Hebreus 3

1 Portanto, santos irmãos, participantes do chamado celestial, considerai o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa declaração de fé, Jesus.

Comentário A. R. Fausset

Como Moisés foi especialmente o profeta por quem “Deus, em tempos passados, falou aos pais”, sendo o mediador da lei, Paulo considera necessário mostrar agora que, grande como foi Moisés, o Filho de Deus é maior. Ebrard em Alford observa: O anjo da aliança veio em nome de Deus diante de Israel; Moisés em nome de Israel diante de Deus; enquanto que o sumo sacerdote veio em nome de Deus (levando o nome Jeová na testa) diante de Israel e em nome de Israel (com o nome das doze tribos em seu peito) diante de Deus (Êxodo 28:9-29, 36, 38). Agora Cristo está acima dos anjos, de acordo com o primeiro e segundo capítulos porque (1) como Filho de Deus Ele é superior; e (2) porque a masculinidade, embora originalmente inferior aos anjos, está Nele exaltado acima deles ao senhorio do “mundo vindouro”, visto que Ele é ao mesmo tempo Mensageiro de Deus aos homens e também expiador-representante dos homens diante de Deus (Hebreus 2:17-18). Paralelo a essa linha de argumentação quanto à Sua superioridade em relação aos anjos (Hebreus 1:4), corre o que aqui segue a respeito de Sua superioridade a Moisés (Hebreus 3:3): (1) porque como Filho sobre a casa; Ele está acima do servo da casa (Hebreus 3:5-6), assim como os anjos mostraram ser apenas espíritos ministradores (Hebreus 1:14), enquanto que Ele é o Filho (Hebreus 3:7-8); (2) porque a vinda de Israel ao descanso prometido, que não foi terminado por Moisés, é realizada por Ele (Hebreus 4:1-11), através de Seu ser não apenas um líder e legislador como Moisés, mas também um Alto Propiciatório. Sacerdote (Hebreus 4:14; Hebreus 5:10).

Wherefore – Greek, “Donde”, isto é, vendo que temos um Ajudante tão compreensivo que você deve “considerar atentamente”, “contemplar”; fixe seus olhos e mente nEle com o objetivo de lucrar com a contemplação (Hebreus 12:2). A palavra grega é frequentemente usada por Lucas, o companheiro de Paulo (Lucas 12:2427).

irmãos – em Cristo, o elo comum da união.

participantes – “do Espírito Santo”.

chamada celestial – vindo até nós do céu, e nos levando para o céu de onde vem. Filipenses 3:14, “o alto chamado”; Grego “o chamado acima”, isto é, celestial.

o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa declaração de fé – Há apenas um artigo grego para ambos os substantivos, “Aquele que é ao mesmo tempo Apóstolo e Sumo Sacerdote” – Apóstolo, como Embaixador (uma designação superior ao “anjo” – mensageiro) enviado pelo Pai (Jo 20:21), defendendo a causa de Deus conosco; Sumo Sacerdote, como pleiteando nossa causa com Deus. Tanto Seu Apostolado como o Sumo Sacerdócio estão compreendidos no único título, Mediador (Bengel). Embora o título de “Apóstolo” não seja aplicado em nenhum outro lugar a Cristo, é apropriado aqui em Hebreus, que usou o termo dos delegados enviados pelo sumo sacerdote para coletar o tributo do templo dos judeus residentes em países estrangeiros, mesmo que Cristo fosse Delegado. do Pai para este mundo longe dEle (Mateus 21:37). Assim, como o que se aplica a Ele, se aplica também ao Seu povo, os Doze são designados Seus apóstolos, assim como Ele é o Pai (Jo 20:21). Era desejável evitar designá-lo aqui como “anjo”, a fim de distinguir Sua natureza da dos anjos mencionados antes, embora ele seja “o Anjo da Aliança”. O “legado da Igreja” ({Sheliach Tsibbur}) ofereceu as orações na sinagoga em nome de todos e para todos. Então, Jesus, “o apóstolo da nossa profissão”, é delegado para interceder pela Igreja diante do Pai. As palavras “da nossa profissão”, assinalam que não é do ritual legal, mas da nossa fé cristã, que Ele é o Sumo Sacerdote. Paulo compara-o como um apóstolo a Moisés; como sumo sacerdote para Aaron. Ele sozinho possui os dois escritórios combinados, e em um grau mais eminente do que qualquer um, que esses dois irmãos separaram.

