do esplendor celestial com a neve, onde só ele podia ser visto na Palestina, não deveria, talvez, ser totalmente esquecida. De qualquer forma, as remotas alturas acima das nascentes do Jordão testemunharam o momento em que, sua obra terminada sua própria esfera peculiar, ele se dispôs pela última vez a subir a Jerusalém. ” Embora compelidos a afastar de nossas mentes a velha tradição do Tabor como o cenário da Transfiguração, ainda pensamos naquela montanha como perto de Nazaré, onde nosso Senhor foi criado; e de Hermon, onde foi transfigurado, conforme nos regozijamos no cumprimento da antiga profecia:”Tabor e Hermon se alegrarão em teu nome.”

e transfigurou-se diante deles. A forma de sua aparência mudou. Não foi uma ilusão, nenhuma aparência imaginária, mas uma transformação real. Era a glória Divina dentro dele manifestando-se por meio de sua humanidade; e ainda não aquela glória da Divindade que nenhum homem viu ou pode ver; mas tal manifestação que os discípulos podem em algum grau contemplar a glória e majestade da Divindade através do véu de sua carne. Nem, podemos acreditar, nosso Senhor em sua transfiguração mudou a essência ou a forma de seu semblante. Mas ele assumiu um esplendor poderoso, de modo que, como nos diz São Mateus 17:2, “seu rosto brilhou como o sol”. [Pulpit, aguardando revisão]

3 E suas roupas ficaram resplandescentes, muito brancas , como nenhum lavadeiro na terra seria capaz de branquear.

Comentário do Púlpito

Este esplendor não estava no ar, nem aos olhos dos discípulos, mas na pessoa do Filho de Deus – um esplendor que se comunicava com suas vestes, de modo que suas vestes se tornaram brilhantes (στίλβοντα), excessivamente brancas; de modo que nenhum completo na terra pode branquea-los. Esta figura é tirada de coisas naturais. A primeira ideia de “fuller”, do latim fullo, é a de quem limpa “batendo com os pés”. Seu trabalho é restaurar o pano sujo à sua brancura natural. O evangelista usa algo terreno para representar o celestial. O Lavadeiro celestial dá uma pureza e um brilho infinitamente superior ao poder de qualquer “lavadeiro na terra”. Quase parece que a figura foi especialmente fornecida por Pedro. [Pulpit, aguardando revisão]

4 E apareceu-lhes Elias com Moisés, e falavam com Jesus.

Comentário do Púlpito

Moisés e Elias estavam lá porque Moisés era o legislador da antiga aliança e Elias era conhecido entre os profetas; de modo que eles eram os representantes, um da Lei e o outro da “boa comunhão dos profetas. Eles aparecem juntos para dar testemunho de Cristo como o verdadeiro Messias, o Salvador do mundo, prefigurado na Lei, e predito pelos profetas. Eles parecem dar testemunho dele e, em seguida, renunciar aos seus cargos ao grande Legislador e Profeta a quem prefiguravam. Depois, Moisés morreu, mas Elias foi trasladado. Moisés, portanto, representa os santos mortos que ressuscitarão de seus túmulos e sairão em sua vinda, enquanto Elias representa aqueles que serão encontrados vivos em seu advento. Nosso Senhor trouxe com ele, em sua transfiguração, Moisés que havia morrido, e Elias que havia sido trasladado, para que pudesse mostrar seu poder sobre “os vivos e os mortos”. Santo Lucas 9:31 diz que Moisés e Elias “apareceram em glória, e falaram de sua morte (τὴν ἔξοδον αὐτοῦ) que ele deveria cumprir em Jerusalém”. Eles apareceram em Jerusalém. glória; o esplendor Divino irradiou t bainha. Eles “falaram de sua morte”, literalmente, sua partida – sua partida não apenas de Jerusalém, mas desta vida, por sua morte na cruz. A morte de Cristo foi, portanto, mostrada como o fim último para o qual a Lei e os profetas apontavam. Mesmo naquela hora de sua glória, no Monte da Transfiguração, este era o tema deles; e assim os discípulos ficaram nervosos para olhar com esperança e fé para aquilo que haviam contemplado com consternação. [Pulpit, aguardando revisão]

5 Então Pedro disse a Jesus:Mestre, é bom para nós estarmos aqui; façamos três tendas:uma para ti, uma para Moisés, e uma para Elias.

Comentário do Púlpito

Então Pedro disse a Jesus. Aprendemos com Lucas 9:33 que isso aconteceu exatamente quando Moisés e Elias estavam partindo. Peter estava animado, e havia medo misturado com sua empolgação. Ele estava confuso. A sua primeira ideia foi procurar que ficassem, pois viu que estavam apenas a preparar-se para partir. Teofilato diz sobre isso:”Não diga com Pedro:’É bom para nós estarmos aqui’; pois cabe a nós sempre, enquanto na carne, avançar, e não permanecer em um estágio de virtude e contemplação, mas passar para outros graus “É, talvez, uma questão curiosa demais perguntar como os três discípulos sabia que eles eram Moisés e Elias. O mesmo poder divino que lhes deu uma visão do outro mundo deu-lhes um conhecimento intuitivo sobre o assunto. E podemos, talvez, inferir daí que naquele mundo vindouro não haverá apenas reconhecimento, mas conhecimento, imediatamente comunicado, daqueles cujos rostos não vimos “na carne”. Santo Lucas 9:32 diz que Pedro e seus companheiros “estavam pesados ​​de sono (βεβαρημένοι ὕπνῳ).” É provável que a Transfiguração tenha ocorrido à noite. Toda a manifestação se tornaria mais visível e impressionante em meio à escuridão e à quietude da noite. Mas São Lucas tem o cuidado de adicionar, “quando eles estavam totalmente acordados (διαγρηγορήσαντες).” Esta palavra pode ser traduzida como “tendo permanecido acordado”. Mas seja qual for a tradução adotada, a intenção do evangelista é evidentemente mostrar que não foi em um sonho ou em uma visão noturna que eles viram isso. Foi uma grande realidade, para a qual olharam com os olhos abertos. [Pulpit, aguardando revisão]

6 Pois ele não sabia o que dizia, pois estavam assombrados.

Comentário do Púlpito

pois estavam assombrados. Há uma ligeira mudança de leitura aqui. Em vez de ἧσαν γὰρ ἔκφοβοι, as melhores autoridades fornecem ἔκφοβοι γὰρ ἐγένοντο. Uma sensação de grande temor e terror dominou a bem-aventurança e o brilho da cena. Todas as revelações do outro mundo causam terror, embora tenham sido atenuadas como essa manifestação pela presença de seu querido Senhor e Salvador. [Pulpit, aguardando revisão]

7 Então desceu uma nuvem, que os cobriu com a sua sombra, e veio uma voz da nuvem, que dizia:Este é meu Filho amado; a ele ouvi.

