Lucas 19

Zaqueu, o publicano

1 E Jesus entrou e foi passando por Jericó.

Comentário de David Brown

E Jesus entrou. Visto que a palavra “Jesus” não está no original, ela não deveria ter sido inserida aqui. A tradução deve ser, ‘E Ele entrou’, mostrando que a ocasião é a mesma de antes. [JFU, aguardando revisão]

2 E eis que havia ali um homem, chamado pelo nome de Zaqueu, e este era chefe dos publicanos, e era rico.

Comentário de David Brown

chefe entre os publicanos – cultivando um distrito considerável, com outros sob ele.

ricos – riquezas adquiridas, algumas delas certamente eram. (Veja em Lucas 19:8) [JFB, aguardando revisão]

3 E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era pequeno de altura.

Comentário de David Brown

quem era – que tipo de pessoa. A curiosidade, então, era seu único motivo, embora sua determinação de não ser rejeitado fosse anulada por mais do que ele procurava. [JFB, aguardando revisão]

4 E correndo com antecedência, subiu em uma árvore de frutos que parecem figos, para o ver; porque ele passaria por ali.

Comentário de David Brown

Assim, ansioso por se colocar no caminho de Jesus, por mais fraco que fosse seu motivo, ele foi recompensado por aquilo com que nem sonhava. [JFU, aguardando revisão]

5 E quando Jesus chegou a aquele lugar, olhando para cima, o viu, e disse-lhe:Zaqueu, apressa-te, e desce; porque hoje é necessário que eu fique em tua casa.

Comentário de David Brown

olhando para cima – no pleno conhecimento de quem estava na árvore, e preparatório para se dirigir a ele.

Zaqueu – a quem ele nunca tinha visto em carne e osso, provavelmente nem ouviu falar. “Ele chama as suas próprias ovelhas pelo nome e as conduz para fora” (Jo 10:3).

apressar-se e descer – ao que ele literalmente respondeu – “ele se apressou e desceu”.

porque hoje… – Nosso Senhor se convida, e no estilo “real”, que não espera por convites, mas como a honra é feita ao sujeito, não ao soberano, anuncia o propósito da realeza de participar do assunto. hospitalidades. Manifestamente, nosso Senhor fala como sabendo como o privilégio seria apreciado.

a-dia… abide – (compare Jo 1:39), provavelmente durante a noite. [JFB, aguardando revisão]

6 E apressando-se, desceu, e o recebeu com alegria.

Comentário de David Brown

com alegria – De onde esta tão súbita “alegria” no peito frio de um publicitário avarento? A revolução interna foi tão perfeita quanto instantânea. “Ele falou e foi feito.” “Então o coxo saltará como um cerviz, e a língua do mudo cantará” (Isaías 35:6). [JFB, aguardando revisão]

7 E todos, vendo isto , murmuravam, dizendo:Ele entrou para se hospedar com um homem pecador.

Comentário de David Brown

ser convidado – ou alojamento:algo mais do que “comer com” tais (Lucas 15:2).

um homem pecador – isso foi um, mas um minuto atrás, mas agora não é. Essa poderosa mudança, no entanto, era tudo desconhecido para eles. Mas eles devem saber disso atualmente. “Pecador” refere-se tanto ao seu ofício, vil aos olhos de um judeu, e ao seu caráter, que é evidente que não era bom. [JFB, aguardando revisão]

8 E Zaqueu, levantando-se, disse ao Senhor:Senhor, eis que dou a metade de meus bens aos pobres; e se eu consegui algo enganando a alguém, eu o devolvo quatro vezes mais.

Comentário de David Brown

ficou de pé – antes de tudo.

disse ao Senhor:Senhor, eis que – Marque com que frequência Lucas usa esse título e sempre onde a autoridade, a dignidade ou o poder do Senhor se destinam.

se eu tenho – isto é, “tanto quanto eu tenho”, pois evidentemente o “se” é usado assim (como em Filipenses 4:8).

tomado por falsa acusação – defraudado, sobrecarregado (Lucas 3:12-13).

quatro vezes – a lei romana exigia isso; a lei judaica, mas o principal e um quinto a mais (Números 5:7). Não houve demanda para qualquer um; mas, como se quisesse vingar-se de seu pecado até então reinante (ver em Jo 20:28), e para testemunhar a mudança que experimentara, além de entregar a metade de seus justos ganhos aos pobres, ele voluntariamente decide desistir de tudo isso. foi mal-conseguido, quadruplicado. Ele agradeceu isso ao “Senhor”, a quem ele devia a maravilhosa mudança. [JFB, aguardando revisão]

9 E Jesus lhe disse:Hoje houve salvação nesta casa, porque ele também é filho de Abraão.

Comentário de David Brown

Jesus disse a ele – mas também antes de tudo.

