Atos 19

1 E enquanto Apolo estava em Corinto, aconteceu que, tendo Paulo passado por todas as regiões altas, ele veio a Éfeso; e achando ali alguns discípulos,

Comentário de David Brown

E enquanto Apolo estava em Corinto – onde seu ministério era tão poderoso que um partido formidável na Igreja daquela cidade glorificava em seu tipo de pregação em preferência a Paulo (1Coríntios 1:123:4), sem dúvida da infusão marcante da cultura filosófica grega que a distinguia, e que o apóstolo evitava cuidadosamente (1Coríntios 2:1-5).

Paulo tendo passado pelas costas superiores – “partes”, o interior da Ásia Menor, que, com referência ao litoral, foi elevado.

veio a Éfeso – cumprindo assim a sua promessa (Atos 18:21).

achando ali alguns discípulos – no mesmo estágio do conhecimento cristão como Apolo a princípio, recém-chegado, provavelmente, e ainda não tendo comunicação com a igreja em Éfeso. [JFB, aguardando revisão]

2 Disse-lhes: Vós já recebestes o Espírito Santo desde que crestes? E eles lhe disseram: Nós nem tínhamos ouvido falar que havia Espírito Santo.

Comentário de David Brown

Vós já recebestes o Espírito Santo desde que crestes? – antes, “Recebestes o Espírito Santo quando crestes?” Implicando, certamente, que aquele não necessariamente carregava o outro junto com ele (ver em Atos 8:14-17). Por que essa pergunta foi feita, não podemos dizer; mas foi provavelmente em consequência de algo que passou entre eles, do qual o apóstolo foi levado a suspeitar da imperfeição de sua luz.

Nós nem tínhamos ouvido falar que havia Espírito Santo – Este não pode ser o significado, uma vez que a personalidade e o ofício do Espírito Santo, em conexão com Cristo, formaram um assunto especial dos ensinamentos do Batista. Literalmente, as palavras são: “Nem ouvimos se o Espírito Santo foi (dado)”; ou seja, no momento de seu batismo. Que a palavra “dado” é o suplemento correto, como em Jo 7:39, parece claro a partir da natureza do caso. [JFB, aguardando revisão]

3 E ele lhes disse: Em que vós fostes batizados? E eles disseram: No batismo de João.

Comentário de E. H. Plumptre

E ele lhes disse: Em que vós fostes batizados? ‘Para que – como objeto de fé e confissão – então fostes batizados?’ pois é claro por suas próprias palavras que você não foi batizado, para usar a própria expressão de seu mestre John, ‘com o Espírito Santo’ (ver Mateus 3:11). Paulo bem sabia que a fé desses discípulos do precursor era, na melhor das hipóteses, uma fé muito imperfeita, e que o batismo de João era apenas um rito imperfeito.

E eles disseram: No batismo de João. Eles foram batizados na fé em um Messias vindouro – um Messias que já estava na terra – com uma confissão também da necessidade de arrependimento. Mas seu conhecimento dos efeitos de Seus sofrimentos, da obra do precioso sangue, era muito vago, muito incerto, e da presença e obra do Espírito Santo eles confessaram que nada sabiam. [Plumptre, aguardando revisão]

4 Então Paulo disse: João verdadeiramente batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cressem naquele que viria após ele, isto é, em Jesus Cristo.

Comentário de David Brown

Então disse Paulo, João … batizado com o batismo de arrependimento – água para arrependimento.

dizendo ao povo que cressem naquele que viria após ele, isto é, que batizou com o Espírito Santo. O ponto de contraste não é entre João e Cristo, mas entra no batismo na água de João para o arrependimento e o batismo do Espírito pelas mãos da sua vinda, Mestre para uma nova vida. Quanto a todos os fatos, ou pelo menos a significância deste batismo, que fez toda a vida e obra de Cristo outra coisa do que foi concebida antes de ser concedida, esses simples discípulos não eram iluminados. [JFB, aguardando revisão]

5 Ao ouvirem isto, eles foram batizados no nome do Senhor Jesus.

Comentário Whedon

eles foram batizados. Temos aqui uma prova inquestionável de um rebatismo; isto é, discípulos de João que já haviam sido batizados, agora são batizados na fé de Jesus. [Whedon, 1874]

6 E Paulo, impondo-lhes as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam em línguas, e profetizavam.

Comentário Dummelow

impondo-lhes as mãos. Como em Atos 8, o Espírito Santo foi dado, não na imersão do batismo, mas na imposição de mãos que veio depois.

e profetizavam. Compare com Atos10:46, “ouviam falar em diversas línguas, e a engrandecer a Deus”. [Dummelow, 1909]

7 E todos os homens eram cerca de doze.

Comentário de Phillip Schaff

Assim, fora da história desta fundação da Igreja primitiva, esses homens que se apresentaram tão abruptamente desapareceram como de repente. O pequeno episódio é apresentado para mostrar como grupos de homens que estavam ligados a uma forma evidentemente difundida, mas imperfeita de cristianismo foram conquistados pela pregação de Paulo e sua escola, e incorporados nas fileiras da verdadeira Igreja do Senhor Jesus. O que aconteceu em Éfeso no caso de Apolo e deste pequeno grupo solitário de seguidores do Batista, foi simplesmente um exemplo do que estava acontecendo constantemente em outros centros da nova fé. [Schaff, aguardando revisão]

8 E ele, entrando na sinagoga, falava ousadamente durante três meses, disputando e persuadindo as coisas do Reino de Deus.

