Juízes 3

Nações deixadas para provar Israel

1 Estas, pois, são as nações que o SENHOR deixou para provar com elas a Israel, a todos aqueles que não haviam conhecido todas as guerras de Canaã;

Comentário de Robert Jamieson

Esse foi o desígnio especial dessas nações que foram deixadas, e evidencia a influência direta da teocracia sob a qual os israelitas foram colocados. Estas nações foram deixadas para um duplo propósito: em primeiro lugar, para ser instrumento, por suas incursões, no fomento da disciplina moral e espiritual dos israelitas; e também para apoiar o plano de torná-los familiarizados com a guerra, a fim de que os jovens, mais especialmente, que eram totalmente estranhos a ela, pudessem aprender o uso de armas e a arte de manejá-las. [JFB, aguardando revisão]

2 Somente para que a linhagem dos filhos de Israel conhecesse, para ensiná-los na guerra, pelo menos aos que antes não a conheciam:

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-2) A razão, que já foi declarada nos Juízes 2:22, em outras palavras, “para provar Israel por eles”, é ainda mais elucidada aqui. Em primeiro lugar (Juízes 3:1), את-ישׂראל é definido mais precisamente como significando “todos aqueles que não tinham conhecido todas as guerras de Canaã”, isto é, a partir de sua própria observação e experiência, ou seja, a geração dos israelitas que se levantou após a morte de Josué. Pois “as guerras de Canaã” foram as guerras que foram levadas adiante por Josué com a ajuda onipotente do Senhor para a conquista de Canaã. Todo o pensamento é então ainda mais expandido nos Juízes 3:2 como se segue: “somente (para nenhum outro propósito a não ser) que as gerações seguintes (as gerações que seguiram Josué e seus contemporâneos) dos filhos de Israel, para que Ele (Jeová) lhes ensinasse a guerra, somente aqueles que não os tinham conhecido (as guerras de Canaã)”. O sufixo anexado a ידעוּם refere-se a “as guerras de Canaã”, embora este seja um substantivo feminino, sendo o sufixo no plural masculino freqüentemente usado em conexão com um substantivo feminino. À primeira vista, parece que o motivo dado aqui para a não-exterminação dos cananeus não estava em harmonia com o motivo atribuído nos Juízes 2:22, que é repetido nos Juízes 3:4 do presente capítulo. Mas as diferenças são perfeitamente conciliáveis, se dermos apenas uma explicação correta das duas expressões, “guerra de aprendizagem”, e “guerras de Canaã”. Aprender a guerra no contexto que temos diante de nós é equivalente a aprender a fazer guerra contra as nações de Canaã. Josué e os israelitas de seu tempo não haviam vencido estas nações por seu próprio poder humano ou por armas terrestres, mas pela ajuda milagrosa de seu Deus, que havia ferido e destruído os cananeus diante dos israelitas. A ajuda onipotente do Senhor, porém, só foi concedida a Josué e a toda a nação, na condição de que eles aderissem firmemente à lei de Deus (Josué 1:7), e observassem fielmente a aliança do Senhor; enquanto a transgressão dessa aliança, mesmo por Achan, causou a derrota de Israel diante dos cananeus (Josué 7). Nas guerras de Canaã sob Josué, portanto, Israel tinha experimentado e aprendido, que o poder de conquistar seus inimigos não consistia na multidão e bravura de seus próprios combatentes, mas somente no poder de seu Deus, que só podia possuir enquanto continuasse fiel ao Senhor. Esta lição as gerações que se seguiram a Josué haviam esquecido, e conseqüentemente não entenderam como fazer a guerra. Para impressionar esta verdade sobre eles – a grande verdade, da qual dependia a própria existência, bem como a prosperidade de Israel, e sua realização do objeto de seu chamado divino; em outras palavras, para ensiná-la por experiência, que o povo de Jeová só podia lutar e conquistar no poder de seu Deus – o Senhor havia deixado os cananeus na terra. A necessidade ensina um homem a orar. O sofrimento em que os israelitas foram trazidos pelos cananeus restantes foi um castigo de Deus, através do qual o Senhor desejava reconduzir os rebeldes a si mesmo, mantê-los obedientes a Seus mandamentos e treiná-los para o cumprimento de seus deveres do pacto. Neste sentido, aprender a guerra, ou seja, aprender como a congregação do Senhor devia lutar contra os inimigos de Deus e de Seu reino, era um dos meios designados por Deus para tentar Israel, ou provar se ele ouviria os mandamentos de Deus (Juízes 3:4), ou se andaria nos caminhos do Senhor. Se Israel aprendesse assim a guerra, aprenderia ao mesmo tempo a guardar os mandamentos de Deus. Mas ambos eram necessários para o povo de Deus. Pois, assim como a realização das bênçãos prometidas à nação no pacto dependia de seu ouvir a voz do Senhor, assim também os conflitos apontados para ela eram necessários, tanto para a purificação da nação pecadora, quanto para a perpetuação e crescimento do reino de Deus sobre a terra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 Cinco príncipes dos filisteus, e todos os cananeus, e os sidônios, e os heveus que habitavam no monte Líbano: desde o monte de Baal-Hermom até chegar a Hamate.