Atos 11

1 E os apóstolos, e os irmãos que estavam na Judeia, ouviram que também os gentios receberam a palavra de Deus.

Comentário de Phillip Schaff

os apóstolos, e os irmãos que estavam na Judeia. Provavelmente alguns deles estavam em Jerusalém, e alguns deles itinerantes, como Pedro, pela Terra Santa, com o propósito de espalhar o Evangelho (ver Atos 1:8, Atos 10:37). É observável que os ‘presbíteros’ que são mencionados pela primeira vez no último versículo deste capítulo, ainda não aparecem. Compare Atos 15:2.

ouviram. Tal ocorrência, especialmente por ter ocorrido na conspícua cidade de Cesaréia, e estar relacionada com a conduta de alguém tão proeminente como Pedro, não poderia ter sido ocultada. A notícia deve ter se espalhado rapidamente por todas as comunidades cristãs da terra.

que também os gentios receberam a palavra de Deus. Esses “apóstolos e irmãos” tinham corações cristãos e devem ter se regozijado com o pensamento de que o Evangelho encontrou aceitação em outros corações (ver Atos 11:18). O que eles não conseguiam entender era que esses gentios deveriam ter sido alcançados por essa bênção sem primeiro se tornarem judeus. [Schaff, aguardando revisão]

2 E quando Pedro subiu a Jerusalém, discutiam contra ele os que eram da circuncisão;

Comentário de David Brown

os que eram da circuncisão – não os cristãos judeus em geral, pois aqui não havia outro, mas tal como, do seu ciúme para “a parede do meio da partição” que a circuncisão levantada entre judeus e gentios, foram posteriormente conhecidos como “eles do circuncisão ”. Eles sem dúvida abraçaram os apóstolos, assim como os outros. [JFB, aguardando revisão]

3 Dizendo: Tu entraste na casa de homens incircuncisos, e comeste com eles.

Comentário de David Brown

Entraste em… Mas Pedro ensaiou o assunto etc. – Esses opositores não duvidam de Pedro, embora o primeiro entre os apóstolos, uma explicação de sua conduta; nem há qualquer insinuação sobre a parte de Pedro de desrespeito à sua autoridade nessa demanda – uma prova manifesta de que tal autoridade era desconhecida tanto para os reclamantes quanto para si mesmo. [JFB, aguardando revisão]

4 Mas Pedro começou a lhes explicar tudo em ordem, dizendo:

Comentário de Albert Barnes

Mas Pedro começou a lhes explicar tudo; isto é, ele começou com a visão que teve e deu uma narrativa dos vários eventos em ordem, conforme eles realmente ocorreram. Uma declaração de fatos simples e sem verniz é geralmente a melhor maneira de desarmar o preconceito e silenciar a oposição. A oposição geralmente surge do preconceito, ou de declarações falsas e exageradas, e tal oposição pode ser melhor removida, não por contenda raivosa, mas por uma relação de fatos sem verniz. Na maioria dos casos, o preconceito será desarmado e a oposição desaparecerá, como foi o caso em relação à admissão dos gentios à igreja.

em ordem. Um evento após o outro, à medida que aconteciam. Ele assim mostrou que sua própria mente tinha sido tão tendenciosa quanto a deles, e declarou de que maneira seus preconceitos haviam sido removidos. Muitas vezes acontece que aqueles que se tornaram mais zelosos e dedicados em quaisquer novas medidas para o avanço da religião se opuseram tanto a eles no início quanto outros. Eles são levados de uma circunstância para outra, até que seus preconceitos desapareçam, e a providência e o Espírito de Deus indiquem claramente seu dever. [Barnes, aguardando revisão]

5 Eu estava orando na cidade de Jope, e vi em êxtase uma visão: um certo objeto que descia como um grande lençol, pelas quatro pontas abaixado desde o céu, e vinha até mim.

