Êxodo 15

A cântico de Moisés

1 Então cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e disseram:Cantarei eu ao SENHOR, porque se triunfou grandemente, Lançando no mar ao cavalo e ao que nele subia.

Comentário de R. Jamieson

Então cantou Moisés e os filhos de Israel – A cena desta canção de ação de graças deve ter sido no local de desembarque na costa oriental do Mar Vermelho, em Ayoun Musa, “as fontes de Moisés”. Elas estão situadas um pouco mais ao norte ao longo da costa do que o ponto oposto do qual os israelitas partiram. Mas a linha do povo seria estendida durante a passagem, e uma extremidade dela alcançaria o norte até essas fontes, o que lhes forneceria água no desembarque. O tempo em que foi cantado deveria ter sido na manhã seguinte à passagem. Esta canção é, há cerca de cem anos, o poema mais antigo do mundo. Há uma sublimidade e beleza na linguagem que é inexplorada. Mas sua superioridade inigualável surge não apenas do esplendor da dicção. Suas excelências poéticas têm frequentemente atraído a admiração dos melhores juízes, enquanto o caráter do evento comemorado, e sendo inspirado por inspiração divina, contribui para lhe dar um interesse e sublimidade peculiar a si mesmo.

Cantarei eu ao SENHOR, porque se triunfou grandemente – Considerando o estado de servidão em que nasceram e cresceram, e as características rudes de caráter que sua história subsequente frequentemente exibe, não se pode supor que os filhos de Israel em geral foram qualificados para se comprometer com a memória ou para apreciar as belezas desta canção inimitável. Mas eles podem perfeitamente entender sua tendência impregnante de sentimento; e, com a perspectiva de melhorar adequadamente a ocasião, julgou-se necessário que todos, velhos e jovens, unissem suas vozes unidas no ensaio de suas palavras. Como todo indivíduo tinha causa, todo indivíduo dava expressão ao seu sentimento de gratidão. [JFB, aguardando revisão]

2 O SENHOR é minha força, e minha canção, E foi-me por salvação:Este é meu Deus, e a este engrandecerei; Deus de meu pai, e a este exaltarei.

Comentário de R. Jamieson

O SENHOR é minha força, e minha canção [`aaz] – denota força, também glória, louvor; e o significado da cláusula é comumente considerado o seguinte:minha glória e canção é Jah (Yaah); e (o waw consecutivo em uma declaração explicativa) = pois Ele é para mim para a salvação – isto é, Yahweh é o fardo da minha canção de louvor pela grande libertação concedida a mim. [Hengstenberg prefere o significado primário de `aaz, como expressando a relação de aliança de Deus com Israel, e considera o significado como,” Ele é minha força e canção “- i:e., Meu poderoso e glorioso ajudante; e a última cláusula, “e Ele se tornou minha salvação”, como a consequência que procedeu dessa relação. Wªzimraat, e canção, do verbo raiz zaamar, cantarolar ou reclamar, de modo que zimraat significa uma canção ou salmo acompanhado por um instrumento musical. Yaah é derivado por alguns de yaa’aah, para ser bonito, excelente; e é considerada por outros uma palavra egípcia que é usada em várias obras antigas. Mas Tholuck provou com sucesso que os escritos se referem não a falar de uma divindade egípcia, mas do Deus de Israel; e agora é geralmente aceito entre os estudiosos que Yaah é a forma abreviada de Yahweh (Jeová), ou o mais antigo Yahweeh (Jahve). Ocorre principalmente na poesia, e mais frequentemente em refrões e doxologias.]

Esta sentença é citada, Salmo 118:14; Isaías 12:2, e aplicado tanto por Davi quanto por Isaías para a salvação espiritual. A libertação dos israelitas de uma servidão opressora – da espada de seu inimigo enfurecido e dos perigos iminentes das profundezas – foi devida inteiramente à proteção de Yahweh; e, portanto, seu tributo unido de gratidão e louvor foi justamente devido a Ele que tinha sido a grande e única fonte de sua “salvação”.

Este é meu Deus [zeh] – Ele (este Ser que acabei de mencionar) é enfático, importando que de todos os deuses, Ele é o único objeto de minha adoração e louvor.

a este engrandecerei [wª’anweehuw]. O verbo [naawaah] significa sentar ou descansar; portanto, [naaweh], uma habitação. Mas no Hiphil é usado para denotar exaltando, celebrando com louvores; e a Septuaginta tem doxasoo, vou glorificar. Esta é a tradução adequada da palavra aqui; e a cláusula, preservando o paralelismo, ficará assim:’Ele é meu Deus. e eu O glorificarei; O Deus de meu pai, e eu O exaltarei. ‘

Deus de meu pai – isto é, o Deus de meu pai Abraão, a quem a promessa registrada (Gênesis 15:14) havia sido cumprida. [JFU, aguardando revisão]

