Bíblia

Atos 2

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


A descida do Espírito Santo no Dia de Pentecoste

1 Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar.

o dia de Pentecostes. O quinquagésimo dia depois do sábado de Páscoa (Lv 23:15-16).

2 E de repente houve um ruído do céu, como de um vento forte e violento, e encheu toda a casa onde eles estavam sentados.

“Toda a descrição é tão pitoresca e marcante que só pode vir de uma testemunha ocular” (Olshausen). O vento era um símbolo familiar do Espírito (Ez 37:9; Jo 3:820:22). Mas esse não foi um sopro de vento real. Foi apenas um som “como de um vento”. [JFB]

3 E foram vistas por eles línguas repartidas como que de fogo, e se pôs sobre cada um deles.

E foram vistas por eles línguas repartidas como que de fogo – “diamerizomenai gloossai” – ‘línguas separadas’ semelhantes a chamas, saindo de um centro comum ou fonte e repousando sobre cada um que estava no ambiente. Mesmo nos poetas pagãos (como foi notado), o aparecimento de fogo sobre a cabeça denota favor divino (Ovidio, ‘Fasti’; Virgílio, ‘Eneida’). Sob a antiga dispensação, a descida do fogo do céu sobre os sacrifícios era o símbolo designado e reconhecido da presença e favor divinos (Gn 15:17; Lv 9:24; 1Rs 18:38; Êx 19:18).

Teólogos como Neander descreveram toda essa cena como puramente interna. “A glória (disse Neader) da vida interior então comunicada a eles poderia refletir seu esplendor nos objetos circundantes, que em virtude do milagre interno — a elevação de sua vida interior e consciência através do poder do Espírito Divino — os objetos de percepção externa pareciam bastante alterados. E assim não é improvável que tudo o que se apresentasse a eles como uma percepção dos sentidos externos pudesse, de fato, ser apenas uma percepção do estado mental interno predominante — uma objetividade sensível do que estava operando interiormente com poder divino — semelhante a as visões extáticas que são mencionadas em outros lugares nas Sagradas Escrituras”. Tais explicações não só servem para abalar a credibilidade da própria narrativa como um fragmento lúcido da história, mas encorajam um espírito venenoso de ceticismo em relação a tudo o que é sobrenatural na Bíblia. [JFU]

4 E todos eles foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem.

falar em outras línguas – ou seja, falaram em línguas que não conheciam. Nisto consistiu o milagre.

5 Havia judeus que estavam morando em Jerusalém, homens devotos, de todas as nações abaixo do céu.

judeusde todas as nações abaixo do céu. As línguas maternas desses judeus eram as das nações em que nasceram (At 2:8-11), mas também haviam sido instruídas por seus pais no idioma da Judeia. Isso lhes permitiu entender as línguas faladas pelos apóstolos e verificar a realidade do milagre. [McGarvey, 1872]

6 E acontecendo esta voz, ajuntou-se a multidão; e ela estava confusa, porque cada um os ouvia falar em sua própria língua.

multidãoestava confusa, porque cada um os ouvia falar em sua própria língua, provavelmente cada um ouvindo a sua própria língua falada por alguém dessa estranha congregação. [JFU]

7 E todos estavam admirados, e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Ora, estes que estão falando, não são todos eles galileus?

Ora, estes que estão falando, não são todos eles galileus? Não refletindo assim sobre a seita, assim chamada (pois para estes estrangeiros os discípulos de Cristo dificilmente seriam assim conhecidos), mas sobre a região, que foi proverbialmente desprezada pelos puros judeus palestinos; embora seus habitantes fossem superiores a eles em inteligência geral e liberalidade, “Galileia dos Gentios” tendo contato mais livre com as populações adjacentes. [JFU]

8 E como nós ouvimos cada um deles em nossa própria língua, na qual nascemos?

Não há descrição aqui de qualquer linguajar ou discurso incoerente, somos informados das declarações testadas pelos ouvidos daqueles que falaram essas línguas desde a juventude. A única pergunta na descrição de Lucas sobre a qual ficamos incerto é esta: se os discípulos entenderam ou não as novas palavras que eles foram capazes de pronunciar. O único outro lugar no Novo Testamento que lança alguma luz sobre esse assunto é a primeira epístola aos Coríntios. [Cambridge]

9 Partos, medos, elamitas, os habitantes da Mesopotâmia, da Judeia, Capadócia, Ponto, Ásia,

Partos, medos e elamitas – são povos além do império e influência de Roma. Para estes lugares foram levadas as dez tribos no cativeiro assírio (2Rs 17:6).

