Deuteronômio 31

Josué, o sucesso de Moisés

1 E foi Moisés, e falou estas palavras a todo Israel,

Comentário de Robert Jamieson

foi Moisés, e falou – É provável que este ensaio da lei se estendesse por vários dias sucessivos; e pode ser o último e mais importante dia em que o retorno de Moisés ao local de reunião é especialmente notado. Ao conduzir seu discurso para uma conclusão, ele advertiu para sua idade avançada; e embora nem os seus poderes físicos nem intelectuais tivessem sofrido qualquer decadência (Deuteronômio 34:7), ele sabia, por uma revelação especial, que havia chegado a hora em que ele estava prestes a ser retirado da superintendência e governo de Israel. [JFB, aguardando revisão]

2 E disse-lhes: De idade de cento e vinte anos sou hoje dia; não posso mais sair nem entrar: a mais disto o SENHOR me disse: Não passarás este Jordão.

Comentário de Robert Jamieson

a mais disto o SENHOR me disse – deve ser “porque o Senhor disse” não passarás este Jordão. Ao tomar uma solene despedida do povo, Moisés exortou-os a não serem intimidados pela oposição ameaçadora dos inimigos; receber encorajamento da presença continuada do Deus da aliança deles; e para ter certeza de que o mesmo poder divino, que lhes permitira incomodar seus primeiros atacantes a leste da Jordânia, os ajudaria não menos eficientemente no empreendimento aventureiro que eles estavam prestes a empreender, e pelo qual eles obteriam a posse de “A terra que ele havia jurado a seus pais lhes dar”. [JFB, aguardando revisão]

3 O SENHOR teu Deus, ele passa diante de ti; ele destruirá estas nações de diante de ti, e as herdarás: Josué será o que passará diante de ti, como o SENHOR disse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-5) Mas embora Moisés não pudesse, e não fosse para conduzir seu povo a Canaã, o Senhor cumpriria Sua promessa, de ir diante de Israel e destruir os cananeus, como os dois reis dos amorreus; somente eles (os israelitas) deveriam fazer com eles como o Senhor lhes ordenara, ou seja, erradicar os cananeus (vid., Deuteronômio 7:2; Números 33:51; Êxodo 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E fará o SENHOR com eles como fez com Seom e com Ogue, reis dos amorreus, e com sua terra, que os destruiu.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-5) Mas embora Moisés não pudesse, e não fosse para conduzir seu povo a Canaã, o Senhor cumpriria Sua promessa, de ir diante de Israel e destruir os cananeus, como os dois reis dos amorreus; somente eles (os israelitas) deveriam fazer com eles como o Senhor lhes ordenara, ou seja, erradicar os cananeus (vid., Deuteronômio 7:2; Números 33:51; Êxodo 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E os entregará o SENHOR diante de vós, e fareis com eles conforme tudo o que vos mandei.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-5) Mas embora Moisés não pudesse, e não fosse para conduzir seu povo a Canaã, o Senhor cumpriria Sua promessa, de ir diante de Israel e destruir os cananeus, como os dois reis dos amorreus; somente eles (os israelitas) deveriam fazer com eles como o Senhor lhes ordenara, ou seja, erradicar os cananeus (vid., Deuteronômio 7:2; Números 33:51; Êxodo 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Esforçai-vos e tende ânimo; não temais, nem tenhais medo deles: que o SENHOR teu Deus é o que vai contigo: não te deixará nem te desamparará.

Comentário de Keil e Delitzsch

Israel devia, portanto, ter boa coragem e não ter medo deles (vid., Deuteronômio 1:21; Deuteronômio 20:3). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E chamou Moisés a Josué, e disse-lhe à vista de todo Israel: Esforça-te e anima-te; porque tu entrarás com este povo à terra que jurou o SENHOR a seus pais que lhes havia de dar, e tu a farás herdar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) Moisés então incentiva Josué da mesma forma na presença de todo o povo, com a força da promessa de Deus em Deuteronômio 1:38 e Números 27:18. את-העם תּבוא, “tu virás com este povo para a terra”. Estas palavras são bastante apropriadas; e a alteração de תּבוא em תּביא, de acordo com Deuteronômio 31:23 (Samar., Syr., Vulgata), é uma conjectura perfeitamente desnecessária; pois Josué não foi nomeado líder do povo aqui, mas simplesmente prometeu uma entrada com todo o povo em Canaã. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E o SENHOR é o que vai diante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te intimides.

Comentário Barnes

Moisés entrega a Josué esse cargo como líder do povo, ao qual já tinha sido designado Deuteronômio 1:38; Números 27:23. Atribui também aos sacerdotes levíticos e aos anciãos, como chefes eclesiásticos e civis da nação, a responsabilidade de ensinar a lei e aplicar o seu cumprimento Deuteronômio 31:10-13. Ambos foram atos simbólicos, concebidos para marcar a responsabilidade das partes envolvidas após a morte de Moisés. [Barnes]

A leitura da lei

9 E escreveu Moisés esta lei, e deu-a aos sacerdotes, filhos de Levi, que levavam a arca do pacto do SENHOR, e a todos os anciãos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

E escreveu Moisés esta lei, e deu-a aos sacerdotes – A lei assim empenhada em escrever era ou o livro inteiro de Deuteronômio, ou a parte importante dele contida entre os capítulos 27 e 30. Era comum, em casos de contrato público ou privado, que duas cópias do contrato fossem feitas – uma para ser depositada nos arquivos nacionais ou algum local seguro para referência, caso a ocasião exigisse. O outro deveria permanecer nas mãos das partes contratantes (Jeremias 32:12-14). O mesmo curso foi seguido nesta renovação da aliança entre Deus e Israel. Duas cópias escritas da lei foram preparadas, a uma das quais foi entregue aos representantes públicos de Israel; ou seja, os sacerdotes e os anciãos.

os sacerdotesque levavam a arca do pacto – Em todas as viagens comuns, era dever comum dos levitas levar a arca e seus móveis (Números 4:15); mas, em ocasiões solenes ou extraordinárias, aquele ofício foi dispensado pelos sacerdotes (Josué 3:3-8; 6:6; 1Crônicas 15:11-12).

todos os anciãos de Israel – Eles eram assistentes dos sacerdotes e superintendentes para cuidar da preservação, do ensaio e da observância da lei. [JFB, aguardando revisão]

10 E mandou-lhes Moisés, dizendo: Ao fim do sétimo ano, no ano da remissão, na festa das cabanas,

Comentário de Robert Jamieson

Ao fim do sétimo ano – No retorno do ano sabático e durante a festa dos tabernáculos, a lei deveria ser lida publicamente. Essa ordem de Moisés era um arranjo futuro e prospectivo; pois a observância do ano sabático não começou até a conquista e ocupação pacífica de Canaã. A ordenança serviu a vários propósitos importantes. Pois, enquanto o povo tinha oportunidades de ser instruído na lei todo sábado e diariamente em suas próprias casas, este ensaio público periódico em reuniões nas cortes do santuário, onde mulheres e crianças de doze anos estavam presentes (como geralmente estavam em os grandes festivais), foi calculado para produzir boas e piedosas impressões da verdade divina em meio às associações sagradas do tempo e do lugar. Além disso, constituiu uma garantia pública para a preservação, integridade e transmissão fiel do Livro Sagrado a eras sucessivas. [JFB, aguardando revisão]

