Salmo 78

1 (Instrução de Asafe:) Povo meu, escuta minha doutrina; inclinai vossos ouvidos às palavras de minha boca.

Comentário de A. R. Fausset

Povo meu, escuta minha doutrina – a língua de um professor religioso (Salmo 78:2; Lamentações 3:14; Romanos 2:1627; compare Salmo 49:4). A história que se segue é um “ditado obscuro”, ou enigma, se não for explicado, e sua correta apreensão requer sabedoria e atenção. [JFB, aguardando revisão]

2 Abrirei minha boca em parábolas; falarei mistérios dos tempos antigos,

Comentário Barnes

Abrirei minha boca em uma parábola – Veja as notas no Salmo 49:4 . A palavra “parábola” aqui significa uma declaração por analogia ou comparação; isto é, ele revelaria o que tinha a dizer por meio de um raciocínio baseado em uma analogia tirada da antiga história do povo.

Eu pronunciarei enigmas da antiguidade – Dos tempos antigos; isto é, máximas, ou pensamentos sentenciosos, que vieram de tempos passados ​​e que incorporaram os resultados de observações e reflexões antigas. Compare o Salmo 49:4 , onde a palavra traduzida “enigmas” é explicada. Ele revelaria e aplicaria, ao caso presente, as máximas da sabedoria antiga. [Barnes, aguardando revisão]

3 Os quais ouvimos e conhecemos, e nossos pais nos contaram.

Comentário de A. R. Fausset

Essa história havia sido transmitida (Êxodo 12:14; Deuteronômio 6:20) para a honra de Deus, e que os princípios de Sua lei poderiam ser conhecidos e observados pela posteridade. Este importante sentimento é reiterado na forma negativa (Salmo 78:7-8). [JFB, aguardando revisão]

4 Nós não os encobriremos a seus filhos, contaremos à próxima geração sobre os louvores do SENHOR, o seu poder, e as maravilhas que ele fez.

Comentário de A. R. Fausset

Nós não os encobriremos a seus filhos – isto é, de nossos filhos, que são, também, filhos do nosso pai. Nossos pais nos transmitiram essas verdades, não só para o nosso bem, mas também para que as transmitíssemos à posteridade.

contaremos à próxima geração sobre os louvores do SENHOR – ou então, “contaremos à geração seguinte os feitos gloriosos do SENHOR” (NVT). [JFU, 1871]

5 Porque ele firmou um testemunho em Jacó, e pôs a Lei em Israel, a qual ele instruiu aos nossos pais, para que eles ensinassem a seus filhos;

Comentário Barnes

Porque ele firmou um testemunho em Jacó – Ele ordenou ou designou aquilo que seria uma “testemunha” para ele; aquilo que daria testemunho de seu caráter e perfeições; aquilo que serviria para lembrá-los de quem ele era e de sua autoridade sobre eles. Qualquer lei ou ordenança de Deus é, portanto, uma testemunha permanente e permanente em relação ao seu caráter, mostrando o que ele é.

e pôs a Lei em Israel – isto é, Ele deu a lei a Israel, ou ao povo hebreu. Suas leis não eram representações humanas, mas sim designações de Deus.

a qual ele instruiu aos nossos pais, para que eles ensinassem a seus filhos – Ele tornou uma lei do país que esses testemunhos devem ser preservados e fielmente transmitidos para tempos futuros. Veja Deuteronômio 4:9 ; Deuteronômio 6:7 ; Deuteronômio 11:19 . Eles não foram dados apenas para si mesmos, mas para o benefício de gerações distantes também. [Barnes, aguardando revisão]

6 Para que a geração seguinte dela soubesse; e os filhos que nascessem contassem a seus filhos;

Comentário Barnes

Para que a geração seguinte dela soubesse – Para que as pessoas no futuro possam desfrutar do benefício deles como seus pais fizeram, e que eles devem então enviá-los para aqueles que os sucederiam.

e os filhos que nascessem contassem a seus filhos – Quem, ao aparecer no palco da vida, deve receber a confiança e enviá-la para as idades futuras. Assim, o mundo progride; assim, uma era começa onde a anterior parou; assim, ele entra em sua própria carreira com a vantagem de todas as labutas, os sacrifícios, os pensamentos felizes, as invenções de todos os tempos passados. Destina-se a que o mundo se torne mais sábio e melhor à medida que avança; e que as gerações futuras sejam enriquecidas com tudo o que valeu a pena preservar na experiência do passado. Veja as notas no Salmo 71:18. [Barnes, aguardando revisão]

7 E assim pusessem sua esperança em Deus; e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas sim, que guardassem os mandamentos dele;

Comentário Barnes

E assim pusessem sua esperança em Deus – Para que eles possam colocar confiança em Deus; para que eles pudessem manter sua fidelidade a ele. O objetivo era dar tais exibições de seu caráter e governo que inspirassem justa confiança nele, ou levassem as pessoas a confiar nele; e não confiar em ídolos e falsos deuses. Todas as leis que Deus ordenou são adequadas para inspirar confiança nele como um governante justo e justo; e todas as suas relações com a humanidade, quando forem apropriadamente – isto é, “realmente” – compreendidas, serão consideradas adaptadas ao mesmo fim.

e não se esquecessem dos feitos de Deus – Seus feitos. A palavra aqui não se refere às suas “obras” consideradas como as obras da criação, ou o universo material, mas aos seus atos – ao que ele fez ao administrar seu governo sobre a humanidade.

mas sim, que guardassem os mandamentos dele – Que ao contemplar seus atos, ao compreender o projeto de sua administração, eles possam ser levados a guardar seus mandamentos. O objetivo era que eles pudessem ver tal sabedoria, justiça, equidade e bondade em sua administração, que seriam levados a manter leis tão adequadas para promover o bem-estar da humanidade. Se as pessoas vissem todas as razões das relações divinas, ou as compreendessem totalmente, nada mais seria necessário para assegurar a confiança universal em Deus e em seu governo. [Barnes, aguardando revisão]

8 E não fossem como seus pais, que foram uma geração teimosa e rebelde; geração que não firmou seu coração, e cujo espírito não foi fiel a Deus.

Comentário Barnes

E não fossem como seus pais – Seus ancestrais, particularmente no deserto, quando passaram por ele para a terra prometida. Veja Êxodo 32:7-9 ; Êxodo 33:3 ; Êxodo 34:9 ; Atos 7:51-53 .

que foram uma geração teimosa e rebelde – obstinada, ingovernável; inclinado a se revoltar. Nada foi mais notável em sua história inicial do que isso.

geração que não firmou seu coração – Margem, como em hebraico, “não preparou seu coração.” Isto é, eles não fizeram nenhum esforço para manter o coração correto, ou para nutrir sentimentos corretos para com Deus. Eles cederam a qualquer impulso repentino de paixão, mesmo quando isso os levou a se rebelar contra Deus. Isso é tão verdadeiro para os pecadores agora quanto era para eles, que eles “não se preocupam” para ter o coração reto para com Deus. Se o fizessem, não haveria dificuldade em fazê-lo. Não é para eles “um objeto de desejo” ter seus corações justos com Deus e, portanto, nada é mais fácil ou natural do que se rebelarem e se extraviarem.

e cujo espírito não foi fiel a Deus – Ou seja, eles próprios não mantinham uma confiança firme em Deus. Eles cederam prontamente a cada impulso e a cada paixão, mesmo quando isso tendia a afastá-los totalmente dele. Não havia tal “força” de apego a ele que os levasse a resistir à tentação, e eles facilmente caíram no pecado da idolatria. [Barnes, aguardando revisão]

9 Os filhos de Efraim, mesmo tendo arcos e flechas, viraram-se para trás no dia da batalha;

Comentário de A. R. Fausset

Os privilégios dos primogênitos que pertenciam a José (1Crônicas 5:1-2) foram designados para Efraim por Jacó (Gênesis 48:1). A supremacia da tribo assim intimada foi reconhecida por sua posição (na marcha da nação para Canaã) ao lado da arca (Números 2:18-24), pela seleção da primeira localidade permanente para a arca dentro de suas fronteiras em Siló, e pela extensa e fértil província dada por sua posse. Traços desta proeminência permaneceram após o cisma sob Roboão, no uso, por escritores posteriores, de Efraim para Israel (compare com Oséias 5:3-14; Oséias 11:3-12). Apesar de ser uma tribo forte e bem armada e, desde cedo, emulosa e arrogante (compare Josué 17:14; Juízes 8:1-3; 2Samuel 19:41), parece, neste lugar, que ela tinha em vez disso, conduzi o resto na covardia que na coragem; e tinha incorrido no desagrado de Deus, porque, desconfiado de sua promessa, embora muitas vezes até então cumprida, ele havia falhado como um líder para levar a cabo os termos do pacto, por não expulsar os pagãos (Êxodo 23:24; Deuteronômio 31:16; 2Reis 17:15). [JFB, aguardando revisão]