Mesopotâmia. O principal centro judeu da Mesopotâmia era Babilônia, que, desde o cativeiro de Judá, era famosa por suas escolas rabínicas e, por esse motivo, era considerada parte da Terra Santa. [Dummelow, 1909]

10 Frígia, Panfília, Egito e regiões da Líbia próximas a Cirene, e visitantes romanos (tanto judeus como prosélitos),

Egito. Segundo Filo, havia um milhão de judeus no Egito. Eles formaram uma grande parte da população de Alexandria, onde o judaísmo se aliou à filosofia platônica e procurou se apropriar dos melhores elementos da cultura helênica.

Cirene. Uma cidade grega no norte da África, fundada 631 a.C. Um quarto da sua grande população era constituída por judeus, que possuíam plenos direitos de cidadania. Veja Mt 27:32; At 6:9; 11:20; 13:1.

visitantes romanosjudeus. Estes provavelmente possuíam a cidadania romana, como Paulo. Os prisioneiros judeus foram trazidos a Roma por Pompeu, mas logo recuperaram a liberdade e se estabeleceram, com plenos direitos cívicos, em um distrito além do rio Tibre. Em 19 d.C, foram banidos, mas, após a queda de Sejano, foram autorizados a retornar. [Dummelow, 1909]

11 cretenses e árabes, os ouvimos em nossas próprias línguas eles falarem das grandezas de Deus.

cretenses e árabes. Creta é aquela grande ilha do Mediterrâneo que se estende pela extremidade sul do Mar Egeu. Desde o tempo de Alexandre, o Grande, grandes números de judeus se estabeleceram ali, o que explica a menção deles aqui. A Arábia é o conhecido território situado imediatamente a leste da Palestina. Uma impressão de universalidade está evidentemente projetada para ser transmitida (como diz Baumgarten) pela ampla extensão deste catálogo de ouvintes. [JFU]

12 E todos estavam admirados e confusos, dizendo uns aos outros: O que isso quer dizer?

dizendo uns aos outros: O que isso quer dizer? Ou “o que significa isso?” A outra classe parece ter sido os judeus nativos, para quem as línguas estrangeiras eram ininteligíveis; e que eles eram do grupo hostil aparece mas muito claramente pelo desprezo com que eles consideravam toda a cena. [JFU]

13 E outros, zombando, diziam: Eles estão bêbados!

Eles estão bêbados! Uma tradução mais próxima do original seria “estão cheios de vinho doce”, mas o sentido é mesmo.

A pregação de Pedro

14 Mas Pedro, pondo-se de pé com os onze, levantou sua voz, e lhes falou: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja isto conhecido, e ouvi minhas palavras:

Ficamos imediatamente impressionados com a maravilhosa mudança que ocorreu no caráter do apóstolo. A timidez tornou-se ousadia; para as poucas palavras precipitadas registradas nos Evangelhos, temos discursos elaborados. Existe um método e discernimento no modo como ele lida com as profecias de Cristo, completamente diferente de tudo que já vimos nele antes. Se estivéssemos lendo uma história fictícia, deveríamos criticar corretamente o autor pela falta de consistência em seu retrato do mesmo personagem no primeiro e no segundo volumes de sua obra. Assim sendo, a inconsistência se torna quase uma evidência da verdade das narrativas que a contêm. O escritor de uma história inventada, empenhado apenas em reconciliar os seguidores de Pedro e de Paulo, teria tornado o primeiro mais proeminente nos Evangelhos ou menos proeminente nos Atos. E os fatos que Lucas narra são uma explicação adequada dos fenômenos. No intervalo que passou, a mente de Pedro foi aberta pelos ensinamentos de seu Senhor para entender as Escrituras (Lc 24:45), e então ele foi dotado, pelo dom do Espírito Santo, com poder do alto. Aquilo que ele agora fala é a primeira expressão do novo dom de profecia, e seguiu corretamente o acontecimento extraordinário das “línguas” para realizar o trabalho de conversão que eles não tinham poder para realizar. O discurso que se segue foi proferido no aramaico da Palestina ou, mais provavelmente, no grego, que era comum na Galileia e que seria inteligível para todos ou quase todos os peregrinos de países distantes. [Ellicott, 1905]

15 Porque estes não estão bêbados, como vós pensais, sendo ainda a terceira hora do dia.

a terceira hora do dia. Nos dias de festa, os judeus ficavam em jejum até o culto da sinagoga da manhã, realizado na terceira hora (9 da manhã), terminar. [Dummelow, 1909]

