Bíblia, Revisar

Números 1

Deus manda Moisés numerar as tribos

1 E o SENHOR falou a Moisés no deserto de Sinai, no tabernáculo do testemunho, no primeiro dia do mês segundo, no segundo ano de sua saída da terra do Egito, dizendo:

no primeiro dia do mês segundo – Treze meses se passaram desde o êxodo. Cerca de um mês havia sido ocupado na jornada; e o resto do período foi passado em acampamento entre os recessos do Sinai, onde as transações ocorreram, e as leis, religiosas e civis, foram promulgadas, as quais estão contidas nos dois livros precedentes. Como o tabernáculo foi erguido no primeiro dia do primeiro mês, e a ordem aqui mencionada foi dada no primeiro dia do segundo, alguns pensam que as leis em Levítico foram dadas em um mês. Tendo os israelitas sido formados em uma nação separada, sob o governo especial de Deus como seu rei, era necessário, antes de retomar sua marcha em direção à terra prometida, colocá-los em ordem. E, consequentemente, Moisés foi comissionado, junto com Arão, para fazer um censo do povo. Este censo foi incidentalmente notado (Êx 38:26), em referência ao poll tax para as obras do tabernáculo; mas é aqui descrito em detalhes, a fim de mostrar o aumento relativo e a força militar das diferentes tribos. A enumeração estava confinada àqueles capazes de portar armas [Nm 1:3], e deveria ser feita com uma distinção cuidadosa da tribo, família e lar a que cada indivíduo pertencia. Por esta regra de soma muitas vantagens importantes foram asseguradas: um registro genealógico exato foi formado, a força relativa de cada tribo foi verificada, e a razão encontrada para organizar a ordem de precedência em março, bem como dispor as diferentes tribos no acampamento ao redor do tabernáculo. A promessa de Deus a Abraão [Gn 22:17] foi considerada cumprida no aumento extraordinário de sua posteridade e na provisão feita para traçar a descida regular do Messias.

2 Tomai o censo de toda a congregação dos filhos de Israel por suas famílias, pelas casas de seus pais, com a conta dos nomes, todos os homens por suas cabeças:
3 De vinte anos acima, todos os que podem sair à guerra em Israel, os contareis tu e Arão por suas tropas.

os contareis tu e Arão por suas tropas – ou companhias. Em sua partida do Egito eles foram divididos em cinco grandes companhias (Êx 13:18), mas desde a permanência no deserto até a passagem do Jordão, eles foram formados em quatro grandes divisões. Este último é aqui referido.

4 E estará convosco um homem de cada tribo, cada um chefe da casa de seus pais.

A condição social dos israelitas no deserto assemelhava-se muito à das tribos nómades do oriente nos dias de hoje. O chefe da tribo era uma dignidade hereditária, investida no filho mais velho ou em algum outro a quem o direito de primogenitura era transferido, e sob o qual havia outras cabeças inferiores, também hereditárias, entre os diferentes ramos da tribo. Sendo os israelitas divididos em doze tribos, doze chefes foram designados para auxiliar no censo do povo.

5 E estes são os nomes dos homens que estarão convosco: Da tribo de Rúben, Elizur filho de Sedeur.

Cada um é designado adicionando o nome dos antepassados ​​de sua tribo, o povo dos quais foram chamados “Beni-Reuben”, “Beni-Levi”, filhos de Rúben, filhos de Levi, segundo o costume dos árabes, bem como outras nações que são divididas em clãs, como os Macs da Escócia, os Aps de Gales e os O e os Fitzes da Irlanda [Chalmers] .

6 De Simeão, Selumiel filho de Zurisadai.
7 De Judá, Naassom filho de Aminadabe.
8 De Issacar, Natanael filho de Zuar.
9 De Zebulom, Eliabe filho de Helom.
10 Dos filhos de José: de Efraim, Elisama filho de Amiúde; de Manassés, Gamaliel filho de Pedazur.
11 De Benjamim, Abidã filho de Gideoni.
12 De Dã, Aiezer filho de Amisadai.
13 De Aser, Pagiel filho de Ocrã.
14 De Gade, Eliasafe filho de Deuel.
15 De Naftali, Aira filho de Enã.
16 Estes foram os nomeados da congregação, príncipes das tribos de seus pais, capitães dos milhares de Israel.

Estes foram os nomeados – literalmente, “os chamados” da congregação, convocados pelo nome; e eles entraram no levantamento no mesmo dia em que a ordem foi dada.

17 Tomou pois Moisés e Arão a estes homens que foram declarados por seus nomes:
18 E juntaram toda a congregação no primeiro dia do mês segundo, e foram reunidos suas linhagens, pelas casas de seus pais, segundo a conta dos nomes, de vinte anos acima, por suas cabeças,

por suas pesquisas – individualmente, um por um.

19 Como o SENHOR o havia mandado a Moisés; e contou-os no deserto de Sinai.

Como o SENHOR o havia mandado a Moisés – A numeração do povo não era um ato pecaminoso em si, como Moisés fez por designação divina; mas Davi incorreu em culpa ao fazê-lo sem a autoridade de Deus. (Veja em 2Sm 24:10).

