Levítico 23

As festas solene do SENHOR

1 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Comentário Ellicott

Os regulamentos sobre a santidade do santuário e os sacrifícios, a santidade dos sacerdotes e do povo, são agora seguidos por estatutos sobre as estações sagradas. [Ellicott, aguardando revisão]

2 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes:As solenidades do SENHOR, as quais proclamareis santas convocações, aquelas serão minhas solenidades.

Comentário de Robert Jamieson

As solenidades do SENHOR – literalmente, “os tempos de assembléia, ou solenidades” (Isaías 33:20); e esta é uma prestação preferível, aplicável a todas as estações sagradas mencionadas neste capítulo, mesmo no dia da expiação, que foi observado como um jejum. Eles foram nomeados pela autoridade direta de Deus e anunciados por uma proclamação pública, que é chamada “o som alegre” (Salmo 89:15). Essas “santas convocações” eram evidências da sabedoria divina e eminentemente subservientes à manutenção e difusão do conhecimento religioso e da piedade. [JFB, aguardando revisão]

O Sábado

3 Seis dias se trabalhará, e no sétimo dia sábado de repouso será, convocação santa:nenhuma obra fareis; sábado é do SENHOR em todas as vossas habitações.

Comentário de Robert Jamieson

Seis dias se trabalhará, e no sétimo dia sábado de repouso será – (Veja em Êxodo 20:8). O sábado tem a precedência dada a ele, e deveria ser “uma santa convocação”, observada pelas famílias “em suas moradas”; onde praticável, pelo povo que se dirige para a porta do tabernáculo; em períodos posteriores, reunindo-se nas escolas dos profetas e nas sinagogas. [JFB, aguardando revisão]

4 Estas são as solenidades do SENHOR, as convocações santas, às quais convocareis em seus tempos.

Comentário de Robert Jamieson

Estas são as solenidades do SENHOR, as convocações santas – Sua observância ocorreu nas partes do ano correspondentes a nosso março, maio e setembro. A sabedoria divina manifestou-se em consertá-los nesses períodos; no inverno, quando os dias eram curtos e as estradas desmanteladas, uma longa jornada era impraticável; enquanto no verão, a colheita e a safra davam empregos ocupados nos campos. Além disso, outro motivo para a escolha dessas temporadas provavelmente foi neutralizar a influência das associações e hábitos egípcios. E Deus designou mais festivais sagrados para os israelitas no mês de setembro do que o povo do Egito tinha em honra de seus ídolos. Essas instituições, no entanto, eram na maior parte prospectivas, a observância não sendo obrigatória para os israelitas durante suas peregrinações no deserto, enquanto a celebração regular não deveria começar até o seu estabelecimento em Canaã. [JFB, aguardando revisão]

A Páscoa e os pães sem fermento

5 No mês primeiro, aos catorze do mês, entre as duas tardes, páscoa é do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

páscoa é do SENHOR – (Êxodo 12:2,14,18). A instituição da páscoa era para ser um memorial perpétuo das circunstâncias que assistiam à redenção dos israelitas, embora tivesse uma referência típica a uma redenção maior a ser efetuada para o povo espiritual de Deus. No primeiro e último dia desta festa, o povo foi proibido de trabalhar [Levítico 23:7-8]; mas enquanto no sábado eles não deviam fazer nenhum trabalho, em dias de festa lhes era permitido vestir carne – e por isso a proibição é restrita a “nenhum trabalho servil”. Ao mesmo tempo, esses dois dias foram dedicados a “santa convocação”. ”- temporadas especiais de devoção social. Além dos sacrifícios ordinários de todos os dias, havia “oferendas pelo fogo” no altar (veja Números 28:19), enquanto que os pães ázimos deviam ser comidos nas famílias durante todos os sete dias (ver 1Coríntios 5:8). [JFB, aguardando revisão]

6 E aos quinze dias deste mês é a solenidade dos pães ázimos ao SENHOR:sete dias comereis pães ázimos.

Comentário do Púlpito

A Festa dos Pães Ázimos foi instituída ao mesmo tempo com a Festa da Páscoa (Êxodo 12:15-17), e desde o início as duas festas eram praticamente uma única festa, nunca separadas, embora separáveis ​​em idéia. A Páscoa, estritamente assim chamada, durou apenas um dia, 14 de nisã; a Festa dos Pães Ázimos durou sete dias, 15-21 de nisã. O conjunto formava uma festa de oito dias, chamada indiferentemente de Festa da Páscoa, ou Festa dos Pães Ázimos. O pão a ser comido durante a festa era sem fermento, a fim de lembrar aos israelitas o fato histórico de que, por conta da urgência dos egípcios, “o povo pegava a massa antes que fosse levedada, as amassadeiras sendo atadas em seus roupas sobre os ombros “(Êxodo 12:34), e deixaram a terra de sua aflição às pressas. Conseqüentemente, no Livro de De está designado:”Sete dias comerás pães ázimos, sim, os pães da aflição; pois saíste da terra do Egito com pressa:para que te lembres do dia em que prometeste do louvor do Egito todos os dias da tua vida ”(Deuteronômio 16:3). [Pulpit, aguardando revisão]

7 O primeiro dia tereis santa convocação:nenhuma obra servil fareis.

Comentário Ellicott

O primeiro dia. Ou seja, o primeiro dos sete dias ou o décimo quinto dia do mês de nisã. (Veja Êxodo 12:16.)

