Salmo 130

1 (Cântico dos degraus:) Das profundezas clamo a ti, SENHOR.

Comentário Barnes

Das profundezas – A palavra traduzida como “profundidades” vem de um verbo – עמק ‛âmaq – que significa ser profundo; então, ser insondável; então, para fazer profundo; e se aplicaria a qualquer coisa baixa, profunda ou profunda, como o oceano, um poço ou um vale. A palavra usada aqui ocorre em outro lugar apenas nos seguintes lugares:Salmo 69:2 , Salmo 69:14 , onde é traduzida como “fundo”, aplicada às águas; e Isaías 51:10 ; Ezequiel 27:34 , onde é traduzido como “profundezas”. A palavra, conforme usada aqui, seria aplicável a profunda aflição, abatimento ou angústia. Seria aplicável (a) à aflição – as profundezas da tristeza pela perda de amigos, propriedade ou sofrimento físico; (b) pecado – as profundezas nas quais a alma é mergulhada sob a consciência da culpa; (c) transtorno mental – desânimo – melancolia – escuridão da mente – perda de conforto na religião – tentação poderosa – decepção – a angústia causada pela ingratidão – ou tristeza de coração em vista dos crimes e tristezas das pessoas – ou pesar por a frieza, a dureza, a insensibilidade de nossos amigos à sua condição espiritual.

Deuteronômio todas essas profundidades de tristeza, temos o privilégio de invocar o Senhor; nas profundezas da dor convém, assim, implorar a sua ajuda. Freqüentemente, ele nos leva a essas “profundezas” para que possamos ser levados a invocá-lo; sempre quando somos levados lá, devemos invocá-lo.

clamo a ti, SENHOR – Ou melhor, “eu agora te invoco”, ou invoco-te fervorosamente. A linguagem não se refere tanto ao passado quanto ao presente. Eu agora clamo por misericórdia; Eu agora imploro sua bênção. A condição é a de alguém que em profunda tristeza, ou sob profunda convicção do pecado, implora fervorosamente para que Deus tenha compaixão dele. [Barnes, aguardando revisão]

2 Ouve, Senhor, a minha voz; sejam teus ouvidos atentos à voz de minhas súplicas.

Comentário Barnes

Ouve, Senhor, a minha voz – Esta é a oração; isso é o que ele chorou. É a linguagem da súplica sincera.

sejam teus ouvidos atentos à voz de minhas súplicas – Não se afaste de mim; não ignore meu grito. Veja as notas no Salmo 5:1. [Barnes, aguardando revisão]

3 Se tu, SENHOR, considerares todas as perversidades, quem resistirá, Senhor?

Comentário Barnes

Se tu, SENHOR, considerares todas as perversidades – Se tu deves observar, notar, atender, considerar todo o mal que eu tenho feito. A palavra hebraica significa apropriadamente guardar, vigiar, guardar. A palavra, conforme usada aqui, refere-se àquele tipo de vigilância ou vigilância que se espera que aquele que está em guarda manifeste; quem vigia uma cidade ou acampamento à noite. A ideia é:se Deus assim olhasse com olhos perscrutadores; se ele tentasse ver tudo o que podia ver; se ele não sofresse nada para escapar de sua observação; se ele nos tratasse exatamente como somos; se ele não negligenciasse nada, não perdoasse nada, não poderíamos ter esperança.

quem resistirá, Senhor? Quem deve ficar de pé? Quem poderia estar diante de ti? Quem poderia esperar ser absolvido? Isso implica (1) que o peticionário estava consciente de sua culpa, ou sabia que era um pecador; (2) que ele sentia que havia uma profundidade de depravação em seu coração que Deus podia ver, mas que ele não viu – já que todo homem deve estar certo de que há em sua própria alma; (3) que Deus tinha o poder de trazer isso à luz se quisesse fazê-lo, de modo que o homem culpado seria totalmente oprimido; (4) que aquele que insistiu na oração descansou sua única esperança no fato de que Deus não notaria a iniqüidade; não desenvolveria o que havia nele; não o julgaria pelo que viu em seu coração; mas trataria com ele de outra forma, e mostraria misericórdia e compaixão.

