Salmo 3

1 (Salmo de Davi, quando fugia de Absalão, seu filho) SENHOR, como têm se multiplicado meus adversários! Muitos se levantam contra mim.

quando fugia de Absalão, seu filho (compare com 2Sm 15:1-18:33).

como têm se multiplicado meus adversários! (compare com 2Sm 15:122Sm 16:152Sm 17:11-13Mt 27:25).

2 São muitos os que dizem de mim: 'Não há em Deus salvação para ele'. (Selá)

São muitos os que dizem de mim – no original hebraico, da minha alma.

3 Porém tu, SENHOR, és escudo para mim; minha glória, e o que levanta minha cabeça.

SENHOR, és escudo para mim – como para Abraão (Gênesis 15:1), e para Israel (Dt 33:29). Não apenas como um escudo comum, protegendo-me na frente, mas envolvendo-me por todos os lados dos “muitos [que] se levantam contra mim” (Sl 139:3,5).

[és] minha glória – enquanto eles pensam que me envergonham. A honra que Deus até agora me concedeu é uma promessa de que Ele não me envergonhará para sempre. Não, o próprio Deus é “minha glória”.

[és] o que levanta minha cabeça – no passado; por exemplo, quando me levantaste dentre os rebanhos para ser o Rei de Israel; novamente, das perseguições de Saul; então agora serás meu levantador da revolta de Absalão. Compare Gênesis 40:13. [JFU, 1871]
4 Com minha voz clamo ao SENHOR; e ele me responde do seu santo monte. (Selá)

ele me responde do seu santo monte (compare com Sl 2:6). Sião, a sede da Arca da aliança, que era o símbolo e a garantia da presença de Jeová, é como se fosse o centro a partir do qual Ele exerce Sua soberania terrena. Compare com Salmo 14:7; 20:2; Am 1:2. [Kirkpatrick, 1906]

5 Eu me deito e pego no sono; acordo, porque o SENHOR me sustenta.

Eu me deito e pego no sono. Aquele que sabe que tem Deus como seu protetor pode ir tranquila e confiantemente para sua cama, não temendo os planos de pessoas ímpias, nem a influência de espíritos maus.

acordo, porque o SENHOR me sustenta. Embora Davi, humanamente falando, tivesse razão para temer ser assassinado em sua cama, já que seus servos mais próximos foram corrompidos por seu filho rebelde; no entanto, Deus, seu escudo, o protegeu. [Clarke, 1832]

6 Não tenho medo de dez milhares, que tomam posição contra mim de todos os lados.

Não tenho medo (compare com Sl 27:1-3Sl 46:2,7Sl 118:10-122Rs 6:15-17Rm 8:31).

dez milhares (compare com 2Sm 18:7).

que tomam posição contra mim (compare com Sl 2:2).

7 Levanta-te, SENHOR! Salva-me, Deus meu! Pois golpeias o queixo de todos os meus inimigos; quebras os dentes dos ímpios.

quebras os dentes dos ímpios. Os ímpios, inimigos tanto de Davi quanto de Deus, são representados como feras cujas armas são suas mandíbulas e dentes. Deus os quebrando, e eles passam a ser inofensivos. Compare com Jó 4:10; Sl 58:6. [Pulpit, 1895]

8 A salvação vem do SENHOR; sobre o teu povo seja tua bênção. (Selá)

A salvação vem do SENHOR. “Só a ele pertence salvar ou destruir. Portanto, minha oração é dirigida a ele, e apenas a ele”.

sobre o teu povo seja tua bênção. Quase todo o povo se revoltou contra Davi, mas isso não impede ele de louvar a Deus e suplicar a Sua bênção sobre eles, desejando o seu bem. Ele ecoa Moisés (Êx 32:31-32) e antecipa Cristo (Lc 23:34). [Pulpit, 1895]

<Salmo 2 Salmo 4>

Introdução ao Salmo 3

No Salmo 3 o salmista se queixa da multidão de seus inimigos, que zombavam de sua confiança no Senhor, Salmos 3:2-3. Ele se consola chamando à lembrança o apoio que o Senhor até então lhe deu, a dignidade para a qual Ele o criou, e as múltiplas libertações e respostas à oração que ele experimentou, Salmo 3:4-5. Ele termina com uma expressão de sua elevada alegria de fé, Salmos 3:6-7; e com uma súplica ao Senhor para ajudá-lo, como Ele costumava fazer no passado, e para abençoar Seu povo, Salmo 3:8-8. O Salmo, consequentemente, cai naturalmente em quatro estrofes, cada uma consistindo de dois versos, a primeira dos quais descreve a angústia, a segunda a base da esperança, a terceira expressa a própria esperança e a quarta contém a oração motivada pela esperança. A esta divisão das estrofes corresponde também a posição do Selá, que em cada caso é colocada no final de uma estrofe.