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) A enumeração das diferentes nações repousa sobre Josue 13:2-6, e, com sua concisão e brevidade, só é totalmente inteligível através da luz lançada sobre ela por aquela passagem. Os cinco príncipes dos filisteus são mencionados individualmente ali. De acordo com Josué 13:4., “todos os cananeus e os sidônios e os hivitas”, são as tribos cananéias que habitam no norte de Canaã, junto à costa fenícia e no Monte Líbano. “Os cananeus:” em outras palavras, aqueles que habitaram ao longo da costa do mar ao sul de Sidon. Os Hivitas: aqueles que se estabeleceram mais no coração do país, “desde as montanhas de Baal-hermon até o território de Hamath”. Baal-hermon é apenas outro nome para Baal-gad, os atuais Banjas, sob o Hermon (compare com Josué 13:5). Quando se afirma ainda mais nos Juízes 3:4, que “eles foram deixados em existência (i.e, não foram exterminados por Josué) para provar Israel por eles”, ficamos impressionados com o fato de que, além dos filisteus, apenas estes cananeus do norte são mencionados; enquanto, de acordo com os Juízes 1, muitas cidades no centro da terra também foram deixadas nas mãos dos cananeus, e portanto aqui também os cananeus ainda não foram exterminados, e se tornaram igualmente um laço para os israelitas, não apenas de acordo com a palavra do anjo do Senhor (Juízes 2: 3), mas também porque os israelitas que habitavam entre estas tribos cananéias contraíram casamentos com eles e serviram a seus deuses. Esta circunstância marcante não pode ser posta de lado, como Bertheau supõe, pela simples observação, que “as duas listas (a dos países que as tribos de Israel não conquistaram após a morte de Josué nos Juízes 1, e a dada aqui das nações que Josué não subjugou) devem corresponder no conjunto”, uma vez que a correspondência referida realmente não existe. Só pode ser explicado no terreno que os cananeus que ficaram nas diferentes cidades no meio da terra, adquiriram todo seu poder para manter sua posição contra Israel a partir do simples fato de que os filisteus no sudoeste, e várias tribos inteiras de cananeus no norte, tinham sido deixados por Josué nem exterminados nem mesmo conquistados, na medida em que aleijaram tanto o poder dos israelitas pelas guerras e invasões do território israelita, que não puderam exterminar aqueles que permaneceram nas diferentes fortalezas de seus próprios bens. Porque, portanto, o poder de resistir aos israelitas e oprimi-los por um tempo não residia tanto nos cananeus que habitavam no meio de Israel, como nos filisteus e cananeus sobre as montanhas do Líbano que haviam sido deixados sem ser conquistados por Josué, estas são as únicas tribos mencionadas nesta breve pesquisa como as nações através das quais o Senhor provaria Seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Estes, pois, foram para provar por eles a Israel, para saber se obedeceriam aos mandamentos do SENHOR, que ele havia prescrito a seus pais por meio de Moisés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) A enumeração das diferentes nações repousa sobre Josue 13:2-6, e, com sua concisão e brevidade, só é totalmente inteligível através da luz lançada sobre ela por aquela passagem. Os cinco príncipes dos filisteus são mencionados individualmente ali. De acordo com Josué 13:4., “todos os cananeus e os sidônios e os hivitas”, são as tribos cananéias que habitam no norte de Canaã, junto à costa fenícia e no Monte Líbano. “Os cananeus:” em outras palavras, aqueles que habitaram ao longo da costa do mar ao sul de Sidon. Os Hivitas: aqueles que se estabeleceram mais no coração do país, “desde as montanhas de Baal-hermon até o território de Hamath”. Baal-hermon é apenas outro nome para Baal-gad, os atuais Banjas, sob o Hermon (compare com Josué 13:5). Quando se afirma ainda mais nos Juízes 3:4, que “eles foram deixados em existência (i.e, não foram exterminados por Josué) para provar Israel por eles”, ficamos impressionados com o fato de que, além dos filisteus, apenas estes cananeus do norte são mencionados; enquanto, de acordo com os Juízes 1, muitas cidades no centro da terra também foram deixadas nas mãos dos cananeus, e portanto aqui também os cananeus ainda não foram exterminados, e se tornaram igualmente um laço para os israelitas, não apenas de acordo com a palavra do anjo do Senhor (Juízes 2: 3), mas também porque os israelitas que habitavam entre estas tribos cananéias contraíram casamentos com eles e serviram a seus deuses. Esta circunstância marcante não pode ser posta de lado, como Bertheau supõe, pela simples observação, que “as duas listas (a dos países que as tribos de Israel não conquistaram após a morte de Josué nos Juízes 1, e a dada aqui das nações que Josué não subjugou) devem corresponder no conjunto”, uma vez que a correspondência referida realmente não existe. Só pode ser explicado no terreno que os cananeus que ficaram nas diferentes cidades no meio da terra, adquiriram todo seu poder para manter sua posição contra Israel a partir do simples fato de que os filisteus no sudoeste, e várias tribos inteiras de cananeus no norte, tinham sido deixados por Josué nem exterminados nem mesmo conquistados, na medida em que aleijaram tanto o poder dos israelitas pelas guerras e invasões do território israelita, que não puderam exterminar aqueles que permaneceram nas diferentes fortalezas de seus próprios bens. Porque, portanto, o poder de resistir aos israelitas e oprimi-los por um tempo não residia tanto nos cananeus que habitavam no meio de Israel, como nos filisteus e cananeus sobre as montanhas do Líbano que haviam sido deixados sem ser conquistados por Josué, estas são as únicas tribos mencionadas nesta breve pesquisa como as nações através das quais o Senhor provaria Seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Por comunhão com estes, os israelitas cometem idolatria

