Josué 10

O dia em que o sol parou

1 E quando Adoni-Zedeque rei de Jerusalém ouviu que Josué havia tomado a Ai, e que a haviam assolado, (como havia feito a Jericó e a seu rei, assim fez a Ai e a seu rei;) e que os moradores de Gibeão fizeram paz com os israelitas, e que estavam entre eles;

Comentário de Robert Jamieson

Adoni-Zedeque – “senhor da justiça” – quase sinônimo de Melquisedeque, “rei da justiça”. Esses nomes eram títulos comuns dos reis jebusitas.

Jerusalém – O nome original, “Salém” (Gênesis 14:18; Salmo 76:2), foi substituído pelo aqui dado, que significa “uma possessão pacífica”, ou “uma visão de paz”, em alusão, como alguns pensam , para a cena notavelmente simbólica (Gênesis 22:14) representada no monte em que a cidade foi construída posteriormente.

moradores de Gibeão fizeram paz com os israelitas, e que estavam entre eles – isto é, os israelitas; Fizera uma aliança com esse povo e, reconhecendo sua supremacia, vivia em termos de relações amigáveis ​​com eles. [JFB, aguardando revisão]

2 Tiveram muito grande temor; porque Gibeão era uma grande cidade, como uma das cidades reais, e maior que Ai, e todos os seus homens fortes.

Comentário de Robert Jamieson

Tiveram muito grande temor – O pavor inspirado pelas rápidas conquistas dos israelitas tinha sido imensamente aumentado pelo fato de um estado tão populoso e tão forte quanto Gibeon ter achado conveniente se submeter ao poder e aos termos dos invasores.

como uma das cidades reais – Embora em si uma república (Josué 9:3), era grande e bem fortificada, como aqueles lugares nos quais os chefes do país costumavam estabelecer sua residência. [JFB, aguardando revisão]

3 Enviou, pois, a dizer Adoni-Zedeque rei de Jerusalém, a Hoão rei de Hebrom, e a Pirã rei de Jeremote, e a Jafia rei de Laquis, e a Debir rei de Eglom:

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) O relatório de que Josué havia tomado Ai, e o colocou, como Jericó, sob a proibição, e que os gibeonitas haviam concluído um tratado com Israel, encheu de alarme Adonizedek, o rei de Jerusalém, pois Gibeon era uma cidade grande, como uma das cidades do rei, ainda maior que Ai, e seus habitantes eram homens corajosos. Ele se uniu, portanto, aos reis de Hebron, Jarmuth, Laquis e Eglon, para fazer um ataque comum a Gibeon, e puni-lo por sua aliança com os israelitas, e, ao mesmo tempo, para colocar um cheque sobre as futuras conquistas de Israel. Adonizedeque, ou seja, senhor da retidão, é sinônimo de Melquisedeque (rei da retidão), e era um título dos reis jebuseus, como o Faraó era dos egípcios. Jerusalém, ou seja a fundação ou posse da paz, chamada Salém no tempo de Abraão (Gênesis 14:18), era o nome próprio da cidade, que também era freqüentemente chamada pelo nome de seus habitantes cananitas Jebus (Juízes 19: 10-11; 1 Crônicas 11:4), ou “cidade dos jebuseus” (Ir-Jebusi, Juízes 19:11), às vezes também de forma contratada, Jebusi (היבוּסי, Josué 18:16, Josué 18:28; Josué 15:8; 2Samuel 5:8).

(Nota: Em nossa versão em inglês, temos a própria palavra hebraica simplesmente transposta em Josué 18:16, Josué 18:28; enquanto que é traduzida “o jebusita” em Josué 15:8, e “os jebusitas” em 2Samuel 5:8. – Tr.)

Na divisão da terra foi atribuída à tribo de Benjamim (Josué 18,28); mas estando situada na fronteira de Judá (Josué 15,8), foi conquistada e queimada pelos filhos de Judá após a morte de Josué (Juízes 1,8). Foi logo retomada e reconstruída pelos jebuseus, que os filhos de Judá não conseguiram destruir (Josué 15,63; Juízes 19,10-12), de modo que tanto os benjaminitas como os judaitas viveram ali junto com os jebuseus (Juízes 1,21; Josué 15,63); e a cidade alta, especialmente no cume do Monte Sião, permaneceu como uma fortificação na posse dos jebuseus, até que Davi a conquistou (2Samuel 5,6. ), fez dela a capital de seu reino, e a chamou por seu próprio nome, “a cidade de Davi”, após o que o antigo nome de Jebus caiu em desuso. Hebron, a cidade de Arba, o anacita (Josué 14:15, etc.; ver em Gênesis 23:2), estava a vinte e duas milhas romanas ao sul de Jerusalém, num vale profundo e estreito sobre as montanhas de Judá, uma cidade da maior antiguidade (Números 13:22), agora chamada de el Khalil, ou seja, o amigo (de Deus), com referência à estada de Abraão ali. As ruínas de um antigo templo pagão ainda estão para ser vistas ali, assim como o Haram, construído de blocos colossais, que contém, segundo a tradição maometana, o lugar do sepultamento dos patriarcas (ver em Gênesis 23:17). Jarmute, nas terras baixas de Judá (Josué 15:35; Neemias 11:29), de acordo com o Onom. (s. v. Jermus) uma aldeia, Jermucha (Ἰερμοχωῶς), a dez milhas romanas de Eleutheropolis, na estrada para Jerusalém, é a moderna Jarmuk, uma aldeia numa colina alta, com os restos de muros e cisternas de uma data muito antiga, cujo nome, segundo Van de Velde (Mem. pp. 115-6), é pronunciado Tell ‘Armuth by the Arabs (ver Rob. Pal. ii. p. 344). Laquis, nas terras baixas de Judá (Josué 15:39), foi fortificada por Roboão (2 Crônicas 11:9), e sitiada por Senaqueribe e Nabucodonosor (2 Reis 18:14; 2 Reis 19:8; Jeremias 34:7), e ainda era habitada por judeus após o retorno do cativeiro (Neemias 11:30). Provavelmente se encontra em Um Lakis, um antigo lugar sobre uma colina baixa e redonda, coberto por montões de pequenas pedras redondas jogadas juntas em grande confusão, contendo relíquias de colunas de mármore; fica cerca de uma hora e um quarto a oeste de Ajlun, e sete horas a oeste de Eleutheropolis.

(Nota: É verdade que Robinson disputa a identidade de Um Lakis com os antigos Lachish (Pal. ii. p. 388), mas “não por qualquer motivo razoável” (Van de Velde, Mem. p. 320). A declaração no Onom. (s. v. Lochis), de que estava a sete milhas romanas ao sul de Eleutheropolis, não pode provar muito, pois pode facilmente conter um erro no número, e Robinson não admite sua autoridade mesmo no caso de Eglon (Pal. ii. p. 392). Ainda menos pode a conjectura de Knobel estar correta, de que ela se encontra no antigo lugar chamado Sukkarijeh, duas horas e meia a sudoeste de Beit Jibrin (Eleutheropolis), já que Sukkarijeh está a leste de Ajlun, enquanto, de acordo com Josue 10:31-36, Lachish deve ser procurada a oeste de Eglon).

Eglon: também nas terras baixas de Judá (Josué 15:39). O nome atual é Ajln, um monte de ruínas, cerca de três quartos de hora ao leste de Um Lakis (ver Rob. Pal. ii. p. 392, e Van de Velde, Mem. p. 308). No Onom. (s. v. Eglon) é erroneamente identificado com Odollam; enquanto a situação da Agla, “na décima pedra, ao ir de Eleutheropolis para Gaza” (Onom. s. v. Βηθαλαΐ́μ, Bethagla), se adequa exatamente a Eglon. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Subi a mim, e ajudai-me, e combatamos a Gibeão: porque fez paz com Josué e com os filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Enviou, pois, a dizer Adoni-Zedeque… Subi a mim, e ajudai-me – Um ataque combinado foi meditado em Gibeão, com a intenção não apenas de punir seu povo por sua deserção da causa nativa, mas por sua derrubada para interpor-se uma barreira para as incursões mais distantes dos israelitas. Essa confederação entre os montanhistas da Palestina Meridional foi formada e encabeçada pelo rei de Jerusalém, porque seu território estava mais exposto ao perigo, Gibeão estando apenas a dezesseis quilômetros de distância, e porque evidentemente possuía algum grau de preeminência sobre seus vizinhos reais. [JFB, aguardando revisão]

5 E cinco reis dos amorreus, o rei de Jerusalém, o rei de Hebrom, o rei de Jeremote, o rei de Laquis, o rei de Eglom, se juntaram e subiram, eles com todos os seus exércitos, e assentaram acampamento sobre Gibeão, e lutaram contra ela.