11 Quando vier todo Israel a apresentar-se diante do SENHOR teu Deus no lugar que ele escolher, lerás esta lei diante de todo Israel aos ouvidos deles.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-13) Moisés então entregou a lei que havia escrito aos sacerdotes levíticos que levavam a arca do pacto, e a todos os anciãos de Israel, com instruções para lê-la ao povo ao final de cada sete anos, durante a época festiva do ano da libertação (“ao final”, como em Deuteronômio 15:1), em outras palavras, no jejum dos Tabernáculos (ver Levítico 23:34), quando eles apareceram diante do Senhor. É evidente pelo contexto e conteúdo destes versículos, além de Deuteronômio 31:24, que o nono versículo deve ser compreendido da forma descrita, ou seja, que as duas cláusulas, que estão ligadas entre si pelo vav. relat. (“e Moisés escreveu esta lei”, “e a entregou”), não são logicamente coordenadas, mas que a entrega da lei escrita foi a principal coisa a ser registrada aqui. Com relação à entrega da lei, o fato de que Moisés não apenas deu a lei escrita aos sacerdotes, para que eles a colocassem junto à arca do pacto, mas também “a todos os anciãos de Israel”, prova claramente que Moisés não pretendia, neste momento, dar o livro de lei inteiramente de suas próprias mãos, mas que esta entrega era meramente uma atribuição da lei às pessoas que deveriam cuidar, que no futuro a lei escrita deveria ser mantida diante do povo, como regra de sua vida e conduta, e lida publicamente para eles. A explicação que J. H. Mich. dá é perfeitamente correta: “Ele a deu para que eles ensinassem e guardassem”. O livro da lei só teria sido dado aos sacerdotes, se o objeto tivesse sido simplesmente que deveria ser colocado pela arca do convênio, ou no máximo, na presença dos anciãos, mas certamente não a todos os anciãos, já que não lhes foi permitido tocar a arca. A correção deste ponto de vista é colocada além de qualquer dúvida pelo conteúdo do Deuteronômio 31:10. O principal ponto em questão não era a redação da lei, ou a transferência dela para os sacerdotes e anciãos da nação, mas a ordem de ler a lei na presença do povo na festa de Tabernáculos do ano de libertação. A redação e a entrega simplesmente formaram o substrato para esta ordem, de modo que não podemos inferir deles, que por este ato Moisés formalmente deu a lei de suas próprias mãos. Ele confiou a leitura ao sacerdócio e ao colégio de anciãos, como governantes espirituais e seculares da congregação; e daí o singular: “Tu deverás ler esta lei para todo Israel”. O regulamento quanto às pessoas que deveriam realizar a leitura, e também quanto ao tempo particular durante os sete dias de festa, e as porções que deveriam ser lidas, ele deixou para os governantes da congregação. Aprendemos de Neemias 8:18, que no tempo de Esdras eles liam no livro da lei todos os dias do primeiro ao último dia da festa, do qual podemos ver, por um lado, que toda a Tora (ou Pentateuco), do início ao fim, não era lida; e por outro lado, comparando a expressão em Deuteronômio 31: 18, “o livro da lei de Deus”, com “a lei”, em Deuteronômio 31:14, que a leitura não estava restrita ao Deuteronômio: pois, segundo o versículo 14, eles já haviam lido em Levítico (ch. 23) antes da festa – uma prova evidente de que Esdras, o escriba, não considerava o livro de Deuteronômio como os críticos de nossos dias, como o verdadeiro livro de direito nacional, um conhecimento com o qual o povo só precisava. Moisés não se fixou na festa de Tabernáculos do ano sabático como o momento de ler a lei, porque ela caiu no início do ano, (Nota: Não se segue que, como o ano sabático começou com a omissão da semeadura habitual, ou seja, começou no outono com o ano civil, portanto começou com a festa de Tabernáculos, e a ordem das festas foi invertida no ano sabático. De acordo com Êxodo 23:16, a festa de Tabernáculos não caiu no início, mas no final do ano civil. O início do ano com o primeiro de Tisri foi um arranjo introduzido após o cativeiro, que os judeus provavelmente haviam adotado dos sírios (ver meu irmão Archaeol. i. 74, nota 15). Tampouco se segue que, como o ano do jubileu deveria ser proclamado no dia da expiação no ano sabático com um sopro de trombetas (Levítico 25:9), portanto, o ano do jubileu deve ter começado com a festa dos Tabernáculos. A proclamação das festas é geralmente feita algum tempo antes de começarem), como Schultz erroneamente supõe, que o povo poderia assim ser incitado a ocupar este ano de descanso inteiro em santo emprego com a palavra e as obras de Deus. E a leitura propriamente dita teve como objetivo promover um conhecimento mais geral da lei por parte do povo, – um objeto que não poderia ter sido assegurado pela leitura uma vez em cada sete anos; nem era meramente uma promulgação e restauração solene da lei como regra para a vida nacional, com o objetivo de remover quaisquer irregularidades que pudessem ter encontrado seu caminho no decorrer do tempo, tanto na vida religiosa quanto na vida política da nação (Bhr, Symbol. ii. p. 603). Para responder a este propósito, deveria ter sido ligado à Páscoa, a festa do nascimento de Israel. A leitura estava bastante ligada à idéia da própria festa; ela tinha a intenção de vivificar a alma com a lei do Senhor, refrescar o coração, iluminar os olhos, – em suma, oferecer à congregação a bênção da lei, que Davi celebrou a partir de sua própria experiência no Salmo 19:8-15, para tornar a lei amada e valorizada por toda a nação, como um dom precioso da graça de Deus. Consequentemente (Deuteronômio 31:12, Deuteronômio 31:13), não só os homens, mas também as mulheres e as crianças, deveriam estar reunidos para este fim, para que pudessem ouvir a palavra de Deus, e aprender a temer ao Senhor seu Deus, desde que vivessem na terra que Ele lhes deu para uma possessão. Em Deuteronômio 31:11, ver Êxodo 23:17, e Exodo 34:23-24, onde também encontramos לראות para להראות (Êxodo 34:24). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Farás congregar o povo, homens e mulheres e crianças, e teus estrangeiros que estiverem em tuas cidades, para que ouçam e aprendam, e temam ao SENHOR vosso Deus, e cuidem de praticar todas as palavras desta lei:

