Números 33

As etapas da viagem desde o Egito

1 Estas são as jornadas dos filhos de Israel, os quais saíram da terra do Egito por seus esquadrões, sob a condução de Moisés e Arão.

Comentário de Robert Jamieson

Estas são as jornadas dos filhos de Israel – Este capítulo pode ser dito para formar a dissolução da história das viagens dos israelitas através do deserto; Os três capítulos seguintes referem-se a questões relacionadas com a ocupação e divisão da terra prometida. Como várias discrepâncias aparentes serão descobertas ao comparar os registros aqui dados das viagens do Sinai com os relatos detalhados dos eventos narrados no Livro do Êxodo e os avisos ocasionais de lugares que são encontrados no Deuteronômio, é provável que este O itinerário compreende uma lista de apenas as estações mais importantes em suas viagens – aquelas onde eles formaram acampamentos prolongados, e de onde eles dispersaram seus rebanhos e rebanhos para pastar nas planícies adjacentes até que a forragem circundante estivesse esgotada. O catálogo se estende desde a partida deles para fora do Egito até a chegada deles nas planícies de Moabe.

saíram da terra do Egito por seus esquadrões – isto é, uma vasta multidão organizada em companhias separadas, mas ordem regular. [JFB, aguardando revisão]

2 E Moisés escreveu suas saídas conforme suas jornadas por ordem do SENHOR. Estas, pois, são suas jornadas conforme suas partidas.

Comentário de Robert Jamieson

Moisés escreveu suas saídas conforme suas jornadas por ordem do SENHOR – A sabedoria dessa ordem divina é vista na importância do fim ao qual ela era subserviente – a saber, em parte para estabelecer a verdade da história, em parte para preservar um memorial das maravilhosas interposições de Deus em nome de Israel e, em parte, para confirmar sua fé na perspectiva do difícil empreendimento em que estavam entrando, a invasão de Canaã. [JFB, aguardando revisão]

3 De Ramessés partiram no mês primeiro, aos quinze dias do mês primeiro: no segundo dia da páscoa saíram os filhos de Israel com mão alta, à vista de todos os egípcios.

Comentário de Robert Jamieson

Ramessés – geralmente identificado com Heroopoils, agora o moderno Abu-Keisheid (ver em Êxodo 12:37), que era provavelmente a capital de Goshen, e, por orientação de Moisés, o local do encontro geral anterior à sua partida. [JFB, aguardando revisão]

4 Estavam enterrando os egípcios os que o SENHOR havia matado deles, a todo primogênito; havendo o SENHOR feito também juízos em seus deuses.

Comentário de Robert Jamieson

em seus deuses – usados ​​de acordo com a fraseologia da Escritura para denotar seus governantes (o primogênito do rei e seus príncipes) ou os objetos idólatras da adoração egípcia. [JFB, aguardando revisão]

5 Partiram, pois, os filhos de Israel de Ramessés, e assentaram acampamento em Sucote.

Comentário de Robert Jamieson

acampamento em Sucote – isto é, “cabines” – um lugar sem lugar para nada, exceto como um lugar temporário, em Birketel-Hadji, o Acampamento dos Peregrinos [Calmet]. [JFB, aguardando revisão]

6 E partindo de Sucote, assentaram em Etã, que está ao extremo do deserto.

Comentário de Robert Jamieson

Etã – borda, ou borda de toda a parte da Arábia-Petraea que ficava contígua ao Egito e era conhecida pelo nome geral de Shur. [JFB, aguardando revisão]

7 E partindo de Etã, voltaram sobre Pi-Hairote, que está diante de Baal-Zefom, e assentaram diante de Migdol.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-15) O primeiro e o segundo versos formam o título: “Estas são as marchas dos filhos de Israel, que eles marcharam”, ou seja, as marchas que fizeram de um lugar para outro, ao sair do Egito. מסּע não significa uma estação, mas o desmembramento de um acampamento, e depois um trem, ou marcha (ver em Êxodo 12:37, e Gênesis 13:3). לצבאתם (veja em Êxodo 7:4). בּיד, sob a orientação, como em Números 4:28, e Êxodo 38:21. למסעיהם מוצאיהם, “suas saídas (propriamente, seus lugares de partida) de acordo com suas marchas”, é realmente equivalente à cláusula que se segue: “suas marchas de acordo com seus lugares de partida”. A marcha do povo não é descrita pelas estações, ou lugares de acampamento, mas pelos locais específicos de onde partem. Daí a constante repetição da palavra ויּסעוּ, “e eles se separaram”. Nos a partida é descrita de acordo com Êxodo 12:17, Êxodo 12:37-41. Sobre os julgamentos de Jeová sobre os deuses do Egito, ver em Êxodo 12:12. “Com mão alta:” como em Êxodo 14:8. – Os lugares de acampamento de Sucot ao deserto do Sinai (Números 33:5-15) concordam com os do relato histórico, exceto que as estações do Mar Vermelho (Números 33:10) e as de Dophkah e Alush (Números 33:13 e Números 33:14) são passadas por lá. Para Raemses, ver em Êxodo 12:37. Succoth e Etham (Êxodo 13:20). Pihahiroth (Êxodo 14:2). “O deserto” (Números 33:8) é o deserto de Shur, de acordo com Êxodo 15:22. Marah, ver Êxodo 15:23. Elim (Êxodo 15:27). Para o Mar Vermelho e o deserto de Pecado, veja Êxodo 16:1. Para Dophkah, Alush e Rephidim, veja Êxodo 17:1; e para o deserto do Sinai, Êxodo 19:2. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E partindo de Pi-Hairote, passaram por meio do mar ao deserto, e andaram caminho de três dias pelo deserto de Etã, e assentaram em Mara.