Comentário de Robert Jamieson

cinco reis dos amorreus – O assentamento dessa tribo poderosa e guerreira estava dentro dos limites de Moabe; mas tendo também adquirido vastas posses no sudoeste do Jordão, seu nome, como o poder dominante, parece ter sido dado à região em geral (2Samuel 21:2), embora Hebrom fosse habitada por hititas ou heveus (Josué 11:19), e Jerusalém por jebuseus (Josué 15:63). [JFB, aguardando revisão]

6 E os moradores de Gibeão enviaram a dizer a Josué ao acampamento em Gilgal: Não encolhas tuas mãos de teus servos; sobe prontamente a nós para guardar-nos e ajudar-nos: porque todos os reis dos amorreus que habitam nas montanhas, se juntaram contra nós.

Comentário de Robert Jamieson

 E os moradores de Gibeão enviaram a dizer a Josué – Seu apelo era urgente e sua reivindicação de proteção era irresistível, no chão, não apenas de bondade e simpatia, mas de justiça. Ao atacar os cananeus, Josué recebeu de Deus uma garantia geral de sucesso (Josué 1:5). Mas a inteligência de uma combinação tão formidável entre os príncipes nativos parece ter deprimido sua mente com a ideia ansiosa e desanimadora de que era um castigo pela aliança precipitada e imprudente firmada com os gibeonitas. Evidentemente, era uma luta de vida e morte, não apenas para Gibeão, mas para os israelitas. E, nesse ponto de vista, a comunicação divina que foi feita a ele era sazonal e animadora. Ele parece ter pedido o conselho de Deus e recebido uma resposta antes de partir para a expedição. [JFB, aguardando revisão]

7 E subiu Josué de Gilgal, ele e todo aquele povo de guerra com ele, e todos os homens valentes.

Comentário de Keil e Delitzsch

De acordo com esta petição, Josué avançou de Gilgal (ויּעל, não subiu) com todas as pessoas de guerra, mesmo (vav expl.) todos os homens de valor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E o SENHOR disse a Josué: Não tenhas medo deles: porque eu os entreguei em tua mão, e nenhum deles resistirá diante de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

O Senhor então renovou a garantia de Sua ajuda nesta guerra particular, na qual Josué estava prestes a lutar pela primeira vez com vários reis aliados de Canaã (compare com Josué 2:24; Josué 6:2; Josué 8:1, Josué 8:18). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E Josué veio a eles de repente, toda a noite subiu desde Gilgal.

Comentário de Robert Jamieson

E Josué veio a eles de repente – isso é explicado na seguinte cláusula, onde ele é descrito como tendo realizado, por uma marcha forçada de homens escolhidos, em uma noite, uma distância de vinte e seis milhas, que, de acordo com o ritmo lento de exércitos e caravanas orientais, havia sido anteriormente uma jornada de três dias (Josué 9:17). [JFB, aguardando revisão]

10 E o SENHOR os perturbou diante de Israel, e feriu-os com grande mortandade em Gibeão: e seguiu-os pelo caminho que sobe a Bete-Horom, e feriu-os até Azeca e Maceda.

Comentário de Robert Jamieson

o SENHOR os perturbou – hebraico, “aterrorizado”, confundiu os aliados amorreus, provavelmente por uma temerosa tempestade de raios e trovões. Então a palavra é geralmente empregada (1Samuel 7:10; Salmo 18:13; 144:6).

e feriu-os com grande mortandade em Gibeão – Isto se refere ao ataque dos israelitas sobre os sitiadores. É evidente que houve muita luta dura em torno das alturas de Gibeão, pois o dia foi gasto antes que o inimigo fugisse.

e seguiu-os pelo caminho que sobe a Bete-Horom – isto é, “a Casa das Cavernas”, dos quais ainda existem vestígios existentes. Havia duas aldeias contíguas com esse nome, superior e inferior. A parte alta de Bete-Horom era a mais próxima de Gibeão – a cerca de 16 quilômetros de distância, e se aproximou por uma subida gradual através de uma longa e íngreme ravina. Esta foi a primeira etapa do vôo. Os fugitivos atravessaram a alta cordilheira de Upper Beth-horon e desceram a toda a descida para Beth-Horon, o Nether. A estrada entre os dois lugares é tão rochosa e acidentada que existe um caminho feito por meio de degraus cortados na rocha [Robinson]. Por esse caminho, Josué continuou sua derrota vitoriosa. Aqui estava o Senhor interposta, ajudando o Seu povo por meio de uma tempestade que, tendo provavelmente se reunido durante todo o dia, explodiu com tal fúria irresistível, que “foram mais que morreram com granizo do que aqueles com que os filhos de Israel mataram a espada. ”A chuva de granizo oriental é um agente fantástico; as pedras de granizo são massas de gelo, grandes como nozes e, às vezes, como dois punhos; seu tamanho prodigioso e a violência com a qual caem os tornam sempre muito prejudiciais à propriedade e, muitas vezes, fatais à vida. A característica miraculosa dessa tempestade, que recaiu sobre o exército dos amorreus, foi a inteira preservação dos israelitas de seus estragos destrutivos. [JFB, aguardando revisão]

11 E quando iam fugindo dos israelitas, à descida de Bete-Horom, o SENHOR lançou sobre eles do céu grandes pedras até Azeca, e morreram: muitos mais morreram das pedras do granizo, que os que os filhos de Israel haviam matado à espada.

Comentário de Keil e Delitzsch

As grandes pedras que o Senhor jogou sobre o inimigo na encosta de Bethoron eram pedras de granizo (ver Isaías 30:30), não pedras de granizo, ou uma chuva de pedras, mas uma terrível tempestade de granizo, na qual o granizo caiu sobre o inimigo em pedaços tão grandes quanto pedras (ver Sb 46:6), e matou um número maior deles do que as espadas dos israelitas. Este fenômeno, que se assemelhava ao terrível granizo no Egito (Êxodo 9:24), foi manifestamente uma ocorrência milagrosa produzida pelo poder onipotente de Deus, na medida em que as pedras de granizo mataram o inimigo sem ferir os israelitas, que os perseguiam. Com isso, os israelitas foram obrigados a ver que não era seu próprio poder, mas a ajuda sobrenatural de seu Deus, que lhes havia dado a vitória; enquanto o inimigo descobriu que não era apenas o povo de Israel, mas o Deus de Israel, que os havia devotado à destruição. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Então Josué falou ao SENHOR o dia que o SENHOR entregou aos amorreus diante dos filhos de Israel, e disse em presença dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeão; E tu, Lua, no vale de Aijalom.

Comentário de Robert Jamieson

O autor inspirado aqui rompe o fio da sua história desta vitória milagrosa para introduzir uma citação de um antigo poema, em que os atos poderosos daquele dia foram comemorados. A passagem, que é entre parênteses, contém uma descrição poética da vitória que foi milagrosamente obtida pela ajuda de Deus, e forma um extrato do “livro de Jasher”, isto é, “o reto” – uma antologia, ou coleção de canções nacionais, em homenagem a heróis renomados e eminentemente piedosos. A linguagem de um poema não deve ser interpretada literalmente; e portanto, quando o sol e a lua são personificados, endereçados como seres inteligentes, e representados como parados, a explicação é que a luz do sol e da lua foi sobrenaturalmente prolongada pelas mesmas leis de refração e reflexão que ordinariamente fazem com que o sol aparecem acima do horizonte, quando é na realidade abaixo dele [Keil, Bush]. Gibeão (“uma colina”) estava agora na parte de trás dos israelitas, e a altura logo teria interceptado os raios do sol poente. O vale de Ajalon (“cervos”) estava diante deles, e tão perto que às vezes era chamado de “o vale de Gibeão” (Isaías 28:21). Parece, de Josué 10:14, que o mandamento de Josué era na realidade uma oração a Deus pela realização deste milagre; e que, embora as orações de homens eminentemente bons como Moisés muitas vezes prevalecessem com Deus, nunca existiu em nenhuma outra ocasião, o que surpreendeu a demonstração do poder divino feito em favor de Seu povo, como em resposta à oração de Josué. Josué 10:15 é o fim da citação de Jasher; e é necessário notar isso, como o fato descrito nele é registrado no devido tempo, e as mesmas palavras, pelo historiador sagrado (Josué 10:43). [JFB]

