1 Samuel 15

Saul enviado para destruir Amaleque

1 E Samuel disse a Saul: o SENHOR me enviou a que te ungisse por rei sobre seu povo Israel: ouve pois a voz das palavras do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

Vários anos se passaram em operações militares bem-sucedidas contra vizinhos problemáticos. Durante estes Saul tinha sido deixado agir em grande medida a seu próprio critério como um príncipe independente. Agora, um segundo teste é proposto por ele possuir o caráter de um monarca teocrático em Israel; e ao anunciar o dever requerido por ele, Samuel trouxe diante dele sua posição oficial como vice-regente do Senhor, e a obrigação peculiar sob a qual ele foi colocado para agir nessa capacidade. Ele havia anteriormente feito algo errado, pelo qual uma severa repreensão e ameaça foram administradas a ele (1Samuel 13:13-14). Agora era-lhe oferecida uma oportunidade de recuperar esse erro por uma obediência exata ao mandamento divino. [JFB, aguardando revisão]

2 Assim disse o SENHOR dos exércitos: Lembro-me do que fez Amaleque a Israel; que se lhe opôs no caminho, quando subia do Egito.

Comentário de Robert Jamieson

amalequitas – a poderosa tribo que habitava o país imediatamente a leste do norte de cusitas. Seu território se estendia por toda a parte oriental do deserto do Sinai até Refidim – o primeiro adversário (Deuteronômio 25:18; Êxodo 17:8-16) – o inimigo hereditário e inquieto de Israel (Números 14:45; Juízes 3:13; 6:3), e que não se arrependeu (1Samuel 14:48) de seu ódio amargo e insone durante os quinhentos anos que se passaram desde que sua condenação foi pronunciada. Sendo um povo de hábitos nômades, eles eram tão saqueadores e perigosos quanto os árabes beduínos, particularmente para as tribos do sul. O interesse nacional exigia, e Deus, como rei de Israel, decretou que esse inimigo público deveria ser removido. Sua destruição seria sem reservas ou exceções.

Lembro-me – eu me lembro do que Amaleque fez – talvez pelo monumento ou memorial ainda existente erigido por Moisés (Êxodo 17:15-16). [JFB]

3 Vai pois, e fere a Amaleque, e destruireis nele tudo o que tiver: e não te apiedes dele: mata homens e mulheres, crianças e bebês que mamam, vacas e ovelhas, camelos e asnos.

Comentário Barnes

destruireis nele tudo o que tiver – (Levítico 27:28). Quando uma cidade ou povo era assim feito cherem, tudo o que vivia devia ser destruído, e nenhuma parte do despojo cabia aos conquistadores (compare 1Samuel 15:21). Os objetos de valor foram colocados no tesouro sagrado. [Barnes]

4 Saul pois juntou o povo, e reconheceu-os em Telaim, duzentos mil a pé, e dez mil homens de Judá.

Comentário de Robert Jamieson

Saul pois juntou o povo – A rapidez com que ele começou os preparativos necessários para a expedição deu uma promessa justa, mas ilusória de fidelidade em sua execução.

Telaim – ou Telem, entre as cidades mais remotas da tribo de Judá, em direção à costa de Edom (Josué 15:21,24). [JFB]

5 E vindo Saul à cidade de Amaleque, pôs emboscada no vale.

Comentário de Robert Jamieson

cidade de Amaleque – provavelmente a capital deles.

e armou uma emboscada no vale – seguindo a estratégica de Josué em Ai (Josué 8:4). [JFB]

6 E disse Saul aos queneus: Ide-vos, apartai-vos, e saí de entre os de Amaleque, para que não te destrua juntamente com ele: pois que tu fizeste misericórdia com todos os filhos de Israel, quando subiam do Egito. Apartaram-se, pois os queneus dentre os de Amaleque.

