Bíblia, Revisar

Isaías 41

1 Calai-vos perante mim, ó litorais; e os povos renovem as forças; aproximem-se, e então falem; juntamente nos aproximemos ao juízo.

(Zc 2:13) Deus está prestes a discutir o caso; portanto, deixem que as nações escutem em silêncio reverente. Compare Gn 28:16-17, quanto ao espírito em que devemos nos comportar diante de Deus.

antes de mim – sim (virando), “para mim” (Maurer)

litorais – incluindo todas as regiões além do mar (Jr 25:22), regiões marítimas, não meramente ilhas no sentido estrito.

renovem as forças – Deixe-os reunir suas forças para o argumento; deixe-os aduzir seus argumentos mais fortes (compare Is 1:18; Jó 9:32). “Julgamento” significa aqui, para decidir o ponto em questão entre nós.

2 Quem o chamou desde o oriente, e com justiça o chamou ao seu pé? Ele lhe deu as nações perante sua face, e o fez dominar sobre reis, e os entregou à sua espada como o pó, como a palha fina levada por seu arco.

Quem – senão Deus? O fato de que Deus “levanta” Ciro e o qualifica para se tornar o conquistador das nações e libertador do povo de Deus, é um forte argumento por que eles deveriam confiar Nele. O futuro é aqui profeticamente representado como presente ou passado.

o homem justo – Cyrus; como Is 44:28; 45:1-4,13; 46:11, “do Oriente”, prova. Chamado de “justo”, não tanto por causa de sua própria equidade [Heródoto, 3,89], como porque ele cumpriu a vontade justa de Deus em restaurar os judeus de seu cativeiro injusto. Levantou-o em retidão. A Septuaginta toma o hebreu como um substantivo “justiça”. Maurer traduz: “Quem levantou aquele a quem salvação (nacional e temporal, o dom da ‘justiça’ de Deus para o bem, Is 32:17; compare Is 45:8; 51:5) encontra-se ao seu pé “(isto é, onde quer que ele vá). Ciro é dito que vem do Oriente, porque a Pérsia fica a leste da Babilônia; mas em Is 41:25, do norte, em referência à mídia. Ao mesmo tempo, o pleno senso de justiça, ou justo, e de toda a passagem, é realizado apenas no Messias, Ciro “antítipo (Ciro não conhecia Deus, Is 45:4). Ele sai como o Conquistador Universal das “nações”, fazendo justiça à guerra (Sl 2:8-9; Ap 19:11-15; 6:2; 2:26-27). . “Os ídolos ele abolirá totalmente” (compare Is 7:23 com Is 2:18). A justiça sempre foi levantada do Oriente. O paraíso ficava a leste do Éden. Os querubins estavam ao leste do jardim. Abraão foi chamado do Oriente. Judéia, o local de nascimento do Messias, estava no Oriente.

chamado … para … pé – chamou-o para assistir aos passos de Deus (isto é, seguir sua orientação). Em Ed 1:2, Ciro reconhece a Jeová como o Doador de suas vitórias. Ele subjugou as nações do Euxine ao Mar Vermelho, e até ao Egito (diz Xenophon).

– (Is 17:13; 29:5; Sl 18:42). Pérsia, país de Ciro, era famoso pelo uso do “arco” (Is 22:6). “Antes dele” significa “deu-lhes em seu poder” (Js 10:12). Maurer traduz: “Deu a sua espada (do inimigo) como poeira, e a dele (a do inimigo) se tornou um restolho” (Jó 41:26,29).

3 Ele os persegue, e passa em segurança; por um caminho onde com seus pés nunca tinha ido.

Ciro não havia visitado as regiões do Eufrates, e a oeste, senão quando as visitou para conquista-las. Assim, as conquistas do Evangelho penetram em regiões onde o nome de Deus era antes desconhecido. [JFU]

4 Quem operou e fez isto, chamando as gerações desde o princípio? Eu, o SENHOR, do princípio aos últimos, eu mesmo.

Quem – senão Deus?

chamando as gerações desde o princípio – A origem e a posição de todas as nações são de Deus (Dt 32:8; At 17:26); O que é verdade sobre Ciro e suas conquistas é verdadeiro para todos os movimentos da história desde o início; todos são de Deus.

com o último – isto é, o último (Is 44:6; 48:12).