20 E os filhos de Rúben, primogênito de Israel, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes por suas cabeças, todos os homens de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;

Estes são aqueles que foram numerados – Neste registro, a tribo de Judá aparece como a mais numerosa; e, consequentemente, como a preeminência havia sido atribuída a ele por Jacó [Gn 49:8-12], obteve a precedência em todos os acampamentos de Israel. Das duas meias-tribos de José, que é visto como “um ramo frutífero” [Gn 49:22], o de Efraim era o maior, como havia sido predito. O aumento relativo de todos, como nos dois que acabamos de mencionar, deveu-se à bênção especial de Deus, em conformidade com a declaração profética do patriarca moribundo. Mas a bênção divina é geralmente transmitida através da influência de causas secundárias; e há razão para acreditar que a relativa populosidade das tribos dependeria, sob Deus, da produtividade das respectivas localidades a elas atribuídas. [Para tabelas tabulares, veja em Nm 26:64]

21 Os contados deles, da tribo de Rúben, foram quarenta e seis mil e quinhentos.
22 Dos filhos de Simeão, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, os contados deles conforme a conta dos nomes por suas cabeças, todos os homens de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
23 Os contados deles, da tribo de Simeão, cinquenta e nove mil e trezentos.
24 Dos filhos de Gade, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
25 Os contados deles, da tribo de Gade, quarenta e cinco mil seiscentos e cinquenta.
26 Dos filhos de Judá, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
27 Os contados deles, da tribo de Judá, setenta e quatro mil e seiscentos.
28 Dos filhos de Issacar, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
29 Os contados deles, da tribo de Issacar, cinquenta e quatro mil e quatrocentos.
30 Dos filhos de Zebulom, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta de seus nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
31 Os contados deles, da tribo de Zebulom, cinquenta e sete mil e quatrocentos.
32 Dos filhos de José: dos filhos de Efraim, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
33 Os contados deles, da tribo de Efraim, quarenta mil e quinhentos.
34 Dos filhos de Manassés, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
35 Os contados deles, da tribo de Manassés, trinta e dois mil e duzentos.
36 Dos filhos de Benjamim, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
37 Os contados deles, da tribo de Benjamim, trinta e cinco mil e quatrocentos.
38 Dos filhos de Dã, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
39 Os contados deles, da tribo de Dã, sessenta e dois mil e setecentos.
40 Dos filhos de Aser, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra.
41 Os contados deles, da tribo de Aser, quarenta e um mil e quinhentos.
42 Dos filhos de Naftali, por suas gerações, por suas famílias, pelas casas de seus pais, conforme a conta dos nomes, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;
43 Os contados deles, da tribo de Naftali, cinquenta e três mil e quatrocentos.
44 Estes foram os contados, os quais contaram Moisés e Arão, com os príncipes de Israel, que eram doze, um por cada casa de seus pais.
45 E foram todos os contados dos filhos de Israel pelas casas de seus pais, de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra em Israel;
46 Foram todos os contados seiscentos três mil quinhentos e cinquenta.

Que surpreendente crescimento de setenta e cinco pessoas que desceram ao Egito cerca de duzentos e quinze anos antes [ver em Gn 46:8], e que foram submetidas às maiores privações e dificuldades! E, no entanto, essa enumeração era restrita aos homens de vinte anos e para cima [Nm 1:3]. Incluindo mulheres, crianças e velhos, juntamente com os levitas, toda a população de Israel, nos princípios ordinários da computação, chegavam a cerca de 2.400.000.

A função dos levitas

47 Porém os levitas não foram contados entre eles segundo a tribo de seus pais.

não foram contados entre eles – Eles foram obrigados a manter um registro próprio. Eles foram consagrados ao ofício sacerdotal, que em todos os países foi dispensado habitualmente, e em Israel pela autoridade expressa de Deus, do serviço militar. A custódia das coisas devotadas ao serviço divino foi-lhes atribuída tão exclusivamente que “nenhum estranho” – isto é, nenhuma pessoa, nem mesmo um israelita de qualquer outra tribo, foi autorizada, sob pena de morte, a se aproximar deles [ Nm 16:40]. Por isso, acamparam ao redor do tabernáculo para que não houvesse manifestação do desprazer divino entre o povo. Assim, a numeração do povo era subserviente à separação dos levitas daqueles israelitas que estavam aptos para o serviço militar, e à introdução prática da lei a respeito do primogênito, para quem a tribo de Levi se tornou um substituto [Ex 13:2; Nm 3:12].

48 Porque falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
49 Somente não contarás a tribo de Levi, nem tomarás a conta deles entre os filhos de Israel:
50 Mas tu porás aos levitas no tabernáculo do testemunho, e sobre todos os seus utensílios, e sobre todas as coisas que lhe pertencem: eles levarão o tabernáculo e todos os seus utensílios, e eles servirão nele, e assentarão suas tendas ao redor do tabernáculo.
51 E quando o tabernáculo partir, os levitas o desarmarão; e quando o tabernáculo parar, os levitas o armarão: e o estranho que se chegar, morrerá.
52 E os filhos de Israel assentarão suas tendas cada um em seu esquadrão, e cada um junto à sua bandeira, por suas tropas;
53 Mas os levitas assentarão as suas ao redor do tabernáculo do testemunho, e não haverá ira sobre a congregação dos filhos de Israel: e os levitas terão a guarda do tabernáculo do testemunho.
54 E fizeram os filhos de Israel conforme todas as coisas que mandou o SENHOR a Moisés; assim o fizeram.
<Levítico 27 Números 2>

Leia também uma introdução ao livro dos Números.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.