16 Mas isso é o que foi dito por meio do profeta Joel:

Mas isso é o que foi dito, ou seja, isso é o cumprimento daquilo, ou isso foi previsto. Esta foi a segunda parte do argumento de Pedro, para mostrar que isso estava de acordo com as predições em suas próprias Escrituras.

por meio do profeta Joel (Jl 2:28-32). Isto não é citado literalmente, nem do hebraico nem da Septuaginta. A substância, no entanto, é preservada. [Barnes]

17 E será nos últimos dias, diz Deus, que: Eu derramarei do meu Espírito sobre toda carne, e vossos filhos e filhas profetizarão, e vossos rapazes terão visões, e vossos velhos sonharão sonhos;

nos últimos dias. Esta expressão ocorre muitas vezes em ambos Testamentos (Antigo e Novo) com significados um pouco diferentes. O que são os “últimos dias” depende, de certa forma, do que são os primeiros dias antagônicos. No Antigo Testamento, sendo a dispensação do Antigo Testamento a primeira os primeiros dias, os “últimos dias” foram os dias do Messias, ou a dispensação cristã. Este é o significado aqui.

toda a carne. Não somente sobre alguns sacerdotes e profetas [como foi antes], mas sobre pessoas de todas as classes e nações. [Whedon, 1874]

18 E também sobre meus servos e sobre minhas servas, naqueles dias eu derramarei do meu Espírito, e profetizarão.

Isto também parece ter sido surpreendentemente cumprido em alguns dos abençoados servos da Igreja, tanto homens como mulheres. [JFU]

19 E mostrarei maravilhas em cima no céu, e sinais em baixo, na terra; sangue, fogo, e vapor de fumaça;

mostrarei maravilhassinais… Referindo-se aos sinais que precederiam a destruição de Jerusalém (veja Lc 21:25-28), ou então, como alguns sugerem, à Segunda Vinda de Cristo.

20 O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e notório dia do Senhor.

Grandes revoluções políticas e eclesiásticas, surgindo em toda a destruição de sistemas antigos e dominantes, são simbolicamente expressas no Antigo Testamento pelo desarranjo e obscurecimento dos corpos celestes (como Is 13:6-13; 34:4-5; Ez 32:7-8; Jo 2:10-11). Essa conhecida linguagem profética foi empregada por nosso Senhor em sua profecia sobre a destruição de Jerusalém (Mc 13:24-25); e a isto a predição citada por Pedro sem dúvida se refere, quando ele procura fixar a atenção de sua audiência sobre “o grande e notável dia do Senhor” – o dia que fechou seu dia de graça como uma nação; o dia em que “o julgamento foi estabelecido, e os livros abertos”, eles foram julgados a perder sua posição como testemunha visível de Deus na terra, e a ter toda a sua política civil e eclesiástica varrida. [JFU]

21 E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

invocar – ou seja, clama por ajuda e, portanto, orar – será salvo. A primeira passagem na qual encontramos esta expressão está em Gn 4:26: “Então os homens começaram a invocar o nome do SENHOR”. Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, “invocar o nome do Senhor” significa orar ao verdadeiro Deus, confessando que Ele é SENHOR; isto é, reconhecendo seus atributos essenciais e incomunicáveis. [Cyclopaedia, 1867]

22 Homens israelitas, ouvi estas palavras: Jesus o nazareno, homem aprovado por Deus entre vós, com maravilhas, milagres e sinais, que Deus fez por meio dele no meio de vós, assim como vós mesmos também sabeis;

O objetivo do apóstolo é mostrar que Jesus de Nazaré, a quem eles consideravam culpado de blasfêmia por revindicar divindade, foi de fato divinamente enviado, e tinha sido, de várias maneiras, divinamente atestado como sendo tudo o que Ele afirmava ser.

homem aprovado por Deus – ou seja, “autenticado”, “demonstrado ser de Deus”.

com maravilhas, milagres e sinais, que Deus fez por meio dele. Esta não é uma abordagem dos milagres de nosso Senhor inferior, como foi alegado, nem inconsistente com Jo 2:11, mas está em estrita concordância com Seu progresso de humilhação para glória, e com Suas próprias palavras em Jo 5:19. Esta perspectiva de Cristo tem a intenção de mostrar aos judeus que quem estava por detrás de toda a trajetória de Jesus de Nazaré era o Deus de Israel (Alford). [JFU, 1871]