Comentário de Robert Jamieson

Mara – pensado para ser Ain Howarah, tanto de sua posição quanto do tempo (três dias) que levaria com seus filhos e rebanhos para marchar da água de Ayun Musa até aquele local. [JFB, aguardando revisão]

9 E partindo de Mara, vieram a Elim, de onde havia doze fontes de águas, e setenta palmeiras; e assentaram ali.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-15) O primeiro e o segundo versos formam o título: “Estas são as marchas dos filhos de Israel, que eles marcharam”, ou seja, as marchas que fizeram de um lugar para outro, ao sair do Egito. מסּע não significa uma estação, mas o desmembramento de um acampamento, e depois um trem, ou marcha (ver em Êxodo 12:37, e Gênesis 13:3). לצבאתם (veja em Êxodo 7:4). בּיד, sob a orientação, como em Números 4:28, e Êxodo 38:21. למסעיהם מוצאיהם, “suas saídas (propriamente, seus lugares de partida) de acordo com suas marchas”, é realmente equivalente à cláusula que se segue: “suas marchas de acordo com seus lugares de partida”. A marcha do povo não é descrita pelas estações, ou lugares de acampamento, mas pelos locais específicos de onde partem. Daí a constante repetição da palavra ויּסעוּ, “e eles se separaram”. Nos a partida é descrita de acordo com Êxodo 12:17, Êxodo 12:37-41. Sobre os julgamentos de Jeová sobre os deuses do Egito, ver em Êxodo 12:12. “Com mão alta:” como em Êxodo 14:8. – Os lugares de acampamento de Sucot ao deserto do Sinai (Números 33:5-15) concordam com os do relato histórico, exceto que as estações do Mar Vermelho (Números 33:10) e as de Dophkah e Alush (Números 33:13 e Números 33:14) são passadas por lá. Para Raemses, ver em Êxodo 12:37. Succoth e Etham (Êxodo 13:20). Pihahiroth (Êxodo 14:2). “O deserto” (Números 33:8) é o deserto de Shur, de acordo com Êxodo 15:22. Marah, ver Êxodo 15:23. Elim (Êxodo 15:27). Para o Mar Vermelho e o deserto de Pecado, veja Êxodo 16:1. Para Dophkah, Alush e Rephidim, veja Êxodo 17:1; e para o deserto do Sinai, Êxodo 19:2. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E partindo de Elim, assentaram junto ao mar Vermelho.

Comentário de Robert Jamieson

A estrada de Wady Ghurundel leva ao interior, em consequência de uma alta crista que exclui toda a visão do mar. Na foz de Wady-et-Tayibeh, após cerca de três dias de marcha, ele se abriu novamente em uma planície ao longo da margem do Mar Vermelho. A exatidão minuciosa da narrativa das Escrituras, em visualizar as características geográficas desta região, é notavelmente mostrada ao descrever os israelitas como os procedimentos da única via praticável que poderiam ser tomadas. Essa planície, onde eles acamparam, era o Deserto do Pecado (ver Êxodo 16:1). [JFB, aguardando revisão]

11 E partindo do mar Vermelho, assentaram no deserto de Sim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-15) O primeiro e o segundo versos formam o título: “Estas são as marchas dos filhos de Israel, que eles marcharam”, ou seja, as marchas que fizeram de um lugar para outro, ao sair do Egito. מסּע não significa uma estação, mas o desmembramento de um acampamento, e depois um trem, ou marcha (ver em Êxodo 12:37, e Gênesis 13:3). לצבאתם (veja em Êxodo 7:4). בּיד, sob a orientação, como em Números 4:28, e Êxodo 38:21. למסעיהם מוצאיהם, “suas saídas (propriamente, seus lugares de partida) de acordo com suas marchas”, é realmente equivalente à cláusula que se segue: “suas marchas de acordo com seus lugares de partida”. A marcha do povo não é descrita pelas estações, ou lugares de acampamento, mas pelos locais específicos de onde partem. Daí a constante repetição da palavra ויּסעוּ, “e eles se separaram”. Nos a partida é descrita de acordo com Êxodo 12:17, Êxodo 12:37-41. Sobre os julgamentos de Jeová sobre os deuses do Egito, ver em Êxodo 12:12. “Com mão alta:” como em Êxodo 14:8. – Os lugares de acampamento de Sucot ao deserto do Sinai (Números 33:5-15) concordam com os do relato histórico, exceto que as estações do Mar Vermelho (Números 33:10) e as de Dophkah e Alush (Números 33:13 e Números 33:14) são passadas por lá. Para Raemses, ver em Êxodo 12:37. Succoth e Etham (Êxodo 13:20). Pihahiroth (Êxodo 14:2). “O deserto” (Números 33:8) é o deserto de Shur, de acordo com Êxodo 15:22. Marah, ver Êxodo 15:23. Elim (Êxodo 15:27). Para o Mar Vermelho e o deserto de Pecado, veja Êxodo 16:1. Para Dophkah, Alush e Rephidim, veja Êxodo 17:1; e para o deserto do Sinai, Êxodo 19:2. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E partindo do deserto de Sim, assentaram em Dofca.

Comentário de Robert Jamieson

(12-14) Dofca…Alus…Refidim. Essas três estações, nos grandes vales de Wady Mukatteb, El Sheikh e Feiran, seriam equivalentes a quatro dias de viagem para tal anfitrião. Refidim (Êxodo 16:6) estava em Horebe, a região queimada – um nome genérico para um país montanhoso e quente.[Jamieson, aguardando revisão]

13 E partindo de Dofca, assentaram em Alus.

Comentário de Robert Jamieson

(12-14) Dofca…Alus…Refidim. Essas três estações, nos grandes vales de Wady Mukatteb, El Sheikh e Feiran, seriam equivalentes a quatro dias de viagem para tal anfitrião. Refidim (Êxodo 16:6) estava em Horebe, a região queimada – um nome genérico para um país montanhoso e quente.[Jamieson, aguardando revisão]

14 E partindo de Alus, assentaram em Refidim, onde o povo não teve águas para beber.

Comentário de Robert Jamieson

(12-14) Dofca…Alus…Refidim. Essas três estações, nos grandes vales de Wady Mukatteb, El Sheikh e Feiran, seriam equivalentes a quatro dias de viagem para tal anfitrião. Refidim (Êxodo 16:6) estava em Horebe, a região queimada – um nome genérico para um país montanhoso e quente.[Jamieson, aguardando revisão]

