Deuteronômio 4

Moisés exorta o povo à obediência

1 Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e regulamentos que eu vos ensino, para que os executeis, e vivais, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR o Deus de vossos pais te dá.

Comentário de Robert Jamieson

ó Israel, ouve os estatutos e regulamentos que eu vos ensino – Por estatutos entendem-se todas as ordenanças que respeitam a religião e os ritos do culto divino; e por julgamentos, todos os decretos relativos a assuntos civis. Os dois abrangeram toda a lei de Deus. [JFB]

2 Não acrescentareis à palavra que eu vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR vosso Deus que eu vos ordeno.

Comentário de Robert Jamieson

Não acrescentareis à palavra que eu vos mando – pela introdução de qualquer superstição pagã ou formas de culto diferentes daquelas que designei (Deuteronômio 12:32; Números 15:39; Mateus 15:9).

nem diminuireis dela – pela negligência ou omissão de qualquer das observâncias, por mais triviais ou penosas que eu tenha prescrito. O caráter e as provisões da antiga dispensação foram adaptados com sabedoria divina à instrução daquele estado infantil da igreja. Mas foi apenas uma economia temporária; e embora Deus aqui autorize Moisés a ordenar que todas as suas instituições sejam honradas com uma observância infalível, isso não o impediu de comissionar outros profetas para alterá-las ou revogá-las quando o fim daquela dispensação fosse alcançado. [JFB, aguardando revisão]

3 Vossos olhos viram o que fez o SENHOR por motivo de Baal-Peor; que a todo homem que foi atrás de Baal-Peor destruiu o SENHOR teu Deus do meio de ti.

Comentário de Robert Jamieson

destruiu o SENHOR teu Deus do meio de ti – Parece que a pestilência e a espada da justiça alcançaram somente os culpados naquele caso (Números 25:1-9) enquanto o resto do povo foi poupado. A alusão àquele julgamento recente e aterrorizante foi feita sazonalmente como um poderoso dissuasor contra a idolatria, e o fato mencionado foi calculado para causar uma profunda impressão nas pessoas que conheciam e sentiam a verdade disso. [JFB]

4 Mas vós que vos achegastes ao SENHOR vosso Deus, todos estais vivos hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) Os israelitas tinham acabado de experimentar como a fiel observância da lei deu vida, no que o Senhor havia feito por causa de Baal-Peor, quando destruiu aqueles que adoravam esse ídolo (Números 25:3, Números 25:9), enquanto o fiéis seguidores do Senhor ainda permaneciam vivos. בּ דּבק, apegar-se a alguém, apegar-se a ele. Este exemplo foi apresentado por Moisés, porque a congregação havia passado por tudo isso pouco tempo antes; e os resultados da fidelidade para com o Senhor, por um lado, e da infidelidade da apostasia dEle, por outro, tornaram-se completamente evidentes para ela. “Os teus olhos vêem”, como em Deuteronômio 3:21. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 Olhai, eu vos ensinei estatutos e regulamentos, como o SENHOR meu Deus me mandou, para que façais assim em meio da terra na qual entrais para possuí-la.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Mas as leis que Moisés ensinou eram mandamentos do Senhor. Mantê-los e cumpri-los deveria ser a sabedoria e o entendimento de Israel aos olhos das nações, que, quando ouvissem todas essas leis, diriam: “Certamente (רק, somente, nada mais do que) um povo sábio e compreensivo é este. grande nação”. A história confirmou isso. Não apenas a sabedoria de um Salomão surpreendeu a rainha de Sabá (1 Reis 10:4.), mas a verdade divina que Israel possuía na lei de Moisés atraiu todas as mentes mais sinceras do mundo pagão a buscar a satisfação do necessidades mais íntimas de seus corações e a salvação de suas almas no conhecimento de Deus de Israel, quando, após um curto período de florescimento, a auto-dissolução interior das religiões pagãs havia começado; e, finalmente, no cristianismo, trouxe uma nação pagã após a outra ao conhecimento do verdadeiro Deus e à salvação eterna, apesar do fato de que a verdade divina era e ainda é considerada loucura pelos orgulhosos filósofos […] Epicuristas e Estóicos dos tempos antigos e modernos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Guardai-os, pois, e ponde-os por obra: porque esta é vossa sabedoria e vossa inteligência aos olhos dos povos, os quais ouvirão todos estes estatutos, e dirão: Certamente povo sábio e entendido, gente grande é esta.

Comentário de Robert Jamieson

esta é vossa sabedoria e vossa inteligência aos olhos dos povos, os quais ouvirão todos estes estatutos – Moisés predisse que a observância fiel das leis que lhes são dadas aumentaria o seu carácter nacional de inteligência e sabedoria. Na verdade, isso aconteceu; pois embora o mundo pagão geralmente ridicularizasse os hebreus pelo que consideravam uma exclusividade tola e absurda, alguns dos filósofos mais eminentes expressaram a mais alta admiração do princípio fundamental da religião judaica – a unidade de Deus; e seus legisladores tomaram emprestadas algumas leis da constituição dos hebreus. [JFB]

7 Porque que gente grande há que tenha os deuses próximo a si, como o está o SENHOR nosso Deus em tudo quanto lhe pedimos?

Comentário de Robert Jamieson

Porque que gente grande há – Aqui ele representa seus privilégios e seus deveres em termos tão significativos e abrangentes, que foram peculiarmente calculados para prender sua atenção e atrair seus interesses. As primeiras, suas vantagens nacionais, são descritas (Deuteronômio 4:7-8), e elas eram duplas:1. A disposição de Deus de ouvir e ajudá-las em todos os momentos; e 2. a excelência daquela religião em que foram instruídos, estabelecida nos “estatutos e juízos tão justos” que a lei de Moisés continha. Seu dever correspondendo a essas vantagens preeminentes como povo, também era duplo:1. Sua própria obediência fiel àquela lei; e 2. sua obrigação de imbuir as mentes da geração jovem e em ascensão com sentimentos semelhantes de reverência e respeito por ela. [JFB, aguardando revisão]

8 E que gente grande há que tenha estatutos e regulamentos justos, como é toda esta lei que eu ponho hoje diante de vós?

Comentário de Robert Jamieson

estatutos e regulamentos justos. Assim, ele insinua que a verdadeira grandeza de uma nação não consiste em comodidades ou riquezas, como os homens comumente pensam, mas na justiça de suas leis. [JFB, aguardando revisão]

9 Portanto, guarda-te, e guarda tua alma com empenho, que não te esqueças das coisas que teus olhos viram, nem se apartem de teu coração todos os dias de tua vida: e as ensinarás a teus filhos, e aos filhos de teus filhos;