Comentário de Phillip Schaff

Eu estava orando na cidade de Jope. Era essencial que Pedro mencionasse o lugar onde essa experiência notável ocorrera. Assim, ele nomeia Cæsarea abaixo (Atos 11:11). Ele está apresentando aos “apóstolos e irmãos” uma declaração precisa dos fatos. Por outro lado, é inútil mencionar o nome de seu anfitrião em Jope, ou a posição precisa da casa de Simão, o Curtidor, embora essas coisas tenham sido importantes na comissão dos mensageiros enviados por Cornélio de Cesaréia. E para voltar a outro ponto, Pedro não fica para dizer a seus ouvintes nesta ocasião que ele estava no telhado da casa quando caiu em transe, que era meio-dia e que o evento ocorreu quando as pessoas na casa estavam preparando sua comida. Mas era essencial que ele mencionasse o fato de estar rezando quando essa estranha série de eventos começou. Este foi o seu ponto de partida. Seus condiscípulos conheciam, pelo ensinamento de seu Senhor e por sua própria experiência diária, o lugar ocupado pela oração no esquema cristão. E o modo de Pedro apresentar o assunto a eles é, de fato, uma lição para todos os tempos. Se começarmos com a oração, Deus fará todo o resto.

e vi em êxtase uma visão. Para eles, longe de sugerir qualquer dificuldade, isso seria persuasivo. Era estritamente de acordo com tudo o que eles haviam aprendido em seu conhecimento da história judaica primitiva. Ao dirigir-se a Cornélio, teria sido deslocado, especialmente porque tudo o que foi visto no transe tinha uma coloração hebraica. O ponto essencial para Pedro (Atos 10:28) insistir com o centurião foi que Deus, de alguma forma, o trouxe a uma nova convicção religiosa.

abaixado desde o céu. Isso é mais definido e vívido do que encontramos na narração direta de Lucas; e é natural que esse tom de diferença seja encontrado aqui, onde a história é contada pela própria testemunha ocular.

e vinha até mim. Isso, novamente, é um acréscimo, que dá muita vivacidade à história contada pelo próprio Pedro. Além disso, é um acréscimo importante, pois mostra que as circunstâncias do transe não foram apreendidas vagamente, mas que ele viu tudo de forma definida e distinta. [Schaff, aguardando revisão]

6 No qual, olhando eu com atenção, considerei e vi quatro quadrúpedes da terra, e animais selvagens, e répteis, e aves do céu.

Comentário de Phillip Schaff

No qual, olhando eu com atenção, considerei. Isto, mais uma vez, é um acréscimo de valor, tanto por causa da animação que comunica a esta narrativa, como porque o argumento é reforçado pelo fato de que ele inspecionou deliberadamente e refletiu sobre o que viu no transe.

animais selvagens. Foi observado acima (no Atos 10:12), que de acordo com a leitura verdadeira, isto pertence apenas à própria declaração de Pedro. Ela acrescenta à ênfase da surpresa sentida por ele ao contemplar uma multidão de todos os tipos de animais, e ao ouvir um comando dando sanção por ele comer deles indiscriminadamente. [Schaff, aguardando revisão]

7 E eu ouvi uma voz que me dizia: Levanta-te Pedro, mata e come.

Comentário de Phillip Schaff

E eu ouvi uma voz que me dizia. Na narrativa de Lucas, a frase é: ‘veio uma voz a ele’. O fato externo de que uma voz foi pronunciada é o que ele relata. Pedro fala de sua própria experiência interior. Ele “ouviu” a voz. Uma comunicação foi efetivamente feita à sua própria inteligência e consciência. [Schaff, aguardando revisão]

8 Mas eu disse: De maneira nenhuma, Senhor; porque nunca comi coisa alguma ordinária, nem coisa imunda entrou em minha boca.