15 E partindo de Refidim, assentaram no deserto de Sinai.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-15) O primeiro e o segundo versos formam o título: “Estas são as marchas dos filhos de Israel, que eles marcharam”, ou seja, as marchas que fizeram de um lugar para outro, ao sair do Egito. מסּע não significa uma estação, mas o desmembramento de um acampamento, e depois um trem, ou marcha (ver em Êxodo 12:37, e Gênesis 13:3). לצבאתם (veja em Êxodo 7:4). בּיד, sob a orientação, como em Números 4:28, e Êxodo 38:21. למסעיהם מוצאיהם, “suas saídas (propriamente, seus lugares de partida) de acordo com suas marchas”, é realmente equivalente à cláusula que se segue: “suas marchas de acordo com seus lugares de partida”. A marcha do povo não é descrita pelas estações, ou lugares de acampamento, mas pelos locais específicos de onde partem. Daí a constante repetição da palavra ויּסעוּ, “e eles se separaram”. Nos a partida é descrita de acordo com Êxodo 12:17, Êxodo 12:37-41. Sobre os julgamentos de Jeová sobre os deuses do Egito, ver em Êxodo 12:12. “Com mão alta:” como em Êxodo 14:8. – Os lugares de acampamento de Sucot ao deserto do Sinai (Números 33:5-15) concordam com os do relato histórico, exceto que as estações do Mar Vermelho (Números 33:10) e as de Dophkah e Alush (Números 33:13 e Números 33:14) são passadas por lá. Para Raemses, ver em Êxodo 12:37. Succoth e Etham (Êxodo 13:20). Pihahiroth (Êxodo 14:2). “O deserto” (Números 33:8) é o deserto de Shur, de acordo com Êxodo 15:22. Marah, ver Êxodo 15:23. Elim (Êxodo 15:27). Para o Mar Vermelho e o deserto de Pecado, veja Êxodo 16:1. Para Dophkah, Alush e Rephidim, veja Êxodo 17:1; e para o deserto do Sinai, Êxodo 19:2. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E partindo do deserto de Sinai, assentaram em Quibrote-Taavá.

Comentário de Robert Jamieson

Quibrote-Taavá (“os túmulos da luxúria”, veja em Números 11:34) – A rota, ao som do acampamento no Sinai, levou Wady Sheikh; depois cruzando Jebel-et-Tih, que cruzava uma península, descera a Wady Zalaka, lançando-se sucessivamente em duas breves e memoráveis ​​estações (Deuteronômio 9:22); então eles acamparam em Hazeroth (“aldeias não muradas”), supostamente em Ain-Hadera (ver em Números 11:35). Cades, ou Cades-Barnéia, é um grande valor do Ghor, e uma cidade de Cades ter sido localizada na fronteira deste vale [Burckhardt; Robinson]. Mas, como não há menos de dez anos, as seleções inseridas entre Hazerote e Cades, e apenas os dias em que são gastos na formação dessa jornada (Deuteronômio 1:2), é evidente que, como as outras formas de menstruação são alteradas a uma outra e totalmente diferente a uma visita. Sinai no segundo mês (Números 1:11; 13:20), e em Kadesh em agosto (Deuteronômio 1:45), e “moraram muitos dias” nele. Então, murmurando o nome do espelho, eles são ordenados a retornar ao deserto “pelo caminho do Mar Vermelho”. A chegada a Cades, Mencionada neste catálogo, é um evento que está sendo feito pela primeira vez, sendo uma primeira letra ou abril (Números 20:1). Entre as duas visitas, interveio um trinta e oito anos, durante os quais são vagar de um lado para o outro por toda a região de El-Tih (“andanças”), muitas vezes retornando aos mesmos lugares que as necessidades pastorais de seus rebanhos exigiam; Há mais frases para identificar as palavras-chave entre Hazerote (Números 33:8) e Cades (Números 33:36) ao longo do intervalo de peregrinação. A certeza foi ainda alcançado em determinar o local de muitas estações. Deve ter havido mais do que o registrado; the stand alone are not possible to not stand at the wave, and the where are tabledcour was to the hands, and the where are tabledcour was to the hands are alongted on past. De Ezion-geber, por exemplo, que fica à cabeceira do golfo de Akaba, a Cades, não pode ser muito menos do que todo o comprimento do grandioso vale do Ghor, uma vez que não é menos que cem quilômetros, seja qual for ser uma situação exata de Cades; e, claro, deve ter havido tratamento de vetores, embora seja ou mencionada. Os incidentes e as taxas de restituição da jornada às planícies de Moabe são quantidades explícitas nos títulos anteriores. [JFB, aguardando revisão]

17 E partindo de Quibrote-Taavá, assentaram em Hazerote.

Comentário de Robert Jamieson

Quibrote-Taavá – os túmulos da luxúria. A rota, ao romper o acampamento no Sinai, descia ao uádi Sheikh, depois, atravessando Jebel-et-Tyh, que cortava a península, descia ao uádi Zalaka, lançando-se sucessivamente em duas breves mas memoráveis estações (Deuteronômio 9:22) .

assentaram em Hazerote – aldeias não muradas, supostamente em Ain-Hudera (Números 11:35). [Jamieson, aguardando revisão]

18 E partindo de Hazerote, assentaram em Ritmá.

Comentário de Robert Jamieson

Ritmá – o lugar da vassoura, uma estação possivelmente em algum uádi que se estende a oeste do Ghor (Números 10:40). [Jamieson, aguardando revisão]

19 E partindo de Ritmá, assentaram em Rimom-Perez.

Comentário de Robert Jamieson

Rimom-Perez – uma cidade de Judá e Simeão (Josué 15:32); Libnah, assim chamado de seus álamos brancos (Josué 10:29), ou, como alguns pensam, um monte branco entre Cades e Gaza (Josué 10:29); Rissah (El-arish); monte Shapher (Cassius); Moseroth, adjacente ao monte Hor, em Wady Mousa. Ezion-geber, perto de Akaba, um porto marítimo na costa ocidental do golfo elanítico; Deserto de Zin, no lado leste da península do Sinai; Punon, nas ravinas rochosas do Monte Hor e famosa pelas minas e pedreiras em suas proximidades, bem como por suas árvores frutíferas, agora Tafyle, na fronteira de Edom; Abarim, uma cadeia de colinas acidentadas a noroeste do Arnon – a parte chamada Nebo era um dos seus picos mais altos – em frente a Jericó. (Veja Deuteronômio 10:6). [JFB, aguardando revisão]

