Bíblia, Revisar

Êxodo 16

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Deus manda o maná

1 Depois que partiram de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do segundo mês depois que saíram da terra do Egito.

partiram de Elim – onde permaneceram vários dias.

veio ao deserto de Sim – aparece em Nm 32:1-42, que várias estações são omitidas neste aviso histórico da jornada. Esta passagem representa os israelitas avançando para a grande planície, que, começando perto de El-Murkah, se estende com uma largura maior ou menor até quase a extremidade da península. Em sua parte mais ampla ao norte de Tur, é chamado El-Kaa, que é provavelmente o deserto de Sin [Robinson].

2 E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Arão no deserto;

murmurou contra Moisés e Arão – Viajantes modernos através do deserto do Sinai estão acostumados a tomar tanto quanto é suficiente para o sustento de homens e animais durante quarenta dias. Os israelitas tinham passado mais de um mês em sua jornada, seu estoque de milho ou outras provisões estava completamente ou quase esgotado; e não havendo nenhuma perspectiva de obter qualquer meio de subsistência no deserto, exceto algumas azeitonas silvestres e mel silvestre (Dt 32:13), reclamações fortes foram feitas contra os líderes.

3 E diziam-lhes os filhos de Israel: Bom seria se tivéssemos morrido por meio do SENHOR na terra do Egito, quando nos sentávamos junto às panelas das carnes, quando comíamos pão em fartura; pois nos tirastes a este deserto, para matar de fome a toda esta multidão.

Bom seria se tivéssemos morrido por meio do SENHOR na terra do Egito – Quão irracional e absurda a acusação contra Moisés e Arão! quão ingrato e ímpio contra Deus! Depois de toda sua experiência da divina sabedoria, bondade e poder, paramos e nos maravilhamos com a narrativa sagrada de sua dureza e incredulidade. Mas a expressão do sentimento é contagiosa em uma multidão tão vasta, e há uma sensação de solidão e desânimo no deserto que os números não podem dissipar; e, além disso, devemos lembrar que eles eram homens absortos com o presente – que o Consolador não foi então dado – e que eles estavam desprovidos de todos os meios visíveis de sustento e separados de todo conforto visível, com apenas as promessas de um Deus invisível. olhar para o chão da sua esperança. E embora possamos lamentar que tentem a Deus no deserto e admitam livremente o seu pecado ao fazê-lo, não podemos perder por uma razão pela qual aqueles que por toda a vida estavam acostumados a andar pela vista deveriam, em circunstâncias de dificuldade inigualável. e perplexidade, acham difícil andar pela fé. Nem mesmo achamos difícil caminhar pela fé através do deserto deste mundo, embora à luz de uma revelação mais clara e sob um líder mais nobre do que Moisés? [Fisk] (Veja 1Co 10:11-12).

4 E o SENHOR disse a Moisés: Eis que eu vos farei chover pão do céu; e o povo sairá, e colherá para cada um dia, para que eu lhe prove se anda em minha lei, ou não.

E o SENHOR disse a Moisés – Embora o surto tenha sido imediatamente contra os líderes humanos, foi indiretamente contra Deus: ainda assim marcar sua paciência, e quão graciosamente Ele prometeu corrigir a injustiça.

Eis que eu vos farei chover pão do céu – Israel, um tipo da Igreja que é de cima, e estando sob a conduta, governo e leis do céu, também recebeu sua comida do céu (Sl 78:24).

para que eu lhe prove se anda em minha lei, ou não – O grande objetivo de serem levados para o deserto era que eles pudessem receber um treinamento religioso diretamente sob os olhos de Deus; e a primeira lição ensinada a eles foi uma constante dependência de Deus para seu alimento diário.

5 Mas ao sexto dia prepararão o que coletarem, que será o dobro do que costumam colher cada dia.
6 Então disse Moisés e Arão a todos os filhos de Israel: À tarde sabereis que o SENHOR vos tirou da terra do Egito:
7 E à próxima manhã vereis a glória do SENHOR; porque ele ouviu as vossas murmurações contra o SENHOR; pois quem somos nós, para que vós murmureis contra nós?
8 E disse Moisés: o SENHOR vos dará à tarde carne para comer, e à manhã pão em fartura; pois o SENHOR ouviu as vossas murmurações com que murmurais contra ele; pois quem somos nós? As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o SENHOR.
9 E disse Moisés a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de Israel: Aproximai-vos à presença do SENHOR; que ele ouviu vossas murmurações.
10 E falando Arão a toda a congregação dos filhos de Israel, olharam até o deserto, e eis a glória do SENHOR, que apareceu na nuvem.

Deus manda carne

11 E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:
12 Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel; fala-lhes, dizendo: Ao entardecer comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão, e sabereis que eu sou o SENHOR vosso Deus.
13 E vinda a tarde subiram codornizes que cobriram o acampamento; e à manhã desceu orvalho em derredor do acampamento.

E vinda a tarde subiram codornizes que cobriram o acampamento – Esta ave é do tipo galináceo [isto é, relacionada à ordem de pássaros corpóreos, em grande parte terrestres], assemelhando-se à perdiz vermelha, mas não maior que a rolinha. Eles são encontrados em certas estações nos lugares por onde os israelitas passavam, sendo aves migratórias, e eles provavelmente foram trazidos para o acampamento por “um vento do Senhor” como em outra ocasião (Nm 11:31).

