Êxodo 24

A confirmação da aliança

1 E disse a Moisés:Sobe ao SENHOR, tu, e Arão, Nadabe, e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel; e vos inclinareis desde longe.

Comentário de R. Jamieson

E disse a Moisés. Quando e onde essas palavras foram ditas? Foi depois da entrega dos Dez Mandamentos, quando o povo, tomado de admiração pela demonstração terrível da Divina Majestade, implorou a Moisés para agir como mediador entre Deus e eles. Embora inicialmente paralisado, em comum com o povo, pelo horror da cena, ainda assim, tendo sido tranquilizado pela Voz Divina (Êxodo 19:19), ele se aproximou da “escuridão densa” (Êxodo 20:21), onde permaneceu em misteriosa comunhão com Deus, e foi instruído na aplicação dos grandes princípios do Decálogo a vários casos relativos a assuntos de interesse e importância na economia social, e que, de sua ocorrência frequente, exigiam uma intervenção imediata e autorizada acordo de acordo com a constituição nacional.

Os resultados daquela conferência solene estão relacionados em Êxodo 20:22-26; Exo 21:1-36; Êxodo 22:1-31; Êxodo 23:1-33; e o encerramento é descrito no início deste capítulo. Está manifestamente implícito nos termos desta ordem que Moisés foi enviado para comunicar ao povo aqueles conselhos e detalhes explicativos da lei, e que ele havia recebido a ordem de, após cumprir esse dever, subir novamente a montanha, em a fim de receber um registro permanente e divinamente autenticado do Decálogo – a base da aliança nacional – e ser fornecido com um “padrão” segundo o qual ele deveria moldar todo o curso político e religioso da vida israelita. Nessa ocasião subsequente, ele deveria ser acompanhado por um seleto corpo de assistentes, consistindo dos principais e mais respeitados chefes do povo, cuja presença e testemunho tenderiam a inspirar confiança geral e pavimentar o caminho para uma aceitação mais rápida do divino vai. (Veja ainda as notas em Êxodo 24:13-14.) [JFU, aguardando revisão]

2 Mas Moisés somente se chegará ao SENHOR; e eles não se aproximem, nem suba com ele o povo.

Comentário Whedon

Mas Moisés somente se chegará ao SENHOR. Aqui estava um esboço simbólico do que foi posteriormente formalmente fixado no código levítico. Moisés representava o sumo sacerdote, que ia sozinho para o lugar santíssimo (Lv 16:17), e esses outros os sacerdotes consagrados comuns que podiam ministrar no lugar sagrado e no altar, enquanto o povo era obrigado a permanecer no distância. [Whedon, aguardando revisão]

3 E Moisés veio e contou ao povo todas as palavras do SENHOR, e todos os estatutos:e todo o povo respondeu em uma voz, e disseram:Executaremos todas as palavras que o SENHOR disse.

Comentário de R. Jamieson

Moisés veio e contou ao povo todas as palavras do SENHOR – O ensaio das leis precedentes e os dez mandamentos, juntamente com as promessas de bênçãos especiais no caso de sua obediência, tendo extraído do povo uma declaração unânime de seu consentimento. , foi imediatamente registrado como as condições do pacto nacional. No dia seguinte, foram feitos preparativos para que fosse (o pacto) solenemente ratificado, construindo um altar e doze pilares; o altar representando Deus, e os pilares, as tribos de Israel – as duas partes neste pacto solene – enquanto Moisés agia como mediador típico. [JFB, aguardando revisão]

4 E Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR, e levantando-se de manhã edificou um altar ao pé do monte, e doze colunas, segundo as doze tribos de Israel.

Comentário de R. Jamieson

Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR. Não se diz onde os escreveu, já tendo sido mencionado o registo público (Êxodo 17:14), em que parece que, por indicação especial de Deus, todos os incidentes de interesse público ou de sagrada importância, especialmente as Suas maravilhosas interposições, e as revelações de Sua vontade e adoração foram registradas. No dia seguinte, foram feitos preparativos para que fosse solenemente ratificado, com a construção de um altar e doze pilares; o altar representando Deus e os pilares as tribos de Israel – as duas partes neste pacto solene – enquanto Moisés atuava como mediador típico.

