João 2

1 E no terceiro dia houve um casamento em Caná da Galileia; e a mãe de Jesus estava ali.

Comentário de David Brown

terceiro dia – Ele levaria dois dias para chegar à Galileia, e este era o terceiro.

mãe lá – sendo provavelmente o casamento de algum parente. John nunca a nomeia (Bengel). [JFB, aguardando revisão]

2 E também Jesus foi convidado com seus discípulos ao casamento.

Comentário de E. W. Hengstenberg

A mãe de Jesus já estava lá quando este convite foi feito. Parece que Jesus e Seus discípulos vieram procurá-la ali, e então foram convidados. A deficiência pode ter surgido, em parte, do aumento inesperado do número de convidados. O amor havia superado a capacidade. Não é importante para nosso julgamento do remédio que a necessidade tenha sido produzida em parte pelo próprio Jesus.

O casal de noivos era sem dúvida um temente a Deus. Caso contrário, a mãe de Jesus não teria se interessado tanto por eles, e Jesus também teria recusado o convite. O convite a Jesus e seus discípulos, pelo menos aqueles cinco cuja conversão é descrita no capítulo anterior (Lampe:“qui magnifacit Jesum, illi etiam discipuli ejus grati sunt”), procedeu, ao que parece, de uma fé germinante, e teve a mesma fonte que o convite de Abraão para seus três convidados celestiais. Eles preferem se expor para serem envergonhados, do que deixar Jesus e Seus discípulos irem.

A pronta disponibilidade com que Jesus aceita o convite para as núpcias, para si e para os seus discípulos, contrasta com o modo de vida severo de João Batista:cf. Mateus 11:19. Olshausen:“Os primeiros discípulos de Cristo eram todos originalmente discípulos do Batista. Seu modo de vida – austeridade rígida e penitencial e morada solitária no deserto – naturalmente lhes parecia o único certo. Que contraste para eles, quando o Messias, a quem o próprio Batista os havia indicado, os leva antes de tudo ao casamento!” Jesus traz consigo novos poderes sobrenaturais, de posse dos quais Seus discípulos não precisam evitar ansiosamente o contato com assuntos mundanos, mas pelos quais devem vencê-los e santificá-los. A renúncia ao mundo é indicada e ordenada apenas enquanto tais poderes ainda não existirem. Mas era importante indicar que o casamento e a vida conjugal são capazes de tal santificação; foi de valor para todos os tempos da Igreja fazer um protesto contra aqueles que consideram o estado conjugal como profano – um modo de consideração do qual encontramos germes mesmo na era apostólica, 1Timóteo 4:3. Além disso. devemos considerar o momento em que Jesus aceita o convite para o casamento. Bengel tem à frente, com perfeita correção, comentou:“magna facilita Domini:nuptiis interest primo tempore, dum discipulos alilicit, per severiores inde vias progressurus ad crucem, in gloriam”. Dificilmente Jesus teria levado Seus discípulos a um casamento pouco antes de Sua paixão. Quando, em Mateus 9:15, Ele diz, com respeito a Seus discípulos:“Mas dias virão em que o esposo lhes será tirado, e então jejuarão”, podemos supor que, mesmo quando esse tempo fosse imediatamente antes deles, Jesus não teria levado Seus discípulos a ocasiões como aquelas em que a vida é apresentada do lado mais alegre. Naquela primeira vez, porém, a aceitação do convite para o casamento parece mais adequada, pois esta, juntamente com seu significado independente, tem também um alto valor como símbolo e prenúncio. Cristo não era aqui o noivo; mas o casamento, segundo uma concepção naturalizada pelo Cântico dos Cânticos, e amplamente estendido no Novo Testamento, parece ser uma representação da relação de Cristo com Sua Igreja, um tipo de casamento do Cordeiro. Cf. João 3:29; Mateus 9:15; Mateus 22:1-14; Mateus 25:10; Efésios 5:32; Apocalipse 19:7; Apocalipse 22:17; Apocalipse 21:2; Apocalipse 21:9. Essa dignidade simbólica do casamento e da vida conjugal pressupõe sua dignidade independente. Apenas uma condição sagrada, apenas uma venerável ordenança de Deus, pode ser um prenúncio da mais alta e sagrada de todas as relações. [Hengstenberg, aguardando revisão]