nenhuma obra servil fareis. O trabalho servil foi definido durante o segundo Templo para consistir em construir, derrubar edifícios, tecer, colher, debulhar, joeirar, moer etc., enquanto o trabalho necessário permitido era matar feras, amassar massa, assar pão, ferver, assar etc. . Por violar esta lei, o ofensor não devia ser apedrejado até a morte, como no caso de violar o sábado, mas receber quarenta açoites menos um. [Ellicott, aguardando revisão]

8 E oferecereis ao SENHOR sete dias oferta acesa:no sétimo dia será santa convocação; nenhuma obra servil fareis.

Comentário Ellicott

oferecereis. Além dos sacrifícios diários ordinários, eram oferecidos neste dia, e nos seis dias seguintes, dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros do primeiro ano, com ofertas de alimentos para holocausto e um bode para um oferta pelo pecado (Números 28:19-23). Além desses sacrifícios públicos, havia as ofertas voluntárias que eram feitas por cada indivíduo particular que comparecia perante o Senhor em Jerusalém (Êxodo 23:15; Deuteronômio 16:16), e que, de acordo com a prática durante o segundo Templo, consistia de (1) uma oferta queimada de valor não inferior a dezesseis grãos de milho; (2) uma oferta festiva chamada chagigah, cujo valor mínimo era trinta e dois grãos de milho; e (3) uma oferta de paz ou alegria (Deuteronômio 27:7), cujo valor foi deixado a ser determinado pela boa vontade do ofertante de acordo com Deuteronômio 27:7. Essas vítimas eram oferecidas com o ritual prescrito em Levítico 3:1-5; Levítico 7:16-18; Levítico 7:29-34.

no sétimo dia …nenhuma obra servil fareis. Este foi, em todos os aspectos, celebrado como o primeiro, com a exceção de que não começou com a refeição pascal. Durante os dias intermediários, o povo se entregou a diversões públicas, como danças, canções, jogos, etc., para preencher o tempo em harmonia com o caráter alegre e solene do festival. Eles também tiveram permissão para irrigar terra seca, cavar cursos de água, consertar conduítes, reservatórios, estradas, etc. [Ellicott, aguardando revisão]

Os primeiros frutos

9 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Comentário Ellicott

Como a celebração do molho das primícias não fazia parte da instituição original da Páscoa (Êxodo 12:1-20), e como o ritual do omer não podia ser observado no deserto, onde não havia semeadura de milho , é aqui promulgado como uma parte potencial da festa dos pães ázimos e, portanto, é introduzido por uma fórmula separada. [Ellicott, aguardando revisão]

10 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes:Quando houverdes entrado na terra que eu vos dou, e ceifardes sua colheita, trareis ao sacerdote um ômer por primícia dos primeiros frutos de vossa colheita;

Comentário de Robert Jamieson

um ômer por primícia dos primeiros frutos de vossa colheita. Estando a cevada madura mais cedo do que os outros grãos, sua colheita deu início à estação geral de colheita; porque antes disso, nenhum israelita poderia começar sua colheita nem comer do novo grão. A oferta descrita nesta passagem foi feita no dia dezesseis do primeiro mês (Abib ou Nisan), no dia seguinte ao primeiro sábado da Páscoa, que era no dia quinze (correspondendo ao início de nosso abril), e no segundo dia do festa, dia dezesseis do mês (Josefo); mas foi colhida após o pôr do sol da noite anterior, por pessoas encarregadas de ir com as foices e obter amostras de diferentes campos. Estes, sendo colocados juntos em um feixe ou feixe solto, eram levados ao pátio do templo, onde os grãos eram peneirados, tostados e esmagados em um pilão. Josefo menciona que foi (Levítico 23:14) ressecado ou seco antes do fogo, porque o grão pode não estar geralmente maduro.[JFB, aguardando revisão]

11 O qual moverá o ômer diante do SENHOR, para que sejais aceitos:o dia seguinte do sábado o moverá o sacerdote.

Comentário de Robert Jamieson

o dia seguinte do sábado – isto é, o dia após o sábado, não o sábado semanal, mas o primeiro dia de pão sem fermento, que era para ser guardado como um sábado; porque nela haveria uma santa convocação, e nenhum trabalho servil deveria ser feito. Depois que um pouco de incenso foi aspergido sobre ele, o sacerdote acenou para o alto diante do Senhor em direção aos quatro pontos diferentes do horizonte, pegou uma parte dele e jogou no fogo do altar, todo o resto sendo reservado para ele. Foi um ato adequado e belo, expressivo da dependência do Deus da natureza e da providência comum a todas as pessoas, mas mais especialmente se tornando os israelitas, que deviam sua própria terra, bem como tudo o que ela produzia, à generosidade divina. A oferta do molho movido santificou toda a colheita (Romanos 11:16:veja as notas em Deuteronômio 26:5-10). Ao mesmo tempo, esta festa tinha um caráter típico e pré-intimava a ressurreição de Cristo (1Coríntios 15:20), que ressuscitou dos mortos no mesmo dia em que foram oferecidas as primícias. [JFU, aguardando revisão]

12 E no dia que oferecerdes o ômer, oferecereis um cordeiro de ano, sem defeito, em holocausto ao SENHOR.

Comentário Whedon

em holocausto. Visto que a ondulação do molho tem todos os elementos de uma oferta de pão, ela deve ser concomitante com a oferta queimada inteira mais importante. A purificação típica do pecado pelo sangue do cordeiro deve preceder a apresentação daquela oferta que simboliza os frutos da santidade, os acompanhamentos da regeneração. [Whedon, aguardando revisão]

13 E sua oferta de cereais será dois décimos de efa de boa farinha amassada com azeite, oferta acesa ao SENHOR em aroma suavíssimo; e sua libação de vinho, a quarta parte de um him.