Comentário do Púlpito

Então desceu uma nuvem, que os cobriu. A nuvem envolveu todos eles, de forma que eles não podiam ser vistos, era tão ampla e densa, e ainda assim tão brilhante e brilhante. São Mateus (Mateus 17:5) diz que era “uma nuvem deveria. A nuvem era um símbolo da grandeza e da glória inacessível de Deus. Os discípulos foram admitidos dentro desta nuvem para que pudessem ter um antegozo da glória futura, e que eles podem ser testemunhas do que aconteceu sob a nuvem e, especialmente, que podem dar evidências ao longo de todas as idades da voz que ouviram sair da nuvem da “glória excelente” (a expressão é equivalente ao hebraico “Shechiná”, e Pedro diz (2Pe 1,18), veio do céu), Este é meu Filho amado; a ele ouvi. Mas ao mesmo tempo que esta nuvem era o símbolo, era também o véu de Divindade, da glória da Divindade. “Ele faz das nuvens sua carruagem”, diz o salmista (Salmo 104:3). Além disso, a nuvem diminuiu e subjugou o esplendor da aparência de Cristo, que de outra forma os olhos mortais dos discípulos não poderiam ter suportado. Observar-se-á que São Marcos omite as palavras, encontradas em São Mateus (Mt 17:5), “em w estou muito satisfeito. ”O mesmo acontece com São Lucas. Mas é notável que eles sejam encontrados em São Pedro (2Pe 1,17); de onde poderíamos esperar encontrá-los aqui. Em São Lucas (9:35) as leituras mais aprovadas dão:”Este é meu Filho, meu escolhido (ἐκλελεγμένος).” As palavras, “meu filho amado”, são impressas em nós para que epítetos tão doces e cativantes possam acender nosso amor e devoção. “Ouvi-o” – não Moisés, que agora partiu, mas o próprio Cristo, o novo Autor de uma nova lei. “Ouvi-o” não foi dito quando nosso Senhor foi batizado, porque ele foi então apenas proclamado ao mundo. Mas agora essas palavras significam a abolição da velha dispensação e o estabelecimento da nova aliança em Cristo. [Pulpit, aguardando revisão]

8 De repente, quando olharam em redor, não viram mais ninguém, a não ser só Jesus com eles.

Comentário do Púlpito

Mateus aqui diz (Mateus 17:6):”Quando os discípulos ouviram isso, prostraram-se com o rosto em terra e ficaram com medo. E Jesus veio, tocou-lhes e disse:Levantai-vos e não tenhas medo.” São Marcos omite isso; mas em sua maneira característica afirma o que implica o que São Mateus registrou. Foi o “toque” de Jesus que os fez olhar em volta; e então, em um momento, perceberam que estavam a sós com Jesus, como estavam antes do início dessa manifestação. A ordem dos incidentes na Transfiguração parece ter sido esta:Nosso Senhor está orando. Os discípulos, cansados ​​de subir a montanha, estão pesados ​​de sono; e Cristo é transfigurado. Então aparecem Moisés e Elias; e estão conversando com Jesus sobre seu êxodo – sua morte a ser consumada em Jerusalém. Os discípulos meditaram desde o sono pelo brilho sobrenatural e pela conversa, e agora, totalmente despertos, contemplam a glória de Jesus, e Ases e Elias conversando com ele. Enquanto Moisés e Elias se preparavam para partir, Pedro, excitado, encantado, perplexo e, no entanto, triste por ver que eles estavam indo, procurou detê-los com a proposta de fazer algum lugar de descanso temporário para eles. Em seguida, vem a nuvem de sombra brilhante e uma voz da nuvem:”Este é meu Filho amado:ouvi-o.” Ao som dessa voz, os discípulos caem aterrorizados no chão. Mas eles logo são consolados por Cristo e, olhando para cima, o vêem sozinho com eles. [Pulpit, aguardando revisão]

9 Enquanto desciam do monte, Jesus lhes mandou que a ninguém contassem o que haviam visto, até que o Filho do homem ressuscitasse dos mortos.

Comentário do Púlpito

Não deviam nem mesmo contar a seus condiscípulos, para não causar vexame ou inveja o fato de não terem sido assim favorecidos. O tempo da ressurreição de nosso Senhor seria uma oportunidade adequada para revelar este mistério; e então os discípulos entenderiam e acreditariam, quando, depois de sua paixão e morte, que eram uma ofensa para eles, eles o vissem ressurgindo em glória, evento do qual a Transfiguração era um tipo. Pois, pela Ressurreição, eles certamente saberiam que Cristo sofreu a morte de cruz, não por constrangimento, mas por sua própria vontade e por seu grande amor por nós. [Pulpit, aguardando revisão]

10 E eles guardaram o caso entre si, perguntando uns aos outros o que seria aquilo de 'ressuscitar dos mortos'.

eles guardaram o caso entre si – ou então, “eles guardaram segrego” (NVT).

11 Então lhe perguntaram:Por que os escribas dizem que Elias tem que vir primeiro?

Por que os escribas dizem que Elias tem que vir primeiro? – ou seja, antes do Messias (Ml 4:5).

12 E ele lhes respondeu:De fato Elias vem primeiro, e restaura todas as coisas. Então, como está escrito sobre o Filho do homem tem que sofrer muito, e ser desprezado?