3 O SENHOR, homem de guerra; o SENHOR é seu nome.

Comentário de R. Jamieson

O SENHOR, homem de guerra – isto é, um poderoso guerreiro, um conquistador irresistível; porque toda a flor e cavalaria do exército egípcio foram destruídas em um momento por seu braço onipotente. A frase está de acordo com o idioma hebraico, que usa [‘iysh] um homem, com o genitivo de um atributo ou qualidade, como um adjetivo para denotar aquele a quem esse atributo ou qualidade pertence:assim, “um homem de forma” significa um homem bonito; “um homem de sangue”, um homem sanguinário; “um homem de nome”, um homem famoso; “um homem de palavras”, um homem eloqüente; “um homem do campo”, um fazendeiro; e assim “um homem de guerra” significa um grande guerreiro (1Samuel 17:33). Yahweh é poeticamente representado como um poderoso campeão – enfrentando o inimigo no mesmo estilo de equipamento militar dos egípcios – com cavalos e carruagens de guerra. Esta mesma figura é usada de forma ampliada, com referência ao mesmo evento histórico, por Habacuque (Habacuque 3:8).

o SENHOR é seu nome – isto é, de acordo com o uso das Escrituras, Sua natureza:Ele agora realmente mostrou ser o que o nome Yahweh implica. A aplicação deste epíteto guerreiro a Yahweh harmoniza-se com a tendência deste hino triunfante, que celebra a destruição total de um exército hostil. Sua derrota foi devida unicamente ao poder do Deus de Israel. Não havia espaço, como geralmente há, depois de uma vitória notável, para obter a habilidade militar do líder humano, a bravura de combatentes individuais ou a conduta valorosa do povo em geral. A vitória foi conquistada somente pelo “braço direito” do Senhor, e tudo o que os israelitas tiveram que fazer foi “ficar parados e ver a Sua salvação”. Esta canção, portanto, foi cantada em celebração, não do que Deus capacitou Seu povo a realizar, mas do que Ele fez por eles. [JFU, aguardando revisão]

4 Os carros de Faraó e a seu exército lançou no mar; e seus escolhidos príncipes foram afundados no mar Vermelho.

Comentário de R. Jamieson

Os carros de Faraó e a seu exército lançou no mar. A palavra hebraica traduzida por “lançar” significa o que é arremessado com grande força, como uma flecha disparada de um arco, e descreve a terrível rapidez da destruição que oprimiu os egípcios.

e seus escolhidos príncipes [shaalishaayw] – terceiros homens [Septuaginta, Tristatas; veja a nota em Êxodo 14:7.

no mar Vermelho [bª-Yam Cuwp] – no mar de juncos ou ervas daninhas. Este era o nome dado pelos hebreus e egípcios àquela baía ou golfo do Oceano Índico que era chamado de “Mar Vermelho pelos geógrafos gregos. ‘Nas águas do” Mar Vermelho “‘ diz o Dr. Phipson, ‘uma espécie de algas, Trichodesmium Erythraeum, pertencente ao grupo Oscillariae, é encontrado às vezes em quantidades prodigiosas. É uma planta microscópica e de uma cor vermelho-sangue tão magnífica que não há dúvida de que Heródoto deu o nome de “Mar Vermelho” a o Golfo Pérsico desta circunstância. Depois de um certo tempo, essas algas perdem completamente sua cor vermelha e tornam-se verdes, de modo que o fenômeno é intermitente’. [JFU, aguardando revisão]

5 Os abismos os cobriram; como pedra desceram aos profundos.

Comentário Ellicott

Os abismos os cobriram. – Em vez disso, nos cobriram. A primeira estrofe termina aqui – a primeira revisão histórica é concluída. Nele, a atenção está concentrada no grande fato da libertação pela destruição dos egípcios no Mar Vermelho. No final, é provável que Miriam, com seu coro de mulheres, tenha retomado o refrão de Êxodo 15:1, e modificando ligeiramente, cantou, como registrado em Êxodo 15:21, “Cantai ao Senhor, porque ele se glorificou gloriosamente; o cavalo e seu cavaleiro ele jogou no mar. ” [Ellicott, aguardando revisão]

6 Tua mão direita, ó SENHOR, foi engrandecida em força; Tua mão direita, ó SENHOR, quebrantou ao inimigo.

Comentário de R. Jamieson

Tua mão direita, ó SENHOR, foi engrandecida em força. A mão direita era o penhor de boa fé, e a verdade ou fidelidade de Deus às suas promessas (Gênesis 15:14; Gênesis 46:4) é ampliada, ilustradamente exibida, pelo uso de seu poder Todo-Poderoso na destruição dos inimigos de Israel. [JFU, aguardando revisão]

7 E com a grandeza de teu poder transtornaste aos que se levantaram contra ti:Enviaste teu furor; os tragou como o restolho.

