Salmo 50

1 (Salmo de Asafe:) Deus, o SENHOR Deus fala e chama a terra, desde onde o sol nasce até onde ele se põe.

Comentário Barnes

Deus, o SENHOR Deus – Mesmo “Yahweh”, pois esta é a palavra original. A Septuaginta e a Vulgata traduzem isso como “O Deus dos deuses, o Senhor”. DeWette traduz:”Deus, Deus Jeová fala”. Prof. Alexander, “O Todo-Poderoso, Deus, Jeová, fala;” e observa que a palavra “poderoso” não é um adjetivo concordando com a palavra seguinte (“o Deus poderoso”), mas um substantivo em aposição com ela. A ideia é que quem fala é o verdadeiro Deus; o Supremo Governante do universo. É “aquele” Deus que tem o direito de chamar o mundo a julgamento e que tem poder para executar sua vontade.

fala. Ou seja, o salmista o representa como agora falando e chamando o mundo para o julgamento.

e chama a terra – Dirigiu-se a todos os habitantes do mundo; todos os habitantes da terra.

desde onde o sol nasce até onde ele se põe – Do lugar onde o sol parece nascer, para o lugar onde parece se pôr; ou seja, todo o mundo. Compare as notas em Isaías 59:19 . Veja também Malaquias 1:11 ; Salmo 113:3 . A chamada é feita para toda a terra; para toda a raça humana. A cena é imaginária como representada pelo salmista, mas é baseada em uma representação verdadeira do que ocorrerá – do julgamento universal, quando todas as nações serão convocadas a comparecer perante o Juiz final. Veja Mateus 25:32 ; Apocalipse 20:11-14 . [Barnes, aguardando revisão]

2 Desde Sião, a perfeição da beleza, Deus mostra seu imenso brilho.

Comentário Whedon

Desde Sião. O lugar e fonte da autoridade suprema.

a perfeição da beleza. Não deve ser tomada fisicamente, mas moralmente, como a morada de Deus. Leia também Salmo 48:2. [Whedon]

3 Nosso Deus virá, e não ficará calado; fogo queimará adiante dele, e ao redor dele haverá grande tormenta.

Comentário Whedon

É uma alusão a Lv 10:2; Nm 16:26. Ver Sl 97:3.

grande tormenta. Como as cenas terríveis do Sinai, Êx 19:16. Compare com Salmo 18.8-14. [Whedon]

4 Ele chamará aos céus do alto, e à terra, para julgar a seu povo.

alto – literalmente, “acima” (Gênesis 1:7).

céusterra – Pois todas as criaturas são testemunhas (Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 30:19; Isaías 1:2).

5 Ajuntai-me meus santos, que confirmam meu pacto por meio de sacrifício.

Comentário Barnes

Ajuntai-me meus santos – Este é um discurso para os mensageiros empregados para reunir aqueles que serão julgados. Linguagem semelhante é usada pelo Salvador Mateus 24:31 :”E ele (o Filho do Homem) enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e eles ajuntarão os seus eleitos dos quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro.” A ideia é que Deus os trará ou os reunirá. Tudo isso é linguagem derivada da noção de um julgamento universal, “como se” o povo de Deus disperso fosse assim reunido por mensageiros especiais enviados para este propósito. A palavra “santos” aqui se refere àqueles que são verdadeiramente seu povo. O objetivo – o propósito – do julgamento é reunir no céu aqueles que são sinceramente seus amigos; ou,Mateus 24:31 , seu “eleito”. No entanto, para isso, ou para determinar quem “é” seu verdadeiro povo, haverá uma reunião maior – uma reunião de todos os habitantes da terra.

que confirmam meu pacto por meio de sacrifício – Êxodo 24:6-7 . Compare as notas em Hebreus 9:19-22. A ideia aqui é que eles são o professo povo de Deus; que eles entraram em uma relação de aliança solene com ele, ou se comprometeram da maneira mais solene a ser dele; que eles fizeram isso em conexão com os sacrifícios que acompanham sua adoração; que trouxeram seus sacrifícios ou ofertas sangrentas como uma garantia de que pretendem ser seus e serão seus. Por causa desses sacrifícios solenes feitos a ele, eles se comprometeram a ser do Senhor; e o propósito do julgamento agora é determinar se isso foi sincero e se eles foram fiéis a seus votos. Aplicado aos crentes professos sob o sistema cristão, a “idéia” aqui apresentada seria que o voto de ser do Senhor foi feito sobre o corpo e sangue do Redentor, uma vez oferecido como sacrifício, e que, participando dos memoriais desse sacrifício, eles fizeram um solene “pacto” de ser dele. Nada mais solene pode ser concebido do que um “pacto” ou penhor feito dessa maneira; e, no entanto, nada é mais dolorosamente certo do que o processo de um julgamento será necessário para determinar em quais casos ele é genuíno, pois o mero ato externo, não importa quão solene, não necessariamente decide se aquele que o executa irá entre no céu. [Barnes, aguardando revisão]