10 Não guardaram o pacto de Deus, e recusaram a andar conforme sua Lei.

Comentário Barnes

Não guardaram o pacto de Deus – A aliança que Deus fez com todo o povo hebreu. Eles não mantiveram sua lealdade a Yahweh. Compare Deuteronômio 4:13 , Deuteronômio 4:23 ; Deuteronômio 17:2 .

e recusaram a andar conforme sua Lei – Recusou-se a obedecer a sua lei. Eles se rebelaram contra ele. [Barnes, aguardando revisão]

11 E se esqueceram de seus feitos, e de suas maravilhas que ele tinha lhes feito ver.

Comentário Barnes

E se esqueceram de seus feitos – As obras que ele realizou em nome da nação. Essas obras são mencionadas nos versos a seguir.

e de suas maravilhas que ele tinha lhes feito ver – As obras maravilhosas no Egito, no Mar Vermelho e no deserto; os milagres que ele havia realizado em nome da nação. [Barnes, aguardando revisão]

12 Ele fez maravilhas perante seus pais na terra do Egito, no campo de Zoã.

Comentário de A. R. Fausset

Um registro dos negócios de Deus e dos pecados do povo é feito agora. O escritor dá a história desde o êxodo até a retirada de Cades; então, contrasta seus pecados com suas razões de confiança, mostradas por um detalhe dos negócios de Deus no Egito, e apresenta um resumo da história subsequente ao tempo de Davi.

Zoã – para o Egito, como sua antiga capital (Números 13:22; Isaías 19:11). [JFB, aguardando revisão]

13 Ele dividiu o mar, e os fez passarem por ele; ele fez as águas ficarem paradas como se estivessem amontoadas.

Comentário Barnes

Ele dividiu o mar – O Mar Vermelho. Êxodo 14:21-22 .

ele fez as águas ficarem paradas como se estivessem amontoadas – A palavra traduzida por “monte” significa qualquer coisa empilhada, ou um monte; e a ideia é que as águas se amontoaram de cada lado deles como um “monte”. Veja as notas no Salmo 33:7 . Compare Josué 3:13 , Josué 3:16 ; Êxodo 15:8. [Barnes, aguardando revisão]

14 E ele os guiou com uma nuvem durante o dia, e por toda a noite com uma luz de fogo.

Comentário Barnes

E ele os guiou com uma nuvem durante o dia – Ou seja, a nuvem era o símbolo visível de sua presença, e seus movimentos determinavam o caminho por onde deveriam seguir. Foi “Deus” quem os conduziu e adoptou esta forma de o fazer, para que tivessem “sempre” consigo, de dia e de noite, uma prova “visível” da sua presença. Havia algo com eles que não podia ser atribuído a nenhuma causa natural, e que, portanto, “demonstrava” que Deus estava com eles e que, enquanto seguissem a nuvem e a coluna de fogo, não poderiam errar. Veja Êxodo 13:21 ; Êxodo 14:24 . Eles tinham menos desculpas, portanto, para se rebelar contra ele.

e por toda a noite com uma luz de fogo – Uma coluna – um pilar – que se erguia sobre o acampamento, e que era um símbolo da presença e orientação divinas. A nuvem não seria visível à noite, nem o fogo seria um bom guia durante o dia; e, portanto, a forma do símbolo foi alterada. A mesma coisa, entretanto, foi planejada por ambos, e juntos eles eram provas permanentes da presença de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

15 Ele partiu as rochas no deserto, e lhes deu de beber como que de abismos profundos.

Comentário Barnes

Ele partiu as rochas no deserto – Houve duas ocasiões em que a rocha foi ferida para obter água; um Êxodo 17:6 no monte Horebe, pouco depois de terem saído do Egito; e os outros Números 20:11 , quando quase pararam de vagar pelo deserto. Portanto, o termo plural (rochas) é usado aqui.

e lhes deu de beber como que de abismos profundos – Como se ele tivesse formado um lago ou um oceano, fornecendo um suprimento inesgotável. [Barnes, aguardando revisão]

16 Porque ele tirou correntes da rocha, e fez as águas descerem como rios.

Comentário Barnes

As águas foram derramadas em um riacho transbordante. Essas correntes continuaram a fluir, constituindo assim uma prova contínua da presença de Deus. Veja isso totalmente explicado nas notas em 1 Coríntios 10:4. [Barnes, aguardando revisão]

17 E ainda prosseguiram em pecar contra ele, irritando ao Altíssimo no deserto.

Comentário Barnes

E ainda prosseguiram em pecar contra ele – literalmente, “Eles aumentaram o pecado contra ele.” A ideia é que suas misericórdias e as provas de sua presença foram apenas motivo de maior pecado da parte deles. Isso pode ter ocorrido de duas maneiras; (1) seu pecado foi assim mais agravado, como sendo cometido contra uma luz maior; e (2) eles evidenciavam cada vez mais sua depravação, na proporção em que ele concedia misericórdia a eles – o que não era incomum entre as pessoas.

irritando ao Altíssimo – literalmente, “amargurando”. Eles se rebelaram contra ele. Eles se recusaram a se submeter a ele. Eles esqueceram sua misericórdia. Compare Deuteronômio 9:22 .

no deserto – literalmente, “no lugar seco”; no deserto. No mesmo lugar onde eles eram mais claramente dependentes dele – onde não havia correntes naturais de água – onde suas necessidades eram supridas por um suprimento milagroso – mesmo ali eles o provocaram e se rebelaram contra ele. Se ele simplesmente tivesse interrompido aquele suprimento milagroso de água, eles teriam morrido. Mas os pecadores esquecem como são dependentes de Deus, quando pecam contra ele. Em que podem contar, se ele se afasta deles e os deixa sozinhos? [Barnes, aguardando revisão]

18 E tentaram a Deus nos seus corações, pedindo comida para o desejo de suas almas.

Comentário Barnes

E tentaram a Deus nos seus corações – Êxodo 16:2 . O coração era a fonte do mal. Eles não ficaram satisfeitos com o que ele lhes deu. Eles pediram o que seria mais agradável para eles, e o fizeram com um espírito queixoso e murmurante. Não é errado em si mesmo pedir a Deus o que será melhor do que o que agora possuímos, pois esse é o objeto de todas as nossas orações; mas isso pode ser feito por um motivo errado – para mera autogratificação, como foi o caso aqui; ou pode ser com um espírito queixoso e insatisfeito, como foi evidenciado nesta ocasião. Nesse caso, não podemos esperar que a oração seja atendida “exceto como punição”.

pedindo comida para o desejo de suas almas – Comida. A palavra “carne” aqui não denota necessariamente comida animal, como acontece conosco. Eles pediram outro tipo de comida além do maná; e o fizeram, não porque isso fosse “necessário” para manter a vida, mas para satisfazer seus apetites. A palavra original aqui, entretanto, não é “luxúrias”, mas “almas”; isto é, “eles pediam comida para si próprios”. [Barnes, aguardando revisão]

19 E falaram contra Deus, e disseram:Poderia Deus preparar uma mesa de comida no deserto?

Comentário Barnes

E falaram contra Deus – isto é, da maneira que é imediatamente especificada – questionando seu poder, ou sua capacidade de prover para eles no deserto. Veja Números 11:4 .

e disseram:Poderia Deus preparar uma mesa de comida no deserto? No deserto. A palavra traduzida como “fornecer” está na margem “ordem”. Significa organizar; pôr em ordem; e aqui para providenciar e prover, como em uma festa. As palavras precisas usadas pelos reclamantes hebreus não são citadas aqui, mas a substância do que eles disseram é mantida. A ideia é que o que eles falaram foi “equivalente” a dizer que Deus não poderia preparar uma mesa para eles; isto é, fornecer para eles, no deserto. [Barnes, aguardando revisão]

20 Eis que ele feriu a rocha, e águas correram dela e ribeiros fluíram em abundância; será que ele também poderia nos dar pão, ou preparar carne a seu povo?