23 Este, sendo entregue pelo determinado conselho e conhecimento prévio de Deus, sendo tomando, pelas mãos de injustos o crucificastes e matastes;

determinado conselho e conhecimento prévio de Deus. O plano fixo de Deus e perfeita previsão de todas as etapas envolvidas nele.

sendo tomando, pelas mãos de injustos o crucificastes e matastes. Quão impressionante é a criminalidade dos assassinos de Cristo aqui apresentada em harmonia com o propósito eterno de entregá-Lo em suas mãos! [JFB]

24 ao qual Deus ressuscitou, desatando os laços da morte; porque não era possível ele ser retido por ela;

laços da morte“ânsias da morte” (ARC), ou então, “horrores da morte” (NVT). Há considerável discussão sobre a melhor tradução, visto que a palavra do original grego (odinas) normalmente significa “dores” de dores de parto.

25 Porque Davi diz sobre ele: Eu sempre via ao Senhor diante de mim, pois ele está à minha direita, para que eu não seja abalado.

A citação consiste de quatro versos, Sl 16:8-11, e tem referência exata à Septuaginta.

26 Por isso meu coração está contente, e minha língua se alegra, e até mesmo minha carne repousará em esperança.

e minha língua se alegra. O hebraico traz “minha glória”, um termo que foi aplicado à mente do homem, talvez também à sua capacidade de fala (Sl 57: 8; 62:7), como aquilo pelo qual ele se distingue de todas as outras criaturas da mão de Deus. A Septuaginta havia parafraseado a palavra como “língua”, e Pedro, ou Lucas relatando seu discurso, segue essa versão.

até mesmo minha carne repousará em esperança. Literalmente, tabernaculará, ou habitará como em um tabernáculo. Talvez possamos traçar um eco deste pensamento em 2Pe 1:13-14. [Ellicott, 1905]

27 Pois tu não abandonarás minha alma no sepulcro, nem permitirás que o teu Santo veja a degradação.

nem permitirás que o teu Santo veja a degradação – ou seja, “sofra decomposição” no túmulo (NVI).

28 Tu tens me feito conhecer os caminhos da vida; tu me encherás de alegria com a tua presença.

Tu tens me feito conhecer os caminhos da vida –  ou seja, Tu me ressuscitastes dos mortos. [Wesley, 1765]

29 Irmãos, é lícito eu vos dizer abertamente sobre o patriarca Davi, que morreu, e foi sepultado, e a sepultura dele está conosco até o dia de hoje.

O objetivo do apóstolo é mostrar que aquele que neste salmo não via “degradação” não poderia ser o próprio Davi, sua sepultura é prova disso.

o patriarca Davi – fundador da linhagem real, assim como os filhos de Jacó são chamados “doze patriarcas” (At 7:8), por serem fundadores da raça israelita. [JFU, 1871]

30 Portanto, sendo ele profeta, e sabendo que Deus tinha lhe prometido com juramento que faria a um da sua descendência se sentar no seu trono;

Portanto, sendo ele profeta – e assim escrevendo este salmo “pelo Espírito”.

e sabendo – a partir das promessas explícitas feitas a ele sobre sua semente e trono (2Sm 7:1-29), que dali em diante se tornaram materiais para essas manifestações salmódicas, nas quais ele foi levado muito além de si mesmo e de seus próprios tempos para o futuro glorioso do Reino de Deus (como em Sl 89:1-52; 132:1-18).

que faria a um da sua descendência [segundo a carne, levantaria o Cristo] se sentar no seu trono. As palavras em colchetes, presentes em algumas traduções, certamente não fazem parte dos originais, visto que não estão presentes na maioria dos manuscritos mais antigos. [JFU, 1871]

31 prevendo isto, falou da ressurreição do Cristo, que a sua alma não foi abandonada no sepulcro, nem a sua carne viu a degradação.

nem a sua carne viu a degradação – ou seja, seu “corpo não sofreu decomposição”  no túmulo (NVI).

32 A este Jesus Deus ressuscitou; do qual todos nós somos testemunhas.

Deus ressuscitou; do qual todos nós somos testemunhas. Assim, explícita e corajosamente, o apóstolo interpreta esta predição da ressurreição de Jesus de Nazaré, que toda a congregação, então diante deles, cheia do Espírito Santo, estava pronta para atestar com a evidência de seus próprios sentidos. [JFU]

33 Portanto, tendo sido exaltado à direita de Deus, e recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que agora estais vendo e ouvindo.

