Provérbios 8

A excelência da Sabedoria

1 Por acaso a sabedoria não clama, e o entendimento não solta sua voz?

Por acaso a sabedoria não clama – ou seja, chama em voz alta. A forma negativa da pergunta implica uma resposta afirmativa. É uma maneira convincente de dizer que ela faz essas coisas. A resposta implícita está em Pv 8:2-3:compare com Pv 1:20. [Whedon, 1874]

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

2 Nos lugares mais altos, junto ao caminho, nos cruzamentos, ela se coloca;
[a sabedoria] se colocacomo uma pessoa que faz uma proclamação pública, “nos lugares mais altos, junto ao caminho, nos cruzamentos”. A ideia é que a sabedoria quer ser vista e ouvida, como alguém que tem uma importante mensagem pública a transmitir – importante para todos. [Whedon, 1874]

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

3 junto às portas, à entrada da cidade, na entrada dos portões, ela grita:

Compare com Mt 22:9Lc 14:21-23Rm 15:18-21.

portasentrada da cidadeentrada dos portões. Lugar com um bom fluxo de pessoas. “A ideia é que a sabedoria quer ser vista e ouvida, como alguém que tem uma importante mensagem pública a transmitir – importante para todos” (Whedon, 1874).

4 'A vocês, homens, eu clamo; e ti, humanidade, se dirige a minha voz.

Compare com Sl 49:1-3Sl 50:1Mt 11:15; 2Co 5:19,20Cl 1:23,28.

humanidade (Waltke, NVI, NVT) – ou então, “filhos dos homens” (NAA, A21, BKJ).

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

5 Ingênuos, entendam a prudência; e tolos, entendam a sabedoria.

Compare com Pv 1:22Pv 9:4Sl 19:7Sl 94:8; Is 55:1-3; 1Co 1:281Co 6:9-11.

tolos, entendam a sabedoria (NAA, NVI, A21) – ou então, tolos, colocai nela o coração (Waltke).

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

6 Escutem, pois falarei coisas excelentes; os meus lábios dirão o que é certo.

falarei coisas excelentes (compare com Pv 2:6,7Pv 4:2,20,22Pv 22:20,21Sl 19:7-11Sl 49:31Co 2:6,7Cl 1:26).

os meus lábios dirão o que é certo (compare com Jó 33:1-3Mt 5:2Mt 7:28,29Mt 13:35).

7 Porque minha boca declarará a verdade; e meus lábios abominam a maldade.

minha boca declarará a verdade (compare com Jó 36:4Jo 1:17Jo 8:14,45,46Jo 14:6Jo 17:17Jo 18:37Ap 3:14).

meus lábios abominam a maldade (compare com Pv 12:22Pv 16:12Pv 29:27).

8 Todas as palavras da minha boca são justas; não há nelas coisa alguma que seja distorcida ou perversa.

Todas as palavras da minha boca são justas (compare com Sl 12:6Is 63:1).

não há nelas coisa alguma que seja distorcida ou perversa (compare com Pv 8:13Jo 7:46).

9 Todas elas são corretas para os que entendem; e justas para os que encontram conhecimento.

Todas elas são corretas para os que entendem (NAA, A21) – ou então, Todas elas são claras para os que entendem (NVI, BKJ, NVT).

Compare com Pv 14:6Pv 15:14,24Pv 17:24Pv 18:1,2,15Sl 19:7,8Sl 25:12-14Sl 119:98-100; Mt 13:11,12Jo 6:45Jo 7:171Co 2:14,15Tg 1:5.

10 Aceitem a minha instrução, e não a prata; e o conhecimento, mais do que o ouro fino escolhido.
11 Pois a sabedoria é melhor do que rubis, e tudo o que se possa desejar não se compara com ela.

a sabedoria é melhor do que rubis (compare com Pv 3:14Pv 4:5-7Pv 16:16Pv 20:15Jó 28:15-19Sl 19:10Sl 119:127Mt 16:26Fp 3:8,9) – ou seja, que pedras preciosas.