à manhã desceu orvalho em derredor do acampamento – Há um chiclete de mesmo nome destilado nesta região desértica da tamargueira, que é muito apreciada pelos nativos e preservada cuidadosamente por aqueles que a juntam. Ele é coletado no início da manhã, derrete sob o calor do sol e é congelado pelo frio da noite. O gosto é tão doce quanto o mel, e tem sido suposto a viajantes ilustres, de sua cor esbranquiçada, tempo e lugar de sua aparição, ser o maná sobre o qual os israelitas eram alimentados: de modo que, de acordo com as opiniões de alguns. foi uma produção indígena do deserto; segundo os outros, havia um milagre, que consistia, no entanto, apenas nos arranjos sobrenaturais relativos ao seu suprimento. Mas um exame mais recente e preciso provou que esta goma da árvore tarfa está em falta em todas as principais características do maná das Escrituras. Ela emana apenas em pequenas quantidades, e não todo ano; não admite ser assado (Nm 11:8) ou cozido (Êx 16:23). Embora possa ser exalado pelo calor e depois cair com o orvalho, é um remédio, não um alimento – é bem conhecido dos nativos do deserto, enquanto os israelitas eram estranhos aos deles; e no paladar, assim como na aparência de dupla quantidade na sexta-feira, nenhuma no sábado e na não criação de vermes, é essencialmente diferente do maná fornecido aos israelitas.

14 E quando o orvalho cessou de descer, eis sobre a face do deserto uma coisa miúda, redonda, miúda como uma geada sobre a terra.
15 E vendo-o os filhos de Israel, se disseram uns aos outros: Que é isto? porque não sabiam que era. Então Moisés lhes disse: É o pão que o SENHOR vos dá para comer.
16 Isto é o que o SENHOR mandou: Colhereis dele cada um segundo puder comer; um gômer por cabeça, conforme o número de vossas pessoas, tomareis cada um para os que estão em sua tenda.
17 E os filhos de Israel o fizeram assim: e recolheram uns mais, outros menos:
18 E mediam-no por gômer, e não sobrava ao que havia recolhido muito, nem faltava ao que havia recolhido pouco: cada um recolheu conforme o que havia de comer.
19 E disse-lhes Moisés: Nenhum deixe nada disso para amanhã.
20 Mas eles não obedeceram a Moisés, mas sim que alguns deixaram dele para outro dia, e criou bichos, e apodreceu-se; e irou-se contra eles Moisés.
21 E recolhiam-no cada manhã, cada um segundo o que havia de comer: e logo que o sol aquecia, derretia-se.
22 No sexto dia recolheram comida em dobro, dois gômeres para cada um; e todos os príncipes da congregação vieram a Moisés, e contaram-lhe isso.
23 E ele lhes disse: Isto é o que o SENHOR disse: Amanhã é o repouso, o santo sábado do SENHOR; o que houverdes de assar, assai-o hoje, e o que houverdes de cozinhar, cozinhai-o; e tudo o que vos sobrar, guardai-o para amanhã.
24 E eles o guardaram até a manhã, segundo que Moisés havia mandado, e não se apodreceu, nem houve nele bicho.
25 E disse Moisés: Comei-o hoje, porque hoje é sábado do SENHOR: hoje não achareis no campo.
26 Nos seis dias o recolhereis; mas o sétimo dia é sábado, no qual não se achará.
27 E aconteceu que alguns do povo saíram no sétimo dia a recolher, e não acharam.
28 E o SENHOR disse a Moisés: Até quando não querereis guardar meus mandamentos e minhas leis?
29 Olhai que o SENHOR vos deu o sábado, e por isso vos dá no sexto dia pão para dois dias. Fique, pois, cada um em sua morada, e ninguém saia de seu lugar no sétimo dia.
30 Assim o povo repousou o sétimo dia.
31 E a casa de Israel o chamou maná; e era como semente de coentro, branco, e seu sabor como de bolos com mel.
32 E disse Moisés: Isto é o que o SENHOR mandou: Encherás um gômer dele para que se guarde para vossos descendentes, a fim de que vejam o pão que eu vos dei a comer no deserto, quando eu vos tirei da terra do Egito.

Encherás um gômer dele para que se guarde para vossos descendentes – O mero fato de tal multidão ser alimentada por quarenta anos no deserto, onde nenhum alimento de qualquer tipo é para ser obtido, mostrará a impossibilidade absoluta de subsistir em um ambiente natural. produção do tipo e quantidade como esta goma de tarpa [ver em Êx 16:13]; e, como se com o propósito de remover todas essas especulações infundadas, Arão foi ordenado a colocar uma amostra em um pote – um pote de ouro (Hb 9:4) – a ser colocado diante do Testemunho, para ser guardado para as gerações futuras para que eles pudessem ver o pão em que o Senhor alimentou seus pais no deserto. Mas nós temos o pão que era meramente típico (1Co 10:3; Jo 6:32).

33 E disse Moisés a Arão: Toma um vaso e põe nele um gômer cheio de maná, e põe-o diante do SENHOR, para que seja guardado para vossos descendentes.
34 E Arão o pôs diante do testemunho para guardá-lo, como o SENHOR o mandou a Moisés.
35 Assim os filhos de Israel comeram maná por quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram ao limite da terra de Canaã.
36 E um gômer é a décima parte do efa.
<Êxodo 15 Êxodo 17>

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados