Bíblia, Revisar

Atos 16

1 E ele veio a Derbe e Listra; e eis que estava ali um certo discípulo, de nome Timóteo, filho de uma certa mulher judia crente, mas de pai grego.

Então ele veio para Derbe e Lystra; e eis que um certo discípulo estava lá – isto é, em Listra (não Derbe, como alguns concluem em At 20:4).

de nome Timóteo – (Veja em At 14:20). Como Paulo o denomina “seu próprio filho na fé” (1Tm 1:2), ele deve ter sido adquirido a Cristo na primeira visita do apóstolo; e como Paulo diz que ele “conheceu plenamente as suas perseguições que vieram sobre ele em Listra” (2Tm 3:10-11), ele pode ter estado naquele grupo de discípulos que cercaram o corpo aparentemente sem vida do apóstolo. fora dos muros de Listra, e que numa época da vida em que a mente recebe suas impressões mais profundas do espetáculo de sofrimento inocente e coragem destemida [Howson]. A sua seria uma das “almas dos discípulos confirmadas” na segunda visita do apóstolo, “exortada a continuar na fé e” advertiu “que devemos, através de muita tribulação, entrar no reino de Deus” (At 14:21-22).

filho de uma certa mulher judia – “A fé não fingida que habitou primeiro em sua avó Lois” desceu para “sua mãe Eunice”, e daí passou para este jovem (2Tm 1:5), que “de uma criança conhecia o Sagradas Escrituras ”(2Tm 3:15). Seus dons e destino para o ministério de Cristo já haviam sido atestados (1Tm 1:184:14); e, embora dez anos depois disso, Paulo fala dele como ainda jovem (1Tm 4:12), “ele já era bem informado pelos irmãos que estavam em Listra e Icônio” (At 16:2), e consequentemente deve ter foi bem conhecido durante todo esse trimestre.

mas de pai grego – Tais casamentos mistos, embora pouco praticados e não apreciados pelos judeus mais rigorosos na Palestina, devem ter sido muito frequentes entre os judeus da dispersão, especialmente em distritos remotos, onde apenas poucas pessoas dispersas foram assentadas. [Howson]

2 Do qual era bem testemunhado pelos irmãos que estavam em Listra e Icônio.
3 A este Paulo quis que fosse com ele; e tomando-o, circuncidou-o, por causa dos judeus, que estavam naqueles lugares; porque todos conheciam o pai dele, que era grego.

A este Paulo quis que fosse com ele – Isto está em harmonia com tudo o que lemos nos Atos e Epístolas da disposição afetuosa e confiante de Paulo. Ele não tinha laços relativos que lhe servissem em seu trabalho; seus companheiros eram poucos e mudavam; e embora Silas suprisse o lugar de Barnabé, não era fraqueza ansiar pela sociedade de alguém que poderia se tornar, o que Marcos uma vez pareceu ser, um filho no Evangelho [Howson]. E tal ele, de fato, provou ser o mais apegado e útil de seus associados (Fp 2:19-23; 1Co 4:1716:10-11; 1Ts 3:1-6) . Sua dupla conexão, com os judeus pelo lado da mãe e os gentios pelos do pai, atingiria o apóstolo como uma qualificação peculiar para sua própria esfera de trabalho. “Até onde aparece, Timóteo é o primeiro gentio que depois de sua conversão vem diante de nós como missionário regular; pois o que é dito de Tito (Gl 2:3) refere-se a um período posterior ”[Wies]. Mas antes de sua partida, Paul

O levou e circuncidou – um rito que todo israelita poderia realizar.

por causa dos judeus … pois eles sabiam tudo o que seu pai era grego – isso parece implicar que o pai não era prosélito. Contra a vontade de um pai gentio, nenhuma mãe judia podia, como dizem os próprios judeus, circuncidar seu filho. Assim, vemos porque toda a religião de Timóteo é traçada para o lado feminino da família (2Tm 1:5). “Se Timóteo não tivesse sido circuncidado, uma tempestade se teria reunido ao redor do apóstolo em seu progresso. Sua linha fixa de procedimento era atuar nas cidades através das sinagogas; e pregar o Evangelho ao judeu primeiro e depois aos gentios. Mas tal curso teria sido impossível se Timóteo tivesse sido circuncidado. Ele deve necessariamente ter sido repelido por aquelas pessoas que se esforçaram uma vez para assassinar Paulo porque imaginavam que ele havia levado um grego para o templo (At 21:29). O próprio intercurso da vida social teria sido quase impossível, pois ainda era “uma abominação” para os circuncisos comerem com os incircuncisos “[Howson]. Ao se recusar a obrigar Tito a ser circuncidado (Gl 2:3) a pedido de cristãos judaizantes, como necessário para a salvação, ele apenas vindicou “a verdade do Evangelho” (Gl 2:5); ao circuncidar Timóteo, “aos judeus ele se tornou como judeu para ganhar os judeus”. Provavelmente a ordenação de Timóteo ocorreu agora (1Tm 4:14; 2Tm 1:6); e foi um serviço, aparentemente, de muita solenidade – “antes de muitas testemunhas” (1Tm 6:12).