3 E tendo faltado vinho, a mãe de Jesus lhe disse:Não têm vinho.

Comentário de David Brown

Não têm vinho – evidentemente esperando alguma demonstração de Sua glória, e insinuando que agora era o Seu tempo. [JFB, aguardando revisão]

4 Jesus lhe disse:O que eu tenho contigo, mulher? A minha hora ainda não chegou.

Comentário de David Brown

Mulher – nenhum termo de desrespeito na linguagem daquele dia (Jo 19:26).

o que … fazer com você – isto é, “Nos negócios de meu Pai eu tenho que fazer somente com Ele”. Foi uma repreensão gentil pela interferência oficiosa, entrando em uma região da qual todas as criaturas foram excluídas (compare Atos 4:19-20).

minha hora… – insinuando que Ele faria algo, mas em seu próprio tempo; e então ela entendeu (Jo 2:5). [JFB, aguardando revisão]

5 Sua mãe disse aos servos:Fazei tudo quanto ele vos disser.

Comentário de Thomas Croskery

Sua mãe disse aos servos. Os hábitos da vida oriental nos dias de hoje tornam extremamente provável que os próprios discípulos de Jesus estivessem tomando o lugar daqueles que graciosamente serviam os convidados. Se assim for, a linguagem de Maria para eles e o efeito especial de toda a cena em suas mentes tornam-se marcantes e sugestivos. Seja como for, a mãe de Jesus entendeu claramente pela gentil repreensão que recebeu, que Cristo, seu Filho, havia lido seu coração e estava indo de alguma forma, não para satisfazer seu desejo querido, mas pelo menos para levá-la sugestão para o consolo de seus jovens amigos, e atender a sua sugestão.

Fazei tudo quanto ele vos disser. Embora em certo sentido menosprezada ou reprovada, ela exibe a mais completa confiança em seu Filho e Senhor. Ela encoraja os servos a fazer o que ele mandar. Mais pode ter passado entre eles do que é relatado. O evangelista frequentemente sugere detalhes omitidos (como em João 11:28; João 3:1, 2; e em outros lugares). A fé de Maria não foi deprimida pela descoberta de que havia profundidades de caráter em seu Filho que ela não conseguia entender. A obediência a Cristo sempre será nosso dever, ainda que não possamos penetrar nas razões de seu comando. Uma ilustração interessante das palavras de Maria pode ser vista em Gênesis 41:55, onde Faraó dá a mesma injunção a seus servos a respeito de José. O arquidiácono Watkins registra uma curiosa tradição, mencionada por Jerônimo em seu Prólogo ao Evangelho, de que João era o noivo, mas que, guiado pelo milagre, ele deixou tudo e seguiu a Cristo 1. [Croslery, aguardando revisão]

6 E estavam ali postos seis vasos de pedra, conforme à purificação dos judeus, em cada uma cabiam duas ou três metretas.)

Comentário de David Brown

firkins – cerca de sete litros e meio em judaica, ou nove em medida ática; cada um desses grandes jarros de água, portanto, contendo uns vinte ou mais galões, para lavagens em tais festas (Marcos 7:4). [Brown, aguardando revisão]

7 Disse-lhes Jesus:Enchei estes vasos com água. E encheram-nas até encima.

Comentário de David Brown

Encha… desenhe… carregue – dirigindo tudo, mas Ele mesmo tocando nada, para prevenir toda a aparência de conluio. [JFB, aguardando revisão]