Todo homem deve sentir que se Deus “assinalasse a iniqüidade” como ela é – se ele nos julgasse como somos – não poderíamos ter esperança. É apenas com base no fato de que podemos ser perdoados, que esperamos estar diante dele. [Barnes, aguardando revisão]

4 Mas contigo está o perdão, para que tu sejas temido.

Comentário Barnes

Mas contigo está o perdão – A Septuaginta torna este ἱλασμός hilasmos, propiciação, reconciliação; a Vulgata latina “propitiatio”, propiciação. A palavra hebraica significa “perdão”. A ideia é que o pecado pode ser perdoado; ou, que Deus é um Ser que perdoa pecados, e que esta é a única base de esperança. Quando nos achegamos a Deus, a base de nossa esperança não é que possamos nos justificar; não que possamos provar que não pecamos; não que possamos explicar nossos pecados; não que possamos oferecer um pedido de desculpas por eles; é apenas em uma confissão franca e completa, e na esperança de que Deus os perdoe. Aquele que não vem dessa maneira não pode ter esperança de ser aceito por Deus.

para que tu sejas temido – Para que possas ser reverenciado; ou, que os homens podem ser trazidos para servir e adorar a ti – podem ser trazidos a uma reverência adequada por teu nome. A ideia é, não que o perdão produza medo ou terror – pois o próprio inverso é verdadeiro – mas que Deus, ao perdoar o pecador, o leva a reverenciá-lo, adorá-lo, servi-lo:isto é, o pecador está verdadeiramente reconciliado a Deus, e se torna um adorador sincero. O ofensor é tão perdoado que está disposto a adorar e honrar a Deus, pois Deus se revelou como alguém que perdoa pecados, a fim de que o pecador seja encorajado a vir a ele e ser seu verdadeiro adorador. [Barnes, aguardando revisão]

5 Mantenho esperança no SENHOR, a minha alma espera; e persisto em sua palavra.

Comentário Barnes

Mantenho esperança no SENHOR – isto é, neste estado de angústia e angústia – dessas “profundezas” de angústia e tristeza e convicção do pecado. Isso implica duas coisas:(1) que ele não tinha outra dependência; (2) que sua alma estava realmente em uma postura de espera, ou que ele realmente olhou para o Senhor por sua interposição.

a minha alma espera – eu espero, com toda a minha alma e coração.

e persisto em sua palavra – em sua promessa. Acredito que ele cumprirá essa promessa e que encontrarei uma resposta graciosa às minhas orações. Sob a convicção do pecado, sob profunda tristeza e angústia de qualquer tipo, esta é a única esperança do homem. Se Deus não intervém, não há libertador; podemos nos sentir seguros de que ele se interporá, se formos a ele com um coração humilde, crente e penitente. [Barnes, aguardando revisão]

6 Minha alma espera ansiosamente pelo Senhor, mais que os guardas esperam pela manhã, mais que os vigilantes pelo alvorecer.

Comentário Barnes

Minha alma espera ansiosamente pelo Senhor, mais que os guardas esperam pela manhã – Mais intensamente; mais ansiosamente. A Septuaginta e a Vulgata latina traduzem assim:“Minha alma espera no Senhor desde a vigília da manhã até a noite”. A ideia é a dos vigilantes – guardas noturnos – que aguardam ansiosos o raiar do dia para serem substituídos. Não é de pessoas que procuram simplesmente a volta do dia, mas de quem está de guarda – ou pode ser que olhe ao lado dos enfermos ou moribundos – e que olham para o oriente para marcar os primeiros indícios de regresso. luz. Para eles, a noite parece longa; estão cansados ​​e precisam de repouso; tudo ao redor está triste, sombrio e quieto; e anseiam pelos primeiros sinais de que a luz visitará novamente o mundo. Assim, na aflição – a longa, escura, sombria e sombria noite de tristeza – o sofredor busca a primeira indicação, o primeiro raio de conforto para a alma. Assim, sob profunda convicção do pecado e profunda apreensão da ira de Deus – naquela noite, escura, sombria, sombria, muitas vezes longa – a alma procura algum raio de conforto, alguma indicação de que Deus será misericordioso e falará paz e perdão.

mais que os vigilantes pelo alvorecer – Margem, que vigiam até a manhã. A tradução no texto expressa melhor o sentido. Há algo extremamente belo e comovente nessa linguagem de repetição, embora seja muito enfraquecida pelas palavras que nossos tradutores inseriram:”Eu digo, mais do que.” O hebraico é, “mais do que os que vigiam pela manhã – vigiam pela manhã”, como se a mente se demorasse nas palavras expressando melhor seu próprio estado de ansiedade do que qualquer outra palavra poderia fazer. Todo aquele que foi afligido sentirá a força disso; todo aquele que esteve sob a convicção do pecado, e que se sentiu em perigo de sofrer a ira de Deus, se lembrará de quão ansiosamente ansiava por misericórdia, luz, paz, por alguma indicação, mesmo o mais fraco, como o primeiro raio que rompe no leste, para que sua alma encontrasse misericórdia e paz. [Barnes, aguardando revisão]

