Bíblia, Revisar

Juízes 1

A guerra contra os cananeus restantes

1 E aconteceu depois da morte de Josué, que os filhos de Israel consultaram ao SENHOR, dizendo: Quem subirá por nós primeiro para lutar contra os cananeus?

E aconteceu depois da morte de Josué – Provavelmente não por um longo período, pois os cananeus parecem ter aproveitado o evento para tentar recuperar sua posição perdida, e os israelitas foram obrigados a renovar a guerra.

os filhos de Israel consultaram ao SENHOR – O conselho divino sobre isso, como em outras ocasiões, foi procurado por Urim e Tumim, aplicando-se ao sumo sacerdote, que, de acordo com Josefo, era Finéias.

dizendo: Quem subirá por nós primeiro para lutar contra os cananeus? – Os anciãos, que exerceram o governo em suas respectivas tribos, julgaram corretamente que, ao entrar em uma importante expedição, deveriam ter um líder nomeado por designação divina; e consultando o oráculo, eles adotaram um rumo prudente, quer o objeto de sua investigação estivesse relacionado à escolha de um comandante individual, quer à honra de precedência entre as tribos.

2 E o SENHOR respondeu: Judá subirá; eis que eu entreguei a terra em suas mãos.

E o SENHOR respondeu: Judá subirá – A preeminência prevista (Gn 49:8) foi, portanto, conferida a Judá por orientação divina, e sua nomeação para assumir a liderança nas hostilidades decorrentes foi de grande importância, como a medida do sucesso pelo qual seus braços foram coroados, animaria as outras tribos para fazer tentativas semelhantes contra os cananeus dentro de seus respectivos territórios.

eu entreguei a terra em suas mãos – Não o país inteiro, mas o distrito designado para sua herança.

3 E Judá disse a Simeão seu irmão: Sobe comigo à minha porção, e lutemos contra os cananeus, e eu também irei contigo à tua porção. E Simeão foi com ele.

Sendo tribos vizinhas (Js 19:1-2), Judá e Simeão tinham um interesse comum e estavam naturalmente associados a esse empreendimento.

4 E subiu Judá, e o SENHOR entregou em suas mãos aos cananeus e aos perizeus; e deles feriram em Bezeque dez mil homens.
5 E acharam a Adoni-Bezeque em Bezeque, e lutaram contra ele: e feriram aos cananeus e aos perizeus.

encontrou Adoni-bezeque – isto é, “senhor de Bezek” – ele foi “encontrado”, isto é, surpreendido e derrotado em uma batalha campal, de onde ele fugiu; mas sendo levado prisioneiro, ele foi tratado com uma severidade incomum entre os israelitas, pois eles “cortaram seus polegares e dedos grandes”. Barbaridades de vários tipos eram comumente praticadas em prisioneiros de guerra nos tempos antigos, e o objetivo dessa mutilação em particular das mãos e pés era para desativá-los para o serviço militar para sempre. A imposição de uma crueldade tão horrível a esse chefe cananeu teria sido uma mancha no caráter dos israelitas se não houvesse razão para acreditar que isso fosse feito por eles como um ato de justiça retributiva, e como tal era considerado por Adoni. -bezek próprio, cuja consciência ler seus crimes atrozes em sua punição.

Bezeque – Este lugar estava dentro do domínio de Judá, cerca de doze milhas ao sul de Jerusalém.

6 Mas Adoni-Bezeque fugiu; e seguiram-no, e prenderam-no, e cortaram-lhe os polegares das mãos e dos pés.
7 Então disse Adoni-Bezeque: Setenta reis, cortados os polegares de suas mãos e de seus pés, colhiam as migalhas debaixo de minha mesa: como eu fiz, assim Deus me pagou. E meteram-no em Jerusalém, de onde morreu.

Setenta reis – Um número tão grande não parecerá estranho, quando se considera que antigamente todo governante de uma cidade ou cidade grande era chamado rei. Não é improvável que naquela região meridional de Canaã houvesse, em épocas anteriores, sido ainda mais até que um chefe turbulento como Adoni-bezek os devorou ​​em sua insaciável ambição.