5 Assim os filhos de Israel habitavam entre os cananeus, heteus, amorreus, perizeus, heveus, e jebuseus:

Comentário de Robert Jamieson

Assim os filhos de Israel habitavam entre os cananeus. Os dois povos gradualmente passaram a ter um relacionamento. Alianças foram formadas através casamento até que os israelitas, relaxando a austeridade de seus princípios, mostraram uma conformidade crescente com as maneiras e a adoração de seus vizinhos idólatras. [JFB, aguardando revisão]

6 E tomaram de suas filhas por mulheres, e deram suas filhas aos filhos deles, e serviram a seus deuses.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Mas os israelitas não resistiram ao teste. Morando no meio dos cananeus, dos quais seis tribos são enumeradas, como em Êxodo 3:8, Êxodo 3:17, etc. (ver em Deuteronômio 7:1), contraíram matrimônios com eles, e serviram seus deuses, contrariando a proibição expressa do Senhor em Êxodo 34:16; Êxodo 23:24, e Deuteronômio 7:3-4. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Fizeram, pois, os filhos de Israel o mal aos olhos do SENHOR: e esquecidos do SENHOR seu Deus, serviram aos baalins, e aos ídolos dos bosques.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) O primeiro castigo que os israelitas sofreram por sua apostasia do Senhor, é introduzido com a mesma fórmula que havia sido usada antes para descrever os tempos dos juízes em geral (Juízes 2: 11-12), exceto que ao invés de את-יי ויּעזבוּ (“eles abandonaram o Senhor”) temos aqui את-יי ויּשׁכּחוּ (“eles esqueceram o Senhor seu Deus”) de Deuteronômio 32: 18 (compare com 1Samuel 12:9), e Asheroth (renderizado “bosques”) em vez de Ashtaroth (veja em Juízes 2:13). Como castigo por esta apostasia, o Senhor os vendeu (Juízes 2:14) na mão de Chushan-rishathaim, o rei da Mesopotâmia, a quem eles foram obrigados a servir por oito anos. Tudo o que sabemos sobre este rei da Mesopotâmia é o que está registrado aqui. Seu nome, Chushan-rishathaim, é provavelmente apenas um título que lhe foi dado pelos próprios israelitas. Rishathaim significa “dupla maldade”, e a palavra foi proferida como um apelativo com este significado nos Targuns e nas versões siríaca e árabe. Chushan também é formado como um adjetivo de Cush, e pode denotar os Cushites. De acordo com M. v. Niebuhr (Gesch. Assurs u. Babels, p. 272), os governantes da Babilônia naquela época (1518-1273) eram árabes. “Os árabes, no entanto, podem ter incluído não apenas os shemites da tribo de Joktan ou Ismael, mas também os cushitas”. A invasão de Canaã por este rei mesopotâmico ou babilônico tem uma analogia histórica na campanha dos cinco reis aliados de Shinar no tempo de Abraão (Gênesis 14). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Otniel liberta Israel

8 E a ira do SENHOR se acendeu contra Israel, e vendeu-os em mãos de Cusã-Risataim rei da Mesopotâmia; e serviram os filhos de Israel a Cusã-Risataim oito anos.

Comentário de Robert Jamieson

mãos de Cusã-Risataim. Ou, Cusã, “os ímpios”. Provavelmente, esse nome lhe fora dado por seu caráter cruel e ímpio.

serviram os filhos de Israel a Cusã-Risataim oito anos. Pelo pagamento de um tributo anual, cuja criação deve ter causado uma grande quantidade de trabalho e privação. [JFB, aguardando revisão]

9 E clamaram os filhos de Israel ao SENHOR; e o SENHOR suscitou salvador aos filhos de Israel e livrou-os; é, a saber, a Otniel filho de Quenaz, irmão menor de Calebe.

Comentário de Robert Jamieson

E clamaram os filhos de Israel ao SENHOR. Em sua aflição eles recorreram a fervorosa oração, acompanhados por humilde e arrependida confissão de seus erros.

Otniel. Sua experiência militar qualificou-o para o trabalho, enquanto as valentes façanhas que ele era conhecido por ter realizado, ganhou-lhe a plena confiança de seus compatriotas em sua capacidade como líder (veja em Josué 15:16; Juízes 1:13). [JFB]

10 E o espírito do SENHOR foi sobre ele, e julgou a Israel, e saiu à batalha, e o SENHOR entregou em sua mão a Cusã-Risataim, rei da Síria, e prevaleceu sua mão contra Cusã-Risataim.