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-13) Moisés então entregou a lei que havia escrito aos sacerdotes levíticos que levavam a arca do pacto, e a todos os anciãos de Israel, com instruções para lê-la ao povo ao final de cada sete anos, durante a época festiva do ano da libertação (“ao final”, como em Deuteronômio 15:1), em outras palavras, no jejum dos Tabernáculos (ver Levítico 23:34), quando eles apareceram diante do Senhor. É evidente pelo contexto e conteúdo destes versículos, além de Deuteronômio 31:24, que o nono versículo deve ser compreendido da forma descrita, ou seja, que as duas cláusulas, que estão ligadas entre si pelo vav. relat. (“e Moisés escreveu esta lei”, “e a entregou”), não são logicamente coordenadas, mas que a entrega da lei escrita foi a principal coisa a ser registrada aqui. Com relação à entrega da lei, o fato de que Moisés não apenas deu a lei escrita aos sacerdotes, para que eles a colocassem junto à arca do pacto, mas também “a todos os anciãos de Israel”, prova claramente que Moisés não pretendia, neste momento, dar o livro de lei inteiramente de suas próprias mãos, mas que esta entrega era meramente uma atribuição da lei às pessoas que deveriam cuidar, que no futuro a lei escrita deveria ser mantida diante do povo, como regra de sua vida e conduta, e lida publicamente para eles. A explicação que J. H. Mich. dá é perfeitamente correta: “Ele a deu para que eles ensinassem e guardassem”. O livro da lei só teria sido dado aos sacerdotes, se o objeto tivesse sido simplesmente que deveria ser colocado pela arca do convênio, ou no máximo, na presença dos anciãos, mas certamente não a todos os anciãos, já que não lhes foi permitido tocar a arca. A correção deste ponto de vista é colocada além de qualquer dúvida pelo conteúdo do Deuteronômio 31:10. O principal ponto em questão não era a redação da lei, ou a transferência dela para os sacerdotes e anciãos da nação, mas a ordem de ler a lei na presença do povo na festa de Tabernáculos do ano de libertação. A redação e a entrega simplesmente formaram o substrato para esta ordem, de modo que não podemos inferir deles, que por este ato Moisés formalmente deu a lei de suas próprias mãos. Ele confiou a leitura ao sacerdócio e ao colégio de anciãos, como governantes espirituais e seculares da congregação; e daí o singular: “Tu deverás ler esta lei para todo Israel”. O regulamento quanto às pessoas que deveriam realizar a leitura, e também quanto ao tempo particular durante os sete dias de festa, e as porções que deveriam ser lidas, ele deixou para os governantes da congregação. Aprendemos de Neemias 8:18, que no tempo de Esdras eles liam no livro da lei todos os dias do primeiro ao último dia da festa, do qual podemos ver, por um lado, que toda a Tora (ou Pentateuco), do início ao fim, não era lida; e por outro lado, comparando a expressão em Deuteronômio 31: 18, “o livro da lei de Deus”, com “a lei”, em Deuteronômio 31:14, que a leitura não estava restrita ao Deuteronômio: pois, segundo o versículo 14, eles já haviam lido em Levítico (ch. 23) antes da festa – uma prova evidente de que Esdras, o escriba, não considerava o livro de Deuteronômio como os críticos de nossos dias, como o verdadeiro livro de direito nacional, um conhecimento com o qual o povo só precisava. Moisés não se fixou na festa de Tabernáculos do ano sabático como o momento de ler a lei, porque ela caiu no início do ano, (Nota: Não se segue que, como o ano sabático começou com a omissão da semeadura habitual, ou seja, começou no outono com o ano civil, portanto começou com a festa de Tabernáculos, e a ordem das festas foi invertida no ano sabático. De acordo com Êxodo 23:16, a festa de Tabernáculos não caiu no início, mas no final do ano civil. O início do ano com o primeiro de Tisri foi um arranjo introduzido após o cativeiro, que os judeus provavelmente haviam adotado dos sírios (ver meu irmão Archaeol. i. 74, nota 15). Tampouco se segue que, como o ano do jubileu deveria ser proclamado no dia da expiação no ano sabático com um sopro de trombetas (Levítico 25:9), portanto, o ano do jubileu deve ter começado com a festa dos Tabernáculos. A proclamação das festas é geralmente feita algum tempo antes de começarem), como Schultz erroneamente supõe, que o povo poderia assim ser incitado a ocupar este ano de descanso inteiro em santo emprego com a palavra e as obras de Deus. E a leitura propriamente dita teve como objetivo promover um conhecimento mais geral da lei por parte do povo, – um objeto que não poderia ter sido assegurado pela leitura uma vez em cada sete anos; nem era meramente uma promulgação e restauração solene da lei como regra para a vida nacional, com o objetivo de remover quaisquer irregularidades que pudessem ter encontrado seu caminho no decorrer do tempo, tanto na vida religiosa quanto na vida política da nação (Bhr, Symbol. ii. p. 603). Para responder a este propósito, deveria ter sido ligado à Páscoa, a festa do nascimento de Israel. A leitura estava bastante ligada à idéia da própria festa; ela tinha a intenção de vivificar a alma com a lei do Senhor, refrescar o coração, iluminar os olhos, – em suma, oferecer à congregação a bênção da lei, que Davi celebrou a partir de sua própria experiência no Salmo 19:8-15, para tornar a lei amada e valorizada por toda a nação, como um dom precioso da graça de Deus. Consequentemente (Deuteronômio 31:12, Deuteronômio 31:13), não só os homens, mas também as mulheres e as crianças, deveriam estar reunidos para este fim, para que pudessem ouvir a palavra de Deus, e aprender a temer ao Senhor seu Deus, desde que vivessem na terra que Ele lhes deu para uma possessão. Em Deuteronômio 31:11, ver Êxodo 23:17, e Exodo 34:23-24, onde também encontramos לראות para להראות (Êxodo 34:24). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E os filhos deles que não souberem ouçam, e aprendam a temer ao SENHOR vosso Deus todos os dias que viverdes sobre a terra, para ir à qual passais o Jordão para possuí-la.