Bíblia

Êxodo 32

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

O bezerro de ouro

1 Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, achegou-se então a Arão, e disseram-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses que vão adiante de nós; porque a este Moisés, aquele homem que tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.

Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte – Eles supunham que ele havia perdido o seu caminho na escuridão ou morrido no incêndio.

achegou-se então a Arão – em vez disso, “contra” Arão de uma maneira tumultuada, para obrigá-lo a fazer o que quisessem. Os incidentes relatados neste capítulo revelam um estado de sentimento popular entre os israelitas que está em singular contraste com o tom de reverência profunda e humilde que demonstraram ao conceder a lei. Dentro de um espaço de pouco mais de trinta dias, suas impressões foram dissipadas. Embora ainda estivessem acampados na base, eles tinham todos os motivos para considerá-lo santo; embora a nuvem de glória que cobria o cume do Sinai ainda estivesse diante de seus olhos, proporcionando uma demonstração visível de estarem em contato próximo, ou melhor, na presença imediata de Deus, agiam como se tivessem esquecido completamente as cenas impressionantes das quais haviam sido tão recentemente testemunhas.

disseram-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses que vão adiante de nós – A palavra hebraica traduzida por “deuses” é simplesmente o nome de Deus em sua forma plural. A imagem feita era única e, portanto, seria imputar aos israelitas um pecado maior do que eles eram culpados, para acusá-los de renunciar à adoração do verdadeiro Deus por ídolos. O fato é que eles precisavam, como as crianças, ter algo para saciar seus sentidos, e como a Shekinah, “a glória de Deus”, da qual eles até então haviam desfrutado a visão, estava agora velada, eles desejavam algum material visível objeto como o símbolo da presença divina, que deve ir antes deles como a coluna de fogo tinha feito. [JFB]

2 E Arão lhes disse: Separai os pendentes de ouro que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos, e de vossas filhas, e trazei-os a mim.

Arão lhes disse: Separai os pendentes de ouro – Não era costume dos jovens egípcios usar brincos, e a circunstância, portanto, parece apontar “a multidão misturada”, que eram principalmente escravos estrangeiros, como líderes dessa insurreição. Ao dar a direção para quebrar seus brincos, Arão provavelmente calculou em ganhar tempo; ou, talvez, em sua cobiça e amor por elegância, provando-se mais forte do que sua propensão idólatra. Se tal fosse a sua expectativa, eles estavam fadados a sinalizar decepção. Melhor ter calma e sinceramente protestado com eles, ou ter preferido o dever à conveniência, deixando a questão nas mãos da Providência. [JFB]

3 Então todo o povo separou os pendentes de ouro que tinham em suas orelhas, e trouxeram-nos a Arão:

todo o povo separou os pendentes de ouro – Os anéis egípcios, vistos nos monumentos, eram placas de metal maciças; e como eram anéis desse tipo que os israelitas usavam, seu tamanho e número deveriam, na coleção geral, ter produzido uma grande quantidade de metal precioso. [JFB]

4 O qual os tomou das mãos deles, e formou-o com buril, e fez disso um bezerro de fundição. Então disseram: Israel, estes são teus deuses, que te tiraram da terra do Egito.

e formou-o com buril, e fez disso um bezerro de fundição – As palavras são transpostas e a composição deve ser: “ele emoldurou com uma ferramenta de gravura a imagem a ser feita e despejou o ouro líquido no molde, ele fez disso um bezerro fundido”. Não se diz se era de tamanho natural, se era de ouro maciço ou apenas uma moldura de madeira coberta com placas de ouro. Este ídolo parece ter sido o deus Apis, a principal divindade dos egípcios, adorado em Menfis sob a forma de um boi, com três anos de idade. Distingue-se por uma mancha branca triangular na testa e outras marcas peculiares. Imagens dele na forma de um boi inteiro, ou de uma cabeça de bezerro na ponta de um poste, eram muito comuns; e faz uma grande figura nos monumentos onde é representada na frente de todas as procissões, levantadas nos ombros dos homens.

