Atos 3

1 E Pedro e João estavam subindo juntos para o Templo à hora da oração (a nona hora);

Comentário de David Brown

Pedro e João – já associados pelo seu Mestre, primeiro com Tiago (Marcos 1:295:379:2), então por si mesmos (Lucas 22:8; e veja Jo 13:23-24). Agora os encontramos constantemente juntos, mas John (ainda jovem) apenas como um ator silencioso.

subiram – estavam subindo, estavam a caminho. [JFB, aguardando revisão]

2 E um certo homem estava sendo trazido, que era aleijado desde o ventre de sua mãe, ao qual todo dia colocavam à porta do Templo, chamada Porta Formosa, para pedir esmola aos que entravam no Templo.

Comentário Schaff

Marcial (i. 112) nos fala de mendigos que tinham o hábito de se sentar no portão dos templos pagãos. Crisóstomo recomenda esta prática em relação às caridades cristãs. Nas igrejas católicas romanas do continente europeu, um ou mais mendigos, geralmente aleijados, sentam-se constantemente na varanda da igreja pedindo caridade a todos os que entram.

do Templo. Uma breve descrição do Templo como ele apareceu no momento da crucificação, trará aqueles eventos que são relatados nos ‘Atos’ como acontecendo no Templo, mais vividamente diante de nossos olhos. A “Casa” de Salomão foi completamente destruída na guerra babilônica; no retorno do cativeiro, um segundo Templo foi construído. Herodes, o Grande, restaurou completamente a segunda “Casa” e a reconstruiu quase inteiramente; seus sucessores continuaram com o trabalho de adorno e embelezamento pelo período de cerca de quarenta e seis anos referido por João 11:20. Por fora, e em suas decorações internas, talvez não fosse inferior à “Casa” de Salomão (sua mobília e vasos móveis não eram feitos dos mesmos materiais caros), e nessa época era um dos edifícios mais imponentes do mundo. A face externa do Templo, vista do Monte das Oliveiras, como nosso Senhor fez naquela última semana de Sua vida terrena (Mateus 24), não queria nada que pudesse surpreender a mente ou os olhos dos homens; pois estava coberto de placas de ouro, que, ao primeiro nascer do sol, refletiam de volta um esplendor que compelia aqueles que se forçavam a olhar para ele a desviar os olhos, assim como teriam feito ao sol. raios. Este templo parecia aos estranhos, quando eles estavam à distância, como uma montanha coberta de neve, pois as partes dele que não estavam cobertas de ouro eram extremamente brancas” (Josefo, Jud. Bell. Atos 5:5). Esta gloriosa “Casa” de modo algum, escreve Gloag, de cuja elaborada nota esta descrição foi tirada em geral, se assemelhava a uma de nossas catedrais medievais; sua característica mais marcante não era o Templo propriamente dito, mas seus pátios, cercados de claustros. A pilha inteira consistia em uma série de terraços que se elevavam um sobre o outro, no topo dos quais ficava o santuário. A circunferência de todo o edifício era de cerca de meia milha.

O pátio externo, conhecido como Pátio dos Gentios, cercava o Templo; de cada lado havia claustros com pilares da ordem coríntia de mármore branco, com telhados de cedro curiosamente gravado. O pátio aberto foi colocado com pavimento em mosaico colorido; um lance de quatorze degraus levava deste pátio externo – além do qual nenhum gentio poderia passar – para o pátio interno. Esta era uma praça, e foi dividida em terraços que se erguiam um acima do outro na direção oeste do Templo, que estava situado na extremidade oeste da praça. O primeiro terraço foi chamado de ‘Pátio das Mulheres’, não porque fosse exclusivamente atribuído a elas, mas porque nenhuma mulher israelita poderia avançar mais. Havia claustros com belas colunas ao redor deste pátio também; um lance de cinco ou, como dizem alguns, quinze degraus levava ao segundo terraço, “o pátio dos israelitas”, que era separado por um muro baixo de um terraço ainda mais alto, “o pátio dos sacerdotes”. Este cercava o Templo e conduzia a ele por um lance de doze degraus.

O próprio Templo era comparativamente pequeno, com 150 pés de comprimento, 150 pés de largura, mas estreitando à medida que recuava para uma largura de 90 pés. Josefo afirma que tem apenas 150 pés de altura, mas as opiniões quanto à sua altura variam. Foi construído com blocos de mármore branco cobertos com placas de ouro. Continha, além de outras câmaras, um vestíbulo, o Santo Lugar onde se entrava por uma porta dourada e o Santo dos Santos.

à porta do Templo, chamada Porta Formosa. Não é certo se (a) isso se refere ao portão chamado ‘Nicanor’, ou (b) ao portão chamado ‘Shushan’. (a) O portão ‘Nicanor’ levava do pátio dos gentios ao pátio interno dos israelitas. (b) O portão de Shushan era um portão externo e saía do pátio dos gentios. O mercado de venda de pombas e animais para sacrifício ficava próximo a esse portão. Foi nomeado após Susa (Shusah), a ‘Cidade dos Lírios’ (שׁוּשָׁן), alguns dizem, porque uma imagem da residência real persa foi pintada ou esculpida no portão (Meyer sugere que a origem do nome pode ser buscada no capitéis em forma de lírio das colunas do portão, שׁוּשָׁן,
1 Reis 7:19). Josefo, sem particularizar, fala de um dos portões do Templo superando todos os outros em riqueza de material e decoração. Era feito de bronze coríntio, coberto com placas de ouro e prata, e tinha cinqüenta côvados de altura. [Schaff, aguardando revisão]

3 O qual, ao ver Pedro e João perto de entrarem no Templo, ele lhes pediu uma esmola.

Comentário Barnes

O qual, ao ver Pedro…Não há evidência de que ele estava familiarizado com eles ou sabia quem eram. Ele perguntou-lhes como estava acostumado a fazer com a multidão que entrava no templo. [Barnes]

4 E Pedro, olhando fixamente para ele, junto com João, disse: Olha para nós.

Comentário de David Brown

Para que através do olhar a fé possa ser ajudada no seu nascimento. Para nós, diz Pedro, não assumindo nenhuma superioridade sobre si mesmo em relação ao seu silencioso e mais jovem companheiro no apostolado. [JFU]

5 E o aleijado ficou prestando atenção neles, esperando receber deles alguma coisa.

Comentário Schaff

ficou prestando atenção neles. O sofredor, talvez surpreso com este aviso inusitado de um transeunte, olhou Pedro e João com atenção arrebatada, sabendo que estava prestes a receber alguma bondade, não sabia o que, destes homens santos, que sem dúvida conhecia bem de vista, tendo-os visto muitas vezes subir ao Templo. [Schaff, aguardando revisão]

6 E Pedro disse: Prata e ouro eu não tenho; mas o que eu tenho, isso eu te dou: no nome de Jesus Cristo, o nazareno, levanta-te, e anda!

Comentário de David Brown

Prata e ouro não tenho nenhum, mas tal como eu te dou – Que altíssima superioridade respira nestas palavras!

no nome de Jesus Cristo, o nazareno, levanta-te, e anda! – Estas palavras, proferidas com poder sobrenatural, sem dúvida geraram neste homem pobre a fé que enviou a virtude curadora através de seus membros doentes. [JFB, aguardando revisão]

7 E, tomando-o pela mão direita, levantou-o ; e logo os seus pés e tornozelos ficaram firmes.

Comentário de David Brown

e o ergueu – precisamente o que o seu Senhor tinha feito à sua própria sogra (Marcos 1:31).

seus pés – “solas”.

e ossos do tornozelo, etc. – a linguagem técnica de um médico (Colossenses 4:14). [JFB, aguardando revisão]

8 E ele, saltando, pôs-se de pé, e andou, e entrou com eles no Templo, andando, e saltando, e louvando a Deus.

Comentário de David Brown

andou … entrou no templo andando, pulando e louvando a Deus – Toda palavra aqui é enfática, expressando a perfeição da cura, como Atos 3:7, seu imediatismo. [JFB, aguardando revisão]

9 E todo o povo o viu andar, e louvar a Deus.

Comentário de David Brown

E todo o povo o viu andar… – enquanto se reuniam na hora da oração pública, nos pátios do templo; de modo que o milagre teve a máxima publicidade. [JFB, aguardando revisão]

10 E eles o reconheceram, que este era o que se sentava para pedir esmola perto da porta formosa do Templo; e ficaram cheios de surpresa e espanto, por causa do que tinha lhe acontecido.