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-13) Moisés então entregou a lei que havia escrito aos sacerdotes levíticos que levavam a arca do pacto, e a todos os anciãos de Israel, com instruções para lê-la ao povo ao final de cada sete anos, durante a época festiva do ano da libertação (“ao final”, como em Deuteronômio 15:1), em outras palavras, no jejum dos Tabernáculos (ver Levítico 23:34), quando eles apareceram diante do Senhor. É evidente pelo contexto e conteúdo destes versículos, além de Deuteronômio 31:24, que o nono versículo deve ser compreendido da forma descrita, ou seja, que as duas cláusulas, que estão ligadas entre si pelo vav. relat. (“e Moisés escreveu esta lei”, “e a entregou”), não são logicamente coordenadas, mas que a entrega da lei escrita foi a principal coisa a ser registrada aqui. Com relação à entrega da lei, o fato de que Moisés não apenas deu a lei escrita aos sacerdotes, para que eles a colocassem junto à arca do pacto, mas também “a todos os anciãos de Israel”, prova claramente que Moisés não pretendia, neste momento, dar o livro de lei inteiramente de suas próprias mãos, mas que esta entrega era meramente uma atribuição da lei às pessoas que deveriam cuidar, que no futuro a lei escrita deveria ser mantida diante do povo, como regra de sua vida e conduta, e lida publicamente para eles. A explicação que J. H. Mich. dá é perfeitamente correta: “Ele a deu para que eles ensinassem e guardassem”. O livro da lei só teria sido dado aos sacerdotes, se o objeto tivesse sido simplesmente que deveria ser colocado pela arca do convênio, ou no máximo, na presença dos anciãos, mas certamente não a todos os anciãos, já que não lhes foi permitido tocar a arca. A correção deste ponto de vista é colocada além de qualquer dúvida pelo conteúdo do Deuteronômio 31:10. O principal ponto em questão não era a redação da lei, ou a transferência dela para os sacerdotes e anciãos da nação, mas a ordem de ler a lei na presença do povo na festa de Tabernáculos do ano de libertação. A redação e a entrega simplesmente formaram o substrato para esta ordem, de modo que não podemos inferir deles, que por este ato Moisés formalmente deu a lei de suas próprias mãos. Ele confiou a leitura ao sacerdócio e ao colégio de anciãos, como governantes espirituais e seculares da congregação; e daí o singular: “Tu deverás ler esta lei para todo Israel”. O regulamento quanto às pessoas que deveriam realizar a leitura, e também quanto ao tempo particular durante os sete dias de festa, e as porções que deveriam ser lidas, ele deixou para os governantes da congregação. Aprendemos de Neemias 8:18, que no tempo de Esdras eles liam no livro da lei todos os dias do primeiro ao último dia da festa, do qual podemos ver, por um lado, que toda a Tora (ou Pentateuco), do início ao fim, não era lida; e por outro lado, comparando a expressão em Deuteronômio 31: 18, “o livro da lei de Deus”, com “a lei”, em Deuteronômio 31:14, que a leitura não estava restrita ao Deuteronômio: pois, segundo o versículo 14, eles já haviam lido em Levítico (ch. 23) antes da festa – uma prova evidente de que Esdras, o escriba, não considerava o livro de Deuteronômio como os críticos de nossos dias, como o verdadeiro livro de direito nacional, um conhecimento com o qual o povo só precisava. Moisés não se fixou na festa de Tabernáculos do ano sabático como o momento de ler a lei, porque ela caiu no início do ano, (Nota: Não se segue que, como o ano sabático começou com a omissão da semeadura habitual, ou seja, começou no outono com o ano civil, portanto começou com a festa de Tabernáculos, e a ordem das festas foi invertida no ano sabático. De acordo com Êxodo 23:16, a festa de Tabernáculos não caiu no início, mas no final do ano civil. O início do ano com o primeiro de Tisri foi um arranjo introduzido após o cativeiro, que os judeus provavelmente haviam adotado dos sírios (ver meu irmão Archaeol. i. 74, nota 15). Tampouco se segue que, como o ano do jubileu deveria ser proclamado no dia da expiação no ano sabático com um sopro de trombetas (Levítico 25:9), portanto, o ano do jubileu deve ter começado com a festa dos Tabernáculos. A proclamação das festas é geralmente feita algum tempo antes de começarem), como Schultz erroneamente supõe, que o povo poderia assim ser incitado a ocupar este ano de descanso inteiro em santo emprego com a palavra e as obras de Deus. E a leitura propriamente dita teve como objetivo promover um conhecimento mais geral da lei por parte do povo, – um objeto que não poderia ter sido assegurado pela leitura uma vez em cada sete anos; nem era meramente uma promulgação e restauração solene da lei como regra para a vida nacional, com o objetivo de remover quaisquer irregularidades que pudessem ter encontrado seu caminho no decorrer do tempo, tanto na vida religiosa quanto na vida política da nação (Bhr, Symbol. ii. p. 603). Para responder a este propósito, deveria ter sido ligado à Páscoa, a festa do nascimento de Israel. A leitura estava bastante ligada à idéia da própria festa; ela tinha a intenção de vivificar a alma com a lei do Senhor, refrescar o coração, iluminar os olhos, – em suma, oferecer à congregação a bênção da lei, que Davi celebrou a partir de sua própria experiência no Salmo 19:8-15, para tornar a lei amada e valorizada por toda a nação, como um dom precioso da graça de Deus. Consequentemente (Deuteronômio 31:12, Deuteronômio 31:13), não só os homens, mas também as mulheres e as crianças, deveriam estar reunidos para este fim, para que pudessem ouvir a palavra de Deus, e aprender a temer ao Senhor seu Deus, desde que vivessem na terra que Ele lhes deu para uma possessão. Em Deuteronômio 31:11, ver Êxodo 23:17, e Exodo 34:23-24, onde também encontramos לראות para להראות (Êxodo 34:24). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