5 Os litorais viram, e tremeram; os confins da terra tremeram; eles se aproximaram, e chegaram.

Os litorais viram, e tremeram. Que seriam subjugados.

eles se aproximaram, e chegaram. Juntos, para se defenderem mutuamente. [JFU]

6 Cada um ajudou ao outro, e a seu companheiro disse: Sê forte.

Sê forte. Não se assuste por causa de Ciro, mas faça novas imagens para garantir o favor dos deuses contra ele. [JFU]

7 E o artífice encorajou ao ourives, o que alisa com o martelo ao que bate na bigorna, dizendo da soldagem: Boa é. Então com pregos o firmou, para que não se mova.

Um trabalhador encoraja o outro a ser rápido em terminar o ídolo, de modo a evitar o perigo iminente.

unhas – para mantê-lo estável em seu lugar. Sabedoria de Cântico de Salomão 13: 15,16, dá uma imagem semelhante da loucura da idolatria.

8 Porém tu, ó Israel, servo meu; tu, Jacó, a quem escolhi, semente de Abraão, meu amigo;

Contraste entre as nações idólatras que Deus destruirá por Ciro e Israel a quem Deus entregará pelo mesmo homem por causa de seus antepassados.

servo – assim chamado como sendo escolhido por Deus para adorá-Lo, e para levar outros povos a fazer o mesmo (Is 45:4).

Jacó … escolhido – (Sl 135:4).

meu amigo – literalmente, “me amando”.

9 Tu, a quem tomei desde os confins da terra, e te chamei desde seus mais extremos, e te disse: Tu és meu servo; a ti escolhi, e não te rejeitei.

Abraão, o pai dos judeus, tirado do longínquo Ur dos caldeus. Outros tomam Israel, chamado do Egito (Dt 4:37; Os 11:1).

dos homens principais – literalmente, “os cotovelos”; então as articulações; daí a raiz que une a árvore à terra; figurativamente, aqueles de estoque antigo e nobre. Mas a sentença paralela “extremidades da terra” favorece Gesenius, que traduz, “as extremidades da terra”; então Jerome.

10 Não temas, porque eu estou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus. Eu te fortaleço, te ajudo, e te sustento com a minha mão direita de justiça.

minha mão direita de justiça. Isto é, minha mão direita preparada de acordo com a minha justiça (fidelidade às minhas promessas) para te sustentar. [JFU]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

11 Eis que serão envergonhados e humilhados todos os que se indignaram contra ti; eles se tornarão como o nada; e os que brigarem contigo perecerão.

envergonhados. Terão vergonha por causa da derrota (compare Is 54:17; Rm 9:33).

12 Ainda que os procures, tu não os acharás; os que lutarem contra ti se tornarão como o nada; e os que guerrearem contra ti, como coisa nenhuma.

e … não encontrar – disse de alguém tão completamente fora do caminho que nem um vestígio dele pode ser encontrado (Sl 37:36).

coisa de nada – perecerá completamente.

13 Porque eu, o SENHOR teu Deus, te seguro pela tua mão direita, e te digo: Não temas; eu te ajudo.

As razões apresentadas apontam para a esperança, e não para a dúvida; elas estão no contínuo encorajamento de Deus, Não temais. Em todos esses versículos, Deus é o orador. Tempo passado e tempo futuro é sempre para ele tempo presente.

eu te ajudo (Dt 33:26, Dt 33:29). [Whedon]

14 Não temas, ó verme de Jacó, povinho de Israel; eu te ajudo, diz o SENHOR e teu Redentor, o Santo de Israel.

Não temas, ó verme (“bichinho” em algumas traduções) de Jacó. Em um estado de desprezo e aflição, a quem todos detestam e pisam, a própria expressão que o Messias, na cruz, aplica a Si mesmo (Sl 22:6), de modo que o Senhor e Seu povo são completamente identificados e assemelhados. O povo de Deus é como “vermes” nos pensamentos humildes de si mesmo e nos “pensamentos arrogantes de seus inimigos sobre eles: vermes, mas não víboras, ou da semente da serpente” (Henry). [JFU]

15 Eis que eu te pus como debulhador afiado, novo, que tem dentes pontiagudos. Aos montes debulharás, e moerás; e aos morros tornarás como a palhas.

Deus fará com que Israel destrua seus inimigos, pois o arrasto de milho oriental (Is 28:27-28) contorce os grãos com seus dentes e espalha a palha aos ventos.

dentes – serrilhados, de modo a cortar a palha para forragem e separar o grão do joio.

montanhas… colinas – reinos mais ou menos poderosos que eram hostis a Israel (Is 2:14).