Comentário de Robert Jamieson

queneus – (Veja em Juízes 1:16). Em consequência, provavelmente, do estado instável de Judá, eles parecem ter retornado aos seus antigas áreas desérticas, e ocupando a região ao redor de “Arade” (Juízes 1:16). Embora agora se misturassem com os amalequitas, eles não estavam implicados nas ofensas daquela raça perversa; mas por causa de seus antepassados, entre os quais e os de Israel, houve uma aliança de amizade, uma advertência oportuna lhes foi concedida para serem removidos da cena do perigo. [JFU]

Ele poupa Agague e o melhor do espólio

7 E Saul feriu a Amaleque, desde Havilá até chegar a Sur, que está à fronteira do Egito.

Comentário de Robert Jamieson

E Saul feriu a Amaleque – Sua própria visão do caminho apropriado e conveniente a seguir era aquilo que havia decidido, não a ordem de Deus. [JFB]

8 E tomou vivo a Agague rei de Amaleque, mas a todo o povo matou a fio de espada.

Comentário de Robert Jamieson

E tomou vivo a Agague – Este era o título comum dos reis amalequitas. Ele não tinha nenhum escrúpulo sobre a aparente crueldade do mesmo, pois ele fazia uma destruição feroz e indiscriminada do povo. Mas ele poupou Agague, provavelmente para apreciar a glória de exibir um cativeiro tão distinto e, da mesma forma, as partes mais valiosas do saque, como o gado. Por essa obediência voluntária e parcial a um mandamento positivo (1Samuel 15:3), cumprindo-o em algumas partes e violando-o em outros, conforme adequado a seu próprio gosto e humor, Saul mostrou seu temperamento egoísta e arbitrário, e seu amor de poder despótico, e sua total inaptidão para desempenhar as funções de um rei delegado em Israel. [JFB]

9 E Saul e o povo pouparam a Agague, e o melhor das ovelhas, e ao gado maior, aos grossos e aos carneiros, e a todo o bom: que não o quiseram destruir: mas tudo o que era vil e fraco destruíram.

Comentário de Robert Jamieson

pouparam a Agague – Talvez para enaltecer o seu triunfo e ser uma prova da sua vitória (Juízes 1:7): talvez por um sentimento de simpatia com um outro rei (1Reis 20:32).

e o melhor das ovelhas… – Em violação direta do mandamento Divino. Era para ser uma guerra sagrada da qual o povo não tomaria nenhum ganho de despojo, em sinal de que foi empreendida na execução de uma vingança Divina e não para seu próprio benefício. [JFB, aguardando revisão]

Deus rejeita Saul por desobediência

10 E veio a palavra do SENHOR a Samuel, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) A palavra do Senhor veio a Samuel: “Arrependo-me de ter feito de Saul rei, pois ele se afastou de mim, e não armou (cumpriu) minha palavra”. (Sobre o arrependimento de Deus, ver as observações sobre Gênesis 6:6.) Que isto não expressa qualquer mudança na natureza divina, mas simplesmente a tristeza do amor divino na rebelião dos pecadores, é evidente o suficiente a partir de 1 Samuel 15:29. יי מאחרי שׁוּב, para deixar de seguir a Deus, a fim de seguir seus próprios caminhos. Este foi o verdadeiro pecado de Saul. Ele não seria mais o seguidor e servo do Senhor, mas seria o governante absoluto em Israel. O orgulho que surgiu da consciência de sua própria força, o levou a se desviar para quebrar o comando de Deus. O que mais Deus disse a Samuel não é comunicado aqui, porque poderia ser facilmente recolhido e fornecido a partir do que Samuel mesmo procedeu (ver mais particularmente 1 Samuel 15:16.). A fim de evitar repetições, apenas a principal característica da revelação divina é mencionada aqui, e os detalhes são dados integralmente em seguida no relato do cumprimento das instruções. Samuel estava profundamente agitado com esta palavra do Senhor. “Queimou (em) ele”, isto é, ira (אף, compare Gênesis 31:36 com Gênesis 30: 2), não por causa do arrependimento ao qual Deus havia se arrependido de ter ressuscitado Saul como rei, nem meramente pela desobediência de Saul, mas pela frustração do propósito de Deus em chamá-lo a ser rei em conseqüência de sua desobediência, da qual ele poderia justamente temer os piores resultados em relação à glória de Jeová e seus próprios trabalhos proféticos.