6 E os céus anunciarão sua justiça, pois o próprio Deus é o juiz. (Selá)

Comentário de A. R. Fausset

Os habitantes do céu, que conhecem bem o caráter de Deus, afirmam a Sua justiça como juiz. [JFB]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

7 Ouve, povo meu, e eu falarei; eu darei testemunho contra ti, Israel; eu sou Deus, o teu Deus.

Comentário Barnes

Ouve, povo meu, e eu falarei – o próprio Deus é agora apresentado como falando e declarando os princípios sobre os quais o julgamento ocorrerá. Os versículos anteriores são introdutórios ou têm o objetivo de trazer à mente a cena do julgamento. A cena solene agora se abre, e o próprio Deus fala, especialmente repreendendo a disposição de confiar nas meras formas da religião, enquanto sua espiritualidade e seu poder são negados. O propósito do todo é, perguntando como essas coisas aparecerão no julgamento, implicar a vaidade de “meras” formas de religião agora. O endereço particular é feito ao “povo” de Deus, ou a “Israel”, porque o propósito do salmista era repreender a tendência prevalecente de confiar em formas externas.

eu darei testemunho contra ti – No julgamento. Em vista dessas cenas, e como “naquele” tempo, “agora” prestarei este solene testemunho contra os pontos de vista que você nutre sobre o assunto da religião e as práticas que prevalecem em sua adoração.

eu sou Deus, o teu Deus – eu sou o Deus verdadeiro e, portanto, tenho o direito de falar; Eu sou “teu” Deus – o Deus que tem sido o Protetor de teu povo – reconhecido como o Deus da nação – e, portanto, reivindico o direito de declarar os grandes princípios que pertencem à verdadeira adoração e que constituem a verdadeira religião. [Barnes, aguardando revisão]

8 Eu não te repreenderei por causa de teus sacrifícios, porque teus holocaustos estão continuamente perante mim.

Comentário Barnes

Eu não te repreenderei por causa de teus sacrifícios, porque teus holocaustos – Sobre as palavras “sacrifícios” e “holocaustos” aqui usados, veja as notas em Is 1:11. O significado é:“Eu não o reprovo ou repreendo com respeito à retenção de sacrifícios. Eu não te acuso por negligenciar a oferta de tais sacrifícios. Não acuso a nação de indiferença em relação aos ritos externos ou deveres da religião. Não é com base nisso que você deve ser culpado ou condenado, pois esse dever é exterior e publicamente executado. Não digo que tais ofertas sejam erradas; Não digo que tenha havido qualquer falha nos deveres externos de adoração. A acusação – a reprovação – diz respeito a outros assuntos; à falta de um espírito adequado, à recusa do coração, em conexão com tais ofertas. ”

estão continuamente perante mim – As palavras “ter estado” são inseridas pelos tradutores e enfraquecem o sentido. A ideia simples é que suas ofertas “estavam” continuamente diante dele; isto é, eles eram feitos constantemente. Ele não tinha nenhuma acusação de negligência a esse respeito para trazer contra eles. A inserção das palavras “ter sido” pareceria implicar que, embora eles tivessem negligenciado esse rito externo, era uma questão sem conseqüências; enquanto que o significado simples é que eles “não eram” responsáveis ​​por essa negligência, ou que “não havia” causa de reclamação neste ponto. Foi por outros motivos que a acusação foi apresentada contra eles. Era, como mostram os versos a seguir, porque eles supunham que havia um “mérito” especial em tais ofertas; porque supunham que colocavam a obrigação de Deus por ofertas tão constantes e tão caras, como se já não pertencessem a ele, ou como se ele precisasse delas; e porque, enquanto faziam isso, retiveram a própria oferta que ele exigia, e sem a qual todos os outros sacrifícios seriam em vão e sem valor – um coração sincero, humilde e agradecido. [Barnes, aguardando revisão]

