Bíblia

Tiago 1

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que estão na dispersão, saudações!

Tiago (compare com Mt 10:3; 13:55Mc 3:18Lc 6:15At 1:13; 12:17; 15:13; 21:18Gl 1:19; 2:9,12Jd 1:1).

servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo (compare com Jo 12:26Rm 1:1Fp 1:1Tt 1:12Pe 1:1).

às doze tribos (compare com Ex 24:4Ex 28:21Ex 39:141Rs 18:31Ed 6:17Mt 19:28At 26:7Ap 7:4) que estão na dispersão (compare com Lv 26:33Dt 4:27Dt 28:64Dt 30:3Dt 32:26Et 3:8Ez 12:15Jo 7:35At 2:5; 8:1; 15:211Pe 1:1) – ou seja, “às doze tribos dispersas entre as nações” (NVI). A dispersão é um termo comum aplicado ao espalhamento das doze tribos resultante de seus repetidos cativeiros. Houve quatro dispersões principais – a babilônica, a egípcia, a síria e a ocidental na Grécia e Itália. Em Jo 7:35 é mencionado os “dispersos entre os gregos”, ou gentios. Josefo diz: “A raça dos judeus tem sido amplamente dispersa entre os habitantes do mundo, mas a maior mistura tem acontecido na Síria”. Compare a bela saudação em 2 Macabeus 1:1, dos judeus de Jerusalém aos judeus do Egito: “Os irmãos, os judeus que estão em Jerusalém e na terra da Judeia, desejam aos irmãos que estão em todo o Egito saúde e paz”. O menino Jesus esteve por um breve período entre a dispersão do Egito. As duas epístolas de Pedro também são dirigidas à “dispersão”.

No entanto, é claro que Tiago dirige especialmente esta epístola ao Israel cristão em Israel; as doze tribos nas doze tribos, que aceitaram a Jesus Cristo. Se toda a dispersão dos judeus é nominalmente, e, em algumas partes, diretamente dirigida, é porque ao seu forte sentimento judaico todos nominalmente pertencem ao Messias, e todos devem aceitar sua epístola como dirigida a eles. [Whedon, 1874]

saudações (compare com Atos 15:23; 23:262Tm 4:21).

2 Meus irmãos, tende toda alegria quando vos encontrardes em várias provações,

Meus irmãos – uma frase frequentemente encontrada em Tiago, marcando comunidade de povo e de fé.

toda alegria – causa para maior alegria (Grotius). Nada além de alegria (Piscator). Conte todas as várias provações como sendo cada uma motivo de alegria (Bengel).

vos encontrardes – inesperadamente, de modo a ser envolvido por elas (assim o grego original).

provações – não no sentido limitado de seduções ao pecado, mas sim provações ou aflições de qualquer tipo que testam e purificam o caráter cristão. Compare “provação” com Gn 22:1. Alguns daqueles a quem Tiago escreve estavam “doentes” ou “aflitos” (Tg 5:13). Toda prova possível para o filho de Deus é uma obra-prima da estratégia do Capitão da sua salvação para o seu bem. [JFB]

3 sabendo que a prova da vossa fé produz perseverança.

a prova – o teste da sua fé, a saber, por “várias provações”. Compare Rm 5:3, a tribulação produz paciência e experiência de paciência (no original dokime, semelhante a dokimion, “provando”, aqui; lá está a experiência: aqui o “provando” ou testando, de onde a experiência flui).

perseverança – resistência e continuidade (compare Lc 8:15). [JFB]

4 E que a perseverança tenha uma realização completa, para que sejais maduros e íntegros, não faltando em coisa alguma.

que a perseverança tenha uma realização completa (compare com Tg 5:7-11Jó 17:9Sl 37:7; 40:1Hc 2:3Mt 10:22Lc 8:15; 21:19Gl 6:9).