Comentário de Keil e Delitzsch

“Apenas tome cuidado e cuide de si mesmo”. Para “guardar a alma”, isto é, cuidar da alma como a sede da vida, para defender a vida de perigo e dano (Provérbios 13:3; Provérbios 19:16). “Para que você não se esqueça de את־הדּברים (os fatos descritos em Êxodo 19-24), e que eles não se afastem do seu coração todos os dias da sua vida”, ou seja, não sejam esquecidos enquanto você viver “, e tu os fazes conhecer a teus filhos e aos filhos de teus filhos”. Esses atos de Deus formaram o fundamento da verdadeira religião, a base real da legislação da aliança e a firme garantia da verdade objetiva e divindade de todas as leis e ordenanças que Moisés deu ao povo. E foi isso que constituiu a distinção essencial entre a religião do Antigo Testamento e todas as religiões pagãs, cujos fundadores, é verdade, professavam derivar suas doutrinas e estatutos de inspiração divina, mas sem dar qualquer garantia prática de que sua origem era verdadeiramente divino. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 No dia que estiveste diante do SENHOR teu Deus em Horebe, quando o SENHOR me disse: Junta-me o povo, para que eu lhes faça ouvir minhas palavras, as quais aprenderão, para temer-me todos os dias que viverem sobre a terra: e as ensinarão a seus filhos;

Comentário de Robert Jamieson

No dia que estiveste diante do SENHOR teu Deus em Horebe – A entrega da lei do Sinai foi um fato que nunca deveria ser esquecido na história de Israel. Alguns daqueles a quem Moisés se dirigia estavam presentes, embora muito jovens; enquanto os demais foram representados pelo governo federal por seus pais, que em seu nome e por interesse entraram no pacto nacional. [JFB, aguardando revisão]

11 E vos aproximastes, e vos pusestes ao pé do monte; e o monte ardia em fogo até em meio dos céus com trevas, nuvem, e escuridão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) Nas palavras: “O dia (היּום, acusativo adverbial) “em que estiveste diante de Jeová teu Deus em Horebe”, etc, Moisés lembra ao povo as principais características desses grandes eventos: primeiro de tudo, o fato de que Deus lhe ordenou que reunisse o povo, para que Ele lhes desse a conhecer Suas palavras (Êxodo 19:9.), para que aprendessem a temê-Lo durante toda a vida e também para ensinar seus filhos (יראה, inf.., como שׂנאה, Deuteronômio 1:27); e em segundo lugar (Deuteronômio 4:11), que se aproximassem da montanha que ardia no fogo (compare com Êxodo 19:17.). A expressão, ardendo no fogo “até o coração do céu”, ou seja, bem no céu, é uma descrição retórica da terrível majestade da coluna de fogo, na qual a glória do Senhor apareceu sobre o Sinai, com a intenção de imprimir profundamente na mente do povo a lembrança desta manifestação de Deus. E a expressão “trevas, nuvens e escuridão espessa”, que é equivalente ao fumo da grande montanha (Êxodo 19:18), é empregada com o mesmo objeto. E por último (Deuteronômio 4:12, Deuteronômio 4: 13), lembra-lhes que o Senhor falou do meio do fogo, e acrescenta esta importante observação, para preparar o caminho para o que se seguirá: “Ouvistes o som das palavras, mas não vistes uma forma”, o que não só concorda plenamente com o Êxodo 24, onde se afirma que a visão da glória de Jeová sobre a montanha apareceu ao povo no sopé da montanha “como fogo devorador” (Deuteronômio 4: 17), e que mesmo os anciãos que “viram Deus” sobre a montanha na conclusão do pacto não viram nenhuma forma de Deus (Deuteronômio 4:11), mas também com Êxodo 33:20, Êxodo 33:23, segundo o qual nenhum homem pode ver o rosto (פּנים) de Deus. Mesmo a semelhança (Temunah) de Jeová, que Moisés viu quando o Senhor lhe falou boca a boca (Números 12:8), não era a forma do ser essencial de Deus que era visível a seus olhos corporais, mas simplesmente uma manifestação da glória de Deus respondendo a sua própria intuição e faculdade perceptiva, que não deve ser considerada como uma forma de Deus que era uma representação adequada da natureza divina. O verdadeiro Deus não tem tal forma que seja visível ao olho humano. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E falou o SENHOR convosco do meio do fogo: ouvistes a voz de suas palavras, mas a exceção de ouvir a voz, nenhuma forma vistes:

Comentário de Robert Jamieson

ouvistes a voz de suas palavras, mas a exceção de ouvir a voz – Embora sons articulados fossem ouvidos emanando do monte, nenhuma forma ou representação do Ser Divino que falou foi vista para indicar Sua natureza ou propriedades de acordo com as noções dos pagãos. [JFB]

13 E ele vos anunciou seu pacto, o qual vos mandou pôr por obra, os dez mandamentos; e escreveu-os em duas tábuas de pedra.

Comentário de Keil e Delitzsch

Os israelitas, portanto, não podiam ver uma forma de Deus, mas só podiam ouvir a voz de Suas palavras, quando o Senhor proclamou Sua aliança para eles, e deu expressão às dez palavras, que depois deu a Moisés escritas em duas tábuas. de pedra (Êxodo 20:1-14 [17] e Êxodo 31:18, comparado com Êxodo 24:12). Nas “tábuas de pedra”, veja em Êxodo 34:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 A mim também me mandou o SENHOR então ensinar-vos os estatutos e regulamentos, para que os pusestes por obra na terra à qual passais para possuí-la.

Comentário de Keil e Delitzsch

Quando o próprio Senhor deu a conhecer ao povo nas dez palavras a aliança que Ele lhes ordenou que fizessem, Ele instruiu Moisés a ensinar-lhes as leis e direitos que eles deveriam observar em Canaã, em outras palavras, os direitos e estatutos do Legislação Sinaítica, de Êxodo 21 em diante. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

A proibição da idolatria

15 Guardai pois muito vossas almas: pois nenhuma forma vistes no dia que o SENHOR falou convosco do meio do fogo:

Comentário de Robert Jamieson

A extrema predisposição das suas seduções, sendo a sua indicação repetitiva feita para o fato de que Deus fez não aparecer no Sinai de nenhuma forma visível; e uma cautela séria, a convicção sobre a circunstância notável, é dada para o cuidado, não apenas em fazer representações de falsos deuses, mas também em qualquer representação imaginária do verdadeiro Deus. [JFB]

16 Para que não vos corrompais, e façais para vós escultura, imagem de forma alguma, efígie de macho ou fêmea,

Comentário de Robert Jamieson

Para que não vos corrompais, e façais para vós escultura – As coisas aqui são especificadas das quais Deus proibiu qualquer imagem ou representação a ser feita para fins de adoração; e, a partir da variedade de detalhes inseridos, uma ideia pode ser formada da extensa prevalência da idolatria naquela época. De qualquer forma a idolatria se originou, seja por uma intenção de adorar o verdadeiro Deus através daquelas coisas que pareciam oferecer as mais fortes evidências de Seu poder, ou se um princípio divino deveria residir nas próprias coisas, não havia quase nenhum elemento ou objeto da natureza, mas era deificado. Este foi particularmente o caso dos cananeus e egípcios, contra cujas práticas supersticiosas a prudência, sem dúvida, era principalmente dirigida. Os primeiros adoravam Baal e Astarte, os segundos Osíris e Ísis, sob a figura de um homem e uma mulher. Foi no Egito que mais prevaleceu a adoração animal, pois os nativos daquele país deificavam entre os animais o boi, a novilha, a ovelha, a cabra, o cão, o gato e o macaco; entre as aves, o ibis, o falcão e o grou; entre os répteis, o crocodilo, a rã e o escaravelho; entre os peixes, todos os peixes do Nilo; alguns deles, como Osíris e Ísis, eram adorados por todo o Egito; os outros apenas em províncias particulares. Além disso, abraçaram a superstição zabiana, a adoração dos egípcios, em comum com a de muitos outros povos, estendendo-se a todo o exército estelar. Os detalhes muito circunstanciais aqui dados da idolatria cananéia e egípcia eram devidos à familiaridade passada e prospectiva dos israelitas com ela em todas estas formas. [JFB]

17 Figura de algum animal que seja na terra, forma de ave alguma de asas que voe pelo ar,

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-18)  Eles também não deveriam fazer uma imagem de qualquer tipo de animal; uma advertência contra a imitação da adoração de animais do Egito. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Figura de nenhum animal que vá arrastando pela terra, forma de peixe algum que haja na água debaixo da terra:

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-18)  Eles também não deveriam fazer uma imagem de qualquer tipo de animal; uma advertência contra a imitação da adoração de animais do Egito. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E para que levantando teus olhos ao céu, e vendo o sol e a lua e as estrelas, e todo o exército do céu, não sejas incitado, e te inclines a eles, e lhes sirvas; que o SENHOR teu Deus os concedeu a todos os povos debaixo de todos os céus.

Comentário Barnes

os concedeu a todos – isto é, “cuja luz Deus distribuiu às nações para seu uso e benefício, e que portanto sendo criaturas ministrando à conveniência do homem não devem ser adoradas como senhores do homem.” [Barnes]

20 Porém a vós o SENHOR vos tomou, e vos tirou do forno de ferro, do Egito, para que lhe sejais por povo de herança como neste dia.

Comentário de Robert Jamieson

Porém a vós o SENHOR vos tomou, e vos tirou do forno de ferro – isto é, fornalha de fundição de ferro. Uma fornalha desse tipo é redonda, às vezes com dez metros de profundidade, e requer a mais alta intensidade de calor. Tal é a tremenda imagem escolhida para representar a escravidão e a aflição dos israelitas (Rosenmuller).

para que lhe sejais por povo de herança – Sua possessão peculiar de geração em geração; e, portanto, para vocês abandonarem Sua adoração por ídolos, especialmente o sistema grosseiro e aviltante de idolatria que prevalece entre os egípcios, seria a maior insensatez – a mais negra ingratidão. [JFB]

21 E o SENHOR se irou contra mim sobre vossos negócios, e jurou que eu não passaria o Jordão, nem entraria na boa terra, que o SENHOR teu Deus te dá por herança.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-24) A retirada de Israel do Egito lembra a Moisés o fim, em outras palavras, Canaã, e o leva a mencionar novamente como o Senhor lhe havia recusado permissão para entrar nesta boa terra; e a isto acrescenta a renovada advertência de não esquecer o pacto ou fazer qualquer imagem de Deus, pois Jeová, como um Deus ciumento, jamais toleraria isto. O juramento atribuído a Deus em Deuteronômio 4:21 não é mencionado em Números 20 nem no anúncio da morte de Moisés em Números 27:12; mas não deve ser posto em questão por esse motivo, como supõe Knobel. É perfeitamente óbvio de Deuteronômio 3:23. que todos os detalhes não são dados no relato histórico do evento mencionado. כּל תּמוּנת פּסל, “imagem de uma forma de tudo o que Jeová ordenou”, sc., a não ser feita (Deuteronômio 4:16-18). “Um fogo consumidor” (Deuteronômio 4:24): este epíteto é aplicado a Deus com especial referência à manifestação de Sua glória no fogo ardente (Êxodo 24:17). Sobre o significado simbólico deste modo de revelação, veja em Êxodo 3:2.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Assim eu vou a morrer nesta terra; e não passo o Jordão: mas vós passareis, e possuireis aquela boa terra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-24) A retirada de Israel do Egito lembra a Moisés o fim, em outras palavras, Canaã, e o leva a mencionar novamente como o Senhor lhe havia recusado permissão para entrar nesta boa terra; e a isto acrescenta a renovada advertência de não esquecer o pacto ou fazer qualquer imagem de Deus, pois Jeová, como um Deus ciumento, jamais toleraria isto. O juramento atribuído a Deus em Deuteronômio 4:21 não é mencionado em Números 20 nem no anúncio da morte de Moisés em Números 27:12; mas não deve ser posto em questão por esse motivo, como supõe Knobel. É perfeitamente óbvio de Deuteronômio 3:23. que todos os detalhes não são dados no relato histórico do evento mencionado. כּל תּמוּנת פּסל, “imagem de uma forma de tudo o que Jeová ordenou”, sc., a não ser feita (Deuteronômio 4:16-18). “Um fogo consumidor” (Deuteronômio 4:24): este epíteto é aplicado a Deus com especial referência à manifestação de Sua glória no fogo ardente (Êxodo 24:17). Sobre o significado simbólico deste modo de revelação, veja em Êxodo 3:2.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Guardai-vos que não vos esqueçais do pacto do SENHOR vosso Deus, que ele estabeleceu convosco, e vos façais escultura ou imagem de qualquer coisa, que o SENHOR teu Deus te proibiu.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-24) A retirada de Israel do Egito lembra a Moisés o fim, em outras palavras, Canaã, e o leva a mencionar novamente como o Senhor lhe havia recusado permissão para entrar nesta boa terra; e a isto acrescenta a renovada advertência de não esquecer o pacto ou fazer qualquer imagem de Deus, pois Jeová, como um Deus ciumento, jamais toleraria isto. O juramento atribuído a Deus em Deuteronômio 4:21 não é mencionado em Números 20 nem no anúncio da morte de Moisés em Números 27:12; mas não deve ser posto em questão por esse motivo, como supõe Knobel. É perfeitamente óbvio de Deuteronômio 3:23. que todos os detalhes não são dados no relato histórico do evento mencionado. כּל תּמוּנת פּסל, “imagem de uma forma de tudo o que Jeová ordenou”, sc., a não ser feita (Deuteronômio 4:16-18). “Um fogo consumidor” (Deuteronômio 4:24): este epíteto é aplicado a Deus com especial referência à manifestação de Sua glória no fogo ardente (Êxodo 24:17). Sobre o significado simbólico deste modo de revelação, veja em Êxodo 3:2.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Porque o SENHOR teu Deus é fogo que consome, Deus zeloso.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-24) A retirada de Israel do Egito lembra a Moisés o fim, em outras palavras, Canaã, e o leva a mencionar novamente como o Senhor lhe havia recusado permissão para entrar nesta boa terra; e a isto acrescenta a renovada advertência de não esquecer o pacto ou fazer qualquer imagem de Deus, pois Jeová, como um Deus ciumento, jamais toleraria isto. O juramento atribuído a Deus em Deuteronômio 4:21 não é mencionado em Números 20 nem no anúncio da morte de Moisés em Números 27:12; mas não deve ser posto em questão por esse motivo, como supõe Knobel. É perfeitamente óbvio de Deuteronômio 3:23. que todos os detalhes não são dados no relato histórico do evento mencionado. כּל תּמוּנת פּסל, “imagem de uma forma de tudo o que Jeová ordenou”, sc., a não ser feita (Deuteronômio 4:16-18). “Um fogo consumidor” (Deuteronômio 4:24): este epíteto é aplicado a Deus com especial referência à manifestação de Sua glória no fogo ardente (Êxodo 24:17). Sobre o significado simbólico deste modo de revelação, veja em Êxodo 3:2.[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Quando houverdes gerado filhos e netos, e houverdes envelhecido na terra, e vos corromperdes, e fizerdes escultura ou imagem de qualquer coisa, e fizerdes mal aos olhos do SENHOR vosso Deus, para irá-lo;