Este dia, etc. – provérbio memorável! A salvação já vem, mas não tem um dia de idade.

nesta casa – tão expressada provavelmente para enfrentar a provocação:”Ele se foi para ser hóspede”, etc. A casa não está mais poluída; agora está apto a receber-me. Mas a salvação para uma casa é uma ideia extremamente preciosa, expressando o novo ar que daí em diante respiraria, e os novos impulsos de sua cabeça que alcançariam seus membros (Salmo 118:15; Atos 16:15-16,31).

filho de Abraão – Ele era aquele por nascimento, mas aqui significa um participante de sua fé, sendo mencionado como a explicação suficiente da salvação chegando a ele. [JFB, aguardando revisão]

10 Porque o Filho do homem veio para buscar, e para salvar o que tinha se perdido.

Comentário de David Brown

perdido – e “perdidos” como este Zaqueu. (Ver Lucas 15:32.) O que há de novo na narrativa para esperar conversões inesperadas? [JFB, aguardando revisão]

11 E ouvindo eles estas coisas, Jesus prosseguiu, e disse uma parábola, porque estava perto de Jerusalém, e pensavam que logo o Reino seria manifesto.

Comentário de David Brown

Uma parábola diferente da dos talentos (Mateus 25:14-30). Pára,

(1) Esta parábola foi falada “quando ele estava perto de Jerusalém” (Lucas 19:11); aquele, alguns dias depois de entrar, e do Monte das Oliveiras.

(2) Esta parábola foi falada à multidão promíscua; isso, só para os Doze. Adequadamente,

(3) Além dos “servos” nesta parábola, que professam sujeição a Ele, há uma classe de “cidadãos” que se recusam a possuí-Lo, e que são tratados diferentemente, enquanto na parábola dos talentos, falada ao antigo classe sozinho, esta última classe é omitida.

(4) Nos Talentos, cada servo recebe um número diferente deles (cinco, dois, um); nas Libras todos recebem a mesma libra, que é apenas a sexagésima parte de um talento; também, nos talentos, cada um mostra a mesma fidelidade dobrando o que recebeu (os cinco são feitos dez; os dois, quatro); nas Libras, cada um recebendo o mesmo, faz um retorno diferente (um fazendo sua libra dez, outros cinco).

Claramente, portanto, a lição pretendida é diferente; o que ilustra igual fidelidade com diferentes graus de vantagem; o outro, diferentes graus de melhoria das mesmas oportunidades; contudo, com toda essa diferença, as parábolas são notavelmente semelhantes. [JFB, aguardando revisão]

12 Disse, pois:Um certo homem nobre partiu para uma terra distante.

Comentário de David Brown

uma terra distante – disse para colocar a noção de que Ele estava apenas a caminho de estabelecer Seu reino e de inaugurá-lo por Sua presença pessoal.

para receber… um reino – seja investido com realeza; como quando Herodes foi a Roma e lá foi feito rei; uma expressão impressionante do que nosso Senhor foi buscar e receber, “assentando-se à destra da Majestade nas alturas”.

para retornar – em sua segunda vinda. [JFB, aguardando revisão]

13 E chamando dez servos seus, deu-lhes dez minas, e disse-lhes:Investi até que eu venha;

Comentário Cambridge

dez minas. A mina custava 100 dracmas (Lucas 15:8). A palavra é uma corrupção do hebraico maneh. (2Crônicas 9:16.) Uma comparação dessa parábola com a dos talentos (Mateus 25:14-30) mostrará a grande diversidade entre os dois. Arquelau realmente deixou dinheiro sob os cuidados de alguns de seus servos, confiando especialmente a Filipe para cuidar de seus interesses pecuniários em sua ausência.

Investi – comerciai, negociai. Salmos 107:23, “que … ocupem os seus negócios em grandes águas” (Livro de Orações). Para o comando, veja 1Pedro 4:10.

até que eu venha. Outra leitura (ἐν ᾧ, א, A, B, D, & c.) Significaria “enquanto estou em minha jornada”, mas envolveria um sentido muito duvidosa de erchomai. [Cambridge, aguardando revisão]

14 E seus cidadãos o odiavam; e mandaram representantes depois dele, dizendo:Não queremos que este reine sobre nós.

Comentário de David Brown

seus cidadãos – seus assuntos apropriados; ou seja, os judeus, que expressamente repudiaram as afirmações de nosso Senhor, disseram:”Não temos outro rei além de César” (Jo 19:15). Na cristandade, estes correspondem aos rejeitos infiéis do cristianismo, distintos dos professos cristãos. [JFB, aguardando revisão]

15 E aconteceu que, quando ele voltou, tendo tomado o reino, disse que lhe chamassem a aqueles servos, a quem tinha dado o dinheiro, para saber o que cada um tinha ganho fazendo investimentos.

Comentário Schaff

tendo tomado o reino. Apesar da hostilidade, Ele voltou como rei; como nosso Senhor fará.

disse que lhe chamassem a aqueles servos, etc. Isso primeiro, antes do julgamento sobre seus inimigos. A mesma ordem é sugerida em relação ao retorno de nosso Senhor (comp. Mateus 13:41; Mateus 13:49; Mateus 24, 25).

o que cada um tinha ganho fazendo investimentos. A indagação é mais estrita:que negócios realizaram? Portanto, nosso Senhor pergunta àqueles servos a quem Ele concedeu o mesmo dom oficial, não que sucesso eles tiveram, mas como o usaram; a fidelidade é o principal (Mateus 25:21). [Schaff, aguardando revisão]

16 E veio o primeiro, dizendo:Senhor, tua mina rendeu outras dez minas.

Comentário do Púlpito

tua mina. A princípio, a pequenez da quantia dada a cada um dos servos é impressionante. Não era uma soma indigna de um nobre prestes a receber um reino? […] Na parábola dos talentos (Mateus 25:14-30), onde embora lições muito diferentes sejam inculcadas, ainda que a imagem seja um tanto semelhante, as quantias, entretanto, são muito maiores, variando de cinco talentos. Aqui, a pequenez da soma confiada aos servos tem um significado profundo. O “nobre” que está para receber um reino representa nosso Senhor, que aqui se encontra em estado de profunda pobreza e humilhação. A pequena soma, em certo sentido, representa o trabalho que ele foi capaz de confiar ao seu próprio. Mais uma vez, a mesquinhez da soma que lhes foi dada parece sugerir o futuro que os espera. Sem compartilhar o que eles esperavam – as glórias de um reino messiânico na terra. Nenhum descanso em repouso sob a sombra do poderoso trono do Rei Messias. O “muito pouco” (ver. 17) disse a eles – se eles apenas ouvissem – que seu futuro como seus servos seria uma vida de atividade inglória comparativamente obscura, sem posição ou poder, sem terra, sem teto, quase sem amigos. Mas a sequência da parábola disse mais do que isso. Proclamava que seu Mestre era capaz de avaliar o valor moral daqueles que haviam sido fiéis e verdadeiros “em muito pouco”; sim, mais, estava em posição de recompensar o servo fiel. E a recompensa, uma cidade por uma mina, apenas sugere as magníficas possibilidades da vida no céu, apenas sugere o esplendor de suas recompensas. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E ele lhe disse:Ótimo, bom servo! Por teres sido fiel no pouco, terás autoridade sobre dez cidades.