Comentário de J. R. Lumby

E ele, entrando na sinagoga. Como o incidente dos discípulos de João é mencionado antes de qualquer outra coisa, parece provável que Paulo os tenha encontrado entre os poucos irmãos cristãos em Éfeso, e começou a ensiná-los antes de começar suas visitas à sinagoga.

falava ousadamente durante três meses. Indo para lá, isto é, em todas as ocasiões de serviço religioso, e assim dando a seus irmãos de Israel uma plena oportunidade de ouvir todo o seu raciocínio e indagar se o que ele ensinava estava de acordo com as Escrituras. A permanência mais longa com eles, que eles pediram (Atos 18:20) em sua visita anterior, não parece ter ganhado mais adeptos entre os judeus. Talvez ele tenha notado quando o pedido foi feito que não foi com grande fervor. Caso contrário, não é próprio do Apóstolo passar por uma porta aberta. [Lumby, aguardando revisão]

9 Mas quando alguns se endureceram, e não creram, e falando mal do Caminho diante da multidão, ele se desviou deles; e separou aos discípulos, disputando a cada dia na escola de um certo Tirano.

Comentário de David Brown

quando mergulhadores – “alguns”.

se endureceram… – implicando que outros, provavelmente um grande número, acreditavam.

falou o mal daquele caminho diante da multidão, ele partiu – da sinagoga, como em Corinto (Atos 18:7).

e separou aos discípulos – retirando-os para um lugar separado de reunião, por causa dos conversos já feitos e da multidão não sofisticada.

disputando – “discursar” ou “discutir”.

diariamente na escola – ou sala de aula.

de um certo Tirano – provavelmente um professor  de retórica ou filosofia convertido. [JFB, aguardando revisão]

10 E isto aconteceu durante dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia tinham ouvido a palavra do Senhor Jesus, tanto judeus como gregos.

Comentário de David Brown

dois anos – além dos três primeiros meses. Veja em Atos 20:31. Mas durante uma parte deste período, ele deve ter feito uma segunda visita não registrada a Corinto, visto que a próxima registrada (ver em Atos 20:2-3) é duas vezes chamada sua terceira visita (2Coríntios 12:1413:1). Veja em 2Coríntios 1:15-16, o que pode parecer inconsistente com isso. A passagem era bem curta (veja em Atos 18:19) – No final desta longa estada em Éfeso, como aprendemos em 1Coríntios 16:8, ele escreveu sua Primeira Epístola aos Coríntios; também (embora nesta opinião estejam divididas) a Epístola aos Gálatas. (Veja a Introdução aos Primeiros Coríntios e veja a Introdução aos Gálatas). E assim como em Corinto, seu maior sucesso foi depois de sua retirada para um lugar separado de reunião (Atos 18:7-10), assim em Éfeso.

de modo que todos os que habitavam – a província romana de

Ásia tinham ouvido a palavra do Senhor Jesus, tanto judeus como gregos – Esta é a “porta grande e eficaz aberta a ele” enquanto morava em Éfeso (1Coríntios 16:9), o que o induziu a tornar-se sua sede por tanto tempo período. O caráter infatigável e variado de seus trabalhos aqui é melhor visto em seu próprio endereço subsequente aos élderes de Éfeso (Atos 20:17, etc.). E assim Éfeso tornou-se o “centro eclesiástico para toda a região, como de fato permaneceu por um período muito longo” (Baumgarten). Surgiram igrejas em Colossos, Laodiceia e Hierápolis ao leste, seja através de seus próprios trabalhos ou de seus fiéis ajudantes, que ele enviou em diferentes direções, Epafras, Arquipo, Filemon (Colossenses 1:74:12-17; Filemom 1:23). [JFB, aguardando revisão]

11 E Deus fazia milagres extraordinários pelas mãos de Paulo,

Comentário de Phillip Schaff

Extraordinários, incomuns, porque eles foram realizados sem a agência pessoal e não na presença do apóstolo. Uma expressão semelhante é usada por Longinus ao aludir a Moisés como “nenhum homem comum” (οὐχ ὁ τυχοὶν ἀνήρ). Não temos registro de nenhum milagre realizado por Paulo desde que ele curou o escravo possesso pela primeira vez em Filipos, cerca de cinco anos antes (veja Atos 16:18). Quais foram esses milagres incomuns é detalhado no próximo versículo. [Schaff, aguardando revisão]

12 De tal maneira que até os lenços e aventais de seu corpo eram levados aos enfermos, e as doenças os deixavam, e os espíritos malignos saíam deles.

