Atos 5

Ananias e Safira

1 E um certo homem, de nome Ananias, com Safira, sua mulher, vendeu uma propriedade de terra.

Comentário de David Brown

“O primeiro vestígio de sombra sobre a forma brilhante da jovem Igreja. Provavelmente, entre os novos cristãos, surgiu uma espécie de santa rivalidade, cada um ansioso por colocar seus meios à disposição dos apóstolos ”(Olshausen). Assim, o zelo recém-nascido de alguns poderia superar seu princípio permanente, enquanto outros poderiam ser tentados a buscar crédito por uma liberalidade que não estava em seu caráter. [JFB, aguardando revisão]

2 E escondeu parte do valor, sabendo também a mulher dele; e trazendo uma certa parte, depositou-a junto aos pés dos apóstolos.

Comentário de David Brown

E escondeu parte do valor, sabendo também a mulher dele – a frieza com que planejaram o engano agravou a culpa desse casal.

trazendo uma certa parte – fingindo ser todo o produto da venda. [JFB]

3 E Pedro disse: Ananias, por que Satanás encheu teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e escondesses parte do valor da propriedade?

Comentário de David Brown

encheu – “por que tu permitiste que ele enchesse…”

teu coração – recebendo perversamente sua sugestão? Compare com Atos 5:4, “por que decidiste isto no teu coração?” E veja Jo 13:2,27.

mentisses ao Espírito Santo – aos homens sob Sua iluminação sobrenatural. [JFB]

4 Se mantivesses tua propriedade, ela não seria mantida contigo? E, tendo sido vendida, o dinheiro da venda não estava em teu poder? Por que decidiste isto em teu coração? Não mentiste aos seres humanos, mas sim a Deus.

Comentário de David Brown

Se mantivesses tua propriedade, ela não seria mantida contigo? E, tendo sido vendida, o dinheiro da venda não estava em teu poder? – a partir do qual vemos como eram puramente voluntários todos esses sacrifícios para o apoio da comunidade recém-nascida.

Não mentiste aos seres humanos, mas sim a Deus – aos homens tão inteiramente os instrumentos do Espírito que a mentira lhe foi comunicada: a linguagem claramente implicando tanto a personalidade distinta quanto a própria divindade do Espírito Santo. [JFB]

5 E Ananias, ao ouvir estas palavras, caiu e deixou de respirar. E veio um grande temor sobre todos os que ouviram isso.

Comentário de David Brown

Ananiasdeixou de respirarum grande temor sobre todos os que ouviram isso – sobre aqueles fora do círculo cristão; que, em vez de desprezar os seguidores do Senhor Jesus, como eles poderiam ter feito na descoberta de tal hipocrisia, ficaram impressionados com a presença manifesta da Divindade entre eles, e com o poder misterioso de extirpar tal corrupção que repousava sobre a jovem Igreja. [JFB]

6 E os rapazes, tendo se levantado, levaram-no fora, e o sepultaram.

Comentário de David Brown

os rapazes – alguns dos membros mais jovens e mais ativos da igreja, não como portadores de cargos, nem se apresentando agora pela primeira vez, mas que provavelmente já haviam oferecido seus serviços como voluntários para fazer preparativos subordinados. Em cada comunidade cristã próspera, tais voluntários podem ser esperados, e serão eminentemente úteis. [JFB]

7 E passando o intervalo de cerca de três horas, entrou também sua mulher, não sabendo o que tinha acontecido.

Comentário Schaff

E passando o intervalo de cerca de três horas, entrou também sua mulher. As palavras “no espaço de três horas” formam um parêntese. Então “aconteceu — já se passaram cerca de três horas — quando sua esposa”. Ela estava intrigada com a longa ausência de seu marido, que a havia deixado para apresentar formalmente seu rico presente à Igreja, e ela estava ansiosa, sem dúvida, para saber com que palavras de agradecimento os apóstolos o haviam recebido.

entrou. Uma segunda assembleia da Igreja poderia estar sentada, se as horas judaicas de oração fossem rigidamente atendidas; mas é mais provável que os apóstolos, e muitos com eles, tenham permanecido na mesma casa durante todo o intervalo de três horas de ausência dos jovens encarregados de realizar os detalhes do enterro.

não sabendo o que tinha acontecido. Ninguém, foi sugerido, que a tinha visto, ainda teve a coragem de contar a ela sobre o destino de seu marido. [Schaff, aguardando revisão]

8 E Pedro disse a ela: Dize-me, vendestes por aquele tanto aquela propriedade? E ela disse: Sim, por aquele tanto.

Comentário de David Brown

E Pedro disse a ela: Dize-me, vendestes por aquele tanto aquela propriedade? – mencionando a quantia.

E ela disse: Sim, por aquele tanto – Assim se cumpriu friamente este plano, que foi divinamente permitido de ser levado adiante, para que toda a culpa fosse desnudada e levada para dentro de toda a assembléia a esta miserável mulher, antes que a vingança do céu descesse sobre ela. [JFB, aguardando revisão]

9 E Pedro lhe disse: Por que vós fizestes acordo para tentar ao Espírito do Senhor? Eis que estão à porta os pés daqueles que sepultaram a teu marido, e eles também te levarão.

Comentário de David Brown

para tentar ao Espírito – tente se eles poderiam escapar da detecção por aquele Espírito onisciente de cuja presença sobrenatural com os apóstolos eles tinham uma evidência tão completa.

pés daqueles que enterraram o teu marido estão à porta – Que horrivelmente gráfica! [JFB, aguardando revisão]

10 E imediatamente ela caiu junto aos pés deles, e deixou de respirar. E os rapazes, ao entrarem, encontraram-na morta; e levando- a fora, sepultaram-na junto ao marido dela.