As palavras [o Filho do homem] tem que são muito impressionantes. Elas colocam diante de nós a intenção do que está escrito. “Elias vem primeiro. Mas como ou com que propósito está escrito acerca do Filho do Homem que viria? Para que Ele possa sofrer, não conquistar como um príncipe poderoso”. [Cambridge, 1893]

13 Porém eu vos digo que Elias já veio, e fizeram-lhe tudo o que quiseram, como está escrito sobre ele.

Elias já veio. João Batista não era Elias ressuscitado dos mortos (Mc 6:14-16; compare com Jo 1:21). Em vez disso, Jesus ensinou que Elias prefigurava o ministério de João Batista. [Genebra, 2009]

14 E quando vieram aos discípulos, eles viram uma grande multidão ao redor deles; e uns escribas estavam discutindo com eles.

Comentário de David Brown

Isto foi “no dia seguinte, quando eles desceram do monte” (Lc 9:37). A Transfiguração parece ter ocorrido à noite. De manhã, ao descer do monte em que se realizou – com Pedro, Tiago e João – ao aproximar-se dos outros nove, encontrou-os cercados por uma grande multidão, e os escribas discutindo ou discutindo com eles. Sem dúvida, esses cavilers estavam enganando os apóstolos de Jesus com sua incapacidade de curar o menino demoníaco de quem estamos presentemente a ouvir, e insinuando dúvidas até mesmo da habilidade de seu Mestre em fazê-lo; enquanto eles, zelosos pela honra de seu Mestre, sem dúvida referir-se-iam a seus milagres do passado em prova do contrário. [JFB, aguardando revisão]

15 Logo que toda a multidão o viu, ficou admirada. Então correram a ele, e o cumprimentaram.

Comentário de David Brown

Então correram a ele, e o cumprimentaram – A singularmente forte expressão de surpresa, a repentina detenção da discussão, e a investida da multidão em direção a Ele, podem ser explicadas por nada menos que algo surpreendente em Sua aparência. Dificilmente pode haver qualquer dúvida de que Seu semblante ainda retinha traços de Sua glória-transfiguração. (Veja Êx 34:29-30). Assim, Bengel, DeWette, Meyer, Trench, Alford. Não é de admirar, se este fosse o caso, que eles não apenas corressem para Ele, mas O saudassem. Nosso Senhor, no entanto, não percebe o que os atraiu, e provavelmente gradualmente desapareceu quando se aproximou; mas dirigindo-se aos escribas, Ele exige o assunto de sua discussão, pronto para enfrentá-los onde eles haviam pressionado seus apóstolos meio instruídos e ainda tímidos. [JFB, aguardando revisão]

16 Jesus lhes perguntou :O que estais discutindo com eles?

Comentário de David Brown

Eles tiveram tempo de responder, o pai do menino, cujo caso ocasionou a disputa, avançou e respondeu à pergunta; contando um triste relato de surdez, e mudez e ataques de epilepsia – terminando com isso, que os discípulos, apesar de suplicados, não puderam realizar a cura. [JFB, aguardando revisão]

17 E um da multidão lhe respondeu:Mestre, trouxe a ti o meu filho, que tem um espírito mudo.

Comentário de David Brown

E um da multidão lhe respondeu:Mestre, trouxe a ti o meu filho – “meu filho único” (Lc 9:38).

que tem um espírito mudo – um espírito cuja operação teve o efeito de tornar sua vítima sem palavras, e surda também (Mc 9:25). No relato do discurso de Mateus (Mt 17:15), o pai diz “ele é louco”; sendo este outro efeito mais angustiante da possessão. [JFB, aguardando revisão]

18 E onde quer que o toma, faz-lhe ter convulsões, solta espuma, range os dentes, e vai ficando rígido. Eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, mas não conseguiram.

Comentário de David Brown

E onde quer que o toma, faz-lhe ter convulsões, solta espuma, range os dentes, e vai ficando rígido – antes, “seca”, “secou” ou “paralisou”; como a mesma palavra está em todo lugar no Novo Testamento. Alguns detalhes adicionais são dados por Lucas e pelo nosso evangelista abaixo. “Eis que”, diz ele em Lc 9:39, “um espírito o toma, e ele de repente clama; e dilacera-o a espuma, e o ferimento dificilmente [ou com dificuldade] se aparta dele ”.

Eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, mas não conseguiram – Nosso Senhor responde ao pai por uma severa repreensão aos discípulos. Como se ferido na exposição diante de tal multidão, da fraqueza da fé de Seus discípulos, que sem dúvida Ele sentiu como um reflexo sobre Si mesmo, Ele os põe para o rubor antes de tudo, mas em linguagem ajustada apenas para elevar a expectativa do que Ele Ele mesmo faria. [JFB, aguardando revisão]

19 Jesus lhes respondeu:Ó geração incrédula! Até quando estarei ainda convosco? Até quando vos suportarei? Trazei-o a mim.

Comentário de David Brown

Jesus lhes respondeu:Ó geração incrédula! – “e perversa” (Mt 17:17; Lc 9:41).

Até quando estarei ainda convosco? Até quando vos suportarei? – É para nós surpreendente que alguns intérpretes, como Crisóstomo e Calvino, representem essa repreensão como dirigida, não aos discípulos, mas aos escribas que disputaram com eles. A maioria dos expositores consideram que esta repreensão foi endereçada a ambos, o que não resolve muito o assunto. Porém, com Bengel, De Wette e Meyer, consideramos ela como dirigida diretamente aos nove apóstolos que foram incapazes de expulsar esse espírito maligno. E embora, ao atribuir essa incapacidade à ‘falta de fé’ e à ‘perversão de espírito’ que eles haviam absorvido em seu treinamento inicial, a repreensão, sem dúvida, se aplicaria, com força muito maior, àqueles que censuraram os pobres discípulos com sua incapacidade; seria mudar toda a natureza da repreensão para supor que se dirigisse àqueles que não tinham fé alguma e eram totalmente pervertidos. Foi porque a fé suficiente para curar este jovem foi esperada dos discípulos, e porque eles deveriam ter se livrado da perversidade em que haviam sido criados que Jesus os expõe assim diante do restante. E quem não vê que isso estava preparado, mais do que qualquer outra coisa, para impressionar os espectadores sobre a grande elevação do treinamento que Ele estava dando aos Doze?

Trazei-o a mim – A ordem para levar o paciente a Ele foi instantaneamente obedecida; quando eis! como se consciente da presença de seu Divino Tormentador, e esperando ser obrigado a desistir, o espírito sujo se enfurece e fica furioso, determinado a morrer, fazendo todo o mal que pode a esta pobre criança enquanto ainda está ao seu alcance. [JFU]

20 Então trouxeram-no a ele. E quando o viu, logo o espírito o fez ter uma convulsão e, caindo em terra, rolava, e espumava.