(Nota: “Muitos pensamentos graves parecem ter se apresentado imediatamente a Samuel e perturbaram sua mente, quando ele refletiu sobre a desonra que poderia ser colhida sobre o nome de Deus, e a ocasião que a rejeição e o depoimento de Saul proporcionaria aos homens maus por blasfemarem contra Deus. Pois Saul havia sido ungido pelo ministério de Samuel, e havia sido escolhido pelo próprio Deus de todo o povo, e chamado por Ele ao trono. Se, portanto, ele fosse deposto, pareceria provável que tanta coisa seria desviada da autoridade de Samuel e da confiança do povo em seus ensinamentos, e, além disso, que a adoração a Deus seria derrubada, e a maior perturbação se seguiria; de fato, que a confusão universal iria estourar sobre a nação. Estes foram provavelmente os motivos sobre os quais repousou a grande indignação de Samuel”. – Calvin).

A opinião de que ל יחר também é usado para significar uma profunda angústia não pode ser estabelecida a partir de 2Samuel 4:8. “E ele gritou a Jeová a noite inteira”, isto é, orando para que Saul fosse perdoado. Mas foi em vão. Isto é evidente pelo que se segue, onde Samuel mantém a causa de seu Deus com força e decisão, depois de ter lutado com Deus em oração. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Pesa-me de haver posto por rei a Saul, porque se desviou de me seguir, e não cumpriu minhas palavras. E entristeceu-se Samuel, e clamou ao SENHOR toda aquela noite.

Comentário de Robert Jamieson

O arrependimento é atribuído nas Escrituras ao SENHOR quando os homens maus Lhe dão motivo para alterar Seu curso e método de procedimento, e para tratá-los como se Ele tivesse “arrependido” da bondade demonstrada. Ao coração de um homem como Samuel, que estava acima de todas as considerações invejosas e realmente ligado ao rei, um anúncio tão doloroso moveu toda a sua piedade e levou-o a passar uma noite sem dormir de sincera intercessão. [JFB]

12 Madrugou logo Samuel para ir se encontrar com Saul pela manhã; e foi dado aviso a Samuel, dizendo: Saul veio ao Carmelo, e eis que ele se levantou um monumento, e depois voltando, passou e descido a Gilgal.

Comentário de Robert Jamieson

Saul veio ao Carmelo – no sul de Judá (Josué 15:55; 1Samuel 25:2).

onde ergueu um monumento – isto é, um pilar (2Samuel 18:18);

literalmente, uma mão, indicando que qualquer que fosse a forma do monumento, ele foi suplantado, de acordo com a moda antiga, pela figura de uma mão, o símbolo do poder e da energia. A ereção deste monumento vanglorioso foi um ato adicional de desobediência. Seu orgulho tinha dominado seu senso de dever ao levantar primeiro este monumento em sua honra, e depois ir a Gilgal para oferecer sacrifício a Deus. [JFB]

13 Veio, pois, Samuel a Saul, e Saul lhe disse: Bendito sejas tu do SENHOR; eu cumpri a palavra do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

Saul estava cego por um amor-próprio parcial e ilusório, ou ele estava, em sua declaração a Samuel, agindo como parte de um ousado e hipócrita ardiloso. Ele professou ter cumprido o mandamento divino e que a culpa de quaisquer defeitos na execução estava com o povo. Samuel viu o estado real do caso, e no cumprimento da comissão que recebera antes de partir, passou a denunciar sua conduta como caracterizada por orgulho, rebelião e obstinada desobediência. Quando Saul insistiu em declarar que obedecera, alegando que os animais, cujo balido havia sido ouvido, haviam sido reservados para um sacrifício liberal de ação de graças a Deus, sua resposta embaralhante e prevarica provocou uma severa repreensão do profeta. Bem merecia isso – pois o destino do despojo para o altar era um pretexto frágil – um grande engano, uma tentativa de esconder o egoísmo do motivo original sob o manto de zelo e gratidão religiosos. [JFB, aguardando revisão]