20 E partindo de Rimom-Perez, assentaram em Libna.

Comentário de Robert Jamieson

Libna – assim chamada devido seus álamos brancos (Josué 10:29); ou, como alguns pensam, uma colina branca entre Cades e Gaza (Josué 10:29). [Jamieson, aguardando revisão]

21 E partindo de Libna, assentaram em Rissa.

Comentário de Keil e Delitzsch

Nos versículos 16-36 seguem 21 nomes de lugares onde os israelitas acamparam desde o momento em que deixaram o deserto do Sinai até acamparem no deserto de Zin, ou seja, em Cades. A descrição deste último como “o deserto de Zin, que é Cades”, que concorda quase palavra por palavra com Números 20:1, e ainda mais a concordância dos lugares mencionados em Numeros 33:37-49, como os acampamentos de Israel depois de deixar Cades até sua chegada nas estepes de Moabe, com a marcha do povo no quadragésimo ano, como descrito em Numeros 20:22-22:1, coloca para além de qualquer dúvida que o acampamento no deserto de Zin, ou seja Cades (Números 33:36), deve ser entendido como referindo-se à segunda chegada a Cades após a expiração dos trinta e oito anos de peregrinação no deserto ao qual a congregação tinha sido condenada. Consequentemente, os 21 nomes nos vv. 16-36 contêm não somente os lugares de acampamento em que os israelitas acamparam no segundo ano de sua marcha do Sinai para o deserto de Paran em Cades, de onde os espiões foram enviados para Canaã, mas também aqueles em que acamparam por um período mais longo durante os trinta e oito anos de punição no deserto. Esta visão é ainda mais confirmada pelo fato de que as duas primeiras estações com o nome da saída do deserto do Sinai, em outras palavras, Kibroth-hattaavah e Hazeroth, concordam com as nomeadas no relato histórico em Números 11:34 e Números 11:35. Agora se, de acordo com os Números 12:16, quando o povo deixou Hazeroth, eles acamparam no deserto de Paran, e despacharam os espiões dali para fora do deserto de Zin (Números 13:21), que retornaram à congregação depois de quarenta dias “para o deserto de Paran para Kadesh” (Números 13: 26), é tão natural como pode ser procurar este lugar de acampamento no deserto de Paran ou Zin em Cades sob o nome de Rithmah, que segue Hazeroth na presente lista (Números 33:18). Esta suposição natural atinge o mais alto grau de probabilidade, pelo fato de que, no relato histórico, o lugar de acampamento, a partir do qual ocorreu o envio dos espiões, é descrito de forma tão indefinida como o “deserto de Paran”, já que este nome não pertence a um pequeno deserto, capaz apenas de manter o acampamento dos israelitas, mas abrange todo o grande planalto desértico que se estende desde as montanhas centrais de Horeb, no sul, até às montanhas dos Amoritas, que realmente fazem parte de Canaã, e contém nada menos do que 400 (? 10.000 milhas quadradas (10.000 inglesas). Neste deserto, os israelitas só puderam montar seu acampamento em um determinado lugar, que é chamado de Rithmah na lista que temos diante de nós; enquanto no relato histórico a passagem é descrita, de acordo com o que os israelitas realizaram e experimentaram neste acampamento, como próximo à fronteira sul de Canaã, e assim é apontada com clareza suficiente para o propósito do relato histórico. A isto podemos acrescentar a coincidência do nome Rithmah com o Wady Abu Retemat, que não fica muito longe ao sul de Cades, “uma ampla planície com arbustos e retem”, ou seja, vassoura (Robinson, i. p. 279), na vizinhança da qual, e por trás da formação de giz que a delimita em direção ao leste, existe uma copiosa fonte de água doce chamada Ain el Kudeirt. Este local foi bem adaptado para um lugar de acampamento para Israel, que era tão numeroso que poderia facilmente se estender até o deserto de Zin, e até Kadesh.

Os dezessete lugares de acampamento, portanto, que são mencionados nos versículos 19-36 entre Rithmah e Cades, são os lugares onde Israel se estabeleceu no deserto, desde seu retorno de Cades para o “deserto do caminho para o Mar Vermelho” (Números 14:25), até a remontagem de toda a congregação no deserto de Zin em Cades (Números 20:1).

[…]

De todos os dezessete lugares, nenhum é conhecido, ou pode ser apontado com certeza, exceto o Eziongeber. Somente os quatro mencionados nos numeros 33:30-33, Moserote, Bene-Jaakan, Hor-hagidgad e Jotbathah, são novamente mencionados, em outras palavras, em onde Moisés se refere à proteção divina desfrutada pelos israelitas em suas peregrinações no deserto, nestas palavras: “E os filhos de Israel fizeram sua viagem de Beeroth-bene-Jaakan a Mosera; ali Arão morreu, e ali foi enterrado…. Dali viajaram para Gudgodah, e de Gudgodah para Jotbathah, uma terra de rochedos de água”. Da identidade dos lugares mencionados nas duas passagens não pode haver nenhuma dúvida. Bene Jaakan é simplesmente uma abreviação de Beeroth-bene-Jaakan, poços dos filhos de Jaakan. Agora, se os filhos de Jaakan fossem os mesmos da família Horita de Kanan mencionada em Gênesis 36:27, – e a leitura יעקן para ועקן em 1 Crônicas 1:42 parece favorecer isto – os poços de Jaakan teriam que ser procurados nas montanhas que ligam o Arabah tanto no leste quanto no oeste.