8 E disse-lhes:Agora tirai, e a levai ao mestre de cerimônia. Então levaram.

Comentário de David Brown

[JFU, aguardando revisão]
9 E quando o mestre de cerimônia experimentou a água feita vinho (sem saber de onde era, porém os servos que haviam tirado a água sabiam), o mestre de cerimônia chamou o noivo,

Comentário de Thomas Croskery

E quando o mestre de cerimônia experimentou a água feita vinho. Lutero traduziu:”Den Wein der Wasser gewesen war” – “O vinho que era água”. Nenhuma outra explicação é possível do que aquela que afirma uma violação espantosa das evoluções e sequências ordinárias da natureza. Se o vinho substituiu a água, foi acrescentado à água o que não existia antes. A videira, com todos os seus processos maravilhosos – a vinha, o lagar e outros aparelhos – foram todos dispensados, e o mesmo poder que dizia:”Faça-se a luz”, chamou esses elementos adicionais juntos, originou-os por sua vai. As novas propriedades se apresentaram aos sentidos perceptivos. A este respeito, a transformação é profundamente diferente da suposta mudança que ocorre na Santa Eucaristia. Ali permanecem todos os acidentes e elementos; supõe-se que a substância subjacente a elas seja substituída por outra substância; mas nem uma nem outra substância jamais esteve presente aos sentidos. Aqui se apresenta uma nova substância, com atributos até então desconhecidos. Os oponentes intransigentes do sobrenatural aceitarão quase qualquer interpretação, exceto aquela que está na superfície. As explicações místicas racionalistas, míticas e poéticas, todas igualmente, estão sobrecarregadas de dificuldades especiais. O evangelista que considerou Cristo como o Logos encarnado não viu nada de inconcebível no evento. Foi um dos muitos fenômenos que acompanharam sua vida como o “Filho do homem”, que ajudou a criar o pressuposto subjacente sobre o qual o Evangelho foi escrito. Como o testemunho do último dos profetas e do primeiro dos discípulos, é parte da evidência de que o Logos habitou entre nós. Quando o governador provou o vinho tirado desses potes de água e não sabia de onde era. Ele conhecia todos os recursos da festa, mas isso o intrigou por sua novidade. “De onde veio? Onde foi armazenado? De quem é?” Um parêntese interessante é aqui introduzido, para contrastar a ignorância do governante da festa com o mistério esmagador do conhecimento dado aos servos (os discípulos do próprio Jesus), [porém os servos que haviam tirado a água sabiam]; sabia, isto é, de onde era e, parece-me, o que era. Meyer e outros dizem que não sabiam que tinham trazido vinho. É impossível afirmar tanto quanto isso. Eles sabiam que não era um barril de vinho ou um barril de vinho, mas um jarro de água, do qual eles haviam tirado para encher os cálices em suas mãos. Tornaram-se, portanto, fiadores do signo misterioso. Não podemos dizer quanto mais do que “de onde” havia ocorrido em suas mentes.

o mestre de cerimônia chamou o noivo. Podemos julgar por isso que essa pessoa responsável não estava no lugar onde os seis cântaros foram colocados, e que ele se aproximou do noivo em seu assento de honra, ou o chamou do seu próprio, e expressou, por uma jactância convivial e elogios equívocos, sua percepção da excelência do vinho que, assim, no final da festa, foi prodigalizado aos convidados, que até então eram estranhamente mantidos na ignorância dos recursos do anfitrião. É desnecessário colocar nas palavras qualquer significado mais profundo do que o humor epigramático em que ele revelou seu senso da realidade do fato objetivo que lhe foi trazido ao conhecimento. [Croslery, aguardando revisão]

10 E disse-lhe:Todos põem primeiro o vinho bom, e quando os convidados já estão bêbados, então se dá o pior; porém tu guardaste o bom vinho até agora.