Comentário Barnes

Eis que ele feriu a rocha, e águas correram dela e ribeiros fluíram em abundância – Veja as notas no Salmo 78:15. O golpe da pedra pela primeira vez ocorreu “antes” da reclamação sobre a comida. O fato de que a rocha havia sido ferida não podia ser duvidado. Eles tinham, portanto, evidências abundantes de que Deus era capaz de fazer isso e fornecer “água” para eles no deserto. Não era razoável, portanto, duvidar que ele pudesse fornecer “alimento” para eles – pois isso em si não era mais difícil do que fornecer água. No entanto, eles são representados afirmando que isso era muito mais difícil e que, embora fosse admitido que Deus havia fornecido “água”, fornecer “alimento” estava totalmente além de seu poder. Seu pecado especial, portanto, foi que eles duvidaram do poder de Deus em um caso, quando, em outro, igualmente difícil, eles tiveram provas abundantes disso.

será que ele também poderia nos dar pão – A capacidade de fazer fluir água de uma rocha prova que também há capacidade de produzir pão quando necessário? Eles duvidaram disso e, portanto, reclamaram de Deus.

ou preparar carne a seu povo? Eles supunham que isso exigia maior poder do que o fornecimento de água, ou mesmo de pão, e que, se fosse admitido que Deus poderia fornecer os dois primeiros, de modo algum se seguiria que ele poderia fornecer o último. Foi isso, como mostra o próximo versículo, que foi a ocasião imediata da ira especial do Senhor. [Barnes, aguardando revisão]

21 Por isso o SENHOR os ouviu, e se irritou; e fogo se acendeu contra Jacó, e furor também subiu contra Israel;

Comentário Barnes

Por isso o SENHOR os ouviu, e se irritou – Veja Números 11:1 , Números 11:10.

e fogo se acendeu contra Jacó, e furor também subiu contra Israel – O fogo pode ser usado aqui, como em Números 11:1 , como um emblema da ira; um fogo pode ter sido enviado literalmente para consumi-los. [Barnes, aguardando revisão]

22 Porque eles não creram em Deus, nem confiaram na salvação que dele vem;

Comentário Barnes

Porque eles não creram em Deus – Eles não acreditavam em seu poder, ou em suas promessas.

nem confiaram na salvação que dele vem – em seu poder e sua vontade de salvar. Eles tinham evidências abundantes desse poder, mas ainda duvidavam de sua capacidade de salvá-los, apesar de tudo o que ele havia feito por eles. [Barnes, aguardando revisão]

23 Mesmo assim, ele deu ordens às altas nuvens, e abriu as portas dos céus;

Comentário Barnes

Mesmo assim, ele deu ordens às altas nuvens – Embora ele tivesse mostrado que tinha controle absoluto sobre as nuvens, e tinha apenas que comandá-las e elas forneceriam chuva em abundância. Compare as notas em Isaías 5:6 .

e abriu as portas dos céus – Como havia feito no dilúvio, Gênesis 7:11 . A ideia é que ele fez chover maná sobre eles em tal abundância que poderia ser comparado com as águas que foram lançadas no dilúvio. [Barnes, aguardando revisão]

24 E choveu sobre eles o maná, para comerem; e lhes deu trigo dos céus.

Comentário Barnes

E choveu sobre eles o maná, para comerem – Êxodo 16:4-5 , Êxodo 16:14 ; Números 11:7-9 . Compare as notas em João 6:31 .

e lhes deu trigo dos céus – Comida que parecia descer do céu. A referência aqui é ao maná, e é chamado milho no sentido de que era alimento, ou que supria o lugar do grão. Também pode ter sido chamado de milho por sua semelhança com o grão. Veja Êxodo 16:31. [Barnes, aguardando revisão]

25 Cada homem daquele povo comeu o pão dos anjos; ele lhes mandou comida para se fartarem.

Comentário Barnes

Cada homem daquele povo comeu o pão dos anjos – Comida que veio do céu; comida tão direta e manifestamente do céu que poderia ser considerada a mesma espécie que foi comida ali, e que agora tinha sido enviada por um milagre especial para o homem; comida tão delicada e tão livre das propriedades grosseiras comuns da comida, que poderia ser considerada como a que os anjos se alimentam. A palavra traduzida por “anjos” – אביר ‘abbı̂yr – significa apropriadamente “forte, poderoso” e pode ser aplicada às pessoas em geral, Juízes 5:22 ; Lamentações 1:15 ; Jeremias 46:15 ; aos animais, Salmos 22:13 (“touros de Basã”); aos príncipes, Salmos 68:31 ; ou para nobres, Jó 24:22. Pode ser processado aqui comida de nobres ou príncipes; isto é, comida de qualidade mais rica, ou de natureza mais delicada, do que a comida comum; como os nobres ou príncipes têm em suas mesas. A conexão imediata, entretanto, parece exigir a tradução em nossa versão, visto que a comida teria descido do céu. É processado como alimento de anjos na Septuaginta, na Vulgata latina, nas versões antigas em geral, e também por Lutero. DeWette traduz:”Cada um comeu a comida de príncipes”; isto é, todos eles viviam como príncipes.

ele lhes mandou comida para se fartarem – Alimentos para satisfazer; ou, tanto quanto eles quisessem. [Barnes, aguardando revisão]

26 Ele fez soprar o vento do oriente nos céus, e trouxe o vento do sul com seu poder.

Comentário Barnes

Ele fez soprar o vento do oriente nos céus – Veja Números 11:31 . Na história, o bairro de onde veio o vento não é mencionado, exceto como pode ser indicado pela afirmação de que as “codornizes foram trazidas do mar”; – isto é, evidentemente, o Mar Vermelho. Esse vento teria vindo de sudeste. A frase “no céu” significa no ar ou de cima.

e trouxe o vento do sul com seu poder – Por sua agencia direta. Foi um vento que ele fez soprar com esse propósito; Um milagre. [Barnes, aguardando revisão]

27 Ele fez chover sobre eles carne como a poeira da terra; e aves de asas como a areia do mar;

Comentário Barnes

Ele fez chover sobre eles carne como a poeira da terra – A carne das codornizes, Números 11:31 . A palavra “choveu” significa que eles pareciam vir sobre eles como uma chuva copiosa. A palavra pó denota sua grande abundância.

e aves de asas – Margem, como em hebraico, “ave de asa”. Esta é uma expressão poética, destinada a dar beleza à descrição pela imagem de suas asas batendo.

como a areia do mar – Uma expressão também designada para denotar seu grande número, Gênesis 22:17 ; Gênesis 32:12 ; Gênesis 41:49 ; Josué 11:4 ; 1 Samuel 13:5 ; Apocalipse 20:8. [Barnes, aguardando revisão]

28 E as fez cair no meio de seu acampamento, ao redor de suas tendas.

Comentário Barnes

Foi levado até suas portas; eles não tinham que ir buscá-lo no exterior. [Barnes, aguardando revisão]

29 Então comeram, e fartaram-se abundantemente; e satisfez o desejo deles.

Comentário Barnes

Então comeram, e fartaram-se abundantemente – A palavra traduzida como “bem” aqui é intensiva. Isso significa que eles estavam abundantemente satisfeitos; que não faltou; que eles tinham o suprimento mais amplo.

e satisfez o desejo deles – Ele lhes deu exatamente o que eles pediram. Ele deu-lhes carne para comer como eles pediram; e ele deu a eles em tais quantidades que ninguém poderia dizer que ele não tinha o suficiente. [Barnes, aguardando revisão]

30 Porem, estando eles ainda não satisfeitos, enquanto a comida ainda estava em suas bocas,

Comentário Barnes

Porem, estando eles ainda não satisfeitos – literalmente, “Eles não foram feitos estranhos para eles”; isto é, em relação às suas concupiscências ou desejos, eles não estavam na condição de “estrangeiros” ou estrangeiros; eles não foram separados deles. A palavra “luxúrias” aqui significa “desejos, desejos”. Não é usado aqui no sentido restrito em que está agora conosco. A referência é ao desejo deles por comida diferente do maná – por carne; e a ideia é que eles não contiveram seu desejo intenso, mesmo quando deveria ter sido totalmente satisfeito. Eles se entregaram ao excesso, e a consequência foi que muitos deles morreram.

enquanto a comida ainda estava em suas bocas – Mesmo enquanto eles estavam comendo, e estavam se entregando a esta maneira desenfreada. [Barnes, aguardando revisão]

31 a ira de Deus subiu contra eles; matou os mais robustos deles e abateu os jovens de Israel.