Então disseram: Israel, estes são teus deuses, que te tiraram da terra do Egito – É inconcebível que eles, que poucas semanas antes haviam testemunhado tais demonstrações surpreendentes do Deus verdadeiro, pudessem ter subitamente afundado a tal um tom de paixão e estupidez brutal, como imaginar que a arte ou as mãos humanas pudessem fazer um deus que deveria ir antes deles. Mas deve-se ter em mente que, embora pela eleição e pelo nome eles fossem o povo de Deus, eles ainda eram, em sentimentos e associações, em hábitos e gostos, pouco ou nada diferentes dos egípcios. Eles queriam dizer que o bezerro era uma imagem, um sinal visível ou símbolo de Jeová, de modo que o pecado deles não consistia em uma quebra do primeiro (Êx 20:3), mas no segundo mandamento (Êx 20:4-6). [JFB]

5 E vendo isto Arão, edificou um altar diante do bezerro; e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa ao SENHOR.

e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa ao SENHOR – uma circunstância notável, fortemente confirmando a opinião de que eles não haviam renunciado à adoração de Jeová, mas de acordo com as noções egípcias, havia formado uma imagem com a qual eles tinha sido familiar, para ser o símbolo visível da presença divina. Mas parece ter havido muita da festança que marcou as festas dos pagãos. [JFB]

6 E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e apresentaram pacíficos: e sentou-se o povo a comer e a beber, e levantaram-se a regozijar-se.

E no dia seguinte madrugaram – Levantar cedo parece ter sido uma prática especialmente observada nos dias em que sacrifícios solenes eram oferecidos (Jó 1:5).

ofereceram holocaustos, e apresentaram pacíficos – Estas, que foram ordenados para serem oferecidos somente a Deus, foram apresentados ao bezerro de ouro.

e sentou-se o povo a comer e a beber – como era costumeiro na apresentação das ofertas pacíficas (Dt 12:17: comparar com Heródoto, 2:40); e assim eles mostraram um desejo de desfrutar da mesma comunhão com este símbolo consagrado que Arão e os 70 anciãos tiveram com o Deus de Israel, quando eles comeram e beberam em Sua presença (Êx 24:11). Eles estavam em um estado de grande e exultante jubileu. Não havia nada de errado na satisfação de sentimentos alegres, pois o próprio Deus encorajou a alegria após as solenidades religiosas (Dt 12:7; Sl 95:1). Mas parece ter havido ao mesmo tempo grande parte da festança que marcou as festas do pagão; pois acrescenta-se que, depois de terem “comido e bebido”, eles “levantaram-se a regozijar-se”.

Heródoto relata (2:59) uma festa solene que o povo do Egito celebrava na cidade de Bubástis em homenagem à deusa Diana. ‘Para ela (diz ele) eles oferecem muitos sacrifícios; e enquanto a vítima está queimando, eles dançam e jogam centenas de palhaçadas e bebem mais vinho do que em todo o ano; porque ali existem cerca de 700.000 homens e mulheres, além de crianças. Em outra festa à deusa Isis, o mesmo historiador relata que eles se entregaram a tais ritos impuros que ele encolheu de descrever a cena (Heródoto, 5:17). [JFU]

7 Então o SENHOR disse a Moisés: Anda, desce, porque teu povo que tiraste da terra do Egito se corrompeu:

o SENHOR disse a Moisés: Anda, desce – O conhecimento da cena idólatra representada ao pé do monte foi comunicada a Moisés em linguagem emprestada de paixões e sentimentos humanos, e o julgamento de um Deus justamente ofendido foi pronunciado em termos de juta indignação contra a violação grosseira das leis recentemente promulgadas. [JFB]

8 Logo se apartaram do caminho que eu lhes mandei, e se fizeram um bezerro de fundição, e o adoraram, e sacrificaram a ele, e disseram: Israel, estes são teus deuses, que te tiraram da terra do Egito.

