Josué 20

As cidades de refúgio

1 E falou o SENHOR a Josué, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-6) Após a distribuição da terra por sorteio entre as tribos de Israel, seis cidades foram separadas, de acordo com as instruções do Mosaico em Números 35, como lugares de refúgio para homicidas involuntários. Antes de descrever a nomeação e a separação dessas cidades, o escritor repete em Josué 20:1-6 os pontos principais da lei mosaica contidos nos Números 35:9-29 e com referência à recepção dos homicidas nessas cidades. לכם תּנוּ, “dar a vocês”, ou seja, indicar para vocês mesmos, “cidades de refúgio”, etc. Em Josué 20:6, os dois regulamentos, “até que ele se apresente perante a congregação para julgamento”, e “até a morte do sumo sacerdote”, devem ser entendidos, de acordo com a clara explicação dada nos Números 35: 24-25, como significando que o homicida deveria viver na cidade até que a congregação tivesse pronunciado julgamento sobre o assunto, e ou o entregou ao vingador do sangue como um assassino voluntário, ou o levou de volta para a cidade de refúgio como um homicida involuntário, caso em que deveria permanecer lá até a morte do sumo sacerdote existente. Para mais detalhes, veja em Números 35. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Assinalai-vos as cidades de refúgio, das quais eu vos falei por Moisés;

Comentário de Robert Jamieson

(Veja Números 35:9-28; Deuteronômio 19:1-13). O comando aqui registrado foi dado para ocupar os assentamentos designados. Os santuários não eram templos ou altares, como em outros países, mas cidades habitadas; e o projeto não era para selecionar criminosos, mas apenas para garantir a proteção contra homicídios da vingança dos parentes do falecido até que se devesse averiguar se a morte resultou de acidente e paixão momentânea, ou de malícia premeditada. A instituição das cidades de refúgio, juntamente com as regras prescritas para a orientação daqueles que buscavam asilo dentro de seus muros, era uma provisão importante, tendendo a assegurar os fins da justiça, bem como da misericórdia. [JFB, aguardando revisão]

3 Para que se acolha ali o homicida que matar a alguém por acidente e não de propósito; que vos sejam por refúgio do vingador do morto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-6) Após a distribuição da terra por sorteio entre as tribos de Israel, seis cidades foram separadas, de acordo com as instruções do Mosaico em Números 35, como lugares de refúgio para homicidas involuntários. Antes de descrever a nomeação e a separação dessas cidades, o escritor repete em Josué 20:1-6 os pontos principais da lei mosaica contidos nos Números 35:9-29 e com referência à recepção dos homicidas nessas cidades. לכם תּנוּ, “dar a vocês”, ou seja, indicar para vocês mesmos, “cidades de refúgio”, etc. Em Josué 20:6, os dois regulamentos, “até que ele se apresente perante a congregação para julgamento”, e “até a morte do sumo sacerdote”, devem ser entendidos, de acordo com a clara explicação dada nos Números 35: 24-25, como significando que o homicida deveria viver na cidade até que a congregação tivesse pronunciado julgamento sobre o assunto, e ou o entregou ao vingador do sangue como um assassino voluntário, ou o levou de volta para a cidade de refúgio como um homicida involuntário, caso em que deveria permanecer lá até a morte do sumo sacerdote existente. Para mais detalhes, veja em Números 35. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E o que se refugiar a alguma daquelas cidades se apresentará à porta da cidade, e dirá suas causas, ouvindo-o os anciãos daquela cidade: e eles o receberão consigo dentro da cidade, e lhe darão lugar que habite com eles.

Comentário de Robert Jamieson

E o que se refugiar a alguma daquelas cidades se apresentará à porta da cidade – Era o local do recurso público, e ao chegar lá ele relatou sua história de angústia para os anciãos, que estavam destinados a dar-lhe abrigo e os meios de apoio, até que as autoridades locais (Josué 20:6), tendo cuidadosamente investigado o caso, deveriam ter pronunciado a decisão. Se considerado culpado, o homicida foi entregue ao vingador do sangue; se circunstâncias extenuantes aparecessem, ele deveria permanecer na cidade de refúgio, onde estaria a salvo dos sentimentos vingativos de seus perseguidores; mas ele perdeu o privilégio de imunidade no momento em que se aventurou além das paredes. [JFB, aguardando revisão]