Comentário de Robert Jamieson

E o espírito do SENHOR foi sobre ele, e julgou a Israel, e saiu à batalha. Impelido por uma influência sobrenatural, Otniel assumiu a difícil tarefa do governo nesta crise nacional – dirigindo-se a promover uma reforma geral dos costumes, a abolição da idolatria e o renascimento da religião pura. Após essas medidas preliminares, ele reuniu um grupo de guerreiros escolhidos para expulsar os estrangeiros opressores.

o SENHOR entregou em sua mão a Cusã-Risataim, rei da Síria, e prevaleceu sua mão contra Cusã-Risataim. Nenhum detalhe é dado sobre esta guerra, que, considerando os recursos de um monarca tão poderoso, deve ter sido uma grande batalha. Mas as armas israelitas foram coroadas com a bênção de Deus com vitória, e Canaã recuperou sua liberdade e independência. [JFB, aguardando revisão]

11 E repousou a terra quarenta anos; e morreu Otniel, filho de Quenaz.

Comentário de Robert Jamieson

Otniel… morreu. Quão poderosa é a influência de um homem bom, na igreja ou estado, é melhor encontrada em sua perda [Bispo Hall]. [JFB, aguardando revisão]

Eúde mata Eglom

12 E voltaram os filhos de Israel a fazer o mal ante os olhos do SENHOR; e o SENHOR esforçou a Eglom rei de Moabe contra Israel, porquanto fizeram o mal ante os olhos do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

E voltaram os filhos de Israel a fazer o mal ante os olhos do SENHOR. Os israelitas, privados das influências morais e políticas de Otniel, não tardaram em seguir sua tendência natural para a idolatria.

e o SENHOR esforçou a Eglom rei de Moabe contra Israel. A ambição de Eglom era recuperar aquela porção extensa de seu antigo território possuído pelos israelitas. Em conjunção com seus vizinhos, os amonitas e os amalequitas, inimigos jurados de Israel, ele primeiro sujeitou as tribos orientais; depois de atravessar o Jordão, ele fez uma súbita incursão no oeste de Canaã e, em virtude de suas conquistas, erigiu fortificações no território ao lado de Jericó [Josefo], para assegurar a fronteira e fixar sua residência ali. A este opressor foi permitido, na providência de Deus, triunfar por dezoito anos. [JFB, aguardando revisão]

13 E Juntou consigo aos filhos de Amom e de Amaleque, e foi, e feriu a Israel, e tomou a cidade das palmeiras.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) Nos versículos 12-30, a subjugação dos israelitas por Eglon, o rei dos moabitas, e sua libertação desta escravidão, são descritos circunstancialmente. Em primeiro lugar, nos versículos 3:12-14, a subjugação. Quando os israelitas abandonaram o Senhor novamente (no lugar de וגו את-הרע … ויּעשׂוּ, Juízes 3:7, temos aqui a expressão apropriada … הרע הרע לעשׂות, eles acrescentaram a fazer, ou seja fez novamente, mal, etc., como nos Juízes 4:1; Juízes 10:6; Juízes 13:1), o Senhor fez Eglon, o rei dos moabitas, forte sobre Israel. על חזּק, para dar força a uma pessoa para vencer ou oprimir outra. כּי על, como em Deuteronômio 31:17, ao invés do mais usual אשׁר על (compare com Jeremias 4:28; Malaquias 2:14; Salmo 139:14). Eglon se aliou aos amonitas e amalequitas, esses arqui-arquitas de Israel, invadiram a terra, tomaram a cidade-palma, ou seja, Jericó (ver Juízes 1:16), e tornaram os israelitas tributários por dezoito anos. Sessenta anos haviam passado desde que Jericó havia sido queimada por Josué. Durante esse tempo os israelitas haviam reconstruído a cidade arruinada, mas não a haviam fortificado, por causa da maldição pronunciada por Josué sobre qualquer um que deveria restaurá-la como uma fortaleza; para que os moabitas pudessem facilmente conquistá-la, e usando-a como base, reduzir os israelitas à servidão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E serviram os filhos de Israel a Eglom rei dos moabitas dezoito anos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-14) Nos versículos 12-30, a subjugação dos israelitas por Eglon, o rei dos moabitas, e sua libertação desta escravidão, são descritos circunstancialmente. Em primeiro lugar, nos versículos 3:12-14, a subjugação. Quando os israelitas abandonaram o Senhor novamente (no lugar de וגו את-הרע … ויּעשׂוּ, Juízes 3:7, temos aqui a expressão apropriada … הרע הרע לעשׂות, eles acrescentaram a fazer, ou seja fez novamente, mal, etc., como nos Juízes 4:1; Juízes 10:6; Juízes 13:1), o Senhor fez Eglon, o rei dos moabitas, forte sobre Israel. על חזּק, para dar força a uma pessoa para vencer ou oprimir outra. כּי על, como em Deuteronômio 31:17, ao invés do mais usual אשׁר על (compare com Jeremias 4:28; Malaquias 2:14; Salmo 139:14). Eglon se aliou aos amonitas e amalequitas, esses arqui-arquitas de Israel, invadiram a terra, tomaram a cidade-palma, ou seja, Jericó (ver Juízes 1:16), e tornaram os israelitas tributários por dezoito anos. Sessenta anos haviam passado desde que Jericó havia sido queimada por Josué. Durante esse tempo os israelitas haviam reconstruído a cidade arruinada, mas não a haviam fortificado, por causa da maldição pronunciada por Josué sobre qualquer um que deveria restaurá-la como uma fortaleza; para que os moabitas pudessem facilmente conquistá-la, e usando-a como base, reduzir os israelitas à servidão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E clamaram os filhos de Israel ao SENHOR; e o SENHOR lhes suscitou salvador, a Eúde, filho de Gera, benjamita, o qual era canhoto. E os filhos de Israel enviaram com ele um presente a Eglom rei de Moabe.