Comentário de David Brown

De tal maneira que até os lenços e aventais de seu corpo eram levados aos enfermos… – Compare Atos 5:15-16, muito diferente dos atos mágicos praticados em Éfeso. “Deus operou esses milagres” meramente “pelas mãos de Paulo”; e os próprios exorcistas (Atos 19:13), observando que o nome de Jesus era o segredo de todos os seus milagres, esperavam, ao imitá-lo nisto, ser igualmente bem-sucedidos; enquanto o resultado de todos na “magnificação do Senhor Jesus” (Atos 19:17) mostrou que, ao trabalhar neles, o apóstolo teve o cuidado de sustentar Aquele a quem ele pregava como a fonte de todos os milagres que ele operou. [JFB, aguardando revisão]

13 E alguns exorcistas dos judeus, itinerantes, tentaram invocar o nome do Senhor Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Nós vos repreendemos por Jesus, a quem Paulo prega.

Comentário de David Brown

judeus, itinerantes – simplesmente, “judeus errantes”, que iam de um lugar para outro praticando exorcismo, ou a arte de conjurar espíritos malignos para se afastar dos possuídos. Que tal poder existiu, pelo menos por algum tempo, parece implicado em Mateus 12:27. Mas sem dúvida isso geraria impostura; e o presente caso é muito diferente daquele mencionado em Lucas 9:49-50.

Nós vos conjuramos por Jesus a quem Paulo pregou – um testemunho notável do poder do nome de Cristo na boca de Paulo. [JFB, aguardando revisão]

14 E eram sete filhos de Ceva, judeu, chefe dos sacerdotes, os que faziam isto.

Comentário de David Brown

sete filhos de… Sceva… chefe dos sacerdotes – cabeça, possivelmente, de um dos vinte e quatro tribunais. [JFB, aguardando revisão]

15 Mas o espírito maligno respondeu: Eu conheço Jesus, e sei quem é Paulo; mas vós, quem sois?

Comentário de David Brown

o espírito maligno respondeu, Jesus eu sei – “reconheça”.

e Paul eu sei – “conhecer intimamente”, em contraste com eles, a quem ele renega completamente.

mas quem és tu? [JFB, aguardando revisão]

16 E o homem em quem estava o espírito maligno saltou sobre eles, e dominando-os, foi mais forte do que eles; de tal maneira que eles fugiram nus e feridos daquela casa.

Comentário de David Brown

E o homem em quem estava o espírito maligno – Marque a linha clara de demarcação aqui entre “o espírito maligno que respondeu e disse” e “o homem em quem o espírito maligno estava”. A realidade de tais posses não poderia ser mais claramente expressa. .

saltaram sobre eles… para que fugissem… nus e feridos – Isto foi tão aterrador um testemunho de uma só vez contra aqueles impostores profanos e a favor de Paulo e do Mestre que ele pregou, que não nos perguntamos se ele se espalhou para “todos os judeus e Gregos em Éfeso, que o medo caiu sobre eles ”, e que“ o nome do Senhor Jesus foi engrandecido ”. [JFB, aguardando revisão]

17 E isto se fez conhecido a todos que habitavam em Éfeso, tanto a judeus como a gregos; e caiu temor sobre todos eles; e assim foi engrandecido o nome do Senhor Jesus.

Comentário de J. R. Lumby

E isto se fez conhecido a todos. Foi sem dúvida uma divulgação gradual da história. Podemos ter certeza de que os “filhos de Ceva” pouco falaram sobre isso.

que habitavam em Éfeso, tanto a judeus como a gregos. A Versão Autorizada não apresenta “judeus e gregos” como explicação do “todos” anterior, que está no original. Os exorcistas eram abundantes em Éfeso, e o evento seria visto como um aviso.

e caiu temor sobre todos eles; e assim foi engrandecido o nome do Senhor Jesus. O “temor” foi o primeiro sentimento e o que mais prevaleceu, pois tocaria todos os que ouvissem a história; a engrandecimento do Senhor Jesus foi o efeito posterior produzido entre aqueles a quem Jesus estava se tornando conhecido e adorado. [Lumby, aguardando revisão]

18 E muitos dos que criam vinham, confessando e declarando as suas atitudes.

Comentário de David Brown

muitos que acreditaram vieram e confessaram … seus atos – os ingênuos dos magos, etc., reconhecendo quão vergonhosamente haviam sido iludidos, e quão profundamente eles se permitiram estar implicados em tais práticas. [JFB, aguardando revisão]

19 Também muitos dos que praticavam ocultismo trouxeram seus livros, e os queimaram na presença de todos; e calcularam o preço deles, e acharam que custavam cinquenta mil moedas de prata.

Comentário de David Brown

Muitos deles… que usavam artes curiosas – A palavra significa coisas “exageradas”; significativamente aplicado às artes em que praticantes laboriosos mas sem sentido são praticados.

trouxe seus livros – contendo os formulários místicos.

e os queimaram na presença de todos – O tempo, aqui usado graficamente, expressa o progresso e a continuação da conflagração.

contei o preço … e achei cinquenta mil moedas de prata – cerca de US $ 10 mil (presumindo que fosse a dracma). Pela sua natureza, eles seriam caros, e os livros então teriam um valor acima de qualquer padrão com o qual estamos familiarizados. A cena deve ter sido lembrada por muito tempo em Éfeso, como uma forte prova de convicção honesta por parte dos feiticeiros e um impressionante triunfo de Jesus Cristo sobre os poderes das trevas. Os obreiros do mal eram humilhados, como os sacerdotes de Baal no Carmelo, e a palavra de Deus crescia e prevalecia poderosamente (Howson). [JFB, aguardando revisão]

20 Assim a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente.

Comentário de Albert Barnes

a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente. Tinha tanta eficácia e poder nesta cidade perversa. Esse poder deve ter sido poderoso, o que os faria desejar não apenas deixar de praticar a imposição, mas desistir de todas as esperanças de ganhos futuros e destruir suas propriedades. Sobre esta narrativa instrutiva podemos observar:

(1) Essa religião tem poder para quebrar o domínio dos pecadores sobre meios de vida injustos e desonestos.

(2) que aqueles que se envolveram em uma prática não cristã e desonrosa a abandonarão quando se tornarem cristãos.

(3) que sua aversão ao seu caminho anterior será e deve ser expressa tão publicamente quanto a ofensa.

(4) que a prática do mal será abandonada a qualquer sacrifício, por maior que seja. A questão será: o que é certo; não o que vai custar. A propriedade, na visão de um homem convertido, não é nada quando comparada com uma boa consciência.

(5) esta conduta daqueles que usaram artes curiosas nos mostra o que deve ser feito por aqueles que estiveram envolvidos em qualquer caminho maléfico da vida e que depois são convertidos. Se o que fizeram quando foram convertidos estava certo – e quem pode duvidar disso? – isso estabelece um grande princípio sobre o qual os jovens convertidos devem agir. [Barnes, aguardando revisão]

21 E quando se cumpriram estas coisas, Paulo propôs em espírito que, passando pela Macedônia e Acaia, ir até Jerusalém, dizendo: Depois de eu estar lá, também tenho que ver Roma.

Comentário de David Brown

E quando se cumpriram estas coisas – completadas, implicando algo como um acabamento natural para seu longo período de trabalho em Éfeso.

Paulo propôs … quando ele passou pela Macedônia e Acaia, para ir a Jerusalém … Depois de ter estado lá, eu também devo ver Roma – Marque aqui a vastidão dos planos missionários do apóstolo. Eles foram todos cumpridos, embora ele “viu Roma” apenas como um prisioneiro. [JFB, aguardando revisão]

22 E ele, tendo enviado à Macedônia dois daqueles que o serviam, Timóteo e Erasto, ele ficou por algum tempo na Ásia.

Comentário de David Brown

Timóteo e Erasto – como seus pioneiros, em parte para “lembrá-los dos seus caminhos que estavam em Cristo” (1Coríntios 4:17; 1Coríntios 16:10), em parte para transmitir sua mente sobre vários assuntos. Depois de uma breve estada, ele voltaria (1Coríntios 16:11). É muito improvável que este Erasto fosse “o camareiro da cidade” de Corinto, desse nome (Romanos 16:23).

ele mesmo ficou em – a província de

por algum tempo na Ásia – isto é, em Éfeso, sua principal cidade. (A Ásia é mencionada em contraste com a Macedônia na sentença anterior). [JFB, aguardando revisão]

23 Mas naquele tempo aconteceu um não pequeno alvoroço quanto ao Caminho.

Comentário de Phillip Schaff

um não pequeno alvoroço quanto ao Caminho. ‘O caminho’ parece ter sido um termo na fraseologia cristã dos primeiros dias usado familiarmente como um termo que significa os discípulos de Cristo (veja Atos 9:2, Atos 19:9, Atos 22:4, Atos 24:14; Atos 24:22). Plumptre sugere com grande força que este ‘nome’ para os discípulos ou sua religião se originou nas palavras em que Cristo afirmou ser o próprio ‘Caminho’, bem como a ‘Verdade’ e a ‘Vida’, ou em Sua linguagem quanto ao caminho estreito que conduz à vida eterna; ou talvez novamente à profecia de Isaías 40:3, citada pelo Batista, Mateus 3:3, Marcos 1:3, como preparar o ‘caminho’ do Senhor. Antes da aceitação geral do termo “cristão”, ele servia como uma conveniente designação mútua pela qual os discípulos podiam se descrever e que poderia ser usada por outros que desejassem falar respeitosamente da “irmandade”. Muitos evidentemente o preferiram ao epíteto opróbrio dos “Nazarenos”. [Schaff, aguardando revisão]

24 Porque um certo artífice de prata, de nome Demétrio, que fazia objetos de prata para o templo de Diana, e dava não pouco lucro aos artesãos.

Comentário de David Brown

santuários de prata para – “de”

Diana – modelos pequenos do templo efésico e do santuário ou capela da deusa, ou apenas do santuário e da estátua, que foram comprados pelos visitantes como memoriais do que eles tinham visto, e foram levados e depositados em casas como um encanto. . (Os modelos da capela de Nossa Senhora de Loretto, e coisas semelhantes, que a Igreja de Roma sistematicamente encoraja, são uma imitação tão palpável desta prática pagã que não é de admirar que deva ser considerada por juízes imparciais como o cristianismo paganizado).

ganho para os artesãos – os mestres artífices. [JFB, aguardando revisão]

25 Aos quais, tendo os reunido com os trabalhadores de semelhantes coisas, disse: Homens, vós sabeis que deste ofício temos nossa prosperidade.

Comentário de David Brown

Aos quais, tendo os reunido com os trabalhadores de semelhantes coisas – em vez disso, “com os operários (ou fabricantes) de tais artigos”, significando os artesãos empregados pelos artífices-mestres, todos os que fabricavam qualquer tipo de memorial do templo e sua adoração por ele. venda. [JFB, aguardando revisão]

26 E vós estais vendo e ouvindo que este Paulo, não somente em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, tem persuadido e apartado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que são feitos com as mãos.

Comentário de David Brown

estais vendo e ouvindo – As evidências disto eram para ser vistas, e o relato disto estava na boca de todos.

que não está sozinho em Éfeso, mas em quase toda a Ásia, este Paulo tem … rejeitado muitas pessoas – nobre testemunho disso até o ponto da influência de Paulo!

dizendo que não são deuses os que são feitos com as mãos – A crença universal do povo era que eles eram deuses, embora os mais inteligentes os considerassem apenas como habitações da Deidade, e alguns, provavelmente, como meros auxílios à devoção. É exatamente assim na Igreja de Roma. [JFB, aguardando revisão]

27 E não somente há perigo de que isto torne nosso ofício em desprezo, mas também que até o tempo da grande deusa Diana seja considerado inútil, e que a grandiosidade dela, a quem toda a Ásia e o mundo venera, venha a ser destruída.

Comentário de David Brown

mas, etc. – isto é, “que de fato é uma questão pequena; mas há algo muito pior. ”Assim, os mestres da pobre pitonisa propuseram a revolução religiosa que Paulo estava tentando efetuar em Filipos, como a única causa de seu zelo alarmante, para encobrir o interesse próprio que sentiam ser tocado. pelo seu sucesso (Atos 16:19-21). Em ambos os casos, o zelo religioso era o pretexto hipócrita; interesse próprio, a verdadeira causa em movimento da oposição feita.

também o templo da grande deusa Diana … desprezado e sua magnificência … destruída, a quem toda a Ásia e o mundo adoram – Foi considerada uma das maravilhas do mundo. Foi construído cerca de 550 b.c., de mármore branco puro, e embora queimado por um fanático na noite do nascimento de Alexandre, o Grande, 356 b.c., foi reconstruído com mais esplendor do que antes. Tinha quatrocentos e vinte e cinco pés de comprimento por duzentos e vinte de largura, e as colunas, cento e vinte e sete em número, eram sessenta pés de altura, cada um deles o dom de um rei, e trinta e seis deles enriquecidos com ornamento e cor. Constantemente recebia novas condecorações e novos edifícios, estátuas e quadros dos artistas mais celebrados, e suscitava admiração, entusiasmo e superstição incomparáveis. Seu site é agora uma questão de incerteza. A pequena imagem de madeira de Diana era tão primitiva e rude quanto seu santuário era suntuoso; não como a Diana grega, na forma de uma caçadora imponente, mas bastante asiática, na forma de uma fêmea com muitos peitos (emblemática das múltiplas ministrações da Natureza para o homem), terminando em um bloco disforme. Como alguns outros ídolos famosos, acredita-se que ele tenha caído do céu (Atos 19:35), e modelos dele não foram vendidos apenas em números imensos a pessoas privadas, mas estabelecidos para adoração em outras cidades (Howson). Que poder deve ter assistido à pregação daquele homem pelo qual se sentiu o golpe de morte a ser dado à sua superstição gigantesca e encantadora! [JFB, aguardando revisão]

28 E eles, ao ouvirem estas coisas ,encheram-se de ira, e clamaram, dizendo: Grande é a Diana dos efésios!

Comentário de David Brown

Grande é a Diana dos efésios – o clamor cívico de uma população tão orgulhosa do seu templo que eles se recusaram a inscrever nela o nome de Alexandre, o Grande, embora ele lhes oferecesse todo o espólio de sua campanha oriental se o fizessem [Estrabão em Howson]. [JFB, aguardando revisão]

29 E toda a cidade se encheu de tumulto, e em concordância eles invadiram ao teatro, tomando consigo Gaio e Aristarco, macedônios, companheiros de Paulo na viagem.

Comentário de David Brown

tomando consigo Gaio e Aristarco – decepcionado de Paulo, como em Tessalônica (Atos 17:5-6). Eles são mencionados em Atos 20:427:2; Romanos 16:23; 1Coríntios 1:14; e provavelmente 3João 1:1. Se foi na casa de Áquila e Priscila que ele encontrou um asilo (veja 1Coríntios 16:9), isso explicaria Romanos 16:3-4, onde ele diz que “para sua vida eles estabeleceram seus próprios pescoços ”(Howson).

correu … para o teatro – uma vasta pilha, cujas ruínas são agora mesmo um naufrágio de imensa grandeza [Sir C. Fellowes, Asia Menor, 1839]. [JFB, aguardando revisão]

30 E Paulo, querendo comparecer diante do povo, os discípulos não o permitiram.

Comentário de David Brown

quando Paulo teria entrado – com nobre esquecimento de si mesmo.

ao povo – as demonstrações, isto é, o povo se reunia em assembléia pública.

os discípulos não o permitiram – O tempo usado implica apenas que eles estavam usando seus esforços para contê-lo; que poderia ter sido inútil, mas para o que se segue. [JFB, aguardando revisão]

31 E também alguns dos líderes da Ásia, que eram amigos dele, enviaram-lhe aviso , rogando -lhe para que não se apresentasse no teatro.

Comentário de David Brown

E também alguns dos líderes da Ásia – literalmente, “e certos também dos asiarcas”. Estes eram cidadãos ricos e distintos das principais cidades da província asiática, escolhidos anualmente, e dez deles foram selecionados pelo procônsul para presidir a jogos celebrados no mês de maio (o mesmo mês que o romanismo dedica à Virgem). Era um escritório da mais alta honra e muito cobiçado. Alguns destes, ao que parece, estavam favoravelmente inclinados ao Evangelho, pelo menos eram os “amigos” de Paulo, e conhecendo as paixões de uma multidão, excitada durante os festivais, “enviou (uma mensagem) a ele desejando que ele não se aventurasse a si mesmo no teatro ”. [JFB, aguardando revisão]

32 Então gritavam, alguns de uma maneira, outros de outra; porque a aglomeração estava confusa; e a maioria não sabia por que causa estavam aglomerados.

Comentário de E. H. Plumptre

Então gritavam, alguns de uma maneira, outros de outra. O caráter gráfico de toda a narrativa torna quase certo que deve ter vindo de uma testemunha ocular, ou possivelmente de mais de uma. Aristarco ou Gaio, que viajou para Jerusalém com Lucas (Lucas 20:4), e estava com ele também em Roma, pode ter lhe contado toda a história da cena na qual eles tiveram um papel tão proeminente. Possivelmente, também, seguindo a dica lançada na Nota sobre Atos 19:12, podemos pensar em Tirano como tendo escrito um relatório do tumulto para Lucas. As duas conjunções traduzidas “portanto” (melhor, então) parecem levar a narrativa de volta ao que estava acontecendo no teatro, após o relato entre parênteses do que estava acontecendo entre o apóstolo, os discípulos e os asiarcas fora dele.

porque a aglomeração estava confusa. Não é sem interesse notar que a palavra grega para aglomeração é ecclesia, com a qual estamos tão familiarizados quando aplicada à Igreja de Cristo. Estritamente falando, como o escrivão da cidade tem o cuidado de apontar (Atos 19:39), essa multidão não era uma ecclesia, mas a palavra passou a ser usada vagamente. [Plumptre, aguardando revisão]

33 E tiraram da multidão a Alexandre, os judeus o pondo para a frente. E Alexandre, acenando com a mão, queria se defender ao povo.

Comentário de David Brown

E tiraram da multidão a Alexandre, os judeus o pondo para a frente – em vez disso, “alguns da multidão incitaram Alexandre, os judeus o empurraram para a frente”. Como a culpa de tal tumulto seria naturalmente jogada sobre os judeus, que eram considerados pelos romanos, como autores de todas as perturbações religiosas, eles parecem ter proposto esse homem para eliminá-los de toda a responsabilidade pelo tumulto. (A conjectura de Bengel, de que este era Alexandre, o latoeiro, 2Timóteo 4:14, tem pouco apoio para isso).

acenou com a mão – compare Atos 13:1621:40.

teria feito a sua defesa – “se ofereceu para falar em defesa”. [JFB, aguardando revisão]

34 Mas ao saberem que ele era judeu, levantou-se uma voz de todos, clamando por cerca de duas horas: Grande é a Diana dos efésios!

Comentário de David Brown

A própria aparência de um judeu teve o efeito oposto ao pretendido. Para impedi-lo de obter uma audiência, eles afogaram sua voz em um grito tumultuoso em homenagem a sua deusa, que se elevou a um entusiasmo tão frenético quanto levou duas horas para se exaurir. [JFB, aguardando revisão]

35 E o escrivão, tendo apaziguado a multidão, disse: Homens efésios, quem não sabe que a cidade dos efésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu do céu?

Comentário de David Brown

quando o funcionário da cidade – guardião dos arquivos públicos, e um magistrado de grande autoridade.

tinha apaziguado – “acalmou”.

as pessoas – “a multidão”, que a própria presença de tal oficial iria longe para fazer.

ele disse … o que o homem … não sabe que a cidade dos efésios é uma adoradora da grande deusa Diana – literalmente, o neocoros ou “diretor”. A palavra significa “varredor do templo”; depois, “guardião do templo”. Treze cidades da Ásia tinham interesse no templo, mas Éfeso foi honrado com a acusação. (Várias cidades reivindicaram este título com referência à Virgem ou a certos santos) (Webster e Wilkinson).

e da imagem que desceu do céu Veja em Atos 19:27. “Com isso, podemos comparar várias lendas relativas a imagens e imagens na Igreja Romana, como as semelhanças tradicionais de Cristo, que foram ditas“ não feitas por mãos ”(Webster e Wilkinson). [JFB, aguardando revisão]

36 Portanto, sendo que estas coisas não podem ser contraditas, vós deveis vos acalmar, e nada façais precipitadamente;

Comentário de David Brown

sendo que estas coisas não podem ser contraditas… – Como um verdadeiro homem legal, ele insiste que tal era notoriamente a constituição e o caráter fixo da cidade, com os quais sua própria existência estava praticamente ligada. Eles supunham que tudo isso seria derrubado por um conjunto de oradores itinerantes? Ridículo! O que eles quis dizer, então, levantando tal agitação? [JFB, aguardando revisão]

37 Porque vós trouxestes aqui estes homens, que nem são sacrílegos, nem blasfemam de vossa deusa.

Comentário de David Brown

No templo de Éfeso havia uma grande câmara do tesouro, e como tudo o que havia sido colocado sob a tutela da deusa Diana, roubar de tal lugar seria um sacrilégio (Atos 19:37). [Easton, Robbery]

Pois trouxestes aqui estes homens que não são ladrões de igrejas – saqueadores do templo ou pessoas sacrílegas.

nem blasfemam de vossa deusa – Este é um testemunho notável, mostrando que o apóstolo, ao pregar contra a idolatria, evitou cuidadosamente (como em Atenas) insultar os sentimentos daqueles a quem ele se dirigia – uma lição para os missionários e ministros em geral. [JFB, aguardando revisão]

38 Então se Demétrio e os artesãos que estão com ele tem algum assunto contra ele, os tribunais estão abertos, e há procônsules; que se acusem uns aos outros.

Comentário de David Brown

se Demetrius tiver um problema – de reclamação.

contra qualquer homem, a lei é aberta – em vez disso, “os dias da corte estão sendo mantidos”.

e há procônsules – literalmente “procônsules” (ver em Atos 13:7); isto é, provavelmente, o procônsul e seu conselho, como um tribunal de apelação. [JFB, aguardando revisão]

39 E se procurais alguma outra coisa, será decidido em uma reunião legalizada.

Comentário de Albert Barnes

E se procurais. Se você procurar determinar quaisquer outros assuntos que não sejam relativos ao suposto erro que Demetrius sofreu em seus negócios.

alguma outra coisa. Qualquer coisa que respeite os assuntos públicos; qualquer coisa referente ao governo e ao culto de Diana.

em uma reunião legalizada. Em uma assembléia convocada, não por tumulto e aglomeração, mas em conformidade com a lei. Esta foi uma assembléia tumultuada, e era apropriado do funcionário público exigir que eles se dispersassem; e que, havendo agravos públicos a serem sanados, isso seja feito em assembléia devidamente convocada. Pode-se observar aqui que a palavra original traduzida como assembléia é o que geralmente está na igreja traduzida no Novo Testamento – ἐκκλησία ekklēsia. É devidamente traduzido pela palavra “assembléia” – não denotando aqui “uma assembléia mista ou tumultuada, mas uma convocada ou convocada da maneira legal”. O significado apropriado da palavra é “o que é chamado”. “A igreja, a assembléia cristã ἐκκλησία ekklēsia dos fiéis”, é composta por aqueles que são chamados para fora do mundo. [Barnes, aguardando revisão]

40 Porque corremos perigo de que hoje sejamos acusados de rebelião, tendo causa nenhuma para dar como explicação para este tumulto.