Comentário Ellicott

Por teres sido fiel no pouco. Mais literalmente, porque te tornaste fiel. As palavras são em sua substância como aquelas em São Mateus, mas sua identidade absoluta com aquelas na lição tirada da parábola do Administrador Injusto é em todos os sentidos sugestiva. Esta parábola está conectada a isso como sua sequência natural e desenvolvimento.

terás autoridade sobre dez cidades. A verdade implícita em Mateus 25:2, que a recompensa da fidelidade nesta vida, e provavelmente na vida futura, será encontrada em oportunidades ainda mais amplas de trabalhar a serviço de Deus, é declarada aqui com maior clareza. “Autoridade sobre dez cidades” deve ter algo correspondente a ela, alguma energia e trabalho de orientação, nas realidades do mundo invisível, e não pode ser simplesmente entendida como realizada na visão beatífica ou na vida de incessante louvor e adoração. [Ellicott, aguardando revisão]

18 E veio o segundo, dizendo:Senhor, tua mina rendeu cinco minas.
19 E disse também a este:E tu governarás cinco cidades.
20 E veio outro, dizendo:Eis aqui tua mina, que guardei em um lenço.

Comentário Whedon

veio outro. Nem todos os servos, mas os casos de amostra, são descritos como chegando.

um lenço. A palavra no original é o grego da palavra latina sudarium, que é derivada da palavra sudor, suor, usada para limpar o suor do rosto. Dificilmente podemos pensar, entretanto, que nosso Senhor apontou para o ponto que Trench especifica; que este servo preguiçoso, não necessitando do linho para enxugar o suor, o usava para embrulhar a mina. Era um lenço, apropriado para esconder dinheiro. [Whedon, aguardando revisão]

21 Porque tive medo de ti, que és um homem rigoroso, que tomas o que não puseste, e colhes o que não semeaste.

Comentário Ellicott

que és um homem rigoroso. O adjetivo grego não é usado em nenhum outro lugar do Novo Testamento. Literalmente, significa seco e, portanto, duro e rígido. Em 2 Macabeus 14:30 é traduzido como “rude”. [Ellicott, aguardando revisão]

22 Porém ele lhe disse:Servo mau, por tua boca eu te julgarei; tu sabias que eu era um homem rigoroso, que tomo o que não pus, e que colho o que não semeei;

Comentário Barnes

por tua boca eu te julgarei. Por sua própria declaração, ou por suas próprias opiniões sobre meu caráter. Se você “soubesse” que esse era o meu caráter e “soubesse” que eu seria rígido, firme e até severo, faria parte da sua sabedoria ter feito o melhor uso do dinheiro ao seu alcance; mas como você “conhecia” meu caráter de antemão, e estava bem familiarizado com o fato de que eu deveria exigir o estrito cumprimento de sua obrigação, você não tem o direito de reclamar se for condenado de acordo com isso. Não devemos supor que Deus é “injusto ou austero”; mas o que devemos aprender com isso é que, como as pessoas sabem que Deus será “justo”, e as chamará para prestar contas rigorosas no dia do julgamento, elas devem estar preparadas para encontrá-lo, e não podem então reclame se Deus deve condená-los. [Barnes, aguardando revisão]

23 Por que, então, não puseste meu dinheiro no banco; e quando eu viesse, o receberia de volta com juros?

Comentário do Púlpito

Muitos no “banco” viram espelhadas aquelas sociedades cristãs e organizações religiosas às quais cada crente pode confiar os recursos que ele não sabe como usar da melhor forma. Sem particularizar, no entanto, parece melhor entender o Senhor aqui simplesmente com a intenção de ensinar, por sua imagem de banco, que nenhum homem neste mundo está condenado à inatividade ou à inutilidade, mas que haverá oportunidade para todo aquele que é disposto a usar seu talento de forma humilde, senão de forma heroica e notável. [Pulpit, aguardando revisão]

24 E disse aos que estavam com ele:Tirai-lhe a mina, e dai-a ao que tem as dez minas.

Comentário Cambridge

Tirai-lhe a mina. Aqui nosso Senhor deixa a base histórica. Compare Mateus 21:43:“O reino de Deus será tirado de vocês e será dado a uma nação que produza os seus frutos.” Lucas 8:18. [Cambridge, aguardando revisão]

25 E eles lhe disseram:Senhor, ele já tem dez minas.

Comentário Ellicott

O toque de admiração, talvez de indignação, é peculiar a Lucas. Dificilmente pode ser considerado simplesmente um elemento de vivacidade dramática. Ele prenuncia os sentimentos com que os homens em todas as épocas olharam para aqueles que são maiores do que eles. Eles se ressentem da influência e oportunidades para o bem que são transferidas daqueles que não as usaram para aqueles que as farão. Não podemos pensar em algum sentimento como o de trabalhar entre os membros da Igreja da Circuncisão, que não ofereceram a Paulo e Barnabé a destra da comunhão (Gálatas 2:9)? Quando a Galácia recebeu o evangelho de alguém que já havia plantado igrejas em toda parte, Lucas pode muito bem ter visto nele uma ilustração da libra tirada do servo preguiçoso e dada àquele que tinha dez. [Ellicott, aguardando revisão]

26 O senhor respondeu:Porque eu vos digo, que todo aquele que tiver, lhe será dado; mas ao que não tiver, até o que tem, lhe será tirado.

Comentário Whedon

que todo aquele que tiver. Assim como a riqueza fornece meios para uma riqueza maior, de modo que o homem mais rico tem mais meios para riquezas ainda maiores, o mesmo ocorre com as virtudes e os vícios. Os bons possuem os meios mais ricos de uma bondade ainda maior, e o vício acumula força autodepravativa em proporção geométrica. Como, então, se deixada por si mesma, a maldade pode ser diferente de aumentar eternamente? [Whedon, aguardando revisão]

27 Porém a aqueles meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui, e matai -os diante de mim.

Comentário de David Brown

trazei-os aqui… – (compare 1Samuel 15:32-33). Referindo-se à terrível destruição de Jerusalém, mas apontando para a destruição final de tudo o que se encontra em rebelião aberta contra Cristo. [JFB, aguardando revisão]

28 E dito isto, ele foi caminhando adiante, subindo para Jerusalém.

Comentário Whedon

E agora nosso Senhor, tendo explicado qual não era o propósito ou resultado de sua ida a Jerusalém, e tendo deixado para registrar seu anúncio de que não era para nenhum reino terreno, está pronto para prosseguir com sua marcha. Depois de deixar a casa de Zaqueu, ele segue, seguido pela multidão da páscoa, para Betânia; em que lugar ele chega, como supomos, na tarde de sexta-feira, e passa o sábado-shabá que precede a semana da paixão; e na ceia, na casa de Simão, o leproso, é ungido por Maria. No dia seguinte, sendo Domingo de Ramos e o primeiro dia da semana da paixão, ele faz sua entrada triunfal em Jerusalém. [Whedon, aguardando revisão]

29 E aconteceu que, chegando perto de Betfagé, e de Betânia, ao monte chamado das Oliveiras, mandou a dois de seus discípulos,

Comentário de David Brown

Betfagé – “casa dos figos”, uma aldeia que, com Betânia, ficava ao lado do Monte Olivet, a leste de Jerusalém. [JFB, aguardando revisão]

30 Dizendo:Ide à aldeia que está em frente; onde, ao entrardes, achareis um potro atado, em que ninguém jamais se sentou; soltai-o, e trazei-o.

Comentário do Púlpito

O relato deste acontecimento é menos circunstancial em Lucas do que nos outros evangelistas. A referência à profecia de Zacarias 9:9 é omitida aqui. Esta profecia é, no entanto, necessária para a plena compreensão do ato místico de montar em um jumentinho. São Lucas, compilando especialmente para leitores gentios, sentiria que tal referência à velha história hebraica dificilmente interessaria a um estrangeiro, e serviria para distrair tal interesse no progresso do grande recital. Para nós, entretanto, o significado da cena, lida à luz das palavras de Zacarias 9:9 e da história hebraica em geral, é o seguinte:Os discípulos e a multidão desejavam que seu Mestre reivindicasse um reino. Neste momento de sua história agitada, ciente de que a morte o aguardava no decorrer dos próximos dias, ele optou por gratificá-los; então ele reivindicou seu reino, mas um reino totalmente diferente do que eles desejavam. Ele veio para sua cidade real e sagrada no estranho disfarce prefigurado por Zacarias, como um Príncipe da Paz, não com carruagem e cavalo, mas cavalgando humildemente em um jumentinho, reivindicando, também, um domínio de mar a mar, do rio até os confins da terra (Zacarias 9:10). Onde ainda nunca o homem se sentou. Por este motivo especialmente adaptado para um uso sagrado (ver Números 19:2; Deuteronômio 21:3; 1Samuel 6:7). [Pulpit, aguardando revisão]