declaração de fé – “confissão”, corresponde a Deus ter nos falado pelo Seu Filho, enviado como Apóstolo e Sumo Sacerdote. O que Deus proclama nós confessamos. [Fausset, aguardando revisão]

2 Ele é fiel àquele que o constituiu, assim como Moisés também foi em toda a casa de Deus.

Comentário A. R. Fausset

Ele primeiro nota a característica da semelhança entre Moisés e Cristo, a fim de conciliar os cristãos hebreus a quem Ele se dirigiu, e que ainda mantinha uma opinião muito alta sobre Moisés; depois, ele apresenta a superioridade de Cristo a Moisés.

Ele é fiel – O grego implica também que Ele ainda é fiel, ou seja, como nosso mediador Sumo Sacerdote, fiel à confiança que Deus lhe deu (Hebreus 2:17). Então Moisés na casa de Deus (Números 12:7).

o constituiu – “o fez” HIGH PRIEST; ser fornecido a partir do contexto anterior. Grego, “feito”; assim em Hebreus 5:5; 1Samuel 12:6; Atos 2:36; então os pais gregos. Não como Alford, com Ambrose e os latinos, “O criou”, isto é, como homem, em Sua encarnação. A semelhança de Moisés ao Messias foi predita pelo próprio Moisés (Deuteronômio 18:15). Outros profetas apenas explicaram Moisés, que era a esse respeito superior a eles; mas Cristo era como Moisés, ainda superior. [Fausset, aguardando revisão]

3 Pois ele é estimado como digno de maior glória do que Moisés, assim como mais honra do que a casa tem quem a construiu.

Comentário A. R. Fausset

Para – atribuir a razão pela qual eles devem “considerar” atentamente “Cristo” (Hebreus 3:1), bem como eles consideram Moisés que se assemelhava a Ele em fidelidade (Hebreus 3:2).

era – grego, “foi”.

estimado como digno de maior glória – por Deus, quando Ele O exaltou à Sua própria mão direita. Os cristãos hebreus admitiram o fato (Hebreus 1:13).

construiu a casa – grego, “visto que ele tem mais honra do que a casa, que preparou”, ou “estabeleceu” (Alford). O verbo grego é usado propositadamente em vez de “edificado”, a fim de marcar que o edifício não significa uma casa literal, mas uma casa espiritual: a Igreja tanto do Antigo Testamento como do Novo Testamento; e que a construção de tal casa inclui todos os preparativos da providência e da graça necessários para fornecê-la com “pedras vivas” e servir de “servos”. Assim, como Cristo o Fundador e Establizador (no Antigo Testamento bem como no Novo Testamento) é maior do que a casa assim estabelecida, incluindo os servos, Ele é maior também do que Moisés, que era apenas um “servo”. Moisés, como servo, é uma porção da casa e menos que a casa; Cristo, como o Instrumental Criador de todas as coisas, deve ser Deus e tão maior que a casa da qual Moisés era parte. Glória é o resultado da honra. [Fausset, aguardando revisão]

4 Porque toda casa é construída por alguém; mas aquele que construiu todas as coisas é Deus.

Comentário A. R. Fausset

Alguém deve ser o establisher de cada casa; Moisés não era o establisher da casa, mas uma porção dele (mas Ele que estabeleceu todas as coisas, e então a casa espiritual em questão, é Deus). Cristo, sendo instrumentalmente o Establador de todas as coisas, deve ser o Establador da casa, e tão maior que Moisés. [Fausset, aguardando revisão]