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-26) Se os israelitas deveriam gerar filhos e filhos de crianças, e envelhecer na terra, e então fazer imagens de Deus, e fazer o que desagradou a Deus para provocá-lo; nesse caso, Moisés chamou o céu e a terra como testemunhas contra eles, para que fossem rapidamente destruídos fora da terra. “Envelhecer na terra” envolvia o esquecimento das antigas manifestações de graça por parte do Senhor, mas não necessariamente tornar-se voluptuoso através do gozo das riquezas da terra, embora isto também pudesse levar ao esquecimento de Deus e das manifestações de Sua graça (compare com Deuteronômio 6:10., Deuteronômio 32:15). A apodose começa com Deuteronômio 4:26. העיד, com בּ e o acusativo, para tomar ou convocar como testemunha contra uma pessoa. O céu e a terra não estão aqui para os seres racionais que neles habitam, mas são personificados, representados como vivos e capazes de sensação e fala, e mencionados como testemunhas que se levantariam contra Israel, não para proclamar sua culpa, mas para dar testemunho de que Deus, o Senhor do céu e da terra, advertiu o povo, e, como é descrito na passagem paralela em Deuteronômio 30: 19, tinha colocado diante deles a escolha da vida e da morte e, portanto, estava apenas em puni-los por sua infidelidade (compare com Salmo 50:6; Salmo 51:6). “Dias prolongados”, como em Êxodo 20:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 Eu ponho hoje por testemunhas ao céu e à terra, que logo perecereis totalmente da terra até a qual passais o Jordão para possuí-la: não estareis nela longos dias sem que sejais destruídos.

Comentário de Robert Jamieson

Eu ponho hoje por testemunhas ao céu e à terra – Esta forma solene de juramento tem sido comum em circunstâncias especiais entre todas as pessoas. Ela é usada aqui figurativamente, ou como em outras partes da Escritura onde objetos inanimados são chamados como testemunhas (Deuteronômio 32:1; Isaías 1:2). [JFB]

27 E o SENHOR vos espalhará entre os povos, e restareis poucos em número entre as nações às quais vos levará o SENHOR:

Comentário de Keil e Delitzsch

Jeová os espalharia entre as nações, onde eles pereceriam por carência e sofrimento, e apenas alguns (מספּר מתי, Gênesis 34:30) seriam deixados. “Para onde” refere-se às nações cuja terra é pensada (compare com Deuteronômio 12:29 ; Deuteronômio 30: 3 ). Para a coisa pretendida, veja Levítico 26:33 , Levítico 26:36 , Levítico 26:38-39 e Deuteronômio 28:64 ., Do qual é evidente que o autor não tinha “o destino da nação no tempo de os assírios em sua mente” (Knobel), mas sim todas as dispersões que viriam sobre a nação rebelde em tempos futuros, até a dispersão sob os romanos, que ainda continua; de modo que Moisés contemplou o castigo em toda a sua extensão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 E servireis ali a deuses feitos das mãos de homens, a madeira e a pedra, que não vem, nem ouvem, nem comem, nem cheiram.

Comentário de Robert Jamieson

E servireis ali a deuses feitos das mãos de homens – As medidas coercitivas de seus conquistadores tirânicos os forçariam à idolatria, para que sua escolha se tornasse sua punição. [JFB]

29 Mas se desde ali buscares ao SENHOR teu Deus, o acharás, se o buscares de todo teu coração e de toda tua alma.

Comentário de Keil e Delitzsch

Dali Israel voltaria a si mesmo no tempo da mais profunda miséria, como o filho pródigo do evangelho (Lc 15,17), buscaria o Senhor seu Deus, e também o encontraria se buscasse com todo o coração e alma (compare com Deuteronômio 6:5; Deuteronômio 10:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

30 Quando estiveres em angústia, e te alcançarem todas estas coisas, se nos últimos dias te voltares ao SENHOR teu Deus, e ouvires sua voz;

Comentário de Robert Jamieson

nos últimos dias te voltares ao SENHOR teu Deus – ou para o fim destinado de seus cativeiros, quando eles evidenciaram um espírito de arrependimento e fé retornando, ou na era do Messias, que é comumente chamado de “os últimos dias, E quando as tribos dispersas de Israel se converterem ao evangelho de Cristo. A ocorrência deste evento auspicioso será a mais ilustre prova da verdade da promessa feita em Deuteronômio 4:31. [JFB, aguardando revisão]

31 Porque Deus misericordioso é o SENHOR teu Deus; não te deixará, nem te destruirá, nem se esquecerá do pacto de teus pais que lhes jurou.

