Atos 26

1 E Agripa disse a Paulo: É permitido a ti falar por ti mesmo.Então Paulo, estendendo a mão, respondeu em sua defesa:

Comentário de David Brown

Este discurso, embora em substância o mesmo que o das escadas da fortaleza de Jerusalém (Atos 22:1-29), difere dele em ser menos direcionado para enfrentar a acusação de apostasia da fé judaica, e dando mais amplas visões de sua mudança notável e comissão apostólica, e o apoio divino sob o qual ele foi capaz de enfrentar a hostilidade de seus compatriotas.

Agripa disse: – Sendo um rei, ele parece ter presidido.

Paulo estendeu a mão – acorrentado a um soldado (Atos 26:29 e veja em Atos 12:6). [JFB, aguardando revisão]

2 Eu me considero feliz, rei Agripa, de que diante de ti eu esteja hoje fazendo minha defesa de todas as coisas de que sou acusado pelos judeus;

Comentário de Albert Barnes

Eu me considero feliz. Considero um favor e um privilégio poder fazer minha defesa diante de alguém familiarizado com os costumes e opiniões judaicas. Sua defesa, em ocasiões anteriores, fora perante magistrados romanos, que pouco conheciam as opiniões e costumes dos judeus; que não estavam dispostos a ouvir a discussão dos pontos de diferença entre ele e eles, e que olhavam para todas as suas controvérsias com desprezo. Veja Atos 24:25. Eles eram, portanto, pouco qualificados para decidir uma questão que estava intimamente ligada aos costumes e doutrinas judaicas; e Paulo agora se regozijava ao saber que estava diante de alguém que, por seu conhecimento dos costumes e crenças judaicas, seria capaz de apreciar seus argumentos. Paulo não estava agora em seu julgamento, mas deveria se defender, ou declarar sua causa, para que Agripa pudesse ajudar Festo a transmitir um relato verdadeiro do caso ao imperador romano. Era seu interesse e dever, portanto, defender-se o melhor possível e colocá-lo na posse de todos os fatos do caso. Sua defesa é, conseqüentemente, composta principalmente de uma declaração muito eloquente dos fatos exatamente como eles ocorreram.

de todas as coisas de que sou acusado pelos judeus. Os assuntos da acusação eram ele ser um promotor de sedição, um líder dos cristãos e um profanador do templo, Atos 24:5-6. [Barnes, aguardando revisão]

3 Principalmente por eu saber que tu sabes de todos os costumes e questões que há entre os judeus; por isso eu te rogo que tu me ouças com paciência.

Comentário de David Brown

Eu te conheço como perito, etc. – Seu pai era zeloso da lei, e ele mesmo tinha o ofício de presidente do templo e seus tesouros, e a nomeação do sumo sacerdote [Josefo, Antiguidades, 20.1.3].

me ouça com paciência – A ideia de “indulgentemente” também é transmitida. [JFB, aguardando revisão]

4 Ora, a minha vida é conhecida por todos os judeus, desde a minha juventude, que desde o princípio tem sido entre os de minha nação em Jerusalém;

Comentário de David Brown

Mostrando claramente que ele recebeu sua educação, mesmo desde a juventude, em Jerusalém. Veja em Atos 22:3. [JFB, aguardando revisão]

5 Eles me conhecem desde o começo, se quiserem testemunhar, de que conforme a mais rigorosa divisão de nossa religião, eu vivi como fariseu.

Comentário de David Brown

se eles – “estivessem dispostos a”

testemunho – mas isso, é claro, eles não eram, sendo um ponto forte a seu favor.

depois do mais difícil – “o mais rigoroso”.

divisão – como os fariseus confessadamente eram. Dizia-se que isso correspondia à acusação de que, como judeu helenista, contraiu entre as ideias pagãs de peculiaridades judaicas. [JFB, aguardando revisão]

6 E agora, pela esperança da promessa que por Deus foi dada aos nossos pais, eu estou aqui sendo julgado.

Comentário de David Brown

Sou julgado pela esperança da promessa feita … a nossos pais – “por acreditar que a promessa do Messias, a Esperança da Igreja (Atos 13:3228:20) foi cumprida em Jesus de Nazaré ressuscitado dos mortos . [JFB, aguardando revisão]

7 À qual nossas doze tribos, servindo continuamente a Deus de dia e de noite, esperam chegar; pela qual esperança, rei Agripa, eu sou acusado pelos judeus.