31 E se alguém vos perguntar:Por que o soltais? Direis assim a ele:Porque o Senhor precisa dele.

Comentário de David Brown

o Senhor precisa… – Ele sabia tudo e tinha a chave do coração humano. (Veja em Lucas 19:5.) Talvez o dono fosse um discípulo. [JFB, aguardando revisão]

32 E indo os que tinham sido mandados, acharam como lhes disse:

Comentário de David Brown

Marcos é tão singularmente preciso aqui, que é impossível duvidar que a descrição seja recente de um dos dois discípulos enviados nesta missão; e, nesse caso, quem pode ser senão Pedro, de cuja mão neste Evangelho toda a antiguidade testifica e a evidência interna é tão forte? Provavelmente João era o outro (compare Marcos 14:13 com Lucas 22:8). “E eles foram (diz Marcos), e encontraram o jumentinho amarrado à porta do lado de fora em um lugar onde os dois caminhos se encontravam; e eles o soltaram.” Não tivessem os mínimos detalhes dessa grande entrada em Jerusalém gravados na memória daqueles queridos discípulos que tiveram a honra de participar dos preparativos para isso, tais detalhes sem importância nunca haviam sido registrados. [JFU, aguardando revisão]

33 E soltando o potro, seus donos lhe disseram:Por que soltais o potro?

Comentário Ellicott

seus donos. Neste caso, Lucas, embora menos gráfico em sua narrativa em geral, é mais específico do que Marcos, que representa a questão como vinda de “alguns daqueles que estavam por perto”. O uso da mesma palavra grega para “dono” e para “Senhor” fornece um exemplo notável da elasticidade de sua amplitude de significado. [Ellicott, aguardando revisão]

34 E eles disseram:O Senhor precisa dele.

Comentário Schaff

As melhores autoridades inserem depois de disseram uma palavra que pode ser um sinal de citação ou significar “porque”. A última cláusula de Lucas 19:31 corresponde exatamente, e a tradução deve ser a mesma em ambos os casos, embora o sentido seja não afetado. [Schaff, aguardando revisão]

35 E o trouxeram a Jesus; e lançando suas roupas sobre o potro, puseram Jesus montado nele.

Comentário de David Brown

E o trouxeram a Jesus. Mateus aqui dá um particular importante, omitido pelos outros evangelistas. Ele diz que “trouxeram a jumenta e o potro”. Claro, o potro intacto seria ainda mais tratável por ter sua mãe para acompanhá-lo. A influência deste minuto em particular na profecia que está prestes a ser citada é muito impressionante.

e lançando suas roupas sobre o potro, puseram Jesus montado nele – Ele permitindo que eles representassem esta parte dos assistentes na realeza, como condizente com o estado que Ele estava agora, pela primeira e única vez, assumindo. [JFU, aguardando revisão]

36 E indo ele andando, estendiam suas roupas pelo caminho.

Comentário de David Brown

E indo ele andando (ou prosseguia em direção à cidade) estendiam suas roupas pelo caminho – isto é, as multidões que se reuniam o faziam; atraídos, provavelmente, em primeira instância, pela novidade do espetáculo, mas uma visão mais elevada dele passando por eles. Mateus diz:“E uma grande multidão” – ou ‘a imensa multidão’ “estendeu suas vestes no caminho; outros cortaram galhos das árvores e os espalharam no caminho”. Esta forma de vestir suas vestes sob Seus pés era uma maneira oriental antiga de expressar a homenagem de um povo para com seu soberano, ou alguém a quem eles desejavam receber como tal – como vemos no caso de Jeú (2Reis 9:13). E estender um pano lindo sobre o caminho que deve ser percorrido por um monarca em qualquer grande ocasião é nossa maneira moderna de fazer a mesma coisa. [JFU, aguardando revisão]

37 E quando já chegava perto da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão de discípulos, com alegria começou a louvar a Deus em alta voz, por todas as maravilhas que tinham visto,

Comentário de David Brown

toda a multidão… – A linguagem aqui é muito grandiosa, destinada a expressar uma explosão de admiração muito mais ampla e profunda do que nunca havia sido testemunhada antes. [JFB, aguardando revisão]