14 Samuel então disse: Pois que balido de gados e bramido de bois é este que eu ouço com meus ouvidos?

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15) Mas o profeta despojou sua hipocrisia imediatamente com a pergunta: “O que é então este balido de ovelhas em meus ouvidos, e um mugido de bois que ouço?” Saul respondeu (1Samuel 15:15): “Eles os trouxeram dos amalequitas, porque o povo poupou as melhores ovelhas e bois, para sacrificá-los ao Senhor teu Deus; e o resto nós banimos”. De modo que não foi Saul, mas o povo, que transgrediu a ordem do Senhor, e isso com a mais louvável intenção, em outras palavras, oferecer o melhor do gado que havia sido tomado, como agradecimento a o Senhor. A falsidade e a hipocrisia dessas palavras estão bem na superfície; pois mesmo que o gado poupado fosse realmente destinado a sacrifícios ao Senhor, não apenas o povo, mas também Saul, teriam seus próprios interesses em vista (vid., 1Samuel 15:9), uma vez que a carne das ofertas de graças era apropriado para refeições sacrificais. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E Saul respondeu: De Amaleque os trouxeram; porque o povo poupou ao melhor das ovelhas e das vacas, para sacrificá-las ao SENHOR teu Deus; mas destruímos o resto.

Comentário Barnes

Há algo completamente significante em sua tentativa de mudar a responsabilidade do que foi feito de seus próprios ombros reais para os do povo. Cada palavra pronunciada por Saul parece indicar a decomposição de seu caráter moral. [Barnes]

16 Então disse Samuel a Saul: Deixa-me declarar-te o que o SENHOR me disse esta noite. E ele lhe respondeu: Dize.

Comentário Barnes

Samuel agora consente na sabedoria e na justiça da sentença à qual (1Samuel 15:11) ele tinha resistido tão vigorosamente a princípio. O que antes era conhecido apenas pelo que conhece os corações, agora tinha sido mostrado a Samuel pelo próprio Saul. [Barnes]

17 E disse Samuel: Sendo tu pequeno em teus olhos não foste feito cabeça às tribos de Israel, e o SENHOR te ungiu por rei sobre Israel?

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) Samuel, portanto, pediu que ele ficasse em silêncio. הרף, “deixe-se disso”, desculpando-se ainda mais. “Eu te direi o que Jeová me disse esta noite”. (O Chethibh ויּאמרוּ é evidentemente um erro do copista para ויּאמר.) “Não é verdade que, quando eras pequeno aos teus olhos (uma referência às próprias palavras de Saul, 1Samuel 9:21), te tornaste chefe das tribos de Israel? e Jeová te ungiu rei sobre Israel, e Jeová te enviou pelo caminho, e disse: Vai e bane os pecadores, os amalequitas, e faze guerra contra eles, até exterminá-los. E por que tu não ouviste a voz de Jeová, e caíste sobre o espólio”, etc.? (תּעט, ver em 1Samuel 14:32).

Mesmo depois disso Saul quis se justificar e jogar a culpa de poupar o gado sobre o povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E enviou-te o SENHOR em jornada, e disse: Vai, e destrói os pecadores de Amaleque, e faze-lhes guerra até que os acabes.

Comentário Cambridge

os pecadores de Amaleque – O pecado era a base da sua perdição. O pecado especial que os destacou para punição foi a sua oposição à vontade de Deus no que diz respeito ao destino do seu povo Israel. [Cambridge]

19 Por que, pois, não ouviste a voz do SENHOR, mas em vez disso te voltaste ao despojo, e fizeste o que era mau aos olhos do SENHOR?

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) Samuel, portanto, pediu que ele ficasse em silêncio. הרף, “deixe-se disso”, desculpando-se ainda mais. “Eu te direi o que Jeová me disse esta noite”. (O Chethibh ויּאמרוּ é evidentemente um erro do copista para ויּאמר.) “Não é verdade que, quando eras pequeno aos teus olhos (uma referência às próprias palavras de Saul, 1Samuel 9:21), te tornaste chefe das tribos de Israel? e Jeová te ungiu rei sobre Israel, e Jeová te enviou pelo caminho, e disse: Vai e bane os pecadores, os amalequitas, e faze guerra contra eles, até exterminá-los. E por que tu não ouviste a voz de Jeová, e caíste sobre o espólio”, etc.? (תּעט, ver em 1Samuel 14:32).