4 E eles, passando pelas cidades, entregavam-lhes as ordenanças que foram determinadas pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém, para que as guardassem.

Não as igrejas, mas o número de seus membros, por esta visita e as provas escritas colocadas antes -los do triunfo da liberdade cristã em Jerusalém, e as medidas sábias tomadas para preservar a unidade dos judeus e gentios convertidos.

5 E assim as Igrejas eram firmadas na fé, e cada dia aumentavam em número.
6 E passando pela Frígia, e pela região da Galácia, foi-lhes impedido pelo Espírito Santo de falarem a palavra na Ásia.

At 16: 6-12. Eles abrem novos caminhos na Frígia e na Galácia – Seu curso nessa direção é misteriosamente cercado, eles viajam para o oeste até Troas, onde são divinamente dirigidos à Macedônia – O próprio historiador aqui se une ao grupo missionário, eles embarcam para Nápoles e chegam a Filipos .

Agora, quando eles passaram pela Frígia e pela região da Galácia – prosseguindo em direção ao noroeste. Neste momento deve ter sido formado “as igrejas da Galácia” (Gl 1:2; 1Co 16:1); fundado, como aprendemos da Epístola aos Gálatas (particularmente Gl 4:19), pelo apóstolo Paulo, e que já existiam quando ele estava em sua terceira viagem missionária, como aprendemos em At 18:23, onde Parece que ele não teve menos sucesso na Frígia. Por que esses procedimentos, tão interessantes como deveríamos supor, não estão aqui detalhados, não é fácil dizer; pelas várias razões sugeridas não são muito satisfatórias: por exemplo, que o historiador não se juntou ao partido (Alford); que ele estava com pressa para trazer o apóstolo para a Europa (Olshausen); que a corrente principal do desenvolvimento da Igreja era de Jerusalém a Roma, e os trabalhos do apóstolo na Frígia e Galácia estavam completamente fora da linha daquela direção [Baumgarten].

e foram proibidos do Espírito Santo – falando por algum profeta, veja em At 11:27.

falarem a palavra na Ásia – não no grande continente asiático, nem mesmo na rica península hoje chamada Ásia Menor, mas apenas na costa ocidental que constituía a província romana da Ásia.

7 E quando eles vieram a Mísia, tentaram ir à Bitínia; mas o Espírito não lhes permitiu.

E quando eles vieram a Mísia – onde, como parte da Ásia Romana, eles foram proibidos de trabalhar (At 16:8).

eles analisaram – ou tentaram

para entrar – ou, em direção a.

Bitinia – para o nordeste.

mas o Espírito fala como antes.

não lhes permitiu – provavelmente porque (1) a Europa estava madura para os labores desse grupo missionário; e (2) outros instrumentos seriam honrados para estabelecer o Evangelho nas regiões orientais da Ásia Menor, especialmente o apóstolo Pedro (ver 1Pe 1:1). No final do primeiro século, como testemunhou Plínio, o governador, a Bitínia estava cheia de cristãos. “Esta é a primeira vez que o Espírito Santo é expressamente mencionado como determinando o curso que eles seguiriam em seus esforços para evangelizar as nações, e foi evidentemente planejado para mostrar que, enquanto até então a difusão do Evangelho havia sido realizada em Curso ininterrupto, ligado por pontos naturais de junção, era agora dar um salto para o qual não poderia ser impelido, mas por uma operação imediata e independente do Espírito; e, embora primariamente, esta intimação do Espírito fosse apenas negativa, e referida apenas à vizinhança imediata, podemos certamente concluir que Paulo a tomou como um sinal de que uma nova época deveria agora começar em seus labores apostólicos ”[Baumgarten].

8 E tendo passado por Mísia, desceram a Trôade.

desceram a Trôade – uma cidade na costa nordeste do mar Egeu, a fronteira da Ásia Menor, a oeste; a região de que foi o cenário da grande guerra de Tróia.

9 E uma visão foi vista por Paulo durante a noite: um homem Macedônio se pôs diante dele, rogando-lhe, e dizendo: Passa à Macedônia, e ajuda-nos!

uma visão apareceu a Paulo durante a noite – enquanto estava acordada, pois não é chamada de sonho.