Comentário de David Brown

Até que promessa – o cumprimento dela.

nossas doze tribos – (Tiago 1:1; e veja em Lucas 2:36).

instantaneamente – “intencionalmente”; veja em Atos 12:5.

servindo a Deus – no sentido do culto religioso; em “ministrado”, veja em Atos 13:2.

dia e de noite, esperam chegar – O apóstolo se eleva à linguagem tão católica quanto o pensamento – representando sua desprezada nação, todo pensamento disperso que agora era, como doze grandes ramos de um tronco antigo, em todos os lugares de sua dispersão oferecendo ao Deus de seus pais uma ininterrupta adoração, repousando sobre uma grande “promessa” feita de antigamente a seus pais, e sustentada por uma “esperança” de “vir” ao seu cumprimento; o único ponto de diferença entre ele e seus compatriotas, e a única causa de toda a sua virulência contra ele, sendo que sua esperança encontrou descanso em Um já chegou, enquanto os deles ainda apontavam para o futuro.

pela qual esperança, rei Agripa, eu sou acusado pelos judeus – “Sou acusado de judeus, ó rei” (assim parece ser a verdadeira leitura); de todos os trimestres, o mais surpreendente é que essa taxa venha de A acusação de sedição não é tão aludida ao longo deste discurso. Foi de fato um mero pretexto. [JFB, aguardando revisão]

8 Por que se julga como incrível entre vós que Deus ressuscite aos mortos?

Comentário de David Brown

Por que deveria ser uma coisa incrível … que Deus ressuscitasse os mortos? Em vez disso, “Por que é julgado incrível se Deus ressuscita os mortos?”, Sendo o caso visto como um fato consumado. Ninguém se atreveu a questionar a esmagadora evidência da ressurreição de Jesus, que o proclamou o Cristo, o Filho de Deus; a única maneira de se livrar disso, portanto, era declará-lo incrível. Mas por que, pergunta o apóstolo, é tão julgado? Deixando esta pergunta grávida para encontrar sua resposta nos seios de sua audiência, ele agora passa para sua história pessoal. [JFB, aguardando revisão]

9 Eu realmente tinha pensado comigo mesmo, que contra o nome de Jesus eu tinha que fazer muitas oposições.

Comentário de Albert Barnes

Eu realmente tinha pensado. Paulo aqui começa o relato de sua conversão e declara as evidências pelas quais ele julgou que foi chamado por Deus para fazer o que havia feito. Ele começa dizendo que não era porque ele estava originalmente disposto a ser um cristão, mas que ele se opunha violenta e conscientemente a Jesus de Nazaré, e havia se convertido quando estava em plena carreira de oposição a ele e sua causa.

comigo mesmo. Eu refleti para mim mesmo; ou, eu mesmo pensei. Ele já havia declarado as esperanças e expectativas de seus compatriotas, Atos 26:6-8. Ele agora fala de seus próprios pontos de vista e propósitos. “Para mim, pensei”, etc.

contra o nome de Jesus. Em oposição ao próprio Jesus, ou às suas alegações de ser o Messias. O “nome” é frequentemente usado para denotar a própria “pessoa”, Atos 3:6.

eu tinha que fazer. Que eu estava preso, ou que era um dever que me incumbia – δεῖν dein. “Pensei que devia ao meu país, à minha religião e ao meu Deus, opor-me de todas as maneiras às reivindicações de Jesus de Nazaré de ser o Messias.” Vemos aqui que Paulo era consciencioso e que um homem pode ser consciencioso mesmo quando envolvido em enorme maldade. Não há evidência de que alguém esteja certo porque é consciencioso. Grande parte dos crimes contra as leis humanas e quase todas as cruéis perseguições contra os cristãos foram cometidos sob o pretexto da consciência. Paulo aqui se refere à sua consciência na perseguição para mostrar que não era pouca coisa que poderia ter mudado seu curso. Como ele foi governado em perseguição pela consciência, só poderia ter sido por uma força de demonstração, e pela urgência de consciência igualmente clara e forte, que ele poderia ter sido induzido a abandonar esse curso e tornar-se amigo daquele Salvador. a quem assim perseguiu.

muitas oposições. Ele não estava satisfeito com algumas coisas, algumas palavras, ou propósitos, ou argumentos; mas ele se sentiu obrigado a fazer o máximo possível para derrubar a nova religião. [Barnes, aguardando revisão]

10 O que eu também fiz em Jerusalém; e tendo recebido autoridade dos chefes dos sacerdotes, eu pus em prisões a muitos dos santos; e quando eles eram mortos, eu também dava meu voto contra eles.

Comentário de Phillip Schaff

O que eu também fiz em Jerusalém. Provavelmente se referindo aqui especialmente à sua participação no martírio de Estêvão, quando “as testemunhas depuseram suas vestes aos pés de um jovem, cujo nome era Saulo” (Atos 7:58); quando Saul estava consentindo em sua morte (Atos 8:1); e também à sua conduta pouco depois, quando, “Quanto a Saulo, destruiu a igreja, entrando em todas as casas, e arrastando homens e mulheres, os meteu na prisão” (Atos 8:3). Todas essas coisas aconteceram na Cidade Santa.