Mesmo depois disso Saul quis se justificar e jogar a culpa de poupar o gado sobre o povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E Saul respondeu a Samuel: Antes ouvi a voz do SENHOR, e fui à jornada que o SENHOR me enviou, e trouxe a Agague rei de Amaleque, e destruí aos amalequitas:

Comentário Cambridge

Antes ouvi a voz do SENHOR – Saul ainda persiste em justificar sua conduta. (a) Ele cumpriu sua missão e destruiu os amalequitas, e trouxe Agague com ele como prova disso. (b) O povo tinha trazido para casa o despojo para sacrifício, não para si . [Cambridge]

21 Mas o povo tomou do despojo ovelhas e vacas, as primícias do anátema, para sacrificá-las ao SENHOR teu Deus em Gilgal.

Comentário Barnes

ao SENHOR teu Deus – Há uma censura implícita de Samuel nesta frase. Saul diz que Samuel o culpa pelo que foi feito em honra do Deus de Samuel; como se tivesse mais zelo pela glória de Deus do que Samuel sentiu. [Barnes]

22 E Samuel disse: Tem o SENHOR tanto contentamento com os holocaustos e vítimas, como em obedecer às palavras do SENHOR? Certamente o obedecer é melhor que os sacrifícios; e o prestar atenção que a gordura dos carneiros:

Comentário de Robert Jamieson

Tem o SENHOR tanto contentamento com os holocaustos e vítimas… – Samuel não deve ser considerado como de modo algum desprezando as ordenanças da lei mosaica. Os sacrifícios haviam sido indicados pela autoridade divina e, portanto, deveriam ser devidamente realizados. Mas eles eram meramente a expressão da fé e da piedade cultivadas pelos adoradores; e, sempre que a observância exterior era considerada de maior importância do que o sentimento interior ou o sentimento espiritual, havia uma perversão da religião que era desagradável a Deus. A obediência é o verdadeiro teste de uma confissão religiosa. [JFB]

23 Porque como pecado de adivinhação é a rebelião, e como ídolos e idolatria o infringir. Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou para que não sejas rei.

Comentário de Robert Jamieson

Porque como pecado de adivinhação é a rebelião, e como ídolos e idolatria o infringir – Supondo que haviam terafins na família de Saul (1Samuel 19:13), e que Samuel sabia disso, estas palavras têm um ponto e significado que deve ter sido profundamente percebido. [JFU]

24 Então Saul disse a Samuel: Eu pequei; porque violei o dito do SENHOR e tuas palavras, porque temi ao povo, consenti à voz deles. Perdoa, pois, agora meu pecado,

Comentário de Robert Jamieson

O monarca errante, mas orgulhoso e obstinado, foi humilhado agora. Ele estava com a consciência ferida no momento, mas sua confissão não procedia do arrependimento sincero, mas do senso de perigo e desejo de evitar a sentença denunciada contra ele. Por causa da aparência pública, ele implorou a Samuel que não permitisse que suas sérias diferenças ocorressem, mas que se unissem a ele em um ato público de adoração. Sob a influência de seus sentimentos dolorosamente agitados, ele planejou oferecer sacrifícios, em parte para expressar sua gratidão pela recente vitória, e em parte para implorar misericórdia e uma reversão de sua condenação. Era, de outro ângulo, um esquema político, que Samuel poderia ser traído em uma defesa de seu projeto ao reservar o gado para o sacrifício. Samuel se recusou a acompanhá-lo.

Tive medo dos soldados e lhes atendi – essa era uma razão diferente da que ele havia designado. Era a linguagem de um homem levado às extremidades, e mesmo se fosse verdade, os princípios expostos por Samuel mostravam que não poderia ter havido atenuação da ofensa. O profeta então pronunciou a sentença irreversível da rejeição de Saul e sua família. Ele foi cortado judicialmente por sua desobediência. [JFB, aguardando revisão]

25 E volta comigo para que adore ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

O monarca errante, mas orgulhoso e obstinado não foi humilhado. Por ora, ele estava com a consciência confusa; mas sua confissão não partiu de um arrependimento sincero, mas de uma sensação de perigo e desejo de evitar a sentença denunciada contra ele. Por uma questão de aparência pública, ele rogou a Samuel que não permitisse que as suas sérias divergências acontecessem, mas que se juntasse a ele em um ato público de adoração. Sob a influência dos seus sentimentos dolorosamente agitados, ele pretendia oferecer sacrifício, em parte para expressar a sua gratidão pela vitória recente e, em parte, para implorar misericórdia e uma reversão da sua desgraça. Foi, por outro lado, um esquema político, que Samuel poderia ser traído em um reconhecimento de seu projeto de reservar o gado para o sacrifício. Samuel recusou-se a acompanhá-lo. [JFU]