Comentário de R. Jamieson

E com a grandeza de teu poder [gª’ownªkaa] – altura ou majestade (cf. Jó 37:4; Jó 40:10). [tahªroc qaameykaa, tu puxaste ou derrubaste aqueles que se levantaram contra ti – isto é, nas pessoas de teu povo]. O verbo hebraico é comumente usado para denotar puxar ou demolir edifícios e, portanto, destruir um povo.

Enviaste teu furor [chªronªkaa] – uma ira ardente, metáfora brilhante, ira feroz (cf. Ne 13:18; Salmos 2:5), e às vezes com a adição de [‘ap], o fogo da narina ( Nm 25:4; Nm 32:14; 1Sa 28:18). A alusão nesta passagem é provavelmente ao fogo disparado da coluna nebulosa. [JFU, aguardando revisão]

8 Com o sopro de tuas narinas se amontoaram as águas; Pararam-se as correntezas como em um amontoado; os abismos se solidificaram em meio do mar.

Comentário de R. Jamieson

Com o sopro de tuas narinas – isto é, o forte vento leste (Êxodo 14:21:cf. Salmos 18:15).

se amontoaram as águas [ne`ermuw] – foram empilhadas. As inundações permaneceram eretas como um montão. A tradução de cada uma dessas palavras é contestada por aqueles cujas visões teóricas tendem a diminuir a magnitude do milagre e, portanto, é necessário examinar a importância estrita e adequada de cada uma delas. [nitsªbuw é traduzido como “em pé”.] O mesmo verbo ocorre em (Gn 21:29; Gn 37:7; Êxodo 33:8, onde se afirma que a palavra significa estar à parte. “Mas uma leve inspeção de cada um deles essas passagens serão suficientes para mostrar que a ideia de “ficar em pé” está incluída tanto quanto a de “ficar à parte”; ou melhor, que a palavra não expressaria, por si mesma, a separação, a menos que, como em Gn 21:29, outras palavras foram adicionadas; e, conseqüentemente, que o significado primário, bem como o principal, do verbo usado neste verso é “ficar de pé”. [Nozªliym é traduzida como “inundações”.] Esta tradução é considerada falha com, como dando uma ideia violenta e falsa da tempestade, e, em vez dela, ‘águas correntes’ são substituídas, o que significa ‘a corrente da maré superior’ – os israelitas passaram na vazante mais baixa do golfo. Mas essa visão parece manifestamente inadmissível pelas palavras que se seguem – “as enchentes ficaram retas como uma pilha” [kªmow necessidade]. É verdade, o significado dá A palavra necessidade também foi questionada, o que, alega-se, significa simplesmente uma remoção ou deslocamento das águas, como ocorre em uma vazante. Mas esse termo ocorre apenas seis vezes; aqui, e Jos 3:13; Jos 3:16; Salmos 33:7; Salmo 78:13; Is 17:11 – em todas as passagens que implica algo mais do que movimento. Gesenius e a Septuaginta sempre o tornam “amontoado”.

os abismos se solidificaram em meio do mar – não congeladas, mas coaguladas, condensadas. É uma figura poética forte, e há uma bela gradação observável na descrição. As águas foram, em primeiro lugar, detidas em sua agitação incessante e ondulante, e impedidas de qualquer fluxo posterior; em seguida, eles foram comprimidos em ambos os lados, de modo a deixar um espaço intermediário; eles foram em seguida empilhados como uma pilha; e, por último, houve um congestionamento das águas do fundo, produzido pela massa superincumbente. Isso é poesia, de fato; mas todo o teor da descrição, bem como das imagens empregadas neste capítulo (Êxodo 15:5; Êxodo 15:10) como em outras partes das Escrituras, transmite a impressão de que a destruição do exército do Faraó ocorreu em um parte do mar onde a água era suficientemente profunda para corresponder ao relato feito de sua divisão e acumulação, bem como de sua subseqüente imersão dos rebeldes ímpios e incorrigíveis a quem foi incumbida de subjugar. [JFU, aguardando revisão]

9 O inimigo disse:Perseguirei, prenderei, repartirei despojos; minha alma se encherá deles; tirarei minha espada, minha mão os destruirá.