9 Não tomarei bezerro de tua casa, nem bodes de teus currais;

Comentário Barnes

Não tomarei bezerro de tua casa – Bois eram oferecidos regularmente no serviço e sacrifício hebraico Êxodo 29:11 , Êxodo 29:36 ; Levítico 4:4 ; 1 Reis 18:23 , 1 Reis 18:33 ; e é com referência a isso que a linguagem é usada aqui. Em obediência à lei, era certo e apropriado oferecer tais sacrifícios; e o objetivo aqui não é expressar desaprovação dessas ofertas em si consideradas. Sobre este assunto – sobre o cumprimento externo da lei a este respeito – Deus diz Salmos 50:8que ele não tinha motivo para reclamar deles. Foi apenas com respeito ao desígnio e ao espírito com que fizeram isso, que a linguagem neste versículo e nos versos seguintes é usada. A ideia sugerida por esses versículos é que Deus não “precisava” de tais ofertas; que eles não deveriam ser feitos “como se” ele precisasse deles; e que, se ele precisasse, não seria “dependente” deles, pois todos os animais da terra e todas as aves das montanhas eram dele e podiam ser capturados para esse propósito; e que se ele tomasse o que se dizia ser deles – os bois e as cabras – ele não os prejudicava, pois todos eram seus, e ele reivindicou apenas os seus.

nem bodes de teus currais – Bodes também eram oferecidos em sacrifício. Levítico 3:12 ; Levítico 4:24 ; Levítico 10:16 :Números 15:27. [Barnes, aguardando revisão]

10 Porque todo animal das matas é meu, e também os milhares de animais selvagens das montanhas.

Comentário Barnes

Porque todo animal das matas é meu – Todos os animais que vagam livremente no deserto; todos os que estão indomados e não reclamados pelo homem. A ideia é que, mesmo que Deus “precisasse” de tais ofertas, ele não dependia delas – pois os incontáveis ​​animais que vagavam soltos como seus próprios dariam um amplo suprimento.

e também os milhares de animais selvagens das montanhas – Isso pode significar tanto o gado que vagava aos milhares nas colinas, ou o gado em inúmeras colinas. O hebraico suportará qualquer uma das construções. O primeiro é provavelmente o significado. A alusão é provavelmente aos animais que pastavam em grande número nas colinas e que eram reivindicados pelos homens. A ideia é que todos – sejam selvagens ou domesticados – pertenciam a Deus, e ele tinha o direito de dispor deles como quisesse. Ele não era, portanto, de forma alguma dependente de sacrifícios. É um pensamento lindo e impressionante que a “propriedade” em todos esses animais – em todas as coisas vivas na terra – está em Deus, e que ele tem o direito de dispor deles como quiser. O que o homem possui, ele possui sob Deus, e não tem o direito de reclamar quando Deus vem e faz valer sua pretensão superior de dispor disso a seu bel-prazer. Deus nunca deu ao homem a propriedade absoluta em “qualquer” coisa; nem invade nossos direitos quando vem e reclama o que possuímos, ou quando de alguma forma remove o que é mais valioso para nós. Comparar Jó 1:21. [Barnes, aguardando revisão]

11 Conheço todas as aves das montanhas, e as feras do campo estão comigo.

Comentário de A. R. Fausset

Conheço todas as aves. Conhecimento e propriedade andam juntos; a onisciência está inseparavelmente ligada com eu conheço todas as aves. Conhecimento e propriedade andam juntos; a Onisciência está inseparavelmente ligada à Onipotência e ao domínio universal.

e as feras do campo estão comigo. Estão imediatamente na minha mente e à minha disposição. [JFU]

12 Se eu tivesse fome, não te diria, porque meu é o mundo, e tudo o que nele há.

Comentário de A. R. Fausset

No entanto, o Senhor Todo-Poderoso condescende em lidar conosco como se pudesse receber um benefício de nossas mãos. Compare Lucas 19:31, onde os discípulos são orientados a dizer ao dono do jumentinho:“O Senhor precisa dele”. Esta é a Sua graça para nós, que, embora ofereçamos tudo a Ele, não é a Ele que beneficiamos, mas a nós mesmos  (At 17:25). [JFU]

13 Comeria eu carne de touros, ou beberia sangue de bodes?

Comentário Barnes

Diz-se que isso mostra ainda mais o absurdo das opiniões que parecem ter prevalecido entre aqueles que ofereciam sacrifícios. Eles os ofereceram “como se” fossem necessários a Deus; “Como se” eles o obrigassem; “Como se” de alguma forma contribuíssem para sua felicidade ou fossem essenciais para seu bem-estar. A única suposição em que isso poderia ser verdade era que ele precisava da carne de um para se alimentar e do sangue do outro para beber; ou que ele foi sustentado como as criaturas são. No entanto, essa era uma suposição que, quando formulada de maneira formal, deve ser imediatamente considerada absurda; e daí a questão enfática neste versículo. Pode servir para ilustrar isso, também, observar que, entre os pagãos, prevalecia sem dúvida a opinião de que os deuses comiam e bebiam o que lhes era oferecido em sacrifício; ao passo que a verdade era que essas coisas eram consumidas pelos sacerdotes que frequentavam os altares pagãos e conduziam as devoções dos templos pagãos e que descobriam que isso contribuía muito para seu próprio sustento e muito para garantir a liberalidade do povo, para manter a impressão de que o que assim foi oferecido foi consumido pelos deuses. Deus apela aqui para seu próprio povo desta maneira fervorosa porque era para se presumir que “eles” tinham concepções mais elevadas dele do que os pagãos; e que, esclarecidos como eram, não podiam por um momento supor que essas ofertas fossem necessárias para ele. Esta é uma das passagens do Antigo Testamento que implica que Deus é um Espírito e que, como tal, ele deve ser adorado em espírito e em verdade. Compare Jo 4:24. [Barnes, aguardando revisão]

14 Oferece a Deus sacrifício de louvor, e paga ao Altíssimo os teus votos.

Comentário Barnes

Oferece a Deus sacrifício de louvor – A palavra traduzida como “oferta” neste lugar – זבח zâbach – significa propriamente “sacrifício”. Portanto, é traduzido pela Septuaginta, θῦσον soon – e pela Vulgata, “imola”. A palavra é usada, sem dúvida, com propósito – para mostrar qual era o “tipo” de sacrifício com o qual Deus se agradaria e que ele aprovaria. Não era o mero “sacrifício” de animais, como eles comumente entendiam o termo; não era a mera apresentação dos corpos e do sangue de animais mortos; era uma oferta que procedia do coração e que expressava gratidão e louvor. Isso não deve ser entendido como implicando que Deus não exigiu ou aprovou a oferta de sacrifícios sangrentos, mas como implicando que um sacrifício maior era necessário; que estes seriam vãos e sem valor, a menos que fossem acompanhados com as ofertas do coração; e que sua adoração, mesmo em meio às formas externas, deveria ser uma adoração espiritual.

e paga ao Altíssimo os teus votos – ao verdadeiro Deus, o Ser mais exaltado do universo. A palavra “votos” aqui – נדר neder – significa propriamente um voto ou promessa; e então, uma coisa jurada; uma oferta votiva, um sacrifício. A ideia parece ser que a verdadeira noção a ser atribuída aos sacrifícios que foram prescritos e exigidos era que eles deveriam ser considerados como expressões de sentimentos e propósitos internos; de penitência; de um profundo senso de pecado; de gratidão e amor; e que o desígnio de tais sacrifícios não era cumprido a menos que os “votos” ou propósitos piedosos implícitos na própria natureza dos sacrifícios e ofertas fossem cumpridos na vida e conduta. Eles não deveriam, portanto, vir meramente com essas ofertas, e então sentir que todo o propósito da adoração foi cumprido. Eles deveriam realizar o verdadeiro desígnio deles por vidas correspondendo com a idéia pretendida por tais sacrifícios – vidas cheias de penitência, gratidão, amor, obediência, submissão, devoção. Isso só poderia ser uma adoração aceitável. Compare as notas emIsaías 1:11-17 . Veja também Salmos 76:11 ; Eclesiastes 5:5. [Barnes, aguardando revisão]

15 E clama a mim no dia da angústia; e eu te farei livre, e tu me glorificarás.

Comentário Barnes

E clama a mim no dia da angústia – Esta é uma parte da verdadeira religião tão verdadeira quanto o louvor, Salmo 50:14 . Esse também é o dever e o privilégio de todos os verdadeiros adoradores de Deus. Fazer isso mostra onde está o coração, tão realmente quanto atos diretos de louvor e ação de graças. O objetivo de tudo o que é dito aqui é mostrar que a verdadeira religião – o serviço adequado a Deus – não consiste na mera oferta de sacrifício, mas que é de natureza espiritual, e que a oferta de sacrifício não tem valor a menos que seja acompanhado por atos correspondentes de religião espiritual, mostrando que o coração tem uma apreciação adequada das misericórdias de Deus, e que verdadeiramente confia nele. Essa espiritualidade na religião é expressa por atos de louvor Salmo 50:14; mas também é claramente expresso no Salmo 50:15 , indo a Deus em tempos de angústia, e rolando os fardos da vida em seu braço, e buscando consolação nele.