Comentário de David Brown

Então trouxeram-no a ele. E quando o viu, logo o espírito o fez ter uma convulsão – Assim como o homem com a legião de demônios, “quando ele viu Jesus, correu e O adorou” (Mc 5:6), então este demônio quando o viu, imediatamente “o atormentou”. O sentimento de terror e raiva era o mesmo em ambos os casos.

caindo em terra, rolava, e espumava – Ainda assim Jesus não faz nada, mas continua conversando com o pai sobre o caso – em parte para ter suas características desesperadas contadas por aquele que os conhecia melhor, na audição dos espectadores; em parte para deixar sua virulência ter tempo de se mostrar; e em parte para aprofundar o exercício da alma do pai, para extrair sua fé e, assim, preparar tanto ele quanto os espectadores para o que Ele deveria fazer. [JFB, aguardando revisão]

21 E perguntou ao seu pai:Quanto tempo há que isto lhe sobreveio? E ele lhe disse:Desde a infância.

Comentário de David Brown

E perguntou ao seu pai:Quanto tempo há que isto lhe sobreveio? E ele lhe disse:Desde a infância… – Tendo relatado brevemente as características afetivas do caso, o pobre pai, meio desanimado pelo fracasso dos discípulos e a virulência agravada do próprio mal na presença de seu Mestre, ainda encorajado também pelo que ele tinha ouvido falar de Cristo, pela severa repreensão que havia dado aos seus discípulos por não ter fé suficiente para curar o menino, e pela dignidade com a qual Ele ordenou que ele fosse levado a Ele – nesse estado de espírito confuso , ele fecha sua descrição do caso com estas palavras tocantes: [JFB, aguardando revisão]

22 E muitas vezes o lançou também no fogo e na água para o destruir. Mas, se podes algo, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.

Comentário de David Brown

Mas, se podes algo, tem compaixão de nós, e ajuda-nos – “nós”, diz o pai; porque era uma aflição dolorosa da família. Compare a linguagem da mulher siro-fenícia a respeito de sua filha:“Senhor, ajuda-me”. Ainda nada é feito:o homem está apenas lutando para a fé:deve dar um passo adiante. Mas ele tinha a ver com Aquele que não quebra a cana ferida, e que sabia inspirar o que ele exigia. O homem disse a ele:”Se tu podes fazer.” [JFB, aguardando revisão]

23 E Jesus lhe disse:Se podes? Tudo é possível ao que crê.

Comentário do Púlpito

Se podes? Tudo é possível ao que crê. Nosso Senhor retoma as palavras do pai. É como se Ele dissesse:”Tu me dizes:’Se tu puderes fazer alguma coisa’! Ah, que “Se você puder!”. Todas as coisas são possíveis para aquele que acredita”. Em outras palavras, nosso Senhor lhe disse:”Creia em mim, e seu filho será curado”. Era justo que Cristo exigisse fé em si mesmo; pois não era adequado que ele conferisse seus benefícios especiais àqueles que não acreditavam ou duvidavam dele – que ele transmitisse suas bênçãos àqueles que não eram dignos delas. [Pulpit]

Comentário Whedon

Se podes? Um eco da expressão do homem, “se podes algo”. O homem tinha evidências que exigiam que ele tivesse e usasse a quantidade adequada de fé. Como Deus não requer nossa primeira fé sem nos dar uma primeira evidência, nosso Senhor primeiro deu uma evidência prévia de sua divindade a fim de criar uma primeira fé. Mas quando isso foi feito, a condição do exercício da fé era uma exigência inexorável. Nosso Senhor realizou assim, como podemos dizer, duas classes de milagres.

Tudo é possível ao que crê. Quando nosso Senhor diz “todas as coisas”, devemos entender de que classes de coisas ele está falando, nas quais ele inclui todas. E a condição (“para aquele que crê”) não pertence a toda crença precipitada e presunçosa, que a mente, não em comunhão com Deus, pode invocar. A crença e a concessão à oração de que fala Jesus pertencem talvez ao mundo de que ele fala, a saber, o mundo religioso e espiritual. E a crença da qual ele fala é aquela fé da qual Deus concede o poder. Todas as coisas dentro de sua esfera são possíveis para aquela fé; pois Deus não concederá poder à fé para coisas que ele não tornará possíveis. [Whedon]

24 Logo o pai do menino, clamando, disse:Creio! Ajuda-me na minha incredulidade.

Comentário de David Brown

Isto é, “É inútil esconder de Ti, ó Tu misterioso, poderoso Curador, a incredulidade que ainda luta neste meu coração; mas esse coração me testemunha que acredito em Ti; e se a desconfiança ainda permanece, eu a nego, eu luto com ela, eu busco a ajuda de Ti contra ela. ”Duas coisas são muito notáveis ​​aqui:Primeiro, A presença da incredulidade sentida e possuída, que somente a força do homem a fé poderia ter revelado a sua própria consciência. Em segundo lugar, seu apelo a Cristo por ajuda contra sua incredulidade sentida – uma característica no caso bastante incomparável, e mostrando, mais do que todos os protestos poderiam ter feito, a percepção que ele havia alcançado sobre a existência de um poder em Cristo mais glorioso tinha pedido por seu pobre filho. O trabalho foi feito; e como a comoção e confusão na multidão agora aumentava, Jesus imediatamente, como o Senhor dos espíritos, deu a palavra de comando para o espírito mudo e surdo de ir embora, nunca mais para retornar à sua vítima. [JFB, aguardando revisão]

25 Quando Jesus viu que a multidão corria e se ajuntava, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe:Espírito mudo e surdo, eu te ordeno, sai dele, e nunca mais entres nele!

Comentário Whedon

a multidão corria e se ajuntava – antes haviam corrido para ele. Eles agora se aglomeraram em um círculo fechado para testemunhar o milagre esperado.

repreendeu o espírito imundo – As palavras não eram dirigidas à criança, nem à sua doença; mas para o espírito que possuiu a criança e produziu a doença.

mudo e surdo – Não que o espírito fosse mudo e surdo; porque é claro que ele ouviu Jesus e que clamou ao ser expulso da criança. [Whedon, aguardando revisão]

26 Então o espírito , gritando, e fazendo-o ter muita convulsão, saiu. E o menino ficou como morto, de maneira que muitos diziam que estava morto.