13 E o sol se deteve e a lua se parou, Até tanto que a gente se havia vingado de seus inimigos. Não está este escrito no livro de Jasar? E o sol se parou em meio do céu, e não se apressou a se pôr quase um dia inteiro.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-15) Em firme confiança na promessa de Deus (Josué 10:8), Josué ofereceu uma oração ao Senhor durante a batalha, para que Ele não deixasse o sol se pôr até que Israel se vingasse de seus inimigos; e o Senhor ouviu a oração de Seu servo, e o sol se apressou a não se pôr até que a derrota dos amorreus fosse alcançada. Esta vitória milagrosa foi celebrada pelos israelitas em uma canção de guerra, que foi preservada no “livro dos justos”. O autor do livro de Josué introduziu a passagem deste livro que celebra o poderoso ato do Senhor para a glorificação de Seu nome sobre Israel, e seus inimigos, os amorreus. É geralmente admitido que Josué 10:12-15 contém uma citação do “livro de Jasher”, mencionado em Josué 10:13. Esta citação, e a referência à obra em si, são análogas ao aviso do “livro das guerras do Senhor”, em Números 21:14, e às estrofes de uma canção que estão ali entrelaçadas com a narrativa histórica; sendo o objetivo, não confirmar o relato histórico referindo-se a uma fonte anterior, mas simplesmente expor diante de outras gerações a poderosa impressão que foi feita sobre a congregação por estes poderosos atos do Senhor. O “livro de Jasher”, ou seja, o livro do homem reto, ou justo, ou seja, dos verdadeiros membros da teocracia, ou homens piedosos. ישׁר (Jasher, o justo) é usado para denotar o genuíno israelita, no mesmo sentido que em Números 23:10, onde Balaão chama os israelitas de “justos”, já que Jeová, o justo e reto (Deuteronômio 32:4), os chamou de Seu povo, e de andar em Sua justiça. Além desta passagem, o “livro dos justos (Jasher)” também é mencionado em 2Samuel 1:18, como uma obra na qual se encontrava a elegia de Davi sobre Saul e Jônatas. A partir deste fato, foi justamente inferido que o livro era uma coleção de odes em louvor a certos heróis da teocracia, com avisos históricos de suas realizações entrelaçadas, e que a coleção foi formada por graus; de modo que a referência a esta obra não é nem uma prova de que a passagem tenha sido interpolada por uma mão posterior, nem que a obra tenha sido composta num período muito tardio. Que a passagem citada desta obra é extraída de uma canção é suficientemente evidente, tanto da forma poética da composição, como também do paralelismo das frases. A citação, porém, não começa com ויּאמר (e ele disse) em Josué 10:12, mas com תּת בּיום (no dia em que o Senhor entregou) em Josué 10: 12, e Josué 10:13 e Josué 10:14 também fazem parte dela; de modo que o título do livro do qual a citação é tirada é inserido no meio da própria citação. Em outros casos, sem dúvida, tais fórmulas de citação são colocadas no início (como em Números 21:14, Números 21:27; 2Samuel 1: 18), ou então no encerramento da citação, o que é freqüentemente o caso nos livros de Reis e Crônicas; mas de modo algum se segue que não houve exceções a esta regra, especialmente porque a razão para mencionar as fontes originais é totalmente diferente nos livros de Reis, onde as obras citadas não são os simples comprovantes dos fatos relacionados, mas obras contendo relatos mais completos e mais elaborados de eventos que foram descritos apenas superficialmente. A forma poética da passagem de Josué 10:13 também não deixa dúvidas de que Josué 10:13 e Josué 10:14 contêm as palavras do antigo poeta, e não são um comentário em prosa feito pelo historiador sobre a passagem poética citada. A única afirmação puramente histórica em Josué 10:15; e isto é repetido em Josué 10:43, no encerramento do relato das guerras e da vitória. Mas esta repetição literal de Josué 10:15 em Josué 10:43, e o fato de que a declaração, que Josué retornou com todo o povo ao acampamento em Gilgal, antecipa o curso histórico dos acontecimentos de uma maneira muito notável, torna altamente provável, não absolutamente certo, que Josué 10:15 também tenha sido tirado do livro dos justos.

No dia em que Jeová entregou os amorreus aos filhos de Israel (“antes”, como em Deuteronômio 2:31, Deuteronômio 2:33, etc.), Josué disse diante dos olhos (ou seja, na presença) de Israel, para que os israelitas fossem testemunhas de suas palavras (vid., Deuteronômio 31:7): “Sol, fica quieto (espera) em Gibeon; e, Lua, no vale de Ajalon”. דּמם, ficar em silêncio, ficar quieto ou quieto, esperar (1Samuel 14:9). O discurso ao sol e à lua implica que ambos estavam de pé, ou eram visíveis nos céus na época; e na medida em que foi dito ao Senhor, envolve uma oração para que o Senhor e Criador do mundo não sofresse o sol e a lua para se porem até que Israel tivesse se vingado de seus inimigos. Esta explicação da oração só pode ser encontrada, é verdade, na afirmação de que o sol e a lua pararam na palavra de Josué; mas devemos imaginá-la como incluída na própria oração. גּוי sem um artigo, quando usado para denotar o povo de Israel, deve ser considerado como uma expressão poética. Na seqüência (Josué 10:13) fala-se apenas do sol: “e o sol parou no meio do céu, e se apressou a não se pôr por um dia inteiro”. A palavra poética אוּץ, para pressionar ou apressar, baseia-se na idéia de que o sol corre seu curso como um homem forte, com vigor, e sem cansaço ou interrupção (Salmo 19:6-7). Daí decorre que Josué apenas rezou para que o dia fosse alongado, ou seja, para que o pôr do sol fosse retardado; e que ele incluiu a lua (Josué 10:12), simplesmente porque ela era visível na época. Mas mesmo que este seja o caso, não devemos, portanto, concluir, como fizeram C. v. Lapide, Clericus e outros, que Josué pronunciou estas palavras à tarde, quando o sol começava a se pôr, e a lua já havia se levantado. A expressão השּׁמים בּחצי, “na metade”, ou seja, no meio, “do céu”, se opõe a esta visão, e ainda mais a posição relativa dos dois no céu, o sol em Gibeon e a lua no vale de Ajalon, ou seja na fina bacia larga no lado norte de Yalo (ver em Josué 19:42), o atual Merj Ibn Omeir (Rob. iii. p. 63, 64), que é uma viagem de quatro horas ao oeste de Gibeon. Como Josué feriu o inimigo em Gibeon, e eles fugiram para o sudoeste, ele não teve dúvidas sobre o oeste de Gibeon quando ordenou que o sol e a lua parassem; e, portanto, do seu ponto de vista o sol estaria no leste quando sobrevoasse Gibeon, e a lua no extremo oeste quando sobrevoasse o vale de Ajalon. Mas este só poderia ser o caso antes do meio-dia, algumas horas após o nascer do sol, quando a lua ainda não se tinha posto no céu ocidental. Muito provavelmente a batalha ocorreu bem cedo pela manhã, pois Josué tinha marchado de Gilgal na noite anterior, e caiu de repente sobre o inimigo (Josué 10:9). Mas após o conflito ter durado algumas horas, e Josué começou a ficar ansioso para não ser capaz de vencer o inimigo antes da noite chegar, ele dirigiu a oração ao Senhor para prolongar o dia, e em pouco tempo viu sua oração tão cumprida, que o sol ainda estava no alto do céu quando o inimigo foi posto a voar. Tomamos por certo que estas palavras foram ditas por Josué antes da terrível tempestade de granizo que caiu sobre o inimigo em seu vôo, quando eles estavam perto de Bethoron, que fica a cerca de duas horas de Gibeon, e os feriu até Azekah. Não há nada que nos impeça de assumir isto. O fato de, no relato histórico, o granizo ser mencionado antes do desejo expresso por Josué e do cumprimento desse desejo, pode ser explicado em terreno simples, que o historiador, seguindo a ordem de importância, relaciona primeiro o incidente principal em conexão com a batalha, antes de proceder ao ponto especial a ser citado do livro dos justos. תמים כּיום, “para (aproximadamente, ou por assim dizer) um dia inteiro”, nem significa “quando o dia terminou” (Clericus), nem “como geralmente acontece quando o dia está perfeito ou absolutamente acabado” (Rosenmller); mas o sol não se apressou ou pressionou para se pôr, retardou o seu ocaso, quase um dia inteiro (“dia” sendo o tempo entre o nascer e o pôr-do-sol).

Qual a concepção que devemos dar a este evento milagroso? Não se diz que o sol realmente parou em um lugar no céu – digamos, por exemplo, no zênite. E se a expressão “o sol parou no meio do céu”, que é acrescentada como uma explicação de ויּדּום, é tão pressionada a ponto de significar que o sol parou milagrosamente em seu curso, isto é dificilmente conciliável com לבוא אץ לא, “não se apressou em não descer”, pois estas palavras, se tomadas literalmente, apenas denotam um movimento mais lento por parte do sol, como muitos dos Rabinos observaram. Tudo o que é claramente afirmado em Josué 10:12 e Josué 10:13 é que, à palavra de Josué, o sol permaneceu no céu por quase um dia inteiro mais. A isto se acrescenta, em Josué 10:14, “Não houve dia como aquele antes, ou depois, em que Jeová ouviu a voz de um homem; pois Jeová lutou por Israel”. Esta expressão não deve ser pressionada demais, como mostram claramente as passagens análogas (“não havia nenhum como ele”, etc.) em 2 Reis 18:5 e 2 Reis 23:25. Eles apenas expressam este pensamento: nenhum outro dia como este, que Deus tão miraculosamente alongou, jamais ocorreu antes ou depois. Tanto, portanto, é suficientemente óbvio das palavras, que o escritor da velha canção, e também o autor do livro de Josué, que inseriu a passagem em sua narrativa, estavam convencidos de que o dia foi miraculosamente prolongado. Ao mesmo tempo, deve-se ter em mente que não se afirma que Deus prolongou aquele dia a pedido de Josué quase um dia inteiro, ou que Ele fez o sol ficar parado quase um dia inteiro, mas simplesmente que Deus ouviu a voz de Josué, ou seja, não permitiu que o sol se pusesse até que Israel se vingasse de seus inimigos. Esta distinção não é sem importância: para um milagroso prolongamento do dia não somente se o curso ou o pôr do sol fosse atrasado por várias horas pelo poder onipotente de Deus, e o dia se estendesse de doze para dezoito ou vinte horas, mas também se o dia parecesse a Josué e a todo Israel ser miraculosamente prolongado; porque o trabalho realizado naquele dia foi tão grande, que teria sido necessário quase dois dias para realizá-lo sem ajuda sobrenatural. Não é fácil decidir entre estas duas visões opostas; de fato, é completamente impossível se formos à raiz da questão. Quando não estamos em circunstâncias de medir a duração do dia pelo relógio, é muito fácil confundir sua duração real, especialmente em meio à pressão dos negócios ou do trabalho. Os israelitas naquela época não tinham relógios de sol nem qualquer outro tipo de relógio; e durante a confusão da batalha é pouco provável que Josué, ou qualquer outra pessoa que estivesse envolvida no conflito, observasse a sombra do sol e suas mudanças, seja por uma árvore ou qualquer outro objeto, de modo a descobrir que o sol tinha realmente parado, pelo fato de que durante horas a sombra não tinha se movido nem se alterado em comprimento. Em tais circunstâncias, portanto, era completamente impossível para os israelitas decidir se era na realidade, ou apenas em sua própria imaginação, que o dia era mais longo do que outros. A isto deve ser acrescentado o caráter poético dos versos que temos diante de nós. Quando Davi celebra a libertação milagrosa que havia recebido do Senhor, nestas palavras: “Na minha aflição invoquei o Senhor… … . Ele ouviu minha voz fora de Seu templo … . Ele também curvou os céus, e desceu … . Ele enviou do alto, Ele me tomou, Ele me fez crescer de muitas águas” (Salmo 18:7-17), quem jamais pensaria em interpretar as palavras literalmente, e supor que elas significassem que Deus realmente desceu do céu, e estendeu Sua mão para tirar Davi da água? Ou quem entenderia as palavras de Débora: “Eles lutaram do céu, as estrelas em seus cursos lutaram contra Sísera” (Juízes 5:20), em seu sentido literal? A veracidade de tais afirmações deve ser buscada na esfera subjetiva da intuição religiosa, e não em uma interpretação literal das palavras. E pode ser exatamente o mesmo com estes versos, sem que seu conteúdo real seja afetado, se o dia fosse meramente prolongado subjetivamente, – ou seja, na convicção religiosa dos israelitas. Mas mesmo que as palavras realmente afirmassem que um prolongamento miraculoso e objetivo do dia realmente aconteceu, não deveríamos ter nenhuma razão para questionar a credibilidade da afirmação.

Todas as objeções que foram levantadas com referência à realidade ou possibilidade de tal milagre, provam não ter força quando examinamos o assunto mais de perto. Assim, por exemplo, a objeção de que os anais das outras nações da Terra não contêm nenhuma descrição de tal milagre, que deve ter se estendido por todo o mundo, perde todo seu significado pelo simples fato de que não existem anais que pertençam a outras nações e cheguem até aquela época, e que é totalmente duvidoso se o milagre se estenderia muito além dos limites da Palestina. Novamente, um apelo à imutabilidade dos movimentos das estrelas de acordo com as leis eternas e imutáveis, não é adaptado para provar a impossibilidade de tal milagre. As leis eternas da natureza nada mais são do que fenômenos, ou formas de manifestação, desses poderes criativos divinos, cujo verdadeiro caráter nenhum mortal jamais sondou. E o Todo-Poderoso Criador e Sustentador da natureza e todas as suas forças não possuem o poder de dirigir e governar o funcionamento dessas forças, de modo a torná-las subservientes à realização de Seus propósitos de salvação? E por último, a objeção de que uma súbita parada da revolução da Terra sobre seu eixo teria destruído todas as obras das mãos humanas que se encontravam em sua superfície, e lançado a própria Terra, com seu satélite a Lua, fora de suas órbitas, não pode provar nada, porque deixa fora de vista o fato de que a mão onipotente de Deus, que não apenas criou as estrelas, mas lhes deu o poder de girar com tanta regularidade em suas órbitas enquanto este universo durar, e que sustenta e governa todas as coisas no céu e na terra, não é muito curta para se proteger contra quaisquer conseqüências tão desastrosas como estas. Mas a isto podemos acrescentar, que mesmo a interpretação mais estrita e literal das palavras não exige que assumamos, como fizeram os pais e teólogos anteriores, que o próprio sol foi milagrosamente feito para ficar parado, mas simplesmente supõe uma parada óptica do sol em seu curso, – ou seja, uma suspensão milagrosa da revolução da Terra sobre seu eixo, o que faria parecer aos olhos de um observador como se o próprio sol estivesse parado. Knobel não se justifica de forma alguma ao pronunciar esta visão da matéria como uma suposição em desacordo com o texto. Pois as Escrituras falam das coisas do mundo visível como elas aparecem; assim como falamos do sol como nascendo e se pondo, embora não tenhamos nenhuma dúvida sobre a revolução da Terra. Além disso, a onipotência de Deus pode produzir uma tal parada ótica do sol, ou melhor, uma continuidade da visibilidade do sol acima do horizonte, por fenômenos celestes que são totalmente desconhecidos para nós ou para os naturalistas em geral, sem interferir nas leis gerais que afetam a revolução dos corpos celestes. Somente não devemos tentar, como alguns fizeram, reduzir todo o milagre da onipotência divina a uma refração incomum da luz, ou à continuidade do relâmpago durante toda a noite. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E nunca foi tal dia antes nem depois daquele, havendo atendido o SENHOR à voz de um homem: porque o SENHOR lutava por Israel.