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

12 Eu, a sabedoria, moro com a prudência, e disponho de conhecimento e discrição.

sabedoria (compare com Sl 104:24Is 55:8,9Rm 11:33Ef 1:8Ef 3:10Cl 2:3).

prudência (compare com Ex 31:3-6Ex 35:30-35Ex 36:1-41Rs 7:141Cr 28:12,192Cr 13:14Is 28:26). Segundo Waltke (2010), prudência significa “a capacidade de fazer planos”.

e disponho de conhecimento e discrição – ou então, “o conhecimento e a prudência eu encontro” (Waltke), ou então, “disponho de conhecimento e de conselhos (NAA); ou então, “e tenho o conhecimento que vem do bom senso (NVI).

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

13 O temor do SENHOR é odiar o mal; eu odeio a soberba e a arrogância, o mal caminho e a boca perversa.

O temor do SENHOR é odiar o mal (compare com Pv 16:6Sl 97:10Sl 101:3Sl 119:104,128Am 5:15Rm 12:91Ts 5:222Tm 2:19).

eu odeio a soberba e a arrogância (compare com Pv 6:16-191Sm 2:3Sl 5:4,5Sl 138:6; 1Pe 5:5).

a boca perversa (compare com Pv 4:24Pv 6:12Pv 10:31).

14 Meu é o conselho e a verdadeira sabedoria; eu sou o entendimento; meu é o poder.

Meu é o conselho (compare com Is 9:6Is 40:14Jo 1:9Rm 11:33,34; Cl 2:3).

a verdadeira sabedoria (compare com Pv 2:6,7Rm 1:22).

meu é o poder (compare com Pv 24:5Ec 7:19Ec 9:16-18).

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

15 Por meio de mim os reis governam, e as autoridades decretam justiça.

as autoridades decretam justiça (compare com 1Rs 3:9,281Rs 5:71Rs 10:9Sl 72:1-4Sl 99:4Is 1:26Is 32:1,2Jr 33:15Ap 19:11).

16 Por meio de mim os príncipes e os nobres governam — todos os juízes da terra.
17 Eu amo os que me amam; e os que me buscam me encontram.

Eu amo os que me amam (compare com 1Sm 2:30Sl 91:14Jo 14:21,23Jo 16:271Jo 4:19).

os que me buscam me encontram (compare com Is 55:6Mt 6:33Mt 7:7,8Tg 1:5) – ou então, “os que cedo me buscarem, me acharão” (BKJ, ACF); ou então, os que diligentemente me buscarem, me acharão (Waltke, A21).

🔗 Jesus é a verdadeira sabedoria a ser amada e buscada, ouça este devocional de Charles Spurgeon. (3 minutos)

18 Riquezas e honra estão comigo, bens duráveis e justiça.

Riquezas e honra estão comigo (compare com Pv 3:16Pv 4:7-9Tg 2:5).

justiça (compare com Pv 11:4Mt 6:33Fp 3:8,9).

19 Meu fruto é melhor do que o ouro, melhor do que o ouro refinado; e o meu rendimento é melhor do que a prata escolhida.

Compare com Pv 8:10Pv 3:14Ec 7:12.

20 Ando pelo caminho da retidão, no meio das veredas da justiça,

Ando pelo caminho da retidão (compare com Pv 3:6Pv 4:11,12Pv 6:22Sl 23:3Sl 25:4,5Salmo 32:8Is 2:3).

no meio das veredas da justiça (compare com Pv 4:25-27Dt 5:32).

21 para dotar de bens os que me amam, e encher seus tesouros.

para dotar de bens os que me amam (compare com Pv 8:18; Rm 8:17Hb 10:34).

A eternidade da Sabedoria

22 O SENHOR me criou no princípio dos seus caminhos; antes de suas obras mais antigas.

O SENHOR me criou no princípio dos seus caminhos (Waltke, A21, NVI) – ou então, O SENHOR me possuiu no princípio dos seus caminhos (NAA, BKJ, ACF).