Logo se apartaram do caminho – “caaruw maheer” – eles apostataram rapidamente (compare com Sl 106:13, donde o verbo aqui traduzido ‘logo’ é emprestado). [JFU]

9 Disse mais o SENHOR a Moisés: Eu vi a este povo, que por certo é povo de dura cerviz:
10 Agora, pois, deixa-me que se acenda meu furor neles, e os consuma: e a ti eu porei sobre grande gente.

e a ti eu porei sobre grande gente – Deve-se tomar cuidado para não supor que esta linguagem esteja denunciando qualquer mudança ou vacilação no propósito divino. O pacto feito com os patriarcas foi ratificado da maneira mais solene; não poderia e nunca foi destinado que deveria ser quebrado. Mas a maneira pela qual Deus falou a Moisés serviu a dois propósitos importantes – tendeu a desenvolver a fé e o patriotismo de intercessão do líder hebreu, e para excitar o sério alerta do povo, que Deus iria rejeitá-los e privá-los dos privilégios que eles tinham gostado que fossem tão seguros. [JFB]

11 Então Moisés orou à face do SENHOR seu Deus, e disse: Ó SENHOR, por que se acenderá teu furor em teu povo, que tu tiraste da terra do Egito com grande força, e com mão forte?
12 Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para o mal os tirou, para matá-los nos montes, e para exterminá-los de sobre a face da terra? Volta-te do furor de tua ira, e arrepende-te do mal de teu povo.

Para o mal os tirou, para matá-los nos montes, e para exterminá-los de sobre a face da terra? – O lugar ‘no qual eles estavam acampados’ é explicado em sua extensão real pelo hemistíquio precedente, no qual diz-se que ele abrange não apenas a base do monte Sinai, mas os numerosos vales entre as montanhas adjacentes que compõem o alcance central, e entre os quais, enquanto a sede era sem dúvida no Sinai, Moisés e os anciãos estavam lá, o povo estava espalhado por toda a península Sinaítica, como suas necessidades exigiam (Benisch). [JFU]

13 Lembra-te de Abraão, de Isaque, e de Israel teus servos, aos quais juraste por ti mesmo, e disse-lhes: Eu multiplicarei vossa semente como as estrelas do céu; e darei a vossa semente toda esta terra que disse, e a tomarão por herança para sempre.
14 Então o SENHOR se arrependeu do mal que disse que havia de fazer a seu povo.

Deus geralmente trabalha pela instrumentalidade dos meios; e neste caso os meios de evitar a ira de Deus eram as urgentes intercessões de Moisés, que, como o ‘eleito’ – o líder escolhido por Javé para realizar em subserviência à Sua direção a grande obra da libertação e legislação do Seu povo – “se pôs na brecha diante dEle, para fazer retroceder a ira de Deus” (Sl 106:23). [JFU]

15 E virou-se Moisés, e desceu do monte trazendo em sua mão as duas tábuas do testemunho, as tábuas escritas por ambos os lados; de uma parte e de outra estavam escritas.

E virou-se Moisés, e desceu do monte – A planície Er-Raheh não é visível do topo de Jebel Musa, nem o monte pode descer para o lado em direção àquele vale; daí Moisés e seu companheiro, que de serviço aguardaram pacientemente o seu retorno na cavidade da fronte da montanha, ouviram o grito algum tempo antes de realmente verem o acampamento. [JFB]

16 E as tábuas eram obra de Deus, e a escritura era escritura de Deus gravada sobre as tábuas.

Tem sido alegado que esta fraseologia está de acordo com o idioma hebraico, no qual as montanhas de Deus significam altas montanhas, etc .; e, portanto, nada mais se quer dizer com a linguagem usada aqui do que dar uma ideia da beleza e execução acabadas dessas tábuas escritas. Mas não é no âmbito da linguagem declarar mais explicitamente que a gravura foi milagrosamente efetuada . O significado, sem dúvida, é que a lei foi inscrita nessas duas tábuas sem a ação de anjos ou qualquer outra criatura, pela operação imediata de Deus. [JFU]

17 E ouvindo Josué o clamor do povo que gritava, disse a Moisés: Barulho de batalha há no campo.

Josué – Ele havia permanecido sob as árvores no nível mais alto – a planície de onde é feita a última parte da subida, agora por degraus escavados nas rochas – até o cume da montanha. Havia sombra e comida ao seu alcance enquanto ele esperava pela volta do seu mestre (Drew’s ‘Scripture Lands’, pp. 66, 67). [JFU]