A predição da rebeldia de Israel

14 E o SENHOR disse a Moisés: Eis que se aproximam teus dias para que morras: chama a Josué, e esperai no tabernáculo do testemunho, e lhe mandarei. Foram pois Moisés e Josué, e esperaram no tabernáculo do testemunho.

Comentário de Robert Jamieson

chama a Josué, e esperai no tabernáculo do testemunho – Josué havia sido designado publicamente para o ofício de comandante por Moisés [Números 27:22-23]; e Deus teve o prazer de confirmar sua nomeação pelos símbolos visíveis de Sua presença e aprovação. Como ninguém, a não ser os sacerdotes, tiveram o privilégio de entrar no santuário, é provável que essa significativa manifestação do pilar nebuloso tenha sido feita enquanto os líderes estavam à porta do tabernáculo. [JFB, aguardando revisão]

15 E apareceu-se o SENHOR no tabernáculo, na coluna de nuvem; e a coluna de nuvem se pôs sobre a porta do tabernáculo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-18) Depois de entregar o cargo a Josué, e a lei aos sacerdotes e anciãos, Moisés foi chamado pelo Senhor para vir ao tabernáculo com Josué, para ordená-lo (צוּה), ou seja, para nomeá-lo, confirmá-lo em seu cargo. Para isso, o Senhor apareceu no tabernáculo (Deuteronômio 31:15), em uma coluna de nuvem, que permaneceu diante dele, como em Números 12:5 (ver a exposição de Números 11:25). Mas antes de nomear Josué, Ele anunciou a Moisés que após sua morte a nação iria se prostituir atrás de outros deuses, e quebraria o pacto, pelo qual seria visitada com severas aflições, e o orientou a escrever uma ode e ensiná-la aos filhos de Israel, para que quando a apostasia acontecesse, e o castigo de Deus fosse sentido em conseqüência, ele pudesse falar como testemunha contra o povo, pois não desapareceria de sua memória. O Senhor comunicou esta comissão a Moisés, na presença de Josué, para que ele também ouvisse da boca de Deus que o Senhor anteviu a futura apostasia do povo, e ainda assim os traria para a terra prometida. Nisto também estava implícita uma admoestação a Josué, não apenas para cuidar que os israelitas aprendessem a ode e a guardassem na memória, mas também para lutar com todas as suas forças para evitar a apostasia, desde que ele fosse líder de Israel; o que Josué fez com muita fidelidade até o final de sua vida (vid., Josué 23 e 24). – O anúncio da queda dos israelitas do Senhor na idolatria, e a queima da ira de Deus em conseqüência (Deuteronômio 31:16-18), serve como base para o comando em Deuteronômio 31:19. Neste anúncio os diferentes pontos estão simplesmente ligados entre si com “e”, enquanto que em seu significado real eles estão subordinados uns aos outros: Quando te deitarás com teus pais, e o povo se levantará, e irá prostituir-se atrás de outros deuses: Minha raiva arderá contra eles, etc. קוּם, levantar-se, preparar-se, serve para trazer à tona distintamente o rumo que a coisa tomaria. A expressão, “deuses estrangeiros da terra”, indica que na terra que Jeová deu a seu povo, Ele (Jeová) sozinho era Deus e Senhor, e que somente Ele deveria ser adorado ali. בּקרבּו está em anexo a שׁמּה, “para onde vens, no meio dela”. A punição anunciada em Deuteronômio 31:17 corresponde mais de perto ao pecado da nação. Por ir atrás de deuses estranhos, a ira do Senhor arderia contra eles; por abandoná-Lo, Ele os abandonaria; e por quebrar Seu pacto, Ele esconderia Seu rosto deles, ou seja, retiraria Seu favor deles, para que fossem destruídos. לאכל היה, ele (a nação) será para devorar, ou seja, será devorado ou destruído (ver Ewald, 237, c.; e em אכל neste sentido, ver Deuteronômio 7:16, e Números 14:9). “E muitos males e problemas se abaterão sobre ela; e dirá naquele dia: Estes males não me assolam, porque meu Deus não está no meio de mim”? Quando os males e problemas invadissem a nação, o povo perguntaria a causa, e a encontraria no fato de ter sido abandonado por seu Deus; mas o Senhor (“mas eu” em Deuteronômio 31:18 forma a antítese para “eles” em Deuteronômio 31:17) ainda esconderia Sua face, ou seja, porque simplesmente faltar a Deus não é o verdadeiro arrependimento. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E o SENHOR disse a Moisés: Eis que tu vais descansar com teus pais, e este povo se levantará e se prostituirá atrás dos deuses alheios da terra aonde vai, em estando em meio dela; e me deixará, e invalidará meu pacto que estabeleci com ele:

Comentário de Robert Jamieson

este povo se levantará – Nesta notável entrevista, Moisés foi distintamente informado da infidelidade de Israel, suas corrupções da verdadeira religião através do intercurso com os habitantes idólatras de Canaã (Amós 5:26), e seus castigos em consequência daqueles deserções. [JFB, aguardando revisão]

17 E meu furor se acenderá contra ele naquele dia; e os abandonarei, e esconderei deles meu rosto, e serão consumidos; e o acharão muitos males e angústias, e dirá naquele dia: Não me acharam estes males porque não está meu Deus em meio de mim?

Comentário de Robert Jamieson

E meu furor se acenderáe esconderei deles meu rosto – um anúncio da retirada do favor divino e proteção da qual a Shekinah era o símbolo e penhor. Nunca apareceu no segundo templo; e sua não aparição foi um prelúdio de “todos os males que vieram sobre eles, porque o seu Deus não estava entre eles”. [JFB, aguardando revisão]

18 Porém eu esconderei certamente meu rosto naquele dia, por todo o mal que eles houverem feito, por haver-se voltado a deuses alheios.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-18) Depois de entregar o cargo a Josué, e a lei aos sacerdotes e anciãos, Moisés foi chamado pelo Senhor para vir ao tabernáculo com Josué, para ordená-lo (צוּה), ou seja, para nomeá-lo, confirmá-lo em seu cargo. Para isso, o Senhor apareceu no tabernáculo (Deuteronômio 31:15), em uma coluna de nuvem, que permaneceu diante dele, como em Números 12:5 (ver a exposição de Números 11:25). Mas antes de nomear Josué, Ele anunciou a Moisés que após sua morte a nação iria se prostituir atrás de outros deuses, e quebraria o pacto, pelo qual seria visitada com severas aflições, e o orientou a escrever uma ode e ensiná-la aos filhos de Israel, para que quando a apostasia acontecesse, e o castigo de Deus fosse sentido em conseqüência, ele pudesse falar como testemunha contra o povo, pois não desapareceria de sua memória. O Senhor comunicou esta comissão a Moisés, na presença de Josué, para que ele também ouvisse da boca de Deus que o Senhor anteviu a futura apostasia do povo, e ainda assim os traria para a terra prometida. Nisto também estava implícita uma admoestação a Josué, não apenas para cuidar que os israelitas aprendessem a ode e a guardassem na memória, mas também para lutar com todas as suas forças para evitar a apostasia, desde que ele fosse líder de Israel; o que Josué fez com muita fidelidade até o final de sua vida (vid., Josué 23 e 24). – O anúncio da queda dos israelitas do Senhor na idolatria, e a queima da ira de Deus em conseqüência (Deuteronômio 31:16-18), serve como base para o comando em Deuteronômio 31:19. Neste anúncio os diferentes pontos estão simplesmente ligados entre si com “e”, enquanto que em seu significado real eles estão subordinados uns aos outros: Quando te deitarás com teus pais, e o povo se levantará, e irá prostituir-se atrás de outros deuses: Minha raiva arderá contra eles, etc. קוּם, levantar-se, preparar-se, serve para trazer à tona distintamente o rumo que a coisa tomaria. A expressão, “deuses estrangeiros da terra”, indica que na terra que Jeová deu a seu povo, Ele (Jeová) sozinho era Deus e Senhor, e que somente Ele deveria ser adorado ali. בּקרבּו está em anexo a שׁמּה, “para onde vens, no meio dela”. A punição anunciada em Deuteronômio 31:17 corresponde mais de perto ao pecado da nação. Por ir atrás de deuses estranhos, a ira do Senhor arderia contra eles; por abandoná-Lo, Ele os abandonaria; e por quebrar Seu pacto, Ele esconderia Seu rosto deles, ou seja, retiraria Seu favor deles, para que fossem destruídos. לאכל היה, ele (a nação) será para devorar, ou seja, será devorado ou destruído (ver Ewald, 237, c.; e em אכל neste sentido, ver Deuteronômio 7:16, e Números 14:9). “E muitos males e problemas se abaterão sobre ela; e dirá naquele dia: Estes males não me assolam, porque meu Deus não está no meio de mim”? Quando os males e problemas invadissem a nação, o povo perguntaria a causa, e a encontraria no fato de ter sido abandonado por seu Deus; mas o Senhor (“mas eu” em Deuteronômio 31:18 forma a antítese para “eles” em Deuteronômio 31:17) ainda esconderia Sua face, ou seja, porque simplesmente faltar a Deus não é o verdadeiro arrependimento. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Agora, pois, escrevei-vos este cântico, e ensina-o aos filhos de Israel: põe-o em boca deles, para que este cântico me seja por testemunha contra os filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Agora, pois, escrevei-vos este cântico – Canções nacionais tomam conta das memórias e têm uma influência poderosa em agitar os sentimentos mais profundos de um povo. De acordo com esse princípio da natureza humana, um hino foi ordenado a ser composto por Moisés, sem dúvida sob inspiração divina, que devia ser aprendido pelos próprios israelitas e ser ensinado a seus filhos em todas as épocas, incorporando a substância do precedente. endereços, e de uma tensão bem adequada para inspirar a mente popular com um forte senso de favor de Deus à sua nação. [JFB, aguardando revisão]