Comentário de Robert Jamieson

Eúde, filho de Gera. Eúde descendia de Gera, um dos filhos de Benjamim (Gênesis 46:21).

canhoto. Esta peculiaridade distinguiu muitos na tribo benjamita (Juízes 20:16). Mas a palavra original é traduzida em algumas versões como “com ambas as mãos”, uma visão contada por 1Crônicas 12:2.

E os filhos de Israel enviaram com ele um presente a Eglom rei de Moabe. Este era o tributo anual que, segundo o costume oriental, seria levado com ostentação e oferecido por diversos mensageiros (Juízes 3:18). [JFB, aguardando revisão]

16 E Eúde se havia feito um punhal de dois fios, de um côvado de comprimento; e cingiu-se com ele debaixo de suas roupas à seu lado direito.

Comentário de Keil e Delitzsch

Ehud aproveitou a oportunidade para se aproximar do rei dos moabitas e matá-lo, e assim se livrar do jugo dos moabitas de sua nação. Para isso, ele se muniu de uma espada, que tinha duas pontas (פּיות de פּה, como שׂיו, Deuteronômio 22:1, de שׂה), um côvado de comprimento (גּמר, ἁπ. λεγ, significava principalmente um bastão, aqui um côvado, de acordo com o siríaco e o árabe; não “um vão”, σπιθαμή, lxx), e “cingia-o debaixo de seu traje sobre sua coxa direita”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E apresentou o presente a Eglom rei de Moabe; e era Eglom homem muito gordo.

Comentário de Keil e Delitzsch

Com esta arma, ele trouxe o presente ao rei Eglon, que – como também é mencionado como preparação para o que se segue – era um homem muito gordo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E logo que apresentou o presente, despediu à gente que o havia trazido.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) Depois de apresentar o presente, Eúde dispensou as pessoas que haviam levado o presente para suas próprias casas; isto é, como aprendemos com os Juízes 3:19, depois de terem se distanciado um pouco de Jericó. Mas ele mesmo voltou das pedreiras de Gilgal, isto é, para Jericó, para o rei Eglon. הפּסילים מן refere-se a algum lugar de Gilgal. Em Deuteronômio 7:25; Isaías 21:9; Jeremias 8:19, pesilim significa ídolos. E se mantivéssemos este significado aqui, como fizeram os lxx, Vulgata e outros, devemos assumir que nas proximidades de Gilgal havia ídolos de pedra montados ao ar livre – o que é muito improvável. A renderização “pedreiras de pedra”, de פּסל, para cortar pedras (Êxodo 34:1, etc.), que é a adotada no Caldeu, e por Rashi e outros, é mais provável que seja a correta. Gilgal não pode ser o Gilgal entre Jericó e o Jordão, que foi o primeiro acampamento dos israelitas em Canaã, como é comumente suposto, desde que Ehud passou o Pesilim em sua fuga da residência do rei para as montanhas de Efraim (Juízes 3:26, Juízes 3: 27); e não podemos assumir, como faz Bertheau, que Eglon não tenha residido na cidade conquistada (Jericó), mas em algum lugar não cultivado na vizinhança do Jordão, nem supor que após o assassinato de Eglon Ehud poderia ter ido de Jericó para o Gilgal, que era meia hora de viagem em direção ao leste, com o propósito de escapar por uma rota sinuosa deste tipo para Seirah, nas montanhas de Efraim, que ficava no noroeste de Jericó. Gilgal é mais provável que seja Geliloth, que ficava a oeste de Jericó, em frente à subida de Adummim (Kaalat ed Dom), na fronteira de Judah e Benjamin (Josué 18:17), e que também era chamada de Gilgal (Josué 15:7). Tendo retornado ao palácio do rei, Ehud enviou uma mensagem para ele: “Eu tenho uma palavra secreta para ti, ó rei”. O contexto exige que entendamos “ele disse” no sentido de “ele mandou dizer-lhe” (ou mandou dizer-lhe), já que o próprio Ehud não entrou para o rei, que estava sentado em seu quarto, até depois (Juízes 3:20). Em conseqüência desta mensagem o rei disse: הס, literalmente fique em silêncio (o imperativo de הסה fo); aqui está uma proclamação, Que haja silêncio. Aí todos que estavam de pé (em outras palavras, seus atendentes) deixaram a sala, e Ehud entrou (Juízes 3:20). O rei estava sentado “em sua sala superior de resfriamento sozinho”. O “quarto de resfriamento” (Lutero, Sommerlaube, porto de verão) era um quarto colocado sobre o telhado plano de uma casa, que estava aberto para as correntes de ar, e assim permitia um retiro frio, como ainda se encontram no Oriente (vid., Shaw, pp. 188-9). Então Ehud disse: “Uma palavra de Deus eu tenho para ti”; daí o rei levantou-se de seu assento, de reverência à palavra de Deus que Ehud fingiu que tinha que lhe entregar, não para se defender, como Bertheau supõe, da qual não há a mais leve insinuação no texto. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Mas ele se virou desde os ídolos que estão em Gilgal, e disse: Rei, uma palavra secreta tenho que dizer-te. Ele então disse: Cala. E sairam-se de com ele todos os que diante dele estavam.