Gudgodah é apenas uma forma ligeiramente alterada e abreviada de Hor-hagidgad, a caverna de Gidgad ou Gudgodah; e por último, Moseroth é simplesmente a forma plural de Mosera. Mas não obstante a identidade desses quatro lugares, as duas passagens se relacionam com viagens diferentes. Deuteronômio 10:6 e Deuteronômio 10:7 se refere à marcha no quadragésimo ano, quando os israelitas foram de Cades através da Wady Murreh para a Arabah até o Monte Hor, e acamparam na Arabah primeiro nos poços das crianças, e depois em Mosera, onde Arão morreu no Monte Hor, que estava na vizinhança, e de onde viajaram ainda mais para o sul até Gudgodah e Jotbathah. No relato histórico nos números 20 e 21, os três lugares de acampamento, Bene-Jaakan, Gudgodah e Jotbathah, não são mencionados, porque nada digno de nota ocorreu ali. Gudgodah foi talvez o lugar de acampamento mencionado em Números 21:4, cujo nome não é dado, onde o povo foi punido com serpentes ardentes; e Jotbathah provavelmente será colocado antes de Zalmonah (Números 33:41). A cláusula, “uma terra de riachos de água” (Deuteronômio 10:7), aponta para um ponto no sul ou próximo da parte sul da Arabah, onde alguns ventosos, ou vale com um riacho fluindo através dela, se abriram para a Arabah a partir das montanhas orientais ou ocidentais, e formaram um oásis verde através de seu copioso suprimento de água no meio da estepe árida. Mas os israelitas já haviam acampado nos mesmos lugares antes, ou seja, durante seus trinta e sete anos de peregrinação, nos quais o povo, após retornar de Cades para o Mar Vermelho através do centro do grande deserto de et Tih, após vagar por algum tempo no amplo planalto desértico, atravessou o Wady el Jerafeh até a fronteira oriental do Arabah nas encostas do Monte Hor, e ali acampados em Mosera (Moseroth) em algum lugar perto de Ain et Taiyibeh (no mapa de Robinson), e depois atravessaram para Bene-Jaakan, que provavelmente estava na fronteira oeste do Arabah, em algum lugar perto de Ain el Ghamr (Robinson), e depois virando para o sul passou ao longo do Wady el Jeib por Hor-gidgad (Gudgodah), Jotbathah, e Abronah para Eziongeber no Mar Vermelho; pois não pode haver qualquer dúvida de que o Eziongeber nos números 33: 35, Números 33:36, e que em Deuteronômio 2:8, são uma e a mesma cidade, em outras palavras, o conhecido porto no extremo norte do Golfo Elanitic, onde os israelitas no tempo de Salomão e Jeosafá construíram uma frota para navegar até Ofir (1 Reis 9:26; 1 Reis 22:49). Não estava longe de Elath (isto é, Akaba), e supostamente era “a grande e bela cidade de Asziun”, que antes era, segundo Makrizi, perto de Aila, onde havia muitas tâmaras, campos e árvores frutíferas, embora agora tenha desaparecido completamente há muito tempo.

Consequentemente, os israelitas passaram duas vezes por uma porção do Arabah em direção ao sul em direção ao Mar Vermelho, a segunda vez de Wady el Jerafeh pelo Monte Hor, para contornar a terra de Edom, não exatamente até a cabeça do golfo, mas apenas até Wady el Ithm, através da qual atravessaram para o lado oriental de Edomitis; a primeira vez durante os trinta e sete anos de peregrinação de Wady el Jerafeh a Moseroth e Bene Jaakan, e daí para Eziongeber. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E partindo de Rissa, assentaram em Queelata,

Rissa – “ruína” (Strong).

Queelata – “assembleia” (Strong).

23 E partindo de Queelata, assentaram no monte de Séfer.

Queelata – “assembleia” (Strong).

Séfer – “beleza” (Strong).

24 E partindo do monte de Séfer, assentaram em Harada.

Séfer – “beleza” (Strong).

Harada – “medo” (Strong).

25 E partindo de Harada, assentaram em Maquelote.

Harada – “medo” (Strong).

Maquelote – “lugar da assembleia” (Strong).

26 E partindo de Maquelote, assentaram em Taate.

Maquelote – “lugar da assembleia” (Strong).

Taate – “parada” (Strong).

27 E partindo de Taate, assentaram em Tera.

Taate – “parada” (Strong).

Tera – “demora” (Strong).

28 E partindo de Tera, assentaram em Mitca.

Tera – “demora” (Strong).

Mitca – “doçura” (Strong).

29 E partindo de Mitca, assentaram em Hasmona.

Mitca – “doçura” (Strong).

Hasmona – “abundância” (Strong).

30 E partindo de Hasmona, assentaram em Moserote.

Comentário de Daniel Steele

Moserote é o plural hebraico de Mosera em Deuteronômio 10:6. Hengstenberg acha que fica no ‘Arabah, onde o Monte Hor se projeta. Burckhardt sugere que Wady Mousa, perto de Petra e desta montanha, é uma corrupção de Moseroth. [Steele, aguardando revisão]

31 E partindo de Moserote, assentaram em Bene-Jaacã.

Comentário de Daniel Steele

Bene-Jaacã. Filhos de Jaakan. No hebraico de o nome completo é dado – Beeroth Bene-Jaakan, poços dos filhos de Jaakan. Existem variações triviais de nomes, como Hor-hagidgad e Gudgodah, nas duas passagens. O relato em Deuteronômio, que coloca Bene-jaakan antes de Mosera, provavelmente se refere a uma segunda visita, no quadragésimo ano da peregrinação, na ordem inversa dos dois lugares mencionados. [Steele, aguardando revisão]

32 E partindo de Bene-Jaacã, assentaram em Hor-Gidgade.

Comentário de Rayner Winterbotham

Hor-Gidgade. Os manuscritos e Versões estão divididos entre Chor. (“caverna”) e Ela (“cúpula”, ou “montanha”). Gidgade é sem dúvida a Gudgodah de Deuteronômio 10:7. [Winterbotham, aguardando revisão]

33 E partindo de Hor-Gidgade, assentaram em Jotbatá.

Comentário de Rayner Winterbotham

Jotbatá. O significado deste nome, que aparentemente é “excelente”, é explicado pela nota em Deuteronômio 10:7 “Jotbath, terra de rios de águas”. Seria difícil encontrar tal terra agora nas proximidades do Arabah, mas ainda há riachos em alguns dos wadys que se abrem no Arabah em direção ao extremo sul. [Winterbotham, aguardando revisão]

34 E partindo de Jotbatá, assentaram em Abrona.

Comentário Barnes

Abrona – ou seja, “passagem”. Esta estação aparentemente fica na costa do Golfo Elanítico, em um ponto onde a vazante da maré deixou um vau. Por isso, o Targum posterior traduz a palavra como “vaus”. [Barnes, aguardando revisão]