Comentário de Keil e Delitzsch

(30-31) “Em tribulação a ti (em tua tribulação), todas estas coisas (as ameaças de castigos e sofrimentos) te acontecerão; ao fim dos dias (ver em Gênesis 49:1) recorrerás a Jeová teu Deus, e ouvirás Sua voz”. Com este pensamento abrangente, Moisés encerra seu quadro do futuro. (Sobre o assunto, vid., Levítico 26:39-40.) Retornar ao Senhor e ouvir sua voz pressupõe que o Senhor será encontrado por aqueles que O buscam sinceramente; “pois (Deuteronômio 4:31) Ele é um Deus misericordioso, que não deixa ir seu povo, nem o destrói, e que não esquece o pacto com os pais” (compare com Levítico 26:42 e Levítico 26:45). הרפּה, para soltar, para retirar a mão de uma pessoa (Josué 10:6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

O SENHOR é Deus

32 Porque pergunta agora dos tempos passados, que foram antes de ti, desde o dia que criou Deus ao homem sobre a terra, e desde um fim do céu ao outro, se se fez coisa semelhante a esta grande coisa, ou se tenha ouvido outra como ela.

Comentário de Keil e Delitzsch

(32-34) Mas para realizar algo mais do que simplesmente preservar o povo da apostasia pela ameaça do castigo, ou seja, assegurar um apego mais fiel e uma obediência contínua a Suas ordens despertando o sentimento de amor cordial, Moisés lembra-lhes novamente os gloriosos milagres da graça divina realizados em conexão com a eleição e libertação de Israel, como nunca se ouvira falar desde o início do mundo; e com esta forte prova prática do amor do verdadeiro Deus, ele encerra seu primeiro discurso. Este pensamento final em Deuteronômio 4:32 está ligado por כּי (para) com a ideia principal em Deuteronômio 4:31. “Jeová teu Deus é um Deus misericordioso”, para mostrar que a única base para a eleição e redenção de Israel foi a compaixão de Deus para com a raça humana. “Pois pergunta agora sobre os dias passados, desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra, e de um extremo ao outro do céu, se já aconteceu algo tão grande ou se já se ouviu falar de algo assim:” ou seja, a história de todos os tempos desde a criação do homem, e de todos os lugares debaixo de todo o céu, não pode relacionar eventos como os que aconteceram com Israel, em outras palavras, no Sinai (Deuteronômio 4:33; compare com Deuteronômio 4:12). Desta manifestação terrivelmente gloriosa de Deus, Moisés remonta em Deuteronômio 4:34 aos milagres com os quais Deus realizou a libertação de Israel do Egito. “Ou um deus tentou (fez a tentativa) de vir e levar para si o povo do povo (ou seja para tirar o povo de Israel do meio da nação egípcia), com tentações (os acontecimentos no Egito pelos quais a relação do Faraó com o Senhor foi posta à prova; compare com Deuteronômio 6:22 e Deuteronômio 7: 18-19), com sinais e maravilhas (as pragas egípcias, ver Êxodo 7:3), e com conflitos (no Mar Vermelho: Êxodo 14:14; Êxodo 15:3), e com mão forte e braço estendido (ver Êxodo 6:6), e com grandes terrores? ” Nos três pontos mencionados por último, todos os atos de Deus no Egito são compreendidos, de acordo com a causa e o efeito. Eles foram revelações da onipotência do Senhor, e produziram grandes terrores (compare com Êxodo 12:30-36). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

33 Ouviu povo a voz de Deus, que falasse do meio do fogo, como tu a ouviste, e viveste?

Comentário de Keil e Delitzsch

(32-34) Mas para realizar algo mais do que simplesmente preservar o povo da apostasia pela ameaça do castigo, ou seja, assegurar um apego mais fiel e uma obediência contínua a Suas ordens despertando o sentimento de amor cordial, Moisés lembra-lhes novamente os gloriosos milagres da graça divina realizados em conexão com a eleição e libertação de Israel, como nunca se ouvira falar desde o início do mundo; e com esta forte prova prática do amor do verdadeiro Deus, ele encerra seu primeiro discurso. Este pensamento final em Deuteronômio 4:32 está ligado por כּי (para) com a ideia principal em Deuteronômio 4:31. “Jeová teu Deus é um Deus misericordioso”, para mostrar que a única base para a eleição e redenção de Israel foi a compaixão de Deus para com a raça humana. “Pois pergunta agora sobre os dias passados, desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra, e de um extremo ao outro do céu, se já aconteceu algo tão grande ou se já se ouviu falar de algo assim:” ou seja, a história de todos os tempos desde a criação do homem, e de todos os lugares debaixo de todo o céu, não pode relacionar eventos como os que aconteceram com Israel, em outras palavras, no Sinai (Deuteronômio 4:33; compare com Deuteronômio 4:12). Desta manifestação terrivelmente gloriosa de Deus, Moisés remonta em Deuteronômio 4:34 aos milagres com os quais Deus realizou a libertação de Israel do Egito. “Ou um deus tentou (fez a tentativa) de vir e levar para si o povo do povo (ou seja para tirar o povo de Israel do meio da nação egípcia), com tentações (os acontecimentos no Egito pelos quais a relação do Faraó com o Senhor foi posta à prova; compare com Deuteronômio 6:22 e Deuteronômio 7: 18-19), com sinais e maravilhas (as pragas egípcias, ver Êxodo 7:3), e com conflitos (no Mar Vermelho: Êxodo 14:14; Êxodo 15:3), e com mão forte e braço estendido (ver Êxodo 6:6), e com grandes terrores? ” Nos três pontos mencionados por último, todos os atos de Deus no Egito são compreendidos, de acordo com a causa e o efeito. Eles foram revelações da onipotência do Senhor, e produziram grandes terrores (compare com Êxodo 12:30-36). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

34 Ou experimentou Deus a vir a tomar para si nação do meio de outra nação, com provas, com sinais, com milagres, e com guerra, e mão forte, e braço estendido, e grandes espantos, segundo todas as coisas que fez convosco o SENHOR vosso Deus no Egito diante de teus olhos?