Comentário de David Brown

o bom vinho … até agora – assim testificando, embora ignorante da fonte de suprimento, não só que era vinho real, mas melhor do que qualquer outro na festa. [JFB, aguardando revisão]

11 Este princípio de sinais Jesus fez em Caná da Galileia, e manifestou sua glória; e seus discípulos creram nele.

Comentário de David Brown

manifestou sua glória – Nada menos no que se diz sobre os milagres do profeta ou apóstolo, nem poderia, sem manifestar blasfêmia, ser dito de qualquer mera criatura. Observe, (1) Em um casamento, Cristo fez sua primeira aparição pública em qualquer companhia, e em um casamento Ele realizou Seu primeiro milagre – a mais nobre sanção que poderia ser dada àquela instituição dada por Deus. (2) Como o milagre não tornou o bem ruim, mas o bem melhor, assim o cristianismo apenas redime, santifica e enobrece a benéfica mas abusada instituição do casamento; e toda a obra de Cristo somente transforma a água da terra no vinho do céu. Assim, “este início de milagres” exibiu o caráter e “manifestou a glória” de toda a sua missão. (3) Como Cristo contribuiu para as nossas estações de festividade, assim também aquela plenitude maior que convém a isso; até agora ele encorajou aquele ascetismo que desde então tem sido tão frequentemente colocado para toda religião. (4) O caráter e autoridade atribuídos pelos romanistas à Virgem está diretamente nos dentes desta e de outras escrituras. [JFB, aguardando revisão]

12 Depois disto desceu a Cafarnaum, ele e sua mãe, seus irmãos, e seus discípulos, e ficaram ali não muitos dias.

Comentário de David Brown

Cafarnaum – no mar da Galileia. (Veja em Mateus 9:1).

sua mãe e seus irmãos – (Veja Lucas 2:51 e veja em Mateus 13:54-56). [JFB, aguardando revisão]

13 E estava perto a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.

Comentário de David Brown

[JFU, aguardando revisão]
14 E achou no Templo os que vendiam bois, ovelhas, e pombas, e os cambistas sentados.

Comentário de David Brown

no templo – não no próprio templo, como Jo 2:19-21, mas no templo-corte.

vendeu bois, etc. – para a conveniência daqueles que tiveram que oferecer em sacrifício.

cambistas – de romanos em dinheiro judaico, em que as dívidas do templo (ver em Mateus 17:24) tinham que ser pagas. [JFB, aguardando revisão]

15 E tendo feito um açoite com cordas, lançou todos para fora do Templo, assim como as ovelhas, e os bois; e espalhou o dinheiro dos cambistas, e virou as mesas.

Comentário de David Brown

cordas pequenas – provavelmente alguns dos juncos estendidos para a cama, e quando torcido usado para amarrar o gado lá recolhido. “Não por este chicote delgado, mas por majestade divina foi a expulsão realizada, sendo o chicote apenas um sinal do flagelo da ira divina” (Grotius).

derramou … derrubou – expressando assim a indignação e autoridade do impulso. [JFB, aguardando revisão]

16 E aos que vendiam pombas, disse:Tirai isto daqui; e não torneis a casa de meu Pai uma casa de comércio!

Comentário de David Brown

casa de meu Pai – quão perto a semelhança dessas palavras notáveis ​​para Lucas 2:49; a mesma consciência de relação intrínseca com o templo – como a sede da mais venerável adoração do Seu Pai, e assim o símbolo de tudo o que é devido a Ele na terra – ditando ambos os discursos. Somente quando era jovem, sem autoridade, ele era simplesmente “um FILHO EM SUA CASA”; agora Ele era “um FILHO SOBRE SUA própria casa” (Hebreus 3:6), o representante apropriado, e em carne “o herdeiro”, dos direitos de seu pai.

casa de comércio – Não havia nada de errado na mercadoria; mas trazê-lo, por conveniência própria e alheia, para aquele lugar mais sagrado, era uma profanação arrogante que o olho de Jesus não podia suportar. [JFB, aguardando revisão]