um homem Macedônio se pôs diante dele, rogando-lhe, e dizendo: Passa à Macedônia, e ajuda-nos – Estendendo os olhos pelo Mar Egeu, de Trôade a nordeste, até as colinas da Macedônia, visíveis a noroeste, o apóstolo dificilmente poderia deixar de pensar isso a cena destinada de seus futuros trabalhos; e, se ele se retirasse para descansar com esse pensamento, estaria completamente preparado para a notável intimação da vontade divina que agora lhe seria dada. Este macedônio visional se descobriu pelo que ele disse. Mas foi um grito não de desejo consciente pelo Evangelho, mas de profunda necessidade dele e de preparação inconsciente para recebê-lo, não apenas naquela região, mas, podemos dizer, em todo esse império ocidental que a Macedônia poderia dizer. representar. Foi uma confissão virtual “que o maior esplendor do paganismo, que devemos reconhecer nas artes da Grécia e no poder político e imperial de Roma, tivesse chegado ao fim de todos os seus recursos. Deus havia deixado os povos gentios para andar em seus próprios caminhos (At 14:2). Eles haviam procurado obter a salvação para si mesmos; mas aqueles que o tinham levado mais longe pelos caminhos do desenvolvimento natural estavam agora impregnados pelo sentimento de que todos haviam sido de fato vaidade. Esse sentimento é o resultado simples e puro de toda a história do paganismo. E Israel, seguindo o caminho que Deus havia traçado para ele, também havia chegado ao seu fim. Finalmente, ele está em condições de realizar sua vocação original, tornando-se o guia que deve conduzir os gentios a Deus, o único Autor e Criador da redenção do homem; e Paulo é na verdade a própria pessoa em quem esta vocação de Israel é agora uma realidade divina presente, e a quem, por esta aparição noturna do macedônio, a preparação do mundo pagão para receber o ministério de Israel para os gentios é confirmada ”[Baumgarten] Esta voz chora do paganismo ainda para a Igreja Cristã, e nunca a Igreja empreende o trabalho das missões, nem qualquer missionário sai dela, no espírito correto, exceto em obediência a este grito.

10 E quando ele viu a visão, logo procuramos partir para a Macedônia, concluindo que o Senhor estava nos chamando para anunciarmos o Evangelho a eles.

E depois de ter visto a visão, imediatamente nos esforçamos para entrar na Macedônia. O “nós”, aqui apresentado pela primeira vez, é uma modesta sugestão de que o próprio historiador havia se juntado ao grupo missionário. (As objeções modernas a isso são bastante frívolas). Se a saúde quebrada de Paulo teve algo a ver com este arranjo por ter “o médico amado” com ele [Wies], nunca pode ser conhecido com certeza; mas que ele se consideraria honrado em cuidar de uma vida tão preciosa, não pode haver dúvida.

11 Então, tendo navegado desde Trôade, viemos correndo caminho direto a Samotrácia, e no dia seguinte a Neápolis.

Portanto, perdendo de Troas, nós viemos – literalmente, “correu”.

com um curso reto – isto é, “correu diante do vento”.

a Samotrácia – uma grande ilha na costa da Trácia, ao norte de Trôade, com uma inclinação para o oeste. O vento deve ter se estabelecido forte do sul ou do sudeste para trazê-los para lá tão cedo, pois a corrente é forte na direção oposta, e eles depois levaram cinco dias para o que eles fizeram agora em dois (At 20:6). [Howson]

no dia seguinte a Neápolis – na costa da Macedônia, ou melhor, na Trácia, a cerca de cento e cinquenta quilômetros de Samotrácia e dez de Filipos, de onde é o porto.

12 E dali a Filipos, que é a primeira cidade desta parte da Macedônia, e é uma colônia; e estivemos naquela cidade por alguns dias.

At 16: 12-34. Em Filipos, Lídia é conquistada e com sua família batizada – Um espírito maligno é expulso, Paulo e Silas são flagelados, aprisionados e algemados, mas libertados milagrosamente, e o carcereiro com toda a sua família se converte e é batizado.

Filipos … o chefe – talvez “o primeiro”

cidade desta parte da Macedônia – O significado parece ser – a primeira cidade a que se chega, procedente de Neapolis. O sentido dado em nossa versão dificilmente consiste em fato.

uma colônia – isto é, possuindo todos os privilégios da cidadania romana, e, como tal, ambos isentos de flagelação e (em casos ordinários) de prisão, e com direito a apelar do magistrado local para o imperador. Embora as Antioquia e Trôade da Pisídia fossem também “colônias”, o fato é mencionado nesta história de Filipos apenas por causa das frequentes referências a privilégios e deveres romanos na sequência do capítulo.

estivemos naquela cidade por alguns dias – esperando até que o sabá chegasse: toda a sua estada deve ter se estendido por algumas semanas. Como a regra deles era começar com os judeus e prosélitos, eles não fizeram nada até o momento em que eles sabiam que iriam se reunir para o culto.

13 E no dia de sábado saímos para fora da cidade, onde costumava ser feita oração; e tendo nos sentado, falamos às mulheres que tinham se ajuntado ali.

no dia de sábado – o primeiro depois da chegada deles, como as palavras implicam.

saímos da cidade – ao contrário, como a verdadeira leitura é, “fora do portão (da cidade)”.

por um lado do rio – um dos pequenos riachos que deu nome ao lugar antes da cidade foi fundada por Filipe da Macedônia.

onde costumava ser feita oração – ou uma reunião de oração realizada. Está claro que não havia sinagoga em Filipos (contraste 17: 1), o número dos judeus sendo pequeno. A reunião parece ter consistido inteiramente de mulheres, e estas não são todas judaicas. Preferia-se a vizinhança dos riachos, por causa das lavagens cerimoniais usadas em tais ocasiões.

sentado, falamos às mulheres… – uma humilde congregação e uma maneira simples de pregar. Mas aqui e assim foram reunidos os primeiros frutos da Europa para Cristo, e eles eram do sexo feminino, de cuja ascensão e serviços uma menção honrosa será repetida.