Comentário Whedon

dois décimos de efa. A unidade de medida é entendida como um efa, dois décimos dos quais, dois omers, eram cerca de seis quartos. O pão ou oferta de carne comum consistia em apenas metade dessa quantidade. Êxodo 29:40; Números 28:9; Números 28:13. Nesta ocasião foi duplicado para sinalizar esta oblação.

libação de vinho. Este consistia em vinho, que não era derramado sobre a vítima em chamas, como entre os gregos e romanos, mas era uma libação derramada sobre o altar. O vinho é emblemático de alegria. Quando derramado depois que toda a oferta queimada é colocada no altar, tipifica belamente a alegria abundante da alma totalmente consagrada a Cristo na posse daquela graça consoladora e plena certeza inspirada pelo Espírito Santo, o Consolador prometido. Paulo, na véspera do martírio, expressa sua alegria com as palavras ηδη σπενδομαι, “Já estou sendo derramado em libação”.

a quarta parte de um him. O him continha cinco litros. [Whedon, aguardando revisão]

14 E não comereis pão, nem grão tostado, nem espiga fresca, até este mesmo dia, até que tenhais oferecido a oferta de vosso Deus; estatuto perpétuo é por vossas gerações em todas as vossas habitações.

Comentário Ellicott

E não comereis pão. Em reconhecimento ao generoso Doador da nova colheita, foi ordenado que os israelitas não provassem nada dela até que tivessem dedicado as primícias ao Senhor. Por pão entende-se o pão sem fermento que eles agora deveriam comer. O pão ázimo para o primeiro e o segundo dias da Páscoa foi preparado com a colheita do ano passado, mas o pão para os dias seguintes só poderia ser feito da nova colheita após a dedicação normal ao Senhor.

nem grão tostado. A expressão carmelo, que a versão autorizada processa “orelhas inteiras” em Lev. 214, as autoridades durante o segundo Templo tomaram para denotar os cinco tipos do novo grão, a saber, trigo, centeio, aveia e dois tipos de cevada, que foram proibidos de serem usados ​​em qualquer forma antes desta dedicação pública de a colheita para o Senhor. O mesmo costume de dedicar aos seres divinos as primícias da colheita também foi obtido entre os egípcios, gregos, romanos e outras nações da antiguidade. [Ellicott, aguardando revisão]

O Pentecostes

15 E vos haveis de contar desde o dia seguinte do sábado, desde o dia em que oferecestes o ômer da oferta movida; sete semanas completas serão:

Comentário de Robert Jamieson

E vos haveis de contar desde o dia seguinte do sábado – isto é, depois do primeiro dia da semana da Páscoa, que foi observado como um sábado. [JFB, aguardando revisão]

16 Até o dia seguinte do sábado sétimo contareis cinquenta dias; então oferecereis nova oferta de cereais ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

contareis cinquenta dias – O quadragésimo nono dia após a apresentação dos primeiros frutos, ou o quinquagésimo, inclusive, foi a festa de Pentecostes. (Veja também Êxodo 23:16; Deuteronômio 16:9). [JFB, aguardando revisão]

17 De vossas habitações trareis dois pães para oferta movida, que serão de dois décimos de efa de boa farinha, cozidos com levedura, por primícias ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

De vossas habitações trareis dois pães para oferta movida – Esses pães eram feitos de farinha de trigo ou de farinha de trigo, sendo a quantidade deles contida de pouco mais de dez libras de peso. Quando o feixe de ondas deu o sinal para o começo, os dois pães solenizaram o término da colheita. Eles foram os primeiros frutos daquela época, sendo oferecidos ao Senhor pelo sacerdote em nome de toda a nação. (Veja Êxodo 34:22). Os pães usados ​​na Páscoa eram sem fermento; os apresentados no Pentecostes foram levedados – uma diferença que é assim levada em conta, que aquele era um memorial do pão preparado às pressas em sua partida, enquanto o outro era um tributo de gratidão a Deus por sua comida diária, que era levedada. [JFB, aguardando revisão]

18 E oferecereis com o pão sete cordeiros de ano sem defeito, e um bezerro das vacas e dois carneiros:serão holocausto ao SENHOR, com sua oferta de cereais e suas libações; oferta acesa de suave cheiro ao SENHOR.

Comentário Ellicott

E oferecereis com o pão sete cordeiros. Os sacrifícios adicionais para o dia da festa consistiam em dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros, que eram uma oferta queimada, e um bode como oferta pelo pecado (Números 28:26-27; Números 28:30). Além desses, porém, a nova oferta de cereais dos dois pães mencionados no texto diante de nós deve ser trazida e com ela devem ser oferecidos um novilho, dois carneiros e sete cordeiros, todos para holocaustos. [Ellicott, aguardando revisão]