Comentário de Keil e Delitzsch

(32-34) Mas para realizar algo mais do que simplesmente preservar o povo da apostasia pela ameaça do castigo, ou seja, assegurar um apego mais fiel e uma obediência contínua a Suas ordens despertando o sentimento de amor cordial, Moisés lembra-lhes novamente os gloriosos milagres da graça divina realizados em conexão com a eleição e libertação de Israel, como nunca se ouvira falar desde o início do mundo; e com esta forte prova prática do amor do verdadeiro Deus, ele encerra seu primeiro discurso. Este pensamento final em Deuteronômio 4:32 está ligado por כּי (para) com a ideia principal em Deuteronômio 4:31. “Jeová teu Deus é um Deus misericordioso”, para mostrar que a única base para a eleição e redenção de Israel foi a compaixão de Deus para com a raça humana. “Pois pergunta agora sobre os dias passados, desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra, e de um extremo ao outro do céu, se já aconteceu algo tão grande ou se já se ouviu falar de algo assim:” ou seja, a história de todos os tempos desde a criação do homem, e de todos os lugares debaixo de todo o céu, não pode relacionar eventos como os que aconteceram com Israel, em outras palavras, no Sinai (Deuteronômio 4:33; compare com Deuteronômio 4:12). Desta manifestação terrivelmente gloriosa de Deus, Moisés remonta em Deuteronômio 4:34 aos milagres com os quais Deus realizou a libertação de Israel do Egito. “Ou um deus tentou (fez a tentativa) de vir e levar para si o povo do povo (ou seja para tirar o povo de Israel do meio da nação egípcia), com tentações (os acontecimentos no Egito pelos quais a relação do Faraó com o Senhor foi posta à prova; compare com Deuteronômio 6:22 e Deuteronômio 7: 18-19), com sinais e maravilhas (as pragas egípcias, ver Êxodo 7:3), e com conflitos (no Mar Vermelho: Êxodo 14:14; Êxodo 15:3), e com mão forte e braço estendido (ver Êxodo 6:6), e com grandes terrores? ” Nos três pontos mencionados por último, todos os atos de Deus no Egito são compreendidos, de acordo com a causa e o efeito. Eles foram revelações da onipotência do Senhor, e produziram grandes terrores (compare com Êxodo 12:30-36). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

35 A ti te foi mostrado, para que soubesses que o SENHOR ele é Deus; não há mais além dele.

Comentário Cambridge

A ti te foi mostrado – Novamente uma ênfase no caráter experimental da religião de Israel. Jeová faz algo! O efeito formativo da tradição do Êxodo sobre essa religião não pode ser superestimado. [Cambridge]

36 Dos céus te fez ouvir sua voz, para ensinar-te: e sobre a terra te mostrou seu grande fogo: e ouviste suas palavras do meio do fogo.

Comentário de Keil e Delitzsch

Mas o Senhor havia falado a Israel principalmente do céu (compare com Êxodo 20:19 [22]), e do grande fogo, no qual Ele desceu sobre o Sinai, para castigá-lo. יסּר não significa “instruir o povo quanto à Sua verdade e soberania”, como Schultz pensa, mas “colocá-los sob santa disciplina” (Knobel), para inspirá-los com um temor salutar da santidade de Seus caminhos e de Seus julgamentos pelos terríveis fenômenos que acompanharam Sua descida e sombrearam a sublime e santa majestade de Sua natureza. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

37 E porquanto ele amou a teus pais, escolheu sua descendência depois deles, e te tirou diante de si do Egito com seu grande poder;

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-38)

Tudo isso Ele fez desde o amor até os pais de Israel (os patriarcas): “e, de fato, porque Ele amava seus pais, Ele escolheu sua semente (a semente de Abraão, o primeiro dos patriarcas) depois dele, e te tirou (Israel) do Egito por Seu rosto com grande poder, para te expulsar…e te trazer, para te dar sua terra…para que tu pudesses conhecer e tomar a peito…e guardar Suas leis”, etc. Com relação à construção desses versículos, a cláusula כּי ותחת (e porque) em Deuteronômio 4:37 não deve ser considerada como dependente do que precede, como supõe Schultz; nem Deuteronômio 4:37 e Deuteronômio 4:38 devem ser tomados como a protase, e Deuteronômio 4:39, Deuteronômio 4:40 como a apodose (como sustenta Knobel). Ambas as formas de construção são forçadas e não-naturais. Os versículos formam um pensamento independente; e o ponto mais importante, que era vincular Israel à fidelidade para com Jeová, é dado como a soma e substância de todo o endereço, e colocado como uma protase à cabeça do período. A única coisa que admite a disputa, é se a apodose começa com ויּבחר (“Ele escolheu”, Deuteronômio 4:37), ou apenas com ויּוצאך (“te trouxe à tona”). Ou é possível; e não faz diferença, no que diz respeito ao pensamento principal, se consideramos a escolha de Israel, ou simplesmente a libertação do Egito, na qual essa escolha foi levada à prática, como conseqüência do amor de Jeová aos patriarcas. – A cópula ו antes de תהת é especialmente enfática, “e verdadeiramente”, e indica que a soma e a substância de todo o discurso está prestes a seguir, ou aquele pensamento no qual todo o apelo culmina. Foi o amor de Deus aos pais, não a justiça de Israel (Deuteronômio 9:5), que esteve na base da eleição de sua posteridade para ser a nação de posse de Jeová, e também de todos os milagres da graça que foram realizados em conexão com sua libertação do Egito. Moisés volta a este pensamento novamente em Deuteronômio 10:15, com o propósito de impressionar as mentes do povo como o único motivo que os colocou sob a mais forte obrigação de circuncidar o prepúcio de seu coração, e caminhar no temor e amor do Senhor seu Deus (Deuteronômio 10:12.). – Os sufixos singulares em זרעו (sua semente) e אחריו depois dele) se referem a Abraão, que Moisés tinha especialmente em sua mente ao falar de “teus pais”, porque ele era preeminentemente o amante de Deus (Isaías 41:8; 2 Crônicas 20:7), e também o amado ou amigo de Deus (Tiago 2:23; compare com Gênesis 18:17). “Pela Sua face” aponta de volta para Êxodo 33:14. A face de Jeová foi Jeová em Sua presença pessoal, em Sua pessoa conquistada, que tirou Israel do Egito, para expulsar nações grandes e poderosas diante dele, e dar-lhe sua terra em herança. “Como este dia” (mostra claramente), em outras palavras, pela destruição de Sihon e Og, que deu aos israelitas uma promessa prática de que os cananeus, da mesma forma, seriam erradicados diante deles. A expressão “como este dia” não implica, portanto, que os cananeus já tenham sido erradicados de sua terra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

38 Para lançar de diante de ti nações grandes e mais fortes que tu, e para te introduzir, e dar-te sua terra por herança, como hoje.