eu pus em prisões a muitos dos santos. O termo ‘santos’ (τῶν ἁγίων) usado aqui em tal lugar parece à primeira vista notável. Ao contar estas cenas de sua vida inicial aos judeus em Jerusalém (Atos 22:4-5), ele fala dos homens e mulheres que ele fez com que fossem amarrados e entregues na prisão alguns dos quais ele tinha “perseguido até a morte”. Mas ele evitou cuidadosamente este título amoroso. Antes dos judeus, ele encolheu-se de usar qualquer expressão de admiração reverencial que pudesse despertar a ira de seus compatriotas irados contra a seita da qual já tinham tanta inveja; mas agora, falando diante de homens do mundo como Agripa e Festus, ele dá a esses nobres mártires, há muito tempo no Paraíso, um título de honra que agravou sua própria culpa como seu perseguidor. De fato, como foi bem observado, o tom confiante e ousado de todo este discurso soa menos como as palavras de um prisioneiro que se defende, do que de um defensor destemido que pleiteia perante um tribunal.

e quando eles eram mortos, eu também dava meu voto contra eles. Isso se refere à ‘grande perseguição’ mencionada em Atos 8:1-4, na qual Saulo, o fariseu de Tarso, parece ter sido o ator mais proeminente: ‘Quanto a Saulo, ele destruiu a igreja’ (Atos 26:3 ); “E Saulo, ainda respirando ameaças e matança contra os discípulos do Senhor” (Atos 9:1). A história de ‘Atos’ menciona apenas uma execução pública nesta amarga perseguição; mas as palavras usadas aqui, ‘quando eles foram mortos’; a expressão de Atos 22:4: ‘Eu persegui até a morte’; e a frase de abertura de 9: ‘E Saulo, ainda respirando ameaças e matança contra os discípulos do Senhor’, leva-nos decididamente a concluir que muitos além de Estevão, naquele primeiro período de prova, testemunharam até a morte, e através de dor e agonia .passaram para seu descanso no Paraíso de Deus.

Em vários lugares nas Epístolas encontramos vestígios da memória de algumas perseguições amargas e terríveis, das quais esta muito antiga, quando Paulo desempenhou o papel de inquisidor-chefe, foi talvez a mais severa e fatal, Hebreus 12:4, onde aqueles a quem a epístola é dirigida são apelados como tendo ‘ainda não resistido ao sangue’. Veja também 1Tessalonicenses 2:15; Tiago 5:10.

A palavra ‘voz’ na frase, ‘eu dei minha voz contra eles’, seria traduzida com mais precisão por ‘voto’ (ψῆφον). Esta era uma pequena pedra ou seixo preto ou branco que era usado para votar, como na cédula. Para a condenação, geralmente uma pedra preta era colocada na urna de votação; para a absolvição, um branco.

Esta afirmação de Paulo de ter votado pela morte de alguns dos “santos” da Igreja primitiva foi tomada como prova de que ele foi, em seus dias de fariseu, membro do conselho supremo do Sinédrio. Isso é possível, mas não é de forma alguma certo; pois as palavras aqui usadas por ele podem ter se referido a ele ter sido nos últimos dias um membro de algum tribunal importante agindo sob a direção do conselho supremo. Embora seja possível, é certamente muito duvidoso que o jovem Saulo tenha tido um assento no Sinédrio, pois (a) concedendo a concepção mais ampla da expressão ‘jovem’, a idade de Saul dificilmente teria garantido sua ocupação assento naquela assembléia de anciãos; (b) a tradição declara positivamente que uma das qualificações necessárias de um membro do grande conselho judaico era que ele deveria ser casado e ter uma família, pois se supunha que aquele que era pai estaria mais inclinado a temperar a justiça com Misericórdia. Certamente não há nada na vida conhecida de Paulo que nos leve a supor que o apóstolo missionário já foi casado. [Schaff, aguardando revisão]

11 E tendo lhes dado punição muitas vezes por todas as sinagogas, eu os forcei a blasfemarem. E estando extremamente enfurecido contra eles, até nas cidades estrangeiras eu os persegui;