19 Oferecereis também um macho de bode por expiação; e dois cordeiros de ano em sacrifício pacífico.

Comentário Ellicott

Além disso, deviam oferecer um bode como oferta pelo pecado e dois cordeiros como oferta pacífica. Daí Josefo, que foi uma testemunha ocular do serviço do Templo, ao somar o número de sacrifícios de animais neste festival, diz que havia quatorze cordeiros, três novilhos e três cabras, o número dois em vez de três cabras sendo manifestamente erro do transcritor. As duas declarações, portanto, a saber, uma na passagem antes de nós, e a outra em Números 28:27, de acordo com as autoridades durante o segundo Templo, referem-se a dois sacrifícios distintos. Aquele que está diante de nós fala dos sacrifícios que devem acompanhar os pães ondulados, enquanto a ordem em Números se refere aos sacrifícios propriamente designados para a festa. Os prescritos em Números foram oferecidos no deserto, ao passo que os prescritos aqui só deveriam ser oferecidos quando os israelitas entrassem na Terra Prometida. [Ellicott, aguardando revisão]

20 E o sacerdote os moverá em oferta movida diante do SENHOR, com o pão das primícias, e os dois cordeiros:serão coisa sagrada do SENHOR para o sacerdote.

Comentário de Keil e v

No caso das ofertas pacíficas de indivíduos privados, a carne pertencia em sua maior parte ao ofertante; mas aqui, no caso de uma oferta de agradecimento apresentada pela congregação, era separada para o sacerdote. A circunstância de que não apenas era prescrita uma oferta queimada muito mais abundante do que nas ofertas do feixe dedicatório no início da colheita (Levítico 23:12), mas também uma oferta pelo pecado e uma oferta pacífica, deve ser atribuída ao significado do próprio festival, como uma festa de ação de graças pela rica bênção de Deus que tinha acabado de ser recolhida. A oferta pelo pecado era para despertar o sentimento e a consciência do pecado por parte da congregação de Israel, que enquanto comendo seu pão diário fermentado eles podem não servir o fermento de sua velha natureza, mas buscam e imploram do Senhor seu Deus o perdão e purificação de seus pecados. Por meio do aumento do holocausto, deviam dar expressão prática à sua gratidão pela bênção da colheita, por meio de uma consagração e santificação fortalecida de todos os membros do homem inteiro ao serviço do Senhor; enquanto, por meio da oferta pacífica, eles entraram naquela comunhão de paz com o Senhor para a qual foram chamados e que, por fim, iriam desfrutar por meio de Sua bênção em sua herança prometida. Desta forma, toda a colheita do ano foi colocada sob a benção graciosa do Senhor pela santificação de seu início e seu encerramento; e o desfrute de sua comida diária também era santificado por isso. Por causa dessa conexão interna, as leis relativas aos molhos e aos pães das ondas são unidas em um todo; e por esta conexão, que foi estabelecida contando o tempo para a festa das Semanas a partir do dia da dedicação do molho, as duas festas eram ligadas em uma unidade interna. Os judeus reconheceram esta unidade desde os primeiros tempos, e chamaram a festa de Pentecostes de Azqereth (grego, Ἀσαρθά), porque era o fim das sete semanas (ver Levítico 23:36; Josefo, Ant. Iii. 10).

(Nota:A conexão entre a festa de Pentecostes e a promulgação da lei, que Maimônides (ad † 1205) foi o primeiro a descobrir, não é apenas estranha à lei mosaica, mas a toda a antiguidade judaica; Abarbanel nega expressamente.) [Keil e v, aguardando revisão]

21 E convocareis neste mesmo dia; vos será santa convocação:nenhuma obra servil fareis:estatuto perpétuo em todas as vossas habitações por vossas gerações.

Comentário de Robert Jamieson

Embora tenha se prolongado por uma semana, o primeiro dia só foi realizado como um sábado, tanto para a oferta nacional da primeira -frutas e um memorial da doação da lei. [JFB, aguardando revisão]

22 E quando ceifardes a colheita de vossa terra, não acabarás de ceifar o canto de tua plantação, nem espigarás tua colheita; para o pobre, e para o estrangeiro a deixarás:Eu sou o SENHOR vosso Deus.

Comentário de Robert Jamieson

A repetição desta lei aqui provavelmente surgiu dos sacerdotes lembrando o povo, na apresentação das primícias, para unir a piedade a Deus com a caridade para os pobres. [JFU, aguardando revisão]

A festa das Trombetas

23 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Comentário Ellicott

O novo festival sobre o qual os regulamentos são dados em Levitico 23:24-32, é introduzido por uma fórmula separada, que descreve o assunto como uma comunicação Divina separada e distinta. [Ellicott, aguardando revisão]

24 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes:No mês sétimo, ao primeiro do mês tereis sábado, uma comemoração ao som de trombetas, e uma santa convocação.

Comentário de Robert Jamieson

No mês sétimo, ao primeiro do mês. Esse foi o primeiro dia do antigo ano civil. Tisri, o primeiro mês civil, coincide com o final de setembro e o início de outubro.

tereis sábado. A mudança de terminação na palavra para “sábado” parece indicar uma sombra de diferença no significado (Hengstenberg).

uma comemoração ao som de trombetas. Os escritores judeus dizem que as trombetas soaram trinta vezes sucessivas; e a razão para a instituição era com o duplo propósito de anunciar o início do novo ano, que era (Levítico 23:25) para ser religiosamente observado (ver Números 29:3), e de preparar o povo para o jejum solene que se aproximava . [JFU, aguardando revisão]

25 Nenhuma obra servil fareis; e oferecereis oferta acesa ao SENHOR.

Comentário Ellicott

Nenhuma obra servil fareis. Com exceção do que era absolutamente necessário, todo artesanato e comércio foram interrompidos. (Ver Levítico 23:7.)