17 E lembraram-se seus discípulos que está escrito:O zelo de tua casa me tem me devorado.

Comentário de David Brown

Comeu-me – uma característica gloriosa no caráter previsto do Messias sofredor (Salmo 69:9), e subindo alto, mesmo em alguns não digna de perder a trava de seus sapatos. (Êxodo 32:19, etc.) [JFB, aguardando revisão]

18 Responderam pois os Judeus, e disseram-lhe:Que sinal nos mostras de que fazes estas coisas?

Comentário de David Brown

Que sinal nos mostras de que fazes estas coisas? – Embora o ato e as palavras de Cristo, tomadas em conjunto, fossem sinal suficiente, eles não estavam convencidos:ainda assim eles ficaram impressionados, e embora em Sua próxima aparição em Jerusalém eles “procurassem matá-lo” por falarem de “Seu Pai” como Ele fez agora (Jo 5:18), eles, neste estágio inicial, apenas pedem um sinal. [JFB, aguardando revisão]

19 Respondeu Jesus, e disse-lhes:Derrubai este Templo, e em três dias o levantarei.

Comentário de E. W. Hengstenberg

É evidente que essas palavras não devem ser referidas, como têm sido por muitos, com base em uma visão errônea do v. 21, meramente à morte e ressurreição de Cristo, deixando de lado inteiramente toda referência ao templo, geralmente assim chamado. A referência ao templo material torna-se necessária pelo fato de que somente nesta hipótese o sinal está em estreita conexão com o procedimento que deve reivindicar. Foi com respeito ao templo material que Cristo assumiu plena autoridade; Ele pode, portanto, apelar apenas para um fato no futuro que provará Sua autoridade sobre este templo. Além disso, a hipótese de que Jesus, quando falou essas palavras, apontou para Seu corpo, é refutada pela circunstância de que então os judeus não poderiam tê-lo entendido, como descobrimos, não apenas aqui no v. 20, mas também em Mateus 26:61; Mateus 27:40 e Marcos 14:57-59. Mas se Ele não fez isso, por este templo poderia ser entendido principalmente, apenas o templo em que a transação ocorreu. Uma terceira razão é que parece impossível separar essas palavras daquelas em Mateus 24:2, onde nosso Senhor, em referência ao templo material, diz aos discípulos:“Não vedes todas estas coisas? Em verdade vos digo. Não ficará aqui pedra sobre pedra, ὃ?ς οὐ? μὴ? καταλυθήσεται.” Finalmente, é dito em Atos 6:13-14, ἔ?στησάν τε μάρτυρας ψευδεῖ?ς λέγοντας , Ὁ? ἄ?νθρωπος οὗ τος οὐ? παύεται λαλῶ?ν ῥ?ήματα κατὰ? τοῦ? τόπου τοῦ? ἁ?γίου [τούτου ] καὶ? τοῦ? νόμου· ἀ?κηκόαμεν γὰ?ρ αὐ τοῦ? λέγοντος ὅ?τι Ἰ?ησοῦ?ς ὁ? Ναζωραῖ ος οὗ τος καταλύσει τὸ?ν τόπον τοῦ τον καὶ? ?λλάξει τὰ? ἔ?θη ἃ? παρέδωκεν ἡ?μῖ?ν Μωϋσῆ?ς . O falso testemunho consistiu em que as falsas testemunhas colocaram a causalidade da destruição inteiramente em Jesus. Assim, porém, segue-se da passagem que Estêvão entendeu a destruição iminente do templo a ser anunciada na declaração de nosso Senhor e que, portanto, ele não a referiu apenas ao corpo de Cristo.