7 Espere, Israel, pelo SENHOR; porque com o SENHOR há bondade, e com ele muito resgate.

Comentário Barnes

Espere, Israel, pelo SENHOR – Em tais circunstâncias de aflição e angústia, não deixe o povo de Deus se desesperar. Naum noite mais escura, nas calamidades profundas e prolongadas, não se desesperem os que amam a Deus. A manhã vai amanhecer; a luz vai quebrar no leste; libertação e alegria virão. O hebraico aqui é:“Confia, ó Israel, no Senhor”. O desígnio do salmista parece ser, por experiência própria, persuadir os outros – o aflito povo de Deus – a colocar sua confiança nAquele em quem ele próprio esperava. Das profundezas da aflição, culpa e quase desespero, ele olhou para o Senhor:encorajado e persuadido por seu exemplo, ele agora imploraria ao povo de Deus em todos os lugares e sempre, da mesma maneira, para confiar nele.

porque com o SENHOR há bondade – Ele é misericordioso, e em sua misericórdia podemos confiar.

e com ele muito resgate – É ampla; está cheio; é abundante. Não é limitado; não está exausto; não pode ser exaurido. Assim, podemos sempre sentir, quando nos aproximamos de Deus, que sua misericórdia é ampla para todas as necessidades de todos os pecadores e sofredores; que as provisões de sua graça são inesgotáveis ​​e inesgotáveis. Aplicando isso, como podemos, à obra do Salvador, podemos sentir que a redenção que está nele é adequada às necessidades de um mundo, e que embora incontáveis ​​milhões tenham sido salvos por ela, ainda assim é como rico, tão completo e tão livre quanto era no início; como o oceano, embora desde o início do mundo tenha fornecido os materiais para a chuva e o orvalho para regar as colinas, os vales, os continentes e as ilhas, ainda está cheio; como a luz do sol, embora por milhares de eras ela tenha derramado sua luz sobre os planetas e em todo o vasto espaço entre ela e aquelas orbes, e tenha enviado sua luz para as vastas regiões além, ainda brilha com esplendor inalterado , e derrama suas inundações de dia e de glória em todos esses mundos. [Barnes, aguardando revisão]

8 E ele resgatará Israel de todas as suas perversidades.

Comentário Barnes

Seu povo. Ele os libertará completamente do poder e da poluição do pecado. Em última análise, isso será realizado em referência a toda a sua igreja e a cada membro verdadeiro dessa igreja. Este era o objetivo mais elevado diante da mente do salmista – aquele com o qual o salmo apropriadamente termina. E este é o objetivo mais elevado diante da mente de todo verdadeiro filho de Deus – que ele possa ser completamente e para sempre libertado do poder e do domínio do pecado. Isso será perfeitamente realizado apenas no céu; mas naquele momento a bem-aventurança será completa. O salmo começa com um grito fervoroso das “profundezas”; termina com a esperança triunfante de libertação completa e eterna. Existe um mundo onde não há ocasião de clamar a Deus das “profundezas” da tristeza e do pecado. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 129 Salmo 131>

Introdução ao Salmo 130

Este salmo também é intitulado “Um Cântico dos Degraus”. Veja as notas na Introdução ao Salmo 120. Desconhece-se o autor e a ocasião em que foi composta, bem como a razão pela qual foi incluída neste grupo de salmos.

A linguagem do salmo parece ser de um indivíduo; mas a maioria dos intérpretes supõe que seja um indivíduo falando em nome da nação e representando suas calamidades e arrependimento. Alguns imaginaram que a pessoa representada falando no Salmo 130:7-8, é um indivíduo diferente daquele que fala na outra parte do salmo, mas parece não haver base para essa opinião. É comumente suposto que o salmo fazia referência ao estado dos judeus no cativeiro babilônico, mas não há necessidade de limitá-lo a esse período, se de fato ele tem alguma referência ao povo de Israel. Houve muitas ocasiões em sua história em que a linguagem do salmo não seria menos apropriada do que naquela época. Mas não há necessidade de supor que se refere à nação como tal. Pode ser a linguagem de um indivíduo, lamentando seus pecados e implorando por misericórdia, expressando profunda convicção do pecado e humilde confiança em Deus como a única esperança para um pecador convencido, condenado e penitente. Como tal, representaria o que ocorreu em milhares de casos em que pecadores foram levados à convicção do pecado e clamaram por misericórdia. Compreendido dessa maneira, é um dos salmos mais instrutivos e tocantes. Não conheço nenhuma razão para que não seja assim considerado. [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.