Comentário de Phillip Schaff

entrou em minha boca. O mesmo tipo de comentário pode ser feito aqui como nos outros casos. Lucas tem ‘Eu nunca comi’. Pedro expressa o assunto com mais força e com um sentimento pessoal. [Schaff, aguardando revisão]

9 E a voz me respondeu do céu pela segunda vez: O que Deus purificou, não o faças tu como ordinário.

Comentário de Phillip Schaff

E a voz me respondeu do céu. A palavra “respondeu” é mais definida e viva do que a que encontramos na passagem correlata; e a frase “do céu” é um acréscimo, que teria sua força para os atuais ouvintes de Pedro. Nem devemos esquecer a influência de tudo isso nos tempos futuros. Stier observa: “O ensino da voz do céu através dos lábios de Pedro estava afetando toda a Igreja”. [Schaff, aguardando revisão]

10 E isto aconteceu por três vezes; e voltou-se tudo a recolher acima ao céu.

Comentário de Phillip Schaff

voltou-se tudo a recolher acima ao céu. O grego é ἅπαντα. Há mais vida na frase do que no que encontramos em Atos 10:16. Todo o que foi visto na visão desapareceu ao ser levado para o céu. Aqui também a palavra é ἀνεσπάσθη, lá está ἀνελήμφθη. A frase de Pedro é mais animada e também mais adequada à ação das ‘pontas’ vistas no transe. [Schaff, aguardando revisão]

11 E eis que logo três homens, enviados a mim de Cesareia, pararam junto à casa onde eu estava.

Comentário de Phillip Schaff

E eis que logo três homens. Ele observa, e chama seus ouvintes para notar, a surpreendente coincidência dessa chegada. A exclamação ‘Eis!’ tem seu significado. Mais uma vez é instrutivo comparar seu modo de apresentar a história em Jerusalém com a narrativa dada por Lucas. O apóstolo não diz nada sobre a dificuldade dos mensageiros em indagar pela casa de Simão, o curtidor, e de sua maneira de se apresentar diante do portão. Esses eram fatos externos à experiência do próprio Pedro. Nem diz nada sobre a intensa consideração mental em que estava envolvido quando os mensageiros chegaram de repente. Para ele, no momento, isso era muito importante. Mas o que é essencial para os “apóstolos e presbíteros” marcar é a presença visível da mão de Deus na situação. Este era um argumento, cuja força avassaladora eles não podiam resistir facilmente.

enviados a mim de Cesareia. A nomeação do lugar foi importante (veja notas acima sobre a nomeação de Jope, Atos 11:5). As palavras “para mim” são enfáticas (veja acima em Atos 10:5; Atos 10:22; Atos 10:32; e comp. Atos 15:7).

pararam junto à casa onde eu estava. Onde esta casa ficava, e qual era o nome de seu dono, eram questões estranhas ao modo de Pedro fazer sua declaração (veja notas em Atos 10:6; Atos 10:42). [Schaff, aguardando revisão]

12 E o Espírito me disse que eu fosse com eles, sem duvidar; e também estes seis irmãos foram comigo, e entramos na casa daquele homem.

Comentário de David Brown

entramos na casa daquele homem – Nenhuma menção ao nome de Cornelius, muito menos de sua alta posição, como se isso afetasse a questão. À acusação: “Fomos a homens incircuncisos”, ele simplesmente fala do “homem” incircunciso para quem ele havia sido divinamente enviado. [JFB, aguardando revisão]

13 E ele nos contou como tinha visto um anjo estar em sua casa, e tinha lhe dito: Envia alguns homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro;

Comentário de Phillip Schaff

como tinha visto um anjo. O grego claramente exige que este seja “o anjo”. Este não é o caso em Atos 10:22. Provavelmente a menção desse anjo foi uma parte notável da história, pois chegou aos ouvidos dos apóstolos em Jerusalém; e para suas mentes deve ter parecido uma parte muito grave de todo o assunto. Este modo de fazer uma revelação estava de acordo com muitas partes da história hebraica e com sua própria experiência após a Ressurreição e na Ascensão. Se um anjo apareceu a “este homem”, isso pelo menos levantou uma questão séria que exigia atenção muito cuidadosa.

em sua casa. Se o anjo também apareceu em sua própria casa, isso tornou o caso muito mais forte. Não só tornava menos provável o risco de ilusão, como parecia dar uma espécie de sacralidade àquela casa, cuja entrada por Pedro eles tão severamente acusaram. Veja Atos 10:30.

e tinha lhe dito. Isso foi enfaticamente declarado por Cornélio a Pedro. Veja Atos 10:30. [Schaff, aguardando revisão]

14 O qual te falará palavras, em que tu sejas salvo, e também toda a tua casa.

Comentário de David Brown

O historiador faz o anjo expressar isso de maneira muito mais geral (Atos 10:6). Assim também o subsequente relatório dele pelos deputados e pelo próprio Cornélio a Pedro (Atos 10:22-23). Mas como Pedro se detinha com Cornélio em certos dias, e sem dúvida falavam sobre a maravilhosa cena juntos, talvez essa forma mais completa e mais rica do que o anjo disse foi dada a Pedro; ou o próprio apóstolo pode ter expressado o que o anjo certamente designou, ordenando-lhes que enviassem para ele. Observe que “salvação” é feita aqui para se apoiar em “palavras”, isto é, a mensagem do evangelho referente a Cristo. Mas sobre a “salvação” de Cornélio, veja Atos 10:34-35. Na de sua “casa”, veja em Lucas 19:10. [JFB, aguardando revisão]

15 E quando comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, assim como também no princípio tinha caído sobre nós.

Comentário de Phillip Schaff

E quando comecei a falar. A partir disso, vemos que Pedro pretendia dizer mais do que, em consequência da interrupção divina, lhe foi permitido dizer. Em Atos 10:44 a frase é simplesmente: ‘Enquanto Pedro ainda falava estas palavras’. Aqui o apóstolo, contando a história de si mesmo, nos permite ver, por assim dizer, em sua própria mente.

assim como também no princípio tinha caído sobre nós. E, portanto, milagrosamente, com sinais audíveis ou visíveis ou ambos. Esta parece uma conclusão natural e quase inevitável. Veja Atos 11:17. A frase “no início” é digna de observação cuidadosa. É o mesmo que encontramos na abertura do Evangelho de João e (na Septuaginta) na abertura do Gênesis. Pedro parece reivindicar o Pentecostes como o ponto de partida de uma nova dispensação. E, no entanto, oito ou dez anos se passaram desde aquele dia. Durante esse tempo, o cristianismo estava limitado aos judeus, e a comunidade dos crentes era, por assim dizer, simplesmente uma sinagoga hebraica. Um segundo Pentecostes em Cesaréia parecia necessário para complementar o primeiro Pentecostes em Jerusalém. [Schaff, aguardando revisão]

16 E eu me lembrei da palavra do Senhor, como ele tinha dito: Verdadeiramente João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.

Comentário de David Brown

Então lembrei-me da palavra … João … batizou com água; mas vós sereis batizados com o Espírito Santo. Por isso, então, etc. – isto é, “Visto que o próprio Deus os colocou em um nível com nós mesmos, concedendo-lhes o que o Senhor Jesus pronunciou o maior batismo do Espírito Santo, não teria sido para resistir a Deus se eu tivesse reteve deles o mais baixo batismo de água, e manteve-se distante deles como ainda imundo? [JFB, aguardando revisão]

17 Portanto, se Deus deu a eles igual dom, assim como também a nós, que temos crido no Senhor Jesus Cristo; quem era eu, pois, para que pudesse proibir a Deus?

Comentário de Phillip Schaff

que temos crido no Senhor Jesus Cristo. Foi em virtude da fé, como diz Bengel, e não por causa da circuncisão, que eles próprios haviam recebido o Espírito Santo. Portanto, a fé semelhante entre os gentios tinha direito a uma bênção semelhante. Devemos marcar a ênfase colocada sobre a fé na narrativa acima. Ver Atos 10:43, comp. Atos 15:9.

quem era eu, pois, para que pudesse proibir a Deus?. Seria melhor assim, “Quem era eu, que eu pudesse impedir Deus?” O todo tinha sido tão evidentemente obra de Deus, que Pedro sentiu como nada na presença destes grandes fatos. [Schaff, aguardando revisão]

18 E ao ouvirem estas coisas, se acalmaram, e glorificavam a Deus, dizendo: Portanto também aos gentios Deus deu arrependimento para a vida.