O altar foi erguido [tachat haahaar] sob (na base do) monte, não a colina, como é erroneamente chamado. [coluna matseebaah, um cipo (cf. Gn 28:18; Gn 28:22; Is 19:19).] As doze colunas foram colocadas provavelmente em torno do altar, que, tendo sido erguido da maneira e do material prescrito (Êxodo 20:24), tornou-se um lugar temporário onde a presença e a bênção do Senhor eram desfrutadas pelo povo; e a posição das doze pedras seria alinhada em tal ordem regular que eles eram reconhecidos como representando as respectivas tribos.

‘Um altar era um degrau por meio do qual o homem ascendia a Deus e sobre o qual oferecia os dons que apresentava a Deus. Portanto, era necessário que o altar fosse erguido pelo próprio homem. Quando Yahweh desceu – não para receber presentes e sacrifícios do povo, mas para dar-lhes leis e promessas – o Sinai era o altar no qual Ele se revelava. O povo não se atreveu a subir o Monte Sinai para oferecer suas dádivas a Deus; era necessário, portanto, que eles mesmos construíssem um altar, que tivesse a mesma relação com o Sinai que a obra do homem com a obra de Deus. Ao mesmo tempo, sua conexão seria conhecida pelo fato de ter sido construído de terra e pedras brutas ”(Kurtz). [JFU, aguardando revisão]

5 E enviou aos rapazes dos filhos de Israel, os quais ofereceram holocaustos e sacrificaram pacíficos ao SENHOR, bezerros.

Comentário de R. Jamieson

rapazes – sacerdotes (Êx 19:22), provavelmente os filhos mais velhos de famílias particulares, que agiram sob a direção de Moisés.

bezerros – Outros animais, embora não mencionados, foram oferecidos em sacrifício (Hb 9:18-20). [JFB]

6 E Moisés tomou a metade do sangue, e a pôs em bacias, e espargiu a outra metade do sangue sobre o altar.

Comentário de R. Jamieson

Moisés tomou a metade do sangueespargiu – Preliminarmente a isso foi a leitura pública da lei e a renovação da aceitação dos termos pelo povo; então a aspersão do sangue era o sinal de ratificação solene – metade sobre cada parte na transação. [JFB]

7 E tomou o livro da aliança, e leu aos ouvidos do povo, o qual disse:Faremos todas as coisas que o SENHOR disse, e obedeceremos.

Comentário de R. Jamieson

E tomou o livro da aliança – a saber, a escrita na qual, conforme declarado em Êxodo 24:4, foram inscritas as condições da aliança nacional como corporificadas nas palavras e leis de Deus (ver as notas em Deu 4:13- 14).

e leu aos ouvidos do povo – provavelmente primeiro para os anciãos ou representantes, por quem foi ensaiada para as várias seções do povo em sucessão.

Faremos todas as coisas que o SENHOR disse, e obedeceremos. Visto que a lei é chamada de aliança, na qual os israelitas deveriam entrar voluntariamente e com autoconsciência, uma declaração expressa para esse efeito teve de ser solicitada e obtida; e renovada a aceitação dos termos pelo povo, foi realizada a cerimônia que indicou sua ratificação solene, aspergindo a metade do sangue sobre cada uma das partes na transação. [JFU, aguardando revisão]

8 Então Moisés tomou o sangue, e salpicou sobre o povo, e disse:Eis o sangue da aliança que o SENHOR fez convosco sobre todas estas coisas.

Comentário de R. Jamieson

Moisés tomou o sangue, e salpicou sobre o povo – provavelmente nas doze colunas, representando o povo (também o livro, Hb 9:19), e o ato foi acompanhado por uma proclamação pública de sua importância. Estava fixando o selo deles / delas à aliança (compare 1Co 11:25). Deve ter sido uma cena profundamente impressionante e instrutiva, pois ensinou aos israelitas que a aliança foi feita com eles apenas por meio da aspersão de sangue – que a aceitação divina de si mesmos e dos serviços era somente em virtude de um sacrifício expiatório. e que até mesmo as bênçãos da aliança nacional foram prometidas e asseguradas a elas somente pela graça. O cerimonial, no entanto, teve um significado adicional e superior, como é mostrado pelo apóstolo (ver como acima [Hb 9:19-28]). [JFB, aguardando revisão]

9 E subiram Moisés e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel;

Comentário de R. Jamieson

E subiram Moisés e Arão – em obediência a uma ordem dada (Êx 24:1-2; também Êx 19:24), anterior ao envolvimento religioso do povo, agora descrito.

Nadabe e Abiú – os dois filhos mais velhos de Arão [Êx 6:23].

setenta dos anciãos – um número seleto; qual foi o princípio da seleção não é dito; mas eles eram os principais representantes, os mais conspícuos para o posto e posição oficiais, bem como para sua probidade e peso de caráter em suas respectivas tribos. [JFB, aguardando revisão]

10 E viram ao Deus de Israel; e havia debaixo de seus pés como um pavimento de safira, semelhante ao céu quando está claro.

Comentário de R. Jamieson

E viram ao Deus de Israel – Que não havia nenhuma forma visível ou representação da natureza divina, afirmamos expressamente (Dt 4:15). Mas um símbolo ou emblema de Sua glória foi claramente, e à distância, exibido diante das testemunhas escolhidas. Muitos pensam, no entanto, que nesta cena particular foi revelada, em meio ao brilho luminoso, a forma vagamente embotada da humanidade de Cristo (Ez 1:26; compare com Gl 3:24).

safira – uma das mais valiosas e lustrosas das pedras preciosas – de cor azul celeste ou azul claro e freqüentemente escolhida para descrever o trono de Deus (ver Ez 1:2610:1). [JFB]

11 Mas não estendeu sua mão sobre os príncipes dos filhos de Israel:e viram a Deus, e comeram e beberam.

Comentário de R. Jamieson

Mas não estendeu sua mão sobre os príncipes dos filhos de Israel – Os “nobres”, isto é, os anciãos, após a aspersão do sangue, não foram inspirados com terror na presença do símbolo calmo, benigno e radiante do divino majestade; tão diferente das ótimas exibições na entrega da lei. O relatório de tantas testemunhas competentes tenderia a confirmar a fé das pessoas na missão divina de Moisés.

comeram e beberam – festeje com a oferta de paz – nos remanescentes dos sacrifícios e libações tardias. Esta festa teve um suporte profético, insinuando a morada de Deus com os homens. [JFB, aguardando revisão]

Moisés na presença de Deus

12 Então o SENHOR disse a Moisés:Sobe a mim ao monte, e espera ali, e te darei tábuas de pedra, e a lei, e mandamentos que escrevi para ensiná-los.

Comentário de R. Jamieson

te darei tábuas de pedra – Os dez mandamentos, que já haviam sido falados, deveriam ser dados em forma permanente. Inscritos na pedra, para maior durabilidade, pela mão do próprio Deus, foram assim autenticados e honrados acima das partes judiciais ou cerimoniais da lei. [JFB]

13 E levantou-se Moisés, e Josué seu assistente; e Moisés subiu ao monte de Deus.

Comentário de R. Jamieson

Moisés subiu ao monte de Deus – Ele foi chamado para receber a transcrição divina. Josué foi levado um pouco mais alto, e seria um grande conforto para o líder ter a sua companhia durante os seis dias em que esteve em paciente esperando pela chamada no sétimo dia ou sábado. [JFB]

14 E disse aos anciãos:Esperai-nos aqui até que voltemos a vós:e eis que Arão e Hur estão convosco:o que tiver negócios chegue-se a eles.

Comentário de R. Jamieson

E disse aos anciãos:Esperai-nos aqui até que voltemos a vós – Há um vale circular ou oco, uma boa subida sobre o cume de Jebel Musa, que era o seu lugar de parada, enquanto que só ele teve o privilégio de subir o pico mais alto. O povo estava em baixo, como no “átrio exterior”, os anciãos no “lugar santo”, Moisés, como um tipo de Cristo, no “santo dos santos”. [JFB]

15 Então Moisés subiu ao monte, e uma nuvem cobriu o monte.

Comentário de R. Jamieson

Moisés subiu ao monte. O cume do monte estava coberto por uma nuvem negra, que, com a glória resplandecente, a shechiná, no meio dela, simbolizava a presença divina no cume do monte, como depois no Santo dos Santos. Em um ponto elevado nas bordas daquela nuvem mística, Moisés permaneceu pelo espaço de seis dias – um período de prova para sua fé, humildade e paciência; e se ele, sob o impulso de uma obstinação orgulhosa e impaciente, tivesse quebrado todas as restrições, como Saul fez posteriormente (1Sa 15:1-35), ele teria traído uma falta de dependência devota e submissa de Deus, o que o faria indicaram despreparo para a grande obra que foi escolhido para realizar. Mas ele permaneceu firme, imóvel na atitude de paciente espera até que chegasse o tempo de Deus; e ele foi finalmente convocado [bªyowm hashªbiy`iy] no sétimo dia, Deus tendo escolhido o sábado para o início da gloriosa revelação, a fim de colocar a maior honra sobre ele e inspirar o povo com uma reverência mais profunda por isso instituição sagrada (cf. Ap 1:18). [JFU, aguardando revisão]

16 E a glória do SENHOR repousou sobre o monte Sinai, e a nuvem o cobriu por seis dias:e ao sétimo dia chamou a Moisés do meio da nuvem.

Comentário Whedon

a glória do SENHOR repousou sobre o monte Sinai. Compare a teofania descrita em Êxodo 19:16-20. Se os seis dias aqui mencionados foram subsequentes à partida de Moisés dos anciãos ou anteriores a ela, é uma questão que não é facilmente determinada pelo texto. Qualquer suposição é possível. A ordem das declarações na narrativa não determina a questão, pois em Êxodo 24:13-14 observamos que a direção de Moisés para os anciãos é falada depois que é dito que ele e Josué subiram ao monte. Na nota acima, em Êxodo 24:9, demos preferência à visão de que a festa sacrificial foi prolongada por seis dias, durante os quais tudo o que está registrado em Êxodo 24:3-11 ocorreu. Durante esse selamento solene da aliança, era apropriado que a nuvem cobrisse a montanha e que, no sétimo dia, Moisés fosse chamado para subir e receber as revelações posteriores. [Whedon, aguardando revisão]

17 E a aparência da glória do SENHOR era como um fogo abrasador no cume do monte, aos olhos dos filhos de Israel.

Comentário de R. Jamieson

a aparência da glória do SENHOR era como um fogo abrasador. Embora tivesse tal aparência para os espectadores na planície, Moisés peregrinou perto dela, durante uma prolongada estada no monte, sem ser ferido; mas ele foi lá no caráter de mediador (cf. Gl 3:19; Hb 8:6; Hb 9:15; Hb 10:11; Hb 10:24), e ele pode ter sido milagrosamente protegido, bem como sustentado. Na verdade, deve ter sido por ajuda divina que ele foi encorajado a entrar no dossel da nuvem; porque quando ele não possuía tal ajuda, ele evitava entrar na escuridão causada pela mesma nuvem no tabernáculo (Êxodo 40:35). [JFU, aguardando revisão]

18 E entrou Moisés em meio da nuvem, e subiu ao monte:e esteve Moisés no monte quarenta dias e quarenta noites.

Comentário de R. Jamieson

E entrou Moisés em meio da nuvem – o sinal visível da presença de Deus. A graça divina animou-o e apoiou-o a entrar com santa ousadia.

Moisés no monte quarenta dias e quarenta noites – Os seis dias que passaram na espera não estão incluídos. Durante esse período prolongado, ele foi milagrosamente sustentado (Dt 9:9). [JFB]

<Êxodo 23 Êxodo 25>

Visão geral de Êxodo

Em Êxodo 1-18, “Deus resgata os Israelitas de uma vida de escravidão no Egito e confronta o mal e as injustiças do Faraó” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Em Êxodo 19-40, “Deus convida os Israelitas a um relacionamento de aliança e vive no meio deles, no Tabernáculo, mas Israel age em rebeldia e estraga o relacionamento” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.