5 De fato, Moisés foi fiel como servo em toda a casa de Deus, para testemunho das coisas que haviam de ser ditas;

Comentário A. R. Fausset

fiel em toda a sua casa – que está em toda a casa de Deus (Hebreus 3:4).

servo – não aqui o grego para “escravo”, mas “um assistente de ministrar”; marcando o alto cargo de Moisés para com Deus, embora inferior a Cristo, uma espécie de mordomo.

para testemunho das etc. – a fim de que em suas instituições típicas pudesse dar “testemunho” a Israel “das coisas” do Evangelho “que mais tarde seriam ditas” por Cristo (Hebreus 8:5; Hebreus 9:8, 23, Hebreus 10:1). [Fausset, aguardando revisão]

6 mas Cristo é fiel como Filho sobre a sua casa. E nós somos sua casa, se até o fim mantivermos firmes a confiança e o orgulho da nossa esperança.

Comentário A. R. Fausset

Mas Cristo foi e é fiel (Hebreus 3:2).

como Filho sobre a sua casa – sim, “sobre a casa de Deus (Hebreus 3:4)”; e, portanto, como a inferência de ser um com Deus, sobre sua própria casa. Então Hebreus 10:21, “tendo um sumo sacerdote sobre a casa de Deus”. Cristo entra na casa de Seu Pai como Mestre [SOBRE], mas Moisés como servo [Nele, Hebreus 3:2, 5] (Crisóstomo). Um embaixador na ausência do rei é muito distinto – na presença do rei ele cai de volta na multidão (Bengel).

nós somos sua casa – Paulo e seus leitores hebreus. Um velho manuscrito, com a Vulgata e Lúcifer, lê “qual casa”; mas os manuscritos mais pesados ​​suportam a leitura da versão em inglês.

o regozijo – antes, “a questão do regozijo”.

da nossa esperança – “da nossa esperança”. Uma vez que todas as nossas boas coisas estão na esperança, devemos manter nossas esperanças como se jejuassem, como se nossas esperanças tivessem sido realizadas (Crisóstomo).

até o fim mantivermos firmes – omitido em Lúcifer e Ambrósio, e em um manuscrito mais antigo, mas apoiado pela maioria dos manuscritos mais antigos. [Fausset, aguardando revisão]

7 Portanto, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz,

Comentário A. R. Fausset

(Hebreus 3:6). Jesus é “fiel”, não sejais infiéis (Hebreus 3:2, 12). A frase que começa com “portanto”, interrompida pelo parêntese confirmando o argumento do Salmo 95:7-11, está completa em Hebreus 3:12, “Observem”, etc.

diz o Espírito Santo – pelo inspirado Salmista; de modo que as palavras deste último são as palavras do próprio Deus.

Hoje – na duração; nos dias de Davi, em contraste com os dias de Moisés no deserto, e o tempo todo desde então, durante o qual eles foram rebeldes contra a voz de Deus; como por exemplo, no deserto (Hebreus 3:8). O Salmo, cada vez novo quando usado na adoração pública, por “hoje”, significará o dia específico em que foi ou é usado.

ouça – obedientemente.

sua voz – de graça. [Fausset, aguardando revisão]

8 não endureçais os vossos corações, como na provocação, no dia da tentação no deserto;

Comentário A. R. Fausset

não endureçais os vossos corações – Esta frase aqui é usada apenas do próprio ato do homem; geralmente do ato de Deus (Romanos 9:18). Quando o homem é chamado de agente no endurecimento, a frase geralmente é “endurecer o pescoço” ou “voltar” (Neemias 9:17).

provocaçãotentação – “Massah-meribah”, traduzido em Margem “tentação… repreensão” ou “contenda” (Êxodo 17:1-7). Ambos os nomes parecem referir-se a esse evento, a murmuração do povo contra o Senhor em Refidim por falta de água. A primeira ofensa, especialmente, deve ser protegida contra, e é a mais severamente reprovada, pois é capaz de produzir muito mais. Números 20:1-13 e Deuteronômio 33:8 mencionam uma segunda ocasião semelhante no deserto de Sin, perto de Cades, também chamado Meribá.

no dia – grego, “de acordo com o dia de.” [Fausset, aguardando revisão]

9 onde os vossos pais tentaram, provando, e viram as minhas obras por quarenta anos.