20 Porque eu lhe introduzirei na terra que jurei a seus pais, a qual flui leite e mel; e comerá, e se fartará, e se engordará: e se voltarão a deuses alheios, e lhes servirão, e me provocarão à ira, e invalidarão meu pacto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-23) “E agora”, isto é, porque o que foi anunciado em Deuteronômio 31:16-18 teria lugar, “escreva-vos esta canção”. “Esta” refere-se à canção que se segue em 32. Moisés e Josué deveriam escrever a canção, porque ambos deveriam esforçar-se para evitar a apostasia do povo; e Moisés, como autor, deveria ensiná-la aos filhos de Israel, para fazê-los aprendê-la, para que ela pudesse ser uma testemunha para o Senhor (para Mim) contra os filhos de Israel. “Isto” é definido ainda mais em Deuteronômio 31:20, Deuteronômio 31:21: se Israel, através do crescimento satisfeito e gordo em sua terra, que era tão rica em bens caros, deveria recorrer a outros deuses, e o Senhor deveria visitá-la em conseqüência com males e problemas graves, a canção deveria responder diante de Israel como uma testemunha; ou seja não apenas servir ao Senhor como testemunha ao povo de que Ele tinha predito todas as más conseqüências da apostasia, e tinha dado a Israel o devido aviso (Knobel), mas servir, como podemos ver em Deuteronômio 31:20, Deuteronômio 31: 21, e do conteúdo da canção, como testemunha, por um lado, que o Senhor havia conferido ao povo tantos benefícios e lhe outorgado tão abundantes bênçãos de Sua graça, que a apostasia dEle era a mais básica ingratidão, pela qual eles seriam justamente castigados; e, por outro lado, que o Senhor não havia rejeitado Seu povo apesar dos castigos infligidos a ele, mas teria mais uma vez compaixão por ele e recompensaria seus inimigos, e assim se santificaria e glorificaria como o único Deus verdadeiro por Seus julgamentos sobre Israel e as nações. A lei, com seus mandamentos, promessas e ameaças, já era uma testemunha deste tipo contra Israel (compare com Deuteronômio 31:26); mas assim como em qualquer outra instância o aparecimento de uma pluralidade de testemunhas unânimes levanta o assunto em uma verdade indiscutível, assim o Senhor levantaria outra testemunha contra os israelitas além da lei, na forma desta canção, que foi adaptada para dar toda a advertência mais alta, “porque a canção não seria esquecida das bocas de sua semente” (Deuteronômio 31:21). A canção, uma vez passada à boca do povo, não desapareceria muito facilmente de sua memória, mas seria transmitida de geração em geração, e seria ouvida da boca de seus descendentes, como uma voz perpétua de advertência, pois seria usada por Israel, pois Deus conhecia a invenção do povo, ou seja os pensamentos e propósitos de seu coração, os quais eles apreciavam (עשׂה denotava o fazer do coração, como em Isaías 32:6) mesmo antes de Ele os ter trazido para Canaã. (Em Deuteronômio 31:20, vid., Deuteronômio 7:5; Deuteronômio 9:5, e Êxodo 3:8). – Em Deuteronômio 31:22 o resultado é antecipado, e o comando de Deus é imediatamente seguido por um relato de sua conclusão por Moisés (como em Êxodo 12:50; Levítico 16:34, etc.). – Após esta ordem com referência à canção, o Senhor nomeou Josué para o cargo que lhe havia sido ordenado, exortando-o ao mesmo tempo a ser corajoso, e prometendo-lhe sua ajuda na conquista de Canaã. Que o assunto a ויצו não é Moisés, mas Jeová, é evidente em parte pelas próprias palavras: “Eu estarei contigo” (vid., Êxodo 3:12). (Nota: a afirmação de Knobel (em Números 27:23) de que a nomeação de Josué por parte de Moisés por imposição de mãos, como descrito nessa passagem, está em desacordo com este versículo, quase não necessita de qualquer refutação. Ou é realmente o caso, que a nomeação de Josué por parte de Deus é irreconciliável com sua ordenação por Moisés?) [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E será que quando lhe vierem muitos males e angústias, então responderá em sua face este cântico como testemunha, pois não cairá em esquecimento da boca de sua linhagem: porque eu conheço seu intento, e o que faz hoje antes que lhe introduza na terra que jurei.

Comentário de John W. Lindsay

responderá em sua face este cântico como testemunha. Esta ode, passando de pai para filho, de geração para geração, repreenderia a apostasia da nação. Como no meio da idolatria prevalecente e da corrupção grosseira, estas palavras divinas seriam como as declarações dos profetas da antiga e dos apóstolos da nova dispensação! Cada vez que a ode fosse repetida, ela reprovaria e repreenderia. Nos dias dos reis apóstatas, se a canção fosse repetida, quão assustadoras as palavras: “Eles sacrificaram aos demônios, não a Deus”! [Lindsay, aguardando revisão]