sejais maduros e íntegros (compare com Tg 3:24Mt 5:48Jo 17:231Co 2:6Fp 3:12-15Cl 4:122Tm 3:17Hb 13:211Pe 5:101Jo 4:17-18). O significado disso é explicado na frase seguinte “não faltando em coisa alguma “; isto é, que não falte nada para tonar seu caráter completo. Pode haver os elementos de um bom caráter; pode haver princípios sólidos, mas esses princípios podem não estar plenamente realizados de modo a mostrar o que são. Aflições, talvez mais do que qualquer outra coisa, farão isso, e devemos, portanto, permitir que façam tudo o que estão aptas para fazer no desenvolvimento do que é bom em nós. A ideia aqui é que é desejável não só ter os elementos ou princípios da piedade na alma, mas tê-los executados com justiça, de modo a mostrar qual é a sua verdadeira disposição e valor. [Barnes, 1870]

não faltando em coisa alguma (compare com Tg 1:5Mt 19:20Mc 10:21Lc 18:22).

5 Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça a Deus, que concede generosamente a todos sem repreender, e lhe será dada.

Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça a Deus (compare com Ex 31:3,6; 36:1-41Rs 3:7-9,11-12Jó 28:12-28Pv 3:5-7; 9:4-6Jr 1:6-72Co 2:16).

peça a Deus (compare com Tg 1:17; 3:17; 5:161Cr 22:122Cr 1:10Pv 2:3-6Is 55:6-7Jr 29:12; 29:13Dn 2:18-22Mt 7:7-11Lc 11:9-13Jo 4:10; 14:13; 15:7; 16:23-241Jo 3:22; 5:14-15).

sem repreender (compare com Mt 11:20Mc 16:14) – tratar com dureza. Não nos recusa friamente, se viermos e pedirmos o que precisamos, embora façamos isso com frequência e com insistência. Compare com Lc 18:1-7. O significado da palavra grega é criticar, reprovar, injuriar, repreender; e o objetivo aqui é provavelmente colocar a maneira pela qual Deus concede seus favores em contraste com o que às vezes ocorre entre os homens. Ele não nos critica ou repreende pela nossa conduta passada; por nossa tolice; por nossa insistência em pedir. Ele permite que venhamos da maneira mais livre, e nos encontra com um Espírito totalmente bondoso e pronto para atender nossos pedidos. Nem sempre temos certeza, quando pedimos um favor a alguém, de que não seremos tratados mal; estamos certos, entretanto, quando pedimos um favor a Deus, de que nunca seremos reprovados de maneira insensível, ou receberemos uma resposta dura. [Barnes, 1870]

6 Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque quem duvida é semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento.

Peça-a, porém, com fé (compare com Mt 21:22Mc 11:22-241Tm 2:8Hb 11:6).

porque quem duvida é semelhante à onda do mar (compare com Gn 49:4Ef 4:14Hb 10:23; 13:92Pe 2:17Jd 1:12-13). Tiago [provavelmente] tem em mente as repentinas tempestades no lago da Galileia. Esta é a primeira das onze metáforas extraídas dos fenômenos naturais da Palestina que lembram as parábolas de nosso Senhor, e revelam Tiago como um observador atento da natureza. [Dummelow, 1909]

7 Tal pessoa não pense que receberá algo do Senhor.

Tal pessoa – um auto-enganador tão vacilante.

pense – A verdadeira fé é algo mais do que um mero pensamento ou suposição.

receberá algo – isto é, das coisas pelas quais ele ora: ele recebe muitas coisas de Deus, comida, vestuário, etc., mas estes são os dons gerais da Sua providência: das coisas especialmente concedidas em resposta à oração, o vacilante não receberá “nada”, muito menos sabedoria. [JFB]