Comentário de Phillip Schaff

E tendo lhes dado punição muitas vezes por todas as sinagogas, eu os forcei a blasfemarem. Isso alude, sem dúvida, não apenas às muitas sinagogas em Jerusalém (veja Atos 6:9 e nota), mas também às sinagogas situadas em muitos lugares diferentes para onde ele foi enviado pelo Sinédrio em seu trabalho de perseguição. Foi em seu caminho para visitar as sinagogas em um desses lugares distantes (Damasco) que o Senhor o encontrou pelo caminho, e transformou Seu perseguidor em Seu servo. Nas palavras “Eu os puni com frequência em todas as sinagogas”, Hackett cita uma passagem instrutiva de Biscoe a respeito da punição infligida na sinagoga: “Os principais governantes das sinagogas, sendo também os juízes do povo em muitos casos, especialmente aqueles que considerava a religião, optou por dar sentença contra os infratores e ver sua sentença executada na sinagoga. As pessoas eram sempre açoitadas na presença dos juízes. Pois, sendo a punição projetada in terrorem, o que mais provavelmente causará admiração na mente e impedirá os homens de cometerem erros semelhantes do que executá-la em suas assembléias religiosas e na presença da congregação? Nosso Senhor predisse que Seus discípulos seriam açoitados nas sinagogas (Mateus 10:17; Mateus 23:34); e aprendemos aqui que Paulo foi um instrumento no cumprimento dessa previsão, derrotando os que acreditavam em todas as sinagogas. Outra lembrança ainda mais sombria é aqui evocada pelo grande apóstolo ao contar a história de seu passado. Os santos mortos; estes, embora ele não soubesse disso então, ele havia ajudado na manhã de sua batalha para ganhar sua coroa. Mas aqui estava um pensamento de tristeza indescritível: havia alguns irmãos mais fracos, algumas irmãs tímidas; essas palavras duras e atos cruéis tinham compelido a blasfemar aquele nome glorioso pelo qual eram chamados. Este é evidentemente o significado das palavras de Paulo aqui. Alguns tentariam explicar os pensamentos dolorosos sugeridos por essa “memória”, supondo que tudo o que Saulo fez foi tentar induzi-los a negar a fé que uma vez disseram amar; mas seria muito arriscado concluir que, entre os muitos de diferentes sexos, de variadas classes e idades, nenhum se desviou de sua fidelidade a Cristo. As palavras do Procônsul Plínio ao seu mestre o Imperador Trajano, no primeiro quarto do século seguinte, nos dizem que o mesmo meio que Saulo, o fariseu, havia usado para obrigar os seguidores de Cristo a blasfemar, foram logo usados pelos perseguidores gentios: “Havia alguns que negavam ser, ou ter sido, cristãos: estes, antes de mim, invocavam os deuses e a tua imagem [ele está escrevendo para Trajano]; que imagem, junto com as dos deuses, eu tinha ordenado que me trouxessem para este fim. Eles lhes ofereceram incenso e vinho, além do qual injuriaram a Cristo – ninguém, diz-se, pode ser obrigado a fazer coisas, aqueles que são de fato cristãos. Estes eu pensei que poderiam ser liberados”.

estando extremamente enfurecido contra eles. Nenhuma linguagem parece forte demais para o bravo defensor cristão usar a respeito de si mesmo e de sua conduta anterior para com aqueles homens e mulheres, cujo irmão e companheiro de fé ele agora professava ser. Como ele uma vez detestou esses pobres santos perseguidos, como ele detestou sua causa! Toda a sua vida foi dedicada ao trabalho de acabar com essa estranha devoção por Aquele que havia sido crucificado, e que esses homens e mulheres iludidos afirmavam ter ressuscitado. O que agora havia mudado o propósito de vida desse jovem fariseu entusiasmado? Podemos imaginar um silêncio caindo sobre a brilhante assembléia, quando Paulo, depois de encerrar esta parte de seu discurso com as palavras contando sua jornada para cidades estranhas para caçar esses crentes em Jesus de Nazaré, sendo extremamente louco contra eles, fez uma pausa sem dúvida por um instante antes de contar ao rei Agripa, Festo e Berenice o que o havia mudado.

até nas cidades estrangeiras. Ele havia feito o trabalho do Sinédrio bem e meticulosamente no distrito “de origem”, e até mesmo em cidades estrangeiras, escreve o compilador dos “Atos”. Entre estes, Damasco é especialmente destacado, pois foi o último da lista do inquisidor que foi visitado; e ali a amarga perseguição, no que dizia respeito a Saulo, foi apenas planejada, mas nunca foi realizada. [Schaff, aguardando revisão]

12 Nas quais, indo eu até Damasco, com autoridade e comissão dos chefes dos sacerdotes;

Comentário de Phillip Schaff

Este é o terceiro relato contido nos “Atos” da conversão de Paulo (ver as observações gerais e comentários sobre os Atos 9:3-18). Destes três, o primeiro é tecido na história geral dos primeiros dias da fé; o segundo é um relato abreviado do discurso de Paulo por ocasião do tumulto no templo, e foi proferido a partir da escada que conduz da corte do templo ao castelo de Antônia (cap. 22). Este é o terceiro, e ocorre no argumento de sua defesa do cristianismo perante Agripa e Festus em Cæsarea. Ele contém quatro detalhes notáveis que não aparecem nos dois outros relatos da aparição do Senhor ressuscitado: (1) A glória avassaladora da luz é aqui residida de uma maneira especial. Nos dizem como ela excedeu até mesmo o brilho de um sol oriental ao meio-dia. O brilho era tão terrível, que todos, inclusive Saul, caíram prostrados no chão por medo. (2) A voz, nos dizem aqui, falou com Saul na língua hebraica [em uma das outras narrativas da aparência, isto não poderia ter sido referido; pois Paulo, nos degraus que conduzem a Antônia, falou com o povo na língua hebraica. Aqui, porém, antes de Agripa e Festus, é claro que ele falava grego]. (3) A adição do provérbio tão conhecido na literatura clássica, “É difícil para você chutar contra os pica-paus”. Estas palavras devem ser retiradas do texto do relato da aparição no cap. 9, pois elas só ocorrem em uma das antigas autoridades. (4) A missão de Paulo aos gentios é aqui aludida como fazendo parte desta primeira comunicação do Senhor do céu ao homem escolhido para ser o servo do Altíssimo (ver notas sobre isto mais adiante). Os outros relatos da conversão são silenciosos quanto a esta parte mais importante do comando do Beato quando Ele apareceu a Paulo a caminho de Damasco. Assim, as quatro adições especiais aqui feitas são: (1) a referência à glória não mortal da luz e seu efeito; (2) a menção da língua (hebraico) na qual o Senhor falou; (3) a citação do provérbio pagão; (4) o comando respeitando sua missão para com os gentios. Ver as notas sobre Atos 9:3-8 e Atos 22:6-10, onde, especialmente na primeira narrativa, as diversas circunstâncias relacionadas em cada um dos relatos são discutidas longamente. [Schaff, aguardando revisão]