26 E Samuel respondeu a Saul: Não voltarei contigo; porque rejeitaste a palavra do SENHOR, e o SENHOR te rejeitou para que não sejas rei sobre Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-29) Este pedido Samuel recusou, repetindo ao mesmo tempo a sentença de rejeição, e virou-se para partir. “Então Saul segurou a lapela de seu manto (ou seja, sua roupa superior), e rasgou” (lit. foi arrancado). Que o Nifal ויּקּרע está correto, e não deve ser alterado para אתהּ ויּקרע, “Saul arrancou a lapela”, de acordo com a tradução da Septuaginta, como Tenius supõe, é evidente a partir da explicação que Samuel deu sobre a ocorrência (1Samuel 15:28): “Jeová rasgou de ti hoje a soberania de Israel, e a deu ao teu próximo, que é melhor do que tu”. Como Saul estava prestes a reter o profeta à força, para que ele pudesse obter dele a revogação da sentença divina, o rasgo do manto, que ocorreu acidentalmente, e evidentemente sem qualquer intenção por parte de Saul, foi para servir como um sinal de que lhe foi arrancada a soberania. Samuel ainda não sabia a quem Jeová o daria; ele, portanto, usou a expressão לרעך, pois רע é aplicado a qualquer pessoa com quem uma pessoa se associa. Para confirmar suas próprias palavras, ele acrescenta em 1Samuel 15:29: “E também a confiança de Israel não mente e não se arrepende, pois não é homem para se arrepender”. נצח significa constância, resistência, depois confiança, confiança, porque um homem pode confiar no que é constante. Este significado deve ser mantido aqui, onde a palavra é usada como um nome para Deus, e não o significado gloria, que é tirado em 1 Crônicas 29:11 do uso da linguagem aramaica, e seria totalmente inadequado aqui, onde o O contexto sugere a ideia de imutabilidade. Pois o arrependimento ou arrependimento de um homem surge de sua mutabilidade, das flutuações em seus desejos e ações. Este nunca é o caso de Deus; conseqüentemente Ele é ישׂראל נצח, o imutável, em quem Israel pode confiar, visto que Ele não mente ou engana, ou se arrepende de Seus propósitos. Essas palavras são ditas θεοπρεπῶς (teomorficamente), enquanto em 1Samuel 15:11 e outras passagens, que falam de Deus como se arrependendo, as palavras devem ser entendidas ἀνθρωποπαθῶς (antropomorficamente; compare com Números 23:19). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 E voltando-se Samuel para ir-se, ele lançou mão da orla de sua capa, e rasgou-se.

Comentário de Robert Jamieson

ele lançou mão da orla de sua capa – a túnica superior, o manto oficial. Em uma agonia de excitação mental, ele se apossou da vestimenta do profeta para detê-lo; o rasgar do manto (1Samuel 15:27) foi habilmente apontado como uma representação significativa e mística de sua separação do trono. [JFB]