Comentário de J. R. Lumby

E imediatamente ela caiu junto aos pés deles. Perto do lugar onde o dinheiro, pelo qual eles pecaram, havia sido depositado, e onde talvez ainda estivesse. Pois não podemos pensar que Pedro estaria disposto a misturar uma oferta dada em um espírito tão hipócrita com as ofertas mais puras dos outros irmãos. Pode ser que, enquanto falava, em Atos 5:8, ele apontasse para o dinheiro que ainda estava lá sem ser aceito: “Vocês venderam a terra por tanto?”

e deixou de respirar. O verbo é usado apenas no Novo Testamento da morte deste marido e mulher, e do fim de Herodes Agripa (Atos 12:23).

E os rapazes, ao entrarem, encontraram-na morta. Eles vieram para se juntar à congregação novamente, pois a adoração parece não ter cessado durante o tempo entre a morte de Ananias e a chegada de Safira. E esta pode ser a explicação da ignorância da esposa sobre o destino do marido. Ninguém havia saído, a não ser os homens mais jovens, para enterrar o cadáver.

sepultaram-na junto ao marido dela. Provavelmente, tudo o que precisava ser feito era rolar uma pedra da boca de alguma caverna e colocar o corpo dentro.[Lumby, aguardando revisão]

11 E veio um grande temor em toda a igreja, e em todos que ouviram estas coisas.

Comentário de David Brown

E veio um grande temor em toda a igreja… – Esse efeito sobre a própria comunidade cristã foi o principal desígnio de um julgamento tão surpreendente; que tinha sua contrapartida, como o pecado em si, em Acã (Josué 7:1-26), enquanto o tempo – no começo de uma nova carreira – era semelhante. [JFB, aguardando revisão]

12 E pelas mãos dos apóstolos foram feitos muitos sinais e milagres entre o povo. E estavam todos em concordância no pórtico de Salomão.

Comentário de J. R. Lumby

E pelas mãos dos apóstolos, etc. Pelas mãos pode ser aqui apenas o modo hebraico de expressar. Cp. (Josué 14:2) “Por sorte foi a herança deles, como o Senhor ordenou pela mão de Moisés”. :5, etc.) mãos, embora atualmente encontremos (Atos 5:15) que as multidões acreditavam que uma cura poderia ser realizada sem tal ato.

E estavam todos em concordância no pórtico de Salomão. Isso deve se referir a assembleias que eram realizadas pelos apóstolos para conferência e instrução quando subiam nos momentos habituais de oração. Assim, todos significarão todo o grupo reunido em algumas dessas ocasiões, e não abraçarão todas as pessoas que se juntaram ao novo ensinamento. Eles vieram ao alpendre de Salomão, mestres e ouvintes, com um propósito comum, contar e saber mais sobre a religião de Jesus. Mas não é necessário interpretar a sentença para significar que eles tomaram posse regular deste claustro como seu local de adoração (veja Atos 3:11). [Lumby, aguardando revisão]

13 Mas dos outros, ninguém ousava se juntar a eles; porém o povo os estimava grandemente.

Comentário de David Brown

do resto, não há homem algum que se junte a si mesmo etc. – Nenhum dos convertidos se aventurou, depois do que acontecera, a professar discipulado; mas ainda assim seu número aumentou continuamente. [JFB, aguardando revisão]

14 E cada vez mais os que criam no Senhor se aumentavam, multidões tanto de homens como de mulheres.

Comentário de Albert Barnes

os que criam (crentes) Este é o nome pelo qual os cristãos eram designados, porque uma das principais coisas que os distinguia era que eles “acreditavam” que Jesus era o Cristo. É também uma prova incidental de que ninguém deve se unir à igreja se não for “crente”; isto é, que não professam ser cristãos no coração e na vida.

se aumentavam. O efeito de todas essas coisas foi aumentar o número de convertidos. Suas perseguições, suas pregações e o julgamento de Deus, “todos” tendiam a impressionar as mentes das pessoas e a conduzi-las ao Senhor Jesus Cristo. Compare Atos 4:4. Embora o julgamento de Deus tivesse o efeito de dissuadir os hipócritas de entrar na igreja – embora produzisse admiração e cautela, ainda assim o número de verdadeiros convertidos aumentou. Um esforço para manter a igreja pura por meio de uma disciplina sadia e eliminando membros indignos, por mais ricos ou honrados que sejam, longe de enfraquecer sua verdadeira força, tende a aumentar grandemente seu número, bem como sua pureza. As pessoas não procurarão entrar em uma igreja corrupta, ou considerarão valer a pena qualquer esforço estar conectado com uma sociedade que não se esforça para ser pura.

multidões. Compare com Atos 4:4. [Barnes, aguardando revisão]

15 De maneira que traziam os enfermos às ruas, e os botavam em camas e macas, para que, vindo Pedro, pelo menos a sombra dele cobrisse a alguns deles.

Comentário de David Brown

para as ruas – “em todas as ruas”.

em camas e macas – As palavras denotam os sofás mais macios dos ricos e os berços dos pobres (Bengel).

vindo Pedro, pelo menos a sombra dele cobrisse a alguns deles – Compare Atos 19:12; Lucas 8:46 Então Eliseu. Agora, a grandeza predita de Pedro (Mateus 16:18), como o espírito diretor da Igreja primitiva, estava no auge. [JFB, aguardando revisão]

16 E também das cidades vizinhas vinha uma multidão a Jerusalém, trazendo enfermos, e atormentados por espíritos imundos, os quais todos eram curados.

Comentário de J. R. Lumby

E também das cidades vizinhas vinha uma multidão a Jerusalém. Os melhores manuscritos não têm palavra para até. A construção sem essa preposição seria e também se reuniu a multidão das cidades ao redor de Jerusalém. O uso da palavra cidade (πόλις) é comum mesmo quando os lugares assim chamados são muito insignificantes, como Nazaré (Mateus 2:23), Naim (Lucas 7:11) e Arimatéia (Lucas 23:51).

trazendo enfermos, e atormentados por espíritos imundos. Reconhecia-se que o poder dos apóstolos se estendia não apenas às doenças físicas, mas também às espirituais. De fato, sendo toda a história de caráter sobrenatural, as curas operadas em doenças comuns eram da natureza de sinais e maravilhas, e falavam de um poder que não era humano. O poder aqui exibido é aquele que na própria vida de Cristo foi confessado ser o do Filho de Deus (Lucas 4:40-41).

O verbo no original para vexado é encontrado apenas aqui e em Lucas 6:18 no Novo Testamento, e como a palavra traduzida “entregou o espírito” (Atos 5:5; Atos 5:10), é usado frequentemente no obras de escritores médicos gregos, de modo que é uma palavra que devemos esperar encontrar um médico usando na descrição dessa doença.

espíritos imundos – são aqueles que são chamados de ímpios em outras partes do Novo Testamento (Mateus 12:45, etc.), e o epíteto anterior provavelmente é aplicado a eles porque o sofredor em seu estado de frenesi vagou para lugares onde ele incorreria impureza cerimonial, como o endemoninhado que morava entre os sepulcros (Marcos 5:3), este último por causa dos efeitos maléficos tantas vezes patentes na condição da pessoa aflita, como a perda da fala, audição e outros sentidos, a crença dos judeus sendo que os espíritos afligidos com tais doenças eram a causa da mesma aflição nos seres humanos. [Lumby, aguardando revisão]

17 E levantando-se o sumo sacerdote, e todos os que estavam com ele (que eram do grupo sectário dos saduceus), eles se encheram de inveja.

Comentário de Albert Barnes

E levantando-se. Esta expressão às vezes é “redundante”, e em outras significa simplesmente “começar” a fazer uma coisa, ou resolver fazê-la. Compare Lucas 15:18 .

o sumo sacerdote. Provavelmente “Caifás”. Compare João 11:49 . Parece deste lugar que ele pertencia à seita dos saduceus. É certo que ele havia se manifestado constantemente pela oposição ao Senhor Jesus e à sua causa.

e todos os que estavam com ele. Ou seja, todos aqueles que coincidiam com ele em doutrina ou opinião; ou, em outras palavras, aquela porção do Sinédrio que era composta de “saduceus”. Havia um forte grupo de saduceus no Sinédrio; e talvez nessa época fosse uma maioria tão forte que pudesse controlar suas decisões. Compare Atos 23:6.

que eram do grupo sectário. A palavra traduzida como “seita” aqui é aquela da qual derivamos nossa palavra “heresia”. Significa simplesmente “seita” ou “partido”, e não é usado no mau sentido como implicando reprovação, ou mesmo erro. A ideia que “nós” atribuímos a ela de erro e de negação de doutrinas fundamentais na religião é uma que não ocorre no Novo Testamento.

Saduceus. A doutrina principal desta seita era a negação da ressurreição dos mortos. A razão pela qual “eles” se opunham particularmente aos apóstolos e não aos fariseus era que os apóstolos insistiam muito na “ressurreição do Senhor Jesus”, que, se for verdade, derrubou completamente sua doutrina. Todos os convertidos, portanto, que foram feitos ao cristianismo, tendiam a diminuir seu número e influência, e também a estabelecer a crença dos “fariseus” na doutrina da ressurreição. Enquanto, portanto, o efeito dos trabalhos dos apóstolos foi estabelecer uma das principais doutrinas dos “fariseus” e refutar os “saduceus”, podemos supor que os “fariseus” os favoreceriam ou ficar em silêncio; e por tanto tempo os “saduceus” se oporiam a eles e se enfureciam contra eles. Uma seita muitas vezes verá com compostura o progresso de outra que realmente odeia, se humilhar um rival. Mesmo a oposição ao evangelho às vezes será silenciosa, desde que a propagação da religião tenda a humilhar e mortificar aqueles contra os quais podemos nos opor.

eles se encheram de inveja. Grego: “zelo”. A palavra denota qualquer tipo de “fervor” ou “calor”, e pode ser aplicada a qualquer afeto caloroso ou violento da mente, seja “inveja, ira, zelo” ou “amor”, Atos 13:45 ; João 2:17; Romanos 10:2; 2Coríntios 7:7; 2Coríntios 11:2. Aqui provavelmente “inclui inveja” e “ira”. Eles estavam “invejosos” com o sucesso dos apóstolos – com o número de convertidos que foram feitos para uma doutrina que eles odiavam, e estavam com inveja de que os “fariseus” estavam obtendo tal acesso de força à sua doutrina da ressurreição; e eles estavam “indignados” porque os apóstolos consideravam tão pouco sua autoridade e desobedeceram à solene ordem do Sinédrio. Compare com Atos 4:18-21. [Barnes, aguardando revisão]

18 E puseram suas mãos nos apóstolos, e os colocaram na prisão pública.

Comentário de J. R. Lumby

E puseram suas mãos nos apóstolos. Os melhores manuscritos omitem suas. Todos os doze estão agora apreendidos, pois as autoridades são despertadas para a atividade. É claro a partir disso que, embora Lucas tenha mencionado apenas os discursos de Pedro, com um leve aviso de que João também era um orador, todos os apóstolos estavam ocupados e poderiam ter sido citados como pregadores e mestres se isso fizesse parte de o propósito do compilador de escrever uma história de todos os Apóstolos.

e os colocaram na prisão pública. O substantivo é o mesmo que em Atos 4:3, e a noção – a de guarda, como um local de prisão temporária até a convocação formal do conselho no dia seguinte – deve ser preservada aqui. Leia, na guarda pública. Tal confinamento era apenas preventivo e não fazia parte da punição pretendida pelos saduceus. [Lumby, aguardando revisão]

19 Mas um anjo do Senhor, durante a noite, abriu as portas da prisão; e levando-os para fora, disse:

Comentário Schaff

um anjo do Senhor. Comentaristas até mesmo das escolas de Meyer, Neander e Ewald não gostam de reconhecer essa interferência angélica como um fato histórico e procuram por vários meios explicar a afirmação. Assim Neander escreve: “O fato de uma liberação por uma orientação divina especial para nós desconhecida, tornou-se involuntariamente transformado na aparência de um anjo do Senhor”. Outros das escolas de Baur e Zeller rejeitam toda a história como puramente não-histórica. Um terremoto que abriu as portas da prisão, um amigo secreto dos nazarenos, talvez um oficial da prisão, foi sugerido como os instrumentos da fuga dos apóstolos; mas a narrativa não admite tal explicação. É uma declaração simples e prática, e para nos proteger contra tais falsas exposições, as próprias palavras ditas pelo anjo a Pedro nos são dadas. A frequência da interferência angélica nos primeiros dias da Igreja é notável. Neste livro de Atos a palavra “anjo” ocorre vinte vezes (Wordsworth). Seis obras distintas de anjos estão relacionadas, Atos 5:19, Atos 8:26, Atos 10:3, Atos 12:7; Atos 12:23, Atos 27:23.