18 E ele respondeu: Não é eco de gritos de vitória de fortes, nem eco de gritos de fracos: eu ouço barulho de cantorias.

Não é eco de gritos de vitória de fortes – (comparar com Êx 17:11). ‘Não é o grito da vitória, nem o lamento da derrota, mas a voz do canto que ouço’. [JFU]

Moisés quebra as tábuas do Testemunho

19 E aconteceu, que quando chegou ele ao acampamento, e viu o bezerro e as danças, acendeu-se a ira a Moisés, e lançou as tábuas de suas mãos, e quebrou-as ao pé do monte.

acendeu-se a ira a Moisés, e lançou as tábuas de suas mãos – A chegada do líder, como a aparência de um espectro, prendeu os foliões no meio de sua festa, e seu ato de justa indignação quando ele correu no arremessar as tábuas da lei, em sinal de que, como eles tinham tão cedo se afastaram de sua relação de aliança, Deus poderia retirar os privilégios peculiares que Ele lhes havia prometido – que ato, juntamente com as medidas rigorosas que se seguiram, forma uma das cenas mais marcantes registradas na história sagrada. [JFB]

20 E tomou o bezerro que fizeram, e queimou-o no fogo, e moeu-o até reduzi-lo a pó, que espalhou sobre as águas, e deu-o a beber aos filhos de Israel.

Supõe-se que o ouro foi dissolvido por natrão ou alguma substância química. Mas não há menção de solubilidade aqui, ou em Dt 9:21; foi “queimado no fogo”, para fundi-lo em lingotes de tamanho adequado para as operações que se seguem – “reduzido a pó”; o pó de metais maleáveis ​​pode ser moído tão fino que se assemelha a poeira das asas de uma mariposa ou borboleta; e essas partículas de poeira vão flutuar na água por horas e em um fluxo corrente por dias. Essas operações de moer tinham a intenção de mostrar desprezo por deuses sem valor, e os israelitas seriam obrigados a lembrar a lição humilhante pelo estado da água que haviam bebido por um tempo (Napier). Outros pensam que, como os festivais idólatras eram geralmente terminados com grande uso de vinho doce, o esboço nauseante do pó de ouro seria uma punição severa (compare 2Rs 23:6,15; 2Cr 15:1634:7). [JFB]

21 E disse Moisés a Arão: Que te fez este povo, que trouxeste sobre ele tão grande pecado?
22 E respondeu Arão: Não se ire meu senhor; tu conheces o povo, que é inclinado ao mal.
23 Porque me disseram: Faze-nos deuses que vão adiante de nós, que a este Moisés, o homem que tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.
24 E eu lhes respondi: Quem tem ouro? Separai-o. E o deram a mim, e lancei-o no fogo, e saiu este bezerro.

Moisés manda matar os idólatras

25 E vendo Moisés que o povo estava descontrolado, porque Arão o havia deixado se descontrolarem para vergonha entre seus inimigos,

descontrolado – desarmado e indefeso, ou envergonhado de um sentimento de culpa. Alguns pensam que eles estavam literalmente nus, como os egípcios realizaram alguns dos seus ritos dessa maneira indecente. [JFB]

26 Pôs-se Moisés à porta do acampamento, e disse: Quem é do SENHOR? junte-se comigo. E juntaram-se com ele todos os filhos de Levi.

Pôs-se Moisés à porta do acampamento, e disse – O acampamento deve ter sido protegido por um baluarte após o ataque dos amalequitas.

Quem é do SENHOR? junte-se comigo – O zelo e a coragem de Moisés foram surpreendentes, considerando que ele se opunha a uma multidão embriagada. As pessoas foram separadas em duas divisões, e aqueles que eram mais ousados ​​e mais obstinados em reivindicar sua idolatria foram condenados à morte, enquanto os demais, que se retiraram com vergonha ou tristeza, foram poupados. [JFB]

27 E ele lhes disse: Assim disse o SENHOR, o Deus de Israel: Ponde cada um sua espada sobre sua coxa: passai e voltai de porta em porta pelo acampamento, e matai cada um a seu irmão, e a seu amigo, e a seu parente.