38 Dizendo:Bendito o Rei que vem em nome do Senhor; paz no céu, e glória nas alturas.

Comentário de David Brown

Bendito o Rei… – Marcos (Marcos 11:9-10) mais plenamente, “Hosana”, isto é, “Salve agora”, as palavras do Salmo 118:25, que foram entendidas como referindo-se ao Messias ; e assim eles acrescentam:“ao Filho de Davi, bendito seja Aquele que vem em nome do Senhor (Salmo 118:26), Hosana no Altíssimo”. Esse foi o estilo mais elevado em que Ele poderia ser saudado como o Prometido Deliverer.

paz, etc. – (Veja em Lucas 2:13-14). [JFB, aguardando revisão]

39 E alguns dos fariseus da multidão lhe disseram:Mestre, repreende a teus discípulos.

Comentário Ellicott

E alguns dos fariseus. A brevidade comparativa da descrição de Lucas é mais do que compensada pelo interesse das duas narrativas que se seguem, e que são encontradas apenas em seu Evangelho. A seção de fariseus que falou foi provavelmente aquela que mais ou menos reconheceu nosso Senhor como um “Mestre” (isto é, Mestre ou Rabino), e estava disposta a dar a Ele o que eles achavam uma porção justa de respeito como tal. Ir além disso, recebê-Lo como o prometido “Aquele que vem”, como “o rei de Israel, o Cristo”, parecia-lhes apenas o frenesi dos discípulos, que o Mestre deveria controlar. [Ellicott, aguardando revisão]

40 E respondendo ele, disse-lhes:Digo-vos, que se estes se calarem, as pedras clamariam.

Comentário de David Brown

as pedras… – Até então o Senhor havia desencorajado todas as manifestações a Seu favor; mais tarde, Ele começou um curso oposto; nesta ocasião Ele parece entregar toda a sua alma ao aclamado e amplo e com uma satisfação misteriosa, considerando-a tão necessária uma parte da dignidade real em que o Messias Ele entrou pela cidade pela última vez, que se não fosse oferecido pela vasta multidão, teria sido arrancado das pedras em vez de ser retido (Hebreus 2:11). [JFB, aguardando revisão]

41 E quando já estava chegando, viu a cidade, e chorou por causa dela,

Comentário de David Brown

chorou – Compare Lm 3:51:“O meu olho afeta o meu coração”; o coração afetando novamente o olho. Sob esta lei simpática da relação entre mente e corpo, Jesus, em Sua bela e terna humanidade, foi constituído como nós. Que contraste com a profunda alegria imediatamente anterior! Ele se rendeu igualmente a ambos. (Veja em Mateus 23:37) [JFB, aguardando revisão]

42 Dizendo:Ah, se tu também conhecesses, pelo menos neste teu dia, aquilo que lhe traria paz! Mas agora isto está escondido de teus olhos.

Comentário de David Brown

pelo menos nisso, etc. – mesmo nesse momento comovente. (Veja em Lucas 13:9)

tua paz – pensando talvez no nome da cidade. (Hebreus 7:2) (Webster e Wilkinson) Quanto está incluído nesta palavra!

agora… escondeu – foi o Seu entre os Seus últimos esforços abertos para “juntá-los”, mas seus olhos estavam judicialmente fechados. [JFB, aguardando revisão]

43 Porque dias virão sobre ti, em que teus inimigos lhe cercarão com barricadas, e ao redor te sitiarão, e lhe pressionarão por todos os lados.

Comentário de David Brown

com barricadas – uma muralha; primeiro de madeira, e quando isto foi queimado, uma parede construída, quatro milhas em circuito, construiu em três dias – tão determinado eram eles. Isso “cortou toda a esperança de escapar” e consignou a cidade a horrores inigualáveis. (Veja Josefo, Guerras dos Judeus, 6.2; 12.3,4.) Tudo aqui previsto foi com o terrível literalmente cumprido. [JFB, aguardando revisão]

44 E derrubarão a ti, e a teus filhos; e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo em que foste visitada.

Comentário de David Brown

Tudo aqui previsto foi com terrível literalidade cumprida, e a providência que preservou um comentário tão notável sobre ele como o registro de Josefo – uma testemunha ocular do primeiro ao último, um judeu de eminência distinta, um oficial de alta capacidade militar no exército judeu, e quando feito prisioneiro vivendo no campo romano, e agindo uma e outra vez como um negociador entre as partes em confronto – não pode ser reconhecido com muito devoção. [JFU, aguardando revisão]