A relutância em reconhecer a interferência angélica nos assuntos dos homens aqui e em outras ocasiões mencionadas nos ‘Atos’, procede de uma noção, profundamente enraizada em muitas mentes, de que os anjos não existem e que toda a teoria dos ministérios angélicos é construída sobre a tradição judaica comparativamente tardia, nenhuma datando antes do cativeiro na Babilônia e do tempo de Daniel.

Abriu as portas da prisão, e os trouxe para fora. Foi perguntado: Qual foi o propósito dessa milagrosa interferência do anjo, já que eles foram trazidos no dia seguinte perante o conselho e vergonhosamente espancados? Mas certamente os efeitos dessa interposição foram imediatamente sentidos – (1) pelos apóstolos, a cuja fé uma nova força foi adicionada por essa manifestação visível da mão protetora: sem medo, eles aparecem no local mais público de manhã cedo, novamente proclamando o santo nome do Mestre; (2) pelos chefes saduceus, cuja perplexidade e ansiedade foram aumentadas por essa nova prova de um poder estranho e terrível conectado a esses homens ousados. [Schaff, aguardando revisão]

20 Ide; ficai em pé, e falai no Templo ao povo todas as palavras desta vida.

Comentário de David Brown

todas as palavras desta vida – bela expressão para aquela Vida no Ressuscitado que era o fardo da sua pregação! [JFB, aguardando revisão]

21 E eles, ouvindo isto, entraram de manhã cedo no templo, e ensinavam. Mas vindo o sumo sacerdote, e os que estavam com ele, chamaram ao supremo conselho, e a todos os anciãos dos filhos de Israel, e mandaram à prisão, para que os trouxessem.

Comentário de David Brown

entraram de manhã cedo no templo… – Como auto-possuído! o Espírito que habita, elevando-os acima do medo.

chamado … todo o senado, etc. – uma convenção extraordinariamente geral, embora apressadamente convocada. [JFB, aguardando revisão]

22 Mas quando os oficiais vieram, não os acharam na prisão; e voltando, anunciaram,

Comentário de J. R. Lumby

Mas quando os oficiais vieram. O nome pode implicar um corpo militar ou pode ter sido apenas alguns dos guardas levíticos que foram enviados. A mesma palavra é usada (Lucas 4:20) para o “ministro” da sinagoga. [Lumby, aguardando revisão]

23 Dizendo: Nós achamos a prisão fechada, em toda segurança, e com os guardas que estavam fora junto às portas; mas quando as abrimos, a ninguém achamos dentro.

Comentário de David Brown

cala … guardas … diante das portas, mas … não há homem dentro – o reverso do milagre em Atos 16:26; um contraste semelhante ao das redes no milagroso projecto de pesca (Lucas 5:6; Jo 21:11). [JFB, aguardando revisão]

24 Quando o sumo sacerdote, o chefe da guarda do Templo, e os chefes dos sacerdotes ouviram estas palavras, eles duvidaram deles quanto o que aquilo viria a ser.

Comentário de J. R. Lumby

Quando o sumo sacerdote, o chefe da guarda do Templo. Os melhores manuscritos têm apenas agora quando o capitão do templo. A palavra que na Versão Autorizada é traduzida como sumo sacerdote é simplesmente = sacerdote, mas o uso semelhante é bastante comum em hebraico.

ouviram estas palavras. Refere-se simplesmente ao relatório que os oficiais acabavam de trazer.

eles duvidaram deles quanto o que aquilo viria a ser – ou seja, eles estavam perdidos sobre o que foi dito e não sabiam que passo dar a seguir. É digno de nota que quando os Apóstolos são trazidos à sua presença no final, os magistrados evitam todas as perguntas sobre como eles foram libertados. Eles claramente desejavam não ter mais testemunho dos poderes sobrenaturais que tantas vezes se manifestaram em conexão com Jesus e Seus seguidores. Caifás e seu grupo não podiam ignorar como o próprio Jesus havia ressuscitado de sua sepultura para o grande terror da guarda judaica colocada sobre ela. Com as opiniões dessas autoridades, podemos entender bem sua perplexidade e seu silêncio sobre o assunto, em todo caso, diante dos discípulos e da multidão. [Lumby, aguardando revisão]

25 E vindo alguém, anunciou-lhes, dizendo: Eis que os homens que vós pusestes na prisão estão no Templo, e ensinam ao povo.

Comentário de J. R. Lumby

Os procedimentos eram evidentemente bem conhecidos, e a sala do julgamento não estava longe de onde os apóstolos estavam ensinando naquele momento.

estão no Templo, e ensinam ao povo. A ordem do original deve ser preservada: estão no templo em pé, etc., pois as palavras remetem ao comando do anjo em Atos 5:20. Esta posição implica a posição proeminente e destemida que os apóstolos haviam assumido. Eles não eram como prisioneiros que haviam fugido, e por isso procuravam um lugar para se esconder; mas como homens cujo trabalho sofreu interferência e que, assim que puderam, voltaram a ele novamente. [Lumby, aguardando revisão]

26 Então foi o chefe da guarda do Templo com os oficiais, e os trouxe, mas não com violência, porque temiam ao povo, para que não fossem apedrejados.