A inscrição do Salmo – “Excelente cântico de Davi, quando fugiu de diante de seu filho Absalão” – declara que foi composto quando Davi fugiu de seu filho Absalão, 2Sm 15:16. É alegado por De Wette, um teólogo alemão do século 19, contra a exatidão desta suposição, que o Salmo em si não contém nada que a apoie. Não teria o coração terno de Davi, diz ele, manifestado na presença de Javé, a quem ele fez sua reclamação, a profunda ferida que recebeu pela conduta de seu filho? De maneira semelhante, De Wette muito comumente argumenta contra a autoria davídica dos Salmos, e a exatidão dos subtítulos, a partir da ausência de quaisquer alusões históricas definidas. Agora, é aqui, antes de tudo, a ser observado que uma descrição prolixa e detalhada das circunstâncias pessoais é algo impossível para uma fé viva, que, convencida de que nosso Pai celestial sabe o que precisamos antes de pedirmos a Ele, se contenta com apenas alusões e contornos gerais. É o contrário, quando a oração é apenas na forma uma meditação do coração diante de Deus, mas é na realidade uma conversa do suplicante consigo mesmo. Então, estamos muito propensos a mergulhar nas particularidades do sofrimento e continuar em descrições sentimentais de nossas circunstâncias. Mas, ainda mais, deve ser considerado que os sagrados autores dos Salmos, e principalmente Davi, não tinham a si mesmos em primeiro lugar em seus Salmos, e só depois devotaram isso ao uso geral, que em sua origem era inteiramente individual como é comumente pensado; mas antes, desde o início, seu desígnio, ao exibir seus próprios sentimentos, era edificar a Igreja em geral. Os Salmos que surgiram de experiências pessoais, distinguem-se dos Salmos didáticos, propriamente ditos, por uma fronteira flutuante. Os primeiros também possuem, de maneira geral, o caráter de Salmos didáticos. Se pudéssemos imaginar seus sagrados autores lançados em uma ilha deserta, sem perspectiva de entrar novamente em contato com os homens, certamente, nesse caso, teriam perdido o desejo e o impulso de expressar suas queixas e esperanças em a forma de Salmos. Pois a poesia lírica não é subjetiva em tal sentido, que toda referência àqueles colocados em situações semelhantes e agitados por sentimentos semelhantes podem ser considerados excluídos. Davi, em particular, estava tão intimamente ligado à Igreja, e reconheceu tão completamente sua missão Divina, de dar a ela um tesouro de poesia sagrada para instrução, edificação e conforto, que ele considerou distintamente todos os eventos de seu próprio percurso, desde o primeiro, como um tipo semelhante no de seus irmãos, os justos; – ele se considerava sua boca e representante, e a consolação principalmente administrada a ele, ser igualmente destinada a eles. Com isso estava necessariamente ligada uma tendência de subordinar o particular ao geral, e dar apenas ligeiras sugestões de um sobre a base do outro. Mas sugestões que confirmam a verdade da inscrição são encontradas neste Salmo. Que há uma semelhança geral entre a posição do salmista e a de Davi, não pode haver dúvida. Como, de acordo com 2Sm 15:13, o relatório foi trazido a Davi de que o coração de todo o Israel estava inclinado à Absalão, e como, de acordo com 2Sm 16:18, Husai disse a Absalão: “Quem é o Senhor, e este povo, e todos os homens de Israel escolheram, dele serei e com ele ficarei ”; então o salmista reclama: “Senhor, como aumentaram os que me perturbam! Muitos são os que se levantam contra mim; muitos que dizem da minha alma: Não há socorro para ele em Deus”. Em ambos os casos, a angústia está ligada a um estado de guerra. E como em 2Sm 17:1-2, Aitofel disse a Absalão: “Irei levantar-me e persegui-lo esta noite, e avançarei sobre ele enquanto estiver cansado e com as mãos fracas, e o assustarei; e todas as pessoas que estão com ele fugirão, e eu ferirei apenas o rei”; então David diz aqui: “Não tenho medo de dez milhares, que tomam posição contra mim de todos os lados“.