Comentário A. R. Fausset

Quando – em vez disso, “Onde”, ou seja, no deserto.

seus pais – A autoridade dos antigos não é conclusiva (Bengel).

tentaram, provando – Os manuscritos mais antigos leram, “tentados (a mim) no caminho do teste”, isto é, colocando (Eu) à prova se eu era capaz e desejava aliviá-los, não acreditando que sou assim.

viram as minhas obras por quarenta anos – Eles viram, sem serem levados a arrependimento, Minhas obras de poder, em parte, em oferecer ajuda milagrosa, em parte na execução de vingança, quarenta anos. Oséias “quarenta anos” se juntaram no hebraico e na Septuaginta, e abaixo, Hebreus 3:17, com “Eu fiquei triste”, está aqui junto com “eles viram”. Ambos são verdadeiros; pois, durante os mesmos quarenta anos que eles estavam tentando a Deus por incredulidade, apesar de verem as obras milagrosas de Deus, Deus estava sofrendo. A lição que se pretende sugerir aos cristãos hebreus é que seu “hoje” deve durar apenas entre a primeira pregação do Evangelho e a derrubada iminente de Jerusalém, a saber, QUARENTA ANOS; Exatamente o número de anos de permanência de Israel no deserto, até que toda a sua culpa tenha sido preenchida, todos os rebeldes foram derrotados. [Fausset, aguardando revisão]

10 Por isso me indignei contra essa geração, e disse: “Eles sempre se desviam nos corações, e não conheceram os meus caminhos”;

Comentário A. R. Fausset

entristecido – descontente. Compare “andai em contrário”, Levítico 26:24, 28.

essa geração – “isso” implica alienação e estranhamento. Mas os manuscritos mais antigos dizem “isto”.

disse – “entristecido” ou “insatisfeito” na primeira ofensa. Posteriormente, quando endureceram o coração em incredulidade ainda mais, jurou na sua ira (Hebreus 3:11); uma gradação ascendente (compare Hebreus 3:17-18).

e eles não sabiam – em grego: “Mas estas mesmas pessoas”, etc. Eles perceberam que eu estava descontente com eles, mas eles, as mesmas pessoas, não desejavam saber meus caminhos (Bengel); compare “mas eles”, Salmo 106:43.

não conheceram os meus caminhos – não conhecia praticamente e com credibilidade as maneiras pelas quais eu os faria ir, a fim de alcançar o Meu descanso (Êxodo 18:20). [Fausset, aguardando revisão]

11 Então jurei na minha ira: “Eles não entrarão no meu repouso”.

Comentário A. R. Fausset

Então – literalmente, “como”.

Eu jurei – Bengel observa que o juramento de Deus precedeu os quarenta anos.

não – literalmente, “Se eles entrarem … (Deus faça assim para mim e mais também)”, 2Samuel 3:35. O grego é o mesmo, Marcos 8:12.

meu repouso – principalmente, o descanso de Canaã depois de vagar pelo deserto: ainda, mesmo quando nele, nunca desfrutavam do repouso; de onde se seguiu que a ameaça se estendia além da exclusão dos incrédulos da terra literal de descanso, e que o resto prometido aos crentes em sua plena bem-aventurança era e ainda é futuro: Salmo 25:13; O Salmo 37:9, 11, 22, 29 e a beatitude de Cristo (Mateus 5:5) concordam com isso, Hebreus 3:9. [Fausset, aguardando revisão]

12 Cuidado, irmãos, para que nunca haja em algum de vós coração mau e infiel, que se afaste do Deus vivo.

Comentário A. R. Fausset

Tome cuidado – para se unir com “portanto”, Hebreus 3:7.

para que nunca haja haja grego (indicativo), “para que não haja”; para que não haja, como temo que haja; implicando que não é meramente uma possível contingência, mas que há base para pensar que assim será.