Comentário de David Brown

mas não com violência, porque temiam… – endurecidos eclesiásticos, todos sem serem atingidos pelos sinais miraculosos da presença de Deus com os apóstolos, e o medo da multidão apenas diante de seus olhos! [JFB, aguardando revisão]

27 E quando os trouxeram, apresentaram-nos ao supremo conselho. E o sumo sacerdote perguntou a eles, dizendo:

Comentário de J. A. Alexander

E quando os trouxeram, apresentaram-nos ao supremo conselho, ou seja, no lugar de sua assembléia (veja acima, em Atos 4:15), ou ainda mais naturalmente, no meio (veja acima, em Atos 4:7), ou na presença do próprio Sinédrio. O Sumo Sacerdote preside a assembléia e conduz o exame judicial, como fez depois no caso de Estêvão e de Paulo. (Veja acima, em Atos 4:5, e abaixo, em Atos 7:1; Atos 23:2-3.) Esta autoridade não era derivada do Sinédrio, mas inerente ao ofício de Sumo Sacerdote, em quem estava concentrado e resumiu a representação, não apenas da família de Arão e da tribo de Levi, mas de Israel como um todo, e através dele de todos os eleitos de Deus, ou a igreja invisível, da qual o povo escolhido era o tipo e representante; enquanto, por outro lado, ele prefigurava o Messias. Esta representação oficial, tanto do Corpo como da Cabeça, fez o Sumo Sacerdote em todos os tempos, mas particularmente quando os ofícios reais e proféticos estavam suspensos, o chefe visível da teocracia, intitulado, não por escolha popular, mas por direito divino, presidir em suas assembléias mais dignas. [Alexander, aguardando revisão]

28 Não vos ordenamos expressamente para não ensinardes mais neste nome? E eis que vós enchestes a Jerusalém com vossa doutrina, e quereis trazer sobre nós o sangue deste homem!

Comentário de David Brown

vós enchestes a Jerusalém com vossa doutrina – testemunho nobre do êxito da sua pregação e (pela razão mencionada em Atos 4:4) à veracidade do seu testemunho, de lábios relutantes!

quereis trazer sobre nós o sangue deste homem – Eles evitam nomear Aquele a quem Pedro gloriou em sustentar (Bengel). Ao falar assim, eles parecem trair uma lembrança desagradável de sua própria imprecação recente, Seu sangue esteja sobre nós ”, etc. (Mateus 27:25), e das palavras do traidor ao jogar o dinheiro“ Eu tenho pecou porque traí sangue inocente ”(Mateus 27:4). [JFB, aguardando revisão]

29 E Pedro, respondendo com os apóstolos, disseram: Maior obrigação é obedecer a Deus do que às pessoas.

Comentário Schaff

Maior obrigação é obedecer a Deus do que às pessoas. Pedro aqui começa sua defesa com as mesmas palavras que ele havia usado antes, quando o Sinédrio dispensou os apóstolos com ameaças de punição futura. Ele retomou o mesmo argumento solene agora pela segunda vez; era como se ele dissesse: ‘Eu lhe disse antes, quando você me ameaçou, devemos obedecer a Deus e não aos homens’, pensando, sem dúvida, agora na voz de seu Mestre vinda do céu por Seu anjo, na noite anterior, ordenando-lhe que se levantasse e pregar publicamente no Templo.

Não nesta, a mais antiga história da Igreja que possuímos, encontramos algum dos líderes do cristianismo infiel a este princípio, duas vezes estabelecido por seu líder principal; mas enquanto eles se recusam totalmente a obedecer a qualquer comando que eles sintam ser contrário à voz de Deus, nós os encontramos em silêncio, sem murmurar, submetendo-se como agora a qualquer penalidade que a lei da terra imposta contra eles.

Isso foi visivelmente exemplificado na vida, história e ensino de Pedro e Paulo. [Schaff, aguardando revisão]

30 O Deus de nossos Pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, pendurando-o no madeiro.

Comentário Schaff

O Deus de nossos pais. Identificando-se, nas palavras “nossos pais”, com a gloriosa linhagem de patriarcas, profetas e reis que os filhos de Israel em seu então estado de humilhação e sujeição lembravam com tão apaixonado amor; enquanto ele apontava para Jeová, o Poderoso de Jacó – como o Deus que havia ressuscitado Jesus – levantado não neste lugar ‘dos mortos’, como Meyer, seguindo Crisóstomo e outros, entenderia, mas ressuscitou da semente de Davi como o Enviado de Deus. Esta interpretação, adotada por Calvino, Bengel, De Wette, etc., concorda admiravelmente com a ordem no tempo dos eventos mencionados por Pedro, ‘ressuscitado da semente de Davi’, ‘morto por ti’, ‘exaltado a todo poder ‘. Jesus, o nome amado, evitado e temido, e depois deixado sem nome pelo sumo sacerdote, mas glorificado pelo apóstolo acusado, que o torna o ponto central de sua defesa.

ao qual vós matastes. A palavra grega é escolhida com significado aguçado: “E este Glorioso, o Enviado do Deus de nossos pais, vós matastes com as vossas próprias mãos”.

pendurando-o no madeiro. A cruz é aqui chamada de ‘madeiro’, uma expressão bem conhecida para aqueles sábios sacerdotes e rabinos judeus que se sentaram no grande conselho; eles se lembrariam muito bem como, em sua lei sagrada, essa morte foi pronunciada amaldiçoada (ver Deuteronômio 21:23). [Schaff, aguardando revisão]

31 A este Deus exaltou com sua mão direita por Príncipe e Salvador, para dar a Israel arrependimento e perdão de pecados.

Comentário de David Brown

Príncipe e Salvador – a primeira palavra que expressava a realeza que todo Israel procurava no Messias, a segunda o caráter salvador do qual eles haviam completamente perdido de vista. Cada uma dessas características na obra de nosso Senhor entra na outra, e ambas fazem um todo glorioso (compare Atos 3:15; Hebreus 2:10).

para dar – dispensando como um “Príncipe”.

arrependimento e perdão de pecados – como um “Salvador”; “Arrependimento” abraçando toda aquela mudança que resulta na fé que assegura “perdão” (compare Atos 2:3820:21). Quão gloriosamente é Cristo aqui exposto; não como em outros lugares, como o Meio, mas como o Dispensador de todas as bênçãos espirituais! [JFB, aguardando revisão]

32 E nós somos testemunhas dele quanto a estas palavras, e também o Espírito Santo, o qual Deus tem dado a aqueles que lhe obedecem.