Comentário de R. Jamieson

O orgulho e a insolência dos egípcios são representados de forma muito gráfica em sua certeza de sucesso e na exultação com que anteciparam todos os seus felizes resultados. Eles excederam em muito a declaração orgulhosa do vanglorioso romano; porque seu ‘Veni, vidi, vici’ descreveu uma conquista que havia sido alcançada; ao passo que, no auge de sua presunção ímpia, a imaginação dos egípcios já se festejava com os frutos de uma vitória brilhante e fácil, antes mesmo de chegarem ao acampamento ou desferir um golpe nos objetos de seu ataque meditado.

minha alma se encherá deles – meu desejo de vingança está satisfeito. A perseguição originou-se de um propósito determinado de punir a rebelião, como o Faraó a considerava, de seus escravos insurgentes:o desejo de infligir uma punição significativa aos fugitivos tornava-se mais intenso, quanto mais perto ele chegava de sua trilha, e ele é descrito, no palavras desta cláusula, como se a fantasia as tivesse em seu poder, e como uma besta voraz, saturando seu apetite com a cláusula, como se a fantasia as tivesse em seu poder, e como uma fera voraz, saturando seu apetite com o luxo de vingança.

minha mão os destruirá [towriysheemow] – os possuirá; i:e., depois de tê-los desanimado e desconcertado, irei exterminá-los. [JFU, aguardando revisão]

10 Sopraste com teu vento, cobriu-os o mar:Afundaram-se como chumbo nas impetuosas águas.

Comentário de R. Jamieson

Sopraste com teu vento. Yahweh, como um general consumado, ocultou, por assim dizer, seu plano inicial, até que os egípcios estivessem no meio do canal; e no momento em que os israelitas desembarcaram com segurança na costa da Arábia, ‘Aquele que juntou os ventos com os punhos e amarrou as águas com uma roupa’ (Provérbios 30:4), enviou-os como Seus mensageiros da destruição. O vento forte, pelo qual as águas foram divididas e o leito do mar secou, ​​diminuiu tão repentina e milagrosamente quanto aumentou; ou, como talvez se possa inferir das palavras, o vento mudou na direção contrária, obrigando as águas separadas a entrar em colapso. Com impetuosidade irresistível eles avançaram em uma onda estupenda, até se misturarem em meio à espuma e rugido da confluência, eles rolaram como uma catarata sobre o exército, varrendo para os abismos do golfo o orgulho, poder e cavalaria do Egito. “Cavalo e seu cavaleiro”, ou cocheiro, podem ser vistos aqui e ali na superfície fervente, e talvez com uma luta convulsiva desesperada pela autopreservação, “Rari nantes aparentes em gurgite vasto”. Mas foi um esforço vão. O golfo, depois de se esfregar um pouco como um caldeirão, logo exibiu sua calma costumeira; mas a hoste de guerreiros armados que durante a noite acelerou em seu canal descoberto, “onde eles estavam?” “Afundaram como chumbo nas poderosas águas”. [JFU, aguardando revisão]

11 Quem como tu, SENHOR, entre os deuses? Quem como tu, magnífico em santidade, terrível em louvores, autor de maravilhas?

Comentário de R. Jamieson

Quem como tu, SENHOR, entre os deuses? [baa’eelim] – não potentados e grandes homens, mas os deuses pagãos (cf. Sl 86:8, onde ‘ªlohiym, deuses, é usado); e a forma interrogativa do clamor implica uma forte negação. Aqui está um olhar retrospectivo para o grande resultado da crise exodial. Aquele foi um conflito entre dois reinos espirituais – o reino da luz e da religião verdadeira, por um lado, e o das trevas e superstição idólatra, levado a uma série de calamidades terríveis sobre o Egito, culminando na terrível catástrofe do Mar Vermelho, por meio da qual foi inequivocamente demonstrado a insignificância, ou melhor, nada, de todos os deuses do Egito contra a grandeza incomparável da soberania de Yahweh. A fraseologia usada nesta passagem [miy kaamokaah], “Quem é como você?” estava tão profundamente gravado nas mentes do povo hebreu pela canção memorável de Moisés, que, em tempos subsequentes de disputa pública entre as reivindicações de Deus e dos ídolos, era frequentemente incorporado no nome de Micaías, ou Miquéias (1Rs 21:10; 1Rs 22:8; 1Rs 22:18; Mic 7:18).

magnífico em santidade. Nenhum atributo no caráter do Deus verdadeiro apresenta um contraste mais marcante com as qualidades humildes e rastejantes atribuídas às divindades pagãs do que Sua pureza ou retidão. É a joia mais brilhante da coroa da Divina Majestade, derramando um brilho em todas as suas outras perfeições, e sendo aquilo que acima de tudo o exalta na estima de todas as Suas criaturas inteligentes e morais. [A Septuaginta traduz:dedoxamenos en hagiois, glorificado nos santos – isto é, entre santos e anjos, ou nas coisas sagradas.]

terrível em louvores – isto é, ser reverenciado com temor piedoso, mesmo em alegres canções de louvor.

autor de maravilhas – ou obras de maravilhas, coisas maravilhosas (cf. Jó 5:9). Este versículo contém uma das descrições mais sublimes da majestade e excelência de Deus encontrada em toda a Escritura. É assim traduzido por Boothroyd:”Quem entre os deuses é semelhante a ti, ó Yahweh, que como a ti, excelente em santidade:Terrível, louvável, operando maravilhas?” [JFU, aguardando revisão]

12 Estendeste a tua mão direita; a terra os tragou.

Comentário de R. Jamieson

Estendeste a tua mão direita. A recorrência está aqui novamente devido à imagem de um guerreiro dirigindo uma carruagem de guerra. Como corcéis de fogo que encontram as rédeas afrouxadas (Habacuque 3:8), as águas, não mais contidas, avançaram para as areias secas e sepultaram todos os que estavam sobre elas em uma sepultura aquosa – as partes profundas da “terra” ( cf. Jonas 2:6). [JFU, aguardando revisão]

13 Conduziste em tua misericórdia a este povo, ao qual salvaste; levaste-o com tua força à habitação de teu santuário.

Comentário de R. Jamieson

Conduziste em tua misericórdia a este povo, ao qual salvaste. Nesta terceira e final estrofe, o poeta faz uma transição natural da justiça de Deus executada sobre Seus inimigos, para a proteção graciosa e oportuna concedida a Seu povo. Os israelitas, após terem sido resgatados pela interposição direta de Deus da casa da escravidão, inevitavelmente teriam perecido em meio às privações e perigos de sua jornada (Êxodo 14:14; Êxodo 14:30:cf. Salmos 124:1-8 ), não tivesse Deus benignamente condescendido em conduzi-los pelo símbolo visível de Sua presença; e que a orientação segura, em circunstâncias tão ameaçadoras e por um caminho tão novo e inexplorado, era uma promessa de que Ele os estabeleceria na posse da terra prometida. Uma promessa foi considerada tão certa, que o bardo sagrado, transportando-se na imaginação para cenas do futuro visionado, fala dela como realmente cumprida.

levaste-o com tua força à habitação de teu santuário – isto é, Canaã, que, a partir das muitas revelações feitas lá aos patriarcas, pode ser chamada, em um sentido amplo, Betel, a casa de Deus (Gen 28:16; Gn 35:7), e o caminho para o seu estabelecimento no qual ele seria pavimentado pelo pânico generalizado que os eventos do êxodo produziram entre os habitantes de todos os países vizinhos. [JFU, aguardando revisão]

14 Ouviram-no os povos, e tremerão; dor se apoderará dos moradores da filístia.

Comentário de R. Jamieson

dor se apoderará dos moradores da filístia – o terror se apoderará dele. O povo de Canaã é descrito como tendo uma terrível comoção, como atingido pelo pânico pela inteligência da passagem miraculosa pelo mar; e eles são especificados primeiro entre os alarmistas, como sendo os mais profundamente afetados pelos movimentos subsequentes dos emigrantes dirigidos pelo céu. A partir de relatos tradicionais da promessa feita aos patriarcas, confirmada pela consciência de seus próprios deméritos nacionais, eles devem ter sabido por muito tempo que seu país estava divinamente destinado a ser ocupado por outra raça, e que eles próprios eram, pelo mesmo irresistível decreto, condenado ao extermínio total.

filístia (cf. Salmos 60:8; Salmos 83:7; Salmos 86:4; Salmos 108:9:e Palestina, Is 14:29; Is 14:31; Jo 3:4). [A Septuaginta tem nesta passagem:Fulistieim; mas em Isaías e Joel, locis citatis, allofuloi.] A palavra hebraica assim usada era o nome próprio e exclusivo do canto sudoeste de Canaã, ocupado pelos filisteus; e tal também foi a aplicação inicial de seu equivalente grego, Palaistinee, por Josephus, embora em tempos posteriores se tornou a designação de toda a terra (Josephus; Rawlinson). [JFU, aguardando revisão]

15 Então os príncipes de Edom se perturbarão; Aos robustos de Moabe os ocupará tremor; todos os moradores de Canaã se abaterão.

Comentário de R. Jamieson

os príncipes de Edom se perturbarão – literalmente, estavam preocupados, estavam em trepidação, paralisados de terror (cf. 1Sa 28:21; 2Sa 4:1; Salmos 48:6; Salmos 90:7; Ez 26:18). [‘aluwpeey’ Edowm, shiekhs, o nome especial que é dado no Pentateuco aos príncipes ou filarcas edomitas (ver a nota em Gn 36:15), e pelo qual eles são distinguidos de ‘eeyleey Mow’aab, os homens poderosos (nobres) de Moabe (cf. 2Rs 24:15; Ez 17:13).]

todos os moradores de Canaã se abaterão [naamoguw], derreterão de medo (cf. Jos 2:9; Jos 2:24; Salmos 75:4; Is 14:31; Jr 49:23). [JFU, aguardando revisão]

16 Caia sobre eles tremor e espanto; à grandeza de teu braço emudeçam como uma pedra; até que tenha passado teu povo, ó SENHOR, até que tenha passado este povo que tu resgataste.

Comentário de R. Jamieson

à grandeza de teu braço emudeçam como uma pedra – imóveis, mudos de espanto e terror; ou seja, petrificado.

até que tenha passado teu povo, ó SENHOR – isto é, passe pelas regiões intermediárias no caminho para Canaã.

que tu resgataste – redimiu, recuperou a possessão (cf. Deu 32:6). Há uma bela gradação observável na descrição da angústia das pessoas nos países contíguos. Primeiro, há um pânico generalizado produzido. Em segundo lugar, os governantes em Edom estão agitados e perplexos; os moabitas são tomados de consternação, e todos os cananeus estão mergulhados em um estado de profundo desânimo. Embora Edom e Moabe se opusessem à passagem dos israelitas (cf. Nm 20:18; Nm 22:2), ainda assim o estado de espírito prevalecente entre as pessoas em toda a região ao redor era o terror – uma prostração completa por medo incontrolável ( Jos 2:9-10; Jos 9:9). [JFU, aguardando revisão]

17 Tu os introduzirás e os plantarás no monte de tua herança, No lugar de tua morada, que tu preparaste, ó SENHOR; No santuário do Senhor, que firmaram tuas mãos.

Comentário de R. Jamieson

Tu os introduzirás e os plantarás no monte de tua herança. Visto que o motivo aparente de sua partida do Egito era para celebrar a adoração a Deus, e uma montanha era comumente escolhida como o local mais adequado para a realização de ritos sagrados, então Moisés, que estava bem ciente do destino de sua nação no a terra prometida, antecipa com previsão profética o cumprimento do propósito para o qual foram selecionados, em manter o culto nacional a Deus em uma localidade definida. Alguns, de fato como Aben Ezra, Rosenmuller, Lowth, etc, tomam a frase ‘a montanha da herança de Deus’ como uma designação poética de Canaã, que é um país montanhoso (cf. Deu 3:25); e, nessa visão, foi Deus certamente quem não apenas “trouxe” os israelitas à posse dela, mas os “plantou” nela, estabelecendo a política judaica naquela terra.

Mas Hengstenberg e outros sustentam, com base nas duas sentenças seguintes, que Moriá – apropriado a Deus pelo sacrifício típico de Isaque, e no qual o templo posteriormente se ergueu (Salmo 78:54) – foi concebido como ‘a montanha de Deus herança.’ Os racionalistas fundaram nesta expressão uma objeção contra o caráter histórico da canção; e DeWette sustenta, com base na alusão ao santuário, que a data dessa composição deve ser fixada após a construção do templo. ‘Mas a referência ao’ santuário ‘é tão geral que temos aqui apenas a ideia de uma montanha separada para a honra divina, e consagrada como a morada de Yahweh – uma expressão que, na boca de Moisés, deveria nos surpreender quanto menos, como todo o sistema de leis em sua parte cerimonial se relaciona a tal santuário definido de Yahweh, e devemos inquestionavelmente atribuir a ele tal conhecimento prévio do conselho divino ‘(Havernick).

A Septuaginta representa esse versículo como uma invocação:eisagagoon katafiteuson. Trazê-los, plantá-los, etc. Seja nesta forma precatória, ou profeticamente expressa como em nossa versão, a mudança de pessoa é muito comum em toda poesia para justificar qualquer conclusão a ser tirada dessa característica no poema, que pertence a um idade tardia e artificial. [JFU, aguardando revisão]

18 O SENHOR reinará pelos séculos dos séculos.

Comentário de R. Jamieson

Eles tinham visto o reinado de Faraó ser encerrado repentinamente; mas a de Yahweh sobre Seu povo seria eterna; e a libertação que acabavam de celebrar, e pela qual deviam Sua presença e proteção especiais, era uma promessa sincera de vitórias futuras sobre todos os seus inimigos. ‘Deus está aqui pela primeira vez chamado de rei (reinará) (os patriarcas O conheciam como o Senhor, o Pastor) porque Ele agora havia formado para Si um povo e um reino na terra. Este nome forma o pensamento dominante em toda a constituição do povo. (Gerlach). [JFU, aguardando revisão]

19 Porque Faraó entrou cavalgando com seus carros e seus cavaleiros no mar, e o SENHOR voltou a trazer as águas do mar sobre eles; mas os filhos de Israel foram a seco por meio do mar.

Comentário de R. Jamieson

Este verso, de acordo com o estilo semítico de competição, que se entrega a repetições frequentes, é uma recapitulação dos grandes fatos que deram origem ao canto. Nesta visão, a palavra iniciática “Para” serve para introduzir a explicação, ensaiando a substância do primeiro verso como um epítome de todo o assunto. [Mas Rosenmuller considera que a música termina em Exo 15:18; e que este versículo, junto com os dois seguintes, contém um breve resumo, em narrativa prosaica, do incidente memorável que deu origem a este epinikion.] Faraó é aqui representado cavalgando em seu cavalo à frente do exército que marchava na perseguição dos israelitas, e cuja destruição total, em circunstâncias tão terríveis, é descrita graficamente na canção anterior. Alega-se que um memorial da pessoa do rei e seu terrível destino foi encontrado entre as inscrições do Sinai. ‘Entre os eventos do êxodo.’ diz Foster, “esses registros incluem uma referência à passagem do Mar Vermelho, com a introdução do Faraó duas vezes pelo nome, e dois avisos da tentativa vã do tirano egípcio de salvar ele mesmo voando a cavalo, das águas de retorno; junto com representações hieroglíficas de si mesmo e de seu cavalo, de acordo com esta passagem diante de nós, que até agora não foi explicada”. [JFU, aguardando revisão]

20 E Miriã a profetisa, irmã de Arão, tomou um pandeiro em sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com pandeiros e danças.

Comentário de R. Jamieson

Miriã a profetisa – assim chamada por receber revelações divinas (Nm 12:1; Mq 6:4), mas neste caso, principalmente por ser eminentemente habilidosa em música, e nesse sentido a palavra “profecia” é usada às vezes nas Escrituras. (1Cr 25:1; 1Co 11:5).

um pandeiro em sua mão – um instrumento musical na forma de um aro, rodado com anéis ou peças de latão para fazer um barulho de tilintar e coberto com um pergaminho apertado como um tambor. Foi batida com os dedos e corresponde ao nosso pandeiro.

todas as mulheres saíram atrás dela com pandeiros e danças – Devemos entender isso atendendo aos costumes modernos do Oriente, onde a dança – um gesto lento, grave e solene, geralmente acompanhado de canto e do som do tamboril. , ainda é liderada pela principal mulher da empresa, o resto imitando seus movimentos e repetindo as palavras da música conforme elas caem de seus lábios. [JFB, aguardando revisão]

21 E Miriã lhes respondia:Cantai ao SENHOR; porque em extremo se engrandeceu, Lançando no mar ao cavalo, e ao que nele subia.

Comentário de R. Jamieson

E Miriã lhes respondia – “eles” no hebraico é masculino, de modo que Moisés provavelmente guiou os homens e Miriam as mulheres – os dois grupos responderam alternadamente, e cantando o primeiro verso como um coro. [JFB]

22 E fez Moisés que partisse Israel do mar Vermelho, e saíram ao deserto de Sur; e andaram três dias pelo deserto sem achar água.

Comentário de R. Jamieson

deserto de Sur – compreendendo toda a parte ocidental da Arábia-Petraea. O deserto de Etham era uma parte dele, estendendo-se ao redor da porção norte do Mar Vermelho, e a uma distância considerável ao longo de sua costa oriental; enquanto o “deserto de Sur” (agora Sudhr) era a designação de toda a região desértica da Arábia-Petraea que ficava ao lado da Palestina. [JFB, aguardando revisão]

As águas amargas tornam-se doces

23 E chegaram a Mara, e não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso lhe puseram o nome de Mara.

Comentário de R. Jamieson

E chegaram a Mara, e não puderam beber as águas de Mara – Seguindo a rota geral de todos os viajantes do sul, entre o mar e o planalto do Tih (“vale de perambulação”), Marah é quase universalmente acreditado para ser o que é agora chamado Howarah, em Wady Amarah, a cerca de cinquenta quilômetros do local onde os israelitas desembarcaram na costa leste do Mar Vermelho – uma distância suficiente para sua marcha de três dias. Não há outra primavera perene no espaço intermediário. A água ainda mantém seu caráter antigo e tem um nome ruim entre os árabes, que raramente permitem que seus camelos participem dela. [JFB, aguardando revisão]

24 Então o povo murmurou contra Moisés, e disse:Que beberemos?

Comentário do Púlpito

o povo murmurou contra Moisés. Como já haviam feito nas costas ocidentais do Mar Vermelho (Êxodo 14:11, 12), e como estavam prestes a fazer com frequência antes que suas peregrinações terminassem. (Veja abaixo, Êxodo 16:2; Êxodo 17:3; Números 14:2; Números 16:41; Deuteronômio 1:27, etc.) com eles; e como Moisés os persuadiu a abandonar o Egito, a murmuração era principalmente contra ele. Os homens que melhor servem a uma nação são, durante a vida, os menos apreciados. O que vamos beber? Poucas decepções são mais difíceis de suportar do que a do homem, que depois de longas horas de sede pensa que conseguiu saciar seu desejo intolerável e, ao levar a xícara aos lábios, acha o gole tão nauseante que não consegue engoli-lo. Água muito desagradável é engolida quando a sede é grande (Eothen). Mas há um limite além do qual a natureza não irá. “Pode haver água, água por toda parte, mas nem uma gota para beber”. [Pulpit, aguardando revisão]

25 E Moisés clamou ao SENHOR; e o SENHOR lhe mostrou uma árvore, a qual quando a meteu dentro das águas, as águas se tornaram doces. Ali lhes deu estatutos e ordenanças, e ali os provou;

Comentário de R. Jamieson

o SENHOR lhe mostrou uma árvore, a qual quando a meteu dentro das águas, as águas se tornaram doces – Alguns viajantes declararam que este é o Elvah dos árabes – um arbusto em forma e flor que se assemelha ao nosso espinheiro; outras, as bagas do Ghurkhud – um arbusto encontrado crescendo em torno de todas as fontes salobras. Mas nenhum desses arbustos é conhecido pelos nativos por possuir tais virtudes naturais. É muito mais provável que Deus tenha miraculosamente dado a alguma árvore a propriedade de purificar a água amarga – uma árvore empregada como médium, mas o adoçante não dependia da natureza ou qualidade da árvore, mas do poder de Deus (compare Jo 9:6). E daí o “estatuto e ordenança” que se seguiu, o que teria sido singularmente inoportuno se nenhum milagre tivesse sido feito.

ali os provou – Deus agora trouxe os israelitas para as circunstâncias que colocariam sua fé e obediência à prova (compare Gênesis 22:1). [JFB, aguardando revisão]

26 E disse:Se ouvires atentamente a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o correto diante de seus olhos, e deres ouvido a seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade das que enviei aos egípcios te enviarei a ti; porque eu sou o SENHOR que te sara.

Comentário Whedon

porque eu sou o SENHOR que te sara – Pois eu, JEOVÁ, sou o teu Curador, Médico. Essa primeira prova e milagre do deserto é ocasião de grandes lições espirituais, como as que podem advir de grandes provas. Eles viram as bênçãos do Egito se transformarem em maldições por causa dos pecados dos egípcios, e o mesmo Deus não apenas os salvaria desses julgamentos terríveis, mas transformaria toda a amargura da vida em doçura se eles apenas guardassem sua lei. Jeová, o Médico, pode curar todos os Mara da vida, se o homem obedecer e se submeter, quer ele compreenda os tratos de Deus ou não. Aqui, também, eles foram claramente ensinados que a obediência contínua era essencial para sua contínua eleição como povo da aliança de Deus. Não deviam ser presunçosos por causa das maravilhosas manifestações no Egito e no Mar Vermelho. Se pecassem como os egípcios, também seriam punidos como os egípcios. Mas a grande lição aqui enfaticamente impressionada é que não é ritual ou obediência exterior de qualquer tipo – não a oferta de sacrifícios ou de serviços corporais meramente – mas fazer o que é certo aos seus olhos – o sacrifício do coração, o oferta de si mesmo, que Jeová exige. Jeremias, séculos depois, refere-se a esta transação e a esta lição espiritual solene:“Pois eu não falei a vossos pais, nem lhes ordenei, no dia em que os tirei da terra do Egito, a respeito de holocaustos ou sacrifícios:mas este coisa lhes ordenei, dizendo:Obedecei a minha voz e serei o vosso Deus e vós sereis o meu povo; e andai em todos os caminhos que vos ordenei, para que vos vá bem. ” Jr 7:22-23. Este “estatuto e ordenança” que vem logo antes da economia levítica – pouco antes do primeiro altar ser erguido no deserto – é muito valioso por apresentar a verdadeira natureza e espírito das ordenanças levíticas. [Whedon, aguardando revisão]

27 E chegaram a Elim, onde havia doze fontes de águas, e setenta palmeiras; e assentaram ali junto às águas.

Comentário de R. Jamieson

chegaram a Elim, onde havia doze fontes de águas – supostamente o que hoje é chamado de Wady-Ghurandel, o curso de água mais extenso do deserto ocidental – um oásis adornado com uma grande variedade de árvores, entre as quais a palma ainda é visível e fertilizado por um fluxo copioso. Estima-se que seja uma milha de largura, mas se estende para o nordeste. Depois da cansativa viagem pelo deserto, este deve ter aparecido um acampamento muito agradável de sua sombra e verdura, bem como de seu abundante suprimento de água doce para a multidão sedenta. A palmeira é chamada de “a árvore do deserto”, já que sua presença é sempre um sinal de água. As palmas neste local são grandemente aumentadas em número, mas os poços são diminuídos. [JFB, aguardando revisão]

<Êxodo 14 Êxodo 16>

Visão geral de Êxodo

Em Êxodo 1-18, “Deus resgata os Israelitas de uma vida de escravidão no Egito e confronta o mal e as injustiças do Faraó” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Em Êxodo 19-40, “Deus convida os Israelitas a um relacionamento de aliança e vive no meio deles, no Tabernáculo, mas Israel age em rebeldia e estraga o relacionamento” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.