em qualquer – “em qualquer um de vocês.” Não meramente deveria estar em guarda, mas eles deveriam estar tão preocupados com a segurança de cada membro, para não sofrer qualquer um a perecer por negligência deles [Calvin ].

coração – O coração não é confiável. Compare Hebreus 3:10: “Eles sempre erram em seus corações”.

incredulidade – falta de fé. Cristo é fiel; portanto, diz Paulo aos hebreus, não devemos ser infiéis como nossos pais estiveram sob Moisés.

partindo – apostatizando. O oposto de “vem a ele” (Hebreus 4:16). Deus castiga tais apóstatas em espécie. Ele se afasta deles – o pior dos problemas.

do Deus vivo – real: a característica distintiva do Deus de Israel, não como os deuses sem vida dos pagãos; Portanto, alguém cujas ameaças são terríveis realidades. Apostar de Cristo é apostatar do Deus vivo (Hebreus 2:3). [Fausset, aguardando revisão]

13 Em vez disso, encorajai-vos uns aos outros a cada dia, durante o tempo chamado 'hoje'; a fim de que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado.

Comentário A. R. Fausset

um ao outro – grego, “vós”; cada um exorta a si mesmo e ao próximo.

diariamente – em grego, “em cada dia” ou “dia a dia”.

o tempo chamado ‘hoje’ – enquanto o “dia” durar (o dia da graça, Lucas 4:21, antes da vinda do dia da glória e julgamento na vinda de Cristo, Hebreus 10:24, 37). Amanhã é o dia em que os homens ociosos trabalham, e os tolos se arrependem. Amanhã é o dia de hoje de Satanás; ele não se importa com as boas resoluções que você forma, se você as consertar para amanhã.

para que… de você – O “você” é enfático, diferentemente de “seus pais” (Hebreus 3:9). “Que dentre vós ninguém (para que a ordem grega se encontre em alguns dos manuscritos mais antigos) seja endurecido” (Hebreus 3:8).

engano – fazendo com que você “erre em seu coração”.

pecado – incredulidade. [Fausset, aguardando revisão]

14 Pois nós temos nos tornado participantes de Cristo, se, de fato, mantivermos firme a confiança do princípio até o fim;

Comentário A. R. Fausset

Para, etc. – reforçando o aviso, Hebreus 3:12.

participantes de Cristo – (compare Hebreus 3:1, 6). Então, “participantes do Espírito Santo” (Hebreus 6:4).

segure – grego, “segure rápido”.

o começo de nossa confiança – isto é, a confiança (literalmente, substancial, sólida confiança) da fé que nós começamos (Hebreus 6:11; Hebreus 12:2). Um cristão, desde que não seja aperfeiçoado, considera-se um iniciante (Bengel).

até o fim – até a vinda de Cristo (Hebreus 12:2). [Fausset, aguardando revisão]

15 como é dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como na provocação.

Comentário A. R. Fausset

enquanto é dito, Hoje “: Hebreus 3:14,” porque somos feitos participantes “, etc., sendo um parêntese. “Depende inteiramente de si mesmos que o convite do nonagésimo quinto Salmo não seja um mero convite, mas também um verdadeiro prazer.” Alford traduz: “Desde que (isto é, ‘para’) é dito”, etc. Hebreus 3:15 como uma prova de que devemos “manter … confiança … até o fim”, a fim de sermos “participantes de Cristo”. [Fausset, aguardando revisão]

16 Pois quais foram os que, mesmo ouvindo, provocaram-no à ira ? Não foram todos aqueles que saíram do Egito por meio de Moisés?