Comentário de David Brown

somos suas testemunhas … e o Espírito Santo – Eles como testemunhas humanas competentes dos fatos, e o Espírito Santo os atestando por inegáveis ​​milagres. [JFB, aguardando revisão]

33 E eles, ouvindo isso, enfureceram-se grandemente, e planejaram matá-los.

Comentário de David Brown

planejaram matá-los – Quão diferente é este sentimento e o efeito dele daquele “ferimento do coração” que atraiu dos primeiros convertidos no dia de Pentecostes o grito: “Homens e irmãos, que faremos?” (Atos 2:37). As palavras usadas nos dois lugares são surpreendentemente diferentes. [JFB, aguardando revisão]

34 Mas, levantando-se no supremo conselho um certo fariseu, de nome Gamaliel, instrutor da Lei, bem honrado por todo o povo, ele mandou levarem aos apóstolos para fora por um pouco de tempo.

Comentário de David Brown

Gamaliel – com toda probabilidade um daquele nome celebrado nos escritos judaicos por sua sabedoria, o filho de Simeão (possivelmente o mesmo que tomou o bebê Salvador em seus braços, Lucas 2:25-35), e neto de Hillel, outro célebre rabino. Ele morreu dezoito anos antes da destruição de Jerusalém (Lightfoot). [JFB, aguardando revisão]

35 E lhes disse: Homens israelitas, olhai por vós mesmos, quanto ao que haveis de fazer a estes homens;

Comentário de J. R. Lumby

Homens israelitas. Foi observado sobre a ocorrência frequente desta e de expressões similares na introdução dos discursos nos Atos, que eles são a prova de que os discursos em si são a composição do escritor do livro, e são apenas seus próprios pensamentos sobre o assunto colocados na boca dos vários oradores. Depois do que foi dito sobre o caráter de todos os discursos, que eles não tentam colocar diante de nós tudo o que foi dito em cada ocasião, mas apenas a substância do que Lucas recebeu de testemunhas oculares e auditivas, não pode de forma alguma sábio diminui a veracidade substancial de tudo o que é relatado, se encontrarmos o compilador dos Atos, que era ele próprio um grego, dando a forma grega usual de introdução aos discursos de que ele mostrou tantas vezes que pretende fornecer apenas um esboço.

olhai por vós mesmos. A frase implica que o pensamento é necessário antes de qualquer ação ser tomada. Não é, como as palavras inglesas às vezes são consideradas, uma advertência contra algum perigo iminente. [Lumby, aguardando revisão]

36 Porque antes destes dias se levantou Teudas, dizendo ser alguém; ao qual se ajuntaram cerca de quatrocentos homens; ao qual foi morto, e todos os que acreditavam nele foram dispersos, e reduzidos a nada.

Comentário de David Brown

Teudas – não é o mesmo com um enganador daquele nome que Josefo menciona como liderando uma insurreição cerca de doze anos depois disso [Antiguidades, 20.5.1], mas alguns outros de quem ele não faz menção. Tais insurreições eram frequentes. [JFB, aguardando revisão]

37 Depois deste se levantou Judas, o galileu, nos dias do censo; e perverteu muito do povo atrás dele; e este também pereceu, e todos os que acreditavam nele foram dispersos.

Comentário Schaff

Depois deste se levanto. Estas palavras determinam muito de perto a data do fracasso das pretensões de Teudas. A tentativa de levantar Judas da Galiléia, relatada neste versículo, era bem conhecida, e aconteceu no reinado de Augusto por volta de 6 ou 7 d.C., isto é, cerca de vinte e seis anos antes da prisão dos apóstolos. Este levantamento é dito ter ocorrido após o de Theudas; e como ambos são relatados como eventos que aconteceram não muito tempo atrás (veja nota em Atos 5:36), na memória de alguns ainda vivos, devemos fixar a data da tentativa de Teudas não muito antes da de Judas da Galiléia. Agora, o período da morte de Herodes, o Grande, que aconteceu alguns meses após o massacre de Belém relatado em Marcos, quando, como afirma Josefo, a terra foi invadida por insurgentes liderados por vários fanáticos, um dos quais sugerimos foi Teudas, em todos os aspectos se encaixa com a história.

Judas, o galileu. Um conhecido entusiasta judeu, denominado por Josefo o autor de uma quarta seita judaica, embora seus seguidores professassem as opiniões mantidas geralmente pelos fariseus. A grande característica de seu ensino era que era ilegal pagar tributo a César, pois Deus era o único Governante da nação. Seus seguidores foram dispersos e ele mesmo morto, mas suas opiniões foram revividas pela feroz facção dos zelotes, que surgiu nos últimos dias de Jerusalém; dois de seus filhos foram posteriormente crucificados, e um terceiro também foi condenado à morte pelas autoridades romanas, como rebeldes perigosos, antes da eclosão da guerra judaica.

nos dias do censo. Não ao aludido em Lucas 2:2, e que ocorreu no nascimento de Cristo, e provavelmente foi apenas um censo da população. Esta tributação ou inscrição foi feita após o destronamento de Arquelau, quando a Judéia foi convertida em província romana, e a inscrição de pessoas e bens foi feita com vistas à tributação. Foi por causa dessa taxação que Judas da Galiléia se revoltou. [Schaff, aguardando revisão]

38 E agora, eu vos digo, afastai-vos destes homens, e deixai-os; porque se este conselho ou esta obra for humana, ela se desfará.