13 Ao meio dia, vi no caminho, rei, uma luz do céu, que brilhava muito mais que o sol, e que encheu de claridade ao redor de mim e dos que iam comigo.

Comentário de Phillip Schaff

Acabamos de mencionar que essa chama de glória de repente brilhou ao redor do fariseu e sua companhia ao meio-dia. A comparação, então, da estranha grande luz de que ele se lembrava tão bem, foi feita com o esplendor de um sol do meio-dia oriental. Banhado, por assim dizer, neste glorioso mar de luz, Saulo viu a forma daquele que havia sido crucificado e ressuscitado. Não podemos dizer sem temeridade que, enquanto olhava, o implacável inimigo do Nazareno e sua odiada seita viu, naquela forma transfigurada, algumas das marcas da Paixão que ele tantas vezes ridicularizou e falou como o bem- ganhou a garantia de um falso impostor, que viu aquelas marcas bem conhecidas que sabemos que o Senhor ressuscitado ainda carregava (João 20:27) – a marca dos pregos e a cicatriz da lança (veja nota em Atos 9:3) ? [Schaff, aguardando revisão]

14 E todos nós, tendo caído ao chão, eu ouvi uma voz que falava a mim, e dizia em língua hebraica: Saulo, Saulo, por que me persegues? Duro é para ti dar coices contra os aguilhões.

Comentário de J. R. Lumby

eu ouvi uma voz que falava a mim, e dizia. Os manuscritos mais antigos têm apenas “uma voz dizendo a mim”.

em língua hebraica. Que é, portanto, representado por uma ortografia diferente do nome próprio, não “Saulos”, a forma grega usual, mas “Saul”, uma transliteração do hebraico.

Duro é para ti dar coices contra os aguilhões. Este é o único lugar onde os manuscritos mais antigos dão estas palavras. Veja nota em Atos 9:5. A figura é de um boi, sendo conduzido em seu trabalho. Quando inquieto ou preguiçoso, o motorista o pica e, ignorando as consequências, ele chuta de volta, e assim recebe outro ferimento. As palavras implicariam que Deus havia guiado Saulo em direção à verdadeira luz por algum tempo antes, e que esse zelo pela perseguição era uma resistência à insistência divina. Não é incomum que os homens que são levados a romper com as velhas tradições em tais momentos, por atos externos, manifestem ainda mais zelo do que antes por suas velhas opiniões, como se estivessem com medo de pensar que estão caindo. Este pode ter sido o caso de Saulo, seus chutes contra as aguilhadas. [Lumby, aguardando revisão]

15 E eu disse: Quem és, Senhor? E ele disse: Eu sou Jesus, a quem tu persegues.

Comentário de J. R. Lumby

Quem és, Senhor? A prontidão com que “Senhor”, uma expressão de fidelidade, chega aos lábios do Apóstolo dá probabilidade à noção de que os impulsos de Deus já haviam atuado em seu coração antes, e que a raiva louca contra “o Caminho” foi uma tentativa de sufocá-los . [Lumby, aguardando revisão]

16 Mas levanta-te, e fica de pé, porque para isto eu apareci a ti, para te predeterminar como trabalhador e testemunha, tanto das coisas que já tens visto, como das coisas que eu ainda aparecerei a ti;

Comentário de David Brown

Mas ascensão, etc. – Aqui o apóstolo parece condensar em uma declaração várias declarações de seu Senhor para ele em visões em diferentes momentos, a fim de apresentar em uma visão a grandeza da comissão com a qual seu Mestre o vestiu (Alford) .

um ministro … ambas as coisas que você viu – colocando-o em pé com as “testemunhas oculares e ministros da palavra” mencionado em Lucas 1:2.

como das coisas que eu ainda aparecerei a ti – referindo-se a visões com as quais ele foi posteriormente favorecido; tais como Atos 18:9-1022:17-2123:11; 2Coríntios 12:1-10, etc. (Gálatas 1:12). [JFB, aguardando revisão]

17 Livrando-te d este povo, e dos gentios, aos quais agora eu te envio.

Comentário de David Brown

Te livrando do povo – os judeus.

e dos gentios – Ele foi ao longo de todo o objeto de malignidade judaica, e estava naquele momento nas mãos dos gentios; no entanto, ele calmamente repete as garantias de libertação do Mestre, ao mesmo tempo em que toma todas as precauções de segurança e reivindica todos os seus direitos legais.

aos quais agora eu te envio – O enfático “eu” aqui denota a autoridade do Remetente (Bengel). [JFB, aguardando revisão]

18 Para abrir os olhos deles, e das trevas converterem à luz, e do poder de Satanás converterem a Deus; para que recebam perdão dos pecados, e herança entre os santificados pela fé em mim.