matai cada um a seu irmão – “Todo” não deve ser tomado literalmente, como se cada indivíduo dos 22.000 levitas fosse matar um irmão, um companheiro e um vizinho; pois, nesse caso, o número de mortos teria excedido 60.000. As palavras são, um homem seu irmão, um homem seu companheiro.Além disso, como não eram permitidos casamentos entre as tribos, e os levitas, como oficiais de justiça comissionados, deviam punir a pena capital contra transgressores flagrantes em todas as tribos, a frase, um homem seu irmão, não denota um irmão por consanguinidade. Ele denota aqui, como em outros lugares (Is 19:2; Jr 31:34; 34:17), um outro homem; e o significado é simplesmente que os líderes deveriam ser condenados à morte, sem perdão ao parente mais próximo ou amigo mais familiar (comparar com Dt 33:8-10).

A bênção que seu pai Levi tinha perdido (Gn 34:25) foi restaurada à tribo através da nobre conduta de seus descendentes nessa ocasião. O zelo e a coragem de Moisés eram surpreendentes, considerando que ele se opunha a uma multidão embriagada. As pessoas foram separadas em duas divisões, e aqueles que eram os mais ousados ​​e obstinados em reivindicar sua idolatria foram condenados à morte, enquanto os demais, que se retiraram com vergonha ou tristeza, foram poupados. Nada além de uma convicção da missão divina de Moisés poderia ter produzido a submissão silenciosa daqueles inúmeros infratores. [JFU]

28 E os filhos de Levi o fizeram conforme o dito de Moisés: e caíram do povo naquele dia como três mil homens.
29 Então Moisés disse: Hoje vos consagrastes ao SENHOR, porque cada um se consagrou em seu filho, e em seu irmão, para que dê ele hoje bênção sobre vós.

Hoje vos consagrastes ao SENHOR – Os levitas, apesar da tristeza de Arão, distinguiram-se pelo seu zelo pela honra de Deus e sua conduta no cumprimento do ofício de executores nesta ocasião; e esse foi um dos motivos pelos quais foram designados para um ofício alto e honrado a serviço do santuário. [JFB]

Moisés intercede pelo povo

30 E aconteceu que no dia seguinte disse Moisés ao povo: Vós cometestes um grande pecado: mas eu subirei agora ao SENHOR; talvez lhe consiga apaziguar o furor acerca de vosso pecado.

disse Moisés ao povo: Vós cometestes um grande pecado – Moisés esforçou-se para mostrar ao povo a natureza hedionda do seu pecado e para levá-los ao arrependimento. Mas não contente com isso, ele apressou-se mais a interceder por eles. [JFB]

31 Então voltou Moisés ao SENHOR, e disse: Rogo-te, pois este povo cometeu um grande pecado, porque fizeram para si deuses de ouro,
32 Que perdoes agora seu pecado, e se não, apaga-me agora de teu livro que escreveste.

de teu livro – uma alusão ao registro dos vivos, e apagando os nomes daqueles que morrem. Que afeto de afeto ele demonstrou por seus irmãos! Quão plenamente ele foi animado com o verdadeiro espírito de um patriota, quando ele professou sua vontade de morrer por eles. Mas Cristo realmente morreu por seu povo (Rm 5:8). [JFB]

33 E o SENHOR respondeu a Moisés: Ao que pecar contra mim, a este apagarei eu de meu livro.

Ao que pecar contra mim, a este apagarei eu de meu livro – Houve um tempo que na China, os nomes das pessoas julgadas em processos criminais eram escritos em dois livros distintos, chamados livro da vida e livro da morte; aqueles absolvidos, ou não condenados, eram escritos no primeiro, aqueles considerados culpados, no segundo. Estes eram apresentados ao imperador, que tinha o direito de apagar qualquer nome de qualquer um (compare com Ap 3:5).