8 E combateram os filhos de Judá a Jerusalém, e a tomaram, e puseram à espada, e puseram a fogo a cidade.

E combateram os filhos de Judá a Jerusalém, e a tomaram – A captura desta importante cidade, que está entre os primeiros incidentes na guerra de invasão (Js 15:63), é aqui percebida como responsável por ela estar no posse dos judaítas; e trouxeram Adoni-bezek para lá [Jz 1:7], a fim de que, provavelmente, o seu destino fosse tornado tão público, pudesse inspirar terror em toda parte. Ingressos similares foram feitos nas outras partes não -conquistadas da herança de Judá [Jz 1:9-11]. A história da aquisição de Caleb de Hebrom é aqui repetida (Js 15:16-19). [Veja em Js 15:16.]

9 Depois os filhos de Judá desceram para lutar contra os cananeus que habitavam nas montanhas, e ao sul, e nas planícies.
10 E partiu Judá contra os cananeus que habitavam em Hebrom, a qual se chamava antes Quiriate-Arba; e feriram a Sesai, e a Aimã, e a Talmai.
11 E dali foi aos que habitavam em Debir, que antes se chamava Quiriate-Sefer.
12 E disse Calebe: O que ferir a Quiriate-Sefer, e a tomar, eu lhe darei a Acsa minha filha por mulher.
13 E tomou-a Otniel filho de Quenaz, irmão menor de Calebe: e ele lhe deu a Acsa sua filha por mulher.
14 E quando a levavam, persuadiu-lhe que pedisse a seu pai um campo. E ela desceu do asno, e Calebe lhe disse: Que tens?
15 Ela então lhe respondeu: Dá-me uma bênção: pois me deste terra de secura, que me dês também fontes de águas. Então Calebe lhe deu as fontes de acima e as fontes de abaixo.
16 E os filhos de queneu, sogro de Moisés, subiram da cidade das palmeiras com os filhos de Judá ao deserto de Judá, que está ao sul de Arade: e foram e habitaram com o povo.

E os filhos de queneu, sogro de Moisés, subiram da cidade das palmeiras com os filhos de Judá – chamados “os quenitas”, como provavelmente descendiam do povo daquele nome (Nm 24:21-22). Se não fosse ele mesmo, sua posteridade aceitou o convite de Moisés (Nm 10:32) para acompanhar os israelitas a Canaã. Seu primeiro acampamento foi na “cidade das palmeiras” – não Jericó, é claro, que foi totalmente destruída, mas o distrito vizinho, talvez En-Gedi, nos primeiros tempos chamado Hazezon-tamar (Gn 14:7), do palmeiral que o abrigou. De lá, eles se retiraram por alguma causa desconhecida e, associando-se a Judá, juntaram-se a uma expedição contra Arade, na parte meridional de Canaã (Nm 21:1). Na conquista daquele distrito, alguns desse povo pastoral armaram suas tendas ali, enquanto outros migraram para o norte (Jz 4:17).

17 E foi Judá ao seu irmão Simeão, e feriram aos cananeus que habitavam em Zefate, e assolaram-na: e puseram por nome à cidade, Hormá.

E foi Judá ao seu irmão Simeão – O curso da narrativa é aqui retomado de Jz 1:9, e um relato dado de Judá retornando os serviços de Simeão (Jz 1:3), auxiliando na prossecução da guerra dentro do tribos vizinhas.

e feriram aos cananeus que habitavam em Zefate – ou em Sefatá (2Cr 14:10), um vale situado na porção meridional de Canaã.

Hormá – destruído em cumprimento de um voto inicial dos israelitas (ver Nm 21:2). As tribos confederadas, perseguindo suas incursões naquele quartel, vieram sucessivamente a Gaza, Askelon e Ekron, que tomaram. Mas os filisteus parecem em breve ter recuperado a posse dessas cidades.

18 Tomou também Judá a Gaza com seu termo, e a Asquelom com seu termo, e a Ecrom com seu termo.
19 E o SENHOR foi com Judá, e expulsaram os das montanhas; mas não puderam expulsar os que habitavam nas planícies, os quais tinham carros de ferro.

mas não puderam expulsar os que habitavam nas planícies – A guerra era do Senhor, cuja ajuda onipotente teria assegurado seu sucesso em cada encontro, seja nas montanhas ou nas planícies, com soldados de infantaria ou cavalaria. Foi a desconfiança, a falta de uma confiança simples e firme na promessa de Deus, que os fez temer dos carros de ferro (ver em Js 11:4-9).

20 E deram Hebrom a Calebe, como Moisés havia dito: e ele expulsou dali três filhos de Anaque.
21 Mas aos jebuseus que habitavam em Jerusalém, não expulsaram os filhos de Benjamim, e tanto os jebuseus habitaram com os filhos de Benjamim em Jerusalém até hoje.