Portanto, como resultado do todo.

exaltado: um claro testemunho da ascensão.

derramou isto. Para que tenhamos aqui a segunda resposta de Pedro à pergunta, (At 2:12) O que significa isso? – É uma manifestação enviada do Messias Jesus ascendido. Pedro agora confirma o exaltado Senhorio do Jesus ascendido por outra profecia. [Whedon]

34 Porque Davi não subiu aos céus; mas sim, ele diz: Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha direita,

Disse o Senhor ao meu Senhor. Ou seja, o Filho de Davi era também Senhor de Davi.

Porque Davi não subiu aos céus – isto é, não subiu em corpo, como Pedro já havia argumentado antes quando falou do túmulo de Davi (At 2:29). Por tanto, visto não era a intenção do apóstolo falar do destino eterno de Davi, não se deve usar esse texto para tal propósito. [JFU, 1871]

35 até que eu ponha teus inimigos por escabelo de teus pés.

Colocar o pé no pescoço de um inimigo é uma expressão de vitória completa. Esse era um costume oriental (compare com Js 10:24). Os inimigos de Cristo devem se tornar o escabelo de seus pés, mas Seu poder não terminará então. Quando todos estiverem subjugados, Seu reino continuará e será mais glorioso. [Cambridge, 1891]

36 Saiba então com certeza toda a casa de Israel, que Deus fez Senhor e Cristo a este Jesus, a quem vós crucificastes.

Saiba então com certeza toda a casa de Israel. – ou seja, vocês conhecem as profecias e receberam as promessas.

Deus fez Senhor e Cristo a este Jesus, a quem vós crucificastes. E assim Pedro fecha o raciocínio. Jesus, que havia sido crucificado, Deus ressuscitou da sepultura, Deus exaltou ao céu e O colocou à sua direita, e assim mostrou que Ele é o Senhor e o Cristo (grego para ungido). [Cambridge, 1891]

37 Ouvindo eles estas coisas, sentiram grande aflição em seu coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos?

sentiram grande aflição (“compungiram-se”, ACF) em seu coração. (1) porque crucificaram Jesus; (2) porque não O reconheceram como o Messias, e assim se privaram da esperança de salvação. [Dummelow, 1909]

38 Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão de vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.

Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão de vossos pecados. Temos neste pequeno versículo o resumo da doutrina cristã em relação ao homem e a Deus. Arrependimento e fé por parte do homem; perdão de pecados, ou justificação, e o dom do Espírito Santo, ou santificação, por parte de Deus. E ambos são expressos no sacramento do batismo, que por sua vez vincula o ato do homem à promessa de Deus. Pois o sacramento expressa a fé e o arrependimento do homem, de um lado, e o perdão e o dom de Deus, do outro. [Pulpit, 1895]

Spoiler title

 

a promessa – do Espírito Santo, a grande bênção da nova aliança (Jl 2:28-29) que desceria sobre a Igreja do Salvador ressuscitado e glorificado.

é para vós, para vossos filhos – da descendência de Abraão; e depois depois de vocês (pois a regra era “primeiro o judeu”) e para todos que estão longe – ou seja, os gentios, que são expressamente descritos em Is 57:19 (citado em Ef 2:13,17). Meyer e outros se opõem a essa visão dos “que estão longe”, porque Pedro só muito tempo depois é que percebeu o direito dos gentios à admissão na Igreja. Mas isso é confundir o fato; porque Pedro não teve dificuldade em admitir gentios circuncidados, mas apenas em sua admissibilidade, simplesmente como crentes, sem circuncisão. A própria interpretação de Meyer dos “que estão longe”, como significando os judeus estrangeiros, deve ser rejeitada pelo motivo adicional que um grande número dessa mesma classe estava entre as pessoas a quem Pedro se dirigia. [JFU, 1871]

40 E com muitas outras palavras ele dava testemunho, e exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa!

Salvai-vos. Eles foram convidados a se submeter ao caminho de salvação de Deus, a aceitar Jesus como seu Salvador. [Ellicott, 1905]

desta geração perversa! Ou então, “desta geração corrompida!” (NVI).