22 E Moisés escreveu este cântico aquele dia, e ensinou-o aos filhos de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-23) “E agora”, isto é, porque o que foi anunciado em Deuteronômio 31:16-18 teria lugar, “escreva-vos esta canção”. “Esta” refere-se à canção que se segue em 32. Moisés e Josué deveriam escrever a canção, porque ambos deveriam esforçar-se para evitar a apostasia do povo; e Moisés, como autor, deveria ensiná-la aos filhos de Israel, para fazê-los aprendê-la, para que ela pudesse ser uma testemunha para o Senhor (para Mim) contra os filhos de Israel. “Isto” é definido ainda mais em Deuteronômio 31:20, Deuteronômio 31:21: se Israel, através do crescimento satisfeito e gordo em sua terra, que era tão rica em bens caros, deveria recorrer a outros deuses, e o Senhor deveria visitá-la em conseqüência com males e problemas graves, a canção deveria responder diante de Israel como uma testemunha; ou seja não apenas servir ao Senhor como testemunha ao povo de que Ele tinha predito todas as más conseqüências da apostasia, e tinha dado a Israel o devido aviso (Knobel), mas servir, como podemos ver em Deuteronômio 31:20, Deuteronômio 31: 21, e do conteúdo da canção, como testemunha, por um lado, que o Senhor havia conferido ao povo tantos benefícios e lhe outorgado tão abundantes bênçãos de Sua graça, que a apostasia dEle era a mais básica ingratidão, pela qual eles seriam justamente castigados; e, por outro lado, que o Senhor não havia rejeitado Seu povo apesar dos castigos infligidos a ele, mas teria mais uma vez compaixão por ele e recompensaria seus inimigos, e assim se santificaria e glorificaria como o único Deus verdadeiro por Seus julgamentos sobre Israel e as nações. A lei, com seus mandamentos, promessas e ameaças, já era uma testemunha deste tipo contra Israel (compare com Deuteronômio 31:26); mas assim como em qualquer outra instância o aparecimento de uma pluralidade de testemunhas unânimes levanta o assunto em uma verdade indiscutível, assim o Senhor levantaria outra testemunha contra os israelitas além da lei, na forma desta canção, que foi adaptada para dar toda a advertência mais alta, “porque a canção não seria esquecida das bocas de sua semente” (Deuteronômio 31:21). A canção, uma vez passada à boca do povo, não desapareceria muito facilmente de sua memória, mas seria transmitida de geração em geração, e seria ouvida da boca de seus descendentes, como uma voz perpétua de advertência, pois seria usada por Israel, pois Deus conhecia a invenção do povo, ou seja os pensamentos e propósitos de seu coração, os quais eles apreciavam (עשׂה denotava o fazer do coração, como em Isaías 32:6) mesmo antes de Ele os ter trazido para Canaã. (Em Deuteronômio 31:20, vid., Deuteronômio 7:5; Deuteronômio 9:5, e Êxodo 3:8). – Em Deuteronômio 31:22 o resultado é antecipado, e o comando de Deus é imediatamente seguido por um relato de sua conclusão por Moisés (como em Êxodo 12:50; Levítico 16:34, etc.). – Após esta ordem com referência à canção, o Senhor nomeou Josué para o cargo que lhe havia sido ordenado, exortando-o ao mesmo tempo a ser corajoso, e prometendo-lhe sua ajuda na conquista de Canaã. Que o assunto a ויצו não é Moisés, mas Jeová, é evidente em parte pelas próprias palavras: “Eu estarei contigo” (vid., Êxodo 3:12). (Nota: a afirmação de Knobel (em Números 27:23) de que a nomeação de Josué por parte de Moisés por imposição de mãos, como descrito nessa passagem, está em desacordo com este versículo, quase não necessita de qualquer refutação. Ou é realmente o caso, que a nomeação de Josué por parte de Deus é irreconciliável com sua ordenação por Moisés?) [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E deu ordem a Josué filho de Num, e disse: Esforça-te e anima-te, que tu porás os filhos de Israel na terra que lhes jurei, e eu serei contigo.

Comentário de C. H. Waller

E [Yahweh] deu ordem a Josué filho de Num. Este é o primeiro registro da comunhão direta de Deus com Josué. Ele estava com Moisés no monte durante os primeiros quarenta dias, e “não saiu do Tabernáculo” quando eles desceram (Êxodo 24:13; Êxodo 33:11). Mas não temos nenhuma nota de qualquer comunicação divina feita a Josué além de Moisés antes disso. Ela ratifica a nomeação de Josué como líder de Israel. [Ellicott, aguardando revisão]

24 E quando acabou Moisés de escrever as palavras desta lei em um livro até concluir,

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-27) Com a posse de Josué por parte de Deus, a vida oficial de Moisés chegou ao fim. Tendo voltado do tabernáculo, ele terminou de escrever as leis, e depois deu o livro da lei aos levitas, com o comando de colocá-lo ao lado da arca do pacto, para que ele pudesse estar ali como testemunha contra o povo, pois ele conhecia sua rebelião e rigidez (Deuteronômio 31:24-27). על-ספר כּתב, para escrever sobre um livro, equivalente a escrever, comprometer-se a escrever. תּמ_ּם עד, até que estejam prontos, ou seja, completos. Pelos “Levitas que levaram a arca do pacto” não devemos entender os levitas comuns, mas os sacerdotes levíticos, a quem foi confiada a arca. “Os Levitas” é simplesmente uma contração para a expressão completa, “os sacerdotes os filhos de Levi” (Deuteronômio 31:9). É verdade que, de acordo com Números 4:4. os coatitas foram designados para levar os vasos sagrados, que incluíam a arca do pacto, na viagem pelo deserto; mas foram os sacerdotes, e não eles, os verdadeiros portadores e guardiões das coisas sagradas, como podemos ver pelo fato de que os sacerdotes tinham primeiro que embrulhar estas coisas sagradas de maneira cuidadosa, antes de entregá-las aos coatitas, para que não tocassem nas coisas sagradas e morressem (Números 4:15). Assim, descobrimos que em ocasiões solenes, quando a arca deveria ser trazida para fora em todo o seu significado e glória, – como, por exemplo, na travessia do Jordão (Josué 3:3). Deuteronômio 4:9-10), ao englobar Jericó (Josué 6:6, Josué 6:12), no estabelecimento da lei sobre Ebal e Gerizim (Josué 8:33), e na consagração do templo de Salomão (1 Reis 8:3), – não foi pelos levitas, mas pelos sacerdotes, que a arca do pacto foi levada. De fato, os levitas eram, a rigor, apenas seus servos (os sacerdotes), que os aliviaram deste e do outro trabalho, de modo que o que eles faziam era feito em certo sentido através deles. Se os levitas (não sacerdotes) não tivessem tocado a arca do pacto, e nem mesmo colocado nos postes (Números 4:6), Moisés não teria entregue o livro da lei, para ser guardado pela arca do pacto para eles, mas para os sacerdotes. ארון מצּד, ao lado da arca, ou, segundo a paráfrase de Jonathan, “num caso do lado direito da arca do pacto”, o que pode ser correto, embora não devemos pensar neste caso, como fazem muitos dos primeiros teólogos, como uma arca secundária presa à arca do pacto (ver Lundius, Jd. Heiligth. pp. 73, 74). As tábuas da lei foram depositadas na arca (Êxodo 25:16; Êxodo 40:20), e o livro da lei deveria ser guardado ao seu lado. Como ele formava, por sua própria natureza, simplesmente um comentário elaborado sobre o decálogo, deveria também ter seu lugar externamente como um acompanhamento das tábuas da lei, para uma testemunha contra o povo, da mesma forma que o canto na boca do povo (Deuteronômio 31:21). Pois, como Moisés acrescenta em Deuteronômio 31,27, na explicação de suas instruções: “Conheço a tua rebeldia e a tua dura cerviz; eis que, enquanto ainda estou vivo contigo hoje, foste rebelde contra o Senhor (vid., Deuteronômio 9,7); e quanto mais depois da minha morte”.

Com estas palavras Moisés entregou o livro completo da lei aos sacerdotes levíticos. Pois embora a entrega não seja expressamente mencionada, ela está inquestionavelmente implícita nas palavras: “Pegue este livro e coloque-o ao lado da arca do pacto”, pois o acabamento da redação das leis é mencionado imediatamente antes. Mas se Moisés terminou de escrever a lei depois de ter recebido instruções do Senhor para compor a ode, o que escreveu chegará a Deuteronômio 31:23; e o que segue de Deuteronômio 31:24 em diante formará o apêndice de sua obra por uma mão diferente.