14 E uma certa mulher, por nome Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, que servia a Deus; ela nos ouviu; o coração da qual o Senhor abriu, para que prestasse atenção ao que Paulo dizia.

Lydia – um nome comum entre os gregos e romanos.

vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira – nos limites da Lídia e da Frigia. Os lídios, particularmente os habitantes de Tiatira, eram celebrados por seu tingimento, no qual herdaram a reputação dos tírios. Inscrições para esse efeito, ainda que restem, confirmam a exatidão de nosso historiador. Esta mulher parece ter estado em boas circunstâncias, tendo um estabelecimento em Filipos grande o suficiente para acomodar o grupo missionário (At 16:15), e recebendo seus bens de sua cidade natal.

que adorava a Deus – isto é, era um prosélito para a fé judaica e, como tal, presente nesta reunião.

cujo coração o Senhor abriu – isto é, o Senhor Jesus (veja At 16:15; e compare com Lc 24:45; Mt 11:27).

para que prestasse atenção ao que Paulo dizia – “mostrando que a inclinação do coração para a verdade não se origina na vontade do homem. A primeira disposição para se voltar para o Evangelho é uma obra da graça ”(Olshausen). Observe aqui o lugar designado para “dar atenção” ou “atenção” à verdade – aquela espécie de atenção que consiste em ter toda a mente absorta com ela, e em apreendê-la e beber nela, em seu caráter vital e salvador.

15 E quando ela foi batizada, e também sua casa, ela nos rogou, dizendo: Se vós tendes julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa e ficai ali. E ela insistiu para conosco.

E quando… batizou… e sua casa – provavelmente sem muito atraso. A menção do batismo aqui pela primeira vez em conexão com os trabalhos de Paulo, enquanto foi sem dúvida realizada em todos os seus antigos convertidos, indica uma importância especial neste primeiro batismo europeu. Aqui também é a primeira menção de uma casa cristã. Se incluiu crianças, também nesse caso batizado, não é explicitamente declarado; mas a presunção, como em outros casos de batismo domiciliar, é o que aconteceu. No entanto, a questão do batismo infantil deve ser determinada por outros motivos; e tais alusões incidentais formam apenas parte dos materiais históricos para determinar a prática da Igreja.

ela nos rogou, dizendo: Se vós tendes julgado que eu seja fiel ao Senhor – o Senhor Jesus; isto é, “Pela fé Nele que reconhecestes em mim pelo batismo”. Há uma bela modéstia na expressão.

E ela insistiu para conosco – A palavra parece implicar que eles estavam relutantes, mas foram superados.

16 E aconteceu, que ao estarmos nós indo à oração, saiu ao nosso encontro uma moça que tinha espírito de pitonisa; a qual ao fazer adivinhações trazia grande lucro a seus senhores.

indo à oração – As palavras indicam que estava a caminho do lugar habitual de oração pública, à beira do rio, que isso aconteceu; portanto, não no mesmo dia com o que acabara de acontecer.

a … donzela – uma serva, e neste caso uma escrava (At 16:19).

tinha espírito de pitonisa – ou, de Python, isto é, um espírito supostamente inspirado pelo Apolo pítico, ou da mesma natureza. A realidade dessa possessão demoníaca é tão inegável quanto a de qualquer outra na história do Evangelho.

17 Esta, seguindo após Paulo e nós, clamava, dizendo: Estes homens são servos do Deus Altíssimo, que nos anunciam o caminho da salvação.

Esses homens são servos do mais alto Deus, etc. – Testemunho glorioso! Mas veja em Lc 4:41.

18 E ela fazia isto por muitos dias. Mas Paulo, estando descontente com isto, virou-se, e disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo eu te mando que saias dela.E na mesma hora o espírito saiu.

ela fazia isto por muitos dias – isto é, em muitas ocasiões sucessivas, quando estavam a caminho de seu local habitual de reunião, ou quando se envolviam em serviços religiosos.

Paulo, estando descontente com isto – pela pobre vítima; triste por ver tal poder possuído pelo inimigo da salvação do homem, e triste por observar o desígnio maligno com o qual este alto testemunho foi levado a Cristo.

19 E os senhores dela, vendo que a esperança de lucro deles tinha ido embora, pegaram a Paulo e a Silas, e os levaram à praça, diante dos governantes.

quando seus senhores viram que a esperança de seus ganhos se foi, eles pegaram Paulo e Silas – como as principais pessoas.

e atraiu-os para o mercado – ou Fórum, onde os tribunais estavam.

20 E apresentando-os aos magistrados, disseram: Estes homens perturbam nossa cidade, sendo judeus;

aos magistrados, disseram – Temos aqui uma confirmação completa e independente da realidade desta cura sobrenatural, já que em qualquer outra suposição tal conduta seria sem sentido.