Por outro lado, que não devemos parar com a referência ao templo material, é demonstrado pela impossibilidade desse sentido, como já destacado pelos judeus, e pelo caráter absurdo da declaração assim prestada; e que a referência, enfatizada por João, ao corpo de Cristo, Sua morte e ressurreição, realmente existe, é mostrada pela menção dos três dias e pela comparação da declaração de nosso Senhor m Mateus 12:39-40, segundo a qual o sinal do profeta Jonas, ou uma repetição dele, deve ser dado aos judeus. “Pois como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia; assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra; e como Jonas depois apareceu para eu sinal de julgamento aos ninivitas, assim também o Filho do homem, depois de deixar o coração da terra, aparecerá para um sinal de julgamento a esta geração. Cf. Mateus 16:4.

Já foi apontado em outro lugar que trabalharemos em vão na solução desse enigma sagrado, que o Salvador aqui apresenta aos judeus, enquanto não reconhecermos a identidade essencial do templo, a aparição de Cristo em a carne, e a Igreja do Novo Testamento. O significado foi assim determinado:“Se uma vez (o que fizerdes, fareis) destruir o templo do Meu corpo, e dentro e com ele este templo exterior, o símbolo e penhor do reino de Deus entre vós. , então em três dias levantarei novamente o templo do Meu corpo, e nele e com ele a essência do templo exterior, o reino de Deus.”

“Que João”, observou-se, “assumiu uma estreita relação entre a aparição de Cristo e o templo, já é evidenciado em João 1:14. Que a identidade do templo exterior e do reino de Deus não estava muito longe do entendimento grosseiro dos judeus, é mostrado por Marcos 14:58, onde as testemunhas traduzem assim as palavras de Cristo:ὅ?τι ἐ?γὼ? καταλύσω τὸ?ν ναὸ?ν τοῦ τον τὸ?ν χειροποίητον καὶ? διὰ? τριῶ?ν ἡ?μερῶ?ν ἄ?λλον ἀ?χειροποίητον οἰ κοδομήσω . Esta renderização, além da mudança maliciosa de λύσατε para ἐ?γὼ? καταλύσω , está correto, mas não completo. Das três referências, apenas duas são apreendidas; o terceiro, para o corpo de Cristo, é negligenciado. Isso é destacado por João em seu modo de insinuação, como sendo o menos claro; e apenas um equívoco de sua maneira usual em tais casos poderia induzir em erro a opinião de que ele pretendia negar as duas outras referências.

O significado do templo é mostrado pelo nome, que levava em sua forma mais antiga, Ohel Moed, o tabernáculo da congregação, o lugar onde Deus se reunia com Seu povo. Cf. Êxodo 25:22; Êxodo 29:43:“E ali me encontrarei com os filhos de Israel, e ele será santificado pela minha glória”. Números 17:4 (Heb. ver. 19):“Na tenda da congregação, onde me encontrarei com você”. Tal reunião não era meramente temporária, quando nas principais festas o povo se reunia pessoalmente no santuário. Antes, Jeová sempre se encontra com Seu povo no santuário. Ele está sempre presente e pronto para receber os Seus; e os Seus podem vir a Ele espiritualmente e habitar com Ele, mesmo quando pessoalmente estão longe do santuário. É importante nesta referência que na oração de Salomão na dedicação do templo, 1Reis 8:44; 1Reis 8:48 , é prometido, que as orações daqueles também serão ouvidas, que estão externamente separadas do templo, mas oram com o corpo e a mente voltados para ele. Mas Levítico 16:16 é decisivo; pois, de acordo com isso, todos os filhos de Israel habitam espiritualmente com o Senhor em Seu tabernáculo, que consequentemente não é outra coisa senão uma encarnação da Igreja. Decisivas, também, são muitas passagens nos Salmos, nas quais é designado como o maior privilégio dos crentes, que eles habitam com o Senhor em Seu templo e, portanto, também habitam com Ele, quando estão pessoalmente distantes dele. Cf., por exemplo, Salmos 84:4:“A ave achou uma casa, e a andorinha um ninho para si, os teus altares, ó Senhor de Sabaoth”.