A suposição de que o próprio Moisés inseriu suas instruções relativas à preservação do livro da lei, e a ode que se segue, é certamente possível, mas não provável. A decisão quanto ao local onde deveria ser guardado não era de tal importância que precisasse ser inserido no livro da lei, uma vez que as instruções de Deuteronômio 31:9 haviam sido tomadas suficientemente providências para sua guarda em segurança; e embora Deus o tivesse mandado escrever a ode, não era com o propósito de inseri-la na Tora como porção essencial dela, mas para deixar o povo aprendê-la, colocá-la na boca do povo. A alusão a esta ode em Deuteronômio 31:19 não fornece nenhuma prova conclusiva, ou que o próprio Moisés a incluiu no livro da lei que ele havia escrito com o relato de sua oração em Deuteronômio 31:28-30 e Deuteronomio 32:1-43, ou que o apêndice que Moisés não escreveu começa em Deuteronômio 31:14 deste capítulo. Pois tudo o que segue com certeza da expressão “esta canção” (Deuteronômio 31:19 e Deuteronômio 31:22), que certamente aponta para a canção em 32, é que o próprio Moisés entregou a ode aos sacerdotes com o livro completo da lei, como suplemento da lei, e que esta ode foi então inserida pelo escritor do apêndice no próprio apêndice. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Mandou Moisés aos levitas que levavam a arca do pacto do SENHOR, dizendo:

Comentário Barnes

aos levitas que levavam a arca – ou seja, como em Deuteronômio 31:9, “os sacerdotes os filhos de Levi”. Os levitas não sacerdotes não podiam tanto entrar no santuário ou tocar a arca (compare Números 4:15). Embora nas viagens pelo deserto a arca fosse carregada pelos não sacerdotes coatitas, em ocasiões de caráter mais solene e público ela era carregada pelos próprios sacerdotes (Josué 3:3 ff, Josué 4:9-10; Josué 6:6, Josué 6:12; Josué 8:33; 1 Reis 8:3). [Barnes, aguardando revisão]

26 Tomai este livro da lei, e ponde-o ao lado da arca do pacto do SENHOR vosso Deus, e esteja ali por testemunha contra ti.

Comentário de Robert Jamieson

Tomai este livro da lei, e ponde-o ao lado da arca do pacto – A segunda cópia da lei (ver em Deuteronômio 31:9) foi depositada para maior segurança e reverência em um pequeno baú ao lado da arca da aliança, pois não havia nada contido nela, a não ser as tábuas de pedra (1Reis 8:9). Outros acham que foi colocado dentro da arca, sendo certo, pelo testemunho de Paulo (Hebreus 9:4), que havia uma vez outras coisas dentro da arca, e que esta era a cópia encontrada no tempo de Josias (2Reis 22:8). [JFB]

27 Porque eu conheço tua rebelião, e tua dura cerviz: eis que ainda vivendo eu hoje convosco, sois rebeldes ao SENHOR; e quanto mais depois que eu morrer?

Comentário Barnes

quanto mais depois que eu morrer. Portanto, Deuteronômio 31:24 e o resto do livro (com exceção da canção, Deuteronômio 31:19) deve ser considerado como uma espécie de apêndice acrescentado após a morte de Moisés por outra mão; embora a Bênção (Deuteronômio 33) deva ser considerada como uma composição de Moisés. [Barnes, aguardando revisão]

28 Congregai a mim todos os anciãos de vossas tribos, e a vossos oficiais, e falarei em seus ouvidos estas palavras, e chamarei por testemunhas contra eles os céus e a terra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(28-29) Logo após a entrega do livro da lei, Moisés instruiu os anciãos de todas as tribos, juntamente com as pessoas oficiais, a se reunirem em torno dele, para que ensaiasse a ode que ele havia escrito para o povo. A convocação, “reúnam-se a mim”, foi dirigida às pessoas a quem ele havia dado o livro da lei. Os anciãos e oficiais, como autoridades civis da congregação, foram reunidos por ele para ouvir a ode, porque deveriam colocá-la na boca do povo, ou seja, cuidar para que toda a nação a aprendesse. As palavras, “chamarei o céu e a terra como testemunhas contra vós”, referem-se à substância da ode prestes a ser ensaiada, que começa com um apelo ao céu e à terra (Deuteronômio 32:1). A razão designada para isso em Deuteronômio 31:29 é um breve resumo do que o Senhor tinha dito a Moisés em Deuteronomio 31:16-21, e Moisés achou necessário comunicar aos representantes da nação. “O trabalho de suas mãos” refere-se aos ídolos (vid., Deuteronômio 4:28). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 Porque eu sei que depois de minha morte, certamente vos corrompereis e vos desviareis do caminho que vos mandei; e que vos há de vir mal nos últimos dias, por haver feito mal aos olhos do SENHOR, provocando-lhe à ira com a obra de vossas mãos.

Comentário de C. H. Waller

nos últimos dias. Uma expressão profética não incomum, utilizada com alguma flexibilidade considerável. Ela ocorre pela primeira vez em Gênesis 49:1. (Veja também Números 24:14 e Deuteronômio 4:30.) Alguns o refeririam aos “dias do Messias”, e o tornariam quase um termo técnico. Mas uma comparação destas poucas passagens mostrará que ele não pode ser vinculado estritamente a um período qualquer. [Ellicott, aguardando revisão]

30 Então falou Moisés aos ouvidos de toda a congregação de Israel as palavras deste cântico até acabá-lo.

Comentário de C. H. Waller

Então falou Moisés…as palavras deste cântico. O êxodo de Israel começa e termina com uma canção de Moisés. A canção do Êxodo 15 é geralmente referida como a “Canção de Moisés”, e pensa-se que seja destinada em Apocalipse 15:3-4.  [Ellicott, aguardando revisão]

<Deuteronômio 30 Deuteronômio 32>

Introdução à Deuteronômio 31

Com a renovação do pacto, pela escolha feita perante o povo entre bênção e maldição, vida e morte, Moisés havia terminado a interpretação e aplicação da lei (Deuteronômio 1:5), e encerrou o trabalho da legislação. Mas para que a obra para a qual o Senhor o chamara pudesse ser completamente concluída, ainda lhe restava, antes de sua aproximação da morte, entregar a tarefa de conduzir o povo para Canaã a Josué, que havia sido designado como seu sucessor, para terminar de escrever as leis, e entregar o livro da lei aos sacerdotes. O Senhor também o orientou a escrever uma ode, como testemunha contra o povo, por causa de sua obstinação, e a ensiná-la aos israelitas. A estes últimos arranjos e atos de Moisés, que são narrados em 31 e 32, acrescenta-se em 33 a bênção com que este homem de Deus se despediu das tribos de Israel, e em 34 o relato de sua morte, com o qual o Pentateuco encerra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.