Salmo 5

1 (Salmo de Davi. Ao mestre de canto, para flautas) Dá ouvidos, SENHOR, às minhas palavras; atende aos meus gemidos.

atende aos meus gemidos (NAA, A21, NVI) – ou então, atende a minha meditação (BKJ, ACF).

2 Escuta a voz do meu clamor, meu Rei e meu Deus, pois a ti é que imploro.

Escuta a voz do meu clamor (compare com Sl 27:7; 28:2; 64:1; 119:149; 130:2; 140:6).

meu rei. Davi era “rei” sobre Israel; mas o SENHOR era “Rei” sobre Davi. Compare com Sl 10:16; 29:10; 44:4; 47:6, etc.

e meu Deus (compare com Sl 84:3).

pois a ti é que imploro – e a nenhum outro. [Pulpit, 1897]

3 De manhã, SENHOR, ouves a minha voz; de manhã te apresento minha oração e fico aguardando.

De manhã, SENHOR, ouves a minha voz. O salmista aqui provavelmente se refere a um costume geral de orar pela manhã, embora faça uma referência específica às suas  circunstâncias naquele momento. Compare com Salmo 55:17. Ele sentiu, sem dúvida, que embora fosse um dever geral e privilégio invocar a Deus com a cada manhã, havia uma razão especial para isso nas circunstâncias em que ele se encontrava. Ele estava rodeado por inimigos, em perigo, e somente em Deus que ele poderia esperar proteção, mesmo que por um único dia.

É preciso olhar para Deus, meio da oração, a cada manhã. Quem sabe o que um dia pode trazer? Quem sabe quais tentações o aguardam? Quem pode se proteger dos perigos que podem envolvê-lo? Quem pode nos capacitar a cumprir os deveres que nos competem todos os dias? Fracos, indefesos, pecaminosos, propensos a errar, em um mundo de tentação, e cercados por perigos tanto quando os vemos quanto quando não os vemos, há uma óbvia necessidade em buscar a Deus todas as manhãs em busca de orientação e proteção; e a decisão do salmista aqui deve ser o firme propósito de todo crente. [Barnes, 1870]

4 Pois tu não és Deus que tenha prazer na iniquidade; contigo não habita o mal.

contigo não habita o mal. Os homens maus não viverão com Deus na mesma casa, (Sl 15:1) nem em nenhuma relação de favorecimento ou amizade. Em Salmos 5:4-6 são dadas sete descrições aos ímpios, todas abomináveis a Deus. Deus não se deleita no ímpio. Não há concordância neles. O homem mau não habitará com ele. [Whedon, 1874]

5 Os arrogantes não permanecerão na tua presença; odeias todos os que praticam a iniquidade.

Comentário Whedon

Os arrogantes (“loucos” em algumas traduções). Um termo para orgulhosos, vaidosos presunçosos, sem Deus. Estes não subsistirão diante dele, nem diante dos seus olhos, como o original hebraico traz. Eles não serão honrados por virem à sua presença.

iniquidade. Um termo geral para vazio, vaidade e, portanto, tristeza, pecado, mal de qualquer espécie. Esses praticantes que Deus odeia. [Whedon]

6 Destróis os que falam mentiras; o SENHOR abomina o sanguinário e o enganador.

Comentário Whedon

o sanguinário e o enganador. Engano aqui se aplica especialmente a falsidade, má fé, traição, como em 2Rs 9:23; Sl 55:11; Jr 9:6. [Whedon]