e oferecereis oferta acesa ao SENHOR. Como o festival também é a lua nova, um sacrifício triplo foi oferecido nele, (1) viz. o sacrifício diário ordinário que foi oferecido primeiro; (2) o sacrifício da lua nova designado (Números 28:11-15); e (3) o sacrifício para esta festa, que consistia em um novilho, um carneiro e sete cordeiros do primeiro ano, com as ofertas habituais de carne, e um cabrito como oferta pelo pecado (Números 29:1-6). Com a exceção, portanto, de haver um novilho em vez de dois, este sacrifício era simplesmente uma repetição da oferta mensal pela qual era precedido no serviço. Durante a oferta da libação e o holocausto, os levitas se empenhavam em música vocal e instrumental, cantando o octogésimo primeiro e outros salmos, enquanto os sacerdotes em intervalos determinados irrompiam com terríveis toques de trombetas. Após a oferta dos sacrifícios, o serviço era concluído pelos sacerdotes, que pronunciavam a bênção (Números 6:23-27), que o povo recebia prostrado diante do Senhor. Tendo se prostrado uma segunda vez no tribunal, a congregação recorreu à sinagoga adjacente, onde as lições designadas da Lei e dos Profetas foram lidas, consistindo em Gênesis 21:1-34; Números 29:1-6; 1Samuel 1:1 a 1Samuel 2:10; Gênesis 22:1-24; Jeremias 31:2-20. Salmos eram recitados e as orações festivas oferecidas, suplicando ao Senhor que perdoasse os pecados do ano anterior e concedesse ao povo um feliz ano novo. Isso concluiu o serviço matinal, após o qual as famílias voltaram para suas respectivas casas, participaram do banquete social e alegre e, à noite, voltaram ao templo para testemunhar a oferta dos sacrifícios noturnos e para ver o candelabro aceso com o qual o festival terminou, todos desejando uns aos outros, “Que você seja registrado para um feliz ano novo; que o Criador decrete para você um feliz ano novo. ” Ao que foi respondido:”E você da mesma forma.” Com exceção dos sacrifícios, os judeus mantêm esta festa até os dias atuais. A trombeta que eles usam nesta ocasião consiste no chifre curvo de um carneiro, em memória do carneiro que Abraão sacrificou em vez de Isaque. Esse acontecimento, como vimos, também é comemorado na instrução do dia. [Ellicott, aguardando revisão]

O dia da expiação

26 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Comentário Ellicott

A mesma fórmula que introduziu os regulamentos sobre a festa das trombetas (ver Lev. 23:23), agora apresenta as leis sobre o dia da Expiação. [Ellicott, aguardando revisão]

27 Porém aos dez deste mês sétimo será o dia das expiações:tereis santa convocação, e afligireis vossas almas, e oferecereis oferta acesa ao SENHOR.

Comentário Barnes

Nos ritos especiais do dia, décimo dia de Tisri, ou seja, da tarde do nono dia do mês até o décimo dia Levítico 23:32, ver Lv. 16 [Barnes, aguardando revisão]

28 Nenhuma obra fareis neste mesmo dia; porque é dia de expiações, para reconciliar-vos diante do SENHOR vosso Deus.

Comentário Ellicott

Nenhuma obra fareis neste mesmo dia. Este é o único dia que deveria ser guardado como o sábado, e no qual nenhuma forma de trabalho era permitida. (Ver Levítico 23:3.) [Ellicott, aguardando revisão]

29 Porque toda pessoa que não se afligir neste mesmo dia, será eliminada de seus povos.

Comentário Ellicott

Qualquer membro da comunidade que não jejuar neste dia, o próprio Deus punirá com excisão, exceto aqueles que por idade ou doença não podem suportar. [Ellicott, aguardando revisão]

30 E qualquer pessoa que fizer obra alguma neste mesmo dia, eu destruirei a tal pessoa dentre seu povo.

Comentário Ellicott

E qualquer pessoa que fizer obra alguma neste mesmo dia. Ou seja, se dedica a qualquer tipo de trabalho, visto que esta é a única festa que deve ser guardada como o sábado.

eu destruirei a tal pessoa dentre seu povo. Enquanto em todos os outros casos em que Deus ameaça o ofensor com a pena de excisão, a expressão “cortar” é usada, na passagem que temos diante de nós a palavra é “destruir”. Esse termo mais forte pode ser devido ao fato de que o dia da Expiação é o dia mais solene de todo o ano e que a violação de sua santidade será visitada com mais severidade. Daí a expressão mais severa usada nesta ocasião. Deve-se observar, entretanto, que enquanto trabalhava no sábado era punido com morte por apedrejamento, aquele que transgredisse a lei do trabalho no dia da Expiação foi punido com excisão. [Ellicott, aguardando revisão]

31 Nenhuma obra fareis:estatuto perpétuo é por vossas gerações em todas as vossas habitações.

Comentário Ellicott

Nenhuma obra fareis. Devido à grande santidade da época, a ordem de se abster de todo trabalho é repetida após a promulgação da penalidade, a fim de impressioná-la com mais eficácia sobre o povo. [Ellicott, aguardando revisão]

32 Sábado de repouso será a vós, e afligireis vossas almas, começando aos nove do mês na tarde:de tarde a tarde descansareis vosso sábado.

Comentário Cambridge

de tarde a tarde – ou seja, de pôr do sol a pôr do sol, de acordo com o modo judaico de contar o dia. [Cambridge]

A festa das cabanas

33 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Comentário Ellicott

Como as festas do ano novo e o dia da Expiação (ver Lev. 23:23; Lev. 23:26), a festa dos Tabernáculos, que é discutida em Lev. 23:34-43, é introduzido por esta fórmula especial, indicando assim que era uma comunicação separada. [Ellicott, aguardando revisão]

34 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes:Aos quinze dias deste mês sétimo será a solenidade das cabanas ao SENHOR por sete dias.

Comentário Ellicott

Aos quinze dias deste mês sétimo. Ou seja, o mês Tishri, correspondente ao final de setembro e início de outubro, e apenas quatro dias após o dia da Expiação.

será a solenidade das cabanas. Como e onde esses tabernáculos devem ser erguidos, a lei aqui não dá instruções. Os detalhes, como em muitos outros decretos, são deixados para os administradores da lei. A partir do relato da primeira celebração desta festa após o retorno da Babilônia, os judeus, de acordo com a ordem de Esdras, fizeram para si barracas nos telhados das casas, nos átrios das suas habitações, e do seu santuário, nas ruas da Porta das Águas e da porta de Efraim. Esses tabernáculos eram feitos de ramos de oliveira, ramos de pinheiro, ramos de murta, ramos de palmeira e ramos de árvores grossas (Neemias 8:15-18). A construção dessas moradas temporárias, no entanto, foi mais minuciosamente definida pelos sucessores de Ezra. Foi ordenado durante o segundo Templo que o interior de cada tabernáculo não deve ser superior a vinte côvados, e não inferior a dez palmas, deve ter pelo menos três paredes, com um telhado de palha parcialmente aberto para permitir uma visão do céu e as estrelas. Não deve estar debaixo de uma árvore, nem deve ser coberto com um pano, ou com qualquer material que contrai contaminação. Apenas ramos ou arbustos que crescem do solo devem ser usados ​​para a cobertura. Os israelitas começaram a construir essas barracas no dia seguinte ao Dia da Expiação. No dia 14, que era o dia da preparação, os peregrinos subiram a Jerusalém, e na véspera deste dia os sacerdotes proclamaram a chegada da santa convocação pelo toque de trombetas. Como nas festas da Páscoa e de Pentecostes, o altar de holocaustos foi limpo na primeira vigília noturna, e os portões do Templo, bem como os do pátio interno, foram abertos imediatamente após a meia-noite, para a conveniência do os sacerdotes que residiam na cidade, e para o povo que enchia o tribunal antes que o galo cantasse, tenham seus sacrifícios devidamente examinados pelos sacerdotes. [Ellicott, aguardando revisão]

35 O primeiro dia haverá santa convocação:nenhuma obra servil fareis.

Comentário Ellicott

O primeiro dia haverá santa convocação. Ao raiar do dia um dos sacerdotes, acompanhado por uma procissão jubilosa e uma banda de música, foi com um cântaro de ouro ao tanque de Siloé e, tendo-o enchido de água, voltou com ele ao Templo a tempo de se juntar ao seu irmãos sacerdotes nos sacrifícios da manhã. Ele entrou pelo sul pelo portão de água, quando foi recebido por três toques de trombetas. Ele então subiu os degraus do altar com outro sacerdote, que carregava um jarro de vinho para a oferta de bebida. Os dois sacerdotes viraram-se para a esquerda do altar, onde duas bacias de prata foram fixadas com furos no fundo, e simultaneamente despejaram em suas respectivas bacias a água e o vinho de forma que ambos fossem esvaziados ao mesmo tempo sobre a base do altar. Esta cerimônia de retirada da água foi repetida todas as manhãs durante os sete dias do festival. Outra multidão exultante, que saiu de Jerusalém ao mesmo tempo para colher salgueiros, agora voltou. Com grande alegria e em meio a toques de trombetas, eles carregaram os salgueiros para o Templo e os colocaram no altar de tal maneira que suas copas se projetaram e formaram uma espécie de dossel.

nenhuma obra servil fareis. Para a diferença entre trabalho servil e necessário, ver Levítico 23:7. [Ellicott, aguardando revisão]

36 Sete dias oferecereis oferta acesa ao SENHOR:o oitavo dia tereis santa convocação, e oferecereis oferta acesa ao SENHOR:é festa:nenhuma obra servil fareis.

Comentário Ellicott

Sete dias oferecereis. Os sacrifícios especiais para este dia consistiam em uma oferta queimada de treze novilhos, dois carneiros e quatorze cordeiros, com uma oferta apropriada de carne e bebida, e um bode como oferta pelo pecado (Números 29:12-38). Em seguida, foram oferecidas as ofertas pacíficas, os votos e as ofertas de livre arbítrio que constituíam as refeições do povo. Enquanto esses sacrifícios eram oferecidos, os levitas cantavam o Hallel festivo, como nas festas da Páscoa e do Pentecostes. Isso se repetia todos os dias durante os sete dias do festival, apenas que o número de animais oferecidos como sacrifícios diminuía diariamente durante os dias do meio do festival, de acordo com a prescrição em Num. 29:12-38. Na véspera do segundo dia, ou o que é chamado de festival menor, e em cada uma das cinco noites seguintes, era celebrada a “Alegria da retirada de água” no pátio do Templo. Quatro enormes candelabros de ouro foram acesos no centro do pátio, e a luz que deles emanava era visível para toda a cidade. Em torno dessas luzes, homens piedosos dançavam diante do povo com flambéus acesos em suas mãos, cantando hinos e canções de louvor, enquanto os levitas, que estavam estacionados nos quinze degraus que conduziam ao tribunal das mulheres, e que correspondiam aos quinze salmos de graus , isto é, passos (Salmos 120-134), acompanhados das canções com música instrumental. Supõe-se que na última noite do festival, quando a esplêndida luz desta grande iluminação deveria cessar, Cristo chamou a atenção para si mesmo:“Eu sou a luz do mundo” (Jo 8:12), que é para brilhe para sempre e ilumine não apenas o Templo e a cidade sagrada, mas todo o mundo.