Comentário de Arthur C. Hervey

ficaram cheios de surpresa e espanto. Ocorre em outro lugar apenas em Lucas 4:36, onde descreve a admiração e espanto que sobreveio àqueles que testemunharam a expulsão do espírito imundo do homem na sinagoga de Cafarnaum. O verbo θαμβέω ocorre em Atos 9:6 no Textus Receptus, e é traduzido como “assombrado” na A.V., mas é omitido no texto da R.V.; em outros lugares apenas em Marcos 1:27; Marcos 10:24, 32. Ἕκθαμβος ocorre uma vez no versículo 11 deste capítulo; e ἐκθαμβέομαι em Marcos 9:15; Marcos 14:33; Marcos 16:5, 6; ἔκστασις, um êxtase, usado principalmente para um estado de transporte, como Atos 10:10; Atos 11:5; Atos 22:17. Mas na Septuaginta. (Gênesis 27:33), Marcos 5:42; Marcos 16:8; e Lucas 5:26 , é usado, como aqui, para uma emoção violenta de espanto e maravilhamento. [Hervey, aguardando revisão]

11 E o aleijado que tinha sido curado, tendo se apegado a Pedro e a João, todo o povo correu maravilhado a eles ao pórtico, que se chama de Salomão.

Comentário de David Brown

o homem coxo … segurou, etc. – Esta é a natureza humana.

todo o povo correu maravilhado a eles ao pórtico… – Quão vivamente estes detalhes gráficos trazem toda a cena diante de nós! Assim, Pedro foi novamente mobiliado com uma vasta audiência, cuja admiração pelo espetáculo do mendigo curado, agarrado a seus benfeitores, preparou-os para ouvir com reverência a suas palavras. [JFB, aguardando revisão]

12 Quando Pedro viu isso , respondeu ao povo: “Homens israelitas, por que vos maravilhais disto? Ou por que vós olhais tão atentamente para nós, como se por nosso próprio poder ou devoção divina o tivéssemos feito andar?

Comentário de David Brown

por que vos maravilhais disto? – Pois milagres são maravilhas apenas em relação aos poderes limitados do homem.

como se por nosso próprio poder ou devoção divina o tivéssemos feito andar? – Nem o poder nem o mérito da cura são devidos a nós, meros agentes Daquele que pregamos. [JFB, aguardando revisão]

13 O Deus de Abraão, e de Isaque, e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu filho Jesus, ao qual vós entregastes, e diante do rosto de Pilatos o negastes, mesmo ele julgando que fosse solto.

Comentário de David Brown

O Deus de Abraão, etc. – (Veja Atos 2:22; veja em Atos 2:36).

glorificou a seu filho Jesus – antes, “o seu Servo Jesus”, como a mesma palavra é traduzida em Mateus 12:18, mas naquele sentido elevado em que Isaías a aplica sempre ao Messias (Isaías 42:149:652:1353:11). Quando “Filho” é destinado, uma palavra diferente é usada.

ao qual vós entregastes… – Com que coragem heróica Pedro aqui acusa seus auditores com o mais pesado de todos os crimes concebíveis, e com que força terrestre da linguagem essas acusações são feitas! [JFB, aguardando revisão]

14 Mas vós negastes ao santo e justo, e pedistes que um homem assassino fosse vos dado.

Comentário de David Brown

negastes ao santo e justo. A linguagem sustenta enfaticamente Uma Pessoa, a quem estes dois epítetos se aplicam exclusivamente; ao mesmo tempo, implica que o próprio público estava ou deveria estar familiarizado com ela, como característica do Messias predito (Salmo 16:10; Isaías 53:9,11; Lucas 4:34: comparar cm Jo 8:46; 10:36).

e pedistes que um homem assassino fosse vos dado. Exigindo não só o sacrifício do inocente em primeiro lugar, mas também a absolvição do culpado cruel. [JFU]

15 E vós matastes ao Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dos mortos, do que nós somos testemunhas.

Comentário de David Brown

matastes ao Príncipe da vida – Paradoxo glorioso, mas quão penetrante para a consciência dos auditores. [JFB, aguardando revisão]

16 E pela fé em seu nome, o nome dele deu firmeza a este, que vedes e conheceis; e a fé que é por meio dele deu a este perfeita saúde na presença de todos vós.

Comentário de David Brown

seu nome, o nome dele deu firmeza a este… – Com que habilidade o apóstolo usa o milagre tanto para glorificar seu Senhor ascenso quanto para trazer a culpa de Seu sangue para a sua audiência? [JFB, aguardando revisão]

17 E agora, irmãos, eu sei que vós fizestes isso por ignorância, assim como também vossos líderes.

Comentário de David Brown

E agora, irmãos. Nosso pregador, como seu Mestre, “não quebrará a cana rachada”. Suas acusações mais duras são motivadas pelo amor, que agora se apressa a aliviar as feridas que era necessário infligir.

vós fizestes isso por ignorância (Lucas 23:34; Atos 13:2726:9). [JFU]

18 Mas Deus cumpriu assim o que já antes pela boca de todos os seus profetas ele tinha anunciado, que o Cristo tinha de sofrer.

Comentário de David Brown

que o Cristo tinha de sofrer. A doutrina de um MESSIAS SOFREDOR estava totalmente em desacordo com as visões atuais da Igreja Judaica, e difícil de digerir até mesmo pelos Doze, até o dia da ressurreição de seu Senhor. Nosso próprio pregador se revoltou e protestou contra isso, quando foi anunciado pela primeira vez, pelo que recebeu uma terrível repreensão. Aqui ele afirma ser a verdade fundamental da antiga profecia realizada inconscientemente pelos próprios judeus, ainda que por uma gloriosa ordenação divina. Quão grande foi a mudança da iluminação pentecostal em seus pontos de vista! [JFU]

19 Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que vosso pecados sejam apagados, quando vierem os tempos do refrigério da presença do Senhor.

Comentário de David Brown

quando os tempos de renovação chegarem – antes, “para que os tempos de renovação possam chegar”; aquele longo período de repouso, prosperidade e alegria, que todos os profetas realizam para a Igreja distraída e este mundo miserável, como um dia virá e que está aqui, como em todos os profetas, feito para voltar-se para a conversão nacional de Israel. . [JFB, aguardando revisão]

20 E ele enviar a Jesus Cristo, que já vos foi designado anteriormente.

Comentário de David Brown

ele enviará Jesus Cristo – A verdadeira leitura é: “Ele enviará o seu Messias predestinado (ou preordenado), Jesus”. [JFB, aguardando revisão]

21 Ao qual convém que o céu receba até os tempos da restauração de todas as coisas, que Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio.

Comentário de David Brown

até os tempos – abrangendo todo o período entre a ascensão e o segundo advento de Cristo.

restauração de todas as coisas – compreendendo, provavelmente, a retificação de todas as desordens da queda. [JFB, aguardando revisão]

22 Porque Moisés disse aos nossos pais: O Senhor, vosso Deus, levantará dentre vossos irmãos um profeta como eu; a ele ouvireis em tudo o que ele vos falar.

Comentário de David Brown

como eu – particularmente na intimidade da comunicação com Deus (Números 12:6-8), e como a cabeça mediadora de uma nova ordem de coisas (Hebreus 3:2-6). Pedro toma como certo que, à luz de tudo o que ele havia acabado de dizer, veria imediatamente que Alguém só tinha a pretensão de ser aquele Profeta.

a ele ouvireis em tudo o que ele vos falar… – Esta parte da predição é enfaticamente acrescentada, a fim de calar a audiência à obediência da fé, sob pena de ser finalmente “cortada” da congregação dos justos (Salmo 1:1). [JFB, aguardando revisão]

23 E será que toda pessoa que não ouvir este profeta será exterminada do povo.

Comentário de David Brown

Esta parte da predição é enfaticamente acrescentada, a fim de calar a audiência à obediência da fé, sob pena de ser finalmente exterminada da congregação dos justos (Salmo 1:5). [JFU]

24 E também todos os profetas, desde Samuel e os posteriores, todos os que falaram, também anunciaram com antecedência destes dias.