7 Eu, porém, pela grandeza da tua bondade, entrarei em tua casa; em temor a ti, me inclinarei para o teu santo templo.

Comentário de A. R. Fausset

em temor a ti, me inclinarei para o teu santo templo (NVI, A21, BKJ) – ou então, em temor a ti, me inclinarei no teu santo templo (NVT), ou então, em temor a ti, me inclinarei diante do teu santo templo (NAA). Davi, segundo o costume israelita, dirigiu-se, em oração, a sede da presença manifesta do SENHOR em Sião, de onde buscava ajuda. A palavra “templo” não prova que este salmo seja posterior ao tempo de Davi; porque o termo “o templo do SENHOR” é aplicado em 1Sm 1:9; 3:3, ao tabernáculo mosaico em Siló; e ao tabernáculo que cobria a arca da aliança colocada por Davi em Sião (Sl 27:4). “A morada do Senhor não foi assim chamada por ser um grande edifício, mas por ser Sua residência como Rei de Israel. A casa onde mora um rei é um palácio, seja esplêndido ou não”(Hengstenberg). [JFU, 1871]

8 SENHOR, guia-me em tua justiça, por causa dos meus inimigos; aplaina o teu caminho diante de mim.

Comentário de A. R. Fausset

em tua justiça. Um atributo de Deus que implica fidelidade nas promessas, bem como nas ameaças.

inimigos. Literalmente, “os que me observam” (Sl 27:11), por isso a necessidade especial de orientação.

aplaina o teu caminho diante de mim. Isto é, torne simples o caminho da providência. [JFB]

9 Pois não há sinceridade na boca deles; no seu íntimo há destruição; a garganta deles é uma sepultura aberta; com a língua elogiam falsamente.

Compare com Salmo 36:1-4Sl 52:2Sl 58:3Sl 62:4,9; Jr 9:3-6Mq 6:12Rm 1:29-31Rm 3:13.

não há sinceridade na boca deles (compare com Sl 51:6Sl 58:2Sl 62:4Sl 64:6Jr 4:14Jr 17:9Mc 7:21,22Lc 11:39).

com a língua elogiam falsamente (compare com Sl 12:2,3Jó 32:2122Pv 29:51Ts 2:5).

10 Declara-os culpados, ó Deus, e que caiam de seus próprios conselhos; expulsa-os por causa da abundância de suas transgressões, porque eles se rebelaram contra ti.

Comentário Whedon

Declara-os culpados. Ou seja, visita-os com as consequências do seu pecado. E assim a próxima linha: que caiam de seus próprios conselhos.

contra ti. Os inimigos de Davi eram inimigos de Deus, e foi contra seus propósitos que a rebelião foi dirigida. [Whedon]

11 Alegrem-se, porém, todos os que confiam em ti; cantem de alegria para sempre, porque tu os defendes; e exultem em ti aqueles que amam o teu nome.

Comentário Whedon

Mas se alegrem todos. Neste e no versículo seguinte, o caráter oposto e o tratamento dos justos são estabelecidos, de modo que tanto a proteção dos justos quanto a punição dos maus – que, sob o governo moral de Deus, é igualmente necessária para a vindicação do caráter divino e a salvação daqueles que confiam nele – sejam causa de alegria eterna para todos os seres santos. [Whedon]

12 Pois tu, SENHOR, abençoas o justo; como com um escudo tu o cercas com tua bondade.

SENHOR, abençoas o justo (compare com Sl 1:1-3Salmo 3:8Sl 29:11; Sl 115:13).

como com um escudo tu o cercas com tua bondade (compare com Salmo 3:3Salmo 32:10Sl 84:11).

<Salmo 4 Salmo 6>

Introdução ao Salmo 5

Autor do salmo. Este salmo também pretende ser um salmo de Davi, e não há nada nele que nos leve a duvidar de que essa opinião seja correta. É atribuído a ele em todas as versões e por todos os antigos escritores hebreus, e o conteúdo é o que poderíamos esperar dele.

A ocasião em que o salmo foi composto. Isso não está especificado no título do salmo, e não há nada no próprio salmo que possa nos capacitar a determiná-lo com certeza. Não pode haver improbabilidade em supor que houve alguns eventos na vida de Davi, ou que houve algumas circunstâncias particulares, que sugeriram os pensamentos no salmo, mas todas essas alusões locais e pessoais são suprimidas, uma vez que não parece tem sido o objetivo do escritor revelar sentimentos particulares, mas dar expressão a sentimentos, embora talvez sugeridos por considerações privadas e pessoais, que podem ser de uso permanente para a igreja em todos os momentos.