Comentário de W. L. Alexander

como hoje; como este dia mostrou, ou como aconteceu neste dia, na derrubada, a saber, de Siom e Ogue. [Alexander, aguardando revisão]

39 Aprende pois hoje, e medita em teu coração que o SENHOR ele é o Deus acima no céu, e abaixo sobre a terra; não há outro.

Comentário de Keil e Delitzsch

(39-40) Por isso os israelitas deveriam saber e colocar no coração que somente Jeová era Deus no céu e na terra, e deveriam guardar Seus mandamentos, a fim de que (אשׁר) fosse bem para eles e seus descendentes, e eles pudessem ter longa vida em Canaã. כּל־היּמים, “todos os tempos”, para todo o futuro (compare com Êxodo 20:12).[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

40 E guarda seus estatutos e seus mandamentos, que eu te mando hoje, para que te vá bem a ti e a teus filhos depois de ti, e prolongues teus dias sobre a terra que o SENHOR teu Deus te dá para sempre.

Comentário de Keil e Delitzsch

(39-40) Por isso os israelitas deveriam saber e colocar no coração que somente Jeová era Deus no céu e na terra, e deveriam guardar Seus mandamentos, a fim de que (אשׁר) fosse bem para eles e seus descendentes, e eles pudessem ter longa vida em Canaã. כּל־היּמים, “todos os tempos”, para todo o futuro (compare com Êxodo 20:12).[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

As cidades de refúgio

41 Então separou Moisés três cidades desta parte do Jordão ao oriente,

Comentário de Keil e Delitzsch

(41-43) Seleção de Três Cidades de Refúgio para Assassinos Não Intencionais no Leste da Jordânia. – O relato desta nomeação das cidades de refúgio na terra conquistada no leste do Jordão está inserido entre o primeiro e o segundo endereço de Moisés, muito provavelmente por nenhuma outra razão a não ser porque Moisés separou as cidades naquele momento de acordo com o comando de Deus nos Números 35:6, Números 35: 14, não apenas para dar à terra daquele lado sua plena consagração, e confirmar completamente a posse dos dois reinos Amoritish do outro lado do Jordão, mas também para dar ao povo, nesta observância pontual do dever que lhe incumbe, um exemplo para sua imitação na observância consciente dos mandamentos do Senhor, que ele agora estava prestes a colocar diante da nação. A asserção de que esta seção não foi feita depois de Núm, nem realmente pertence lá, tem um pequeno fundamento como a afirmação de que seu conteúdo está em desacordo com os preceitos do Deuteronômio 19. “Rumo ao nascer do sol” é introduzida como uma definição mais precisa; היּרדּן עבר, como מזרחה nos Números 32:19 e 34:15. Sobre o conteúdo de Deuteronômio 4:42, comp. Números 35:15. As três cidades que foram separadas foram Bezer, Ramoth, e Golan. “Bezer na estepe, (ou seja) na terra do nível” (The Amoritish table-land: Deuteronomy 3:10). A situação desta cidade levítica e cidade de refúgio, que só é mencionada novamente em Josué 20:8; Josué 21:36, e 1 Crônicas 6:63, ainda não foi descoberta. Bezer era provavelmente o mesmo que Bosor (1 Macc. 5:36), e possivelmente pode ser visto no Berza mencionado por Robinson (Pal. App. p. 170). Ramoth em Gilead, ou seja, Ramoth-Mizpeh (comp. Josué 20:8 com Josué 13:26), estava situado, segundo o Onom., a quinze milhas romanas, ou seis horas, a oeste da Filadélfia (Rabbath-Ammon); provavelmente, portanto, no local do Sal moderno, que fica a seis horas de viagem de Ammn (compare com v. Raumer, Pal. pp. 265, 266). – Golan, em Bashan, segundo Eusebius (s. v. Gaulon ou Golan), ainda era uma aldeia muito grande em Batanaea mesmo em sua época, da qual o distrito geralmente recebia o nome de Gaulonitis ou Joan; mas ainda não foi descoberta novamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

42 Para que fugisse ali o homicida que matasse a seu próximo por acidente, sem haver tido inimizade com ele desde ontem nem antes de ontem; e que fugindo de uma vez destas cidades salvara a vida:

Comentário Barnes

(41-43) Esses versos estão inseridos entre dois discursos distintos e completos pelo motivo pelo qual eles mesmos chamam a atenção (“Então Moisés separou três cidades”, etc.); ou seja, o fato narrado ocorreu historicamente depois que Moisés proferiu o único discurso e antes ele entregou o outro. Ao separar as três cidades de refúgio, Moisés cumpriu um comando anterior de Deus; e assim seguiu suas exortações à obediência, dando um exemplo pontual disso, na medida em que a oportunidade foi dada ele. [Barnes, aguardando revisão]

43 A Bezer no deserto, em terra da planície, dos rubenitas; e a Ramote em Gileade, dos gaditas; e a Golã em Basã, dos de Manassés.

Comentário Barnes

no deserto – literalmente, “na terra do Mishor”. A palavra significa um trecho nivelado de terra; mas quando usada (Deuteronômio 3:10; Josué 13:9, etc.) com o artigo, parece ser o nome apropriado para as suaves descidas de Moab, que chegam do Jordão a leste de Jericó até o Deserto da Arábia, e que formam um contraste marcante tanto com o país acidentado a oeste do rio, quanto com os distritos mais altos e notáveis pertencentes a Bashan para o norte.

Bezer é, com pouca certeza, identificado com Bostra, ou (1 Macc. 5:36) Bosor. Golan deu o nome de Gaulonitis a um distrito de certa forma a leste do mar da Galileia e ao norte do Hieromax; mas o local exato da cidade, se incerto. [Barnes, aguardando revisão]

A introdução da lei

44 Esta, pois, é a lei que Moisés propôs diante dos filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Este é um prefácio ao texto da lei, que, com o acréscimo de várias circunstâncias explicativas, contém os capítulos seguintes. [JFB, aguardando revisão]

45 Estes são os testemunhos, e os estatutos, e os regulamentos, que Moisés notificou aos filhos de Israel, quando houveram saído do Egito;