Comentário de David Brown

O espírito maligno e cruel, agora consciente de que sua hora chegou, reúne toda a sua força, com a intenção de um último golpe para matar sua vítima, e quase conseguiu. Mas o Senhor da vida estava lá; A curandeira de todas as doenças, a amiga dos pecadores, a semente da mulher, “a mais forte que o homem forte armado”, estava lá. A fé que Cristo declarou ser suficiente para tudo ser encontrado agora, não era possível que a serpente prevalecesse. Com medo é permitido machucar o calcanhar, como neste caso; mas sua própria cabeça irá para isto – suas obras serão destruídas (1Jo 3:8). [JFB, aguardando revisão]

27 Então Jesus o tomou pela mão, e o ergueu; e ele se levantou.

Comentário Whedon

Jesus o tomou pela mão. Jesus agora, no lugar da vida afetada por demônios, concede-lhe uma verdadeira vitalidade que é ao mesmo tempo natural e sobrenatural. [Whedon, aguardando revisão]

28 E quando entrou em casa, seus discípulos lhe perguntaram à parte:Por que nós não conseguimos o expulsar?

Comentário Cambridge

Por que nós não conseguimos o expulsar? Ele lhes deu “poder e autoridade sobre todos os demônios” (Marcos 9:1), e “contra os espíritos imundos para expulsá-los” (Mateus 10:1); qual foi a razão de seu fracasso agora? [Cambridge, aguardando revisão]

29 E lhes respondeu:Este tipo não pode sair por coisa alguma, a não ser com oração e jejum.

Comentário de David Brown

Isto é, como quase todos os bons intérpretes concordam, “esse tipo de espírito maligno não pode ser expulso”, ou “tão terrível caso de possessão demoníaca não pode ser curado, senão pela oração e pelo jejum”. Mas já que o próprio Senhor diz que Seus discípulos não podiam jejuar enquanto estavam com ele, talvez isso fosse planejado, como sugere Alford, para sua orientação posterior – a menos que o considerássemos como uma maneira definida de expressar a verdade geral, de que deveres grandes e difíceis exigem preparação e abnegação especiais. Mas a resposta à sua pergunta, como dada em Mt 17:20-21 é mais completa:“E Jesus lhes respondeu:Por causa da vossa incredulidade; pois em verdade vos digo, que se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a este monte:“Passa-te daqui para lá”, E ele passaria. E nada vos seria impossível” (Mt 17:20). Veja em Mc 11:23. Embora nada seja impossível à fé, no entanto, o nível de fé necessário para tais triunfos não pode ser alcançado num instante ou sem esforço – quer com Deus em oração ou conosco mesmos em exercícios de abnegação. Lucas (Lc 9:43) acrescenta:“E todos ficaram perplexos com a grandeza de Deus” – “na majestade” ou “poder de Deus”, neste último milagre, na Transfiguração, etc .; ou, na grandeza divina de Cristo levantando-se sobre eles diariamente. [JFB]

Segundo anúncio de sua morte

30 Depois partiram dali, e caminharam pela Galileia. Mas Jesus não queria que ninguém soubesse,

Comentário de David Brown

Depois partiram dali, e caminharam – estavam passando adiante.

caminharam pela Galileia. Mas Jesus não queria que ninguém soubesse – Comparando Mt 17:22-23 e Lc 9:43-44 com isto, nós nos reunimos, que como a razão de nosso Senhor para passar pela Galileia mais em particular do que o habitual nesta ocasião, foi reiterar para eles o anúncio que os havia chocado tanto na primeira menção a ele, e assim familiarizá-los com ele pouco a pouco, de modo que este era Seu motivo para ordenar silêncio sobre eles quanto ao seu presente movimentos. [JFB, aguardando revisão]

31 Porque ensinava a seus discípulos, e lhes dizia:O Filho do homem será entregue em mãos de homens, e o matarão; e estando ele morto, ressuscitará ao terceiro dia.

Comentário de David Brown

Porque ensinava a seus discípulos, e lhes dizia “Deixem estas palavras afundar em seus ouvidos” (Lc 9:44); não o que estava passando entre eles quanto a Sua grandeza, mas o que Ele estava agora para proferir.

O Filho do homem será entregue – O uso do tempo presente expressa o quão perto de nós Ele queria que eles o considerassem. Como Bengel diz, passos já estavam sendo tomados para trazê-lo.

em mãos de homens – Esta notável antítese, “o Filho do homem será entregue nas mãos dos homens”, é digno de nota, está em todos os três evangelistas.

e o matarão isto é, “Não te imponentes a toda a grandeza de Minha, a qual tendes testemunhado ultimamente, mas tenha em mente o que eu já lhe disse e agora repita distintamente, que aquele Sol em cujas vigas Agora, regozijar-se, logo se estabelecerá na escuridão da meia-noite. [JFB, aguardando revisão]

32 Mas eles não entendiam esta palavra, e temiam lhe perguntar.

Comentário de David Brown

Mas eles não entendiam esta palavra – “e foi encoberta deles, para que não a compreendessem” (Lc 9:45) – e temiam lhe perguntar – Suas ideias mais caras eram tão completamente destruídas por tais anúncios, que eles tinham medo de se exporem fazendo-Lhe qualquer pergunta. “Eles se entristeceram muito” (Mt 17:23). Enquanto os outros evangelistas, como Webster e Wilkinson observam, notam sua ignorância e seu medo, Mateus, que era um deles, mantém uma vívida lembrança de sua tristeza. [JFU, aguardando revisão]

33 E veio a Cafarnaum, e entrando em casa, perguntou-lhes:Que indagais entre vós pelo caminho?

Comentário de David Brown

Que indagais entre vós pelo caminho? – A partir disso, nós nos reunimos que depois da dolorosa comunicação que Ele lhes havia feito, o Redentor permitiu que eles viajassem muito pelo caminho sozinhos; em parte, sem dúvida, que Ele pudesse ter privacidade para si mesmo, para insistir no que estava diante dEle, e em parte para que pudessem ser induzidos a pesar juntos e se preparar para os terríveis eventos que Ele lhes anunciara. Mas se sim, quão diferente era a ocupação deles! [JFB, aguardando revisão]

34 Mas eles se calaram; porque eles haviam discutido uns com os outros pelo caminho, qual deles seria o maior.

Comentário de David Brown

De Mt 18:1 devemos inferir que o assunto foi introduzido, não por nosso Senhor, mas pelos próprios discípulos, que vieram e perguntou Jesus quem deveria ser o maior. Talvez um ou dois deles tenham referido o assunto a Jesus, que os afastou até que todos fossem reunidos em Cafarnaum. Ele tinha todo o tempo “percebido o pensamento de seu coração” (Lc 9:47); mas agora que eles estavam todos juntos “em casa”, Ele os questiona sobre isso, e eles ficam corados, conscientes do temperamento um contra o outro que havia acendido. Isso levantou toda a questão novamente, e neste ponto nosso evangelista a retoma. O assunto foi sugerido pelo recente anúncio do Reino (Mt 16:19-28), a transfiguração de seu Mestre, e especialmente a preferência dada a três deles naquela cena. [JFB, aguardando revisão]

35 E sentando-se ele, chamou aos doze, e disse-lhes:Se alguém quiser ser o primeiro, seja o últimos de todos, e servo de todos.

Comentário de David Brown

Se alguém quiser ser o primeiro, seja o últimos de todos, e servo de todos – isto é, “seja” tal:ele deve estar preparado para tomar o último e mais baixo lugar. Veja em Mc 10:42-45. [JFB, aguardando revisão]

36 E tomando um menino, ele o pôs no meio deles, e tomando-o entre seus braços, disse-lhes:

Comentário de David Brown

E tomando um menino – “uma criancinha” (Mt 18:2); mas a palavra é a mesma em ambos os lugares, como também em Lc 9:47.

ele o pôs no meio deles, e tomando-o entre seus braços – Esta bela característica é mencionada pelo próprio evangelista.

disse-lhes:Aqui temos de ir a Mateus (Mt 18:3-4) pela primeira resposta:“Em verdade vos digo que, a não ser que sejais convertidos e tornai-vos como criancinhas, não entra no reino dos céus ”:isto é,“ a conversão deve ser completa; não somente o coração deve ser voltado para Deus em geral, e das coisas terrenas para as celestiais, mas em particular, a menos que sejais convertidos daquela ambição carnal que ainda ronca dentro de vocês, para essa liberdade de todos os sentimentos que vocês veem nesta criança. não tendes nem parte nem sorte no reino; e aquele que nesta característica tem a maior parte da criança, é o mais alto lá. ”Portanto, aquele que“ se humilhar como esta criancinha, o mesmo é maior no reino dos céus ”:“ pois aquele que está [disposto a ser ] menos entre todos vocês, o mesmo será grande ”(Lc 9:48). [JFB, aguardando revisão]

37 Qualquer que em meu nome receber a um dos tais meninos, recebe a mim; e qualquer que me receber, não é a mim que recebe, mas, sim, àquele que me enviou.

Comentário do Púlpito

Qualquer que em meu nome receber a um dos tais meninos, recebe a mim. Todo aquele que “receberá”; isto é, mostre a ele ofícios de bondade e caridade. Uma dessas crianças; ou seja, tal na simplicidade, na inocência e na humildade, tal como esta criança tem em idade e estatura. Em meu nome, isto é, com atenção especial ao meu nome. Ele, portanto, parece ligar tudo o que é bom e belo com seu Nome; pois tudo o que é realmente bom e excelente no homem é um reflexo de sua bondade. São Lucas (9:48) diz:’Todo aquele que receber esta criança em meu nome, a mim me recebe. “Nosso Senhor, portanto, fala primeiro, literalmente, de uma criança, e em segundo lugar, em um sentido místico, daqueles que são como criancinhas; fazendo dessa criança em seus braços a figura e o tipo de todos aqueles que são como crianças pequenas. O sentido, portanto, de suas palavras é este:”A humildade, que é o fundamento e a medida da perfeição espiritual, me agrada tanto que me deleito com as crianças. E todos os que desejam ser meus discípulos devem se tornar como criancinhas e, assim, eles merecem ser recebidos por todos; pois os homens pensarão que me recebem neles, porque os recebem por minha causa ”. [Pulpit, aguardando revisão]

38 E respondeu-lhe João, dizendo:Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e ele não nos segue. Então o proibimos, porque não nos segue.

Comentário de David Brown

O elo de conexão aqui com o contexto precedente reside, nós apreendemos, nas palavras enfáticas que nosso Senhor havia acabado de proferir, “em meu nome”. “Oh”, interpõe João – jovem, caloroso, mas não suficientemente apreendendo o ensinamento de Cristo nesses assuntos – “que me lembra algo que acabamos de feito, e gostaríamos de saber se fizemos certo. Vimos um expulsando demônios “em Teu nome” e o proibimos, porque ele não nos segue. Estávamos certos ou estávamos errados? ”Resposta -“ Estavas enganado ”.“ Mas nós o fizemos porque ele não nos segue ”.“ Não importa ”. [JFB, aguardando revisão]

39 Porém Jesus disse:Não o proibais; porque ninguém há que faça milagre em meu nome, e logo possa falar mal de mim.

Comentário do Púlpito

Porém Jesus disse:Não o proibais. É como se nosso Senhor dissesse:”Não o proibais; não o impeçais de uma boa obra – uma obra que honra a mim e à minha causa; porque, embora ele não me siga realmente como você, ele é no entanto, ele está empenhado na mesma causa; ele está celebrando meu nome expulsando os espíritos malignos. Portanto, ele não está se opondo ao meu nome; pelo contrário, ele o está publicando e recomendando. ” Aqui está uma advertência contra esse espírito exclusivo, que está ansioso por seus próprios fins em vez da glória de Cristo, e limitaria o exercício de seus dons e graças ao seu próprio sistema ou escola, em vez de perguntar se aqueles a quem condena não estão trabalhando em nome de Cristo e para a promoção de sua glória, embora possa ser permitido pensar que em alguns casos eles possam encontrar um caminho mais excelente. [Pulpit, aguardando revisão]

40 Pois quem não é contra nós, é por nós.

Comentário de David Brown

Dois princípios de imensa importância são aqui estabelecidos:“Em primeiro lugar, ninguém falará prontamente o mal de mim que tem fé para fazer um milagre em meu nome; e segundo, se tal pessoa não pode ser contra nós, deveis considerá-lo para nós ”. Observe cuidadosamente que nosso Senhor não diz que esse homem não deveria tê-lo“ seguido ”, nem que indiferente se ele fez ou não; mas simplesmente ensina como tal pessoa deve ser considerada, embora ele não tenha sido – ou seja, como um reverente de Seu nome e um promotor de Sua causa. [JFB, aguardando revisão]

41 Porque qualquer que vos der um copo d'água para beber em meu nome, porque sois de Cristo, em verdade vos digo, que não perderá sua recompensa.

Comentário de David Brown

Veja a nota em Mateus 10:42. O que se segue parece não ter nenhuma conexão com a reprovação incidental de João, imediatamente anterior. Como isso havia interrompido algum ensinamento importante, nosso Senhor se apressou em voltar dele, como se tal interrupção não tivesse ocorrido. [JFU, aguardando revisão]

42 E qualquer que conduzir ao pecado um destes pequenos que creem em mim, melhor lhe fora que lhe pusesse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e que fosse lançado no mar.

Comentário de David Brown

E qualquer que conduzir ao pecado um destes pequenos que creem em mim; referindo-se, provavelmente, ao efeito que tais disputas desagradáveis, como tinham sustentado, teriam sobre os inquiridores e esperançosos que entraram em contato com eles, levando à crença de que afinal de contas não eram melhores do que outros.

melhor lhe fora que lhe pusesse ao pescoço uma grande pedra de moinho – a palavra aqui é simplesmente “pedra de moinho”, sem expressar de qual tipo. Mas em Mt 18:6 é o tipo “burro-torneado”, muito mais pesado do que o pequeno moinho de mão feito por escravas, como em Lc 17:35. É claro que é o mesmo que se entende aqui.

e que fosse lançado no mar – significando que, se por essa morte esses obstáculos fossem evitados, e assim suas consequências eternas fossem evitadas, seria uma coisa feliz para eles. Aqui segue um verso impressionante em Mt 18:7, “Ai do mundo por causa de ofensas!” (Haverá tropeções e quedas e perda de almas o suficiente do tratamento do mundo dos discípulos, sem qualquer adição de você:vontade terrível seja a sua desgraça em consequência, veja que não participais nele. “É necessário que as ofensas venham; mas ai daquele homem por quem a ofensa vem! ”(A luta entre a luz e as trevas inevitavelmente causará tropeções, mas não menos culpada é aquela que voluntariamente faz qualquer tropeçar). [JFB, aguardando revisão]

43 E se a tua mão te faz pecar, corta-a; melhor te é entrar na vida mutilado, do que, tendo duas mãos, ir ao inferno, ao fogo que nunca se apaga.

Comentário de David Brown

E se a tua mão te faz pecar, corta-a; melhor te é entrar na vida mutilado, do que, tendo duas mãos, ir ao inferno – Veja Mt 5:29-30. A única diferença entre as palavras ali e aqui é que elas se referem a inclinações impuras; aqui, para uma disposição ambiciosa, um temperamento irascível ou briguento, e coisas semelhantes:e a injunção é atacar a raiz de tais disposições e cortar as ocasiões delas. [JFB, aguardando revisão]

44 Onde seu verme não morre, e o fogo nunca se apaga.

Comentário do Púlpito

Essas palavras são uma citação de Is 66:24 e são repetidas três vezes na Versão Autorizada. Mas as melhores autoridades antigas os omitiram nos dois primeiros lugares, mantendo-os no versículo 48. A metáfora é tão impressionante quanto terrível. Normalmente, o verme se alimenta do corpo em decomposição e depois morre. O fogo consome o combustível e depois se extingue. Mas aqui o verme nunca morre; o fogo nunca se apaga. Vale a pena registrar aqui as palavras de Cornelius a Lapide sobre a passagem original de Isaías:”Rogo-te, ó leitor, pela misericórdia de nosso Deus, pela tua própria salvação, por aquela vidinha que te foi confiada e comprometida com a tua. cuidado, para que tenhas sempre diante dos teus olhos a memória viva, como da eternidade e dos tormentos eternos, assim também das alegrias eternas do outro lado oferecidas a você por Deus, e sobre as quais você aqui lança o dado, e aquele irrevogável (…) Que essas duas coisas nunca se afastem de sua mente. Neste mundo, ‘Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade.’ Oh, que vazio há nas coisas terrenas! Oh, quão vã é toda a nossa vida sem Cristo! No mundo vindouro, verdade das verdades, e tudo é verdade; estabilidade das estabilidades, e tudo é estabilidade; eternidade das eternidades, e tudo é a eternidade. Uma eternidade no céu mais feliz, no inferno mais miserável, ‘Onde seu verme não morre, e o fogo não se apaga.’ “São Bernardo diz” o verme que nunca morre é a memória do passado , que nunca cessa de roer a consciência dos impenitentes. ” [Pulpit, aguardando revisão]

45 E se teu pé te faz pecar, corta-o; melhor te é entrar na vida manco, do que, tendo dois pés, ser lançado no inferno.

Comentário de James Morison

E se teu pé te faz peca. Sentindo-se, por assim dizer, inquieto e ansioso, até ser levado para algum lugar impróprio. Nosso Salvador, é claro, especifica mãos e pés apenas para fins retóricos. É uma forma visual, ousada, de trazer para a imaginação e o interior a ideia do que é próximo e caro aos nossos sentimentos naturais. […] “Devemos compreender”, diz Petter, “não as assim chamadas partes do corpo, mas qualquer coisa que nos seja tão próxima e querida neste mundo”.

melhor te é entrar na vida manco, do que, tendo dois pés, ser lançado no inferno. Os manuscritos א B C L Δ, 1, e as versões siríaca peshita e copta, param aqui. O mesmo acontece com a versão armênia de Zohrab; o mesmo acontece com Tischendorf e Tregelles. O Texto Recebido adiciona as palavras fogo nunca apaga. [Morison, aguardando revisão]