Comentário Barnes

a ira de Deus subiu contra eles – Veja Números 11:33 .

matou os mais robustos deles – literalmente, “matou entre os gordos”. Ou seja, os mais vigorosos entre eles foram cortados; as pessoas mais eminentes por posição, influência, força, valor. Até que ponto esse foi o efeito natural da indulgência em comer, e até que ponto foi um milagre direto, não pode agora ser determinado. Em ambos os casos, isso mostraria igualmente o descontentamento divino.

e abateu – Margin, como em hebraico, “feito para se curvar”. Ou seja, eles foram feitos para se curvar na morte.

os jovens de Israel. A ideia é de homens selecionados; homens que seriam escolhidos entre os outros; homens distinguidos pelo vigor ou influência. Não os idosos ou os fracos em particular, não aqueles de quem se espera que caiam naturalmente, mas homens fortes que se supõe serem capazes de resistir aos ataques comuns de doenças. Deus mostrou desta forma que o julgamento veio diretamente de suas mãos. [Barnes, aguardando revisão]

32 Com tudo isto ainda pecaram, e não creram nas maravilhas que ele fez.

Comentário Barnes

Com tudo isto ainda pecaram – Mesmo isso não os recuperou e impediu que pecassem. Julgamentos pesados ​​nem sempre impedem os homens de pecar. Não raro eles aproveitam esses julgamentos para pecar ainda mais.

e não creram nas maravilhas que ele fez – Eles não confiaram em suas obras maravilhosas; ou, essas obras não tiveram o efeito de produzir fé. Veja Salmos 78:22-23 . A mesma coisa aconteceu na vida do Salvador. João 12:37. [Barnes, aguardando revisão]

33 Por isso gastaram seus dias em futilidades, e seus anos em terrores.

Comentário Barnes

Por isso gastaram seus dias em futilidades – Ele permitiu que eles passassem seus dias – os dias de toda aquela geração – em vãs e infrutíferas peregrinações no deserto. Em vez de conduzi-los imediatamente para a terra prometida, eles foram mantidos lá para desgastar suas vidas em tediosa monotonia, sem realizar nada – vagando de um lugar para outro – até que toda a geração que havia saído do Egito morresse.

e seus anos em terrores – literalmente, “no terror”. Entre os problemas, os alarmes, os terrores de um vasto e assustador deserto. O pecado – rebelião contra Deus – leva a um curso de vida e uma morte, da qual essas peregrinações sombrias, tristes e desanimadoras pelo deserto eram um emblema notável. [Barnes, aguardando revisão]

34 Quando ele matava alguns dentre eles, então buscavam por ele, e se convertiam, e buscavam a Deus de madrugada.

Comentário Barnes

Quando ele matava alguns dentre eles – Quando ele saiu em sua ira e os cortou pela praga, por serpentes de fogo, ou por seus inimigos.

então buscavam por ele – Suas calamidades tiveram o efeito de produzir uma reforma temporária. Eles se tornaram declaradamente penitentes; eles manifestaram o desejo de conhecer a Deus e expressaram o propósito de servi-lo. Foi, no entanto, uma reforma temporária e vazia, não uma reforma profunda e real. Isso ocorre com frequência. Em tempos de aflição, doença, luto, perda de propriedade, as pessoas tornam-se sérias e expressam o propósito de se arrepender e se voltar para Deus. Uma impressão profunda parece ser produzida em suas mentes, para durar, infelizmente! apenas enquanto a mão de Deus repousar sobre eles. Resoluções de arrependimento são formadas apenas para serem esquecidas quando a aflição for removida e quando os dias de prosperidade retornarem novamente.

e se convertiam, e buscavam a Deus de madrugada – A palavra traduzida “indagou cedo” refere-se aos primeiros raios da manhã – a aurora – o amanhecer. Então, isso denota o início de qualquer coisa; ou, a primeira coisa. Assim empregado, pode referir-se ao ato de buscar a Deus como a primeira coisa; na juventude; pela manhã; no início de qualquer empresa ou empreendimento. Veja Pro 8:17; Pro 1:28. Aqui, significa que, em sua aflição, eles não tardaram em buscar a Deus, mas expressaram desde cedo a intenção de servi-lo. Eles demonstraram um propósito imediato de romper com seus pecados e voltar para ele. [Barnes, aguardando revisão]

35 E se lembravam de que Deus era sua rocha, e que o Deus Altíssimo era o seu libertador.

Comentário Barnes

E se lembravam de que Deus era sua rocha – Veja Deuteronômio 32:4 , Deuteronômio 32:15 , Deuteronômio 32:31 . Compare as notas do Salmo 18:2 . Ou seja, eles foram levados a refletir que sua única segurança e defesa era Deus. Eles foram levados a sentir que não podiam confiar em si mesmos, ou em qualquer poder humano, e que sua única confiança estava em Deus.

o Deus Altíssimo era o seu libertador – O Deus que é exaltado sobre todos; o Deus verdadeiro e vivo. A verdade foi trazida a sua lembrança de que foi Ele quem os libertou do cativeiro no Egito e quem os libertou. Sobre a palavra “Redentor”, veja as notas em Isaías 41:14 . Compare Isaías 43:14 ; Isaías 44:6 , Isaías 44:24 ; Isaías 47:4 ; Isaías 59:20 ; Salmo 25:22 ; Jó 5:20. [Barnes, aguardando revisão]

36 Porém falavam bem dele da boca para fora, e mentiam com suas línguas.

Comentário Barnes

Porém falavam bem dele da boca para fora – A palavra traduzida por “lisonjear” significa propriamente “abrir”; e, portanto, “ser aberto; ser engenhoso ou franco”; e então, ser facilmente persuadido, ser iludido, ser enganado; e, portanto, também, de forma ativa, para persuadir, para induzir, para seduzir, para enganar, para iludir. O significado aqui é que eles tentaram enganar por meio de suas profissões, ou que suas profissões eram falsas e vazias. Essas profissões eram o mero resultado da aflição. Eles não eram baseados em nenhum princípio; não havia amor verdadeiro ou confiança na fundação. Essas profissões ou promessas costumam ser feitas na aflição. Sob a pressão de julgamentos pesados, perda de propriedade, perda de amigos ou problemas de saúde, as pessoas tornam-se sérias e decidem dar atenção à religião. Raramente tais propósitos são fundamentados na sinceridade, e as conversões aparentemente resultantes deles são verdadeiras conversões. A Septuaginta e a Vulgata Latina traduzem a frase aqui:”Eles amaram com a boca”.

e mentiam com suas línguas – Eles fizeram promessas que não cumpriram. [Barnes, aguardando revisão]

37 Porque o coração deles não era comprometido para com ele, e não foram fiéis ao pacto dele.

Comentário Barnes

Porque o coração deles não era comprometido para com ele – Lutero traduz isso, “Não jejue com ele.” A palavra hebraica significa “ajustar, preparar”; e a ideia é que o coração não foi “ajustado” a tal profissão, ou não “concordou” com tal promessa ou penhor. Era uma mera profissão feita pelos lábios, enquanto o coração permanecia inalterado. Veja as notas no Salmo 78:8 .

e não foram fiéis ao pacto dele – em manter sua aliança, ou em aderir a ela. Compare o Salmo 25:14 ; Salmo 44:17 . Veja também Salmos 78:8. [Barnes, aguardando revisão]

38 Porém ele, sendo misericordioso, perdoava a maldade deles, e não os destruía; e muitas vezes desviou de mostrar sua ira, e não despertou todo o seu furor;

Comentário Barnes

Porém ele, sendo misericordioso – literalmente, “Mas ele, misericordioso”, isto é, ele estava pronto para perdoá-los.

perdoava a maldade deles – literalmente, expiou, expiou, encobriu sua iniqüidade. A palavra está ligada à idéia de expiação ou expiação, como fundamento do perdão.

e não os destruía – Não os interrompeu em seus repetidos atos de rebelião. Ele os suportou e os poupou.

e muitas vezes desviou de mostrar sua ira – literalmente, Ele multiplicou para rejeitar sua raiva. Ou seja, ele fez isso repetidamente. Houve ocasiões frequentes em sua jornada para fazer isso, e ele o fez.

e não despertou todo o seu furor – literalmente, Não excitou, ou despertou toda a sua raiva. Sua raiva foi contida ou mitigada, e eles sofreram ainda para viver. [Barnes, aguardando revisão]