Que uma alta dignidade pertencia ao salmista, aparece no Salmo 3:3, onde ele chama o Senhor de “sua glória” e fala Dele como tendo “levantado a cabeça”. Ele não tem medo de miríades de pessoas; o Senhor muitas vezes já venceu todos os seus inimigos – ambos os quais indicam grandeza de caráter nos oprimidos. A menção do povo também, em sua oração, Salmos 3:9, concorda bem com ele ser um rei, já que o destino deles pode ser representado como intimamente conectado com o seu. Mas se o escritor é um rei, de quem podemos pensar, senão Davi, visto que, exceto ele e Salomão, que está aqui fora de questão, seu governo tendo sido bastante pacífico, a história não faz menção a nenhum outro poeta coroado; enquanto a digna simplicidade e frescor da composição evidenciam sua mão, e seu lugar, também, entre os Salmos de Davi, confirma a suposição? Então, se Davi é o autor dela, temos apenas que escolher entre os problemas ocasionados por Saul e aqueles ocasionados por Absalão. Hitzig decide a favor do primeiro. Para refutar essa visão, não precisamos nem mesmo chamar em nosso auxílio o subtítulo. Durante as perseguições que sofreu das mãos de Saul, Davi ainda não era rei. E uma prova ainda mais forte é fornecida pelo Salmo 3:4, onde Davi diz que o Senhor o tinha ouvido muitas vezes antes de Seu santo monte. Isso implica que a sede do santuário já havia sido fixada há algum tempo em Jerusalém. Mas não foi removido lá até que Davi subisse ao trono, após a morte de Saul. A tentativa de Hitzig de escapar deste caminho por entender que a montanha é o Horebe, dificilmente merece uma consideração séria. Toda a fraseologia dos Salmos repele essa suposição, pois esses não conhecem outra montanha sagrada a não ser o Monte Sião. Não há uma única passagem em todo o Antigo Testamento em que um israelita seja encontrado procurando ajuda no Monte Horebe, que foi apenas santificado por reminiscências antigas, e não enobrecido pela presença do Senhor em tempos posteriores. Em suma, as libertações passadas, nas quais o Salmista, em Salmo 3:3-4,7-8, baseava suas esperanças de escapar dos problemas presentes, são, manifestamente, principalmente aquelas que ocorreram no reinado de Saul. Na verdade, Davi não tinha experimentado nenhuma série contínua de libertações neste último. De modo que somos conduzidos por motivos internos ao mesmíssimo resultado, que o subtítulo tinha desde o início anunciado. E disso deduzimos, ao mesmo tempo, uma conclusão favorável para os subtítulos em geral. Os fundamentos internos estão aqui, como as aberrações de expositores recentes mostram, tão ocultas, que a inscrição não poderia ter sido derivada de uma combinação sutil deles – algo estranho à antiguidade. Ewald afirma muito decididamente, tanto que Davi foi o autor do Salmo, como especialmente que ele foi composto na época de Absalão. Em relação ao primeiro, diz ele, a elevação, a coloração e o estilo de David são inconfundíveis; em relação a este último, diz ele, o autor já havia estado por muito tempo no pináculo do poder humano, havia muito experimentado o mais alto favor de Deus e muitas vezes já derramava os sentimentos de seu coração em canções. Em Salmo 3:8, reconhecemos claramente o nobre espírito de Davi naquela fuga, pela qual ele procurou acalmar a tempestade ameaçadora e afastar do povo o fardo de uma nova guerra civil. Mas podemos determinar ainda mais de perto a situação do poeta, embora apenas, talvez, com o maior grau de probabilidade. O Salmo era, de acordo com Salmo 3:5 e Salmo 3:6, um hino noturno. Lá, ele expressa sua confiança de que, embora cercado dos maiores perigos, poderia dormir tranquilamente e ter a certeza de ver a luz do dia seguinte. Agora, esta circunstância está de acordo apenas com a primeira noite da fuga de Davi, que ele passou no deserto, depois de ter ido chorar, descalço e com a cabeça coberta, sobre o Monte das Oliveiras, 2Sm 16:14. Comp. 2Sm 16:20. Essa primeira noite foi a mais perigosa para Davi; não, foi a única noite durante todo o período da insurreição, em que o perigo era muito urgente, como o Salmo 3:6 afirma que deve ter sido. A vida de Davi ficou suspensa por um único fio de cabelo: se Deus não tivesse ouvido sua oração, “Senhor, torne o conselho de Aitofel em tolice”, na verdade ele havia perecido. Consequentemente, quando o conselho de Aitofel, de se atirar sobre o rei naquela mesma noite, foi rejeitado por Absalão, a força da rebelião foi completamente abalada, e o perigo de certa forma passado, como se manifesta por esta circunstância, que Aitofel, em consequência daquela rejeição, foi e se enforcou.