e eu te farei livre – eu te livrarei da angústia. Isso vai ocorrer (a) seja nesta vida, de acordo com as frequentes promessas de sua palavra (compare as notas do Salmo 46:1 ); ou (b) totalmente no mundo futuro, onde todos os que amam a Deus serão completamente e para sempre libertos de todas as formas de tristeza.

e tu me glorificarás – isto é, tu me honrarás, ou me honrarás, vindo assim a mim com confiança no dia da calamidade. Não há maneira de honrarmos mais a Deus, ou mostrarmos mais claramente que realmente confiamos nele, do que ir a ele quando tudo parece escuro; quando seus próprios caminhos e procedimentos são totalmente incompreensíveis para nós, e entregando tudo em suas mãos. [Barnes, aguardando revisão]

16 Mas Deus diz ao perverso:Para que tu recitas meus estatutos, e pões meu pacto em tua boca?

Comentário Barnes

Mas Deus diz ao perverso – Isso começa uma segunda parte do assunto. Veja a introdução. Até agora, o salmo fazia referência àqueles que eram meramente adoradores externos, ou meros formalistas, como mostrando que tais não poderiam ser aprovados e aceitos no dia do julgamento; que a religião espiritual – a oferta do “coração” – era necessária para ser aceita por Deus. Nesta parte do salmo, os mesmos princípios são aplicados àqueles que realmente “violam” a lei que professam receber como prescrevendo as regras da religião verdadeira, e que professam ensinar a outros. O propósito do salmo não é meramente reprovar a massa do povo como meros formalistas na religião, mas especialmente reprovar os líderes e professores do povo, que, sob a forma de religião, entregaram-se a um curso de vida totalmente inconsistente com o verdadeiro serviço a Deus. O endereço aqui, portanto, é para aqueles que, embora professassem ser professores de religião e liderar a devoção dos outros, se entregaram a vidas abandonadas.

Para que tu – Que direito tens de fazer isso? Como podem as pessoas, que levam essas vidas, fazer isso de forma consistente e adequada? A idéia é que aqueles que professam declarar a lei de um Deus santo devem ser santos; que aqueles que professam ensinar os princípios e doutrinas da religião verdadeira devem ser eles próprios exemplos de pureza e santidade.

recitas meus estatutos – Minhas leis. Isso evidentemente se refere mais ao ensino de outros do que à profissão de sua própria fé. A linguagem seria aplicável aos sacerdotes sob o sistema judaico, dos quais se esperava que não apenas conduzissem os serviços religiosos externos, mas também instruíssem o povo; para explicar os princípios da religião; para ser os guias e professores dos outros. Compare Malaquias 2:7 . Há uma semelhança notável entre a linguagem usada nesta parte do salmo Salmos 50:16-20 e a linguagem do apóstolo Paulo em Romanos 2:17-23 ; e parece provável que o apóstolo naquela passagem tinha essa parte do salmo em seus olhos. Veja as notas dessa passagem.

e pões meu pacto em tua boca? – seja como professando fé nele, e um propósito para ser governado por ele – ou, mais provavelmente, como explicando-o a outros. A “” aliança “” aqui é equivalente à “lei” de Deus, ou aos princípios de sua religião; e a ideia é que aquele que se propõe a explicar isso aos outros, seja ele mesmo um homem santo. Ele não pode ter nenhum “direito” de tentar explicá-lo, se for o contrário; ele não pode esperar ser “capaz” de explicá-lo, a menos que ele mesmo veja e aprecie sua verdade e beleza. Isso é tão verdadeiro agora para o Evangelho quanto era para a lei. Um homem ímpio não pode ter o direito de realizar a obra do ministério cristão, nem pode ser capaz de explicar a outros o que ele mesmo não entende. [Barnes, aguardando revisão]

17 Pois tu odeias a repreensão, e lança minhas palavras para detrás de ti.

Comentário Barnes

Pois tu odeias a repreensão. Ou seja, Ele não está disposto a ser ensinado. Ele não aprenderá a verdadeira natureza da religião, e ainda assim ele supõe instruir os outros.

e lança minhas palavras para detrás de ti. Ele as tratou com desprezo, ou como indignas de atenção. Ele não as considerava dignas de serem “retidas”, mas as jogou fora desprezando-as com indiferença. [Barnes]

18 Se vês ao ladrão, tu consentes com ele; e tens tua parte com os adúlteros.

Comentário de A. R. Fausset

Se vês ao ladrão, tu consentes com ele. Ativamente, e com complacência, concordas com os seus procedimentos (Rm 1:32); como os habitantes de Sodoma e os de Gibeá (Os 7:3). [JFU]

19 Com tua boca pronuncias o mal, e tua língua gera falsidades.

Comentário Cambridge

Dando lugar ao falar desenfreado, ao mal na substância e ao malicioso na intenção:inventando toda uma estrutura de falsidades deliberadas. [Cambridge]

20 Tu te sentas e falas contra teu irmão; contra o filho de tua mãe tu dizes ofensas.

Comentário de A. R. Fausset

Tu te sentas e falas contra. Em Salmo 50:19 eles são vistos armando “falsidades”, agora saem em difamação pública.

o filho de tua mãe. Em países polígamos os irmãos não têm sempre a mesma mãe. Aqui a ideia de uma maternidade comum, assim como a paternidade, marca a relação mais próxima, e o pecado de calúnia é assim agravado. [JFU]

21 Tu fazes estas coisas, e eu fico calado; pensavas que eu seria como tu? Eu te condenarei, e mostrarei teus males diante de teus olhos.

Comentário Barnes

Tu fazes estas coisas, e eu fico calado – Compare as notas em Isaías 18:4 . O significado é que enquanto eles faziam essas coisas – enquanto eles cometiam essas abominações – ele não interferia. Ele não apareceu em sua raiva para destruí-los. Ele suportou tudo isso com paciência. Ele havia suportado isso até o momento de interpor Isaías 18:3 , declarar os verdadeiros princípios de seu governo e advertir então sobre as consequências de tal proceder de pecado e hipocrisia. Compare as notas em Atos 17:30 .

pensavas que eu seria como tu? – A ideia aqui é que eles pensaram ou imaginaram que Deus era exatamente como eles no assunto em consideração, e eles agiram sob esta impressão; ou, em outras palavras, a interpretação justa de sua conduta era que eles consideravam a Deus. Ou seja, eles supunham que “Deus” ficaria satisfeito com as “formas” da religião, como “eles” estavam; que tudo o que ele exigia era a oferta adequada de sacrifício, de acordo com “seus” pontos de vista sobre a natureza da religião; que ele não considerou o princípio, a justiça, a moralidade pura, a sinceridade, assim como eles próprios não o fizeram; e que ele não seria rigoroso em punir o pecado, ou reprová-los por isso, se essas formas fossem mantidas, mesmo que “eles” não estivessem dispostos a ser rígidos quanto ao assunto do pecado.

Eu te condenarei – eu vou te repreender por seus pecados e por esta visão da natureza da religião.

e mostrarei teus males – literalmente, irei “organizá-los”; isto é, vou atraí-los para serem vistos em suas fileiras e ordens apropriadas, à medida que os soldados são colocados em formação marcial. Eles devem ser dispostos e classificados de modo que possam ser vistos distintamente.

diante de teus olhos – Para que possam ser vistos claramente. O significado é que eles teriam uma visão clara e impressionante deles:eles seriam feitos para vê-los como são. Isso pode ser feito então, como é feito agora, ou (a) por serem colocados diante de suas mentes e corações, de modo que vissem e sentissem a enormidade do pecado, a saber, por convicção por ele; ou (b) enviando tal punição sobre eles por seus pecados para que pudessem “medir” a culpa e o número de suas transgressões pelas penalidades que seriam infligidas.

De alguma forma, todos os pecadores ainda verão a natureza e a extensão de sua culpa diante de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

22 Entendei, pois, isto, vós que vos esqueceis de Deus; para que eu não vos faça em pedaços, e não haja quem vos livre.

Comentário Barnes

Entendei, pois, isto – entenda isso; preste atenção a isso. A palavra “agora” não expressa bem a força do original. A palavra hebraica não é um advérbio de “tempo”, mas uma partícula denotando “súplica”, e seria melhor traduzida por:“Oh, considere isto”; ou, “Considere isso, eu te imploro.” O assunto é apresentado a eles como o que merecia sua mais solene atenção.

vós que vos esqueceis de Deus – Que realmente se esquecem dele, embora estejam declaradamente engajados em sua adoração; que, em meio às formas de religião, estão realmente vivendo em completo esquecimento das justas reivindicações e do verdadeiro caráter de Deus.

para que eu não vos faça em pedaços – Linguagem derivada da fúria de uma besta faminta rasgando sua vítima de membro a membro.