5 E quando o vingador do morto o seguir, não entregarão em sua mão ao homicida, porquanto feriu a seu próximo por acidente, nem teve com ele antes inimizade.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-6) Após a distribuição da terra por sorteio entre as tribos de Israel, seis cidades foram separadas, de acordo com as instruções do Mosaico em Números 35, como lugares de refúgio para homicidas involuntários. Antes de descrever a nomeação e a separação dessas cidades, o escritor repete em Josué 20:1-6 os pontos principais da lei mosaica contidos nos Números 35:9-29 e com referência à recepção dos homicidas nessas cidades. לכם תּנוּ, “dar a vocês”, ou seja, indicar para vocês mesmos, “cidades de refúgio”, etc. Em Josué 20:6, os dois regulamentos, “até que ele se apresente perante a congregação para julgamento”, e “até a morte do sumo sacerdote”, devem ser entendidos, de acordo com a clara explicação dada nos Números 35: 24-25, como significando que o homicida deveria viver na cidade até que a congregação tivesse pronunciado julgamento sobre o assunto, e ou o entregou ao vingador do sangue como um assassino voluntário, ou o levou de volta para a cidade de refúgio como um homicida involuntário, caso em que deveria permanecer lá até a morte do sumo sacerdote existente. Para mais detalhes, veja em Números 35. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E ficará naquela cidade até que compareça em juízo diante do ajuntamento, até a morte do grande sacerdote que for naquele tempo: então o homicida voltará e virá à sua cidade e à sua casa e à cidade de onde fugiu.

Comentário de Robert Jamieson

até a morte do grande sacerdote – Sua morte garantiu a completa libertação do homicida de seu pecado, somente porque ele havia sido ungido com o óleo sagrado (Números 35:25), o símbolo do Espírito Santo; e assim a morte do sumo sacerdote terreno tornou-se um tipo daquele do celestial (Hebreus 9:14-15). [JFB, aguardando revisão]

7 Então assinalaram a Quedes na Galileia, no monte de Naftali, e a Siquém no monte de Efraim, e a Quiriate-Arba, que é Hebrom, no monte de Judá.

Comentário de Robert Jamieson

– No primeiro caso, eles eram uma provisão da lei criminal dos hebreus, necessária nas circunstâncias daquele povo (ver Números 35:11; ver Deuteronômio 19:2). Ao mesmo tempo, eles foram projetados também para apontar o caminho do pecador para Cristo (Hebreus 6:18). [JFB, aguardando revisão]

8 E da outra parte do Jordão de Jericó, ao oriente, assinalaram a Bezer no deserto, na planície da tribo de Rúben, e a Ramote em Gileade da tribo de Gade, e a Golã em Basã da tribo de Manassés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-9) As cidades da terra do outro lado já haviam sido indicadas por Moisés (Deuteronômio 4:41-43). Por uma questão de exaustividade, elas são mencionadas aqui novamente: em outras palavras, Bezer, Ramoth em Gilead, e Golan (ver em Deuteronômio 4:43). O assunto é encerrado em Josué 20:9. המּוּעדה ערי significa nem urbes congregationis (Kimchi) nem urbes asyli (Gesenius), mas cidades de nomeação, – aquelas que receberam a nomeação já dada e repetida novamente no que se segue. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Estas foram as cidades assinaladas para todos os filhos de Israel, e para o estrangeiro que morasse entre eles, para que se acolhesse a elas qualquer um que ferisse pessoa por acidente, e não morresse por meio do vingador do morto, até que comparecesse diante do ajuntamento.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-9) As cidades da terra do outro lado já haviam sido indicadas por Moisés (Deuteronômio 4:41-43). Por uma questão de exaustividade, elas são mencionadas aqui novamente: em outras palavras, Bezer, Ramoth em Gilead, e Golan (ver em Deuteronômio 4:43). O assunto é encerrado em Josué 20:9. המּוּעדה ערי significa nem urbes congregationis (Kimchi) nem urbes asyli (Gesenius), mas cidades de nomeação, – aquelas que receberam a nomeação já dada e repetida novamente no que se segue. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Josué 19 Josué 21>

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.