Comentário de David Brown

Para abrir os olhos deles, e das trevas converterem à luz – em vez disso, “para que eles possam girar” (como em Atos 26:20), isto é, como o efeito de seus olhos sendo abertos. Toda a passagem se apóia em Isaías 61:1 (Lucas 4:18).

e do poder de Satanás – Note a conexão aqui entre ser “desviado das trevas” e “do poder de Satanás”, cujo poder sobre os homens reside em mantê-los no escuro: por isso ele é chamado de “o soberano das trevas”. deste mundo. ”Veja em 2Coríntios 4:4.

para que eles possam receber perdão … e herança entre os santificados pela fé que há em mim – Nota: A fé é aqui feita o instrumento de salvação de uma só vez em seu primeiro estágio, perdão e sua última admissão no lar do santificado; e a fé que introduz a alma a tudo isso é enfaticamente declarada pelo Redentor glorificado para repousar sobre Si – “FÉ, mesmo a que está em mim”. E quem crê nisso pode abster-se de lançar sua coroa perante Ele ou resistir a oferecê-Lo. adoração suprema? [JFB, aguardando revisão]

19 Portanto, rei Agripa, eu não fui desobediente à visão celestial.

Comentário de David Brown

Esta tensão musical e elevada, que leva o leitor junto com ela, e sem dúvida fez os ouvintes, indica a elevada região de pensamento e sentimento à qual o apóstolo se levantara enquanto ensaiando as comunicações de seu Mestre para ele do céu. [JFB, aguardando revisão]

20 Mas sim, primeiramente aos que estavam em Damasco e Jerusalém, e por toda a terra da Judeia, e aos gentios anunciei que se arrependessem, e se convertessem a Deus, fazendo obras dignas de arrependimento.

Comentário de David Brown

aos que estavam em Damasco e Jerusalém – omitindo a Arábia; porque, começando com os judeus, seu objetivo era mencionar primeiramente os lugares onde seu ódio anterior ao nome de Cristo era mais conhecido: a menção dos gentios, tão intragável para sua audiência, é reservada para o último.

se arrependessem, e se convertessem a Deus, fazendo obras dignas de arrependimento – uma breve descrição da conversão e seus frutos apropriados, sugeridos, provavelmente, pelos ensinamentos do Batista (Lucas 3:7-8). [JFB, aguardando revisão]

21 Por causa disto os judeus me pegaram no Templo, e procuravam me matar.

Comentário de Phillip Schaff

Isso é primeiro porque ele, Saulo, uma vez o inimigo implacável determinado do ‘Nazareno crucificado’, agora obedeceu a Sua voz, e foi por toda parte entregando a mensagem do ‘Crucificado’ com poder; e em segundo lugar, porque ele transmitiu a mensagem indiferentemente aos odiados gentios quanto aos judeus favorecidos, proclamando assim que no reino do Messias não haveria diferença entre os filhos de Israel e os filhos nascidos nas trevas das ilhas dos gentios. [Schaff, aguardando revisão]

22 Porém tendo eu obtido socorro de Deus, permaneço até o dia de hoje, dando testemunho tanto a pequenos como a grandes; não dizendo nada além dos que as coisas que os profetas e Moisés tinham dito que estavam para acontecer;

Comentário de David Brown

tendo obtido ajuda – “socorrer”.

de Deus – “aquele que vem de Deus”.

Eu continuo – “fique”, “segure meu chão”.

até o dia de hoje, dando testemunho… – isto é, esta minha vida, tão maravilhosamente preservada, apesar de todas as conspirações contra ela, é mantida por causa do Evangelho; portanto eu “testemunhei”, etc. [JFB, aguardando revisão]

23 Isto é , que o Cristo sofreria, e sendo o primeiro da ressurreição dos mortos, ia anunciar a luz a este povo e aos gentios.

Comentário de David Brown

que o Cristo sofreria… – A construção desta sentença implica que em relação à questão “se o Messias é um sofrimento, e se, ressuscitando primeiro dentre os mortos, ele deveria mostrar luz para o povo (judeu) e os gentios ”, ele havia dito apenas o que os profetas e Moisés disseram que deveria vir. [JFB, aguardando revisão]

24 E tendo Paulo dito isto em sua defesa, Festo disse em alta voz: Tu estás louco, Paulo; as muitas escrituras te fizeram enlouquecer!

Comentário de David Brown

Festus disse com uma voz alta – surpreso e desnorteado.