Comentário de David Brown

se acalmaram, e glorificavam a Deus – Bem, se Paulo, depois, apresentasse provas igualmente resistentes, justificando a mesma linha de procedimento, esse partido judeu mostrara a mesma submissão reverente e feliz!

Portanto também aos gentios Deus… – ao contrário, “também concedido aos gentios”. (Veja um deslocamento similar de “também” em Hebreus 12:1). “Conceder arrependimento para a vida” – isto é, “tais como questões da vida” (compare 2Coríntios 7:10, “arrependimento para a salvação”) – é mais do que estar disposto a perdoar o arrependimento (Grotius). O caso de Cornélio é tão manifestamente de graça reinando em todas as etapas de sua história religiosa, que dificilmente podemos duvidar que essa fosse apenas a característica dele que eles queriam exprimir aqui. E esta é a graça que reina em toda conversão. [JFB, aguardando revisão]

19 E os que foram dispersos por causa da perseguição que aconteceu por causa de Estêvão, passaram até a Fenícia, e Chipre, e Antioquia; não falando a ninguém a palavra, a não ser somente aos judeus.

Comentário de David Brown

os que foram dispersos sobre a perseguição que surgiu sobre Estêvão – e que “foi por toda parte pregando a palavra” (Atos 8:4).

passaram até a Fenícia – aquela parte da costa do Mediterrâneo que, começando um pouco ao norte de Cesaréia, se estende para o norte por mais de cem milhas, a meio caminho de Antioquia.

e Chipre – (Veja em Atos 4:36). Uma relação comercial ativa subsistiu entre Phenice e Chipre.

e Antioquia – perto da cabeça da costa nordeste do Mediterrâneo, no rio Orontes, e contendo uma grande colônia de judeus, para cuja religião havia numerosos prosélitos. “Era quase uma Roma oriental, na qual todas as formas da vida civilizada do império encontraram algum representante; e através dos dois primeiros séculos da era cristã foi o que Constantinopla tornou-se depois, o Portão do Oriente “(Howson). [JFB, aguardando revisão]

20 E havia deles alguns homens cipriotas e cirenenses, os quais ao entrarem em Antioquia, falaram aos gregos, anunciando o Evangelho do Senhor Jesus.

Comentário de David Brown

alguns deles eram homens de Chipre e Cirene – (veja em Lucas 23:26); como Lúcio, mencionado em Atos 13:1.

falaram aos gregos – em vez disso, “os gregos”, isto é, os gentios incircuncisos (como a verdadeira leitura está além da dúvida). O Evangelho, desde o início, foi pregado aos “gregos” ou judeus de língua grega, e esses “homens de Chipre e Cirene” eram eles mesmos “gregos”. Como, então, podemos supor que o historiador notaria, como algo novo e singular (Atos 11:22), que alguns dos cristãos dispersos pregavam para eles? [JFB, aguardando revisão]

21 E a mão do Senhor era com eles, e um grande número creu, e se converteu ao Senhor.

Comentário de David Brown

um grande número creu – Assim, a ascensão de Cornélio e seu partido não foi a primeira admissão de gentios incircuncisos na Igreja. (Veja em Atos 10:1.) Não, nós lemos de nenhuma influência que a ascensão de Cornélio e sua casa tinha sobre o progresso adicional do Evangelho entre os gentios; enquanto que aqui abrem-se operações sobre os gentios de um bairro bem diferente, e assistimos com sucesso sempre crescente. O único grande objetivo servido pelo caso de Cornélio era o reconhecimento formal dos princípios que esse caso posteriormente assegurava. (Veja em Atos 15:19-29.) [JFB, aguardando revisão]

22 E esta notícia sobre eles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram a Barnabé, para ir até Antioquia.

Comentário de David Brown

Barnabéaté Antioquia – insinuando que mesmo a caminho de Antioquia encontrou igrejas para visitar (Olshausen). Foi em primeira instância, sem dúvida, uma missão de investigação; e ninguém poderia ser mais adequado para investigar os procedimentos daqueles ciprianos e cireneus do que aquele que era ele mesmo um “grego” de Chipre (Atos 4:36), e “um filho de consolação”. [JFB, aguardando revisão]

23 O qual, ao chegar lá ,e tendo visto a graça de Deus, alegrou-se; e exortou a todos, para que com o propósito do coração permanecessem no Senhor.