Comentário de Fay e Bliss

A guerra não era meramente uma guerra de homens, o próprio Jeová era seu líder, como foi prometido aos israelitas, Êxodo 14:14, por Moisés. Comp. Deuteronômio 1:29-30; Deuteronômio 3:22; Deuteronômio 20:1; Deuteronômio 20:3-4; Deuteronômio 31:6. Por isso Jeová é chamado precisamente אִישׁ מִלְחָמָה, “homem de guerra” (Lutero: der rechte Kriegsmann), Êxodo 15:3. Ele ouviu o chamado de Josué e manteve o sol ainda em seu curso (da lua nada mais é dito), e assim, de acordo com a visão do autor de 13b-15, realizou um milagre astronômico objetivo. [Lange, aguardando revisão]

15 E Josué, e todo Israel com ele, voltava-se ao acampamento em Gilgal.

Comentário Barnes

O retorno de Josué (compare Josué 10:43) a Gilgal só foi depois que ele, pela tempestade e captura das principais cidades do sul de Canaã, completou a conquista da qual a vitória em Gibeon foi apenas o começo.

Este verso é evidentemente o encerramento do trecho de uma obra mais antiga, que ligava o resgate de Gibeão imediatamente com o retorno a Gilgal, e omitiu o acampamento em Makkedah (Josué 10:21), e também os detalhes dados em Josué 10:28-42. [Barnes, aguardando revisão]

Os cinco reis amorreus são mortos

16 Porém os cinco reis fugiram, e se esconderam em uma cova em Maquedá.

Comentário de Robert Jamieson

em Maquedá – A perseguição foi continuada, sem interrupção, para Maquedá no sopé das montanhas do oeste, onde Josué parece ter parado com o corpo principal de suas tropas, enquanto um destacamento foi enviado para percorrer o país em busca dos remanescentes remanescentes , alguns dos quais conseguiram chegar às cidades vizinhas. O último ato, provavelmente no dia seguinte, foi a disposição dos prisioneiros, entre os quais os cinco reis foram consignados ao infame destino de serem mortos (Deuteronômio 20:16-17); e então seus cadáveres foram suspensos em cinco árvores até a noite. [JFB, aguardando revisão]

17 E foi dito a Josué que os cinco reis haviam sido achados em uma cova em Maquedá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) Os cinco reis fugiram e se esconderam na caverna que era uma Makkedah. Quando foram descobertos lá, Josué ordenou que grandes pedras fossem roladas antes da entrada da caverna, e que os homens fossem colocados lá para vigiar, enquanto os outros perseguiam o inimigo sem parar, e batiam sua retaguarda (vid., Deuteronômio 25:18), e impediam sua entrada em suas cidades. Ele mesmo permaneceu em Makkedah (Josué 10:21). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Então Josué disse: Rolai grandes pedras à boca da cova, e ponde homens junto a ela que os guardem;

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) Os cinco reis fugiram e se esconderam na caverna que era uma Makkedah. Quando foram descobertos lá, Josué ordenou que grandes pedras fossem roladas antes da entrada da caverna, e que os homens fossem colocados lá para vigiar, enquanto os outros perseguiam o inimigo sem parar, e batiam sua retaguarda (vid., Deuteronômio 25:18), e impediam sua entrada em suas cidades. Ele mesmo permaneceu em Makkedah (Josué 10:21). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E vós não vos pareis, mas sim segui a vossos inimigos, e feri-lhes a retaguarda, sem deixar-lhes entrar em suas cidades; porque o SENHOR vosso Deus os entregou em vossa mão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) Os cinco reis fugiram e se esconderam na caverna que era uma Makkedah. Quando foram descobertos lá, Josué ordenou que grandes pedras fossem roladas antes da entrada da caverna, e que os homens fossem colocados lá para vigiar, enquanto os outros perseguiam o inimigo sem parar, e batiam sua retaguarda (vid., Deuteronômio 25:18), e impediam sua entrada em suas cidades. Ele mesmo permaneceu em Makkedah (Josué 10:21). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E aconteceu que quando Josué e os filhos de Israel acabaram de feri-los com mortandade muito grande, até destruí-los, os que restaram deles se meteram nas cidades fortes.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) Quando a grande batalha e a perseguição do inimigo terminaram, e tal como ficou tinha chegado a suas cidades fortificadas, o povo voltou ao acampamento para Josué em Makkedah em paz, ou seja, sem ser atacado por ninguém. “Ali não apontou (um cão) sua língua contra os filhos de Israel, contra ninguém” (ver em Êxodo 11:7). לאישׁ está em aposição a ישׂראל לבני, e serve para defini-la com mais precisão. É possível, entretanto, considerar o ל como um erro do copista, como fazem Houbigant e Maurer, caso em que אישׁ seria o nominativo do verbo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E todo aquele povo se voltou salvo ao acampamento a Josué em Maquedá; que não houve quem movesse sua língua contra os filhos de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) Quando a grande batalha e a perseguição do inimigo terminaram, e tal como ficou tinha chegado a suas cidades fortificadas, o povo voltou ao acampamento para Josué em Makkedah em paz, ou seja, sem ser atacado por ninguém. “Ali não apontou (um cão) sua língua contra os filhos de Israel, contra ninguém” (ver em Êxodo 11:7). לאישׁ está em aposição a ישׂראל לבני, e serve para defini-la com mais precisão. É possível, entretanto, considerar o ל como um erro do copista, como fazem Houbigant e Maurer, caso em que אישׁ seria o nominativo do verbo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Então disse Josué: Abri a boca da cova, e tirai-me dela a estes cinco reis.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-27) Josué então ordenou que os cinco reis fossem tirados da caverna e ordenou que os líderes do exército colocassem seus pés sobre os pescoços dos reis; e quando isso foi feito, ele ordenou que os reis fossem mortos e enforcados nas árvores até a noite, quando seus corpos seriam lançados na caverna na qual se haviam escondido. Claro que isto não aconteceu até o dia seguinte à batalha, pois o exército não podia retornar de sua perseguição do inimigo ao acampamento em Makkedah até a noite após a batalha; possivelmente não aconteceu até o segundo dia, se a perseguição tivesse durado mais. Em Josué 10:24, “todos os homens de Israel” são todos os guerreiros do acampamento. ההלכוּא, com ה artic., ao invés do pronome relativo (ver Ges. 109; Ew. 331, b.); e o final וּא para וּ ou וּן, como em Isaías 28:12 (ver Ew. 190, b.). O fato dos líderes militares colocarem seus pés no comando de Josué sobre os pescoços dos reis conquistados, não foi um sinal de barbárie, o que é necessário desculpar comparando-a com barbáries ainda maiores por parte dos cananeus, como nos Juízes 1:7, mas foi um ato simbólico, um sinal de completa subjugação, o que era costumeiro neste sentido mesmo no império oriental (ver Bynaeus de calceis, p. 318, e Constant. Porphyrogen de cerimon. aulae Byzant. ii. 19). Também se destinava, neste caso, a estimular os israelitas a continuar o conflito com os cananeus. Isto é dito nas palavras de Josué (Josué 10:25): “Não temais, nem vos assusteis (vid., Josué 1:9; Josué 8:1); pois assim fará o Senhor a todos os vossos inimigos”. Sobre a morte e depois a forca, ver Josué 8:29 e Deuteronômio 21:22-23. As palavras וגו ויּשׂימוּ (Josué 10:27) são geralmente entendidas como significando que, após os corpos dos reis terem sido lançados na caverna, os israelitas colocaram grandes pedras antes da entrada, assim como em outros casos montes de pedras foram empilhadas sobre as sepulturas dos criminosos que haviam sido executados (vid.., Josué 7:25), e que essas pedras permaneceram lá até que o relato diante de nós fosse escrito. Mas isto deixa as palavras עצם עד inexplicáveis, pois עצם nunca ocorre em nenhum outro caso em que a fórmula “até hoje” é usada com o simples significado de que uma coisa tinha continuado até o próprio tempo do escritor. הזּה היּום עצם expressa o pensamento de que o dia referido era o mesmo dia sobre o qual o autor estava escrevendo, e nenhum outro (ver Josué 5:11; Gênesis 7:13; Gênesis 17:23; Êxodo 12:17, etc.). Se, portanto, tem algum significado na presente instância, devemos conectar toda a cláusula com a anterior, e até mesmo interpretá-la como uma cláusula relativa: “onde eles (os reis) se haviam escondido, e eles (os israelitas) haviam colocado grandes pedras na boca da caverna até aquele mesmo dia” (no qual os reis foram buscados e executados). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E fizeram-no assim, e tiraram-lhe da cova aqueles cinco reis: ao rei de Jerusalém, ao rei de Hebrom, ao rei de Jeremote, ao rei de Laquis, ao rei de Eglom.