e não haja quem vos livre – Como ninguém pode fazer quando Deus se levanta em sua ira para infligir vingança. Ninguém se “aventuraria” a se interpor; ninguém “poderia” resgatar de sua mão. “Há” um ponto de tempo em relação a todos os pecadores quando ninguém, nem mesmo o Redentor – o grande e misericordioso Mediador – se interporá para salvar; quando o pecador será deixado para ser tratado por uma “justiça” simples, pura, sem mistura e sem mitigação; quando a misericórdia e a bondade terão feito seu trabalho em relação a eles em vão; e quando eles serão deixados ao “mero deserto” de seus pecados. Nesse ponto, não há poder que possa entregá-los. [Barnes, aguardando revisão]

23 Quem oferece sacrifício de louvor me glorificará, e ao que cuida de seu caminho, eu lhe mostrarei a salvação de Deus.

Comentário Barnes

Quem oferece sacrifício de louvor me glorificará – isto é, ele realmente me honra; ele é um verdadeiro adorador; ele encontra minha aprovação. A palavra aqui traduzida “” oferece “” é a mesma que é usada no Salmo 50:14 , e significa “aquele que sacrifica”:aqui significa, aquele que apresenta o sacrifício de louvor. Portanto, a Septuaginta:”o sacrifício de louvor me glorifica”. Portanto, a Vulgata. A ideia é que a adoração que Deus requer é “louvor”; não é o mero ato externo de homenagem; não é a apresentação de um sacrifício sangrento; não é a mera flexão do joelho; não é uma mera forma externa:é o que procede do coração e que mostra que existe um espírito de verdadeira gratidão, adoração e amor.

e ao que cuida de seu caminho – Margem, como em hebraico, “que dispõe o seu caminho”. Ou, mais literalmente, “Para aquele que” prepara “ou” planeja “seu caminho”; isto é, para aquele que está atento ao seu caminhar; quem procura trilhar o caminho certo; que deseja percorrer o caminho que leva a um mundo mais feliz; que cuida para que toda a sua conduta esteja de acordo com as regras que Deus prescreveu.

eu lhe mostrarei a salvação de Deus – Isso pode significar:”Eu, o autor do salmo como professor” (compare Salmo 32:8 ); ou, “eu” referindo-se a Deus – como uma promessa de que “Ele” instruiria tal pessoa. O último é o significado provável, pois é Deus quem falou no versículo anterior. A “salvação de Deus” é a salvação da qual Deus é o autor; ou, que só ele pode dar. A “idéia” aqui é que, onde houver um desejo verdadeiro de encontrar o caminho da verdade e da salvação, Deus dará as instruções necessárias. Ele não permitirá que tal pessoa se afaste e se perca. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 49 Salmo 51>

Introdução ao Salmo 50

Este salmo pretende ser um “salmo de Asafe”. Este é o primeiro dos salmos atribuídos a ele. Doze ao todo são atribuídos a ele, a saber, Salmo 50; 73-83. Asafe era um levita, filho de Beraquias (1Crônicas 6:39; 1Crônicas 15:17). Ele era um músico eminente (Neemias 12:46; 1Crônicas 16:7), e foi nomeado pelo “chefe dos levitas”, por ordem de Davi, com dois outros, Hemã e Etã, para presidir uma parte dos serviços corais sagrados de adoração pública (1Crônicas 15:16-19). Eles eram responsáveis ​​principalmente pela adoração conduzida com “címbalos de bronze” (1Crônicas 15:19). Os “filhos de Asafe” são posteriormente mencionados entre os coristas do templo (1Crônicas 25:1-2; 2Crônicas 20:14; 2Crônicas 29:13; Esdras 2:41; Esdras 3:10; Neemias 7:44 ; Neemias 11:22); e este cargo parece ter sido hereditário em sua família (1Crônicas 25:1-2). Asafe foi celebrado posteriormente como profeta e poeta (2Crônicas 29:30; Neemias 12:46). O título, “para Asafe”, “pode” significar que o salmo foi composto “pelo próprio” Asafe, ou que foi composto especialmente “para” ele, por Davi ou por outra pessoa, e que foi confiada a ele para ser musicada, ou cantada por aquela banda de músicos sobre a qual foi nomeado para presidir. Compare as notas do título com o Salmo 42. A suspeita é que foi composto “por” Asafe, visto que esta é a explicação mais natural para o título, e como não há nada nas circunstâncias do caso que torne isso improvável.

Não temos informações sobre a “ocasião” em que o salmo foi composto. Não há nada no título que indique isso, nem há nada no próprio salmo que o conecte com quaisquer eventos conhecidos na história judaica. Não há alusões locais, não há nomes mencionados, não há circunstâncias referidas que nos permitam determinar a época da sua composição.