Mas aos jebuseus que habitavam em Jerusalém, não expulsaram os filhos de Benjamim – Judá havia expulsado o povo de sua parte de Jerusalém (Jz 1:8). A fronteira das duas tribos corria pela cidade – israelitas e nativos devem ter sido intimamente misturados.

22 Também os da casa de José subiram a Betel; e o SENHOR foi com eles.

a casa de José – a tribo de Efraim, como distinta de Manassés (Jz 1:27).

23 E os da casa de José puseram espias em Betel, a qual cidade antes se chamava Luz.
24 E os que espiavam viram um homem que saía da cidade, e disseram-lhe: Mostra-nos agora a entrada da cidade, e faremos contigo misericórdia.

disseram-lhe: Mostra-nos agora a entrada da cidade – isto é, as avenidas para a cidade e a parte mais fraca das paredes.

faremos contigo misericórdia – Os israelitas poderiam empregar estes meios para se apossarem de um lugar que lhes fosse divinamente apropriado: eles poderiam prometer vida e recompensas a este homem, embora ele e todos os cananeus estivessem condenados à destruição (Js 2:12-14); mas podemos supor que a promessa foi suspensa ao abraçar a verdadeira religião ou deixar o país, como ele fez. Se eles o tivessem visto firmemente oposto a qualquer dessas alternativas, eles não o teriam restringido por promessas mais do que por ameaças de trair seus compatriotas. Mas se eles o achassem disposto a ser útil, e para ajudar os invasores a executar a vontade de Deus, eles poderiam prometer poupá-lo.

25 E ele lhes mostrou a entrada à cidade, e feriram-na a fio de espada; mas deixaram a aquele homem com toda sua família.
26 E fosse o homem à terra dos heteus, e edificou uma cidade, à qual chamou Luz; e este é seu nome até hoje.

Luz – (Veja Gn 12:7; veja Gn 28:18).

27 Tampouco Manassés expulsou os de Bete-Seã, nem aos de suas aldeias, nem aos de Taanaque e suas aldeias, nem os de Dor e suas aldeias, nem os habitantes de Ibleão e suas aldeias, nem aos que habitavam em Megido e em suas aldeias; mas os cananeus quiseram habitar nessa terra.

O mesmo rumo de subjugação foi realizado nas outras tribos em parte, e com sucesso variável. Muitos dos nativos, sem dúvida, durante o progresso dessa guerra exterminadora, salvaram-se de fuga e tornaram-se, acredita-se, os primeiros colonos na Grécia, na Itália e em outros países. Mas uma grande parte fez uma forte resistência e reteve a posse de suas antigas moradas em Canaã. Em outros casos, quando os nativos foram vencidos, a avareza levou os israelitas a poupar os idólatras, contrariando a ordem expressa de Deus; e sua desobediência às Suas ordens nesta questão envolveu-os em muitos problemas que este livro descreve.

28 Porém quando Israel tomou forças fez aos cananeus tributários, mas não o expulsou.
29 Também Efraim não expulsou os cananeus que habitavam em Gezer; antes habitaram os cananeus em meio deles em Gezer.
30 Também Zebulom não expulsou aos que habitavam em Quitrom e aos que habitavam em Naalol; mas os cananeus habitaram no meio dele, e lhe foram tributários.
31 Também Aser não expulsou aos que habitavam em Aco, e aos que habitavam em Sidom, Alabe, Aczibe, Helba, Afeque, e em Reobe;
32 em vez disso, Aser morou entre os cananeus que habitavam na terra; pois não os expulsou.
33 Também Naftali não expulsou os que habitavam em Bete-Semes e os que habitavam em Bete-Anate, mas morou entre os cananeus que habitavam na terra; todavia, os moradores de Bete-Semes e os moradores de Bete-Anate foram-lhe tributários.
34 Os amorreus pressionaram os filhos de Dã até as montanhas; pois não os permitiram descer ao vale.
35 E os amorreus quiseram habitar no monte de Heres, em Aijalom e em Saalbim; mas a mão da tribo de José foi mais forte, e os fizeram tributários.
36 E o limite dos amorreus foi desde a subida de Acrabim, desde a rocha, e daí acima.
<Josué 24 Juízes 2>

Leia também uma introdução ao livro dos Juízes.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.