16 Tu os padejarás, e o vento os levará; e o redemoinho os espalhará; porém tu te alegrarás no SENHOR, e te orgulharás no Santo de Israel.

Tu os padejarás. Ou irá peneirá-los (compare Mt 3:12).

o redemoinho os espalhará (Jó 27:21; 30:22). [JFU]

17 Os pobres e necessitados buscam águas, mas nada acham ; sua língua se seca de sede. Eu, o SENHOR, os ouvirei; eu, o Deus de Israel, não os desampararei.

pobres e necessitados – principalmente, os exilados na Babilônia.

águas – figurativamente, refresco, prosperidade depois de sua aflição. A linguagem é construída de maneira muito parcial para se aplicar ao evento local e temporário da restauração da Babilônia; mas plenamente para ser realizado nas águas da vida e do Espírito, sob o Evangelho (Is 30:25; 44:3; Jo 7:37-39; 4:14). Deus não realizou milagres sobre os quais lemos, em qualquer deserto, durante o retorno da Babilônia.

falha – em vez disso, “é rígido” ou ressecado [Horsley].

18 Abrirei rios em lugares altos, e fontes no meio dos vales; tornarei o deserto em tanques de águas, e a terra seca em mananciais de águas.

Aludindo às águas com as quais Israel foi miraculosamente suprido no deserto depois de ter saído do Egito.

lugares altos – sem árvores, árido e sem água (Jr 4:11; 14:6). “Altos lugares… vales” expressam espiritualmente que, em todas as circunstâncias, sejam elevadas ou deprimidas, as pessoas de Deus terão refrigério para suas almas, por menor que seja a expectativa que possa parecer.

19 Plantarei no deserto o cedro, a acácia, a murta, e a oliveira; juntamente porei na terra vazia a faia, o olmeiro e o cipreste;

(Is 32:15; 55:13)

shittah – em vez disso, a “acácia”, ou espinho egípcio, a partir do qual a goma arábica é obtida [Lowth].

oleaginosa – a oliveira.

abeto – em vez disso, o “cipreste”: grato pela sua sombra.

pinho – Gesenius traduz, “a azinheira”.

caixa de árvore – não o arbusto usado para bordar canteiros de flores, mas (Gesenius) uma espécie de cedro, notável pela pequenez de seus cones e a direção ascendente de seus ramos.

20 Para que vejam, saibam, reflitam, e juntamente entendam que a mão do SENHOR fez isto; e o Santo de Israel isto criou.

considere – literalmente, “coloque-o (no coração)”; vire (a atenção deles) para isso. “Eles” refere-se a todas as terras (Is 41:1; Sl 64:9; 40:3). O efeito sobre os gentios da interposição aberta de Deus daqui por diante em favor de Israel será, eles buscarão o Deus de Israel (Is 2:3; Zc 8:21-23).

21 Apresentai vossa demanda!,diz o SENHOR. Trazei vossos argumentos!, diz o Rei de Jacó.

Um novo desafio para os idólatras (ver Is 41:1,7) para dizer, seus ídolos podem prever eventos futuros como Jeová pode (Is 41:22-25, etc.)?

suas razões fortes – as razões para a idolatria que você acha especialmente forte.

22 Tragam e anunciem-nos as coisas que irão acontecer; anunciai quais foram as coisas passadas, para que possamos dar atenção a elas, e saibamos o fim delas; ou dizei-nos as coisas futuras.

o que deve acontecer – “Deixe-os aproximar e declarar futuras contingências” [Horsley].

coisas antigas … a última delas – mostram que previsões anteriores os ídolos deram, que podemos comparar o evento (“fim último”) com eles; ou dar novas profecias (“declarar as coisas que estão por vir”) (Is 42:9), (Maurer) Barnes explica mais explicitamente: “Deixe-os predizer toda a série de eventos, mostrando, em sua ordem, as coisas que ocorrerão primeiro, bem como aquelas que finalmente acontecerão”; os falsos profetas tentaram prever eventos isolados, sem dependência mútua; não uma longa série de eventos mutuamente e ordenadamente conectados, e se estendendo até o futuro. Eles nem tentaram fazer isso. Ninguém, a não ser Deus, pode fazê-lo (Is 46:10; 44:7-8). “Ou… as coisas que estão por vir”, nesta visão, significam: Deixe-os, se eles não podem prever a série, até mesmo prevejam claramente quaisquer eventos destacados.