35 E partindo de Abrona, assentaram em Eziom-Geber.

Comentário de Robert Jamieson

Eziom-Geber – perto de Akaba, um porto marítimo na costa ocidental do Golfo Elamítico. [Jamieson, aguardando revisão]

36 E partindo de Eziom-Geber, assentaram no deserto de Zim, que é Cades.

Comentário de Keil e Delitzsch

“E eles se retiraram de Eziongeber, e acamparam no deserto de Zin, ou seja, Cades”: o retorno a Cades no final do trigésimo nono ano é referido aqui. O fato de que nenhum lugar de acampamento é dado entre Eziongeber e Kadesh, não deve ser atribuído ao “plano do autor, para evitar mencionar os mesmos lugares de acampamento uma segunda vez”, pois qualquer plano desse tipo é uma mera conjectura; mas pode ser simples e perfeitamente explicado pelo fato de que nesta rota de retorno – que todo o povo, com suas esposas, filhos e rebanhos, poderia realizar sem grande esforço em dez ou quatorze dias, pois a distância de Aila a Cades através do deserto de Paran é de apenas cerca de quarenta horas de viagem em camelos, e Robinson viajaram de Akabah para a Wady Retemath, perto de Kadesh, em quatro dias e um acampamento semi-não formal foi montado, provavelmente porque o tempo de peregrinação penal chegou ao fim em Eziongeber, e o tempo tinha chegado quando a congregação deveria se reunir novamente em Kadesh, e partir dali em sua viagem para Canaã. – Assim, os onze nomes dados nos numeros 33:19-30, entre Rithmah e Moseroth, só podem se referir às estações em que a congregação montou seu acampamento por um período maior ou menor durante os trinta e sete anos de punição, em seu lento retorno de Cades para o Mar Vermelho, e antes de sua entrada no Arabah e acampamento em Moseroth.

Este número de estações, que é muito pequeno durante trinta e sete anos (apenas dezessete de Rithmah ou Kadesh a Eziongeber), é uma prova suficiente de que a congregação de Israel não estava vagando constantemente durante todo aquele tempo, mas pode ter permanecido em muitos dos lugares de acampamento, provavelmente aqueles que forneciam um abastecimento abundante de água e pastagem, não apenas por semanas e meses, mas até mesmo por anos, as pessoas se espalhando em todas as direções em torno do local onde o tabernáculo foi montado, e fazendo uso de meios de apoio como o deserto, e se reunindo novamente quando tudo isso se foi, com o propósito de viajar mais longe e procurar em outro lugar um local adequado para um novo acampamento. Além disso, as palavras de Deuteronômio 1:46, “vós permanecestes muitos dias em Cades”, quando comparadas com os Números 2:1, “então nos voltamos, e fizemos nossa viagem para o deserto do caminho para o Mar Vermelho”, mostram mais claramente, que após a sentença proferida contra o povo de Cades (Números 14), eles não começaram a viajar de volta imediatamente, mas permaneceram por um tempo considerável em Cades antes de ir para o sul, para o deserto.

Com relação à direção que tomaram, tudo o que pode ser dito, desde que nenhum dos lugares de acampamento mencionados nos Números 33:19-29 seja descoberto, é que eles fizeram seu caminho por um caminho muito sinuoso, e com muitos desvios, até Eziongeber, no Mar Vermelho.

(Nota: Concordamos, portanto, até agora com o voto adotado por Fries, seguido por Kurtz (History of Old Covenant, iii.-306-7) e Schultz (Deuteronômio pp. 153-4), que consideramos as estações dadas no vv. 19-35, entre Rithmah e Eziongeber, como referindo-se às viagens de Israel, após sua condenação em Kadesh, durante os trinta e sete anos de sua peregrinação pelo deserto. Mas não consideramos a visão que estes escritores formaram das próprias marchas como sendo bem fundamentada, ou de acordo com o texto, – isto é, que o povo de Israel não veio realmente uma segunda vez em plena procissão do sul para Cades, mas que nunca havia saído totalmente de Cades, na medida em que então a nação foi rejeitada em Cades, o povo se dividiu em grupos maiores e menores, e aquela porção que estava afastada de Moisés, ou melhor, do Senhor, permaneceu em Cades, mesmo depois que o resto foi espalhado; de modo que, em certo sentido, Cades formou o acampamento permanente e o local de reunião da congregação, mesmo durante os trinta e sete anos. De acordo com esta visão, as remoções e acampamentos mencionados no vv. 9-36 não descrevem as marchas de toda a nação, mas devem ser entendidas como o circuito feito pela sede durante os trinta e sete anos, com Moisés à frente e o santuário no meio (Kurtz), ou então como mostrando “que Moisés e Arão, com o santuário e a tribo de Levi, alteraram seu lugar de descanso, digamos de ano para ano, assegurando assim a cada parte da nação, por sua vez, a proximidade do santuário, de acordo com os sinais designados por Deus (Números 10: 11-12), e assim passou pelo espaço entre Cades e Eziongeber nos primeiros dezoito anos, e então, por uma mudança de lugar semelhante, aproximou-se gradualmente de Cades durante os dezoito ou dezenove anos restantes, e no último ano convocou toda a nação (toda a congregação) para se reunirem neste local de encontro”. Agora não podemos admitir que nesta visão “encontramos todas as diferentes e dispersas declarações do Pentateuco explicadas e tornadas inteligíveis”. Em primeiro lugar, não faz justiça nem mesmo à lista de estações; pois se a expressão constantemente repetida, “e eles (os filhos de Israel, Números 33:1) removidos… e acampados”, denota a remoção e acampamento de toda a congregação nos vv. 3-18 e Numeros 33:37-49, certamente está em desacordo com o texto para explicar as mesmas palavras nos vv. 19-36 como significando a remoção e acampamento apenas da sede, ou de Moisés, com Aarão e os Levitas, e do tabernáculo. Novamente, em todas as leis que foram dadas e nos eventos descritos como ocorrendo entre a primeira parada da congregação em Kadesh (Números 13 e 14) e seu retorno até lá no início do quadragésimo ano (Números 20), a presença de toda a congregação é tida como certa. As leis sacrificiais em Números 15, que Moisés deveria dirigir aos filhos de Israel (Números 15:1), foram dadas a “toda a congregação” (compare com Números 33:24, Números 33:25, Números 33:26). O homem que colheu lenha no sábado foi levado para fora do campo e apedrejado por “toda a congregação” (Números 15:36). “Toda a congregação” participou da rebelião da companhia de Corá (Números 16:19; Números 17:6, Números 18:8). É verdade que esta ocorrência é suposta por Kurtz ter ocorrido “durante a parada em Kadesh”, mas as razões dadas não são de forma alguma conclusivas (p. 105). Além disso, se atribuirmos tudo o que está relacionado nos Números 15-19 à época em que toda a congregação residia em Cades, isso priva a hipótese de seu principal apoio em Deuteronômio 1:46, “e vós permanecestes em Cades por muito tempo, de acordo com os dias em que ele residiu”. Pois nesse caso a longa morada em Cades incluiria o período das leis e incidentes registrados nos Números 15-19, e ainda assim, afinal, “toda a congregação” foi embora. Em nenhum caso, de fato, as palavras podem ser entendidas como significando que uma parte da nação permaneceu lá durante os trinta e sete anos. Nem isso pode ser inferido de forma alguma do fato de que sua partida não é expressamente mencionada; pois, em todo caso, a afirmação em Números 20:1, “e os filhos de Israel, a congregação inteira, entraram no deserto de Zin”, pressupõe que eles tinham ido embora. E a “idéia inconcebível, de que no último ano de suas andanças, quando era sua intenção expressa atravessar o Jordão e entrar em Canaã pelo leste, eles deveriam ter subido de Eziongeber até a fronteira sul de Canaã, que eles haviam deixado trinta e sete anos antes, apenas para voltar novamente à vizinhança de Eziongeber, após fracassarem em suas negociações com o rei de Edom, que eles poderiam ter continuado de algum lugar muito mais ao sul, e para tomar o caminho daquele ponto para o país no leste do Jordão afinal” (Fries), perde todo o caráter surpreendente que aparentemente tem, se desistirmos apenas da suposição sobre a qual se baseia, mas que não tem nenhum apoio na história bíblica, em outras palavras, que durante os trinta e sete anos de sua peregrinação no deserto, Moisés conheceu o fato de que os israelitas iriam entrar em Canaã vindos do leste, ou de qualquer forma que ele havia formado este plano por algum tempo. Se, ao contrário, quando o Senhor rejeitou a nação murmurante (Números 14:26), Ele nada decidiu com referência à forma pela qual a geração que cresceria no deserto deveria entrar em Canaã, – e só depois do retorno a Cades é que Moisés foi informado por Deus que eles deveriam avançar para Canaã vindos do leste e não do sul, – era perfeitamente natural que quando o tempo de punição tivesse expirado, os israelitas se reunissem novamente em Cades, e começassem a partir daquele ponto em sua jornada em diante). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