Comentário de Fay e Bliss

A guerra não era meramente uma guerra de homens, o próprio Jeová era seu líder, como foi prometido aos israelitas, Êxodo 14:14, por Moisés. Comp. Deuteronômio 1:29-30; Deuteronômio 3:22; Deuteronômio 20:1; Deuteronômio 20:3-4; Deuteronômio 31:6. Por isso Jeová é chamado precisamente אִישׁ מִלְחָמָה, “homem de guerra” (Lutero: der rechte Kriegsmann), Êxodo 15:3. Ele ouviu o chamado de Josué e manteve o sol ainda em seu curso (da lua nada mais é dito), e assim, de acordo com a visão do autor de 13b-15, realizou um milagre astronômico objetivo. [Lange, aguardando revisão]

24 E quando tiraram estes reis a Josué, chamou Josué a todos os homens de Israel, e disse aos principais da gente de guerra que haviam vindo com ele: Chegai e ponde vossos pés sobre os pescoços destes reis. E eles se aproximaram, e puseram seus pés sobre os pescoços deles.

Comentário de Robert Jamieson

puseram seus pés sobre os pescoços deles – não como um insulto bárbaro, mas como uma ação simbólica, expressiva de uma vitória completa (Deuteronômio 33:29; Salmo 110:5; Malaquias 4:3). [JFB, aguardando revisão]

25 E Josué lhes disse: Não temais, nem vos atemorizeis; sede fortes e valentes: porque assim fará o SENHOR a todos vossos inimigos contra os quais lutai.

Comentário de Fay e Bliss

Aqui Josué diz o mesmo a seus guerreiros que o Senhor lhe havia dito (Josué 1:79). [Lange, aguardando revisão]

26 E depois disto Josué os feriu e os matou, e os fez enforcar em cinco madeiros: e restaram enforcados nos madeiros até à tarde.

Comentário de Fay e Bliss

Josué mata os reis, sem dúvida com a espada, e depois pendura seus corpos em desprezo em cinco árvores, compare com Deuteronômio 21:22; Números 25:4; 2Samuel 4:12. O suspenso, como é conhecido, foi considerado amaldiçoado e pode não permanecer pendurado durante a noite, Deuteronômio 21:23; Gálatas 3:13; João 19:31. Da mesma forma que Josué havia feito com o rei de Ai, Josué 8:29. “O enforcamento de um homem vivo é um castigo persa (Ezr. 6:11)”. Sob os Herodes este modo de execução ocorre também entre os judeus, Josué, Ant. xvi. 11, 6 (a menos que se pretenda estrangular aqui), assim como no Egito durante a era romana, Filo ii. 529. Ver Winer, ii. 11 s. v. Lebensstrafen.[Lange, aguardando revisão]

27 E quando o sol se ia a pôr, mandou Josué que os tirassem dos madeiros, e os lançassem na cova de onde se haviam escondido: e puseram grandes pedras à boca da cova, até hoje.

Comentário de Robert Jamieson

puseram grandes pedras à boca da cova, até hoje. Este monumento rude, que duraria séculos, seria um registro permanente da guerra de invasão. Com que exultação e viva gratidão os contemporâneos israelitas de Josué apontariam para o amontoado em torno da caverna de Makkedah, e contariam aos filhos de seus filhos sobre as maravilhas do campo de Gibeon, e como um dia o galante Josué, por favor de Deus, sufocou o orgulho de cinco reis. [Jamieson, aguardando revisão]

28 Naquele mesmo dia tomou Josué a Maquedá, e a pôs à espada, e matou a seu rei; a eles e a tudo o que nela tinha vida, sem restar nada: mas ao rei de Maquedá fez como havia feito ao rei de Jericó.

Comentário de Robert Jamieson

Naquele mesmo dia tomou Josué a Maquedá – Neste e nos seguintes versículos é descrita a rápida sucessão de vitória e extermínio que varreu o sul da Palestina para as mãos de Israel. “Todos estes reis e suas terras tomaram Josué uma só vez, porque o Senhor Deus de Israel lutou por Israel. E Josué, e todo o Israel com ele, voltou ao arraial em Gilgal. [JFB, aguardando revisão]

A conquista das cidades do sul

29 E de Maquedá passou Josué, e todo Israel com ele, a Libna; e lutou contra Libna:

Comentário de Keil e Delitzsch

(29-30) De Makkedah ele foi com todo Israel, ou seja, todos os homens de guerra, contra Libnah, e depois de realizar a conquista dela, fez exatamente o mesmo que havia feito com Makkedah. Libna era uma das cidades da planície ou da região montanhosa de Judá (Josué 15:42); foi atribuída aos sacerdotes (Josué 21:13), revoltada contra Judá no reinado de Jorão (2 Reis 8:22), e foi sitiada por Senaqueribe (Isaías 37:8). Ela deve ser procurada no noroeste de Laquis, não no sul, como Knobel infere erroneamente de Isaías 37,8. De acordo com o Onom. (s. v. Lebna), era naquela época vila na região Eleutheropolitana, quae appellatur Lobna. Ainda não foi descoberta; mas de acordo com a muito provável conjectura de V. de Velde (Mem. p. 330), as ruínas dela talvez possam ser vistas na colina chamada Ark el Menshiyeh, cerca de duas horas até os molhos de Beit Jibrin.

(Nota: Knobel está decididamente errado em sua suposição, que Libnah deve ser vista nas consideráveis ruínas chamadas Hora, que se encontram na planície (Seetzen e V. de Velde) e são chamadas de Hawara por Robinson. Ele fundamenta sua conjectura no fato de que o nome significa branco, e é a tradução árabe do nome hebraico. Mas Hora está a apenas duas horas e meia ao norte de Beersheba, e não está na planície, mas no Negeb). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

30 E o SENHOR a entregou também a ela, e a seu rei, em mãos de Israel; e feriu-a a fio de espada, com tudo o que nela havia vivo, sem restar nada: mas a seu rei fez da maneira que havia feito ao rei de Jericó.

Comentário de Keil e Delitzsch

(29-30) De Makkedah ele foi com todo Israel, ou seja, todos os homens de guerra, contra Libnah, e depois de realizar a conquista dela, fez exatamente o mesmo que havia feito com Makkedah. Libna era uma das cidades da planície ou da região montanhosa de Judá (Josué 15:42); foi atribuída aos sacerdotes (Josué 21:13), revoltada contra Judá no reinado de Jorão (2 Reis 8:22), e foi sitiada por Senaqueribe (Isaías 37:8). Ela deve ser procurada no noroeste de Laquis, não no sul, como Knobel infere erroneamente de Isaías 37,8. De acordo com o Onom. (s. v. Lebna), era naquela época vila na região Eleutheropolitana, quae appellatur Lobna. Ainda não foi descoberta; mas de acordo com a muito provável conjectura de V. de Velde (Mem. p. 330), as ruínas dela talvez possam ser vistas na colina chamada Ark el Menshiyeh, cerca de duas horas até os molhos de Beit Jibrin.

(Nota: Knobel está decididamente errado em sua suposição, que Libnah deve ser vista nas consideráveis ruínas chamadas Hora, que se encontram na planície (Seetzen e V. de Velde) e são chamadas de Hawara por Robinson. Ele fundamenta sua conjectura no fato de que o nome significa branco, e é a tradução árabe do nome hebraico. Mas Hora está a apenas duas horas e meia ao norte de Beersheba, e não está na planície, mas no Negeb). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

31 E Josué, e todo Israel com ele, passou de Libna a Laquis, e pôs acampamento contra ela, e combateu-a:

Comentário de Fay e Bliss

(29-32) Josué virou de Maquedá, (que possivelmente deve ser procurada na região da atual Terkumia (Tricônias)), em direção ao oeste, em direção à Libnah, e daí para sudeste, em direção a Laquis, ambos lugares que são encontrados, embora com a marca de interrogação, no mapa de Kiepert, mas não no de Van de Velde. [No mapa de Menke (III.) Lachish é colocado ligeiramente N. de W. de Libna. TR.] [Lange, aguardando revisão]

32 E o SENHOR entregou a Laquis em mão de Israel, e tomou-a ao dia seguinte, e feriu-a à espada, com tudo o que nela havia vivo, como havia feito em Libna.

Comentário de Fay e Bliss

(29-32) Josué virou de Maquedá, (que possivelmente deve ser procurada na região da atual Terkumia (Tricônias)), em direção ao oeste, em direção à Libnah, e daí para sudeste, em direção a Laquis, ambos lugares que são encontrados, embora com a marca de interrogação, no mapa de Kiepert, mas não no de Van de Velde. [No mapa de Menke (III.) Lachish é colocado ligeiramente N. de W. de Libna. TR.] [Lange, aguardando revisão]

33 Então Horão, rei de Gezer, subiu em ajuda de Laquis; mas a ele e a seu povo feriu Josué, até não restar nenhum deles.

Comentário de Keil e Delitzsch

Josué também feriu o rei de Gezer, que tinha vindo com seu povo para ajudar a Laquis, e não deixou ninguém restante. Nada é dito sobre a captura da cidade de Gezer. De acordo com Josué 16:10 e Juízes 1:29, ela ainda estava na posse dos cananeus quando a terra foi dividida, embora isto por si só não seja suficiente para provar que Josué não a conquistou, pois muitas das cidades conquistadas foram novamente ocupadas pelos cananeus depois que os israelitas se retiraram. Mas sua situação faz com que seja muito provável que Josué não a tenha conquistado naquela época, pois estava muito longe de sua estrada, e muito longe de Laquis. Gezer (lxx Γάζερ, in 1 Chronicles 14:16 Γαζηρά, in 1 Macc. Γαζήρα ou Γάζαρα plur., in Josephus Γάζαρα, Ant. vii. 4, 1, viii. 6, 1, e também Γάδαρα, v. 1, 22, xii. 7, 4) estava na fronteira sul de Efraim (Josué 16:3), e foi entregue por aquela tribo aos levitas (Josué 16:9-10; Josué 21:20-21. É mencionado com muita freqüência. David perseguiu os filisteus até Gezer (Gazer), depois de terem sido derrotados em Gibeon ou Geba (2Samuel 5:25; 1 Crônicas 14:16). Em um período posterior foi conquistado pelo Faraó e apresentado a sua filha, que era casada com Salomão; e Salomão construiu, ou seja, fortificou-o (1 Reis 9:16-17). Foi uma fortaleza importante nas guerras dos Macabeus (1 Macc. 9:52; 2 Macc. 10:32; compare com 1 Macc. 4:15; 7:45; 13:53; 14:34; 15:28, 35). De acordo com o Onom. (s. v. Gazer), estava a quatro milhas romanas ao norte de Nicópolis, ou seja, Anwas, e foi chamado Γαζάρα. Isto não só está em harmonia com Josué 16:3, segundo o qual a fronteira sul de Efraim corria do Baixo Bethhoron para Gezer, e depois para o mar, mas também com todas as outras passagens nas quais Gezer é mencionado,
e responde muito bem à situação de El Kubab, um vilarejo de tamanho considerável em uma colina íngreme no extremo norte da cadeia montanhosa que se estende ao noroeste de Zorea, e se inclina em direção ao norte para a ampla planície de Merj el Omeir, quase no meio da estrada de Ramleh a Yalo. Para esta vila, com a qual Van Semden identifica Gezer (Van de Velde, Mem. p. 315), estava exatamente a quatro milhas romanas ao norte a oeste de Anwas, de acordo com o mapa de Robinson, e não a quatro horas de Akir (Ekron), a cidade mais setentrional dos filisteus; de modo que Josephus (Ant. vii. 4, 1) poderia muito bem descrever Gazara como a fronteira do território dos filisteus. Robinson não descobriu sinais de antiguidade, é verdade, em sua viagem por Kubab, mas muito provavelmente não os procurou, pois não considerava a vila como um lugar de qualquer importância em conexão com a história antiga (Bibl. Res. pp. 143-4). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

34 De Laquis passou Josué, e todo Israel com ele, a Eglom: e puseram acampamento contra ela, e combateram-na:

Comentário de Keil e Delitzsch

(34-35) De Laquis Josué prosseguiu para o leste contra Eglon (Ajlan, ver Joshua 10:3), tomou a cidade, e fez com ela como tinha feito com Laquis. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

35 E a tomaram no mesmo dia, e meteram-na à espada; e aquele dia matou a todo o que nela havia vivo, como havia feito em Laquis.

Comentário de Keil e Delitzsch

(34-35) De Laquis Josué prosseguiu para o leste contra Eglon (Ajlan, ver Joshua 10:3), tomou a cidade, e fez com ela como tinha feito com Laquis. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

36 Subiu logo Josué, e todo Israel com ele, de Eglom a Hebrom, e combateram-na;

Comentário de Keil e Delitzsch

(36-37) De Eglon ele subiu da planície para as montanhas, atacou Hebron e a tomou, e fez com esta cidade e seu rei, e as cidades pertencentes a ela, como ele já havia feito com as outras. O rei de Hebron não pode, naturalmente, ser aquele que foi levado na caverna de Makkedah e morto lá, mas seu sucessor, que tinha entrado no governo enquanto Josué estava ocupado com a conquista das cidades mencionadas em Josue 10:28-35, o que pode ter levado mais de um ano. “Todas as suas cidades” são as cidades dependentes de Hebron como a capital do reino. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

37 E tomando-a, feriram-na à espada, a seu rei e a todas as suas cidades, com tudo o que nela havia vivo, sem restar nada: como fizeram a Eglom, assim a destruíram com tudo o que nela havia vivo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(36-37) De Eglon ele subiu da planície para as montanhas, atacou Hebron e a tomou, e fez com esta cidade e seu rei, e as cidades pertencentes a ela, como ele já havia feito com as outras. O rei de Hebron não pode, naturalmente, ser aquele que foi levado na caverna de Makkedah e morto lá, mas seu sucessor, que tinha entrado no governo enquanto Josué estava ocupado com a conquista das cidades mencionadas em Josue 10:28-35, o que pode ter levado mais de um ano. “Todas as suas cidades” são as cidades dependentes de Hebron como a capital do reino. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

38 E voltando-se Josué, e todo Israel com ele, sobre Debir, combateu-a;

Comentário de Keil e Delitzsch

(38-39) Josué então se voltou para o sul com todo Israel (ou seja, todo o exército), atacou Debir e o tomou, e as cidades dependentes dele, da mesma forma que as mencionadas anteriormente. Debir, anteriormente chamada Kirjath-sepher, ou seja, cidade do livro, πόλις γραμμάτων (lxx Josué 15:15; Juízes 1:11), e Kirjath-sanna, ou seja, com toda probabilidade a cidade dos ramos de palmeira (Josué 15:49), foi entregue por Judá aos sacerdotes (Josué 21:15). Ela estava sobre as montanhas de Judá (Josué 15:49), ao sul de Hebron, mas ainda não foi certamente descoberta, embora V. de Velde esteja provavelmente correto em sua suposição de que ela deve ser vista nas ruínas de Dilbeh, no pico de uma colina ao norte de uádi Dilbeh, e na estrada de Dhoberiyeh a Hebron, cerca de duas horas ao sudoeste desta última. Pois, segundo o Dr. Stewart, há uma nascente em Dilbeh, cuja água é conduzida por um aqueduto até o Birket el Dilbeh, no sopé da referida colina, que responderia muito bem às nascentes superior e inferior de Debir, se apenas Debir pudesse ser colocada, segundo Joshua 15:49, até agora em direção ao norte.

(Nota: Knobel imagina que Debir se encontra na moderna aldeia de Dhoberiyeh (Dhabarije), a cinco horas ao sudoeste de Hebron, na fronteira sudoeste das montanhas de Judá, no topo de uma montanha, porque, além da situação desta aldeia, que é perfeitamente reconciliável com Josué 15:49, há ali restos de uma torre quadrada (de acordo com Krafft, uma torre romana), que apontam para uma antiga fortificação (vid, Rob. Pal. i. pp. 308ff.; Ritter, Erdk. xvi. pp. 202ff.), e porque o nome, que significa “colocado atrás das costas”, concorda com Debir, a parte de obstáculo ou costas (?), e Kirjath-sepher, se interpretado pelas palavras árabes, que significam “extremitas, margo, ora”. Mas ambas as razões provam muito pouco. Os significados atribuídos a Debir e Kirjath-sepher são improváveis e arbitrários. Além disso, não foi demonstrado que existam nascentes perto de Dhoberiyeh, como havia nos arredores de Debir (Josué 15:19.). A opinião defendida por Rosenmller, e adotada por Bunsen, com relação à situação de Debir, – isto é, que era a mesma que a moderna Idwirbn ou Dewirbn, uma hora e um quarto a oeste de Hebron, porque há ali uma grande nascente com um abundante suprimento de água excelente, que dá pelo nome de Ain Nunkr, – também é bastante insustentável; pois está totalmente em desacordo com Joshua 15: 49, segundo o qual Debir não estava no oeste de Hebron, mas nas montanhas ao sul, e repousa inteiramente na suposição errônea de que, segundo Joshua 10:38 (ויּשׁב, ele se voltou), como Joshua veio de Eglon, ele conquistou Hebron primeiro, e após a conquista desta cidade voltou-se para Debir, para levá-la também. Mas שׁוּב, não significa apenas dar a volta ou voltar atrás: significa voltar atrás em geral; e é muito evidente que este é o sentido em que é usado em Josué 10:38, já que, de acordo com Josué 15:49, Debir estava no sul de Hebron).

Além disso, não muito tempo depois, provavelmente durante o tempo em que os israelitas estavam ocupados com a subjugação de Canaã do norte, Hebron e Debir foram novamente tomados pelos cananeus, particularmente os anaquitas, pois Josué não os tinha destruído completamente, embora ele tivesse desimpedido completamente as montanhas de Judá deles, mas os tinha deixado ainda nas cidades dos filisteus (Josué 11:21-22). Consequentemente, quando a terra foi dividida, havia anacitas vivendo tanto em Hebron quanto em Debir; de modo que Calebe, a quem estas cidades foram dadas como herança, teve primeiro que conquistá-las novamente, e exterminar os anacitas (Josué 14:12; Josué 15:13-17: compare com os Juízes 1:10-13).

(Nota: Por esta simples suposição nos livramos das contradições fingidas, que os críticos neológicos descobriram entre Josué 10,36-39, por um lado, e Josué 11,21-22, e Josué 14,12; Josué 15,13-17, por outro, e em razão das quais Knobel atribuiria as passagens com o último nome a um documento diferente. Na primeira conquista da terra por Josué, Masius observa que “nesta expedição Josué percorreu a região sul com uma banda armada, com muita pressa para despovoá-la completamente”. Tudo o que ele precisava era de tal terror no coração de todos através de suas vitórias, que ninguém doravante deveria oferecer qualquer resistência a si mesmo e ao povo de Deus”. Aqueles que ele perseguia, portanto, ele destruiu de acordo com as ordens de Deus, não poupando um único, mas não procurou todos os esconderijos possíveis, nos quais qualquer um pudesse ser escondido. Isto foi deixado como um respigão para a valentia de cada tribo em particular, quando ela deveria tomar posse de sua própria herança”). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

39 E tomou-a, e a seu rei, e a todas as suas vilas; e feriram-nos à espada, e destruíram tudo o que ali dentro havia vivo, sem restar nada; como havia feito a Hebrom, assim fez a Debir e a seu rei; e como havia feito a Libna e a seu rei.

Comentário de Fay e Bliss

(36-39) Eglon [Laquis?] foi o ponto mais ocidental do qual o ousado líder de Israel obteve a posse. Em uma linha toleravelmente direta ele marchou em seguida sobre Hebron, a sede dos patriarcas, familiar na história de Abraão, e que ainda se encontra em uma região encantadora. Esta, cidade que ele também capta como as demais. O destino de Hebron é o mesmo que o das outras cidades cananeus. [Lange, aguardando revisão]

40 Feriu pois Josué toda a região das montanhas, e do sul, e das planícies, e das costas, e a todos os seus reis, sem restar nada; tudo o que tinha vida matou, ao modo que o SENHOR Deus de Israel o havia mandado.

Comentário de Keil e Delitzsch

(40-41) Resumo da Conquista do Todo do Sul de Canaã. – No prosseguimento de sua vitória sobre os cinco reis aliados, Josué feriu toda a terra, ou seja, todo o sul de Canaã a partir de Gibeon, em todos os seus distritos, ou seja, as montanhas (Josué 15:48), o Negeb (a terra do sul, Josué 15:21), as terras baixas (Josué 15:33), e as encostas, ou seja a região montanhosa (Josué 12:8, e com. nos números 21:15), e todos os reis desses diferentes distritos, banindo todos os seres vivos (כּל-נשׁמה é igual a כּל-נפשׁ, Josué 10:28, Josué 10:30, ou seja todos os homens; vid., Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 20:16. Ele os esmaga desde Kadesh-barnea, na fronteira sul de Canaã (Josué 15:3; veja em Números 12:16), até Gaza (veja em Gênesis 10:9), e todo o país de Gósen, um lugar diferente do Gósen do Egito, derivando seu nome, com toda probabilidade, da cidade de Gósen na porção sul das montanhas (Josué 15:51). Como a linha “de Kadesh-barnea a Gaza” define a extensão do país conquistado de sul a norte no lado ocidental, assim a cláusula paralela, “todo o país de Goshen, mesmo até Gibeon”, define a extensão de sul a norte no lado oriental. Não há terreno sustentável para a opinião expressa por Knobel, que repousa sobre combinações etimológicas muito incertas, de que a terra de Goshen significa o país das colinas entre as montanhas e a planície, e é equivalente a אשׁדות. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

41 E feriu-os Josué desde Cades-Barneia até Gaza, e toda a terra de Gósen até Gibeão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(40-41) Resumo da Conquista do Todo do Sul de Canaã. – No prosseguimento de sua vitória sobre os cinco reis aliados, Josué feriu toda a terra, ou seja, todo o sul de Canaã a partir de Gibeon, em todos os seus distritos, ou seja, as montanhas (Josué 15:48), o Negeb (a terra do sul, Josué 15:21), as terras baixas (Josué 15:33), e as encostas, ou seja a região montanhosa (Josué 12:8, e com. nos números 21:15), e todos os reis desses diferentes distritos, banindo todos os seres vivos (כּל-נשׁמה é igual a כּל-נפשׁ, Josué 10:28, Josué 10:30, ou seja todos os homens; vid., Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 20:16. Ele os esmaga desde Kadesh-barnea, na fronteira sul de Canaã (Josué 15:3; veja em Números 12:16), até Gaza (veja em Gênesis 10:9), e todo o país de Gósen, um lugar diferente do Gósen do Egito, derivando seu nome, com toda probabilidade, da cidade de Gósen na porção sul das montanhas (Josué 15:51). Como a linha “de Kadesh-barnea a Gaza” define a extensão do país conquistado de sul a norte no lado ocidental, assim a cláusula paralela, “todo o país de Goshen, mesmo até Gibeon”, define a extensão de sul a norte no lado oriental. Não há terreno sustentável para a opinião expressa por Knobel, que repousa sobre combinações etimológicas muito incertas, de que a terra de Goshen significa o país das colinas entre as montanhas e a planície, e é equivalente a אשׁדות. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

42 Todos estes reis e suas terras tomou Josué de uma vez; porque o SENHOR o Deus de Israel lutava por Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(42-43) Todos esses reis e seu país Josué levou “uma vez”, ou seja, em uma campanha, que durou, no entanto, um tempo considerável (compare com Josué 11:18). Ele foi capaz de realizar isto, porque Jeová, o Deus de Israel, lutou por Israel (ver Josué 10:14). Depois disso ele voltou com o exército para o acampamento em Gilgal (Jiljilia; compare com Josué 10:15). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

43 E voltou Josué, e todo Israel com ele, ao acampamento em Gilgal.

Comentário de Keil e Delitzsch

(42-43) Todos esses reis e seu país Josué levou “uma vez”, ou seja, em uma campanha, que durou, no entanto, um tempo considerável (compare com Josué 11:18). Ele foi capaz de realizar isto, porque Jeová, o Deus de Israel, lutou por Israel (ver Josué 10:14). Depois disso ele voltou com o exército para o acampamento em Gilgal (Jiljilia; compare com Josué 10:15). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Josué 9 Josué 11>

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.