Compare com Pv 3:19Jo 1:1,2Cl 1:17.

23 Fui estabelecida desde a eternidade, desde o princípio, antes que a terra existisse.

Compare com Jo 17:24; 1Jo 1:1,2.

24 Fui gerada quando ainda não havia abismos, quando ainda não havia fontes abundantes de água.
25 Fui gerada antes que os montes fossem firmados, antes que houvessem colinas.
26 Quando ele ainda não tinha feito a terra, nem os campos, nem o princípio do pó do mundo.

Quando ele ainda não tinha feito a terra (compare com Gênesis 1:1).

nem o princípio do pó do mundo – ou seja, “nem o primeiro punhado de terra” (NVT); ou então, “nem o pó com o qual formou o mundo” (NVI).

27 Quando preparava os céus, lá estava eu; quando ele traçava o horizonte sobre os oceanos;

Quando preparava os céus, lá estava eu (compare com Salmo 33:6Sl 103:19Sl 136:5Jr 10:12Cl 1:16Hb 1:2).

quando ele traçava o horizonte sobre os oceanos – no original hebraico, quando traçava um círculo sobre a face do abismo.

28 quando firmava as nuvens no alto; quando estabelecia as fontes do abismo;

quando estabelecia as fontes do abismo (Waltke, NAA, NVI, A21) – ou então, quando fortificava as fontes do abismo (BKJ, ACF). Segundo Waltke (2010), “é uma referência à provisão de água para as profundezas subterrâneas. Foi preciso criá-las [“as fontes”] fortes, de modo a garantir o suprimento constante e abundante de água nas profundezas”.

29 quando colocava ao mar o seu limite, para que as águas não transgredissem a sua ordem; quando demarcava os fundamentos da terra,

quando colocava ao mar o seu limite, para que as águas não transgredissem a sua ordem (compare com Gênesis 1:910Jó 38:8-11Salmo 33:7Sl 104:9Jr 5:22).

quando demarcava os fundamentos da terra (compare com Jó 38:4-7).

30 eu estava com ele, e era o seu arquiteto; dia após dia eu era o seu prazer, me alegrando diante dele em todo o tempo;

eu estava com ele, e era o seu arquiteto (NAA, NVI, A21, ACF) – ou então, “eu estava junto a ele, como um com ele” (BKJ); ou então, “eu estava a seu lado constantemente” (Waltke).

dia após dia eu era o seu prazer, me alegrando diante dele em todo o tempo (compare com Is 42:1Mt 3:17Mt 17:5).

31 me alegrando no seu mundo habitável, e tendo prazer com a humanidade.

tendo prazer com a humanidade (compare com Sl 16:3Sl 40:6-8Jo 4:34Jo 13:12Co 8:9) – no original hebraico, tendo prazer com os filhos dos homens.

Convite e advertência

32 Agora, filhos, me escutem, porque felizes são os que guardam os meus caminhos.

felizes são os que guardam os meus caminhos (compare com Sl 1:1-4Sl 119:1,2Sl 128:1Lc 11:28).

33 Ouçam a instrução, sejam sábios e não a rejeitem.

Ouçam a instrução (compare com Pv 1:2,3,8Pv 4:1Pv 5:1Is 55:1-3Rm 10:16,17).

não a rejeitem (compare com Sl 81:11,12; Hb 12:25).

34 Feliz é o homem que me ouve, vigiando dia após dia à minha porta, esperando na entrada da minha casa.
35 Pois aquele que me encontra, encontra a vida, e alcança o favor do SENHOR.

aquele que me encontra, encontra a vida (compare com Pv 1:33Pv 3:13-18Jo 3:16,36Jo 14:6; Cl 3:31Jo 5:11,12).

alcança o favor do SENHOR (compare com Pv 12:2).

36 Mas quem peca contra mim violenta a própria alma. Todos os que me odeiam amam a morte.

quem peca contra mim violenta a própria alma (compare com Pv 1:31; Jo 3:19,20At 13:46; Hb 10:29).