37 E partindo de Cades, assentaram no monte de Hor, na extremidade da terra de Edom.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

38 E subiu Arão o sacerdote ao monte de Hor, conforme o dito do SENHOR, e ali morreu aos quarenta anos da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no mês quinto, no primeiro dia do mês.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

39 E era Arão de idade de cento e vinte e três anos, quando morreu no monte de Hor.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

40 E o cananeu, rei de Arade, que habitava ao sul na terra de Canaã, ouviu como haviam vindo os filhos de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

41 E partindo do monte de Hor, assentaram em Zalmona.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

42 E partindo de Zalmona, assentaram em Punom.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

43 E partindo de Punom, assentaram em Obote.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

44 E partindo de Obote, assentaram em Ijé-Abarim; no termo de Moabe.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

45 E partindo de Ijé-Abarim, assentaram em Dibom-Gade.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

46 E partindo de Dibom-Gade, assentaram em Almom-Diblataim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

47 E partindo de Almom-Diblataim, assentaram nos montes de Abarim, diante de Nebo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

48 E partindo dos montes de Abarim, assentaram nos campos de Moabe, junto ao Jordão de Jericó.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

49 Finalmente assentaram junto ao Jordão, desde Bete-Jesimote até Abel-Sitim, nos campos de Moabe.

Comentário de Keil e Delitzsch

(37-49) Os locais de acampamento na jornada do quadragésimo ano de Cades ao monte Hor, e ao redor de Edom e Moabe nas estepes de Moabe, foram discutidos em Números 20 e 21. Sobre o monte Hor, e a morte de Arão ali, veja em Números 20 :22. Para a observação em Números 33:40 a respeito dos cananeus de Arade, veja em Números 21:1. Sobre Zalmona, Phunon e Oboth, veja Números 21:10; em Ijje Abarim, em Números 21:11; em Dibon Gad, Almon Diblathaim e as montanhas de Abarim, antes de Nebo, Números 21: 16-20 . Em Arbote Moabe, veja Números 22:1. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

As normas para a ocupação e distribuição de Canaã

50 E falou o SENHOR a Moisés nos campos de Moabe junto ao Jordão de Jericó, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(50-56) Comando para exterminar os cananeus e dividir sua terra entre as famílias de Israel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

51 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando houverdes passado o Jordão à terra de Canaã,

Comentário de Keil e Delitzsch

(51-53) Quando os israelitas atravessassem o Jordão para a terra de Canaã, deveriam exterminar todos os habitantes da terra e destruir todos os memoriais de sua idolatria; para tomar posse da terra e do poço nela, pois Jeová a havia dado a eles como possessão. הורישׁ, tomar posse de (Números 33:53, etc.), depois expulsar de sua posse, exterminar (Números 33:52; compare com Números 14:12, etc.). Em Números 33:52, veja Êxodo 34:13. משׂכּית, um ídolo de pedra (compare com Levítico 26:1). מסּכת צלמי, ídolos fundidos de latão. Masseah, veja em Êxodo 32:4. Bamoth, altares dos cananeus em lugares altos (ver Levítico 26:30). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

52 Expulsareis a todos os moradores daquela terra de diante de vós, e destruireis todas suas imagens esculpidas, e todas as suas imagens de fundição, e arruinareis todos os seus altares pagãos;

Comentário de Robert Jamieson

Expulsareis a todos os moradores daquela terra de diante de vós – não, porém, por expulsão, mas extermínio (Deuteronômio 7:1).