O pássaro e a andorinha são um emblema dos crentes em sua fraqueza e desamparo.

Ver. 5:“Bem-aventurados os que habitam em tua casa”; onde os moradores da casa de Deus não são “seus visitantes constantes”, mas membros da família de Deus em sentido espiritual. Salmos 27:4:“Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei, para que possa habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida”. Salmos 23:6:“Habito na casa do Senhor por toda a minha vida”. Salmos 15:1; Salmos 27:5; Salmos 61:4:“Permanecerei no Teu tabernáculo para sempre;” Salmos 63:2 . No Salmo 52, um Salmo que, de acordo com o cabeçalho, foi cantado longe do santuário, é dito no vers. 8, “Mas eu sou como uma oliveira verde na casa de Deus;” e de acordo com Salmos 92:13, todos os crentes são plantados na casa do Senhor. Todas essas passagens servem para um comentário ao nome Ohel Moed, e mostram que o encontro juntos era ao mesmo tempo uma morada em conjunto, sendo a relação ininterrupta. Nos profetas também encontramos a mesma representação. “Quem de nós habitará com o fogo devorador? quem entre nós habitará com chamas eternas?” – assim exclamam os ímpios (Isaías 33:14), quando aterrorizados pelos poderosos julgamentos do Senhor. Eles fazem isso com a convicção de que todos os israelitas habitam com o Senhor, ou em Seu santuário, cf. Salmos 5:4; e explicar esse privilégio, de acordo com a experiência que acabaram de ter do caráter do Senhor, como extremamente perigoso. O templo aparece como a morada espiritual de Israel também em Mateus 23:38:a casa na qual o Senhor habitou até agora com eles deve agora ser deixada desolada, a presença do Senhor se afastando dela.

Sendo o templo, portanto, o símbolo e o penhor da conexão de Deus com Seu povo, parecerá bastante natural que o templo ocorra repetidamente como um mero emblema da Igreja. Encontramos tais passagens até mesmo no Antigo Testamento. Em Jeremias 7:14, o povo incrédulo da aliança é repreendido por assumir a prerrogativa do crente, de ser o templo do Senhor. Em Zacarias 6:12, é dito do Messias:“Ele edificará o templo do Senhor”—a Igreja. Em Zacarias 7:3 também, a Igreja de Deus é designada pelo nome da casa de Deus. Em Efésios 2:19, os crentes são declarados da família de Deus; como antigamente eram apenas os judeus, mas agora também são os cristãos gentios. O fato de o templo estar agora destruído não altera o caso, pois era apenas um símbolo. Cf. vers. 21, 22; 1Coríntios 3:16; 2Coríntios 6:16; 1Timóteo 3:15; 1Pedro 2:5.

A conexão de Deus com Seu povo tendo formado o coração do santuário, deve ter sido não apenas um emblema da Igreja, mas ao mesmo tempo um tipo do advento de Cristo, no qual essa conexão foi verdadeiramente completada, e em qual a Igreja recebeu o seu fundamento necessário. Em Cristo, Deus habitou verdadeira e realmente entre Seu povo. Ele tomou sobre Si carne e sangue entre eles e deles; e a Igreja do Novo Testamento é apenas a continuação de Sua aparição na carne, pois para os Seus Ele é o verdadeiro Emanuel sempre até o fim do mundo. Esta relação típica do templo com Cristo é indicada não apenas por João, João 1:14, mas também por Paulo em Colossenses 2:9; Colossenses 1:19.