46 Onde seu verme não morre, e o fogo nunca se apaga.

Comentário Barnes

seu verme – Esta figura foi tirada de Is 66:24. Veja as notas dessa passagem. Ao descrever a grande prosperidade do reino do Messias, Isaías diz que o povo de Deus “sairá e verá os cadáveres dos homens que transgrediram contra Deus”. Seus inimigos seriam vencidos. Eles seriam mortos. O povo de Deus triunfaria. A figura é tirada de montes de mortos mortos em batalha; e o profeta diz que o número seria tão grande que seu verme – o verme que se alimenta dos mortos – não morreria, viveria muito – enquanto houvesse carcaças para serem devoradas; e que o fogo que foi usado para queimar os corpos dos mortos continuaria a arder por muito tempo e não se extinguiria até que fossem consumidos. A figura, portanto, denota grande miséria e destruição certa e terrível. Nesses versículos, é aplicado ao estado além da sepultura e tem a intenção de denotar que a destruição dos iníquos será terrível, generalizada e eterna.

Não se deve supor que haverá qualquer verme “real” no inferno – talvez nenhum fogo material; nem pode ser dito o que foi particularmente pretendido pelo verme imortal. Não há autoridade para aplicá-lo, como muitas vezes é feito, ao remorso de consciência, mais do que a qualquer outra das dores e reflexos do inferno. É uma mera imagem de sofrimento repulsivo, terrível e “eterno”. Em que consistirá esse sofrimento, provavelmente está além do poder de qualquer mortal vivo imaginar. A palavra deles, na frase “seu verme”, é usada apenas para manter a “imagem” ou “figura”. Cadáveres em putrefação naquele vale seriam invadidos por vermes, enquanto o “fogo” não se limitaria a eles, mas se espalharia para outros objetos acesos por combustíveis por todo o vale. “Não” significa, portanto, que todo sofredor em particular tem um verme especial ou tem pecados particulares que causam remorso de consciência. Isso é verdade, mas não parece que se pretenda ensiná-lo aqui. [Barnes, aguardando revisão]

47 E se teu olho te faz pecar, lança-o fora; melhor te é entrar no Reino de Deus com um olho, do que, tendo dois olhos, ser lançado no fogo do inferno,

Comentário de James Morison

se teu olho te faz pecar – “desejando”, por assim dizer, ter o que, por direito, pertence aos outros; ou se de outra forma te atrair para o que é proibido, como quando Eva sentiu que o fruto da árvore proibida era “desejável para os olhos” (Gênesis 3:6).

melhor te é entrar no Reino de Deus. Ou seja, na glória, para saber.

com um olho. Literalmente, caolho. Os puristas áticos teriam usado uma palavra diferente daquela empregada pelo evangelista. [Morison, aguardando revisão]

48 onde seu verme não morre, e o fogo nunca se apaga.

Comentário de David Brown

Veja em Mt 5:30; A “inextinguibilidade” deste fogo já foi trazida diante de nós (ver em Mt 3:12); e a ideia terrivelmente vívida de um verme imortal, consumindo eternamente um corpo inconsciente, é tirada das palavras finais do profeta evangélico (Is 66:24), que parecem ter fornecido à igreja judaica posterior a sua atual fraseologia sobre o assunto de punição futura (veja Lightfoot). [JFB, aguardando revisão]

49 Porque cada um será salgado com fogo.

Comentário de David Brown

Um verso difícil, sobre o qual muito foi escrito – alguns com pouco propósito. “Cada um” provavelmente significa “Todo seguidor meu”; e o “fogo” com o qual ele “deve ser salgado” provavelmente significa “um julgamento de fogo” para temperá-lo. (Compare Ml 3:2, etc.) A referência à salga do sacrifício é, naturalmente, àquela máxima da lei levítica, que todo sacrifício aceitável deve ser aspergido com sal, para expressar simbolicamente sua solidez, doçura, salubridade, aceitabilidade. Mas como tinha que ser torrado primeiro, temos aqui a ideia de salgar com fogo. Neste caso, “todo sacrifício”, na próxima cláusula, significará:“Todo aquele que fosse achado uma oferta aceitável a Deus”; e assim todo o versículo talvez possa ser parafraseado da seguinte maneira:“Todo meu discípulo terá uma dura prova para se submeter, e todo aquele que se achar um odor de cheiro doce, um sacrifício aceitável e agradável a Deus, deve ter tal salga, como os sacrifícios levíticos. ”Outra, mas, como nos parece, interpretação forçada e dura – sugerida primeiro, acreditamos, por Michaelis, e adotada por Alexander – leva o“ todo sacrifício que deve ser salgados com fogo ”para significar aqueles que são“ lançados no inferno ”, e o efeito preservativo desta salga para se referir à preservação dos perdidos não somente em mas através do fogo do inferno. Sua razão para isso é que a outra interpretação muda o significado do “fogo” e os caracteres também, dos perdidos para os salvos, nesses versos. Mas quando nosso Senhor confessadamente termina Seu discurso com o caso de Seus próprios discípulos verdadeiros, a transição para eles em Mc 9:48 é perfeitamente natural; enquanto aplicar o sal preservativo do sacrifício à qualidade preservadora do fogo do inferno, é igualmente contrário ao sentido simbólico do sal e às representações bíblicas do futuro tormento. Nosso Senhor ainda tem em Seus olhos os inconvenientes abalos que surgiram entre os Doze, o perigo para eles mesmos de permitir qualquer indulgência a tais paixões, e o severo sacrifício que a salvação lhes custaria. [JFB, aguardando revisão]

50 O sal é bom; mas se o sal se tornar insípido, com que o temperareis? Tende sal em vós mesmos, e paz uns com os outros.

Comentário de David Brown

O sal é bom; mas se o sal se tornar insípido – seu poder de temperar com o que é posto em contato.

com que o temperareis? Como esta propriedade será restaurada? Veja em Mt 5:13.

Tende sal em vós mesmos – Cuidem para que retenham em si mesmos aquelas qualidades preciosas que farão de você uma bênção para o outro e para todos ao seu redor.

e – com respeito à luta miserável pela qual todo esse discurso surgiu, em uma palavra conclusiva.

paz uns com os outros – Isto é repetido em 1Ts 5:13. [JFB, aguardando revisão]

<Marcos 8 Marcos 10>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.