Comentário A. R. Fausset

Pois quais – um pouco interrogativamente, “Pois quem foi que, quando eles ouviram (referindo-se a ‘se ouvirdes’ Hebreus 3:15), provocaram (Deus)?” O “Para” implica, “Você precisa tomar atenção contra a incredulidade: pois, não foi por causa da incredulidade que todos os nossos pais foram excluídos (Ezequiel 2:3)? “Alguns” e “não todos” seriam uma maneira tênue de colocar seu argumento, quando seu objetivo é mostrar a universalidade do mal. Não apenas alguns, mas todos os israelitas, para as exceções solitárias, Josué e Calebe, dificilmente serão levados em conta em uma declaração tão geral. Então Hebreus 3:17-18, são interrogativos: (1) o início da provocação, logo após a partida do Egito, é marcado em Hebreus 3:16; (2) os quarenta anos dela no deserto, Hebreus 3:17; (3) a negação da entrada na terra de descanso, Hebreus 3:18. Compare Nota, veja em 1Coríntios 10:5, “com a maioria deles Deus estava descontente”.

todavia – “Não (por que eu preciso colocar a questão?), não foi tudo o que saiu do Egito?” (Êxodo 17:1-2).

por Moisés – pela instrumentalidade de Moisés como seu líder. [Fausset, aguardando revisão]

17 E contra quais ele se indignou por quarenta anos? Não foi contra os que pecaram, cujos corpos caíram no deserto?

Comentário A. R. Fausset

Mas – Traduza: “Além disso”, pois não está em contraste com Hebreus 3:16, mas levando a cabo o mesmo pensamento.

cadáveres – literalmente, “membros”, implicando que seus corpos caíram membro a membro. [Fausset, aguardando revisão]

18 E a quem ele jurou que não entrariam no seu repouso, senão aos que foram desobedientes?

Comentário de Albert Barnes

senão aos que foram desobedientes. Que não confiavam em Deus; Deuteronômio 1:32. “No entanto, não acreditastes nisto o Senhor vosso Deus”. Em conseqüência desta falta de fé, Deus lhes jurou solenemente que não deveriam entrar na terra prometida; Deuteronômio 1:34-35. “E o Senhor ouviu a voz de vossas palavras, indignou-se e jurou, dizendo: “Certamente nenhum destes homens desta geração má verá aquela terra boa que jurei dar a vossos pais, salvo Caleb”, etc. A razão distinta, portanto, designada por Moisés por que eles não entraram na terra prometida, era uma falta de fé, e isto está de acordo diretamente com o desígnio do apóstolo aqui. Ele está exortando aqueles a quem ele se dirigiu a ter cuidado com um coração maligno de incredulidade; Hebreus 3:12. Ele diz que foi um coração tal que excluiu os hebreus da terra prometida. A mesma coisa, diz ele, deve excluí-lo do céu – o lar prometido do crente; e se essa firme confiança em Deus e suas promessas que ele requer é o que falta, você será excluído do mundo do descanso eterno. [Barnes, aguardando revisão]

19 Assim vemos que não puderam entrar por causa da incredulidade.

Comentário de Albert Barnes

Vemos pelo testemunho direto do Antigo Testamento que a incredulidade foi a razão pela qual eles foram excluídos da terra prometida. Vamos aprender em vista do raciocínio e exortações aqui:

(1) O mal da incredulidade. Excluiu toda aquela geração, composta por muitas centenas de milhares de almas, da terra da promessa – a terra para a qual eles olhavam com esperanças ardentes e com desejos calorosos. Isso excluirá incontáveis ​​milhões do céu. A “falta de confiança em Deus” é a grande fonte do mal neste mundo, e será a causa da miséria por toda a eternidade de inumeráveis ​​hostes. Mas certamente isso não era uma coisa pequena ou sem importância que cobriu o deserto com os ossos de toda aquela geração que Deus de uma maneira tão notável resgatou da servidão egípcia. E isso não pode ser uma questão pequena que fará com que multidões afundem em infinita miséria e desespero.

(2) que nós, que somos cristãos professos, sejamos cautelosos contra a incredulidade em nossos corações. Todas as nossas dificuldades começam aí. Perdemos a confiança em Deus. Duvidamos de suas promessas, seus juramentos, suas ameaças. Em tempos sombrios e difíceis, começamos a ter dúvidas sobre a sabedoria de seus negócios e sobre sua bondade. A incredulidade, uma vez admitida no coração, é o começo de muitas aflições. Quando um homem perde a confiança em Deus, ele está em um oceano sem costa cheio de redemoinhos, rochas e areias movediças, e onde é “impossível” encontrar um ancoradouro seguro. Não há nada em que ele possa amarrar seu barco; e ele nunca encontrará segurança ou paz até que volte para Deus.