Todos os que me odeiam amam a morte (compare com Pv 5:11,12,22,23Ez 18:31Ez 33:11Jo 15:23,241Co 16:22).

<Provérbios 7 Provérbios 9>

Introdução à Provérbios 8

A personificação da Sabedoria neste capítulo é altamente sugestiva. Já nos versos de abertura do Livro (Provérbios 1:20-33), a Sabedoria foi personificada, “proferiu a sua voz”, como aqui ela a pronuncia, “na rua” e “nos principais locais do saguão” e pleiteou, como aqui ela implora, aos filhos dos homens. Mas aqui a bela personificação, seguindo de perto a imagem vívida da seção imediatamente anterior, se apresenta a nós em um contraste marcante e projetado com a forma escura que passou diante de nós ali. Não espreitando furtivamente nas esquinas das ruas no crepúsculo que se aprofunda; não se extraviar com passos rápidos e furtivos e enganar com sutilezas sussurradas, mas com graça livre e aberta, “no topo dos lugares altos do caminho”, à vista dos homens, e com voz clara e melodiosa como um toque de clarim ela faz seu apelo (Provérbios 8:1-3). Ela fala (Provérbios 8:4-36). Enquanto ela se dirige a todos os filhos do homem, os “simples” e “tolos” são especialmente convidados a lucrar com sua instrução (Provérbios 8:4-5). Toda a sua fala é clara e aberta, e precisa apenas de um ouvido inteligente para entendê-la (Provérbios 8:6-9). Os tesouros que ela oferece são acima de qualquer preço, e até mesmo os reis podem cobiçar (Provérbios 8:10-11). Dizendo-nos quem ela é e o que tem a nos oferecer (Provérbios 8:12-21), ela prossegue afirmando que sua pretensão de atenção não é menos do que ela é a eterna Possessão e Companheira do próprio Jeová, Sua alegria e Conselheira na criação e ordenamento do universo, e que desde o início suas “delícias estavam com os filhos dos homens” (Provérbios 8:22-31). Portanto, com base em premissas como essas, ela implora mais uma vez, como seus filhos, para que não recusemos a bem-aventurança que ela oferece (Provérbios 8:32-36).

Devemos confessar que, no contraste assim exibido nessas figuras companheiras de Noite e Dia, de Vício e Virtude, temos o trabalho de uma mão mestra. Mas, além de sua força moral e beleza, que jazem por assim dizer na superfície, este contraste tem um significado mais profundo, “claro”, como são as palavras de sabedoria, “para aquele que entende”. Por que, perguntamos a nós mesmos, o sábio Mestre, tendo em mãos para afastar seus filhos das seduções do vício, submetendo-os aos atrativos mais poderosos da virtude, não se opôs à mulher abandonada de seu primeiro quadro, a esposa pura e fiel , com seu encanto de amor santo, como o tema de sua segunda figura? Por que ele não aconselha seus estudiosos, como de fato faz em outros lugares (Provérbios 8:15-19), a encontrar na sagrada ordenança de Deus o verdadeiro remédio para os prazeres do pecado que a tentadora lhes oferece? Porque, em primeiro lugar, ele os levaria mais alto, e recomendaria a eles um objeto ainda mais digno de afeição suprema, um objeto que ao mesmo tempo inclui e supera todos os objetos puros e legítimos da devoção humana. Porque ele gostaria que aprendessem a dizer daquela que é o antídoto, não apenas por um vício, mas por todos os erros aos quais o coração insensato do homem costuma levá-lo:Ela eu amei e procurei desde a minha juventude E eu procurei tomá-la como minha noiva, E me apaixonei por sua beleza (Provérbios 8:2).

E também porque, por meio do “Espírito de Deus que estava nele”, o ideal de Sabedoria abrangente que sua mente formou tomou forma pessoal e se colocou diante dele como a personificação de todas as virtudes e perfeições humanas, uma profecia e uma promessa, tal como havia sido concedido aos sentidos corporais de outros, um “prelúdio da Encarnação”. [Cambridge, aguardando revisão]

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2020.