Comentário de David Brown

quando ele … tinha visto a graça de Deus – nos novos convertidos.

Foi feliz de possuir e regozijar-se com ela de uma vez como divina, embora fossem incircuncisos.

exortou-os a todos com propósito de coração – em oposição a um discipulado apressado e inconstante.

eles se apegariam ao Senhor – o Senhor Jesus. [JFB, aguardando revisão]

24 Porque ele era um bom homem, e cheio do Espírito Santo, e de fé; e uma grande multidão foi acrescentada ao Senhor.

Comentário de David Brown

Porque ele era um bom homem – O senso de “bom” aqui é claramente “de coração grande”, “mentalidade liberal”, elevando-se acima do estreito sectarismo judaico, e porque, como o historiador acrescenta, ele estava “cheio do Santo”. Espírito e da fé.

e uma grande multidão foi acrescentada ao Senhor – Este procedimento de Barnabé, tão cheio de sabedoria, amor e zelo, foi abençoado para o grande crescimento da comunidade cristã naquela importante cidade. [JFB, aguardando revisão]

25 E Barnabé foi para Tarso, para buscar a Saulo; e achando-o, trouxe-o a Antioquia.

Comentário de David Brown

E Barnabé foi para Tarso, para buscar a Saulo – Claro, isso foi depois do rápido envio de Saul a Tarso, sem dúvida pelo próprio Barnabé, entre outros, para escapar da fúria dos judeus em Jerusalém. E como Barnabé foi o primeiro a tomar o perseguidor convertido pela mão e obter seu reconhecimento como um discípulo pelos irmãos em Jerusalém (Atos 9:27), assim só ele parece naquele período inicial ter discernido nele aquelas peculiares investiduras por virtude da qual ele foi depois para eclipsar todos os outros. Consequentemente, em vez de retornar a Jerusalém, para o qual, sem dúvida, ele enviava relatos de seus procedimentos de tempos em tempos, descobrindo que a mina em Antioquia era rica em promessas e exigia uma mão adicional e poderosa para trabalhar, ele a deixa por um tempo. tempo, faz uma viagem para Tarso, “encontra Saul” (aparentemente implicando – não que ele estivesse escondido (Bengel), mas que ele estava noivo na época em algum circuito de pregação – veja em Atos 15:23), e retorna com ele para Antioquia. Tampouco suas esperanças foram decepcionadas. Como co-pastores, por enquanto, da Igreja lá, eles trabalharam tanto que o Evangelho, mesmo naquela grande e multifacetada comunidade, alcançou para si um nome que viverá e será glorificado enquanto durar este mundo. , como o símbolo de tudo que é mais precioso para a família caída do homem: “Os discípulos eram chamados CRISTIANOS primeiro em Antioquia”. Esse nome originou-se não dentro, mas fora da Igreja; não com seus inimigos judeus, por quem eles foram denominados “nazarenos” (Atos 24:5), mas com os pagãos em Antioquia, e (como a forma da palavra mostra) com os romanos, não os gregos lá (Olshausen). Não foi usado inicialmente em um bom sentido (como Atos 26:28; 1Pedro 4:16), embora dificilmente enquadrado por desprezo (como De Wette, Baumgarten, etc.); mas, como foi um nobre testemunho da luz em que a Igreja considerava Cristo – honrando-O como seu único Senhor e Salvador, habitando continuamente em Seu nome e se gloriando nele -, então foi considerado muito apropriado e belo ser permitido. morrer. [JFB, aguardando revisão]

26 E sucedeu que, durante um ano completo eles se congregaram naquela igreja, e ensinavam a uma grande multidão; e em Antioquia os discípulos foram chamados pela primeira vez de cristãos.