39 Porque se lembrou de que eles eram carne, e como o vento, que vai, e não volta mais.

Comentário Barnes

Porque se lembrou de que eles eram carne – Que eram humanos; que eles eram fracos; que eles estavam propensos a errar; que eles estavam sujeitos a cair em tentação. Em seu trato com eles, ele levou em consideração sua natureza decaída; seu treinamento; suas tentações; suas provações; suas fraquezas; e ele os julgou de acordo. Compare Salmos 103:14. Foi o que aconteceu com o Salvador ao tratar seus discípulos:“O espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”, Mt 26:41. Deus julgará as pessoas como elas são; ele não se esquecerá em seus julgamentos de que eles são pessoas, e que são fracos e fracos. As pessoas freqüentemente julgam seus semelhantes com muito mais severidade, com muito menos consideração por suas enfermidades e fraquezas, do que Deus mostra em seu trato com a humanidade. E, no entanto, são exatamente essas as pessoas que estão mais prontas para culpar a Deus por seus julgamentos. Se Deus agisse de acordo com o princípio e da maneira como agem, eles não poderiam esperar misericórdia de suas mãos. É bom para eles que não haja ninguém como eles no trono do universo.

e como o vento, que vai, e não volta mais – Que sopra por nós, e se foi para sempre. Que descrição notável é esta do homem! Quão verdadeiro para um indivíduo! Quão verdadeiro para uma geração! Quão verdadeiro é a corrida em geral! Deus se lembra disso quando pensa nas pessoas e trata com elas de acordo. Ele não é rude e severo, mas gentil e compassivo. Para o homem, um ser tão frágil – para a raça humana, tão frágil – para as gerações daquela raça, tão transitória, tão cedo passando do estágio da vida – ele está sempre disposto a mostrar compaixão. Ele não faz uso de seu grande poder para esmagá-los; ele prefere manifestar sua misericórdia em salvá-los. [Barnes, aguardando revisão]

40 Quantas vezes o provocaram no deserto, e o maltrataram na terra desabitada!

Comentário Barnes

Quantas vezes o provocaram no deserto – Margem, Ou, rebelem-se contra ele. A palavra hebraica pode ter o significado na margem. A ideia é que eles eram perversos e rebeldes; que excitaram seu descontentamento e deram motivo para sua ira. Veja Salmo 78:17. [Barnes, aguardando revisão]

41 Pois voltavam a tentar a Deus, e perturbavam ao Santo de Israel.

Comentário Barnes

Pois voltavam a tentar a Deus – Eles se desviaram de seu serviço; estavam dispostos a voltar ao Egito e a se colocar na condição em que se encontravam antes de serem libertados do cativeiro.

e perturbavam ao Santo de Israel – A idéia é que eles estabeleceram um limite para o poder de Deus; eles imaginavam ou alegavam – (e isso é uma coisa muitas vezes feita praticamente até mesmo pelo professo povo de Deus) – que havia uma fronteira com respeito ao poder que ele não poderia ultrapassar, ou que havia coisas a serem feitas que ele não tinha a capacidade de desempenho. A palavra original – תוה tâvâh – ocorre apenas três vezes nas Escrituras; em 1 Samuel 21:13 , onde é processado como rabiscado (na margem, marcas feitas); em Ezequiel 9:4, onde é processado definido, ou seja, defina uma marca (margem, marca); e no lugar diante de nós. É traduzido aqui pela Septuaginta e pela Vulgata Latina, para provocar a ira. DeWette traduz como problemático. Professor Alexander, “No Santo de Israel (eles) colocam uma marca.” A ideia da palavra parece ser a de deixar uma marca para qualquer propósito; e então significa delinear; para rabiscar; ou para definir uma marca para um limite ou fronteira. Assim, pode ser aplicado a Deus – como se, ao estimar seu caráter ou seu poder, eles estabelecessem limites ou limites para isso, como alguém faz ao delimitar uma fazenda ou um lote de casa em uma cidade ou vila. Havia um limite, em sua estimativa, para o poder de Deus, além do qual ele não poderia agir; ou, em outras palavras, seu poder foi definido e limitado, de modo que além de certo ponto ele não poderia ajudá-los. [Barnes, aguardando revisão]

42 Não se lembraram de sua mão, nem do dia em que os livrou do adversário.

Comentário Barnes

Não se lembraram de sua mão – Suas graciosas interposições; as manifestações de seu poder. Eles esqueceram que o poder que havia sido exercido mostrava que ele era onipotente – que não havia limite para sua capacidade de ajudá-los.

nem do dia em que os livrou do adversário – O tempo em que ele os resgatou. O poder então manifestado era suficiente para defendê-los e livrá-los de quaisquer novos perigos que pudessem acontecer. A margem é, de aflição. O hebraico admite qualquer uma das interpretações. O sentido não mudou materialmente. [Barnes, aguardando revisão]

43 Como quando ele fez seus sinais no Egito, e seus atos maravilhosos no campo de Zoã.

Comentário Barnes

Como quando ele fez seus sinais no Egito – Margem, definido. A palavra hebraica significa definir ou colocar. A palavra sinais aqui se refere a milagres como sinais ou indicações do poder e favor de Deus. As coisas que ele fez foram de natureza a mostrar que ele era todo-poderoso e, ao mesmo tempo, a assegurar-lhes sua disposição para protegê-los.

e seus atos maravilhosos no campo de Zoã – As coisas maravilhosas que ele fez; as coisas adequadas para provocar espanto ou espanto. Sobre a palavra Zoan, veja as notas no Salmo 78:12. [Barnes, aguardando revisão]

44 E transformou seus rios e suas correntes em sangue, para que não bebessem.

Comentário Barnes

E transformou seus rios e suas correntes em sangue – Êxodo 7:20 . Na verdade, havia apenas um rio no Egito – o Nilo. Mas havia vários braços desse rio na foz; e havia numerosos riachos ou canais artificiais cortados do rio, a qualquer um dos quais a palavra rio também poderia ser dada. Compare as notas em Isaías 11:15. [Barnes, aguardando revisão]

45 Enviou entre eles variedades de moscas, que os consumiu; e rãs, que os destruíram.

Comentário Barnes

Enviou entre eles variedades de moscas, que os consumiu – O relato dessa praga se encontra em Êxodo 8:24 . A palavra usada é simplesmente “enxame”, sem indicar do que o enxame era composto. Os rabinos explicam a palavra como denotando uma mistura, ou um confluxo de insetos nocivos, como se a palavra fosse derivada de ערב ‛ârab -” misturar “. A Septuaginta o torna κυνόμνια kunomnia – “mosca de cachorro” – que Filo descreve como assim chamado por sua impudência. A explicação comum da palavra agora é que ela denota uma espécie de mosca – a mosca – extremamente problemática para o homem e os animais, e que seu nome – ערב ‛ârôb – deriva do verbo ערב‛ ârab, em um de seus significações para sugar e, portanto, a alusão a sugar o sangue dos animais. A palavra ocorre apenas nos seguintes lugares, Êxodo 8:, Êxodo 8:24 , Êxodo 8:29 , Êxodo 8:31 , onde é traduzido como enxame, ou enxames, e Salmo 105:31 , onde (como aqui) é traduzido como várias espécies de moscas.

e rãs, que os destruíram – Êxodo 8:6 . A ordem em que ocorreram as pragas não é preservada no relato do salmo. [Barnes, aguardando revisão]

46 E deu suas colheitas ao pulgão, e o trabalho deles ao gafanhoto.

Comentário Barnes

E deu suas colheitas ao pulgão – O aumento ou a produção de seus campos. Êxodo 10:12-14 . A palavra חסיל châsı̂yl – supostamente denota uma espécie de gafanhoto em vez de lagarta. Literalmente significa o devorador. Em nossa versão, entretanto, é representado uniformemente como lagarta como aqui; 1 Reis 8:37 ; 2 Crônicas 6:28 ; Isaías 33:4 ; Joel 1:4 ; Joel 2:25 . Não ocorre em nenhum outro lugar.

e o trabalho deles ao gafanhoto – O fruto de seu trabalho; as colheitas em seus campos. [Barnes, aguardando revisão]

47 Com saraiva destruiu suas vinhas, e suas figueiras-bravas com granizo.

Comentário Barnes

Com saraiva destruiu suas vinhas – Margem, morto. Veja Êxodo 9:22-26 . No relato em Êxodo, é dito que o granizo atingiu o homem e os animais, a erva e a árvore do campo. No salmo apenas uma coisa é mencionada, talvez denotando a ruína pelo que seria particularmente sentido na Palestina, onde o cultivo da uva era tão comum e tão importante.