Comentário de Fay e Bliss

Mas ele se virou desde os ídolos. Este é evidentemente o sentido no qual פְּסִילִים deve ser tomado. פֶּסֶל é sempre uma imagem esculpida, γλυπτόν. O número inteiro de casos em que esta palavra é usada pelos escritores das Escrituras não sugere qualquer razão para pensar aqui em “pedreiras de pedra”, uma definição que, além disso, não parece harmonizar-se com a localidade. Mas como a conexão implica que as fronteiras do território de Eglon, que ele havia arrancado de Israel, estavam no pesilim, devemos entender por eles os postes, στῆλαι, pedras, lapides sacrifícios, que marcaram a linha. Em conseqüência das honras que lhes foram pagas em todos os lugares, estes foram considerados Pesilim, imagens de ídolos, assim como mais tarde o Hermeu, (ἕρμακες, montões de pedra) foram proibidos como objetos idólatras (compare com Aboda Sara, Mischna, 4). Com isto, a interpretação da Targum, מַחְצָבַיָּא, amontoados de pedras brutas, também pode ser feita para harmonizar.32 Esta linha de fronteira estava nas proximidades de Gilgal, que não tinha caído nas mãos de Moab. Ewald insistiu, com razão, que Gilgal deve ter ficado a nordeste de Jericó (Gesch. des Volkes Israel, ii. 317). Que esta era a posição relativa de Gilgal, e sua direção de Jericó, já recebeu a confirmação do primeiro capítulo de nosso Livro.

uma palavra secreta tenho que dizer-te. Não poderia ser surpresa que Ehud não tenha feito este pedido até seu retorno. A cerimônia da audiência pública não permitiu que ela fosse feita naquele momento. A apresentação dos presentes deve ter sido realizada de modo a impressionar o rei com a convicção de que Ehud era especialmente dedicado a ele. Sinais de descontentamento e má vontade por parte do povo subjugado não podem ter escapado ao conquistador. Quanto mais ele valorizaria a devoção de um dos líderes israelitas. Que Ehud havia mandado seus companheiros embora, e não havia retornado até que eles tivessem cruzado a fronteira, foi facilmente explicado como indicando que ele tinha um assunto a apresentar no qual não queria ser observado por eles. Mais ansioso ainda, portanto, estava Eglon para ouvir o que Ehud parecia esconder de Israel. Foi somente com tal fingimento que Ehud conseguiu se aproximar do tirano e obter uma entrevista privada. O libertador de Israel deve primeiro parecer ser seu traidor. O mesmo artifício tem sido usado por outros. Quando os persas quiseram destruir os pseudo-Smerdis, e duvidosamente consideraram como poderiam passar os guardas, Dario disse que fingiria ter uma comissão secreta, relativa à Pérsia, de seu pai para o rei; acrescentando, como Heródoto (iii. 72) diz: “Pois quando mentir é necessário, minta”!

Ele então disse: Cala. E sairam-se de com ele todos os que diante dele estavam. Eúde não se rebaixa como se desejasse que os presentes partissem. Ele parece estar a ponto de contar seu segredo diante de todos eles. Mas este Eglon não permitirá. As maneiras orientais não poderiam ser estabelecidas de forma mais perfeita. A injunção de silêncio do rei (הָס, ‘st!) sobre Ehud, é por si só um comando suficiente para que os presentes deixem a sala. Eglon deve, portanto, ter esperado que as coisas não fossem ouvidas por todos os ouvidos. Todos os que “ficaram de pé” sobre ele, saíram. Eram seus servos (Juízes 3:24), que não se sentam quando o rei está presente. “Felizes são estes teus servos”, diz a rainha de Sabá a Salomão, “que estão continuamente diante de ti, e ouvem tua sabedoria”. No Tutinameh (traduzido por Rosen, i. 42, 43), é dito: “O Rei de Khorassan estava uma vez sentado em seu palácio, e diante de seu trono estavam os pilares do império, os servos da coroa, altos e baixos, grandes e pequenos”, etc. [Lange, aguardando revisão]

20 E chegou-se Eúde a ele, o qual estava sentado sozinho em uma sala de verão. E Eúde disse: Tenho palavra de Deus para ti. Ele então se levantou da cadeira.

Comentário de Robert Jamieson

uma sala de verão. Em hebraico, “sala de resfriamento” – um daqueles edifícios reformados que os grandiosos orientais geralmente tinham em seus jardins, e nos quais eles repousavam durante o calor do dia. [JFB, aguardando revisão]

21 Mas Eúde meteu sua mão esquerda, e tomou o punhal de seu lado direito, e meteu-o pelo ventre;

Comentário de Robert Jamieson

Eúde meteu sua mão esquerda. Toda a circunstância desse ato ousado – a morte de Eglom sem um grito, ou barulho – o travamento das portas – a retirada da chave – o comportamento calmo e sem pressa de Eúde – mostram a força do sua confiança de que ele estava fazendo o serviço de Deus. [JFB, aguardando revisão]