Comentário de Albert Barnes

durante um ano completo. Antioquia era uma cidade extremamente importante em número, riqueza e influência. Foi por isso, provavelmente, que passaram tanto tempo ali, em vez de viajar para outros lugares. A atenção dos apóstolos foi desde cedo e principalmente dirigida às cidades, como lugares de influência e centros de poder. Assim, Paulo passou três anos na cidade de Éfeso, Atos 20:31. E assim ele continuou um ano e meio em Corinto, Atos 18:11. Pode-se acrescentar que as primeiras igrejas foram fundadas nas cidades; e o sucesso mais notável foi a pregação do evangelho nas grandes cidades.

se congregaram… Eles se reuniram para adoração.

naquela igreja. O grego ἐν en levará essa construção; mas não há nenhum exemplo no Novo Testamento onde a palavra “igreja” se refira ao edifício em que uma congregação adora. Evidentemente aqui significa que Barnabé e Saulo se reuniram com a assembléia cristã em tempos apropriados, durante o espaço de um ano, para fins de adoração pública.

os discípulos foram chamados pela primeira vez de cristãos.. Como este se tornou o nome distintivo dos seguidores de Cristo, era digno de registro. O nome foi evidentemente dado porque eles eram os seguidores de Cristo. Mas por quem, ou com que pontos de vista foi dado, certamente não é conhecido. Se foi dado por seus inimigos em escárnio, como os nomes puritanos, quacres, metodistas, etc., têm sido; ou se os próprios discípulos o assumiram, ou se foi dado por intimação divina, tem sido uma questão de debate. Que foi dado em escárnio não é provável, pois no nome “cristão” não havia nada desonroso. Ser os amigos professos do Messias, ou do Cristo, não era para os judeus uma questão de reprovação, pois todos eles professavam ser amigos do Messias. A causa da censura dos discípulos era que eles consideravam Jesus de Nazaré como o Messias; e, portanto, quando seus inimigos desejavam falar deles com desprezo, eles falavam deles como Galileus Atos 2:7, ou como Nazarenos Atos 24:5, “e um líder da seita dos nazarenos”. É possível que o nome lhes tenha sido dado como mera denominação, sem a intenção de transmitir por ele qualquer reprovação. Os gentios provavelmente usariam esse nome para distingui-los, e poderia ter se tornado assim a denominação comum. É evidente a partir do Novo Testamento, penso eu, que não foi concebido como um termo de reprovação. Ocorre apenas duas vezes em outros lugares: Atos 26:28: “Disse Agripa a Paulo: Quase me convences a ser cristão”; 1Pedro 4:16: “Mas, se alguém sofre como cristão, não se envergonhe”. Nenhum argumento certo pode ser extraído em relação à fonte do nome da palavra que é usada aqui. A palavra usada aqui, e traduzida como “foram chamados” – χρηματίζω chrēmatizō – significa:

(1) Para realizar qualquer negócio; ser empregado na realização de qualquer coisa, etc. Esta é a sua significação usual nos escritores gregos.

(2) ser divinamente admoestado, instruído por uma comunicação divina, etc., Mateus 2:12; Lucas 2:26; Atos 10:22; Hebreus 8:5; Hebreus 11:7; Hebreus 12:25 .

(3) ser nomeada, ou chamada, de qualquer forma, sem uma comunicação divina, Romanos 7:3: “Ela será chamada adúltera”. Não se pode negar, no entanto, que o significado mais comum no Novo Testamento é o de uma divina advertência ou comunicação; e é certamente possível que o nome tenha sido dado por Barnabé e Saulo. Recuso-me à opinião, no entanto, de que foi dada a eles pelos gentios que estavam lá, simplesmente como uma denominação, sem pretender que fosse um nome de reprovação; e que foi prontamente assumido pelos discípulos como um nome que os designaria adequadamente. Se tivesse sido assumido por eles, ou se Barnabé e Saulo tivessem conferido o nome, o registro provavelmente teria sido nesse sentido; não simplesmente que eles “foram chamados”, mas que eles tomaram esse nome, ou que foi dado pelos apóstolos. É, no entanto, de pouca importância de onde o nome se originou. Logo se tornou um nome de reprovação, e geralmente tem sido em todas as épocas desde então, pelos ímpios, frívolos, licenciosos e ímpios.

É, no entanto, um nome honrado – a denominação mais honrosa que pode ser conferida a um mortal. Sugere imediatamente a um cristão o nome de seu grande Redentor; a ideia de nossa relação íntima com ele; e o pensamento de que o recebemos como nosso líder escolhido, a fonte de nossas bênçãos, o autor de nossa salvação, a fonte de nossas alegrias. É o nome distintivo de todos os redimidos. Não é que pertençamos a esta ou aquela denominação; não é que nossos nomes estejam ligados a ancestrais elevados e ilustres; não é que estejam registrados nos livros de heráldica; não é que eles sejam altos nas cortes, e entre os frívolos, os elegantes e os ricos, que a verdadeira honra seja conferida aos homens. Estas não são as coisas que dão distinção e especialidade aos seguidores do Redentor. É que eles são “cristãos”. Este é o seu nome especial; por isso eles são conhecidos; isso sugere imediatamente seu caráter, seus sentimentos, suas doutrinas, suas esperanças, suas alegrias.

Isso os une – um nome que se eleva acima de qualquer outra denominação; que une em um os habitantes de nações distantes e tribos de homens; que conecta os extremos da sociedade e os coloca em um nível comum nos aspectos mais importantes; e que é um vínculo para unir em uma família todos aqueles que amam o Senhor Jesus, embora morando em climas diferentes, falando línguas diferentes, engajados em diferentes atividades de vida e ocupando túmulos distantes na morte. Aquele que vive de acordo com a importância deste nome é o mais abençoado e eminente dos costumes. Este nome será lembrado quando os nomes da realeza não forem mais lembrados, e quando as denominações da nobreza deixarem de divertir ou deslumbrar o mundo. [Barnes, aguardando revisão]

27 E naqueles dias desceram de Jerusalém alguns profetas a Antioquia.

Comentário de David Brown

vieram os profetas de mestres inspirados em Jerusalém, uma classe com a qual frequentemente nos reuniríamos com frequência, que às vezes, mas não necessariamente, predisse eventos futuros. Eles são classificados ao lado de apóstolos (1Coríntios 12:28-29; Efésios 4:11). [JFB, aguardando revisão]

28 E levantando-se um deles, por nome Ágabo, declarou pelo Espírito, que estava para haver uma grande fome em todo o mundo; que veio a acontecer no tempo de Cláudio César.

Comentário de David Brown

que deve haver grande escassez em todo o mundo – todo o império romano.

que veio a acontecer no tempo de Cláudio César – Quatro fomes ocorreram durante o seu reinado. Este na Judéia e nos países adjacentes aconteceu, a.d. 41 [Josefo, Antiguidades, 20.2,5]. Uma data importante para traçar a cronologia dos Atos. (Mas esse assunto é muito difícil e extenso para admitir ser tratado aqui). [JFB, aguardando revisão]

29 E os discípulos determinaram de cada um, conforme o que pudesse, mandar algum socorro para serviço dos irmãos que habitavam na Judeia.

Comentário de David Brown

E os discípulos determinaram de cada um, conforme o que pudesse, mandar algum socorro… – Esse foi o puro estímulo do amor cristão, que brilhou tanto nos primórdios do Evangelho. [JFB, aguardando revisão]

30 O que também fizeram, enviando-o aos anciãos pela mão de Barnabé e de Saulo.

Comentário de David Brown

enviando-o aos anciãos – um escritório bem conhecido por ser emprestado da sinagoga; depois do modelo do qual, e não em todo do templo, as igrejas cristãs foram constituídas pelos apóstolos.

pela mão de Barnabé e de Saulo – Esta foi a SEGUNDA VISITA de Saulo a Jerusalém após sua conversão. [JFB, aguardando revisão]

<Atos 10 Atos 12>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.