e suas figueiras-bravas com granizo – O sicômoro é mencionado principalmente por dar beleza poética à passagem. Sobre a árvore de sicômoro, o Dr. Thomson comenta (“land and the Book”, vol. Ip 25), “É uma árvore tenra, floresce imensamente em planícies arenosas e vales quentes, mas não pode suportar a montanha dura e fria. a geada os matará; e isso concorda com o fato de que foram mortos por ela no Egito. Entre as maravilhas realizadas no campo de Zoã, Davi diz:’Ele destruiu suas vinhas com granizo e seus sicômoros com geada.’ Certamente, uma geada forte o suficiente para matar o sicômoro seria uma das maiores ‘maravilhas’ que poderia acontecer nos dias de hoje neste mesmo campo de Zoan. ” A palavra traduzida como “geada” – חנמל chănâmâl – não ocorre em nenhum outro lugar. É paralelo à palavra granizo no outro membro da frase e denota algo que seria destrutivo para as árvores. A Septuaginta, a Vulgata e os árabes transformam-no em geada. Gesenius o transforma em formigas. [Barnes, aguardando revisão]

48 E entregou seu gado à saraiva; e seus animais a brasas ardentes.

Comentário Barnes

E entregou seu gado à saraiva – Margem, ele se calou. Êxodo 9:22-25 .

e seus animais a brasas ardentes – Margem, relâmpagos. A palavra original significa chama; então, relâmpago. Não há nenhuma alusão na palavra à ideia de um raio, ou flecha, acompanhando o relâmpago ou o trovão, pelo qual a destruição é produzida. A destruição é causada pelo raio, e não pelo trovão, e nem é necessário dizer que não há uma flecha ou parafuso que a acompanha. Provavelmente, essa noção foi entretida anteriormente e encontrou seu caminho para a linguagem comum usada. A mesma ideia é mantida por nós na palavra raio. Mas essa ideia não está no original; nem há qualquer fundamento para isso de fato. [Barnes, aguardando revisão]

49 Mandou entre eles o ardor de sua ira:fúria, irritação e angústia, enviando mensageiros do mal.

Comentário Barnes

Mandou entre eles o ardor de sua ira:fúria, irritação e angústia – Este versículo é projetado para descrever a última e a mais terrível das pragas que sobrevieram aos egípcios, a morte de seu primogênito; e, portanto, existe esse acúmulo de expressões:raiva – raiva feroz – ira – indignação – problema. Todas essas expressões são projetadas para serem enfáticas; todas essas coisas foram combinadas quando o primogênito foi morto. Não havia forma de aflição que pudesse superar isso; e nesta prova todas as expressões do descontentamento divino pareciam esgotadas. Significava que esta deveria ser a última das pragas; significava que a nação deveria ser humilhada e desejava que o povo de Israel fosse embora.

enviando mensageiros do mal – Há referência aqui, sem dúvida, ao assassinato do primogênito no Egito. Êxodo 11:4-5 ; Êxodo 12:29-30 . Esta obra é atribuída à agência de um destruidor ( Êxodo 12:23 ; compare com Hebreus 11:28 ), e a alusão parece ser a um anjo destruidor, ou a um anjo empregado e comissionado para realizar tal trabalho. Compare 2 Samuel 24:16 ; 2 Reis 19:35 . A ideia aqui não é que o próprio anjo fosse mau ou perverso, mas que ele era o mensageiro do mal ou da calamidade; ele foi o instrumento pelo qual essas aflições foram trazidas sobre eles. [Barnes, aguardando revisão]

50 Ele preparou o caminho de sua ira; não poupou suas almas da morte, e entregou seus animais à peste.

Comentário Barnes

Ele preparou o caminho de sua ira – Margem, ele pesou um caminho. Ele traçou um caminho para isso; ele removeu todos os obstáculos; ele permitiu que tivesse um escopo livre. A ideia de pesar não está no original. A alusão é a uma preparação feita pela qual se pode marchar livremente e sem qualquer obstrução. Veja as notas em Isaías 40:3-4 .

não poupou suas almas da morte – Ele não poupou suas vidas. Ou seja, ele os entregou à morte.

e entregou seus animais à peste – Margem, seus animais ao assassinato. O original admitirá qualquer uma das interpretações, mas a conexão parece antes exigir a interpretação que está no texto. Ambas as coisas, no entanto, ocorreram. [Barnes, aguardando revisão]

51 E feriu mortalmente a todo primogênito no Egito; as primícias nas forças nas tendas de Cam.

Comentário Barnes

E feriu mortalmente a todo primogênito no Egito – Veja Êxodo 11:4-5 ; Êxodo 12:29-30 .

as primícias nas forças – Aqueles em quem confiavam; seu primogênito; seu orgulho; sua glória; seus herdeiros. Compare Gênesis 49:3 .

nas tendas de Cam – As tendas; as moradas de Cam; isto é, do Egito. Compare Gênesis 10:6 ; Salmo 105:23 , Salmo 105:27 ; Salmo 106:22. [Barnes, aguardando revisão]

52 E levou a seu povo como a ovelhas; e os guiou pelo deserto como a um rebanho.

Comentário Barnes

Quer dizer, ele era um pastor para eles. Ele os defendeu; fornecido para eles; os guiou – como um pastor conduz seu rebanho. Veja as notas no Salmo 23:1-2. [Barnes, aguardando revisão]

53 Ele os conduziu em segurança, e não temeram. O mar encobriu seus inimigos.

Comentário Barnes

Ele os conduziu em segurança, e não temeram – Na esperança; em confiança; de modo que não tiveram ocasião de alarmar. Ele se mostrou capaz e disposto a defendê-los.

O mar encobriu seus inimigos – Margem, como em hebraico, coberta. Veja Êxodo 14:27-28 ; Êxodo 15:10. [Barnes, aguardando revisão]

54 E os trouxe até os limites de sua terra santa, até este monte, que sua mão direita adquiriu.

Comentário de A. R. Fausset

limites de sua terra santa – ou, “fronteira sagrada” – ou seja, região de que

este monte – (Sião) era, como a sede do governo civil e religioso, o representante, usado para toda a terra, como depois para a Igreja (Is 25: 6, Is 25: 7).

adquiriu – ou “adquirido por Sua mão direita” ou poder (Salmo 60:5). [JFB, aguardando revisão]

55 E expulsou as nações de diante deles, e fez com que eles repartissem as linhas de sua herança, e fez as tribos de Israel habitarem em suas tendas.

Comentário Barnes

E expulsou as nações de diante deles – literalmente, as nações. A ideia de serem pagãos, no sentido que agora está vinculado a essa palavra, não está no original. A palavra é aquela que se aplica a qualquer nação, sem referência à sua religião. Essas nações eram, de fato, pagãs de acordo com o uso atual desse termo, mas essa ideia não está necessariamente na palavra hebraica.

e fez com que eles repartissem as linhas de sua herança – Dividiu para seu povo uma herança por medida da terra. Ou seja, a terra foi repartida entre as tribos, por meio de um levantamento, fixando seus limites e fronteiras. Ver Josué 13:7 ; 18; 19

e fez as tribos de Israel habitarem em suas tendas – Para habitarem segura e silenciosamente, não mais vagando de um lugar para outro, mas tendo uma habitação fixa e um lar. [Barnes, aguardando revisão]

56 Porém eles tentaram e provocaram ao Deus Altíssimo; e não guardaram os testemunhos dele.

Comentário Barnes

Eles testaram a paciência de Deus e o irritaram depois de se estabelecerem pacificamente na terra prometida. Veja Juízes 2:10-13 . O objetivo é mostrar que o caráter do povo era o de se afastar de Deus. Compare Salmo 78:10-11 , nota; Salmo 78:17 , nota; Salmo 78:40 , nota. [Barnes, aguardando revisão]

57 E voltaram a ser tão infiéis como os seus pais; desviaram-se como um arco enganoso.

Comentário Whedon

desviaram-se como um arco enganoso – o hebraico, um arco de astúcia, não envia a flecha direto para o alvo, devido à força e elasticidade desiguais de suas partes. Os 7:16. Ou, se colocarmos o arco por metonomia para o arqueiro, como em Is 21:17 e em outros lugares, é aquele que propositalmente desvia a flecha do alvo – não confiável, traiçoeiro. As palavras mais comuns para pecado, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, (חשׂא, αμαρτια,) são derivadas de verbos que significam literalmente errar, errar o alvo. A falta de fé e o engano fornecem a ideia fundamental.