22 De tal maneira que a empunhadura entrou também atrás a lâmina, e a gordura encerrou a lâmina, que ele não tirou o punhal de seu ventre: e saiu dele fezes.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-22) Mas quando o rei se levantou, Ehud tirou sua espada de debaixo de sua roupa, e a mergulhou tão profundamente em seu abdômen que até o punho seguiu a lâmina, e a gordura se fechou sobre a lâmina (de modo que não havia nada para ser visto na frente, porque ele não tirou a espada novamente de seu corpo), e a lâmina saiu entre as pernas. As últimas palavras foram proferidas de várias maneiras. Lutero segue o Caldeu e a Vulgata, e a torna “para que a sujeira passe dele”, tomando o ἁπ. λεγ. פּרשׁדנה como substantivo composto de פּרשׁ, stercus, e שׁדה, jecit. Mas isto dificilmente é correto, pois a forma da palavra פּרשׁדנה, e sua conexão com יצא, aponta mais para um substantivo, פּרשׁדן, com ה local. A explicação dada por Gesenius em suas Thes. e Heb. lex. tem muito mais a seu favor, em outras palavras, interstititium pedum, o lugar entre as pernas, de uma palavra árabe que significa pedes dissitos habuit, usada como eufemismo para anus, podex. O sujeito do verbo é a lâmina.

(Nota: De qualquer forma a interpretação sugerida por Ewald, “Ehud foi para o ar livre, ou para o recinto, o espaço em frente ao Alija”, é insustentável, pela simples razão de ser perfeitamente inconciliável com a cláusula seguinte, “Ehud foi para o ar livre”, etc. (conseqüentemente o Pe. Bttcher propõe apagar esta cláusula do texto, sem qualquer autoridade crítica). Pois se Ehud fosse o sujeito do verbo, o sujeito teria necessariamente sido mencionado, como realmente está na cláusula seguinte, Juízes 3:23). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E saindo Eúde ao pátio, fechou atrás si as portas da sala.

Comentário de Keil e Delitzsch

Assim que a façanha foi cumprida, Ehud saiu para o pátio ou salão da frente, fechou a porta da sala atrás dele (בּעדו, não atrás de si mesmo, mas literalmente ao redor dele, ou seja, Eglon; compare com Gênesis 7:16; 2 Reis 4:4) e o trancou (isto só é adicionado como uma explicação mais precisa do verbo anterior). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E saído ele, vieram seus servos, os quais vendo as portas da sala fechadas, disseram: Sem dúvida ele está fazendo suas necessidades na sala de verão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Quando os servos de Eglon vieram (para entrar para seu senhor) após a partida de Ehud e viram a porta da sala superior trancada, eles pensaram “certamente (אך, literalmente apenas, nada mais que) ele cobre seus pés” (um eufemismo para realizar as necessidades básicas; compare com 1Samuel 24:3), e esperaram a vergonha (compare com 2 Rei dg 2:17; Juízes 8:11), ou seja até terem vergonha de sua longa espera (ver Juízes 5:28). Abriram a porta com a chave e encontraram seu senhor deitado morto no chão.

A conduta de Ehud deve ser julgada de acordo com o espírito daqueles tempos, quando se pensava que era permitido adotar qualquer meio de destruir o inimigo da própria nação. O assassinato traiçoeiro de um rei hostil não deve ser considerado como um ato do Espírito de Deus e, portanto, não nos é apresentado como um exemplo a ser imitado. Embora Jeová tenha levantado Ehud como um libertador para seu povo quando oprimido por Eglon, não se afirma (e isto deve ser observado particularmente) que o Espírito de Jeová veio sobre Ehud, e menos ainda que Ehud assassinou o rei hostil sob o impulso desse Espírito. Ehud provou ter sido levantado pelo Senhor como o libertador de Israel, simplesmente pelo fato de que ele realmente libertou seu povo da escravidão dos moabitas, e de modo algum se segue que os meios que ele escolheu foram ordenados ou aprovados por Jeová. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E havendo esperado até estar confusos, pois que ele não abria as portas da sala, tomaram a chave e abriram: e eis que seu senhor caído em terra morto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Quando os servos de Eglon vieram (para entrar para seu senhor) após a partida de Ehud e viram a porta da sala superior trancada, eles pensaram “certamente (אך, literalmente apenas, nada mais que) ele cobre seus pés” (um eufemismo para realizar as necessidades básicas; compare com 1Samuel 24:3), e esperaram a vergonha (compare com 2 Rei dg 2:17; Juízes 8:11), ou seja até terem vergonha de sua longa espera (ver Juízes 5:28). Abriram a porta com a chave e encontraram seu senhor deitado morto no chão.