o oitavo dia tereis santa convocação. Isto é, como no primeiro dia, já que nenhum trabalho servil deve ser feito nele. Como não é apenas o fim da festa dos Tabernáculos, mas a conclusão de todo o ciclo de festivais, a habitação nos tabernáculos deve cessar.

oferecereis. Por esta razão, os sacrifícios oferecidos neste dia devem ser distintos e diferentes dos sacrifícios dos dias anteriores. O holocausto consiste em um novilho, um carneiro e sete cordeiros, com as ofertas de carne e bebida apropriadas, e um bode como oferta pelo pecado. (Números 29:36-38.) Estando, porém, vinculados à festa dos Tabernáculos, os dois festivais costumam ser unidos e mencionados como um festival de oito dias. [Ellicott, aguardando revisão]

37 Estas são as solenidades do SENHOR, às que convocareis santas reuniões, para oferecer oferta acesa ao SENHOR, holocausto e oferta de cereais, sacrifício e libações, cada coisa em seu tempo:

Comentário Ellicott

Estas são as solenidades do SENHOR. Ou seja, os seis festivais mencionados acima, a saber:(1) a Páscoa (Levítico 23:4-14), (2) Pentecostes Levítico 23:15-22), (3) Ano Novo (Levítico 23:23- 25), (4) Dia da Expiação (Levítico 23:26-32), (5) Tabernáculos (Levítico 23:33-36 a) e (6) a festa de encerramento (Levítico 23:36 b). Assim, a lista dessas festas termina com a fórmula pela qual foram introduzidas em Levítico 23:4.

para oferecer oferta. Nesses festivais, os sacrifícios devem ser oferecidos conforme prescrito em Números 28, 29. [Ellicott, aguardando revisão]

38 Além disso dos sábados do SENHOR e além de vossos presentes, e a mais de todos vossos votos, e além de todas as vossas ofertas voluntárias, que dareis ao SENHOR.

Comentário Ellicott

Além disso dos sábados. Por uma figura de linguagem chamada metonímia, que é freqüentemente usada tanto no Antigo como no Novo Testamento, a expressão sabbaths significa aqui os sacrifícios dos sábados, assim como em Levítico 25:6 “sábado da terra” denota o produto da sábado da terra, ou do ano sabático, e como a frase “está escrito nos profetas” (Marcos 1:2) é usada para “está escrito nos escritos dos profetas”. (Comp. Também Mateus 5:17; Mateus 7:12; Mateus 22:40, etc.) O significado, portanto, da passagem diante de nós é que os sacrifícios ordenados para cada uma dessas festividades devem ser adicionais aos sacrifícios designado para cada sábado semanal no ano; de modo que quando um desses festivais cai em um sábado, os sacrifícios devidos a este último não são retirados pelo primeiro. Ambos devem ser oferecidos em sua ordem adequada.

e além de vossos presentes. Nem devem interferir com as ofertas voluntárias que cada indivíduo trazia em particular (Deuteronômio 16:10; Deuteronômio 16:17; 2Crônicas 25:7-8), ou com o cumprimento dos votos (Deuteronômio 12:6-12). [Ellicott, aguardando revisão]

39 Porém aos quinze do mês sétimo, quando houverdes recolhido o fruto da terra, fareis festa ao SENHOR por sete dias:o primeiro dia será sábado; sábado será também o oitavo dia.

Comentário Ellicott

Porém aos quinze. Depois que a lista de festivais discutidos neste capítulo foi resumida em Levitico 23:37-38, os próximos cinco versículos recorrem à festa dos Tabernáculos. Os regulamentos são complementares aos dados anteriormente e incorporam uma promulgação separada.

quando houverdes recolhido o fruto da terra. Ou seja, as produções que amadurecem na estação outonal, como trigo, cevada, azeite, vinho etc.

fareis festa ao SENHOR. Os israelitas devem então celebrar um festival no qual devem reconhecer as generosidades do Senhor e expressar sua gratidão ao Doador de todas as coisas boas. Por esta razão, esta festa também é chamada de “Festa da Colheita” (Êxodo 23:16; Êxodo 34:22).

o primeiro dia será sábado. Tanto no primeiro como no último dia desta festa deve haver abstenção de todo trabalho servil. (Ver Levítico 23:35-36.) [Ellicott, aguardando revisão]

40 E tomareis o primeiro dia galhos das mais belas árvores, ramos de palmeiras, e ramos de árvores frondosas, e salgueiros dos ribeiros; e vos regozijareis diante do SENHOR vosso Deus por sete dias.