8 O homem de dupla mentalidade é inconstante em todos os seus caminhos.

dupla mentalidade – literalmente, “dupla alma”, uma alma dirigida para Deus, a outra para outra coisa. O grego favorece a tradução de Alford: “Ele (o indeciso, Tg 1:6) é um homem de mente dupla, instável”, etc .; ou melhor, de Beza. A palavra para “mente dupla” é encontrada aqui e em Tiago 4:8, pela primeira vez na literatura grega. Não se trata de um hipócrita, mas de um homem inconstante, como mostra o contexto. [JFB]

9 O irmão de condição humilde, porém, glorie-se na sua exaltação,

Ou seja, o melhor remédio contra a “dupla mentalidade” é aquela simplicidade cristã de espírito pela qual o irmão de condição humilde, pode gloriar-se” (respondendo a Tg 1:2) na sua exaltação”, isto é, por ser considerado um filho e herdeiro de Deus, sendo o seu próprio sofrimento um penhor da sua futura coroa (Tg 1:12); e os ricos podem se alegrar “na sua humilhação”, ao serem destituídos de seus bens por amor de Cristo (Menochius); ou por serem feitos, através de provações, humildes de espírito (Gomarus). [JFU, 1871]

O irmão de condição humilde (compare com Tg 2:5-6Dt 15:7,9,11Sl 62:9Pv 17:5; 19:1Lc 1:52).

glorie-se (compare com Jr 9:23-24Rm 5:2-3Fp 3:3).

na sua exaltação (compare com Tg 2:51Sm 2:8Sl 113:7-8Lc 9:48; 10:20Rm 8:172Co 6:10Fp 3:141Pe 2:91Jo 3:1-3Ap 2:9; 5:9-10; 7:9-10).

10 e o que é rico, na sua humilhação, porque ele passará como a flor do campo.

na sua humilhação (compare com Is 57:15; 66:2Mt 5:3Fp 3:81Tm 6:17) – ao serem destituídos de seus bens por amor de Cristo (Menochius); ou por serem feitos, através de provações, humildes de espírito (Gomarus). [JFU, 1871]

porque ele passará como a flor do campo (compare com Tg 4:14Jó 14:2Sl 37:2,35-36; 90:5-6; 102:11; 103:15Is 40:6Mt 6:301Co 7:311Pe 1:241Jo 2:17).

11 Pois o sol se levanta com seu calor escaldante, então a erva seca, a sua flor cai, e a beleza do seu aspecto desaparece; assim também o rico murchará nos seus caminhos.

o sol se levanta com seu calor ardente, então a erva seca, a sua flor cai (compare com Is 49:10Jn 4:7-8Mt 13:6Mc 4:6).

assim também o rico murchará nos seus caminhos (compare com Tg 5:1-7Jó 21:24-30Sl 37:35-36; 49:6-14; 73:18-20Ec 5:15Is 28:1,4; 40:7-8Lc 12:16-21; 16:19-251Co 7:311Pe 1:4; 5:4).

12 Feliz é o homem que suporta a provação; pois, quando for aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam.

Feliz (“Bem-aventurado”, ARA) é o homem que suporta a provação (compare com Tg 1:2-4; 5:11Dt 8:213:3Jó 5:17Sl 94:12; 119:67,71,75Pv 17:3; 3:11-12Zc 13:9Ml 3:2-3Hb 6:15; 10:3211:17; 12:5; 1Pe 1:6-7; 5:10Ap 3:19). O modo de ensinar através de bem-aventuranças nos lembra imediatamente o Sermão da Montanha, com o qual, como se verá depois, a Epístola tem tantos pontos de contato.

quando for aprovado – e não, “quando for provado”, como em Rm 14:18; 16:10, para aquele que foi testado e aprovado.

a coroa da vida (compare com Mt 25:34Lc 22:28-30Rm 2:7-101Co 9:252Tm 4:81Pe 1:7; 4:13; 5:4Ap 2:10; 3:21). A imagem da “coroa” ou coroação do vencedor para recompensa dos justos é comum tanto a Pedro, que fala da “coroa da glória” (1Pe 5:4), e a Paulo que fala da “coroa da justiça” (2Tm 4:8). A “coroa da vida”, ou seja, da vida eterna, no entanto, é peculiar a Tiago. [Cambridge, 1890]

que o Senhor prometeu aos que o amam (compare com Tg 2:5Is 64:4Mt 10:22; 19:28-29).

aos que o amam (compare com Tg 2:5Ex 20:6Dt 7:9Ne 1:5Sl 5:11Rm 8:281Co 2:91Co 8:31Pe 1:81Jo 4:19).