Tu estás louco, Paulo; as muitas escrituras te fizeram enlouquecer! – “está virando a tua cabeça”. A união do grego fluente, profundo conhecimento dos escritos sagrados da sua nação, referência a uma ressurreição e outras doutrinas a um romano totalmente ininteligível, e, acima de tudo, elevada seriedade religiosa, tão estranha aos céticos cultos e frios daquele dia – pode explicar essa súbita exclamação. [JFB, aguardando revisão]

25 Mas ele respondeu: Eu não estou louco, excelentíssimo Festo; mas eu declaro palavras de verdade e de um são juízo;

Comentário de David Brown

Eu não estou louco, excelentíssimo Festo; mas… – Pode alguma coisa superar essa resposta, por disponibilidade, autocontrole, calma dignidade? Cada palavra dele refutava a acusação grosseira, embora Festus, provavelmente, não pretendesse ferir os sentimentos do prisioneiro. [JFB, aguardando revisão]

26 Porque o rei, a quem eu estou falando livremente, ele sabe muito bem destas coisas; porque eu não creio que nenhuma disto lhe seja oculto; por que isto não foi feito num canto.

Comentário de Albert Barnes

Porque o rei. Rei Agripa.

sabe. Ele estava há muitos anos naquela região, e a fama de Jesus e da conversão de Paulo provavelmente eram bem conhecidas dele.

estou falando livremente. Eu falo abertamente – com ousadia. Não uso disfarce; e falo com mais confiança diante dele, porque, de sua situação, ele deve estar familiarizado com a verdade do que digo. A verdade é sempre ousada e livre, e é uma evidência de honestidade quando um homem está disposto a declarar tudo sem reservas diante daqueles que estão qualificados para detectá-lo se ele for um impostor. Tal evidência de verdade e honestidade foi dada por Paulo.

destas coisas. As coisas pertencentes às primeiras perseguições dos cristãos; a propagação do evangelho; e a notável conversão de Paulo. Embora Agripa pudesse não ter sido totalmente informado a respeito dessas coisas, ele conhecia Moisés e os profetas; ele conhecia a expectativa judaica a respeito do Messias; e ele não podia ignorar os notáveis ​​eventos públicos na vida de Jesus de Nazaré, e de ter sido morto por ordem de Pôncio Pilatos na cruz.

por que isto não foi feito num canto. Não ocorreu secreta e obscuramente, mas foi público e de tal caráter que atraiu a atenção. A conversão de um perseguidor principal, como Paulo havia sido, e da maneira como essa conversão ocorreu, não podia deixar de atrair atenção e observação; e embora os judeus se esforçassem o máximo possível para escondê-lo, ainda assim Paulo poderia presumir que não poderia ser totalmente desconhecido para Agripa. [Barnes, aguardando revisão]

27 Rei Agripa, tu crês nos profetas? Eu sei que tu crês.

Comentário de David Brown

A coragem e a confiança mostradas aqui provinham de uma perspicaz persuasão do conhecimento de Agripa dos fatos e da fé nas previsões que eles verificaram; e a resposta do rei é o mais alto testemunho da exatidão dessas presunções e do imenso poder de tais apelos corajosos e corteses à consciência. [JFB, aguardando revisão]

28 E Agripa disse a Paulo: Por pouco tu me convences a me tornar cristão.

Comentário de David Brown

Quase – ou “em pouco tempo”

tu me convences a me tornar cristão – A maioria dos intérpretes é uma mistura ordinária inadmissível, e o significado é: se. Mas, uma resposta do tipo dificilmente pode ser utilizada para a avaliação do sentido dado em nossa versão autorizada, que é adotada por Crisóstomo e alguns dos melhores estudiosos desde então. A objeção sobre a qual tanto estresse é colocado, que a palavra “cristão” era naquele tempo apenas um termo de desprezo, não tem força a não ser do outro lado; por considerá-lo nessa visão, o sentido é: “Em breve você me terá uma dessa seita desprezada”. [JFB, aguardando revisão]

29 E Paulo disse: Meu desejo a Deus é que, por pouco ou por muito, não somente tu, mas todos os que estão me ouvindo hoje, tais vos tornásseis assim como eu sou, a não ser por estas correntes.

Comentário de David Brown

Meu desejo a Deus é que…etc. – Que magnanimidade inigualável este discurso respira! Apenas seu mestre já se elevou acima disso.

não só… quase… mas completamente – ou “em breve ou atrasado” ou “com pouca ou muita dificuldade”.

a não ser por estas correntes – sem dúvida segurando suas duas mãos acorrentadas (veja em Atos 12:6): que, ao encerrar tal nobre declaração, deve ter tido um efeito elétrico. [JFB, aguardando revisão]

30 E tendo ele dito isto, o rei se levantou, e também o governador, Berenice, e os que estavam sentados com eles.

Comentário de David Brown

quando ele falou assim, o rei se levantou – não é fácil demais, podemos ter certeza. [JFB, aguardando revisão]

31 E reunindo-se à parte, falavam uns aos outros, dizendo: Este homem nada faz que seja digno de morte ou de prisões.

Comentário de Phillip Schaff

A segunda destas expressões públicas de opinião por parte de personagens tão exaltados como Agripa e Festus, respeitando a completa inocência de Paulo da acusação realmente grave de promover sedição e de excitar os povos do Império contra os poderes governantes, foi um memorando importante na história do grande apóstolo gentio, que, sabemos, acabou sendo condenado e colocado à morte sob uma acusação falsa semelhante.

Ele nos diz quão infundadas foram as acusações feitas contra ele por aqueles judeus cujo interesse mais querido ele, em nome de seus irmãos, foi obrigado a atacar – nos diz quão irrepreensível, quão perfeitamente altruísta, era todo o teor daquela generosa vida corajosa.

Não precisamos supor que esta defesa de Paulo, e aquela expressão unânime de boa vontade que ele obteve daquelas pessoas ilustres que o escutaram naquele dia na corte de Cæsarean, não tiveram efeito sobre a história posterior do apóstolo. Embora, como o apelo ao imperador tinha sido formalmente apresentado, não estava mais no poder de qualquer funcionário provincial, por mais exaltado que fosse, para absolver ou libertar, mais do que para condenar e punir o prisioneiro que tinha assim apelado para Roma; Ainda assim, como Festus tinha organizado esta audiência perante Agrippa com o objetivo de obter material satisfatório que lhe permitisse fazer um relatório exaustivo ao ministro em Roma, ele sem dúvida escreveu uma opinião tão favorável sobre o caso do prisioneiro que acabou trazendo sua absolvição e liberdade de sua primeira prisão romana.

O relatório favorável do Festus, também, certamente lhe proporcionou um tratamento cordial após sua chegada à capital (ele foi autorizado a morar em sua própria casa contratada e até mesmo a receber um grande número de amigos e alunos lá, Atos 28:17-23; Atos 28:30-31).

Outro resultado da grande defesa do cristianismo de Paulo perante o rei Agripa II. e o Procurador Festus, foi, que a partir deste momento, um sentimento de bondade parece ter surgido no coração do rei em direção àquela estranha seita nazarena à qual ele mesmo nos diz que quase foi persuadido a aderir. Stier chama a atenção para o fato desta Agripa no início da grande guerra judaica, uns oito ou nove anos após a cena em Cæsarea, protegendo os cristãos, dando-lhes socorro e recebendo-os gentilmente em seu território. [Schaff, aguardando revisão]

32 E Agripa disse a Festo: Este homem podia ser solto, se ele não tivesse apelado a César.

Comentário de E. H. Plumptre

A decisão a que Agripa chegou mostrou a sabedoria da linha que Paulo havia tomado. O assunto não podia ser abafado nem se livrar do assunto. As autoridades não podiam agora se livrar da responsabilidade pela guarda segura do prisioneiro e, ao libertá-lo, expor sua vida às conspirações dos judeus; e assim o Apóstolo finalmente ganhou aquela viagem segura para a cidade imperial que havia sido por muitos anos o grande desejo de seu coração.

Não é sem interesse notar as relações posteriores entre Festus e Agrippa, durante o curto governo do primeiro, como mostrando uma continuação do mesmo entente cordiale que vimos neste capítulo. Agripa assumiu sua residência em Jerusalém, no velho palácio dos Asmoneanos, ou Macabean, príncipes. Comandava uma vista da cidade e, de um salão de banquetes que ele havia erguido, ele podia olhar para as cortes do Templo e ver os sacerdotes sacrificando mesmo quando ele se sentava à mesa. Os judeus encaravam isso como uma profanação e construíram um muro que bloqueou a vista tanto do palácio do rei quanto do pórtico onde os soldados romanos costumavam ficar de guarda durante os festivais. Isto foi considerado pelo Festus como um insulto, e ele ordenou que o muro fosse derrubado. O povo de Jerusalém, no entanto, obteve licença para enviar uma embaixada a Roma. Eles asseguraram o apoio de Poppæa, já meio prosélito, depois da moda da época entre as mulheres da classe superior em Roma, e, pela estranha ironia da história, o Templo de Jeová foi resgatado da profanação pela concubina de Nero (Josué Ant. xx. 8, § 11). Agripa continuou mostrando o gosto pela construção, que era a característica hereditária de sua casa. Cæsarea Philippi foi ampliada e nomeada Neronias, em homenagem ao imperador. Um vasto teatro foi erguido em Beritus (Beyrout) e adornado com estátuas. O Templo foi finalmente terminado, e os 18.000 operários que foram assim expulsos do trabalho foram empregados para repavimentar a cidade com mármore. A imponência do ritual do Templo foi realçada pela permissão que o rei deu aos levitas do coro, apesar da demonstração dos sacerdotes, de que eles deveriam usar um éfode de linho. Mais uma vez, notamos a ironia da história. O rei que assim teve a glória de completar o que o fundador de sua dinastia havia começado, levando tanto a estrutura quanto o ritual a uma perfeição nunca antes alcançada, viu, em dez anos, a captura de Jerusalém e a destruição do Templo (Josué Ant. xx. 8, § 7). [Plumptre, aguardando revisão]

<Atos 25 Atos 27>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.