Comentário de Keil e Delitzsch

(44-49) Anúncio do Discurso sobre a Lei. – Primeiro de tudo, em Deuteronômio 4:44, temos o anúncio geral na forma de um título: “Esta é a Tora que Moisés colocou diante dos filhos de Israel”; e depois, em Deuteronômio 4:45, Deuteronômio 4:46, uma descrição mais completa da Tora de acordo com suas características principais, “testemunhos, estatutos e direitos” (ver em Deuteronômio 4:1), juntamente com um aviso do lugar e hora em que Moisés entregou este endereço. “Ao saírem do Egito”, ou seja, não “depois de terem saído”, mas durante a marcha, antes de terem alcançado o objetivo de suas viagens, em outras palavras, (Deuteronômio 4:46) quando ainda estavam do outro lado do Jordão. “No vale”, como em Deuteronômio 3:29. “Na terra de Sihon”, e portanto já em terra que o Senhor lhes havia dado por posse. A importância desta possessão como primeiro fruto e penhor do cumprimento das demais promessas de Deus, levou Moisés a mencionar novamente, embora brevemente, a derrota dos dois reis dos amorreus, juntamente com a conquista de sua terra, assim como havia feito antes em Deuteronômio 2:32-36 e Deuteronômio 3:1-17. Em Deuteronômio 4:48, compare com Deuteronômio 3:9, Deuteronômio 3:12-17. Sion, para Hermon (ver em Deuteronômio 3:9). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

46 Desta parte do Jordão, no vale diante de Bete-Peor, na terra de Seom rei dos amorreus, que habitava em Hesbom, ao qual feriu Moisés com os filhos de Israel, quando saíram do Egito:

Comentário de Robert Jamieson

Bete-Peor – isto é, “casa” ou “templo de Peor”. É provável que um templo desse ídolo moabita estivesse em visível do acampamento hebreu, enquanto Moisés estava exortando as reivindicações exclusivas de Deus à sua adoração, e essa alusão seria muito significativa se fosse o templo onde tantos dos israelitas haviam ofendido gravemente. [JFB]

47 E possuíram sua terra, e a terra de Ogue rei de Basã; dois reis dos amorreus que estavam desta parte do Jordão, ao oriente:

Comentário de Keil e Delitzsch

(44-49) Anúncio do Discurso sobre a Lei. – Primeiro de tudo, em Deuteronômio 4:44, temos o anúncio geral na forma de um título: “Esta é a Tora que Moisés colocou diante dos filhos de Israel”; e depois, em Deuteronômio 4:45, Deuteronômio 4:46, uma descrição mais completa da Tora de acordo com suas características principais, “testemunhos, estatutos e direitos” (ver em Deuteronômio 4:1), juntamente com um aviso do lugar e hora em que Moisés entregou este endereço. “Ao saírem do Egito”, ou seja, não “depois de terem saído”, mas durante a marcha, antes de terem alcançado o objetivo de suas viagens, em outras palavras, (Deuteronômio 4:46) quando ainda estavam do outro lado do Jordão. “No vale”, como em Deuteronômio 3:29. “Na terra de Sihon”, e portanto já em terra que o Senhor lhes havia dado por posse. A importância desta possessão como primeiro fruto e penhor do cumprimento das demais promessas de Deus, levou Moisés a mencionar novamente, embora brevemente, a derrota dos dois reis dos amorreus, juntamente com a conquista de sua terra, assim como havia feito antes em Deuteronômio 2:32-36 e Deuteronômio 3:1-17. Em Deuteronômio 4:48, compare com Deuteronômio 3:9, Deuteronômio 3:12-17. Sion, para Hermon (ver em Deuteronômio 3:9). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

48 Desde Aroer, que está junto à beira do ribeiro de Arnom, até o monte de Sião, que é Hermom;

Comentário de Keil e Delitzsch

(44-49) Anúncio do Discurso sobre a Lei. – Primeiro de tudo, em Deuteronômio 4:44, temos o anúncio geral na forma de um título: “Esta é a Tora que Moisés colocou diante dos filhos de Israel”; e depois, em Deuteronômio 4:45, Deuteronômio 4:46, uma descrição mais completa da Tora de acordo com suas características principais, “testemunhos, estatutos e direitos” (ver em Deuteronômio 4:1), juntamente com um aviso do lugar e hora em que Moisés entregou este endereço. “Ao saírem do Egito”, ou seja, não “depois de terem saído”, mas durante a marcha, antes de terem alcançado o objetivo de suas viagens, em outras palavras, (Deuteronômio 4:46) quando ainda estavam do outro lado do Jordão. “No vale”, como em Deuteronômio 3:29. “Na terra de Sihon”, e portanto já em terra que o Senhor lhes havia dado por posse. A importância desta possessão como primeiro fruto e penhor do cumprimento das demais promessas de Deus, levou Moisés a mencionar novamente, embora brevemente, a derrota dos dois reis dos amorreus, juntamente com a conquista de sua terra, assim como havia feito antes em Deuteronômio 2:32-36 e Deuteronômio 3:1-17. Em Deuteronômio 4:48, compare com Deuteronômio 3:9, Deuteronômio 3:12-17. Sion, para Hermon (ver em Deuteronômio 3:9). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

49 E toda a planície desta parte do Jordão, ao oriente, até o mar da planície, as encostas das águas abaixo do Pisga.

das águas abaixo do Pisga – (Deuteronômio 3:17; Josué 12:313:20), as bases ou pés das montanhas a leste do Jordão.

<Deuteronômio 3 Deuteronômio 5>

Introdução à Deuteronômio 4

Com a palavra ועתּה, “e agora”, Moisés passa de uma contemplação do que o Senhor tinha feito por Israel, para uma exortação a cumprir a lei do Senhor. As manifestações divinas da graça colocaram Israel sob a obrigação de uma observância consciente da lei, para que pudesse continuar a gozar das bênçãos do pacto. A exortação começa com o apelo, para ouvir e guardar os mandamentos e direitos do Senhor, sem lhes acrescentar ou tirar deles; pois não só a vida e a morte foram suspensas após sua observância, mas foi nisto que consistiu a sabedoria e a grandeza de Israel perante todas as nações (Deuteronômio 4:1-8). Em seguida, procede a um aviso, para não esquecer os acontecimentos em Horeb (Deuteronômio 4:9-14) e assim cair na idolatria, na adoração de imagens ou deidades idólatras (Deuteronômio 4:15-24); e fecha com uma ameaça de dispersão entre os pagãos como castigo da apostasia, e com uma promessa de restauração como conseqüência do arrependimento e da conversão sincera (Deuteronômio 4: 25-31), e também com uma razão para esta ameaça e promessa retirada da história do passado imediato (Deuteronômio 4:32-34), com o propósito de fortalecer a nação em sua fidelidade a seu Deus, o único autor de sua salvação (Deuteronômio 4:35-40). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.