Irregularidades na adoração, imoralidades na vida, a adoção de idolatria e costumes pagãos, desfiguram a história dos israelitas durante o período dos Juízes, ao qual o Salmo 78:56-58 se refere exclusivamente. [Whedon, aguardando revisão]

58 E provocaram a ira dele com seus altares pagãos, e com suas imagens de escultura moveram-no de ciúmes.

Comentário Barnes

E provocaram a ira dele com seus altares pagãos – lugares onde os ídolos eram adorados; geralmente em montanhas ou lugares elevados. Levítico 26:30 ; compare com 1 Reis 3:2 ; 1 Reis 12:31-32 ; 2 Reis 17:32 ; 2 Crônicas 33:17 .

moveram-no de ciúmes – Como alguém é quando as afeições devidas a si mesmo são concedidas a outro – como na vida de casado. “Com suas imagens gravadas.” Seus ídolos. Imagens de escultura são colocadas aqui para ídolos em geral. [Barnes, aguardando revisão]

59 Deus ouviu isto, e se indignou; e rejeitou gravemente a Israel.

Comentário Barnes

Deus ouviu isto – literalmente, “Deus ouviu”; isto é, ele entendeu isso; ele estava familiarizado com isso. Ele ouviu suas orações dirigidas a falsos deuses; ele ouviu seus louvores cantados em homenagem aos ídolos.

e se indignou – Esta é a linguagem tirada da maneira comum de falar entre as pessoas, pois a linguagem derivada de conceitos e usos humanos deve ser empregada quando falamos de Deus, embora possa ser difícil dizer qual é o seu significado exato. A sensação geral é que sua conduta em relação a eles era como se ele estivesse com raiva; ou foi o que é usado por um homem que está descontente.

e rejeitou gravemente a Israel – A idéia da palavra traduzida abominável é a de rejeitá-los com aversão; isto é, a referência não é meramente ao sentimento ou emoção interna, mas ao ato que é o acompanhamento adequado de tal sentimento interno. Ele os rejeitou; ele os tratou como se não fossem seus. O acréscimo da palavra “grandemente” mostra o quão intenso era esse sentimento; como estava decidida sua aversão à conduta deles. [Barnes, aguardando revisão]

60 Por isso ele abandonou o tabernáculo em Siló, a tenda que ele havia estabelecido como habitação entre as pessoas.

Comentário Barnes

Por isso ele abandonou o tabernáculo em Siló – O tabernáculo ou tenda que havia sido erguido em Shiloh. Ele abandonou aquele lugar onde deveria ser adorado; isto é, ele fez com que seu tabernáculo, ou seu local de adoração, fosse erguido em outro lugar, a saber, no Monte Sião. Veja o Salmo 78:68 . O nome Shiloh significa propriamente um lugar de descanso, e parece ter sido dado a este lugar como tal, ou como um lugar onde a arca poderia permanecer após suas migrações. Shiloh era uma cidade dentro dos limites da tribo de Efraim, em uma montanha ao norte de Betel. Aqui, a arca de Deus permaneceu por muitos anos depois de entrar na terra prometida. Josué 18:1 ; Juízes 18:31 ; Juízes 21:12 , Juízes 21:19 ; 1 Samuel 1:3, 1 Samuel 1:24 ; 1 Samuel 2:14 ; 1 Samuel 4:3-4 . A arca, depois de ser tomada pelos filisteus, nunca foi devolvida a Siló, mas foi depositada sucessivamente em 1 Samuel 21:1-6 de Nob 1 Samuel 21:1-6 , e em 1 Reis 3:4 de Gibeão , até que Davi armou um tabernáculo para ela no Monte Sião 1 Crônicas 15:1 . O significado aqui é que, em conseqüência dos pecados do povo, o local de adoração foi finalmente e para sempre removido da tribo de Efraim, dentro de cujos limites estava Siló, para a tribo de Judá e para o Monte Sião.

a tenda que ele havia estabelecido como habitação entre as pessoas – Foi o lugar que ele escolheu como sua morada na terra. [Barnes, aguardando revisão]

61 E entregou o símbolo de seu poder em cativeiro, e sua glória na mão do adversário.

Comentário Barnes

E entregou o símbolo de seu poder em cativeiro – Ou seja, a arca, considerada como o símbolo de seu poder. Isso constituiu a defesa do povo; este era o emblema da presença de Deus, que, quando com eles, era sua verdadeira proteção. A alusão aqui é à época em que a arca foi levada pelos filisteus nos dias de Eli. Veja 1 Samuel 4:3-11 .

e sua glória – Aquilo que era emblemático de sua glória, a saber, a arca.

na mão do adversário – A mão ou poder dos filisteus. [Barnes, aguardando revisão]

62 E entregou seu povo à espada, e enfureceu-se contra sua herança.

Comentário Barnes

E entregou seu povo à espada – Quando a arca foi tomada, 1 Samuel 4:10 . Trinta mil dos filhos de Israel caíram naquela ocasião.

e enfureceu-se contra sua herança – Estava com raiva de seu povo, considerado como sua herança; isto é, considerado como seu próprio povo especial, ou sua posse. [Barnes, aguardando revisão]

63 O fogo consumiu a seus rapazes, e suas virgens não tiveram músicas de casamento.

Comentário Barnes

O fogo consumiu a seus rapazes – O fogo aqui pode ser considerado uma imagem de guerra destrutiva, como em Números 21:28 :”Porque um fogo saiu de Hesbom, uma chama da cidade de Siom:consumiu Ar de Moabe “, etc. A ideia aqui é que os jovens foram isolados na guerra.

e suas virgens não tiveram músicas de casamento – Como os jovens que teriam entrado nesta relação foram cortados na guerra. A margem aqui é elogiada; “As donzelas não foram elogiadas.” Isso está de acordo com o hebraico. A ideia é:”Suas virgens não eram elogiadas em canções nupciais”; ou seja, não houve celebrações de casamento; nenhuma canção como a geralmente composta nessas ocasiões em louvor às noivas. A Septuaginta e a Vulgata latina traduzem isso com muito menos precisão e muito menos beleza, não foram lamentadas. [Barnes, aguardando revisão]

64 Seus sacerdotes caíram à espada, e suas viúvas não lamentaram.

Comentário Barnes

Seus sacerdotes caíram à espada – compare 1 Samuel 4:11 . Foi considerado uma calamidade especial que os ministros da religião foram mortos na guerra.

e suas viúvas não lamentaram – Ou seja, os problemas públicos eram tão grandes, o perigo ainda era tão iminente, as calamidades se agravaram tão rapidamente, que não houve oportunidade para luto público por procissões formais de mulheres, e fortes lamentações, como eram usuais nessas ocasiões. Veja as notas em Jó 27:15 . O significado não é que houvesse falta de afeto ou apego por parte dos amigos dos mortos, ou que não houvesse uma dor real, mas que não havia oportunidade de demonstrá-la da maneira costumeira. [Barnes, aguardando revisão]

65 Então o Senhor despertou como que do sono, como um homem valente que se exalta com o vinho.

Comentário Barnes

Então o Senhor despertou como que do sono – literalmente, como quem dorme; isto é, como quem está dormindo de repente se desperta. O Senhor parecia ter dormido ou não estava atento ao que estava acontecendo. De repente, ele se levantou para infligir vingança aos inimigos de seu povo. Compare Salmo 7:6 , nota; Salmo 44:23 , nota.

como um homem valente – A alusão provavelmente é a um guerreiro.

que se exalta com o vinho – A idéia apropriada aqui é cantar, ou levantar a voz em exultação e regozijo; a ideia de um homem que canta e grita enquanto é excitado pelo vinho e enquanto avança para o conflito e a vitória. Não é incomum nas Escrituras comparar Deus, conforme ele sai para cumprir seus propósitos sobre seus inimigos, com um guerreiro. Veja Êxodo 15:3 ; Salmo 24:8. [Barnes, aguardando revisão]

66 E feriu a seus adversários, para que recuassem, e lhes pôs como humilhação perpétua.

Comentário Barnes

E feriu a seus adversários, para que recuassem – Por trás; isto é, enquanto eles fugiam. Há duas idéias aqui:uma, que eles fugiram quando ele se aproximou ou viraram as costas; o outro, que enquanto fugiam, ele os feriu e destruiu.

e lhes pôs como humilhação perpétua – Como desconcertados; como derrotado e disperso; como incapaz de lutar com ele. A alusão é, provavelmente, às vitórias de Davi, ocorridas após os eventos relatados nos versículos anteriores. [Barnes, aguardando revisão]