Comentário de David Brown

antecedência destes dias – do Messias; todos apontando para “o tempo da reforma” (Hebreus 9:10), embora com mais ou menos distinção. [JFB, aguardando revisão]

25 Vós sois os filhos dos profetas e do pacto que Deus estabeleceu com nossos pais, dizendo a Abraão: E em tua semente serão abençoadas todas as famílias da terra.

Comentário de Albert Barnes

Vós sois os filhos dos profetas. O significado não é que eles fossem literalmente os “descendentes” dos profetas, mas que eles eram seus “discípulos”, “alunos”, “seguidores”. Eles professavam seguir os profetas como seus mestres e guias. Os professores entre os judeus eram frequentemente mencionados sob a denominação de pais e discípulos como filhos, Mateus 12:27 . Veja notas em Mateus 1:1 . Como eles eram os discípulos professos dos profetas, eles deveriam ouvi-los. Como eles viviam entre as pessoas a quem os profetas foram enviados e a quem as promessas foram feitas, eles deveriam aproveitar a oferta de misericórdia e abraçar o Messias.

e do pacto. Vós sois os filhos da aliança; isto é, você é da posteridade de Abraão, com quem a aliança foi feita. A palavra “filhos” era frequentemente usada para denotar aqueles a quem qualquer favor pertencia. seja por herança ou de qualquer outra forma. Assim, Mateus 8:12, “Os filhos (filhos) do reino”; João 17:12, “o filho da perdição”. A palavra “aliança” denota apropriadamente “um pacto ou acordo entre iguais, ou aqueles que têm o direito de fazer tal pacto, e escolher ou recusar os termos”. Quando aplicado a Deus e ao homem, denota uma firme promessa da parte de Deus; uma promessa a ser considerada com toda a sacralidade de um pacto, de que ele fará certas coisas sob certas condições. É chamado de aliança apenas para designar sua sacralidade e a certeza de seu cumprimento, não que o homem tenha o direito de rejeitar qualquer um dos termos ou estipulações. Como o homem não tem esse direito, pois é obrigado a receber tudo o que seu Criador propõe, então, estrita e literalmente, não houve pacto ou aliança entre Deus e o homem. A promessa à qual Pedro se refere na passagem diante de nós está em Gênesis 22:18; Gênesis 12:3.

em tua semente. Tua posteridade. Veja Romanos 4:13 , Romanos 4:16 . Esta promessa que o apóstolo Paulo afirma tinha referência expressa ao Messias, Gálatas 3:16. A palavra “semente” às ​​vezes é usada para denotar um indivíduo Gênesis 4:25; e o apóstolo Gálatas 3:16 afirma que houve referência especial a Cristo na promessa feita a Abraão.

serão abençoadas – Seja feliz.

todas as famílias. A palavra traduzida “famílias” πατριαὶ patriai denota “aqueles que têm um pai ou ancestral comum”, e é aplicada às famílias. Também se refere às comunidades maiores que descendem do mesmo ancestral e, portanto, se refere às nações, Efésios 3:15. Aqui, evidentemente, refere-se a “todas as nações”. [Barnes, aguardando revisão]

26 Deus, ao ressuscitar seu filho Jesus, primeiro o enviou a vós, para que nisto vos abençoasse: afastando cada um de vós de vossas maldades'.

Comentário Dummelow

primeiro o enviou a vós – e depois aos gentios (Lucas 24:47; Atos 1:8). Pedro, como estas palavras mostram, já reconhecia a conversão dos gentios. [Dummelow, 1909]

<Atos 2 Atos 4>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.