Há evidências no próprio salmo de que o autor na época de sua composição estava cercado de inimigos, e que ele estava em meio do perigo causado pelos planos de homens violentos (Salmo 5:6, Salmo 5:8-10). Quem eram esses inimigos, no entanto, ele não especifica, pois o objetivo era expressar sentimentos que seriam úteis, para todos os que poderiam estar em circunstâncias semelhantes, mostrando quais eram os verdadeiros sentimentos de piedade e qual era o verdadeiro fundamento de confiança para o povo de Deus nessas ocasiões; e este objetivo não teria sido promovido por quaisquer especificações em relação aos inimigos que o cercavam naquele tempo.

Flaminius supõe que o salmo foi composto no tempo de Saul, e em referência às perseguições que Davi experimentou então; mas a maioria dos intérpretes referiu-se ao tempo da rebelião de Absalão. A maioria dos escritores judeus, de acordo com Kimchi, supõe que se referisse a Doegue e Aitofel; mas, como observa DeWette, visto que eles viveram em épocas diferentes, não se pode supor que o salmo se referisse a ambos. Não há improbabilidade em supor que o salmo foi composto com referência às mesmas circunstâncias dos dois anteriores – aquele evento importante na vida de Davi quando seu próprio filho se rebelou contra ele e o expulsou de seu trono. Nesses problemas prolongados e assustadores, não é de forma improvável que o poeta real expressasse seus sentimentos em mais de uma efusão poética, ou que alguma nova fase do problema sugerisse algumas novas reflexões e o levasse novamente a buscar consolo na religião, e para expressar sua confiança em Deus. O salmo tem semelhança suficiente com os dois precedentes para estar de acordo com esta suposição, e pode ser lido com proveito com as cenas em vista.

Conteúdo do salmo. O salmo, no que diz respeito ao sentimento, pode ser apropriadamente considerado como dividido em quatro partes:

(1) Uma fervorosa oração do autor a Deus para ouvi-lo; para atender ao seu clamor e livrá-lo (Salmo 5:1-3). Sua oração pela manhã ele dirigia a ele, e com a luz do dia que voltava ele o admirava. Em seus problemas, seu primeiro ato seria invocar a Deus todos os dias.

(2) Uma expressão de confiança inabalável em Deus como o protetor e amigo dos justos, e o inimigo de toda a maldade (Salmo 5:4-7). Deus, ele tinha certeza, não tinha prazer na maldade; não permitiria que o mal habitasse em sua presença; abominaria tudo o que fosse falso e enganoso, e poderia, portanto, em todas as suas tribulações, colocar sua confiança nele. Diante desse fato – dessa característica da natureza divina – ele diz que entraria no seu santo templo, onde se costumava fazer a oração, com confiança, e adorar com profunda reverência (Salmo 5:7).

(3) Oração a Deus, em vista de tudo isso, por sua orientação e proteção em suas perplexidades (Salmo 5:8-10). Ele se sentiu rodeado de perigos; ele estava perplexo quanto ao verdadeiro caminho de segurança; seus inimigos eram poderosos, numerosos e traiçoeiros, e ele roga a Deus, portanto, que se interponha e o liberte deles – inclusive eliminando-os. Ele ora para que caiam em seus próprios planos e para que, como se rebelaram contra Deus, sejam reprimidos e punidos como merecem.

(4) Uma exortação, baseada nestes pontos de vista, para que todos coloquem sua confiança em Deus (Salmo 5:11-12). O que ele descobriu ser verdade, todos os outros descobririam ser verdade; e como ele em seus problemas viu razão para colocar sua confiança em Deus, e não ficou desapontado, então ele exorta todos os outros, em circunstâncias semelhantes, a fazerem o mesmo. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – março de 2021.