28 Então Samuel lhe disse: o SENHOR rasgou hoje de ti o reino de Israel, e o deu a teu próximo melhor que tu.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-29) Este pedido Samuel recusou, repetindo ao mesmo tempo a sentença de rejeição, e virou-se para partir. “Então Saul segurou a lapela de seu manto (ou seja, sua roupa superior), e rasgou” (lit. foi arrancado). Que o Nifal ויּקּרע está correto, e não deve ser alterado para אתהּ ויּקרע, “Saul arrancou a lapela”, de acordo com a tradução da Septuaginta, como Tenius supõe, é evidente a partir da explicação que Samuel deu sobre a ocorrência (1Samuel 15:28): “Jeová rasgou de ti hoje a soberania de Israel, e a deu ao teu próximo, que é melhor do que tu”. Como Saul estava prestes a reter o profeta à força, para que ele pudesse obter dele a revogação da sentença divina, o rasgo do manto, que ocorreu acidentalmente, e evidentemente sem qualquer intenção por parte de Saul, foi para servir como um sinal de que lhe foi arrancada a soberania. Samuel ainda não sabia a quem Jeová o daria; ele, portanto, usou a expressão לרעך, pois רע é aplicado a qualquer pessoa com quem uma pessoa se associa. Para confirmar suas próprias palavras, ele acrescenta em 1Samuel 15:29: “E também a confiança de Israel não mente e não se arrepende, pois não é homem para se arrepender”. נצח significa constância, resistência, depois confiança, confiança, porque um homem pode confiar no que é constante. Este significado deve ser mantido aqui, onde a palavra é usada como um nome para Deus, e não o significado gloria, que é tirado em 1 Crônicas 29:11 do uso da linguagem aramaica, e seria totalmente inadequado aqui, onde o O contexto sugere a ideia de imutabilidade. Pois o arrependimento ou arrependimento de um homem surge de sua mutabilidade, das flutuações em seus desejos e ações. Este nunca é o caso de Deus; conseqüentemente Ele é ישׂראל נצח, o imutável, em quem Israel pode confiar, visto que Ele não mente ou engana, ou se arrepende de Seus propósitos. Essas palavras são ditas θεοπρεπῶς (teomorficamente), enquanto em 1Samuel 15:11 e outras passagens, que falam de Deus como se arrependendo, as palavras devem ser entendidas ἀνθρωποπαθῶς (antropomorficamente; compare com Números 23:19). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 E também o Poderoso de Israel não mentirá, nem se arrependerá: porque não é homem para que se arrependa.

Comentário de Robert Jamieson

o Poderoso de Israel – A Força de Israel não mentirá – a Glória de Israel, o Objeto da confiança de Israel, Aquele que dá vitória a Israel (conferir 1Crônicas 29:11), não mentirá nem se arrependerá – ou seja, como Josefo o expressa (Antiguidades), “Deus perseverará no que Ele decretou a teu respeito: ser mutável e inconstante no que é determinado só é agradável às paixões humanas, mas não é agradável à majestade divina”. Esta foi uma nova repreensão do orgulho de Saul em criar o monumento do Carmelo, e uma sugestão de que nenhuma perda seria sustentada em Israel por sua rejeição. [JFU]

30 E ele disse: Eu pequei: mas rogo-te que me honres diante dos anciãos de meu povo, e diante de Israel; e volta comigo para que adore ao SENHOR teu Deus.

Comentário Barnes

A obstinação com que Saul se apega a Samuel em busca de apoio é um testemunho marcante da integridade de Samuel. Com toda a sua mentalidade mundana, Saul pôde perceber e apreciar a pureza do caráter de Samuel como um homem de Deus.

O SENHOR teu Deus – Como acima em 1Samuel 15:15. [Barnes]

31 E voltou Samuel atrás de Saul, e Saul adorou ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

E voltou Samuel atrás de Saul – não para adorá-lo junto com ele; mas primeiro, para que o povo pudesse não ter fundamento, sob pretexto da rejeição de Saul, para retirar a sua lealdade a ele; e, em segundo lugar, para compensar o erro de Saul, executando o julgamento de Deus sobre Agague. [JFB]

32 Depois disse Samuel: Trazei-me a Agague rei de Amaleque. E Agague veio a ele delicadamente. E disse Agague: Certamente se passou a amargura da morte.

Comentário de Robert Jamieson

E Agague veio a ele delicadamente – ou alegremente, desde que ele ganhou o favor e proteção do rei. [JFB]

33 E Samuel disse: Como tua espada deixou as mulheres sem filhos, assim tua mãe será sem filho entre as mulheres. Então Samuel cortou em pedaços a Agague diante do SENHOR em Gilgal.

Comentário de Robert Jamieson

Então Samuel cortou em pedaços a Agague – Este tirano cruel encontrou a retribuição de uma justa Providência. Nunca foi incomum para grandes personalidades ou figuras oficiais no Oriente realizarem execuções com suas próprias mãos. Samuel fez isso “diante do Senhor” em Gilgal, escolhendo o mesmo modo de punição (até então desconhecido em Israel) para ser usado com ele, que ele havia usado anteriormente com outros. [JFB]

34 Foi-se logo Samuel a Ramá, e Saul subiu a sua casa em Gibeá de Saul.

Comentário de Keil e Delitzsch

(34-35) Depois de o profeta ter assim mantido os direitos de Jeová na presença de Saul, e executado a proscrição de Agague, ele voltou para sua própria casa em Ramá; e Saul foi para sua casa em Gibeá. Daquele tempo em diante, Samuel interrompeu todas as relações com o rei a quem Jeová havia rejeitado. “Pois Samuel se entristeceu por Saul, e o Senhor se arrependeu de ter feito Saul rei”, isto é, porque Samuel havia amado Saul por causa de sua eleição anterior; e, no entanto, visto que Jeová o havia rejeitado incondicionalmente, ele sentiu que estava impedido de fazer qualquer coisa para efetuar uma mudança de coração em Saul e sua reintegração como rei. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

35 E nunca depois viu Samuel a Saul em toda sua vida: e Samuel chorava por Saul: mas o SENHOR se havia se arrependido de haver posto a Saul por rei sobre Israel.

Comentário de Robert Jamieson

E nunca depois viu Samuel a Saul em toda sua vida – Em um momento posterior, quando em perseguição a Davi, Saul veio diante de Samuel (1Samuel 19:24), mas não achamos que Samuel tivesse qualquer associação com ele. Então essa conversa em Gilgal foi a última que o profeta teve com o rei desobediente. [JFB, aguardando revisão]

<1 Samuel 14 1 Samuel 16>

Introdução à 1Samuel 15

Como Saul havia transgredido o mandamento de Deus que lhe foi dado por meio de Samuel, pelo sacrifício que ele ofereceu em Gilgal na guerra com os filisteus no início de seu reinado, e assim atraiu sobre si a ameaça de que sua monarquia deveria não continuar em perpetuidade (1Samuel 13:13-14); assim sua desobediência na guerra contra os amalequitas foi seguida por sua rejeição por parte de Deus. Os amalequitas foram a primeira nação pagã a atacar os israelitas após sua libertação do Egito, o que fizeram da maneira mais traiçoeira em sua jornada do Egito ao Sinai; e eles foram ameaçados por Deus com extermínio em consequência. Isso Moisés ordenou a Josué, e também se comprometeu a escrever, para os israelitas observarem em todas as gerações futuras (Êxodo 17:8-16). Como os amalequitas depois manifestaram a mesma hostilidade ao povo de Deus que haviam demonstrado neste primeiro ataque, em todas as ocasiões que pareciam favoráveis ​​à sua devastação, o Senhor instruiu Samuel a dar a ordem a Saul, para travar guerra contra Amaleque, e para ferir homens e animais com a proibição, ou seja, para matar todos (1Samuel 15:1-3). Mas quando Saul os feriu, ele não apenas deixou o rei Agague vivo, mas poupou o melhor do gado que ele havia tomado como despojo, e apenas executou a proibição de animais que não tinham valor (1Samuel 15:4-9). Ele foi rejeitado pelo Senhor por essa desobediência, de modo que não deveria mais ser rei sobre Israel. Sua rejeição foi anunciada a ele por Samuel (1Samuel 15:10-23), e não foi retratada apesar de sua oração pelo perdão de seu pecado (1Samuel 15:24-35). De fato, Saul não tinha desculpa para essa violação da ordem divina; não foi nada além de rebelião aberta contra a soberania de Deus em Israel; e se Jeová continuar Rei de Israel, Ele deve puni-lo com a rejeição do rebelde. Pois Saul não desejava mais ser o meio da soberania de Jeová, ou o executor dos mandamentos do Deus-rei, mas simplesmente queria reinar de acordo com sua própria vontade arbitrária. No entanto, essa rejeição não foi seguida por sua deposição externa. O Senhor meramente tirou Seu Espírito, fez Davi ungir rei por Samuel, e daí em diante dirigiu os passos de Saul e Davi, que com o passar do tempo os corações do povo foram desviados cada vez mais de Saul para Davi; e com a morte de Saul, a tentativa do ambicioso Abner de elevar seu filho Isbosete ao trono não poderia ter nenhum sucesso duradouro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de 1Samuel

Em 1 Samuel, “Deus relutantemente levanta reis para governar os israelitas. O primeiro é um fracasso e o segundo, Davi, é um substituto fiel”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.