Comentário de David Brown

for humana, ela se desfará – Essa política neutra era a verdadeira sabedoria, no temperamento do conselho. Mas a neutralidade individual é hostilidade a Cristo, como Ele mesmo ensina (Lucas 11:23). [JFB, aguardando revisão]

39 Mas se é de Deus, vós não a podereis desfazer; para que não venhais a ser achados de também lutardes contra Deus.

Comentário de Albert Barnes

Mas se é de Deus. Se Deus é o “autor” desta religião. A partir disso, parece que Gamaliel supôs que era pelo menos possível que essa religião fosse divina. Ele evidenciou uma mente muito mais sincera do que o resto dos judeus; mas ainda não parece que ele estava totalmente convencido. Os argumentos que não podiam deixar de abalar o Sinédrio judaico eram aqueles extraídos da ressurreição de Jesus, o milagre no dia de Pentecostes, a cura do coxo no templo e a libertação dos apóstolos da prisão.

Você não pode derrubá-lo. Porque: (1) Deus tem poder onipotente e pode executar seus propósitos; (2) Porque ele é imutável e não será desviado de seus planos, Jó 23:13-14.

O plano que Deus forma “deve” ser realizado. Todos os dispositivos do homem são debilidade quando se opõem a ele, e ele pode despedaçá-los em um instante. A predição de Gamaliel foi cumprida. As pessoas se opuseram ao cristianismo de todas as maneiras, mas em vão. Eles o insultaram; o perseguiram; recorreram à argumentação e ao ridículo; ao fogo, e lenha, e espada; eles chamaram a ajuda da ciência; mas tudo foi em vão. Quanto mais foi esmagado, mais ele se ergueu e ainda existe com tanta vida e poder como sempre. A “preservação” desta religião em meio a tanta e tão variada oposição prova que ela é de Deus. Nenhuma provação mais severa “pode” esperar por ela do que ela já experimentou; e como sobreviveu a tantas tempestades e provações, temos todas as evidências de que, de acordo com as previsões, está destinado a viver e encher o mundo. Veja Mateus 16:18; Isaías 54:17; Isaías 55:11 observa; Daniel 4:35 nota.

para que não. Isto é, se você continuar a se opor a isso, pode-se descobrir que você se opôs a Deus.

venhais a ser achados. Parece que você está se opondo a Deus.

de também lutardes contra Deus. Grego Θεομάχοι Theomachoi, “aqueles que contendem com Deus”. A palavra não ocorre em nenhum outro lugar no Novo Testamento. Lutar contra Deus é opor-se a ele, ou manter uma atitude de hostilidade contra ele. É uma atitude que é mais temível em seu caráter, e certamente será acompanhada de uma derrubada. Nenhuma condição pode ser mais terrível do que tal oposição ao Todo-Poderoso; nenhuma derrubada mais terrível do que aquela que deve seguir tal oposição. Compare Atos 9:5; Atos 23:9. A oposição ao “evangelho” nas Escrituras é uniformemente considerada como oposição a Deus, Mateus 12:30; Lucas 11:23. Pode-se dizer que as pessoas “lutam contra” Deus das seguintes maneiras, ou nos seguintes assuntos:

(1) Quando se opõem ao seu “evangelho”, sua pregação, seus planos, sua influência entre as pessoas; quando eles se esforçam para impedir sua difusão, ou retirar suas famílias e amigos de sua influência.

(2) quando se opõem às “doutrinas” da Bíblia. Quando ficam zangados porque as verdadeiras verdades da religião são pregadas, e se deixam irritar e excitar por uma “relutância” de que essas doutrinas sejam verdadeiras e sejam apresentadas às pessoas. No entanto, isso não é algo incomum. As pessoas por natureza não amam essas doutrinas, e muitas vezes ficam indignadas por serem pregadas. Alguns dos sentimentos mais irados que as pessoas já tiveram surgem dessa fonte; e o homem nunca pode encontrar paz até que esteja “desejando” que a verdade de Deus exerça sua influência em sua própria alma, e se regozije por ser crida e amada por outros.

(3) as pessoas se opõem à “Lei” de Deus. Parece-lhes muito “severo” e “áspero”. Ela os condena; e eles não querem que isso seja aplicado a eles. Não há nada que um pecador goste “menos” do que ele gosta da pura e santa Lei de Deus.

(4) os pecadores lutam contra a “providência” de Deus. Quando ele os aflige, eles se rebelam. Quando ele tira sua saúde, ou propriedade, ou amigos, eles reclamam. Eles o estimam duro e cruel; e em vez de encontrar a paz por “submissão”, eles agravam muito seus sofrimentos, e infundem uma mistura de absinto e fel na taça, reclamando e lamentando. Não há paz na aflição, mas no sentimento de que Deus está “certo”. E até que essa crença seja acalentada, os ímpios serão como o mar agitado que não pode descansar, cujas águas lançam lama e sujeira, Isaías 57:20 . Tal oposição a Deus é tão perversa quanto tola. O Senhor deu e tem o direito de remover nossos confortos; e devemos ficar quietos e saber que ele é Deus.

(5) os pecadores lutam contra Deus quando resistem às influências de seu Espírito; quando eles “se opõem” a pensamentos sérios; quando procuram companheiros e prazeres maus ou frívolos em vez de se submeterem a Deus; e quando rejeitam todas as súplicas de seus amigos para se tornarem cristãos. Todos esses podem ser os apelos que Deus está fazendo para que as pessoas estejam preparadas para encontrá-lo. E, no entanto, é comum que os pecadores sufoquem a convicção e se recusem até mesmo a pensar em seu bem-estar eterno. Nada pode ser um ato de maldade e loucura mais direta e deliberada do que isso. Sem a ajuda do Espírito Santo ninguém pode ser salvo; e resistir às suas influências é pôr de lado a única perspectiva de vida eterna. Fazê-lo é fazê-lo sobre a sepultura; não sabendo que mais uma hora de vida pode ser concedida; e não sabendo que “se” a vida for prolongada, o Espírito sempre lutará novamente com o coração. Em vista deste versículo, podemos observar:

1. Que o caminho da sabedoria é submeter-se imediatamente às exigências de Deus. Sem isso, devemos esperar conflitos com ele, perigo e ruína. Nenhum homem pode ser “oposto” a Deus sem se colocar em perigo a cada minuto.