O “objetivo” do salmo parece ser estabelecer “o valor e a importância da religião espiritual em comparação com uma mera religião formal”. É uma entre várias porções do Antigo Testamento que mostram que a religião judaica “considerava” e “exigia” espiritualidade em seus adoradores, e que não foi designada para ser meramente formal. Havia, de fato, uma grande tendência entre o povo judeu de confiar nas formas da religião, e deve-se admitir que não havia nem um pouco em seus modos de adoração que fomentava isso, a menos que houvesse vigilância constante por parte dos adorador, e por parte dos mestres públicos de religião. Na época em que este salmo foi composto, parecia que havia uma confiança geral nas meras cerimônias de adoração pública; que muito da espiritualidade da religião havia desaparecido; e que, sob a religião formal, e conectada com uma atenção decente e até escrupulosa a eles, havia uma grande, senão geral, prevalência de corrupção moral entre o povo.

Na composição do salmo, portanto, o autor representa uma cena de julgamento solene; descreve Deus como vindo com pompa, e em meio a fogo e tempestades, para pronunciar uma sentença sobre o homem; e então, como em sua presença, e como em meio a essas cenas solenes, mostra o que será descoberto ser a verdadeira piedade; o que encontrará a aprovação, e o que incorrerá na desaprovação de Deus.

O salmo pode ser considerado composto das seguintes partes.

I. Uma representação solene das cenas de julgamento; de Deus vindo para julgar aquele que dizia ser seu povo, reunindo os que se confessaram seus amigos, e que se comprometeram a ser seus em meio às cenas solenes de sacrifício (Salmo 50:1-6).

Nesta parte do salmo, existem as seguintes coisas:

(a) Uma convocação geral para o mundo, do nascer ao pôr do sol (Salmo 50:1).

(b) A declaração de que os grandes princípios pelos quais tudo seria determinado procederia de Sião, ou seriam os que foram inculcados lá na adoração a Deus (Salmo 50:2).

(c) Uma descrição de Deus como vindo a julgamento em meio a fogo e tempestade (Salmo 50:3).

(d) Uma chamada geral aos céus e à terra, para que Seu povo fosse convocado de todos os lados com referência à sentença final (Salmo 50:4-5).

(e) Uma declaração de que a justiça perfeita seria feita, que os próprios céus revelariam, pois o próprio Deus era o juiz (Salmo 50:6).

II. Uma declaração dos grandes princípios sobre os quais o julgamento ocorreria e pelos quais a questão seria determinada. Não seria pela observância das meras formas externas de devoção, mas pela religião espiritual; por uma adoração sincera a Deus; por uma vida santa (Salmos 50:7-23).

Esta porção do salmo é dividida em duas partes:a “primeira”, mostrando que não é por meras formas externas que a aceitação pode ser encontrada com Deus, mas que deve haver, sob essas formas, religião pura e espiritual (Salmo 50:7-15); e o “segundo”, que os ímpios não podem esperar encontrar o favor de Deus, embora observem essas formas (Salmo 50:16-23).

Primeiro. Não é por meras formas externas que a aceitação pode ser encontrada junto a Deus (Salmos 50:7-15).

(a) Uma declaração do fato e dos fundamentos do fato de que Deus testificará contra eles (Salmo 50:7-8).

(b) A mera oferta de sacrifícios não pode ser aceitável para ele. Ele não “precisa” de seus sacrifícios, pois todos os animais do mundo são Seus (Salmos 50:9-13).

(c) Somente o louvor – adoração espiritual – humilde confiança nele – pode ser admitido como verdadeira justiça; como aquilo que será aceitável para ele (Salmos 50:14-15).

Segundo. Os ímpios não podem ser aceitos e aprovados, embora observem as formas religiosas (Salmo 50:16-23).

(a) Tais homens, embora no ofício sacerdotal, não podem ser considerados como nomeados por Deus para declarar sua vontade, ou para representá-lo na terra (Salmo 50:16-17),

(b) Uma descrição da conduta real de muitos daqueles que professavam ser Seus amigos; que eram rígidos em suas observâncias das formas externas de religião, e que estavam até mesmo no ofício sacerdotal (Salmo 50:18-21).

(c) Como antes (Salmo 50:14-15); apenas os justos – os de mentalidade espiritual – os retos – podem, em tal julgamento solene, encontrar a aprovação de Deus (Salmo 50:22-23).

Este salmo, portanto, é uma das porções mais instrutivas do Antigo Testamento, ao estabelecer a necessidade da religião espiritual e o fato de que a mera observância das formas nunca pode constituir aquela justiça que tornará as pessoas aceitáveis ​​a Deus. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.