23 Anunciai as coisas que ainda virão, para que saibamos que vós sois deuses; ou fazei o bem ou o mal, para que nos assombremos, e juntamente vejamos.

mal – dê qualquer prova em todo o seu poder, seja para recompensar seus amigos ou punir seus inimigos (Sl 115:2-8).

para que nos assombremos, e juntamente vejamos – Maurer traduz: “Que nós (Jeová e os ídolos) possamos nos olhar um para o outro (isto é, encontrar um ao outro, 2Rs 14:8,11) e ver ”nossos respectivos poderes por um julgamento. Horsley traduz: “Então, no momento em que contemplarmos, ficaremos desanimados”. “Nós” assim, e na versão em inglês, refere-se a Jeová e a Seus adoradores.

24 Eis que vós sois nada, e vossa obra não tem valor algum; abominação é quem vos escolhe.

nada – (Veja em Is 40:17). O texto hebraico está aqui corrompido; então a versão inglesa trata disso.

abominação – abstrato para o concreto: não apenas abominável, mas a essência de tudo o que é assim (Dt 18:12).

escolhe você – como um objeto de adoração.

25 Eu suscitei a um do norte, que virá oriente, e invocará meu nome; e virá sobre os príncipes como se fossem lama, e como o oleiro pisa o barro.

levantado – em propósito: não cumprido até cento e cinquenta anos depois.

norte – Em Is 41:2, “do Oriente”; ambos são verdadeiros: veja a nota lá.

invocará meu nome – reconheça-me como Deus e atribua seu sucesso a Mim; isso ele fez na proclamação (Ed 1:2). Isto não implica necessariamente que Ciro renunciou à idolatria, mas ouvindo a profecia de Isaías dada cento e cinquenta anos antes, tão plenamente realizada em seus próprios atos, ele reconheceu Deus como o verdadeiro Deus, mas reteve seu ídolo (então Naamã, 2Rs 5:1-27, compare 2Rs 17:33,41; Dn 3:28; 4:1-3,34-37).

príncipes – os sátrapas ou governadores das províncias da Babilônia.

argamassa – “mire”; Ele os pisará sob os pés como terra (Is 10:6).

26 Quem anunciou coisa alguma desde o princípio, para que o possamos saber, ou desde antes, para que digamos 'correto é'? Porém não há quem anuncie tal coisa nem quem diga coisa alguma , nem quem ouça vossas palavras.

Quem – dos adivinhos idólatras? Quando esta profecia se cumprir, todos verão que Deus predisse sobre Ciro, o qual nenhum dos adivinhadores tem.

antes da ocorrência do evento.

correto é – sim, “é verdade”; foi uma verdadeira profecia, como mostra o evento. “Ele é justo”, em inglês, deve ser interpretado, O cumprimento das palavras do ídolo prova que ele é fiel.

showeth, etc. – em vez disso, “não havia nenhum (dos adivinhos) que mostrou … declarou – ninguém ouviu suas palavras” predizendo o evento.

27 Eu sou o primeiro que digo a Sião: Eis que ali estão! E a Jerusalém darei um anunciador de boas novas.

eles ”(o evento desejado está agora presente) é inserido no meio da sentença como uma exclamação destacada, por uma transposição elegante, a linguagem sendo enquadrada abruptamente, como se falava colocando vividamente por assim dizer, diante dos olhos de outros, algum evento alegre que ele tinha acabado de aprender [Ludovicus De Dieu] (compare Is 40:9). Nenhum dos ídolos previra esses eventos. Jeová foi o “primeiro” a fazê-lo (ver Is 41:4).

28 E olhei, porém ninguém havia. Até entre estes nenhum conselheiro havia a quem eu perguntasse, e ele me respondesse algo.

nenhum conselheiro – nenhum dos adivinhos idólatras que poderiam informar (Nm 24:14) aqueles que os consultaram o que aconteceria. Compare “o conselho do seu mensageiro” (Is 44:26).

quando eu perguntei – isto é, desafiei-os, neste capítulo.

29 Eis que todos são falsidade, suas obras são nada. Suas obras de fundição são vento e sem valor algum.

confusão – “vazio” (Barnes).

<Isaías 40 Isaías 42>

Introdução à Isaías 41

Razões adicionais pelas quais os judeus deveriam confiar nas promessas de Deus de entregá-los; Ele levantará um Príncipe como seu libertador, enquanto os ídolos não poderiam libertar as nações pagãs daquele Príncipe.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.