Bíblia

Atos dos Apóstolos

Introdução a Atos dos Apóstolos

Atos dos Apóstolos é o título dado ao quinto e último dos livros históricos do Novo Testamento.  No começo era chamado de “Os Atos”, “O Evangelho do Espírito Santo” e “O Evangelho da Ressurreição”. Ele não contém propriamente nenhum relato de nenhum dos apóstolos, exceto Pedro e Paulo. João é mencionado apenas três vezes; e tudo o que está registrado de Tiago, filho de Zebedeu, é sua execução por Herodes. É propriamente, portanto, não a história dos “Atos dos Apóstolos”, um título que foi dado ao livro em uma data posterior, mas de “Atos de Apóstolos”, ou mais corretamente, de “Alguns Atos de Determinados Apóstolos”.

Autor de Atos dos Apóstolos

No que diz respeito à sua autoria, foi certamente o trabalho de Lucas, o “médico amado” (comp. Lc 1:1-4; At 1:1). Esta é a tradição uniforme da antiguidade, embora o escritor em nenhum lugar faça menção de si mesmo pelo nome. O estilo e o idioma do Evangelho de Lucas e dos Atos e o uso de palavras e frases comuns a ambos reforçam essa opinião. O escritor aparece pela primeira vez na narrativa em At 16:11, e depois desaparece até o retorno de Paulo a Filipos dois anos depois, quando ele e Paulo deixaram aquele lugar juntos (At 20:6), e os dois daqui por diante foram companheiros constantes até o fim. Ele estava certamente com Paulo em Roma (At 28; Cl 4:14). Assim, ele escreveu uma grande parte dessa história a partir da observação pessoal. Para o que estava além de sua própria experiência, ele tinha a instrução de Paulo. Se, como é muito provável, 2 Timóteo foi escrito durante a segunda prisão de Paulo em Roma, Lucas estava com ele como seu fiel companheiro até o último (2Tm 4:11). De sua história posterior, não temos informações certas.

Propósito de Atos dos Apóstolos

O projeto para o Evangelho de Lucas era dar uma mostra do caráter e obra de Cristo como em sua história até ser levado dos seus discípulos para o céu; e dos Atos, como sua sequência, para dar uma ilustração do poder e funcionamento do evangelho quando pregado entre todas as nações, “começando em Jerusalém”. As frases iniciais dos Atos são apenas uma expansão e uma explicação das palavras finais do Evangelho. Neste livro, temos apenas uma continuação da história da igreja depois da ascensão de Cristo. Lucas aqui continua a história no mesmo espírito em que ele havia começado. É apenas um livro de origens, uma história da fundação de igrejas, os primeiros passos na formação da sociedade cristã nos diferentes lugares visitados pelos apóstolos. Ele registra um ciclo de “eventos representativos”.

Ao longo da narrativa, vemos o poder sempre presente e controlador do Salvador sempre vivo. Ele opera tudo e em todos, espalhando sua verdade entre os homens pelo seu Espírito e pela instrumentalidade de seus apóstolos.

Data em que foi escrito atos dos Apóstolos

O tempo da escrita desta história pode ser reunido a partir do fato de que a narrativa se estende até o final do segundo ano do primeiro encarceramento de Paulo em Roma. Não poderia, portanto, ter sido escrito antes de 61 ou 62 d.C, nem depois do final de 63 d.C. Paulo foi provavelmente morto durante seu segundo encarceramento, cerca de 64 d.C. ou, como alguns pensam, 66 d.C.

O lugar onde o livro foi escrito era provavelmente Roma, ao qual Lucas acompanhou Paulo.

Conteúdo de Atos dos Apóstolos

A chave do conteúdo do livro está em At 1:8: “Ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra”. Depois de se referir ao que havia sido registrado em um “antigo tratado” dos ditos e feitos de Jesus Cristo antes de sua ascensão, o autor passa a relatar as circunstâncias relacionadas àquele evento, e então registra os fatos principais com referência à difusão e triunfos do cristianismo sobre o mundo durante um período de cerca de trinta anos. O registro começa com o Pentecostes (33 d.C.) e termina com o primeiro encarceramento de Paulo (63 ou 64 a.C). Todo o conteúdo do livro pode ser dividido nestas três partes:

Atos 1 a 12 – Descreve os primeiros doze anos da igreja cristã. Esta seção foi intitulada “De Jerusalém a Antioquia”. Contém a história do plantio e extensão da igreja entre os judeus pelo ministério de Pedro.

Atos 13 a 21 – As viagens missionárias de Paulo, dando a história da extensão e plantação da igreja entre os gentios.

Atos 21 a 28 – Paulo em Roma e os eventos que levaram a isso. Os capítulos 13-28 foram intitulados “De Antioquia a Roma”.

Atos dos Apóstolos é digno de nota que nenhuma menção é feita à escrita por Paulo de qualquer de suas epístolas. Isso pode ser explicado pelo fato de que o escritor se limitou a uma história do plantio da igreja, e não àquela de seu treinamento ou edificação. A relação, no entanto, entre essa história e as epístolas de Paulo é de tal natureza, que traz à luz tantas coincidências não planejadas, a fim de provar a genuinidade e autenticidade de ambos, como é tão habilmente mostrado por Paley em sua Horae Paulinae. “Nenhum trabalho antigo oferece tantos testes de veracidade, pois nenhum outro tem tantos pontos de contato em todas as direções com a história, a política e a topografia contemporâneas, sejam elas judaicas, gregas ou romanas.” Lightfoot.

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary (Acts of the Apostles).