41 Então os que receberam a palavra dele de boa vontade foram batizados; e houve um acréscimo naquele dia quase três mil pessoas.

os que receberam a palavra dele de boa vontade foram batizados. Os manuscritos mais antigos não trazem “boa vontade”, assim a melhor tradução seria, “os que receberam a palavra dele foram batizados”.

houve um acréscimo naquele dia quase três mil pessoas – isto é, às cento e vinte das quais a Igreja consistia quando o dia começou. [Cambridge, 1891]

A comunhão dos cristãos

42 E eles perseveravam na doutrina dos apóstolos, na comunhão, no partir do pão, e nas orações.

Os convertidos ainda eram judeus zelosos, frequentando os cultos no templo diariamente (At 2:46), mas já formavam uma Igreja dentro de uma Igreja: pois (1) continuavam firmemente na doutrina dos apóstolos (At 2:42), ou seja, eles não consideravam mais os principais sacerdotes, escribas e fariseus como seus mestres, mas os apóstolos. Assim, a ruptura com o judaísmo já havia começado. (2) Eles continuaram firmemente na comunhão dos apóstolos. (3) Eles continuaram firmemente na partição do pão, isto é, na celebração do sacramento da Ceia do Senhor, ou Santa Comunhão. No início, a Ceia do Senhor era celebrada diariamente (At 2:46), mas depois todos os dias do Senhor (domingo), pelo menos (At 20:7). (4) Eles continuaram firmes nas orações, ou seja, nas orações oferecidas na celebração da Ceia do Senhor, e nos outros cultos da Igreja. [Dummelow, 1909]

43 Em cada pessoa havia temor, e muitos sinais e maravilhas eram feitos pelos apóstolos.

Em cada pessoa havia temor. Os zombadores foram silenciados pelo que viram e ouviram, e impedidos de continuarem a se oporem, apesar de não terem ouvido o chamado ao arrependimento.

sinais e maravilhas (At 2:22). [Cambridge, 1891]

44 E todos os que criam estavam juntos, e tinham todas as coisas em comum.

estavam juntos. Provavelmente faziam as refeições juntos.

tinham todas as coisas em comum. O sistema em que eles viviam não era exatamente o que chamamos de comunismo, pois (1) a venda da propriedade era voluntária, uma expressão espontânea do amor cristão (At 5:4); e (2) mesmo quando as propriedades eram vendidas, o dinheiro geralmente ficava nas mãos do vendedor, para ser distribuído aos santos mais pobres de tempos em tempos “conforme a necessidade de cada um” (At 2:45). Os casos de Barnabé, Ananias e Safira, que não apenas venderam propriedades, mas também depositaram o dinheiro aos pés dos apóstolos, foram fora do comum e por isso são especialmente notados pelo evangelista. [Dummelow, 1909]

45 E eles vendiam suas propriedades e bens, e as repartiam com todos, conforme a necessidade que cada um tinha.

O sistema em que eles viviam não era exatamente o que chamamos de comunismo, pois (1) a venda da propriedade era voluntária, uma expressão espontânea do amor cristão (At 5:4); e (2) mesmo quando as propriedades eram vendidas, o dinheiro geralmente ficava nas mãos do vendedor, para ser distribuído aos santos mais pobres de tempos em tempos “conforme a necessidade de cada um” (At 2:45). Os casos de Barnabé, Ananias e Safira, que não apenas venderam propriedades, mas também depositaram o dinheiro aos pés dos apóstolos, foram fora do comum e por isso são especialmente notados pelo evangelista. [Dummelow, 1909]

46 E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,

perseverando unânimes todos os dias no templo. Ou então, “regularmente eles adoravam juntos no templo todos os dias” (VIVA). Eles não apenas não deixaram de lado o antigo serviço do templo judaico, mas foram especialmente pontuais nos sacrifícios da manhã e da tarde e outros serviços nele, mesmo após a grande expiação, seguindo o exemplo de Jesus. Para os judeus, eles ainda assim pareciam ser verdadeiros judeus, apenas com a peculiaridade de um tipo especial de piedade e a crença de que o esperado Messias havia chegado na pessoa de Jesus. [Whedon, 1874]

47 Louvando a Deus, e tendo a simpatia de todo o povo. E a cada dia o Senhor acrescentava à igreja aqueles que estavam sendo salvos.

Louvando a Deus – porque seus corações estavam cheios de gratidão pelo conhecimento de Jesus como Seu Cristo.

tendo a simpatia de todo o povo. Como foi dito de Cristo, “a grande multidão o ouvia de boa vontade” (Mc 12:37), assim parece ter sido com Seus apóstolos. O primeiro ataque contra eles (At 4:1) veio por parte dos sacerdotes, do oficial do templo e dos saduceus. [Cambridge, 1891]

<Atos 1 Atos 3>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – maio de 2020.