A palavra “destruir” não deve ser atenuada em uma mera previsão do que será. Deve ser colocado sob o mesmo ponto de vista da ordem a Judas:“O que fizeres, faça-o rapidamente”; e a palavra em Mateus 23:32, πληρώσατε τὸ? μέτρον τῶ?ν πατέρων ὑ?μῶ?ν . Quando os judeus mudaram λύσατε em ἐ?γὼ? καταλύσω , eles descobriram corretamente que Jesus atribuiu a Si mesmo uma causalidade nisso; sua maldade consistia em deixar inteiramente de lado sua própria participação. Ninguém decepciona a Deus. O que o pecador fará, isso ele deve fazer. “Com isso podemos aprender”, diz Anton, “como o conselho de Deus se manifesta em tais casos. Parece que o Todo-Poderoso entregou isto e aquilo inteiramente ao poder dos homens, como foi especialmente a aparição na Paixão de Cristo. Então seus inimigos se alegraram e pensaram:Agora tudo vai dar certo”. Podemos dizer, sem dúvida, que há uma ironia sagrada na palavra λύσατε. Eles pensam em dar um golpe final na obra de Cristo, e são eles mesmos apenas os instrumentos em Suas mãos. [Hengstenberg, aguardando revisão]

20 Os judeus, pois, disseram:Durante quarenta e seis anos este Templo foi edificado, e tu o levantarás tu em três dias?

Comentário de David Brown

quarenta e seis anos – Do décimo oitavo ano de Herodes até então eram apenas quarenta e seis anos [Josefo, Antiguidades, 15.11.1]. [JFB, aguardando revisão]

21 Porém ele falava do Templo de seu corpo.

Comentário de David Brown

Templo de seu corpo – em que foi consagrado a glória da Palavra eterna. (Veja em Jo 1:14). Por sua ressurreição, o verdadeiro Templo de Deus sobre a terra foi erguido, do qual a pedra era apenas uma sombra; de modo que a alusão não é exclusivamente para si, mas leva no templo de que Ele é o fundamento, e todos os crentes são as “pedras vivas”. (1Pedro 2:4-5). [JFB, aguardando revisão]

22 Portanto, quando ressuscitou dos mortos, seus discípulos se lembraram que ele lhes tinha dito isto; e creram na Escritura, e na palavra que Jesus tinha lhes dito.

Comentário de David Brown

creram na Escritura – sobre este assunto; isto é, o que foi significado, que foi escondido deles até então. Marcos (1) O ato pelo qual Cristo sinalizou Sua primeira aparição pública no Templo. Tomando “Seu leque em Sua mão, Ele purifica Seu andar”, não completamente de fato, mas o suficiente para prenunciar Seu último ato em direção àquele povo sem fé – para varrê-los da casa de Deus. (2) O sinal de Sua autoridade para fazer isso é o anúncio, neste primeiro início de Seu ministério, da vinda da morte por suas mãos e ressurreição por Sua própria, que deveriam abrir o caminho para a sua expulsão judicial. [JFB, aguardando revisão]

23 E estando ele em Jerusalém pela páscoa, na festa, muitos creram em seu nome, ao verem os sinais que ele fazia.

Comentário de David Brown

no dia da festa – as coisas precedentes ocorrendo provavelmente antes da festa começar.

muitos creram – superficialmente, atingidos apenas pelos “milagres que Ele fez”. Destes, não temos registro. [JFB, aguardando revisão]

24 Mas o mesmo Jesus a si mesmo não confiava neles, porque conhecia a todos.

Comentário de David Brown

não se comprometeu – “confiar”, ou desceu familiarmente a eles, como a seus discípulos genuínos. [JFB, aguardando revisão]

25 E não necessitava de que alguém lhe desse testemunho de ser humano algum, pois ele bem sabia o que havia no interior do ser humano.

Comentário de David Brown

sabia o que havia no interior do ser humano – É impossível para a linguagem afirmar mais claramente de Cristo o que em Jeremias 17:9-10, e em outros lugares, é negado a todas as meras criaturas. [JFB, aguardando revisão]

<João 1 João 3>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

  1. (veja Sears ‘Heart of Jesus’, Trench, ‘Miracles’, p. 98)