e destruireis todas suas imagens esculpidas – obeliscos para a adoração idólatra (ver em Levítico 26:1).

e todas as suas imagens de fundição, e arruinareis todos os seus altares pagãos – por metonímia para todos os seus bosques e altares, e materiais de culto no topo das colinas. [JFB, aguardando revisão]

53 E expulsareis os moradores da terra, e habitareis nela; porque eu a dei a vós para que a possuais.

Comentário de Keil e Delitzsch

(51-53) Quando os israelitas atravessassem o Jordão para a terra de Canaã, deveriam exterminar todos os habitantes da terra e destruir todos os memoriais de sua idolatria; para tomar posse da terra e do poço nela, pois Jeová a havia dado a eles como possessão. הורישׁ, tomar posse de (Números 33:53, etc.), depois expulsar de sua posse, exterminar (Números 33:52; compare com Números 14:12, etc.). Em Números 33:52, veja Êxodo 34:13. משׂכּית, um ídolo de pedra (compare com Levítico 26:1). מסּכת צלמי, ídolos fundidos de latão. Masseah, veja em Êxodo 32:4. Bamoth, altares dos cananeus em lugares altos (ver Levítico 26:30). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

54 E herdareis a terra por sortes por vossas famílias: aos muitos dareis muito por sua herança, e aos poucos dareis menos por herança sua: onde lhe sair a sorte, ali a terá cada um: pelas tribos de vossos pais herdareis.

Comentário de Robert Jamieson

herdareis a terra por sortes – A localidade particular de cada tribo seria determinada dessa maneira, enquanto se usaria uma linha para medir a proporção (Josué 18:10; Salmo 16:5-6). [JFB, aguardando revisão]

55 E se não expulsardes os moradores daquela terra de diante de vós, sucederá que os que deixardes deles serão por aguilhões em vossos olhos, e por espinhos em vossos lados, e vos afligirão sobre a terra em que vós habitardes.

Comentário de Robert Jamieson

E se não expulsardes os moradores daquela terra de diante de vós – Não haveria associações com os habitantes; do contrário, “se deixardes, serão picos em teus olhos e espinhos em vossos lados” – isto é, eles se mostrarão vizinhos problemáticos e perigosos, sedutores para a idolatria e, consequentemente, privando-os do favor e bênção divinos. A negligência do conselho contra a união com os habitantes idólatras tornou-se fatal para eles. Essa séria advertência dada aos israelitas em suas circunstâncias peculiares nos transmite uma lição salutar para não permitir que hábitos ocultos de pecado permaneçam em nós. Esse inimigo espiritual deve ser erradicado de nossa natureza; do contrário, será ruinoso para nossa paz atual e futura salvação. [JFB, aguardando revisão]

56 Será também, que farei a vós como eu pensei fazer a eles.

Comentário de Keil e Delitzsch

A ordem de dividir a terra por sorteio entre as famílias é em parte uma repetição verbal de Números 26:53-56. וגו לו יצא אל־אשׁר: literalmente, “naquilo em que a sorte sair para ele, será para ele” (ou seja, para cada família); em outras palavras, é receber aquela porção de terra para a qual o lote que sair da urna a apontará. “Segundo as tribos de seus pais:” veja em Números 26:55. – A ordem termina em Números 33:55, Números 33:56, com a ameaça de que, se eles não exterminassem os cananeus, não apenas os que restaram se tornariam “espinhos em seus olhos e ferroadas em seus lados”, ou seja, inflija-lhes os mais dolorosos ferimentos e faça guerra contra eles na terra; mas Jeová também faria com os israelitas as mesmas coisas que Ele pretendia fazer com os cananeus, ou seja, expulsá-los da terra e destruí-los. Essa ameaça é repetida por Josué em seu último discurso à congregação reunida (Josué 23:13). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Números 32 Números 34>

Introdução à Números 33

(1-49) Como os israelitas terminaram suas peregrinações pelo deserto, quando chegaram às estepes de Moabe, junto ao Jordão, em frente a Jericó (Números 22: 1), e quando começaram a tomar posse quando a terra conquistada além do Jordão foi repartida (cap. 32), a história da peregrinação no deserto termina com uma lista das estações que eles deixaram para trás. Esta lista foi escrita por Moisés “por ordem de Jeová” (Números 33:2), como um memorial permanente para séculos posteriores, como cada estação que Israel deixou para trás na jornada do Egito a Canaã “através do grande e terrível deserto “, foi um memorial da graça e fidelidade com que o Senhor conduziu Seu povo com segurança “na terra deserta e no deserto uivante, e o guardou como a menina dos Seus olhos, como a águia que voa sobre os seus filhotes, espalhada suas asas, as toma, as carrega em suas asas ”( Êxodo 19: 4 ; Deuteronômio 32:10 .).

(50-56) Essas instruções, com as quais os olhos dos israelitas foram direcionados para o fim de todas as suas peregrinações, ou seja, a posse da terra prometida, são organizadas em duas seções por fórmulas introdutórias mais longas (Números 33:50 e Números 35:1 ). O primeiro contém os mandamentos divinos (a) com respeito ao extermínio dos cananeus e sua idolatria, e a divisão da terra entre as tribos de Israel (Números 33:50-56); (b) sobre os limites de Canaã (Números 34:1-15); (c) sobre os homens que deveriam dividir a terra (Números 34:16-29). A segunda contém comandos (a) a respeito das cidades a serem entregues aos levitas (Números 35:1-8); (b) quanto à criação de cidades de refúgio para homicidas não intencionais, e o curso a ser adotado em relação a tais homicidas (Números 35:9-34); e (c) uma lei relativa ao casamento de herdeiras dentro de suas próprias tribos (Números 36:1-13). – A cuidadosa articulação de todos esses regulamentos legais por fórmulas introdutórias separadas é uma prova distinta de que a seção Números 33:50-56 não deve ser considerada, como Baumgarten, Knobel e outros supõem, de acordo com a divisão tradicional do capítulos, como apêndice ou conclusão admonitória à lista de estações, mas como fundamento legal geral para as instruções mais minuciosas nos Números 34-36. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Números

Em Números, “Israel viaja no deserto a caminho da terra prometida a Abraão. A sua repetida rebelião é retribuída pela justiça e misericórdia de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Números.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.