Comentário Ellicott

E tomareis o primeiro dia. As quatro espécies de produção vegetal aqui encomendadas são uma característica distintiva deste festival. Eles foram definidos de forma mais minuciosa durante o segundo Templo.

galhos das mais belas árvores. Melhor, o fruto de belas árvores, como a margem corretamente o mostra. Como essa frase é muito indefinida e pode simplesmente denotar o fruto de qualquer árvore frutífera escolhida, dificilmente pode haver dúvida de que, neste caso, como em muitos outros casos, o legislador deixou aos administradores da Lei a definição de sua tipo preciso. Baseando-se, portanto, em um dos significados do termo aqui traduzido como “bem”, que é morar, descansar, as autoridades durante o segundo Templo decretaram que isso significa que o guincho de frutas repousa permanentemente sobre a árvore – ou seja, a cidra, a maçã do paraíso. Se viesse de uma árvore incircuncisa (veja Levítico 19:23), de uma oferta impura (comp. Números 18:11-12), ou exibisse o menor defeito, era ritualmente ilegal.

ramos de palmeiras. Durante o segundo templo, isso foi definido como o rebento da palmeira em flor, antes de as folhas se espalharem, e enquanto ainda é como uma vara. É tecnicamente chamado de lulab, que é a expressão pela qual é traduzido na antiga versão caldeu. O lulab deve ter pelo menos três palmos de altura e deve ser amarrado com outro tipo.

e ramos de árvores frondosas. Este, de acordo com as mesmas autoridades, denota o ramo de murta, cujas folhas cobrem densamente a madeira. Para torná-lo ritualmente legal, ele deve ter três ou mais brotos ao redor do caule e no mesmo nível dele. Se estiver de alguma forma danificado, é ilegal. Isso explica a versão antiga dos caldeus, traduzida como “ramo de murta”.

salgueiros dos ribeiros. Essa espécie, cujas marcas distintivas são madeira escura e folhas longas com margem lisa. A palma, a murta e o salgueiro, quando amarrados juntos em um feixe, constituem o Lulab. Enquanto os salmos são cantados pelos levitas durante os sacrifícios, os peregrinos, que seguravam os lulabs ou palmas das mãos, os sacudiam três vezes, isto é, no canto do Salmo 118:1, depois novamente em Levítico 23:25 e em Levítico 23 :29. Quando o canto terminou, os sacerdotes em procissão circundaram o altar uma vez, exclamando:“Hosana, ó Senhor, dá-nos ajuda, ó Senhor! dê prosperidade! ” (Salmo 118:25). Em seguida, a bênção solene foi pronunciada pelos sacerdotes, e o povo se dispersou entre as exclamações repetidas:”Quão formosa és tu, ó altar!” É esta parte do ritual que explica as boas-vindas que a multidão deu a Cristo quando foram ao seu encontro com ramos de palmeira e gritos de hosana (Mateus 21:8-9; Mateus 21:15; João 12:12-13) . [Ellicott, aguardando revisão]

41 E lhe fareis festa ao SENHOR por sete dias cada ano; será estatuto perpétuo por vossas gerações; no mês sétimo a fareis.

Comentário Ellicott

sete dias cada ano. Esses sete dias denotam a festa dos Tabernáculos propriamente dita, enquanto os oito dias em Levítico 23:39 incluem a festa de encerramento do último dia. (Ver Levítico 23:36.)

por vossas gerações. Melhor, ao longo de suas gerações, como a versão autorizada traduz em Levítico 23:14; Levítico 23:21; Levítico 23:31 deste mesmo capítulo. (Ver Levítico 3:17.) [Ellicott, aguardando revisão]

42 Em cabanas habitareis sete dias:todo natural de Israel habitará em cabanas;

Comentário Whedon

Em cabanas habitareis. Este comando exclui um pano ou cobertura de pele, de acordo com as decisões dos expositores judeus, e tudo o que pertence aos reinos animal e mineral. Todas as coisas murchas, ou desbotadas, ou de mau gosto ou impuras, também eram proibidas. As cabines devem ser frescas e cheirosas, em correspondência com a alegria de seus inquilinos.

Na primeira parte de outubro, quando esta festa foi celebrada, o clima na Palestina não é nem quente nem frio, nem sujeito a tempestades, mas admiravelmente adaptado à vida ao ar livre.

todo natural de Israel habitará em cabana. A palavra “deve” é aqui uma tradução muito forte do futuro hebraico, que é freqüentemente traduzido por pode. “Insistir na universalidade absoluta é se tornar um escravo vinculado à letra.” [Whedon, aguardando revisão]

43 Para que saibam vossos descendentes que em cabanas fiz eu habitar aos filhos de Israel, quando os tirei da terra do Egito:Eu sou o SENHOR vosso Deus.

Comentário Ellicott

Para que saibam vossos descendentes. Quando sua posteridade está ocupando com segurança a terra de Canaã, a residência temporária em cabanas uma vez por ano pode lembrá-los da bondade de Deus concedida a seus pais ao libertá-los da terra da escravidão e abrigá-los em cabanas no deserto. [Ellicott, aguardando revisão]

44 Assim falou Moisés aos filhos de Israel sobre as solenidades do SENHOR.

Comentário Ellicott

Assim falou Moisés. De acordo com a ordem que Moisés recebeu (ver Levítico 23:2), ele explicou aos filhos de Israel o número e o motivo dessas festividades. Este versículo, portanto, forma uma conclusão apropriada para todo o capítulo. [Ellicott, aguardando revisão]

<Levítico 22 Levítico 24>

Visão geral de Levítico

Em Levítico, “o Deus santo de Israel convida o povo a viver na Sua presença, apesar de serem pecadores, através de uma série de rituais e instituições sagradas”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Levítico.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.