(3) vivamos uma vida de fé. Vivamos de tal maneira que possamos dizer com Paulo: “A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”. Assim vivendo, teremos paz. A mente estará em repouso. Tempestades e tempestades podem soprar, mas estaremos seguros. Outros podem ficar perturbados nas vicissitudes da vida, mas nossas mentes estarão em paz.

(4) vivamos esperando o “descanso” futuro que nos resta. Vamos manter nossos olhos fixos nele. Para nós há um descanso prometido, como havia para os hebreus a quem Deus havia libertado da terra da opressão; e podemos pela fé alcançar esse “descanso” como eles poderiam ter alcançado a terra de Canaã.

(5) perseveremos até o fim. Aquele que recua estará perdido. Aquele que não perseverar até o fim da vida nos caminhos da religião nunca pode ter sido um cristão. Não há nada que forneça certa evidência de religião, a menos que nossa piedade seja tal que nos leve a perseverar até a morte. O homem que entra na vida cristã professada esperando cair, ou que pode olhar para a possibilidade de cair sem preocupação, nunca conheceu nada da natureza da verdadeira religião. Ele não pode ser um cristão. Ele pode ter tido arrebatamentos e visões; ele pode ser um mestre barulhento e um partidário barulhento e zeloso, mas não tem nenhuma evidência de que já tenha conhecido alguma coisa sobre religião. Aquela religião que não está ligada a um propósito firme e determinado pela graça de Deus de perseverar até o fim da vida, não é religião verdadeira; e um homem que espera cair e voltar novamente ao mundo, ou que pode olhar para tal idéia sem alarme, deve considerar como um assunto estabelecido que ele não tem verdadeiro conhecimento de Deus.

(6) nenhum homem deve adiar a obra da salvação para um tempo futuro. Hoje é o tempo aceitável; hoje é o único tempo do qual temos alguma segurança. Deus fala “hoje”, e hoje sua voz deve ser ouvida. Nenhum homem sobre qualquer assunto deve adiar até amanhã o que deve ser feito hoje. Aquele que adia a religião até um tempo futuro negligencia seu próprio interesse; viola as obrigações mais solenes; e põe em perigo sua alma imortal. Que segurança pode ter alguém que viverá para ver outro dia? Que evidência ele tem de que estará mais disposto a cuidar de sua salvação então do que está agora? Que provas ele pode ter de que não provocará a Deus por este curso e trará condenação à sua alma? De todas as ilusões, essa é a mais maravilhosa através da qual os moribundos são levados a desviar a atenção das preocupações da alma para um período futuro de vida. Em nenhum lugar Satanás tem tanta vantagem em manter esta ilusão diante da mente; e se em relação a qualquer coisa a voz de advertência e alarme deve ser levantada alto e longo, é em referência a isto. O por que as pessoas não serão sensatas “hoje”? Por que não abraçarão a oferta de salvação “agora”? Por que não se assegurarão de imediato da felicidade eterna? E por que, em meio às mudanças e provações desta vida, eles não assegurarão a herança eterna a ponto de sentir que ela é segura – que há pelo menos uma coisa que não pode ser abalada e perturbada por embaraços e angústias comerciais; uma coisa segura embora amigos e parentes sejam arrancados deles; uma coisa segura quando sua própria saúde falha, e eles se deitam na cama onde darão adeus a todos os confortos terrenos, e dos quais nunca se levantarão? [Barnes, aguardando revisão]

<Hebreus 2 Hebreus 4>

Visão geral de Hebreus

Na livro de Hebreus, “o autor mostra como Jesus é a revelação final do amor e da misericórdia de Deus e é digno de nossa devoção”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Hebreus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.