A conduta de Ehud deve ser julgada de acordo com o espírito daqueles tempos, quando se pensava que era permitido adotar qualquer meio de destruir o inimigo da própria nação. O assassinato traiçoeiro de um rei hostil não deve ser considerado como um ato do Espírito de Deus e, portanto, não nos é apresentado como um exemplo a ser imitado. Embora Jeová tenha levantado Ehud como um libertador para seu povo quando oprimido por Eglon, não se afirma (e isto deve ser observado particularmente) que o Espírito de Jeová veio sobre Ehud, e menos ainda que Ehud assassinou o rei hostil sob o impulso desse Espírito. Ehud provou ter sido levantado pelo Senhor como o libertador de Israel, simplesmente pelo fato de que ele realmente libertou seu povo da escravidão dos moabitas, e de modo algum se segue que os meios que ele escolheu foram ordenados ou aprovados por Jeová. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 Mas enquanto que eles se demoravam, Eúde se escapou, e passando os ídolos, salvou-se em Seirá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-28) Eúde havia escapado enquanto os criados de Eglom esperavam, passou pelas pedreiras e chegou a Seirah. Seirah é um lugar que nunca mais é mencionado; e, a julgar pela etimologia (o cabeludo), era uma região arborizada, respeitando a situação da qual tudo o que se pode decidir é que não deve ser procurada no bairro de Jericó, mas “sobre as montanhas de Efraim” (Juízes 3:27). Pois quando Ehud chegou a Seirah, tocou a trombeta “sobre as montanhas de Efraim”, para anunciar ao povo a vitória que foi colocada ao seu alcance pela morte de Eglon, e para convocá-los à guerra com os moabitas, e depois desceu da montanha para a planície perto de Jericó; “e ele estava diante deles”, ou seja, foi à frente como seu líder, dizendo ao povo: “Sigam-me, pois Jeová entregou os moabitas a seus inimigos em suas mãos”. Então eles desceram e tomaram (ou seja, tomaram posse) dos vaus perto de Jericó (veja em Josué 2:7), למואב, ou “dos moabitas” ou “em direção a Moabe”, e não deixaram ninguém (dos moabitas) atravessar, ou seja, escapar para suas próprias terras. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 E quando entrou, tocou a trombeta no monte de Efraim, e os filhos de Israel desceram com ele do monte, e ele ia adiante deles.

Comentário de Robert Jamieson

E quando entrou, tocou a trombeta no monte de Efraim. Eúde convocou o povo daquela região montanhosa, adjacente ao território de Benjamim, que provavelmente sofreu mais da opressão dos moabitas. [JFB, aguardando revisão]

28 Então ele lhes disse: Segui-me, porque o SENHOR entregou vossos inimigos os moabitas em vossas mãos. E desceram atrás dele, e tomaram os vaus do Jordão a Moabe, e não deixaram passar a ninguém.

Comentário de Robert Jamieson

E desceram atrás dele, e tomaram os vaus. (Veja em Josué 2:7). Para impedir a fuga para a costa moabita, e pelo massacre de dez mil homens [Juízes 3:29], Eúde salvou seu país de um estado de servidão. [JFB, aguardando revisão]

29 E naquele tempo feriram dos moabitas como dez mil homens, todos valentes e todos homens de guerra; não escapou homem.

Comentário de Keil e Delitzsch

Assim, eles feriram naquela época cerca de 10.000 moabitas, todos homens gordos e poderosos, ou seja, todo o exército do inimigo em Jericó e deste lado do Jordão, não deixando escapar um homem. A expressão “naquela época” parece implicar que eles não destruíram este número em um único engajamento, mas durante todo o curso da guerra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

30 Assim restou Moabe subjugado aquele dia sob a mão de Israel: e repousou a terra oitenta anos.

Comentário Barnes

a terra – ou seja, aquela porção dela que sofreu com a opressão de Moabe, provavelmente Benjamin e Efraim principalmente (ver Juízes 3:11).

Ao julgar a natureza do ato de Eúde, há muitas considerações que devem modificar muito nosso julgamento. Atos de violência ou astúcia, feitos numa época em que a sociedade humana aplaudia tais atos, quando os melhores homens da época os achavam certos e quando os homens eram obrigados a tomar a lei em suas próprias mãos em autodefesa, são muito diferentes dos mesmos atos feitos numa época em que as consciências esclarecidas dos homens geralmente os condenam, e quando a lei da terra e a lei das nações dão aos indivíduos segurança adequada. Podemos aceitar a fé, a coragem e o patriotismo a Eúde, sem nos cegarmos para aquelas visões defeituosas do direito moral que fizeram dele e de seus compatriotas a glória em um ato que, à luz do cristianismo, é um crime. É notável que nem Eúde nem Jael estão incluídos na lista de Paulo em Hebreus 11:32. [Barnes, aguardando revisão]

31 Depois deste foi Sangar filho de Anate, o qual feriu seiscentos homens dos filisteus com uma aguilhada de bois; e ele também salvou a Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Depois deste foi Sangar. Nenhuma informação é dada sobre à tribo ou família deste juiz; e dos filisteus sendo o inimigo que o despertou para o serviço público, o sofrimento parece ter sido local – confinado a algumas das tribos ocidentais.

feriu seiscentos homens dos filisteus com uma aguilhada de bois. Este instrumento tem 30 centímetros de comprimento e cerca de seis centímetros de circunferência. Está armado na extremidade inferior com uma ponta afiada para conduzir o gado e, por outro, com uma pequena placa de ferro para remover a argila que sobrecarrega o arado durante o trabalho. [JFB, aguardando revisão]

<Juízes 2 Juízes 4>

Visão geral de Juízes

Em Juízes, “os Israelitas se afastam de Deus e enfrentam as consequências. Deus levanta juízes durante ciclos de rebelião, arrependimento e restauração”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Juízes.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.