Estes homens, sendo judeus – objetos de desagrado, desprezo e suspeita pelos romanos, e neste momento de preconceito mais do que o habitual.

perturbam nossa cidade – veja acusações similares, At 17:624:5; 1Rs 18:17. Há alguma cor de verdade em todas essas acusações, na medida em que o Evangelho, e geralmente o temor de Deus, como princípio reinante da ação humana, está em um mundo ímpio, um princípio completamente revolucionário … Até que ponto a comoção e mudança externa em qualquer caso, assistir ao triunfo deste princípio depende da amplitude e obstinação da resistência que encontra.

21 E eles anunciam costumes que não nos é lícito receber, nem fazer; pois somos romanos.

Aqui também havia uma medida da verdade; como a introdução de novos deuses foi proibida pelas leis, e isso pode ser pensado para se aplicar a qualquer mudança de religião. Mas toda a acusação era pura hipocrisia; pois, como esses homens teriam deixado os missionários pregarem a religião que desejavam, se não tivessem secado a fonte de seus ganhos, ocultariam a verdadeira causa de sua raiva sob a cor de um zelo pela religião, pela lei e pela boa ordem: assim At 17:6-719:25,27.

22 E a multidão se levantou juntamente contra eles; e os oficiais, rasgando suas roupas, mandaram que fossem açoitados.

a multidão se levantou contra eles – assim At 19:28,3421:30; Lc 23:18

os magistrados alugam seus – Paul e Silas “

roupas – isto é, ordenaram que os lictores, ou portadores da vara, os arrancassem, de modo a expor seus corpos nus (veja em At 16:37). A palavra expressa a aspereza com que isso foi feito para os prisioneiros preparativos para chicotadas.

mandaram que fossem açoitados – sem qualquer julgamento (At 16:37), para apaziguar a ira popular. Por três vezes, Paulo suportou essa indignidade (2Co 11:25).

23 E tendo sido lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse em segurança.

E tendo sido lhes dado muitos açoites – as feridas sangrentas das quais eles não foram lavados até que foi feito pelo carcereiro convertido (At 16:33).

cobrou o carcereiro … que … empurrou-os para a prisão interior – “células pestilentas, úmidas e frias, das quais a luz era excluída, e onde as correntes enferrujavam os prisioneiros. Um desses lugares pode ser visto até hoje na encosta do Capitólio em Roma ”[Howson].

24 O qual, tendo recebido tal ordem, lançou-os na cela mais interna, e prendeu-lhes os pés no tronco.

prendeu-lhes os pés no tronco – um instrumento de tortura e confinamento, feito de madeira amarrada com ferro, com furos para os pés, que eram esticados mais ou menos de acordo com a severidade pretendida. (Orígenes em um período posterior, além de ter seu pescoço empurrado em um colar de ferro, ficou estendido por muitos dias com os pés afastados no suporte). Embora os carcereiros fossem proverbialmente insensíveis, a maneira pela qual a ordem foi dada neste caso parece justificar tudo o que foi feito.

25 E perto da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando, e cantando hinos a Deus; e os outros presos os escutavam.

E perto da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando, e cantando hinos – literalmente, “orando, estavam cantando louvores”; isto é, enquanto se empenhavam em derramar seus corações em oração, tinha quebrado em cantar, e estavam cantando alto a sua alegria. Como a palavra aqui empregada é aquela usada para denotar o hino pascal cantado por nosso Senhor e Seus discípulos após sua última Páscoa (Mt 26:30), e que sabemos ter consistido no Salmo 113:1 à 118:29, que foi cantado naquele festival, é provável que fossem porções dos Salmos, tão ricas em tal matéria, que nossos alegres sofredores cantavam; nem poderia ser mais sazonal e inspirador do que aqueles seis Salmos, que todo judeu devoto sem dúvida saberia de cor. “Ele dá cânticos na noite” (Jó 35:10). Embora seus corpos ainda estivessem sangrando e torturados nos estoques, seus espíritos, sob o “poder expulsivo de uma nova afeição”, subiram acima do sofrimento e fizeram os gritos da prisão ressoarem com sua música. “Nestes hinos da meia-noite, pelas testemunhas presas de Jesus Cristo, todo o poder da injustiça e da violência romana contra a Igreja não é desprezado, mas convertido em uma folha para mostrar mais completamente a majestade e o poder espiritual da Igreja. que ainda não conhecia o mundo. E se os sofrimentos dessas duas testemunhas de Cristo são o começo e o tipo de inumeráveis ​​martírios que fluiriam sobre a Igreja da mesma fonte, da mesma forma o triunfo inigualável do Espírito sobre o sofrimento foi o começo e o penhor de um poder espiritual que depois vemos resplandecer de maneira tão triunfante e irresistível nos muitos mártires de Cristo que foram abandonados como presa ao mesmo poder imperial de Roma”(Neander em Baumgarten).

e os outros presos os escutavam – literalmente, “estavam ouvindo-os”, isto é, quando ocorriam os eventos surpreendentes imediatamente relacionados; não adormecido, mas bem acordado e arrebatado (sem dúvida) maravilhado com o que ouviram.

26 E de repente houve um terremoto tão grande que os alicerces da prisão se moviam; e logo todas as portas se abriram, e todas as correntes que prendiam a todos se soltaram.

E de repente houve um terremoto tão grande – em resposta, sem dúvida, às orações e expectativas dos sofredores que, por amor à verdade e à honra de seu Senhor, alguma interposição aconteceria.

todas as bandas – isto é, as bandas de todos os prisioneiros.

foram soltos – não pelo terremoto, é claro, mas por uma energia milagrosa que o acompanha. Com isso e as alegres tensões que haviam ouvido dos sofredores, para não falar da mudança operada sobre o carcereiro, esses prisioneiros dificilmente deixariam de ter seus corações em alguma medida abertos à verdade; e essa parte da narrativa parece ser o resultado de informações posteriormente comunicadas por um ou mais desses homens.

27 E o carcereiro, tendo acordado e visto abertas todas as portas da prisão; puxou a espada, e estava a ponto de se matar, pensando que os presos tinham fugido.

despertando… desenhou… sua espada, e teria se matado, etc. – sabendo que sua vida foi perdida naquele caso (At 12:19; compare com At 27:42).

28 Mas Paulo clamou em alta voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, porque todos nós estamos aqui.

Mas Paul chorou com uma voz alta – o melhor para prender a ação.

Não te faças nenhum mal, porque todos nós estamos aqui – Que calma e autocontrole divinos! Nenhuma alegria por sua liberação miraculosa, ou pressa em tirar vantagem disso; mas um pensamento preencheu a mente do apóstolo naquele momento – ansiedade para salvar uma criatura semelhante de se enviar para a eternidade, ignorante do único modo de vida; e sua presença de espírito aparece na certeza que ele tão prontamente dá ao homem desesperado, que seus prisioneiros não tinham nenhum deles fugido como ele temia. Mas como, perguntaram os críticos céticos, poderia Paulo em sua prisão interior saber o que o carcereiro estava prestes a fazer? De muitas maneiras concebíveis, sem supor qualquer comunicação sobrenatural. Assim, se o carcereiro dormisse à porta da “prisão interior”, que de repente se abriu quando o terremoto sacudiu as fundações do edifício; se, também, como pode ser facilmente concebido, ele soltou algum grito de desespero ao ver as portas abertas; e, se o choque do aço, como o homem aturdido tirou apressadamente da bainha, era audível, mas a poucos metros de distância, na quietude da meia-noite, aumentada pelo temor inspirado nos prisioneiros pelo milagre – que dificuldade há aí? em supor que Paul, percebendo em um momento como as coisas estavam, depois de clamar, apressadamente a ele, proferindo o nobre pedido aqui registrado? Não menos plana é a questão, por que os outros prisioneiros libertados não escaparam: – como se houvesse a menor dificuldade em compreender como, sob a convicção irresistível de que deve haver algo sobrenatural em sua libertação instantânea sem mão humana, tal maravilha? e a admiração deve possuí-los de modo a levar para o tempo não apenas todo desejo de fuga, mas mesmo todo pensamento sobre o assunto.

29 E tendo pedido luzes, saltou para dentro, e termendo muito, ele se prostrou diante de Paulo e Silas.

Como esta rápida sucessão de detalhes minuciosos, evidentemente das próprias partes, os prisioneiros e o carcereiro, que falariam sobre todos os aspectos da cena, uma e outra vez, em que a mão do Senhor tinha sido tão maravilhosamente vista.

30 E levando-os para fora, disse: Senhores, o que me é necessário fazer para eu me salvar?

Senhores, o que me é necessário fazer para eu me salvar? – Se esta pergunta deve parecer antes de qualquer luz que o carcereiro poderia ter, deve ser considerado (1) que o “tremor” que veio sobre ele não poderia ter surgido de qualquer medo pela segurança de seus prisioneiros, porque estavam todos ali; e se tivesse, ele preferiria procriá-los de novo a deixá-los cair diante de Paulo e Silas. Pela mesma razão, é claro que seu tremor não teve nada a ver com qualquer conta que ele teria que prestar aos magistrados. Apenas uma explicação pode ser dada – que ele ficou alarmado sobre seu estado espiritual, e que, no entanto, um momento antes, ele estava pronto para mergulhar na eternidade com a culpa do auto-assassinato em sua cabeça, sem um Pensava no pecado que estava cometendo e em suas terríveis consequências, em sua inaptidão para comparecer diante de Deus e em sua necessidade de salvação, que agora brilhava sobre sua alma e extraía das profundezas de seu espírito o grito aqui registrado. Se ainda for perguntado como poderia tomar tal forma definitiva, que seja considerado (2) que o carcereiro dificilmente poderia ser ignorante da natureza das acusações em que esses homens tinham sido presos, visto que eles foram publicamente açoitados por ordem de os magistrados, que enchiam a cidade inteira com os fatos do caso, incluindo aquele grito estranho dos demoníacos do dia-a-dia – “Estes homens são os servos do Deus Altíssimo, que nos mostram o caminho da salvação” palavras que proclamavam não apenas a comissão divina dos pregadores, mas as notícias de salvação que eles foram enviados para contar, a miraculosa expulsão do demônio e a fúria de seus senhores. Tudo isso, de fato, não serviria para nada com tal homem, até que o forte terremoto que fez o edifício se agitar; depois, desesperado, agarrando-o à vista das portas abertas, a espada da autodestruição foi repentinamente detida por palavras de um dos prisioneiros que ele jamais imaginaria que pudesse ser falado em suas circunstâncias – palavras que evidenciavam algo divino sobre eles. Então passaria através dele a luz de uma nova descoberta; “Esse foi o verdadeiro clamor que a pitonisa pronunciou, ‘Esses homens são os servos do Deus Altíssimo, que nos mostram o caminho da salvação! Que eu agora deva saber, e deles, como divinamente enviado a mim, devo aprender esse caminho de salvação! ‘”Substancialmente, este é o clamor de todo pecador desperto, embora o grau de luz e as profundezas de ansiedade expressas sejam ser diferente em cada caso.

31 E eles lhe disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo, tu e a tua casa.

Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo… A brevidade, a simplicidade e a franqueza desta resposta são, nas circunstâncias, singularmente belas. Suficiente naquele momento para ter sua fé dirigida simplesmente ao Salvador, com a certeza de que isso traria à sua alma a necessária e procurada salvação – o como sendo um assunto para depois do ensino.

tua casa… ou família, desde que creiam em Cristo também, como eles fizeram, At 16:34 de outra forma não pode haver salvação, pois quem não crê será condenado.

31 E eles lhe disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo, tu e a tua casa.
32 E lhe falaram da palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa.

E lhe falaram da palavra do Senhor – desdobrando agora, sem dúvida, mais plenamente o que “o Senhor Jesus Cristo” era para quem eles tinham apontado sua fé, e o que a “salvação” era o que isso lhe traria.

e a todos os que estavam em sua casa – que, de sua própria morada (sob o mesmo teto, sem dúvida, com a prisão) haviam se apinhado em volta dos apóstolos, despertados primeiro pelo terremoto. (De se dirigirem à mensagem do Evangelho “a todos os que estavam na casa”, não é necessário inferir que ela não continha filhos, mas apenas que, como continha adultos, além do próprio carcereiro, assim a todos eles, sozinhos, é claro aptos para serem abordados, eles pregaram a palavra).

33 E ele, tomando-os consigo, naquela mesma hora da noite, lavou -lhes as feridas dos açoites, e logo foi batizado, ele e todos os seus.

E ele os levou – a palavra implica mudança de lugar.

naquela mesma hora da noite, lavou -lhes as feridas dos açoites – no poço ou fonte que estava dentro ou perto do recinto da prisão [Howson]. A menção de “a mesma hora da noite” parece implicar que eles tiveram que sair para o ar livre, o que, fora de época como a hora era, eles fizeram. Essas feridas sangrentas nunca haviam sido pensadas pelo carcereiro indiferente. Mas agora, quando todo o seu coração foi aberto aos seus benfeitores espirituais, ele não pode descansar até que tenha feito tudo ao seu alcance para seu alívio corporal.

e logo foi batizado, ele e todos os seus – provavelmente na mesma fonte, desde que aconteceu “imediatamente”; aquele que lava de sua parte sendo imediatamente sucedido pelo outro na deles.

34 E tendo os levado a sua casa, pôs comida diante deles à mesa; e alegrou-se muito, tendo crido em Deus com toda a sua casa.

E quando ele os trouxe para sua casa, ele colocou carne diante deles e se alegrou, acreditando – isto é, como a expressão implica, “se alegrou porque ele havia acreditado”.

em Deus – como um pagão convertido, pois a fé de um judeu não seria assim expressa (Alford).

com toda a sua casa – a mudança maravilhosa em si mesmo e em toda a casa enchendo sua alma de alegria. “Esta é a segunda casa que, na cidade romana de Filipos, foi consagrada pela fé em Jesus, e da qual os internos, pelo hospitaleiro entretenimento das testemunhas do Evangelho, foram santificados para um novo começo de vida doméstica, agradável e aceitável a Deus. O primeiro resultado veio a passar em consequência simplesmente da pregação do Evangelho; a segunda foi o fruto de um testemunho selado e enobrecido pelo sofrimento ”[Baumgarten].

35 E sendo já de dia, os magistrados mandaram aos guardas, dizendo: Solta aqueles homens.

A causa dessa mudança só pode ser conjecturada. Quando a comoção cessasse, a reflexão logo os convenceria da injustiça que haviam cometido, mesmo supondo que os prisioneiros não tivessem direito a privilégios especiais; e se os rumores chegavam a eles de que os prisioneiros estavam de alguma forma sob proteção sobrenatural, eles poderiam ficar mais impressionados com o desejo de se livrar deles.