45 E entrando no Templo, começou a expulsar a todos os que vendiam e compravam ali,

Comentário de David Brown

Como a primeira purificação foi em Sua primeira visita a Jerusalém (Jo 2:13-22), então esta segunda limpeza foi a última.

den de ladrões – unidos por pilhagem, imprudente de princípio. O termo leve “casa de mercadorias”, usado na ocasião anterior, era agora inadequado. [JFB, aguardando revisão]

46 Dizendo-lhes:Está escrito:Minha casa é casa de oração; Mas vós a tendes feito um esconderijo de ladrões.

Comentário de David Brown

Esta também é uma citação, mas de Jeremias (Jeremias 7:11) – “Esta casa que se chama pelo meu nome tornou-se covil de ladrões aos vossos olhos? Eis que eu mesmo vi isso, diz o Senhor.” Nosso Senhor usa as próprias palavras da Septuaginta. A acusação mais branda, feita na ocasião anterior – “Vocês fizeram dela uma casa de mercadorias” – agora era inadequada. Nem foi a autoridade do profeta expressamente mencionada naquela ocasião, pelo menos até agora como registrada, embora estivesse certamente implícita na linguagem da repreensão. O segundo Evangelho é mais exato e completo na citação do profeta:”E ensinava, dizendo-lhes:Não está escrito:A minha casa será chamada por todas as nações casa de oração?” (Marcos 11:17). A tradução deve ser, como na margem, ‘para todas as nações’, e como no profeta “para todos os povos”, ou melhor, ‘todas as nações’. O vislumbre aqui dado da extensão da Igreja a “todos os povos, línguas e nações” e, consequentemente, além da economia antiga – que é o peso da passagem original – não foi o ponto imediato para o qual nosso Senhor se referiu a ela, mas o caráter da casa como a de Deus – “Minha casa” – e “uma casa de oração”. E foi a sua profanação sob esta luz que nosso Senhor tão severamente repreendeu. [JFU, aguardando revisão]

47 E ensinava diariamente no Templo; e os chefes dos sacerdotes, e os escribas, e os chefes do povo, procuravam matá-lo.

Comentário Lange

E ensinava diariamente. Representação marcante e vívida do estado de coisas neste momento crítico. Do lado de nosso Senhor, coragem inabalável, compostura e energia de espírito, com as quais Ele se mostra publicamente todos os dias, unidas com suplicante cuidado por Sua própria segurança, que O leva a não passar a noite em Jerusalém enquanto Sua hora ainda não chegou. Do lado de Seus inimigos, ódio irreconciliável e pensamentos de assassinato, especialmente por parte da aristocracia mundana, que se considera mortalmente ameaçada por Ele. Do lado do povo, não diminuiu o deleite em ouvi-Lo, motivo pelo qual Seus inimigos, com seus desígnios mesquinhos, ainda não podem obter castigo contra o Salvador. O povo está pendurado em Seus lábios. Quanto mais ouvem, mais desejam ouvir (ἐξεκρέματο, cum gen.). “Como abelhas nas flores em que procuram mel, ou como pássaros jovens na boca dos velhos de quem desejam comer.” Enquanto isso, Seus inimigos estão visivelmente perplexos. Eles não descobrem o que farão a ele. O Salvador e as pessoas igualmente são, no momento, um obstáculo para eles. Assim, é exibido de um lado o poder da inocência desarmada, do outro a impotência da malícia armada e resolvida. [Lange, aguardando revisão]

48 E não achavam como fazer, porque todo o povo o ouvia com muita atenção.

Comentário Whedon

todo o povo o ouvia com muita atenção. A Páscoa trouxe vários de seus amigos da Galiléia; sua pregação conquistou muitos seguidores na região além do Jordão; a ressurreição de Lázaro em Betânia tornara seu nome maravilhoso entre o povo de Jerusalém e seus arredores. A influência das ordens governantes foi vencida por algum tempo, e a causa de Jesus parecia triunfante naquele momento. [Whedon, aguardando revisão]

<Lucas 18 Lucas 20>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.