Comentário de Arthur C. Hervey

de que hoje sejamos acusados de rebelião. O grego não pode ser assim interpretado. A margem está certa; ἐγκαλεῖσθαι στάσεως é “ser acusado de sedição”; περὶ τῆς σήμερον é para τῆς σήμερον ἡμέρας, “este dia”, como em Atos 20:26, τῇ σήμερον ἡμέρᾳ: somente em inglês devemos dizer, “por conta deste dia”, “por conta deste dia”, “por conta deste dia”. O Textus Recepitus coloca uma parada após μηδενὸς αἰτίου ὑπάχοντοςρ Ao tocá-lo. Mas “isso” deve significar “o motim”, que é feminino, enquanto οϋ é masculino; de modo que o Textus Recepitus é impossível de interpretar. É muito melhor, portanto, aderir ao Textus Receptus, que tem boa autoridade manuscrita, e interpretar como a Versão Autorizada pela Qual, equivalente a “no fundamento do qual” (Meyer). No que diz respeito ao grande tumulto a que se refere a narrativa anterior, é certo que Lucas não exagerou de forma alguma sua importância. Em sua Segunda Epístola aos Coríntios, escrita da Macedônia logo após sua partida de Éfeso, Paulo fala como alguém que ainda sofre com a gravidade de seus sofrimentos. Na linguagem da confiança, mas de uma confiança duramente provada, ele fala do Pai das misericórdias “que nos conforta em todas as nossas tribulações”. Ele fala dos sofrimentos de Cristo como abundantes nele. E então, referindo-se diretamente ao problema que lhe sobreveio na Ásia, ele diz: “Fomos pressionados acima da medida, acima da força, de modo que desesperamos até da vida; mas tínhamos a sentença de morte em nós mesmos, para que devêssemos não confiemos em nós mesmos, mas em Deus que ressuscita os mortos, que nos livrou de tão grande morte” (2Coríntios 1:4-10). E o mesmo tom irrompe novamente em 2Coríntios 4:7-18; 2Coríntios 6:4-10; 2Coríntios 11:23-27; 2Coríntios 12:9, 10. Também é muito provável que tenha sido nessa ocasião que Priscila e Áquila salvaram a vida de Paulo arriscando sua própria vida, à qual ele alude em Romanos 16:3, 4, escrito depois que ele chegou a Corinto. da Macedônia, ou seja, antes da Páscoa do ano Para que seja certo que o tumulto e o perigo para a vida de Paulo foram ainda maiores do que deveríamos ter inferido apenas da narrativa de Lucas. Deve-se acrescentar, com referência aos três anos de residência em Éfeso (Atos 20:21) que este décimo nono capítulo descreve, que um ou dois incidentes importantes que ocorreram não são relatados por Lucas. O primeiro é aquele encontro com uma ralé selvagem a que Paulo se refere em 1Coríntios 15:32, mas do qual não temos relato em Atos. Deve ter acontecido no início de sua estada em Éfeso. Outra é uma provável visita a Corinto, inferida de 2Coríntios 2:1; 2Coríntios 12:14, 21; 2Coríntios 13:1, 2; e pensado para ter sido causado por contas ruins do estado moral da Igreja de Corinto, enviadas a ele em Éfeso. Provavelmente foi uma visita apressada, e em contraste com isso ele diz, em 1Coríntios 16:7, com referência à sua próxima visita: “Não te verei agora, mas espero ficar um pouco com você” . Pensa-se também que houve outra carta aos Coríntios, escrita de Éfeso, logo após essa segunda visita, que agora está perdida, mas é aludida em 1Coríntios 5:9. A Primeira Epístola aos Coríntios foi manifestamente escrita nesta época de Éfeso (veja 1Coríntios 16:8, 19). Alguns pensam que a Epístola aos Gálatas também foi escrita de Éfeso, um pouco antes da Primeira Epístola aos Coríntios (ver 1Coríntios 16:1; Gálatas 2:10); mas Renan pensa que foi escrito em Antioquia, antes de chegar a Éfeso. [Hervey, aguardando revisão]

41 E tendo dito isto, despediu o ajuntamento.

Comentário de Daniel D. Whedon

despediu o ajuntamento. O movimento de Demetrius de repente falhou; sua vítima escapou, e a Igreja permaneceu intacta sob a lei romana. No entanto, por outro lado, a supremacia de Ártemis foi reafirmada, e o terreno perdido foi tão recuperado que Éfeso se sentiu tão unanimemente como sempre pagã e artemisiana. Mas as palavras diante das quais a religião, o ídolo e o templo deveriam desaparecer em ruínas foram ditas. O local onde ficava o edifício não pode ser identificado agora, e seus próprios materiais foram incorporados em algumas das igrejas da cristandade. [Whedon, aguardando revisão]

<Atos 18 Atos 20>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.