36 E o carcereiro anunciou estas palavras a Paulo, dizendo : Os magistrados têm mandado vos soltar; portanto agora saí, e ide em paz.

o guardião – muito feliz por ter ordens para executar.

disse isto… a Paulo… agora, portanto,… vá em paz – Muito diferente, Paulo recebeu tais ordens.

37 Mas Paulo lhes disse: Eles nos açoitaram publicamente, e sem sermos sentenciados, sendo nós homens romanos, lançaram-nos na prisão, e agora nos lançam fora às escondidas? Assim não! Mas que eles mesmos venham e nos tirem.

Mas Paulo lhes disse – aos sargentos que haviam entrado na prisão junto com o carcereiro, para que pudessem relatar que os homens tinham partido.

Eles nos açoitaram publicamente – A publicidade do ferimento feito por eles, expondo seus corpos nus e sangrentos à população rude, foi evidentemente a característica mais dolorosa do sentimento delicado do apóstolo, e para isso ele alude aos tessalonicenses. , provavelmente um ano depois: “Mesmo depois de termos sofrido antes, e fomos vergonhosamente suplicados (ou insultados) como vocês sabem em Filipos” (1Ts 2:2).

não condenado – não condenado em julgamento.

sendo romanos – (Veja em At 22:28).

e nos jogou na prisão – ambos ilegais. De Silas “cidadania, se quisesse ser incluído, não sabemos nada.

e agora eles nos expulsam – nos apressam – veja Mc 9:38, grego.

às escondidas? – Marque o pretenso contraste entre o insulto público que infligiram e o modo privado em que eles ordenaram que fossem desligados.

na verdade, não – de fato.

que eles mesmos venham e nos tirem – por um ato aberto e formal, equivalente a uma declaração pública de sua inocência.

38 E os guardas voltaram para dizer aos magistrados estas palavras; e eles temeram ao ouvirem que eram romanos.

eles temeram ao ouvirem que eram romanos – sua autoridade estava em perigo; pois eles estavam sujeitos a uma ação pelo que haviam feito.

39 E tendo vindo, rogaram-lhes; e tirando-os, pediram -lhes que saíssem da cidade.

E eles vieram – pessoalmente.

pediram -lhes – para não se queixarem deles. Que contraste essa atitude suplicante dos pregadores de Filipos com o ar tirânico com o qual eles haviam enfrentado os pregadores! (Veja Is 60:14; Ap 3:9).

trouxe-os para fora – conduziu-os da prisão para a rua, como insistiu.

e desejado – “solicitado”.

eles saiam da cidade – talvez temendo novamente excitar a população.

40 E eles, tendo saído da prisão, entraram na casa de Lídia; e vendo aos irmãos, consolaram-lhes; e saíram.

E eles, tendo saído da prisão – Tendo atingido seu objetivo – para reivindicar seus direitos civis, pela infração da qual, neste caso, o Evangelho em suas pessoas havia sido afrontado ilegalmente – eles não tinham ideia de levar o assunto adiante. Sua cidadania era valiosa para eles apenas como um escudo contra danos desnecessários à causa do Mestre. Que bela mistura de dignidade e mansidão é essa! Nada secular, que pode ser voltado para a conta do Evangelho, é mórbidamente desconsiderado; em qualquer outro ponto de vista, nada dessa natureza é definido por: – um exemplo disso para todas as idades.

entraram na casa de Lídia – como que para mostrar, por meio desse processo tranquilo, que não tinham sido obrigados a ir embora, mas estavam em plena liberdade para consultar sua própria conveniência.

e vendo aos irmãos – não apenas a família dela e o carcereiro, mas provavelmente outros agora ganharam para o Evangelho.

consolaram-lhes – em vez disso, talvez, “exortaram” eles, o que incluiria conforto. “Essa assembléia de crentes na casa da Lídia foi a primeira igreja fundada na Europa” [Baumgarten].

e saíram – mas não todos; pois dois da companhia ficaram para trás (veja em At 17:14): Timóteo, de quem os filipenses “aprenderam a prova” de que ele sinceramente se importava com o seu estado, e era verdadeiramente semelhante a Paulo, “servindo com ele no Evangelho como um filho com seu pai ”(Fp 2:19-23); e Lucas, “cujo louvor está no Evangelho”, embora nunca elogie a si mesmo ou relate seus próprios esforços, e embora apenas traçamos seus movimentos em conexão com Paulo, pela mudança de um pronome ou pela variação inconsciente de seu estilo. No décimo sétimo capítulo, a narrativa é novamente na terceira pessoa, e o pronome não é alterado para o segundo até chegarmos a At 20:5. A modéstia com que Lucas deixa de mencionar todos os seus próprios trabalhos dificilmente deve ser apontada. Nós o seguiremos novamente quando ele se juntar a Paulo na mesma vizinhança. Sua vocação como médico pode tê-lo colocado em contato com essas costas contíguas da Ásia e da Europa, e ele pode (como Smith sugere, “Naufrágio”, etc.) ter o hábito de exercer sua habilidade profissional como cirurgião. no mar [Howson].

<Atos 15 Atos 17>

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.