Duas objeções foram levantadas contra esta conclusão. Primeiro, Davi ainda estava bastante incerto se o Senhor lhe concederia novamente a vitória e lhe restauraria o reino; ao passo que ele fala aqui no final com a maior confiança. As passagens mencionadas em apoio a isso são 2Sm 15:25-26: “O rei disse a Zadoque: Leva a arca de Deus para a cidade; se eu achar graça aos olhos do Senhor, Ele me trará de novo , e mostre-me tanto isto como Sua habitação. Mas se Ele assim disser: Não tenho prazer em ti; eis que aqui estou, deixe-o fazer o que lhe parecer bem”. E 2Sm 16:12: “Pode ser que o Senhor olhe para a minha aflição, e que o Senhor me retribua bem pela sua maldição de hoje”. Mas essas passagens de forma alguma indicam uma incerteza completa, e devem ser consideradas principalmente como uma simples expressão da humildade que mal ousa declarar, com perfeita confiança, a esperança ainda nunca extinta de libertação, porque se sentindo totalmente indigno de isto; na verdade, dar expressão a este último sentimento é seu objetivo mais especial. Que Davi, em meio à sua dor mais profunda, não abandonou sua confiança no Senhor, resulta de sua oração confidencial: “Senhor, torne o conselho de Aitofel em tolice”, e de sua concessão a Ziba os bens de Mefibosete, 2Sm 16:4. E então não se deve esquecer que aquelas expressões e nosso Salmo, de acordo com a situação que estamos defendendo, ainda estavam separados um do outro por um certo intervalo, grande o suficiente para admitir a relativamente não grande mudança de humor, que muitas vezes acontece em um momento. É expressamente dito que Davi se refrescou naquela primeira noite no deserto; o que certamente deve ser entendido, não em um sentido meramente corporal, mas também espiritualmente, uma vez que, em problemas dessa natureza, um mero refresco corporal é inconcebível. Mas é novamente objetado que, em tal estado e condição, os homens não escrevem poesia. Podemos, entretanto, apelar para os poemas dos árabes, que foram compostos em meio à própria turbulência da ação; ao fato de que o poeta Lebid estava escrevendo versos no próprio texto da morte, etc .; mas preferiríamos admitir que há um certo grau de verdade na objeção. A construção artificial deste Salmo e de outros compostos em situações semelhantes (está longe de ser correto considerar os Salmos em geral como simples poesia da natureza); a circunstância de que uma série de Salmos frequentemente se referem a uma e a mesma situação, como esta, por exemplo, e o quarto, – essas e outras coisas tornam muito provável que, em tais casos, a concepção e o nascimento do Salmo foram separados um do outro; que Davi não expressou imediatamente em múltiplas formas o que havia sentido em momentos de perigo urgente; que ele só depois, e aos poucos, cunhou para a Igreja o ouro da consolação concedido a si mesmo em tais momentos.

Como no primeiro e no segundo Salmos, também aqui, neste e no quarto, temos um par de Salmos inseparavelmente unidos pelo próprio escritor inspirado. A situação em cada um é exatamente a mesma; comp. Salmos 3:5 com Salmos 4:8. Os pensamentos que agitaram seu coração naquela noite notável, o salmista nos representou em um todo em duas partes. No Salmo 3, suas experiências anteriores de ajuda divina constituem o ponto principal, enquanto no Salmo 4 ele olha para Deus como a rocha sobre a qual as ondas de revolta devem se desfazer em pedaços.

Certamente não deve ser considerado um acidente, que os Salmos (Salmo 3) terceiro e (Salmo 4) quarto sigam imediatamente (Salmo 1) primeiro e (Salmo 2) segundo. Eles estão ocupados, assim como o Salmo (Salmo 2) em segundo lugar, com uma revolta contra o Ungido do Senhor; e o quarto Salmo (Salmo 4) mostra especialmente uma notável concordância com ele, primeiro no pensamento e depois também na expressão – comp. “imaginam coisas vãs” em Salmos 2:1 com “amarão a vaidade” em Salmo 4:2. Neste (Salmo 3) terceiro Salmo, as experiências pessoais e os sentimentos de Davi são mais proeminentes, e formaram a base sobre a qual ele criou a expectativa dos eventos que aconteceriam a seu sucessor, o Ungido. [Hengstenberg]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no YouTube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – março de 2021.