67 Porém ele rejeitou a tenda de José, e não escolheu a tribo de Efraim.

Comentário Barnes

Porém ele rejeitou a tenda de José – Como um lugar onde sua adoração deveria ser celebrada. Esta é a conclusão da declaração do Salmo 78:60 . O objetivo é mostrar que houve uma transferência da preeminência da tribo de Efraim para a tribo de Judá e de Siló para Sião. José é mencionado aqui como o pai de Efraim, de quem uma das tribos – (uma das mais influentes e numerosas) – foi nomeada. Jacó teve doze filhos, dos quais as doze tribos em geral receberam seus nomes. Como a tribo de Levi, entretanto, sendo devotada ao trabalho sacerdotal, não foi contada como uma das doze, o número foi somado dando aos descendentes dos dois filhos de José – Efraim e Manassés Gênesis 48:5- um lugar entre as tribos; e, por causa disso, o nome Joseph não aparece como uma das doze tribos. No entanto, José é mencionado aqui, como o ancestral de um deles – o de Efraim, de quem a prioridade e supremacia foram retiradas em favor da tribo de Judá.

e não escolheu a tribo de Efraim – Para ser a tribo dentro de cujos limites o tabernáculo deveria ser estabelecido permanentemente; ou dentro de cujos limites o local de culto público seria finalmente estabelecido. [Barnes, aguardando revisão]

68 Mas escolheu a tribo de Judá, o monte de Sião, a quem ele amava.

Comentário Barnes

Mas escolheu a tribo de Judá – Ele escolheu Davi da tribo de Judá como governante e rei; ele escolheu um lugar dentro dos limites de Judá, a saber, o Monte Sião ou Jerusalém, como o lugar onde sua adoração seria celebrada. Assim, a antiga predição com respeito à supremacia de Judá foi cumprida. Gênesis 49:8-10 .

o monte de Sião, a quem ele amava – Que ele escolheu, pelo qual ele tinha uma afeição. Compare o Salmo 87:2. [Barnes, aguardando revisão]

69 E edificou seu santuário como alturas; como a terra, a qual ele fundou para sempre.

Comentário Barnes

E edificou seu santuário – Seu lugar santo; isto é, seu tabernáculo. O templo não foi construído; e, quando criado, não era no Monte Sião, mas no Monte Moriá. O nome Sião, entretanto, era freqüentemente dado a toda a cidade.

como alturas. O hebraico significa simplesmente lugares altos, como colinas ou montanhas. O significado é que seu santuário foi exaltado, como se estivesse situado em uma colina alta. Era um objeto notável; pode ser visto de longe; era a coisa mais proeminente do país. Veja as notas em Isaías 2:2 .

como a terra – permanente e estabelecida.

a qual ele fundou para sempre – Margem, como em hebraico, fundada. A terra é freqüentemente representada como fundada ou estabelecida em uma base sólida e, portanto, torna-se um emblema de estabilidade e perpetuidade. [Barnes, aguardando revisão]

70 E ele escolheu a seu servo Davi; e o tomou dos apriscos de ovelhas.

Comentário Barnes

E ele escolheu a seu servo Davi – Ele o escolheu para que ele pudesse colocá-lo sobre seu povo como seu rei. A ideia é que Davi foi escolhido quando não tinha pretensões naturais para o cargo, visto que não pertencia a uma família real e não podia ter direito a tal distinção. O relato dessa escolha está contido em 1 Samuel 15:1-30 .

e o tomou dos apriscos de ovelhas – Da humilde ocupação de pastor. 1 Samuel 16:11 ; 2 Samuel 7:8. [Barnes, aguardando revisão]

71 Ele o tirou de cuidar das ovelhas geradoras de filhotes, para que ele apascentasse ao seu povo Jacó; e à sua herança Israel.

Comentário Barnes

Ele o tirou de cuidar das ovelhas geradoras de filhotes – Margem, como em hebraico, De depois. O significado é que ele os seguiu; isto é, ele os atendia ou cuidava deles como um pastor. A única palavra traduzida como “as ovelhas grandes com crias” – עול ‛ûl – é um particípio de עלוה‛ âlâhô, ascender, subir; e então, para criar, para nutrir. A idéia exata aqui é, sem dúvida, a de trazê-los à tona, ou de sugá-los, e a palavra deveria ter sido assim traduzida aqui. É assim traduzido por Lutero. A ideia em nossa tradução foi derivada da Septuaginta e da Vulgata Latina. O significado é que ele o fez deixar de ser um pastor para ser o governante de seu povo – expresso ainda na linguagem da vida de um pastor.

para que ele apascentasse ao seu povo Jacó – Em vez disso, para ser um pastor para eles; desempenhar em relação a eles o ofício de pastor, incluindo as idéias de governá-los, provê-los e defendê-los. Veja as notas no Salmo 23:1-2 .

72 E ele os apascentou com um coração sincero, e os guiou com as habilidades de suas mãos.

Comentário Barnes

E ele os apascentou – Ele desempenhou para eles o ofício de pastor.

com um coração sincero – literalmente, “De acordo com a perfeição de seu coração.” Ou seja, ele era justo e puro na administração de seu governo.

e os guiou com as habilidades de suas mãos – literalmente, “pelo entendimento de suas mãos” – como se a mão fosse dotada de inteligência. Compare o Salmo 144:1:“O que ensina as minhas mãos a guerrear e os meus dedos a pelejar”. Veja também Salmos 137:5. A ideia é que ele administrou o governo com integridade e retidão. Esta é uma bela homenagem à integridade e pureza da administração de Davi. Não é a linguagem da lisonja; é uma afirmação simples, que brota do coração, a favor de uma administração justa e íntegra; e é uma declaração verdadeira de como foi a administração de Davi. Exceto no caso de Urias – pelo qual ele depois chorou tão amargamente – sua administração foi eminentemente justa, pura, imparcial, sábia e benigna; provavelmente nenhum entre as pessoas o foi mais. Todo o salmo é, portanto, um belo argumento que mostra por que o governo foi transferido de Efraim para Judá e por que foi colocado nas mãos de Davi. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 77 Salmo 79>

Introdução ao Salmo 78

Autoria. Este é um dos salmos atribuídos a Asafe. Veja a Introdução ao Salmo 73. Se, como é provável, foi composto em um período posterior à época de Davi, a palavra “Asafe” deve ser tomada como um termo geral que denota o sucessor na família de Asafe, que presidia a música do santuário. Sobre a palavra “Masquil” no título, veja as notas no título do Salmo 32.

Ocasião. A época em que o salmo foi composto não pode agora ser determinada com qualquer certeza. Evidentemente foi escrito, no entanto, após a revolta das dez tribos e o estabelecimento da soberania na tribo de Judá; isto é, depois da época de Davi e Salomão. Isso é evidente no Salmo 78:9,67, onde “Efraim”, o chefe das dez tribos, é citado em distinção a “Judá”.

O propósito do salmo é, evidentemente, justificar o fato de que Efraim havia sido rejeitado e que Judá havia sido escolhido para ser a cabeça da nação. A razão disso foi encontrada na conduta de Efraim, ou das dez tribos, ao se rebelar contra Deus e ao esquecer a divina misericórdia e compaixão mostradas ao povo hebreu nos dias anteriores. Veja Salmos 78:9-11,67-68.

Conteúdo. O argumento do salmo é o seguinte:

I. Um apelo a todo o povo, dirigido a eles pelo rei ou governante, para atender às instruções dos tempos anteriores – as lições que era importante transmitir às gerações futuras (Salmo 78:1-4).

II. Deus estabeleceu uma lei geral que ele designou para todo o povo, ou que ele pretendia que fosse a lei da nação como tal – que todo o povo pudesse colocar sua esperança em Deus, ou ser adoradores dEle como o único Deus verdadeiro, e para que todos pudessem ser um só povo (Salmo 78:5-80.

III. Efraim – a mais poderosa das dez tribos, e seu chefe e representante – era culpada de desrespeitar aquela lei e se recusou a vir em defesa da nação (Salmo 78:9-11).

IV. A maldade dessa rebelião é demonstrada pelos grandes favores que, em sua história anterior, Deus havia mostrado à nação como tal, incluindo essas mesmas tribos (Salmo 78:12-66).

V. A razão é declarada, baseada em sua apostasia, por que Deus rejeitou Efraim, e por que ele escolheu Judá, e fez de Sião a capital da nação, em vez de selecionar um lugar dentro dos limites da tribo de Efraim para esse propósito (Salmo 78:67-68).

VI. O fato é declarado que Davi foi escolhido para governar o povo; que ele havia sido tirado de uma vida humilde e feito governante da nação, e que a linhagem soberana havia sido estabelecida nele (Salmo 78:69-72). [Barnes, Revisar]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.