13 Ninguém, quando for tentado, diga: 'Sou tentado por Deus'; porque Deus não é tentado pelo mal, e ele a ninguém tenta;

Segundo a Bíblia de Genebra (2009), “Há uma importante diferença entre uma provação (Tg 1:12) e uma tentação (Tg 1:14). Muitas vezes Deus prova o seu povo para expor suas qualidades interiores (Abraão, Gn 22:1; Ex 15:25; 16:4; Sl 66:10), mas Deus nunca tenta ninguém no sentido de levá-lo a pecar. Tiago entendia que os cristãos podiam facilmente atribuir suas tentações a Deus, pois eles sabiam que Deus é soberano sobre todas as coisas. De fato, Jesus nos ensinou a orar “não nos deixes cair em tentação” (Mt 6:13) porque Deus permite que Satanás faça suas obras más. No entanto, Tiago insistiu que é um perverso equívoco atribuir motivos malignos, incluindo tentação, a Deus.”

Ninguém, quando for tentado, diga: ‘Sou tentado por Deus’ (compare com Tg 1:2,12Gn 3:12Is 63:17Hc 2:12-13Rm 9:19-20).

porque Deus não é tentado pelo mal – ou seja, “Deus nunca é tentado a fazer o mal” (NVT).

14 Mas, cada um é tentado quando é atraído e seduzido pela sua própria cobiça.

Compare com Tg 4:1-2Gn 6:5; 8:21Js 7:21-242Sm 11:2-31Rs 21:2-4Jó 31:9; 31:27Pv 4:23Is 44:20; Mt 5:28; 15:18,20Mc 7:21-22Rm 7:11,13Ef 4:22Hb 3:13.

A causa do pecado está em nós mesmos. Mesmo as sugestões de Satanás não nos colocam em perigo antes de serem feitas por nós mesmos. Cada um tem sua “própria cobiça”. A cobiça decorre do pecado original, herdado de Adão a partir do nascimento.

seduzido – literalmente, fisgado como um peixe. “Cobiça” é aqui personificada como a prostituta que atrai o homem. [JFU, 1871]

15 Então a cobiça, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, quando é consumado, gera a morte.

Então a cobiça, havendo concebido, dá à luz o pecado (compare com Gn 3:6; 4:5-8Jó 15:35Sl 7:14Is 59:4Mq 2:1-3Mt 26:14,48-59At 5:1-3).

o pecado, quando é consumado, gera a morte (compare com Gn 2:17; 3:17-19Sl 9:17Rm 5:12-21; 6:21-23Ap 20:14-15). Essa “morte” está em perceptível contraste com a “coroa da vida” (Tg 1:12), a qual a “perseverança” resultará quando tiver sua “realização completa” (Tg 1:4). [JFU, 1871]

16 Não vos enganeis, meus amados irmãos.

Em outras palavras, não erre ao atribuir à Deus a tentação para o mal; não, “toda boa dádiva”, tudo o que é bom na terra, vem de Deus. [JFU, 1871]

Não vos enganeis (compare com Mt 22:29Mc 12:24,27Gl 6:7Cl 2:4,82Tm 2:18).

meus amados irmãos (compare com Tg 1:19; 2:5Fp 2:12; 4:1Hb 13:1).

17 Toda boa dádiva e todo dom perfeito vem do alto, e desce do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.

boa dádivadom – A primeira, o ato de dar ou o presente em sua fase inicial; o segundo, a coisa dada, o benefício, quando aperfeiçoada. Como a “boa dádiva” contrasta com o “pecado” em seu estágio iniciático (Tg 1:15), assim o “dom perfeito” está em contraste com “o pecado quando está acabado”, trazendo a morte (2Pe 1:3).

do alto – (compare com Tiago 3:15).

Pai das luzes – Criador das luzes do céu (compare Jó 38:28 (Alford); Gn 4:20-2112:9). Isto está de acordo com a referência às mudanças à luz dos corpos celestes aludidos no final do versículo. Também, Pai das luzes espirituais no reino da graça e da glória (Bengel). Estes foram tipificados pelas luzes sobrenaturais no peitoral do sumo sacerdote, o Urim. Como “Deus é luz e nele não há trevas alguma” (1Jo 1:5), Ele não pode de forma alguma ser o Autor do pecado (Tg 1:13), que é escuridão (Jo 3:19).

em quem não há mudança nem sombra de variação – (Ml 3:6). Nenhuma das alternâncias de luz e sombra que as “luzes” físicas sofrem, e às quais até mesmo as luzes espirituais estão sujeitas, em comparação com Deus. “Sombra de variação”, literalmente, a escura “marca da sombra” projetada de um dos corpos celestes, surgindo de sua “virada” ou revolução, por exemplo, quando a lua é eclipsada pela sombra da terra, e o sol pelo corpo da lua. Bengel faz um clímax, “sem variação – nem mesmo a sombra de um giro”; o primeiro denotando uma mudança no entendimento; o último, na vontade. [JFB]

18 Conforme a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos os primeiros frutos dentre as suas criaturas.
(Jo 1:13) A regeneração do crente é o maior exemplo de nada além de um bom procedimento de Deus.

Conforme a sua própria vontade – Do seu próprio prazer (que mostra que é a natureza essencial de Deus fazer o bem, não o mal), não induzida por qualquer causa externa.

nos gerou espiritualmente: um ato realizado de uma vez por todas (1Pe 1:3,23). Em contraste com “a luxúria, quando concebeu, produz o pecado e o pecado… a morte” (Tg 1:15). A vida segue naturalmente em conexão com a luz (Tg 1:17).

palavra da verdade – o Evangelho. O meio objetivo, como a fé é o meio apropriado, é a regeneração pelo Espírito Santo, o agente eficiente.

os primeiros frutos (“primícias”, ACF). Cristo é, quanto à ressurreição, “as primícias” (1Co 15:20,23): os crentes, quanto à regeneração, são “os primeiros frutos” (como os primogênitos do homem, do gado e dos frutos da terra foram consagrados em Israel a Deus), isto é, eles são os primeiros das criaturas regeneradas de Deus, e o penhor da regeneração final da criação. Rm 8:19,23, onde também o Espírito, o Agente divino da regeneração do crente, é denominado “os primeiros frutos”, isto é, o compromisso que a regeneração agora começou no alma, finalmente se estenderá ao corpo também, e ao restante da criação. De todas as criaturas visíveis de Deus, os crentes são a parte mais nobre e, como “os primeiros frutos”, santificam o restante; por esta razão eles são tão “provados” agora. [JFU, 1871]

19 Entendei isso, meus amados irmãos, toda pessoa seja pronta para ouvir, tardia para falar, tardia para se irar;

toda pessoa seja pronta para ouvir, tardia para falar, tardia para se irar – ou então, “estejam todos prontos para ouvir, mas não se apressem em falar nem em se irar” (NVT).

20 porque a ira humana não produz a justiça de Deus.

Ou seja, a ira humana não produz aquela justiça na vida que Deus requer. Sua tendência não é nos inclinar a guardar a lei, mas a violá-la; não nos induzir a abraçar a verdade, mas o contrário. O significado desta passagem não é que nossa ira torne Deus mais ou menos justo; mas que sua tendência é não produzir a retidão de vida e o amor à verdade, que Deus exige. Um homem nunca está seguro de agir corretamente sob a influência da ira; ele pode fazer coisas ainda mais terríveis e das quais se arrependerá toda a sua vida. O significado particular desta passagem é que a ira do homem não terá nenhuma inclinação para o tornar justo. [Barnes, 1870]

21 Por isso, rejeitai toda impureza e abundância de malícia, e recebei com mansidão a palavra implantada em vós, que pode salvar as vossas almas;

rejeitai – de uma vez por todas, como uma roupa suja. Compare com Zc 3:3,5; Ap 7:14. A “impureza” é purificada pelo ouvir da palavra (Jo 15:3).

abundância de malícia – excesso (por exemplo, o ímpeto para a “ira”, Tg 1:19-20), que surge da malícia (má disposição uns para com os outros). Compare com 1Pe 2:1; Ef 4:31; Cl 3:8.

recebei com mansidão – um para o outro: o oposto de “ira” (Tg 1:20): “como bebês recém-nascidos” (1Pe 2:2). A mansidão inclui também um espírito dócil e humilde (Sl 25:945:4; Is 66:2; Mt 5:5; Mt 11:28-3018:3-4; contraste com Rm 2:8). Sobre “recebei”, compare com ao solo recebendo sementes (Mc 4:20). Contraste At 17:11; 1Ts 1:6 com 2Ts 2:10.

que pode salvar – um forte incentivo para corrigir nossa estupidez ao ouvir a palavra: aquela palavra que ouvimos tão descuidadamente, é capaz (instrumentalmente) de nos salvar (Calvino). [JFU, 1871]

22 e sede praticantes da palavra, e não somente ouvintes, enganando a vós mesmos.

sede praticantes da palavra, e não somente ouvintes – não apenas “fazei”, mas “sede praticantes” sistemática e continuamente, como vosso compromisso constante. Tiago novamente se refere ao sermão no monte (Mt 7:21-2).

enganando a vós mesmos – pela falácia lógica (o grego implica isso) que a mera audição é tudo o que é necessário. [JFU]

23 Pois, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, esse é semelhante a um homem que observa num espelho o seu rosto natural;

Compare com Tg 2:14-26Jr 44:16Ez 33:31-32Mt 7:26-27Lc 6:47-49.

não praticante. O verdadeiro discípulo, dizem os rabinos, aprende para poder fazer, não para que possa apenas conhecer ou ensinar.

seu rosto natural – literalmente, “o semblante de seu nascimento”: o rosto com o qual ele nasceu. Como um homem contempla o seu rosto natural num espelho, assim o ouvinte percebe o seu rosto moral na Palavra de Deus. Este retrato fiel da alma do homem na Escritura é uma forte prova da sua verdade. Nela vemos espelhada a glória de Deus, bem como a nossa miséria natural. [JFU, 1871]

24 porque ele se contempla, vai embora, e logo se esquece de como era.

logo se esquece de como era [sua aparência]. Há um reconhecimento do rosto conhecido, seguido de um esquecimento instantâneo e completo; e assim é frequentemente com o espelho da alma. Em algum sermão ou livro marcante, o eu de um homem é manifestado a ele, e a imagem pode ser muito familiar para causar repulsa; mas, quer seja ou não, a impressão desaparece de sua mente tão rapidamente quanto os ecos das palavras do pregador. Na melhor das hipóteses, o conhecimento foi apenas superficial, talvez momentâneo; muito diferente do que vem de uma caminhada santa com Deus. [Ellicott, 1905]

25 Mas aquele que dá atenção à lei perfeita, a da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte que esquece, mas sim praticante da obra, esse será bem-aventurado no que fizer.

aquele que dá atenção – literalmente, “se inclina para olhar de perto”. Mais do que “contempla” (Tg 1:24).

lei perfeita (compare com Sl 19:7-10; 119:96-105; Pv 14:15Is 8:202Co 13:5; Rm 7:12,22-23da liberdade (compare com Tg 2:12Jo 8:32,36Rm 8:152Co 3:17-18Gl 5:11Pe 2:16) – a regra de vida do Evangelho, perfeita e aperfeiçoada (como mostra o Sermão do Monte, Mt 5:48): fazer-nos andar verdadeiramente em liberdade (Sl 119:32,45). Os cristãos devem ter em vista um padrão mais elevado de santidade do que o que geralmente se entende sob a lei. O princípio do amor substitui a letra da lei, para que pelo Espírito sejam libertos do jugo do pecado, obedecendo espontaneamente. (Tg 2:8,10,12; Jo 8:31-3615:14-15, compare com 1Co 7:22, Gl 5:1,13, 1Pe 2:16). A lei não é, portanto, anulada, mas cumprida.

e nela persevera (compare com 1Sm 12:14Jo 8:31Jo 15:9,10At 2:42At 13:43At 26:22Rm 2:7,8Rm 11:22Cl 1:231Tm 2:151Tm 4:161Jo 2:24) – em contraste com “vai embora”, Tg 1:24, este continua olhando no espelho da palavra de Deus, e a cumprir seus preceitos. [JFU, 1871]

não sendo ouvinte que esquece (compare com Tg 1:23-24).

esse será bem-aventurado no que fizer (compare com Sl 19:11; 106:3; 119:2-3Lc 6:47Lc 11:28Jo 13:171Co 15:58Ap 14:13; 22:14).

26 Se alguém pensa ser religioso, mas não controla a sua língua, então engana o seu próprio coração; a religião desse é vã.

não controla a sua língua (compare com Tg 1:19; 3:2-6Sl 32:9; 34:13; 39:1-2; 141:3Pv 10:19,31; 13:2-3; 15:2; 16:10; 19:1; 21:26Ef 4:29; 5:4Cl 4:61Pe 3:10).

engana o seu próprio coração (compare com Tg 1:22Dt 11:16Is 44:20Gl 6:3).

a religião desse é vã (compare com Tg 2:20Is 1:13Ml 3:14Mt 15:9Mc 7:71Co 15:2,15Gl 3:4) – ou seja, a prática religiosa, o serviço externo a Deus não tem valor. Para que o culto e a adoração a Deus sejam aceitáveis, a pessoa que o oferece deve (1) mostrar amor prático e compaixão, e (2) se esforçar pela santidade pessoal (Sl 40:6-8; 51:16-17; Is 1:10-20); caso contrário, ele é inconsistente. [Dummelow, 1909]

27 A religião pura e não contaminada para com Deus e Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições, e guardar-se da corrupção do mundo.

A religião pura e não contaminada para com [nosso] Deus e Pai (compare com  Sl 119:1Mt 5:8Lc 1:61Tm 1:5).

visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições (compare com Jó 29:12,13Jó 31:15-20Sl 68:5Is 1:16,17Is 58:6,7Mt 25:34-46Gl 5:6Gl 6:9,101Jo 3:17-19).

e guardar-se da corrupção do mundo (compare com Tg 4:4Jo 17:14-15Rm 12:2Gl 1:4; 6:14Cl 3:1-31Jo 2:15-17; 5:4-5,18) – ou seja, “não se deixar corromper pelo mundo” (NVI).

<Hebreus 13 Tiago 2>

🔗 Para uma aplicação de Tiago 1, assista à pregação “Palavra Implantada, Religião Praticada” do pastor batista Luiz Sayão. (43 minutos)

Visão geral de Tiago

Em seu livro, Tiago “combina a sabedoria de seu irmão Jesus com o livro de Provérbios em seu próprio chamado desafiador para viver uma vida totalmente devotada a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola de Tiago.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – agosto de 2020.