2. A submissão a Deus deve ser completa. Deve se estender a toda doutrina e demanda; toda lei e todo ato do Todo-Poderoso. Em todas as suas exigências e em todas as aflições, devemos nos submeter a ele, pois somente assim encontraremos paz.

3. Infiéis e escarnecedores nada ganharão se opondo a Deus. Eles até agora foram frustrados e malsucedidos; e eles ficarão quietos. Nenhum de seus planos deu certo; e a esperança de destruir a religião cristã, após os esforços de dois mil anos, deve ser vã, e retrocederá com tremenda vingança sobre aqueles que as fazem. [Barnes, aguardando revisão]

40 E concordaram com ele. E chamando aos apóstolos, tendo os açoitado, mandaram -lhes que não mais falassem no nome de Jesus; e os deixaram ir.

Comentário de Albert Barnes

E concordaram com ele. Grego: Eles foram “persuadidos” por ele; ou confiaram nele. Eles concordaram apenas no que dizia respeito ao seu projeto de matá-los. Eles abandonaram esse projeto. Mas eles “não” seguiram seu conselho de deixá-los inteiramente em paz.

tendo os açoitado. A quantidade usual de “chicotadas” que eram infligidas aos infratores era 39, 2Coríntios 11:24. “Bater”, ou “chicotear”, era um modo comum de punir ofensas menores entre os judeus. Foi expressamente predito pelo Salvador que os apóstolos seriam submetidos a isso, Mateus 10:17. A razão pela qual eles não adotaram o conselho de Gamaliel completamente, sem dúvida, foi que, se o fizessem, temiam que sua “autoridade” fosse desprezada pelo povo. Eles haviam ordenado que não pregassem; eles os ameaçaram Atos 4:18; Atos 5:28; eles os aprisionaram Atos 5:18 ; e agora, se eles os deixassem sem a “aparência” de punição, sua autoridade, eles temiam, seria desprezada pela nação, e seria suposto que os apóstolos tivessem triunfado sobre o Sinédrio. É provável, também, que eles estivessem tão indignados, que não pudessem deixá-los ir sem a gratificação de submetê-los ao ódio público de um “chicote”. As pessoas, se não puderem cumprir seus propósitos completos de malignidade contra o evangelho, aceitarão até mesmo algum aborrecimento e malignidade mesquinhos em vez de deixá-los de lado. [Barnes, aguardando revisão]

41 Então eles saíram da presença do supremo conselho, alegres por terem sido considerados dignos de serem humilhados por causa do nome dele.

Comentário de David Brown

alegres por terem sido considerados dignos de serem humilhados por causa do nome dele – “pensamento digno de Deus para ser desonrado pelo homem” (Mateus 5:12, 1Pedro 4:14,16) (Webster e Wilkinson). Este foi o primeiro gosto deles de perseguição, e pareceu doce para o Seu amor, de quem eram os discípulos. [JFB, aguardando revisão]

42 E todos os dias no Templo, e pelas casas, não paravam de ensinar e de anunciar a Jesus Cristo.

Comentário de E. H. Plumptre

E todos os dias no Templo. Provavelmente, como antes, no Pórtico de Salomão; o capitão do Templo agora agindo de acordo com a resolução que acabava de tomar, e deixando o movimento seguir seu curso sem interrupção.

e pelas casas. Melhor, como em Atos 2:46, em casa: em seu lugar, ou, pode ser, lugares de reunião.

ensinar e de anunciar a Jesus Cristo. Melhor, ensinar e declarar as boas novas de Jesus Cristo. A palavra para “pregar” é literalmente “evangelizar”, como em Atos 8:4; Atos 8:12; Atos 8:25; Romanos 10:15 e em outros lugares.

À medida que os principais membros do Sinédrio desaparecem de cena neste estágio, pode ser bom observar a sorte posterior daqueles que foram proeminentes até este ponto da história. (1) Anás viveu para ver cinco de seus filhos preencherem o cargo de sumo sacerdote (Jos. Ant. xx. 9, § 1); mas sua velhice foi obscurecida pelos tumultos levantados pelos zelotes sob João de Gischala, no reinado de Vespasiano, e antes de morrer o santuário foi ocupado por eles, e tornou-se de fato um “covil de ladrões” (Jos. Wars , IV. 3, § 7). (2) José, de sobrenome Caifás, seu genro, que devia sua nomeação a Gratus (Jos. Ant. xviii. 2, § 2), foi deposto pelo Procônsul Vitélio, 36 AD (Jos. Ant. xviii. 4, § 3), e desaparece da história. (3) Sobre João e Alexandre, veja Notas sobre Atos 4:6. (4) Gamaliel, que não é mencionado por Josefo, continuou a presidir o Sinédrio sob Calígula e Cláudio, e diz-se que morreu dezoito anos antes da destruição de Jerusalém e sancionou o Anátema, ou “Oração contra os hereges”. , elaborado por Samuel, o Pequeno (Lightfoot, Cent. Chorograph, c. 15). As tradições cristãs, entretanto, o representam como tendo sido secretamente discípulo de Cristo (Pseudo-Clemente, Recogn. i. 65), e ter sido batizado por Pedro e Paulo, com Nicodemos, que é representado como seu sobrinho, e seu filho Abibas (Fócio Cod. 171, p. 199). Em uma história lendária, pretendendo vir de um sacerdote da Síria, chamado Lucian, aceito por Agostinho, ele aparece como tendo enterrado Estêvão e outros cristãos, e ter sido enterrado ele mesmo no mesmo sepulcro com o Protomártir e Nicodemos em Caphar-algama (agosto. de Civ. Dei xvii. 8, Serm. 318). Mais tarde, os rabinos olharam para ele como o último dos grandes mestres ou rabinos, e notaram que até seu tempo os homens ensinavam a Lei de pé, enquanto depois se sentavam. A glória da Lei, disseram eles, tinha partido com Gamaliel. [Plumptre, aguardando revisão]

<Atos 4 Atos 6>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.