Esta prerrogativa pertence absolutamente a Deus; e, portanto, está registrado que “o SENHOR respondeu a Moisés: Ao que pecar contra mim” – de modo a violar a condição do pacto do Sinai – “este apagarei eu de meu livro”. Vou apagá-lo do registro dos vivos ou cortá-lo do número deles. Assim, em muitas passagens do Pentateuco (Lv 17:10; 20:2,6; 23:30; Nm 16:29-34), bem como dos Salmos, os ímpios são ameaçados com morte repentina, violenta e inoportuna, ou com outras calamidades terríveis, que devem ter uma assinatura evidente de ser infligido pela mão imediata de Deus (compare com Sl 11:5; 34:16,21; 37:1-2,9-10,20,35-36,38; 55:23; 94:23). A declaração indica uma regra geral do governo divino, que uma clara distinção seria feita entre o inocente e o culpado, e que a punição seria infligida apenas nos mais estritos princípios de justiça. Mas a declaração referia-se principalmente ao governo especial de Israel, no qual Yahweh, como rei, lidaria com as pessoas que compunham aquela nação, na distribuição de recompensas e punições temporais, de acordo com seus respectivos méritos; e o objetivo imediato de fazê-lo era assegurar a Moisés que não deveria haver uma destruição nacional – que aqueles somente deveriam ser cortados, cujo pecado incorrigível e sem esperança mereceria aquele destino, enquanto todos os que permaneceram fiéis à aliança seriam poupados. [JFU]

34 Vai, pois, agora, leva a este povo aonde te disse: eis que meu anjo irá diante de ti; que no dia de minha visitação eu visitarei neles seu pecado.

Vai, pois, agora, leva a este povo aonde te disse (veja a nota em Ex 23:20): eis que meu anjo irá diante de ti – Embora os israelitas ainda devessem continuar um povo eleito, e a promessa de seu estabelecimento em Canaã ser cumprida, eles foram ameaçados, como uma punição de sua ofensa hedionda, com uma privação da sua mais distinta honra – a presença e a orientação do seu Senhor e Rei. (O termo mal’aakiy, de fato, é usado aqui, o que já ocorreu em várias passagens (Ex 14:19; 23:20-23) em aplicação ao Anjo Revelador, Yahweh; mas parece que (Êx 33:3) Aquele que até então os acompanhara anunciou Sua intenção de retirar-se no futuro, deixando a função de guia para ser desempenhada por algum agente inferior (comparar Êx 33:2-3, com Êx 23:21) – se a coluna de nuvem sozinha ou um anjo criado não pode ser determinado). Esta ameaça de calamidade, porém, pela intercessão de Moisés e pelo arrependimento do povo, foi evitada.

que no dia de minha visitação eu visitarei neles seu pecado – (O verbo paaqad, quando falado do procedimento divino para o Seu povo, frequentemente significa visitar com bondade (Êx 3:16; 4:31; Gn 21:1; 50:24; 1Sm 2:21; Sl 8:5; Is 23:17); mas às vezes nas dispensações aflitivas da Providência (Jó 31:14; 35:15); outras vezes de maneira judicial (Sl 59:5; Is 26:14; Jr 9:25; 44:13), especialmente a idolatria dos israelitas (Ex 20:5; 34:7; Nm 14:18; Sl 89:32-33; Os 1:4; 2:15; 4:9; Am 3:14). É usado no último sentido aqui; e “o dia” quando o julgamento é infligido denota um período em que, por um longo acúmulo de pecados nacionais, e a putrefação de uma profunda corrupção, as iniquidades de um povo sendo cheias, as jarras da ira divina são derramadas sobre eles com devastadora destruição). Várias dessas crises de julgamentos desoladores ocorreram na história nacional de Israel (Mt 23:23; Lc 11:51). “Eu visitareio pecado deles sobre eles”. O próprio povo judeu acredita que essa denúncia foi efetivada; pois tem sido um ditado tradicional entre eles, transmitido desde a época até o presente, que nenhum desastre nacional jamais abalou a nação, mas tinha uma porção do bezerro de ouro. [JFU]

35 E o SENHOR feriu ao povo, porque fizeram o bezerro que formou Arão.

Nenhum juízo imediato foi infligido, mas esse lapso inicial na idolatria sempre foi mencionado como um agravamento de suas apostasias subsequentes.

<Êxodo 31 Êxodo 33>

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados